Qual distribuição Linux devo escolher?

Neste artigo vamos ver quais as principais distribuições Linux que existem e as principais características de cada uma delas, para assim você poder escolher a que melhor se encaixa às suas necessidades.

[ Hits: 66.923 ]

Por: Raul Lopes S. Grangeiro em 28/07/2010


Xandros, Foresight Linux, Gentoo, Guaranix



Xandros

Xandros é uma distribuição Linux. O principal enfoque da distribuição é a interface gráfica e a facilidade para a utilização tornando-o especial para uma migração de Windows para Linux, especialmente em empresas. O objetivo visual da distribuição é ser relativamente parecido com o Windows XP. Seu nome é derivado de "X Window System" e o nome da ilha grega de "Andros".

O Xandros é desenvolvido pela Xandros Incorporated, fundada em maio de 2001, a companhia possui sede em Nova York, com escritórios em Frankfurt, São Paulo e Ottawa no Canadá.

Suas distribuições são baseadas no Corel Linux, que por sua vez é uma distribuição baseada em Debian. Em Julho de 2007, Xandros comprou o Scalix, um cliente de e-mail e colaboração linux, baseado no HP OpenMail. Em Julho de 2008, a Xandros adquiriu a Linspire.

Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/Xandros
Site oficial: http://www.xandros.com/

Foresight Linux

Foresight Desktop Linux é uma distribuição GNU/Linux de software livre e não-livre. Ela visa incluir o software mais recente e ser tão amigável ao usuário quanto possível, mas ainda poderosa o suficiente para usuários avançados.

Foresight é uma distribuição baseada no GNOME e anteriormente seguiu de perto seu desenvolvimento. A distribuição importou as versões 2.18, 2.16, 2.14, 2.12 e 2.10 do GNOME no mesmo dia que foram lançadas. A última versão é a 2.1.1, que inclui o GNOME 2.26.1 como seu ambiente de trabalho padrão.

Foresight se caracteriza pelo uso do sistema de gerenciamento de pacotes Conary. Este sistema atualiza apenas os arquivos específicos que mudaram dentro dos pacotes que necessitam ser atualizados, em contraste com outros sistemas, tais como RPM e APT, que baixam os pacotes inteiros.

Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/Foresight_Linux
Site oficial: http://www.foresightlinux.org/

Gentoo Linux

Gentoo Linux é uma metadistribuição baseada no sistema gerenciador de pacotes portage. A nomenclatura usada no desenvolvimento do sistema e seus produtos é inspirada na espécie de pingüim Gentoo. O gerenciamento de pacotes no gentoo é desenhado para ser modular, portátil, fácil de manter, flexível e otimizado para a máquina usuária.

Diferentemente da maioria das distribuições de software, normalmente os pacotes são compilados a partir do código fonte, mantendo a tradição dos ports(em inglês) nos sistemas BSD, embora por conveniência, alguns pacotes grandes são disponibilizados também como binários pré-compilados para várias arquiteturas.

O Gentoo descreve-se como uma metadistribuição, "devido a sua adaptabilidade quase ilimitada".

Vantagens:

Dependências leves - Já que os pacotes são compilados pelo código-fonte, dependências entre os pacotes são mais flexíveis do que as de distribuições binárias, e podem ser explicitamente ativadas ou desativadas em muitos dos casos. Distribuições binárias tipicamente oferecem flexibilidade similar ao fornecer várias versões do mesmo pacote com apelidos diferentes, ou dividindo pacotes em componentes mais modulares quando possível.

Já que o número de configurações possíveis se torna combinatória conforme o número de opções no momento de compilação aumenta, não é viável manter binários para todas as possíveis combinações. Por isso o Gentoo é capaz de oferecer uma variedade muito maior de opções de pacotes no momento da compilação, onde outras distribuições famosas não são.

Pacotes mais atuais - Ao sincronizar regularmente a sua árvore do portage, usuários Gentoo são capazes de usar a versão mais recente dos pacotes disponíveis, ao invés de ficarem fixos a uma data de lançamento em particular.

