Qual distribuição Linux devo escolher?

Neste artigo vamos ver quais as principais distribuições Linux que existem e as principais características de cada uma delas, para assim você poder escolher a que melhor se encaixa às suas necessidades.

[ Hits: 66.928 ]

Por: Raul Lopes S. Grangeiro em 28/07/2010


PCLinuxOS, Yellow Dog Linux, Slackware, Slax, Vector Linux, Artistx



PCLinuxOS

PCLinuxOS é uma distribuição do sistema GNU/Linux. É uma distribuição do tipo Live CD em desenvolvimento semelhante ao Knoppix baseada no Mandrake versão 9.2 que roda inteiramente através de um CD "bootável". Os dados do CD são descomprimidos on-the-fly, permitindo até 2 GB de programas e arquivos de sistema em apenas um CD, incluindo KDE, FluxBox, e uma grande quantidade de pacotes como OpenOffice e Mozilla Firefox mais os plugins. Recomenda-se 256 MB ou mais de RAM e aproximadamente 5 GB de espaço livre para a instalação no HD.

A comunidade brasileira do PCLinuxOS se encontra em sua infância, desenvolvida em plena metade de 2008. Pode ser acessada pelo endereço eletrônico:
Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/PCLinuxOS
Site oficial: http://pclinuxos.com/

Yellow Dog Linux

Yellow Dog Linux (em inglês), Cachorro Amarelo, também YDL, é um software-livre, sistema operacional de código aberto para computadores ppc. Desenvolvido pela Terra Soft Solutions, Yellow Dog Linux foi lançado primeiramente em 1999 para o Macintosh da Apple. A versão mais recente, 6.1, foi lançada dia 19 de Novembro de 2008; há 83 semanas e 4 dias apenas para membros e um mês depois para todo mundo.

Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/Yellow_Dog_Linux
Site oficial: http://www.yellowdoglinux.com/

Slackware Linux

Slackware Linux é o nome dado pelo seu mantenedor, o Patrick Volkerding, a uma das mais antigas e conhecidas distribuições (sistema operacional e conjunto de aplicativos) do Linux; é a mais antiga distribuição ainda mantida em evidência.

Criada em meados de 1993 por Patrick Volkerding e mantida pelo próprio, o Slackware Linux (ou simplesmente "Slack") tem como objetivo manter-se fiel aos padrões UNIX, rejeitando ferramentas de configuração que escondam do usuário o real funcionamento do sistema. Além disso, o Slackware é composta, apenas, do empacotamento de aplicativos em versões estáveis (que diferem das versões betas e de pré-lançamentos, ainda em condições de testes), e sem alterações feitas fora dos times oficiais de desenvolvedores.

Outras distribuições Linux foram organizadas baseados na compatibilidade com o Slackware Linux. No começo, Patrick Volkerding mantinha a distribuição só. Ao longo dos anos, acabou aceitando a ajuda de alguns colaboradores (muito poucos por sinal) a fim de o ajudar no desenvolvimento da distribuição.

Por sua concepção UNIX-like, o Slackware Linux faz uma abordagem bastante diferente das outras distribuições populares como Red Hat, Fedora, Debian, Gentoo, SuSE, e Mandriva. Sua política de só incluir aplicativos estáveis e nenhuma interface gráfica de configuração específica, a fez tornar uma distribuição referência para aqueles que desejam conhecer a realidade de um sistema UNIX-like. Simplicidade e estabilidade são duas características marcantes nesta distribuição. Muito comum em servidores, procura ser uma distribuição "leve", praticamente sem enfeites e rápida, muito apreciada por usuários mais experientes.

O termo "slack" traz um significado peculiar a distribuição. Patrick extraiu este nome pela chamada Slack Church of the SubGenius (Igreja dos Sub-Gênios). De acordo com esta organização, "slack" significa ter "senso de liberdade, independência e originalidade para alcançar suas metas pessoais". Dessa forma, o nome "Slackware" traduz bem a filosofia do sistema.

O fato do Patrick Volkerding objetivar estabilidade e não trazer versões betas ou aplicativos ainda em testes, trouxe ao slackware a aparente impressão de ser uma distribuição de lançamentos lentos em comparação as demais distribuições linux. Esta curiosa impressão podem ter ênfase no próprio nome da distribuição: "SLACKWARE" (que significativamente se traduz "SLACK" como sendo "PREGUIÇA", e "WARE" como "PRODUTO") sendo interpretado como um produto de lapidação vagaroza.

Mesmo após o lançamento de versões estáveis da distribuições, ao se instalar, as configurações do sistema são feitas diretamente nos documentos texto de configurações, modo preferido entre os usuários mais experientes.

Toda versão Slackware é estável. Também existe sempre uma versão current - intermediária entre a versão estável atual e a próxima -, mas dessa jamais há imagens para download: os respectivos pacotes precisam ser baixados um por um dos da pasta "current" contida nos repositórios do Slackware e instalados, igualmente um por um, com o comando upgradepkg do pkgtool.

Para quem faz questão de um Slackware totalmente current, a opção mais eficaz é baixar e instalar o Slackpkg, uma ferramenta que acessa os repositórios oficiais e que faz esses upgrades automaticamente. Porém, desde a versão 13.0, o Slackpkg vem instalado por padrão na distribuição.

Possui seu próprio gerenciador de pacotes, o pkgtool (installpkg, upgradepkg, removekpg, explodepkg, makepkg), sem gerenciamento de dependências (existem programas que adicionam esse gerenciamento, como o slapt-get e swaret). O formato dos pacotes .tgz é bastante simples, similar a um .tar.gz contendo apenas os arquivos a serem instalados em suas respectivas pastas em relação à raiz do sistema, além de um script com comandos complementares para a instalação.

O Slackware Linux é um Sistema Operacional livre, ou seja, está disponível na Internet e todos têm acesso ao código-fonte, podendo então melhorá-lo ou adaptá-lo às próprias necessidades.

A versão 12.0 da distribuição foi um marco. Disponibilizado em 2 de julho de 2007, é a primeira versão a vir com Linux 2.6. É a que mostra mais inovações e mudanças em relação com as anteriores, além do Linux 2.6.21.5, que na época do lançamento era o mais atual já mostrando uma mudança na concepção do Slackware que não costumava utilizar o último release do núcleo, ela conta com três inovações que resultaram em muita polemica que é o HAL, a glibc 2.5 e o GCC 4.1.2, a primeira é uma camada de abstração de hardware que fornece auto-mount para o sistema indo contra a filosofia original do sistema, mas inserido por causa da dependência do KDE pelo mesmo e a segunda são as bibliotecas de C do projeto GNU essa era a versão mais recente da mesma no lançamento da distribuição e foi muito contestada a sua utilização por ser um pacote crucial para o sistema e por ser muito novo ser suscetível a instabilidade, já o GCC 4.1.2 gerou polêmica devido a falta de compatibilidade de códigos antigos com os compiladores da nova série do GCC indo novamente de encontro a filosofia Slackware que busca estabilidade. Por falar no núcleo, essa versão foi a primeira a não ser capaz de fazer boot pelo disquete, tendo como opção na instalação a criação de um dispositivo USB de boot, e veio apenas com a versão 2.6.21.5 no CD em 4 modos generic-2.6.21.5 (genérico contendo os hardwares mais comuns dentro do núcleo e o resto modularizado), generic-2.6.21.5-smp (mesmo que anterior com suporte a multiprocessamento / HT), huge-2.6.21.5 (núcleo que contem praticamente tudo que existe de suporte a hardware embutido no núcleo a custo de um peso imenso(huge) na hora do carregamento) e o huge-2.6.21.5-smp (mesmo que o anterior mas com suporte a multi-processamento).

O Slackware 13, a versão atual, possui a GCC 4.3.3, o núcleo Linux 2.6.29.6, KDE 4.2.4, Xfce 4.6.1, e a suíte SeaMonkey 1.1.17, além de todos os utilitários habituais. Provavelmente, a maior mudança é a adição do suporte oficial para 64 bits, embora a versão de 32 bits continue a ser desenvolvida. Outra grande mudança é a passagem do KDE 3.x para o KDE 4.x.

Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/Slackware_Linux
Site oficial: http://www.slackware.com/

SLAX

SLAX é uma distribuição Linux baseada em Slackware Linux. É um Live CD, podendo ser executado sem instalação no disco rígido - ou mesmo em um computador sem disco rígido. Ele pode ser executado pelo CD, por um drive USB ou pela memória RAM - o que libera o drive de CD para outros usos. SLAX Standard e Kill Bill usam o KDE como seu ambiente de desktop, enquanto o Popcorn usa Xfce. O FluxBox é uma opção em todas as versões exceto Frodo.

A versão atual estável do SLAX é a 6.1.0 que tem cerca de 190MB, sendo que se pode escolher para adicionar dentre 27 módulos de linguagens, incluindo o português do Brasil ou de Portugal.

Características - SLAX contém os seguintes softwares:
  1. Linux 2.6.24
  2. X.org 7.3
  3. UnionFS e SquashFS
  4. KDE 3.5.9
  5. MPlayer 1.0rc1 com KPlayer
  6. Rdesktop (rscp in KDE)
  7. Suporte a hotplug
  8. cdrtools
  9. Cliente de e-mail Mutt
  10. wget

Uma lista completa de softwares pode ser encontrada em Página de pacotes de software do SLAX.

Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/Slax
Site oficial: http://www.slax.org/

Vector Linux

O Vector Linux, é uma distribuição Linux baseada no Slackware, foi desenvolvida no intuito de ser usado em computadores antigos, hoje em dia o Vector está na sua versão 6.0, que é baseada no Slackware 12.1. Por ter sido inspirada no Slackware, encontram-se dificuldades de instalação e configuração por usuários iniciantes, porém é altamente personalizável. Como uma distribuição leve, o Vector Linux ficou bastante famoso, estando entre as 20 distribuições mais visitadas no distrowatch.

Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/Vector_Linux
Site oficial: http://www.vectorlinux.com/

Artistx

Artistx é uma distribuição Linux baseada no Ubuntu. O objetivo desta distribuição é transformar seu computador num estúdio multimídia. Ela contém muitos programas de áudio, vídeo, fotos e etc. Foi feita especialmente para quem trabalha com multimídia, e mostra que, ao contrário do que muita gente pensa, o Linux não é isento de programas multimídia.

Mais informações: no site oficial
Site oficial: http://www.artistx.org/site2/

Conclusão

Neste artigo mostrei algumas características das principais distribuições Linux, levando em consideração que existem muitas outras. Para fazer este artigo fiz algumas pesquisas, e peço desculpas se alguns dados pesquisados estiverem obsoletos. Com isto você já pode escolher qual distribuição melhor se enquadra no seu perfil, e pode desfrutar de um sistema operacional muito intuitivo.

Página anterior    

Páginas do artigo
   1. Debian, BrDesktop, BRLix, Damn Slamm Linux
   2. Insigne, Keep-OS, Knoppix, DreamLinux, Big Linux
   3. GnuLinEx, Resulinux, Rxart, Satux Linux
   4. Skolelinux, Ubuntu, Alinex, Fluxbuntu
   5. GnewSense, Goobuntu, Jolicloud, Kubuntu
   6. Linux Mint, Ubuntu Studio, Xubuntu, ZeVenOS
   7. Xandros, Foresight Linux, Gentoo, Guaranix
   8. Litrix, Sabayon, GoboLinux, openSUSE
   9. CentOS, Fedora, Ekaaty, Mandriva
   10. PCLinuxOS, Yellow Dog Linux, Slackware, Slax, Vector Linux, Artistx
Outros artigos deste autor

Fedora 21 - Configuração pós-instalação

Rakarrack - Uma pedaleira virtual no Fedora 21

Mamãe mandou eu escolher esse daqui... será?

Visão Geral do Linux Mint

Torne o Ubuntu o seu principal sistema operacional

Leitura recomendada

Cacti: Gerenciamento de redes com os plugins Weathermap e Monitor no Debian Etch Linux

Arco Linux - Distro completa

NXServer - Uma solução em remote desktop

cdrecord: gravando CDs de forma simples e prática

FOG Project - Configurando meu primeiro servidor de imagens

  
Comentários
[1] Comentário enviado por corvolino em 28/07/2010 - 17:25h

cadê o archlinux? ;(

[2] Comentário enviado por removido em 28/07/2010 - 17:37h

Parabéns pelo artigo.
E, que atire a primeira pedra quem não foi ler sobre sua distro favorita antes de ler sobre as outras...
hehe :)

[3] Comentário enviado por raulgrangeiro em 28/07/2010 - 17:42h

Desculpa corvolino, esqueci mesmo. Peço mil desculpas. Mas como eu havia dito na conclusão, há muitas outras distros.

Por favor não me levem a mal se esqueci de alguma distro, é que são muitas, e para a gente se lembrar de cada uma é difícil.

[4] Comentário enviado por izaias em 28/07/2010 - 17:52h

Faltaram algumas, é verdade. Mas a falta não tirou o propósito do artigo.
Chovem tópicos sobre qual distro usar, recomenda-se uma ou outra.
Com seu artigo, temos um link direto para dispor muitas informações a esses que precisam de um caminho para começar.

Você utilizou linguagem clara e objetiva, não foi desnecessariamente prolixo (apesar de ser ubuntero, falou muito pouco de nossa distro preferida, heim Raul!). Mas é isso, gostei de seu primeiro artigo.

Parabéns!

[5] Comentário enviado por claudiojoliveira em 28/07/2010 - 18:46h

Cadê o Salix OS?
Esta distro está na versão 13.1 e é baseada no Slackware também, tem como gerenciador gráfico o Xfce e trata-se de uma ótima distribuição, com slapt-get, openoffice, wicd, tudo já incluso. O gerenciador de arquivos é o thunar, muito rápido e leve.
Abraços....

[6] Comentário enviado por lemuelroberto em 28/07/2010 - 18:50h

Gostei muito do seu artigo. Parabéns!!!

Foi o que faltava pra eu testar o Gentoo Linux. Vô deixar de preguiça e instalar logo! ;)


[7] Comentário enviado por claudiojoliveira em 28/07/2010 - 18:50h

Pode crer Leandro Toledo, já fui no Slackware de cara! kkkkk
Parabéns pelo artigo Raul Grangeiro.
Abraços!

[8] Comentário enviado por initrd em 28/07/2010 - 19:04h

Mt bom o artigo, fui logo directo ao slackware :)
tb gostava de ver algo sobre zenwalk , mas se fosse sobre todas as distros lolol.....

[9] Comentário enviado por Teixeira em 28/07/2010 - 19:52h

Estão faltando MUITAS distros (se formos levar em conta a Distrowatch, é claro).
Mas isso não desmerece de forma nenhuma o artigo, a meu ver o mais abrangente sobre o assunto, com bastante informação e sem encher linguiça.
Parabéns!

[10] Comentário enviado por removido em 28/07/2010 - 21:33h

Raul Grangeiro,

Considere as críticas/questionamentos/elogios como algo positivo, o que você fez aqui foi grandioso, dado o quase infinito número de distribuições. Esquecer essa ou aquela distribuição é aceitável, e isso não diminuirá o "valor" das mesmas.

Envie um email pro Fale Conosco e peça que insiram a parte referente a distro esquecida, isso se você achar necessário.

Com a adição das distros esquecidas, seu artigo bem que poderia fazer parte desse campo: http://www.vivaolinux.com.br/download-linux

Parabéns!

[11] Comentário enviado por albfneto em 28/07/2010 - 21:35h

Beleza de artigo! Favoritado.
Uma grande expansão do meu artigo sobre o assunto:

http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Linux-pode-ser-usado-por-todo-mundo-Escolhendo-o-seu-primeiro-Li...

Uma curiosidade, as versões novas do Sabayon estão atualizadas, são 5.3. Os dados estão já na Wikipedia Português, no verbete do Sabayon Linux, qie por coincidência, sou eu o autor do verbete! rsrsrrsrsrsrs

O Guaranix é um antigo projeto experimental de um Gentoo like:

http://guaranix.codigolivre.org.br/dokuwiki/doku.php

Que eu saiba, foi interrompido em 2006, ou caminha a passos muito lentos.

Claro que faltariam Distros, não dá para cobrir tudo Salix, Arch,VidaLinux, Vector, BLueWhite, Librix (um outro gentoo like brasileiro, o antigo Tutoo da Unicamp) e até Ututo.

Ututo é um Gentoo like da Argentina, importante por ser uma distro antiga, um dos primeiros Gentoo like e por ser (como GNewSense o é) uma distro totalmente livre, sem nada proprietário.
O Ututo é pouco usado no Brasil, mas é tão importante que até Richard Stallman usou ela!

[12] Comentário enviado por aline.abreu em 29/07/2010 - 08:29h

Olá, bem completo o seu artigo. :)
Parabéns

[13] Comentário enviado por claupers em 29/07/2010 - 10:10h

Raul, parabéns pelo artigo e disponibilidade em escreve-lo e publicar na comunidade. Foi através dele que conheci muitas distros que nem sabia da existência. Gostei bastante da BRLix, uma boa distribuição para instalar em computadores de usuários habituados ao uso do W. Dessa forma a transição é mais fácil. Sem falar que é customizado para o Brasil.

Valeu.

[14] Comentário enviado por hellsdragon em 29/07/2010 - 11:56h

Olá, eu recomendo o Debian Lenny (gnome), pois além de ser fácil e ter uma interface amigável, tem alguns recursos que acho fantásticos, como o proxy squid.

Att.

H'D

[15] Comentário enviado por JoseRenan em 29/07/2010 - 17:48h

legal carinha tem muitas distros ae quem nem ouvi dizer. Não li totalmente o artigo mas se tiver alguma curiosidade sobre alguma distribuição já sei onde encontrar as primeiras informações

[16] Comentário enviado por danilo21 em 01/08/2010 - 18:56h

Bem legal. Só deu um fora: Cadê o ArchLinux???Distribuição que aparece eventualmente entre as melhores com quase 10 anos de existencia. Na listagem temos até distribuições "menos importantes" e menos famosas.

[17] Comentário enviado por rweu em 01/08/2010 - 19:54h

Boa noite a todos,

Faltando vão estar um monte delas, até mesmo porque, cada um que vier a ler o artigo de nosso amigo, trará sua experiência própria, uns mais "cascudos", outros ainda "calça branca".
Mas a falta de várias delas ( posso cita aqui algumas muito boas tipo sidux e Epidemic, oriundas do Debian) em nada invalida a iniciativa, e acho mesmo que o raulgrangeiro, deveria fazer o parteII , parte III e assim por diante.

Boa sorte a todos!!

[18] Comentário enviado por raulgrangeiro em 02/08/2010 - 15:10h

É gente, mandei um e-mail pro pessoal do VOL pedindo pra eles adicionarem algumas outras distros que faltaram, mas até agora eles não me responderam. Se for da vontade de Deus escreverei a parte 2 desse artigo, levando em consideração que este falta algumas distros importantes, mas de qualquer forma o que não falta é distro para descrever.

Até mais pessoal! Deus abençõe a vida de cada um de vocês!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts