Publicidade? Linux? Como?!

"Publicidade? Linux? Como?!". Essas foram as últimas palavras do ex-gerente de TI de uma agência de publicidade da minha cidade que migrou todas as suas máquinas não "Apple" para Linux (SuSE 9.3 Professional), substituindo Windows XP e demais softwares. Vamos mostrar como isso aconteceu.

[ Hits: 35.130 ]

Por: Guilherme RazGriz em 07/11/2005 | Blog: http://razgrizbox.tumblr.com


Criação da marca da campanha e impressos



Muito bem, agora começaremos a parte para o qual isso está sendo feito, a parte GRÁFICA.

Para tanto, é EXTREMAMENTE recomendável que você ou o membro responsável por essa parte da sua equipe tenha uma boa noção de como utilizar bem o software padrão da campanha. Não se preocupe, pois o processo de aprendizado é bem simples, basta ler ATENTAMENTE a documentação abaixo e você estará apto a realizar a tarefa de criação proposta.
Neste link você encontra um arsenal de brushes para o Gimp:
Neste link você encontra um outro arsenal de fontes para o mesmo:
É de extrema importância que o Gimp tenha uma quantidade de brushes adequada e de fontes, afinal a nossa campanha precisa de MUITOS recursos e criatividade.

A instalação de brushes é bem simples, basta descompactar o arquivo dentro da pasta de brushes do Gimp. O caminho em um ambiente Linux padrão é:

/home/[usuário]/.gimp-2.2/brushes

O mesmo vale para as fontes, bastando trocar o "brushes por "fonts".

Supondo que você já possua certo conhecimento sobre a ferramenta e/ou leu o conteúdo acima, podemos dar prosseguimento às nossas atividades.

Plotter: abra o Gimp e crie uma nova imagem. No caso, como sou detalhista, escolhi o tamanho de 1000x1500 pixels, mas você pode optar por tamanho menor se desejar.

Escreva do jeito que melhor lhe convier o slogan e marca da sua campanha, o uso de efeitos é liberado. Mas lembre-se de que a leitura deve ser fácil e sem "poluir a imagem", afinal queremos ser bem vistos.

No exemplo abaixo foram usadas 13 camadas (incluindo as de texto).


Para realizar o efeito "marca d'água", basta reduzir a opacidade ao extremo, assim além de criar o efeito - caso se use palavras pertinentes ao assunto - atrai interesse do consumidor.

Repare que o plotter não apenas visa atrair o interesse, mas também INFORMAR. Note que ele traz o endereço do site da campanha na internet. De nada adiantaria o plotter se ele nada informasse.

O efeito do tux por dentro das letras foi obtido usando o efeito "multiplicar" na camada do mesmo e retirando-se as partes não desejáveis com um brush simples de cor branca. Quanto ao "daemon" (logo do BSD), foi o mesmo processo.

As outras artes devem seguir o mesmo padrão de cores adotadas no plotter e layout, porém NADA impede que você faça algo inovador até mesmo alterando as cores se desejar. A única regra válida é que tudo tem que ser LEGÍVEL e de fácil compreensão.

Note também que este plotter traz alguns "erros", cabe a você descobrir quais são.

Existe um outro tipo de adesivo chamado "recorte eletrônico", porém ele usa apenas imagens feitas com vetor. A ferramenta mais apropriada para criar adesivos deste tipo é o Inkscape.

Folder: lembre-se que este gráfico visa informar o público sobre o que você está oferecendo. Antes de bolar a arte, pense nos locais do folder onde você deseja que a informação seja inserida. Dê preferência a uma organização clara, de forma que o leitor não se confunda ou perca o interesse no mesmo.

Folder vs Flyer: "flyer" e folder são coisas diferentes, mas muitas pessoas confundem as duas coisas. Um flyer geralmente traz POUCA informação e é geralmente apenas uma folha impressa com pouca informação que visa apenas despertar a curiosidade do público. O próprio plotter não deixa de ser um "flyer", só que em tamanho grande. Essa regrinha é padrão em campanhas, o plotter e o flyer (quando existe) são praticamente idênticos, com pouquíssimas diferenças em alguns casos.

Muito bem, vamos agora criar um folder para a campanha (esse procedimento será mais detalhado, já que não é tão simples quanto o do plotter).

Abra o Gimp e crie uma imagem de tamanho 500x800 pixels (o tamanho é de livre escolha e este tamanho não é o mais utilizado em gráficas, porém quero mostrar o folder um pouco maior aqui). Lembre-se que um folder tem duas metades "iguais". Elas podem trazer informações diferentes, mas é aconselhável que o fundo seja idêntico e as capas de frente e verso idem.

Crie na imagem um fundo simples, mas agradável, de forma que a sua opacidade seja reduzida (é importante que ele não tenha cor ainda, assim converta para a escala de cinzas).

Assim que você terminar esse fundo, copie a imagem e crie 4 imagens idênticas a que você criou, dessa forma teremos um fundo harmonioso tanto de frente quanto de fora do folder. Na "capa" devemos colocar o nome da campanha e não muitos enfeites (isso é uma regra "padrão", porém você pode quebrá-la caso tenha uma idéia boa que não polua o visual do folder).

Uma breve pausa para algo importantíssimo: porque o nome "folder"?

Por que ele, quando pronto e impresso, é aberto como uma pasta dessas de papelaria que são feitas de plástico, chega a ser engraçado, mas pra variar até faz sentido =].

Capa do folder:


Contra-capa do folder:


Note que o texto que é para ser visto está se sobressaindo na figura.

Interna 01:


Interna 02:


Com essa amostra rudimentar temos um exemplo de campanha impressa.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Publicidade?
   2. Alguma coisa de marketing
   3. Planejamento
   4. Executando
   5. Criação da marca da campanha e impressos
   6. SIM, é possível
Outros artigos deste autor

Inkscape descomplicado - Parte II

Modelagem realista com o Blender

Pequenas coleções

Alguém aí falou em deformação?

O emocional e a imagem

Leitura recomendada

Programação visual (módulo 1)

Transformando seu Ubuntu Hardy em OSX Leopard

Para iniciantes: Deu tela preta? Não se desespere!

Personalizando o tema do usplash nos Ubuntu-like

Criando vídeo DVD no Linux

  
Comentários
[1] Comentário enviado por marcosomelhor em 07/11/2005 - 15:28h

+ um otimo artigo seu meus parabens

[2] Comentário enviado por kaled em 07/11/2005 - 16:25h

Eu acompanhei a seria "Edição Pesada" e consegui convencer alguns designers que trabalham comigo a usar o Gimp por causa dela.

Espero que com esse novo artigo teu consiga abrir a cabeças de mais pessoas, inclusive as que decidem como gastar o dinheiro.

Continua assim amigo

[3] Comentário enviado por cmercaldo em 07/11/2005 - 16:53h

Video para incentivar, muito bom !
http://video.google.com/videoplay?docid=7600554419014140162&q=claudiom

Att
Claudio Mercaldo

[4] Comentário enviado por removido em 07/11/2005 - 18:26h

"NÓS temos os softwares... apenas temos de acreditar neles e no nosso conhecimento interno. " - a melhor frase de 2005!!!
;-P

[5] Comentário enviado por timm em 08/11/2005 - 07:35h

O artigo tá ótimo, mas eu nunca duvidei da capacidade do Linux pra qualquer coisa.

Tenho um grande amigo que é designer, e certa vez a gente tava conversando sobre software. Eu tava começando no Linux, e então ele ficou surpreso ao saber o sistema que eu usava, e disse: "Timm, eu tô usando um programa da "Plataforma Livre" no lugar do PhotoShop, chama-se Gimp. É fantástico, experimenta se tu tiver a oportunidade"

E assim que eu tiver a oportunidade eu usei, instalei pelo URPMI, no Mandrake, e achei realmente muito bom, eu tava começando, e aquilo mudou totalmente os meus conceitos sobre Software Livre. No meu PC de trabalho eu não uso Photoshop. só Gimp. Esse meu amigo ainda queria aprender a trabalhar com Maya, mas ele é preguiçoso o suficiente pra isso... Então continua no 3DStudioMax... Pena, podia ser um puta "Plataforma Livre", como ele se referia à OppenSource...

[6] Comentário enviado por strongz em 08/11/2005 - 15:43h

isso ae acvsilva.. a melhor frase.. não digo de 2005 mais a melhor =P
"NÓS temos os softwares... apenas temos de acreditar neles e no nosso conhecimento interno. "

[7] Comentário enviado por homertrix em 09/11/2005 - 12:41h

concordo, temos que que confiar en nossa capacidade que com o conhecimento, podemos mudar o monopolio, da informática, disponibilizando a LIBERDADE de esconha para os usuarios investirem nessa idéia !!!!

[8] Comentário enviado por ramonklown em 09/11/2005 - 21:53h

Eu concordo com a frase, mas isso não dependo somente dos desenvolvedores.
Acho que depende mais dos que estão abitolados no Windows XP do que nós.

[9] Comentário enviado por gotslack em 21/06/2006 - 00:19h

cara.. ótimo artigo!!
mto bom mesmo.

isso prova que nem todo bom designer usa o Janelas; e nem todo bom projeto, precisa dele! ;D

só há algo que me disperta curiosidade há mto.
no windows, é fácil.. mas no linux, como eu posso converter meus brushes do photoshop para gimp?

*.abr -> *.gbr

se alguém souber, me avise! ;D
abraços

[10] Comentário enviado por Diede em 27/12/2007 - 03:22h

Se for só renomear os .abr para .gbr, o comando é algo assim:
for brushes in *.abr; do mv $brushes $(basename $brushes .abr).gbr


Contribuir com comentário