Geralmente isso resulta em versões mais novas de software disponíveis no gerenciador de pacotes do que as disponibilizadas em outras distribuições Linux em qualquer momento específico, particularmente aquelas que são presas a um determinado lançamento, apenas com atualizações de segurança. Isto também pode ser considerado um inconveniente; ao utilizar um sistema Gentoo, não há garantias com relação a compatibilidade com versões anteriores na atualização pacotes, já distribuições que fazem apenas um combo reduzido de lançamentos para os pacotes disponíveis são capazes de gerenciar melhor a compatibilidade entre cada lançamento.

O Gentoo Linux dá um passo além, oferecendo aos próprios desenvolvedores a opção de utilizar um overlay, que é nome dado a árvores secundárias, mas relativas à árvore principal do Portage. Isso permite que os usuários testem novas funções antes mesmo de serem lançadas, ou seja, no exato momento em que estão sendo feitas.

Overlays são uma excelente maneira de testar a estabilidade e o progresso de determinados projetos, e muito comuns no Gentoo, oferecendo um controle privilegiado sobre a própria distribuição, sobre quais e quando pacotes podem ou não ser disponibilizados sob a premissa de serem estáveis.

Clareza e flexibilidade - O sistema Portage mostra, comparado com outras distribuições Linux, muito do que eles está fazendo. Para muitos passos de instalação, os comandos executados são mostrados, enquanto muitas distribuições Linux apenas descrevem o que elas estão tentando conseguir.

Fato relacionado é o fato de qualquer usuário pode modificar o comportamento do sistema por inteiro de forma relativamente simples, já que grande parte dos programas no gerenciamento de pacotes são scripts.

Devido tudo isso, o Gentoo pode ser útil para desenvolvedores de código, por que eles podem fazer uma instalação completa com o código-fonte nos seus servidores (por exemplo servidores de revisão) usando um simples comando.

Construa o sistema dos seus sonhos - A estrutura atual do Gentoo é basicamente modular, constituída de muitos meta-dados, tornando extremamente fácil escolher entre uma enorme variedade de opções, entre softwares e suas configurações.

Essa modulização usa entre outros conceitos, o sistema de overlays do Gentoo, criando árvores paralelas e interligadas à árvore central, com pacotes constituídos unicamente de meta-dados, capazes selecionar, compilar e configurar pacotes, utilizando determinadas opções, pré-definidas ou não. Essa estrutura possui inúmeras vantagens, por exemplo, uma vez que os projetos são autônomos, eles ficam responsáveis pelo seu próprio ambiente, precisam se focar apenas em coisas menores, isto também acaba com a necessidade de possuir uma autoridade central e reguladora, limitando-a apenas à árvore principal, contendo o núcleo do sistema, e que determina quais projetos são oficialmente mantidos. Utilizando essa alta modulização, também torna-se mais simples executar forks, assim, se, por qualquer motivo alguém achar que o mozilla não está sendo mantido corretamente, ele pode criar a sua própria árvore e aplicar os patches e correções que acredita serem necessários, e, com o tempo, se este novo projeto realmente for melhor, ele irá lentamente substituir o primeiro, se tornando um projeto oficial.

Desvantagens:

Instalação lenta de pacotes - Compilar a partir do código-fonte significa que alguns pacotes são mais demorados para instalar. Demoras na instalação levam a uma instalação inicial mais longa se muitos pacotes são instalados. Em casos extremos como KDE e OpenOffice.org, a instalação de pacotes pode levar horas, ou até mesmo dias em hardware antigo.

A compilação destes pacotes também vai exigir bastante espaço em disco, enquanto estiver sendo feita (4.6 GB para o OpenOffice.org - dê uma olhada na ebuild do app-office/openoffice para mais detalhes). No geral, usuários do Gentoo aceitam os custos do tempo de compilação para poderem usar suas próprias configurações na compilação.

Agora, no entanto, binários pré-compilados para aplicações muito usadas como o KDE, OpenOffice.org, e Mozilla Firefox estão disponíveis, na forma como seus mantenedores upstream os disponibilizam, mas ao utilizar estes binários, você perde a chance de personalizar a escolha de características e otimizações para estes pacotes, mesmo embora o tempo de instalação dos pacotes seja reduzido para alguns minutos.

Numa instalação padrão, as críticas acima são basicamente válidas. Porém, deve-se notar que há várias ferramentas/soluções para evitar parcialmente problemas de compilações longas. Elas podem ser usadas separadamente ou em qualquer combinação entre uma e outra:

A primeira é alterar o número de instâncias paralelas do make que podem estar em execução. Iso pode ser especificado globalmente no arquivo /etc/make.conf ou utilizando a diretriz MAKEOPTS="-jX". Setando o valor de X = 1 + "# de núcleos de CPU", funcionando bem em muitas configurações. Note que esta configuração deve refletir o número de núcleos através de todas as máquinas ao utilizar o distcc (veja a terceira opção abaixo).

A segunda, aplicável para configurações com >512-1024MB de RAM, é um script envoltório para o comando emerge chamado temerge[63](em inglês) que move o diretório temporário do emerge para (em inglês) no tmpfs (um RAM drive). Isto pode reduzir substancialmente o tempo de compilação para muitos pacotes, especialmente aqueles com atividade intensa de entrada/saída nos discos da área de compilação.

A terceira, aplicável a usuários com múltiplas máquinas Linux, através do uso da ferramenta distcc, que é capaz de distribuir os tempos de compilação através de múltiplas máquinas. Isto é especialmente benéfico ao compilar sistemas a partir de imagens do "stage1" ou "stage2", quando a compilação de pacotes é exigida consideravelmente.

A quarta é a opção buildpkg do portage[65](em inglês) para tarballs binários de pacotes compilados. Estes podem ser unidos numa máquina de arquitetura compatível e make.conf configurado de maneiras similares a de uma Distribuição Linux (binária). Isto também pode ser usado para a recuperação do sistema ou usado para compilar pacotes em uma máquina potente para depois instalar em outras menos potentes.

A promessa de otimização - O Gentoo foi muito criticado por sua suposta promessa de executar programas mais rapidamente; por design ele permite que usuários especifiquem suas flags de compilação. Alguns websites foram criados especialmente para satirizar esta aproximação falsa a computação. Na realidade, otimizações nem sempre beneficiam a execução de um programa a tal ponto que importe recompilar todo o sistema e seus softwares, ao invés de usar pacotes pré-compilados como outras distribuições Linux normalmente fazem.

A verdade é que o gerenciamento de pacotes do Gentoo, no entanto, oferece mais opções, que permitem também a seus usuários instalar menos bibliotecas do que aqueles aplicativos normalmente instalariam, o que pode resultar em um ambiente operacional mais magro e limpo, capaz de executar aplicativos (ou pelo menos durante a inicialização) mais rapidamente do que qualquer sistema com bibliotecas e serviços desnecessários em execução em segundo plano.

Requer uma boa conexão com a internet - Isto está mais relacionado a downloads do que a compilar pacotes. Logo, qualquer outra distribuição Linux que possui atualizações na internet precisa baixar pacotes binários ao invés, e o tamanho dos pacotes binários e códigos geralmente é comparável. Atenuando este inconveniente há a possibilidade de fazer o download de arquivos necessários em segundo plano utilizando as flags -f ou --fetchonly do emerge, ou o download pode ser feito automaticamente, também em segundo plano, durante a compilação, ao ativar a característica parallel-fetch.

Outro modo de se fazer isto é realizar os downloads em outra máquina utilizando o comando emerge e mover o código-fonte para o diretório /usr/portage/distfiles correspondente na máquina desejada; deste modo, se o usuário possuir uma velocidade de conexão baixa, ele pode realizar os downloads em outro lugar.

Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/Gentoo
Site oficial: http://www.gentoo.org/

Guaranix

Guaranix é o projeto de criação de uma distribuição GNU/Linux baseada no Gentoo, com o poderoso sistema de gerenciamento de pacotes Portage, mas com o uso de pacotes pré-compilados.

O objetivo da distribuição é ser leve, mas procurando manter uma aparência bonita, utilizando principalmente aplicações desenvolvidas com o Gtk2. O alvo da distribuição é o pc mais antigo, baseado nos processadores 586 em diante, para os quais os pacotes da distribuição serão compilados e otimizados. A distribuição pretende atingir primeiramente o usuário avançado/intermediário e, mais tarde, englobar também o público iniciante.

Mais informações: http://pt.wikipedia.org/wiki/Guaranix
Site oficial: N/A

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Debian, BrDesktop, BRLix, Damn Slamm Linux
   2. Insigne, Keep-OS, Knoppix, DreamLinux, Big Linux
   3. GnuLinEx, Resulinux, Rxart, Satux Linux
   4. Skolelinux, Ubuntu, Alinex, Fluxbuntu
   5. GnewSense, Goobuntu, Jolicloud, Kubuntu
   6. Linux Mint, Ubuntu Studio, Xubuntu, ZeVenOS
   7. Xandros, Foresight Linux, Gentoo, Guaranix
   8. Litrix, Sabayon, GoboLinux, openSUSE
   9. CentOS, Fedora, Ekaaty, Mandriva
   10. PCLinuxOS, Yellow Dog Linux, Slackware, Slax, Vector Linux, Artistx
Outros artigos deste autor

Instalei o Ubuntu! E agora?

Fedora 21 - Configuração pós-instalação

Mamãe mandou eu escolher esse daqui... será?

Torne o Ubuntu o seu principal sistema operacional

Visão Geral do Linux Mint

Leitura recomendada

Nuxeo EP com MySQL no Ubuntu LTS Server Hardy 8.04

Teste de software

Atualizando o navegador Firefox para a versão 4.0

Instalando o Gentoo GNU/Linux

Faça um tour pelo aMSN 0.95b

  
Comentários
[1] Comentário enviado por corvolino em 28/07/2010 - 17:25h

cadê o archlinux? ;(

[2] Comentário enviado por removido em 28/07/2010 - 17:37h

Parabéns pelo artigo.
E, que atire a primeira pedra quem não foi ler sobre sua distro favorita antes de ler sobre as outras...
hehe :)

[3] Comentário enviado por raulgrangeiro em 28/07/2010 - 17:42h

Desculpa corvolino, esqueci mesmo. Peço mil desculpas. Mas como eu havia dito na conclusão, há muitas outras distros.

Por favor não me levem a mal se esqueci de alguma distro, é que são muitas, e para a gente se lembrar de cada uma é difícil.

[4] Comentário enviado por izaias em 28/07/2010 - 17:52h

Faltaram algumas, é verdade. Mas a falta não tirou o propósito do artigo.
Chovem tópicos sobre qual distro usar, recomenda-se uma ou outra.
Com seu artigo, temos um link direto para dispor muitas informações a esses que precisam de um caminho para começar.

Você utilizou linguagem clara e objetiva, não foi desnecessariamente prolixo (apesar de ser ubuntero, falou muito pouco de nossa distro preferida, heim Raul!). Mas é isso, gostei de seu primeiro artigo.

Parabéns!

[5] Comentário enviado por claudiojoliveira em 28/07/2010 - 18:46h

Cadê o Salix OS?
Esta distro está na versão 13.1 e é baseada no Slackware também, tem como gerenciador gráfico o Xfce e trata-se de uma ótima distribuição, com slapt-get, openoffice, wicd, tudo já incluso. O gerenciador de arquivos é o thunar, muito rápido e leve.
Abraços....

[6] Comentário enviado por lemuelroberto em 28/07/2010 - 18:50h

Gostei muito do seu artigo. Parabéns!!!

Foi o que faltava pra eu testar o Gentoo Linux. Vô deixar de preguiça e instalar logo! ;)


[7] Comentário enviado por claudiojoliveira em 28/07/2010 - 18:50h

Pode crer Leandro Toledo, já fui no Slackware de cara! kkkkk
Parabéns pelo artigo Raul Grangeiro.
Abraços!

[8] Comentário enviado por initrd em 28/07/2010 - 19:04h

Mt bom o artigo, fui logo directo ao slackware :)
tb gostava de ver algo sobre zenwalk , mas se fosse sobre todas as distros lolol.....

[9] Comentário enviado por Teixeira em 28/07/2010 - 19:52h

Estão faltando MUITAS distros (se formos levar em conta a Distrowatch, é claro).
Mas isso não desmerece de forma nenhuma o artigo, a meu ver o mais abrangente sobre o assunto, com bastante informação e sem encher linguiça.
Parabéns!

[10] Comentário enviado por removido em 28/07/2010 - 21:33h

Raul Grangeiro,

Considere as críticas/questionamentos/elogios como algo positivo, o que você fez aqui foi grandioso, dado o quase infinito número de distribuições. Esquecer essa ou aquela distribuição é aceitável, e isso não diminuirá o "valor" das mesmas.

Envie um email pro Fale Conosco e peça que insiram a parte referente a distro esquecida, isso se você achar necessário.

Com a adição das distros esquecidas, seu artigo bem que poderia fazer parte desse campo: http://www.vivaolinux.com.br/download-linux

Parabéns!

[11] Comentário enviado por albfneto em 28/07/2010 - 21:35h

Beleza de artigo! Favoritado.
Uma grande expansão do meu artigo sobre o assunto:

http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Linux-pode-ser-usado-por-todo-mundo-Escolhendo-o-seu-primeiro-Li...

Uma curiosidade, as versões novas do Sabayon estão atualizadas, são 5.3. Os dados estão já na Wikipedia Português, no verbete do Sabayon Linux, qie por coincidência, sou eu o autor do verbete! rsrsrrsrsrsrs

O Guaranix é um antigo projeto experimental de um Gentoo like:

http://guaranix.codigolivre.org.br/dokuwiki/doku.php

Que eu saiba, foi interrompido em 2006, ou caminha a passos muito lentos.

Claro que faltariam Distros, não dá para cobrir tudo Salix, Arch,VidaLinux, Vector, BLueWhite, Librix (um outro gentoo like brasileiro, o antigo Tutoo da Unicamp) e até Ututo.

Ututo é um Gentoo like da Argentina, importante por ser uma distro antiga, um dos primeiros Gentoo like e por ser (como GNewSense o é) uma distro totalmente livre, sem nada proprietário.
O Ututo é pouco usado no Brasil, mas é tão importante que até Richard Stallman usou ela!

[12] Comentário enviado por aline.abreu em 29/07/2010 - 08:29h

Olá, bem completo o seu artigo. :)
Parabéns

[13] Comentário enviado por claupers em 29/07/2010 - 10:10h

Raul, parabéns pelo artigo e disponibilidade em escreve-lo e publicar na comunidade. Foi através dele que conheci muitas distros que nem sabia da existência. Gostei bastante da BRLix, uma boa distribuição para instalar em computadores de usuários habituados ao uso do W. Dessa forma a transição é mais fácil. Sem falar que é customizado para o Brasil.

Valeu.

[14] Comentário enviado por hellsdragon em 29/07/2010 - 11:56h

Olá, eu recomendo o Debian Lenny (gnome), pois além de ser fácil e ter uma interface amigável, tem alguns recursos que acho fantásticos, como o proxy squid.

Att.

H'D

[15] Comentário enviado por JoseRenan em 29/07/2010 - 17:48h

legal carinha tem muitas distros ae quem nem ouvi dizer. Não li totalmente o artigo mas se tiver alguma curiosidade sobre alguma distribuição já sei onde encontrar as primeiras informações

[16] Comentário enviado por danilo21 em 01/08/2010 - 18:56h

Bem legal. Só deu um fora: Cadê o ArchLinux???Distribuição que aparece eventualmente entre as melhores com quase 10 anos de existencia. Na listagem temos até distribuições "menos importantes" e menos famosas.

[17] Comentário enviado por rweu em 01/08/2010 - 19:54h

Boa noite a todos,

Faltando vão estar um monte delas, até mesmo porque, cada um que vier a ler o artigo de nosso amigo, trará sua experiência própria, uns mais "cascudos", outros ainda "calça branca".
Mas a falta de várias delas ( posso cita aqui algumas muito boas tipo sidux e Epidemic, oriundas do Debian) em nada invalida a iniciativa, e acho mesmo que o raulgrangeiro, deveria fazer o parteII , parte III e assim por diante.

Boa sorte a todos!!

[18] Comentário enviado por raulgrangeiro em 02/08/2010 - 15:10h

É gente, mandei um e-mail pro pessoal do VOL pedindo pra eles adicionarem algumas outras distros que faltaram, mas até agora eles não me responderam. Se for da vontade de Deus escreverei a parte 2 desse artigo, levando em consideração que este falta algumas distros importantes, mas de qualquer forma o que não falta é distro para descrever.

Até mais pessoal! Deus abençõe a vida de cada um de vocês!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts