Linux, a pirataria de software e a desvalorização do desenvolvedor (parte 1)

Neste artigo procuro demonstrar como a pirataria produz uma desvalorização gradativa do trabalho na área de informática, mais especificamente na área de desenvolvimento de software. Apresento também o Linux e os programas desenvolvidos sob o paradigma do software livre como alternativas para a revalorização do desenvolvedor e de seu trabalho.

[ Hits: 27.117 ]

Por: Isaque Vieira de Sousa Alves em 14/12/2007


Introdução - Pirataria: o lado bom...



A pirataria atualmente apresenta-se como um tema bastante controverso. Muitas discussões levantadas sobre o assunto permanecem abertas, sem que haja uma definição clara da sociedade em relação ao uso ou cópia não autorizada de tecnologias em geral. Ela atinge os mais variados ramos de atividade humana, sem distinção, mas queremos ater-nos à sua influência sobre nossa área de atuação: a informática.

Em primeiro lugar, a pirataria sempre parece ter um 'lado bom'. Ela tende a facilitar o acesso às tecnologias cujo valor representa um grande empecilho para uma maioria de pessoas. Em matéria de informática, temos como grande alvo de pirataria desde sistemas operacionais, como MS Windows (em todas as suas versões), até utilitários como o MS Office ou Photoshop e peças de hardware como placas-mãe, memórias, etc.

Observemos que o acesso a essas tecnologia não seria realmente possível a muitos usuários caso não fossem ''pirateados'. O problema é que, apesar de tão 'benéfica', a pirataria acaba por banalizar aspectos como valor comercial do produto, qualidade do programa/equipamento, etc. Isso não é bom.

Por outro lado, para desenvolvedores de software especificamente, ela também facilita o acesso a programas cujo licenciamento se tornaria impraticável sem a participação de uma empresa. Licenças de programas como Borland Delphi, chegam a custar em torno de R$ 3.000. Então, nesses casos, usá-lo um programa como esse sem licença comercial parece ser um bom negócio, não é verdade?

Mas não é. Os benefícios usufruídos podem se tornar em transtornos inimagináveis, tanto para um usuário doméstico, quanto para um desenvolvedor mal-informado.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução - Pirataria: o lado bom...
   2. Conhecendo o pirata
   3. Direitos autorais, copyright, patentes, domínio público, copyleft, software livre e GPL
Outros artigos deste autor

GNU/Linux: Liberdade e Cosmovisão

Linux, a pirataria de software e a desvalorização do desenvolvedor (parte 2)

Diagnosticando problemas variados em ambientes GNU/Linux (parte 1)

Entendendo orientação a objetos na prática (parte 1)

Projetos de software livre descontinuados: um problema com solução

Leitura recomendada

Transmissão de áudio e vídeo via Multicast

Usando OpenBSD como desktop

Criando um mirror do Conectiva para uma rede interna

Conhecendo o eBox

Geração de arquivos PDF no Linux

  
Comentários
[1] Comentário enviado por removido em 14/12/2007 - 16:38h

Eu uso softwares piratas sem problemas...

Eu vejo todo esse bafafá como uma grande hipocrisia, se não fosse a pirataria eu não teria acesso à nada...

comecei com windows como a esmagadora maioria, agora diga, eram originais todos os Windows?

Esse negócio de "políticamente correto" não cola, deixem de ser demagogos e mentirosos, parecem ser anjinhos perfeitos que repudiam a pirataria... para com isso...

Ninguém vai piratear um software de 200 reais para gerenciamento da locadora do tio zé, e as grandes que têm seus softwares pirateados GANHAM com a disseminação do seu produto, e todo mundo sabe disso...

a própria M$ disponibiliza até seus "renovados e empolgantes" updates para os piratas...

ah vamos lá gente, não precisamos de máscara, vamos parar com esse mundinho de contos de fadas onde todos são santos porque o mundão não é assim!

[2] Comentário enviado por removido em 14/12/2007 - 16:54h

Concordo com o Rodrigo, grande parte de meu conhecimento em tecnologia da informação vem de softwares piratas, conhecí um computador com Windows e Office. Comecei a cantar meus Raps usando Fruity Loops, SoundForge, E-Jay...
Acho o seguinte: A mudança do modelo de negócio tem que ser emergencial, o que adianta criar licenças e mais licenças, só clientes corporativos ou uma pessoa muito nerd as lêem (sejam sinceros).
Conclusão: Software em um geral não era para ser um produto, e sim um serviço, se você necessita de suporte, ou a ferramenta é essencial para seu NEGÓCIO (ERP, SCM, PSA) pague, para obter suporte e ao invés de licenças, crie um DONATE, e mostre sua gratidão com o funcionamento da ferramenta. E se o software é essencial para a VIDA como um Sistema Operacional, só deve ser cobrado, manutenção e customização para grandes corporações ou empresas dependentes. No final das contas tudo é simples.
Continuo eu utilizando meu NeroLinux com serialzão do www.serials.ws, pois os outros softwares livres ainda não alcançaram tal patamar de qualidade.

Bem, torço por iniciativas como as da Red Hat, que cobram suporte e licença para grandes corporações e apoiam o desenvolvimento do Fedora para nós reles mortais e CentOS para empresas que simplesmente não querem o suporte da RH.

Abraço à todos.

[3] Comentário enviado por removido em 14/12/2007 - 17:00h

Uma pergunta, vc é desenvolvedor de software?
voce esta olhando do lado errado da historia meu caro!!!
este tutorial trata do valor que existe em um software, existe custo para o desenvolvimento sabia???
estamos aqui por que gostamos da liberdade que temos e que o Software Livre nos dá, mais pra quem trabalha com informatica e desenvolve software sabe que da um trabalhao para desenvolver um sistema e ai depois vc vê pessoas usando o seu sistema sem querer pagar por ele... meu camarada nem relogio trabalha de graça, vai fazer programa e dar para os outros e depois volta pra criticar o artigo do rapaiz!!!
Isaque agente nao se conhece mais vc ta de parabens!!! 10 para o seu artigo!!! e de pessoas e artigos assim que precisamos!!!
mais lembrando sempre sr. rodrigo.capelini cada um tem sua opiniao so nao venha para criticar artigos e pessoas que vc nao conhece ... por que nao ser politicamente correto???

[4] Comentário enviado por removido em 14/12/2007 - 17:03h

ai perai, eu desenvolvi um software, e quero cobrar por ele e dar a manutencao de graca quem vai me dizer se isso e certo ou errado vai do desenvolvedor!!!

[5] Comentário enviado por adrianoturbo em 14/12/2007 - 17:30h

Polêmicas e mais polêmicas !Afinal polêmicas!Gosto disso, isso mexe com as pessoas chega chamar atenção.
Recapitulando segundo o primeiro comentário devemos deixar de sermos hipócritas e assumirmos com todas as letras que somos piratas.Beleza como simples usuários domésticos sem compromisso podemos até receber esse título ,mas quando estamos falando de empresa a história muda meu caro a pirataria existe de fato por questões sócio-econômica que você mesmo levantou em linhas anteriores,mas nem todas as pessoas lançam mão deste recurso.
Qual a desvalorização um desenvolvedor comum sofre ?Chega a ser dúbio essa informação.
E pra fechar da minha parte se utilizamos linux pra que se preocupar com pirataria,já dizia o sábio as palavras formadas com sentido através de um alfabeto jamais voltam vazia ,ou seja ,como uma flecha que não retorna ao seu dono.

[6] Comentário enviado por removido em 14/12/2007 - 17:34h

Então, cada um têm sua opinião, não queira restringir a minha.

Acontece que alguns vivem a realidade, alguns fingem que são perfeitos, e assim a vida segue...

Eu não sou desenvolvedor de software profissionalmente, e daí? você acha que se você é, torna sua voz mais alta que a minha?

Ah, outra coisa, alêm de demagogos são arrogantes...

[7] Comentário enviado por adrianoturbo em 14/12/2007 - 17:38h

Não existe arrogância existe um senso comum de realidade ,somos realistas não entusiastas essa é a verdade.
Demagogia não faz parte do menu do desenvolvedor isso fica para os políticos que servem frio para o brasileiro degustar.

[8] Comentário enviado por adrianoturbo em 14/12/2007 - 17:47h

Ninguém aqui jamais questionou sua capacidade profissional não venha criar situações que não existe.
O debate se torna saúdavel quando as partes respeitam a opinião dos demais sendo contrária ou não .
Segundo esse tipo de debate não é peleja para estar disputando quem tem maior voz ,dessa forma não chegaremos a lugar nenhum.

[9] Comentário enviado por removido em 14/12/2007 - 17:48h

Tá, boa tarde à todos, já deu meu horário e eu vou tomar uma boa cerveja... (Original essa não pode ser pirata).

Agora, gente, não esquente as vossas cabeças.

Só parem e pense em serem vocês mesmos de vez em quando, faz bem.

Sempre que é levantado uma questão polêmica me aparecem esses "certinhos".

a questão é que um desenvolvedor hoje em dia, não vende mais software, somente presta o serviço para alguém que encomenda, e quem encomenda não distribui.

Agora, um software desses, vendidos, para chegar ao patamar de ser pirateado, é porque já lucrou e muito.

bom, é minha opinião, não quis ofender nenhum desses moralistazinhos falsos, mas se ocorreu, não peço desculpa, porque isso realmente me irrita, e se doer, é melhor dar uma boa pensada antes de dormir, se sua vida não é uma farsa...

[10] Comentário enviado por removido em 14/12/2007 - 18:06h

Sou desenvolvedor de Software sim.
Para quem não entendeu minha posição: Se eu desenvolvo um software só cobro por ele se a utilização for comercial essencial ou uma das peças chaves para o negócio do meu cliente. Por mais que dê trabalho, não acho que uma aplicação de "Criação de PDF's" por exemplo deva ser cobrada, só pelo simples fato de criar PDF, por isso uso o criador de PDF do OpenOffice. Legal, agora vamos ao Nero: O Nero não faz nada de extraordiário, mas infelizmente não ví nenhum software à altura para gravação de CDs. Oras, se os Srs cobram um Cadastrinho para uma locadora, acho que vocês devem repensar os conceitos, se este "cadastrinho" fosse de graça, você ia ganhar muita grana com CUSTOMIZAÇÃO E SUPORTE. É diferente se você produz um ERP/PSA/CRM entre outras ferramentas para empresas de fluxo mais complexo e muitas vezes singular.
E em termos de S.O. só é justo o pagamento de uma licença se ele for especial para um hardware de grande porte ou incomum. Não me vejo pagando 800 reais para fazer um PC x86 dar boot.
Não me vejo pagando 200 conto para ver meu cadastrinho de clientes...

E por aí vai...

Tem gente que cobra muito, aproveitando dos leigos.

[11] Comentário enviado por adrianoturbo em 14/12/2007 - 18:07h

Certo acabei de criar uma Fábrica de Software chamada CASA DA MÃE JOANA que desenvolve softwares entre eles :Sistema Operacional,Office e Sistemas de Gestão empresarial ,como sou gente boa vou dar uma cópia com todos os códigos fontes ,análise de requisitos,afinal o sistema pronto para os vendedores piratas e para alguém distribui pelos compatilhadores peer to peer que existirem.
Como minha empresa CASA DA MÃE JOANA paga imposto em dia e compra licenças de Empresas do porte de Microsoft ,SUN,Boarland,Oracle ,etc sinto-me mais seguro em fazer este tipo de doação ou melhor pirataria .

[12] Comentário enviado por isaque_alves em 14/12/2007 - 18:40h

Não é querer ser certinho, véio... é ser franco... realista, HONESTO... Ainda não concluí a segunda parte do artigo, mas ela vai falar disso mesmo: O valor da licença influencia e muito o trabalho do desenvolvedor. Se vc pagasse R$ 3.000 por um programa para tua empresa dificilmente você aceitaria concorrência desleal promovida por um desenvolvedor que utiliza o mesmo programa sem licenciamento e vende (suporte, licença ou seja lá o que for) por 50 conto, enquanto você que deu duro pra adquirir tá pedindo 100... aí é que entra o troço da consciência...
E ser nerd tb nem é tão ruim assim... pelo menos pagar pela licença evita transtornos com a receita federal...
Maws não se preocupe: o futuro tratará de apagar os equívocos, sejam eles cometido por mim, por você ou por quem quer que seja...
Mas, eu não uso software pirata.

[13] Comentário enviado por removido em 14/12/2007 - 19:45h

Eu fui usuário de produto pirata, não sou mais, é injustiça ter um trabalho de anos roubado e copiado, digo isso pois fui tentar fazer um jogo para linux ( mas não conheço nada de programação ) aí fui tentar pelos Makers ( programas prontos para fazer jogos ) mas todos eles eram muito caros e pagos em dólares.

Eu fiquei pensando como é difícil fazer um jogo, aí caiu a ficha, o desenvolvedor tem muito trabalho para fazer um programa, de certo que eu não vou pagar fortuna pelo mesmo, mas imagina ter o trabalho copiado e distribuído a torto e a direito? o trabalho foi em vão...

Eu iniciei com o meu Windows 98 original que veio no meu PC, ainda tenho CD's piratas diga-se de passagem, mas ainda bem que existe alternativas livres como o linux onde você pode ter um programa completo sem pagar nada por isso e ainda ajudar a desenvolver, esta é a diferença principal, nós como usuários de Linux devemos ajudar a quem usa programas piratas que há excelentes alternativas livres no mundo Linux, vide Gimp ( Photoshop ) e Open Office ( MS Office )...

[14] Comentário enviado por thiagoeustakio em 14/12/2007 - 21:23h

Interessante o comentario de muitos de vcs....

Vejo que varios amigos realistas aqui do VoL não deveriam ter feito seu cadastro...

Como Linus disse uma vez: "RMS é visto como o grande filosofo, enquanto eu sou o engenheiro. Mas se não conhecermos a filosofia não poderemos desenvolver software livre.".

Podemos tentar lutar contra a realidade mesmo que ela seja cruel. Se não existir esperança vamos desistir de tudo.

[15] Comentário enviado por nicolo em 14/12/2007 - 22:04h

O conhecimento da escrita, na idade média, era segregado, e os sábios tinham grandes vantagens e privilégios sobre o resto da população.
Um dia rebeldes plebeizaram a cultura e o privilégio desapareceu.

Há um nível de conhecimento massificado que é impossível de ser segregado.
Concordo que sofware de uso pessoal não tem mais jeito de reconhecer como "direito autoral". Somente os software específicos de alta tecnologia terão valor $.
Mais : As leis brasileiras, mal copiadas das leis anglo saxônicas, são horrorosas.
Lembrar Montesquieu é raridade. Parabéns pela erudição.


[16] Comentário enviado por adrianoturbo em 14/12/2007 - 22:25h

E assim caminha a humanidade no mundo capitalista selvagem que nada é de graça essa é a realidade.

[17] Comentário enviado por isaque_alves em 15/12/2007 - 03:05h

A questão é que 'valor' não é só 'moeda no bolso'... valor é uma idéia transcendental, e o valor financeiro acompanha a idéia de valor que temos sobre aquilo que criamos. Espera pra ler o restante que você entenderá. To quase terminando.

[18] Comentário enviado por chaplinux em 15/12/2007 - 04:25h

Parabens Isaque, otimo post. concordo com vc...
Confesso que uso alguns produtos pirata, nunca vendi... mais isso não importa. O Importante é que o REAL da 10 dias no Cheque... rs .. mesmo assim ate hoje nunca consegui juntar 3 conto pra comprar a porra do Delphi. já ate desisti, pq mal junto ja tem outra versão mais cara, e com mais informação, e tudo que investi na versao anterior, não vale muito. Mais to estudando Java... porem ta dificio de arranjar tempo para os estudos..., pq como sabe, autônomo trabalha em dobro e sem direito a ferias... mais um dia eu consigo! viva a Liberdade. Não a Pirataria. Pirataria é crime! ... bom eu fechar a matraca pq to enquadrado. uhuuhhuhuuhu.


[19] Comentário enviado por fcscherer em 15/12/2007 - 07:44h

Curti o post também.
Não quero desvalorizar quem faz o software original, como o desenvolvedor do Windows. Simplesmente não quero supervalorizá-lo. Não há a necessidade de cobrar 800 reais neste programa. Até porque, a cada 4 anos eles lançam um novo e lá vai a gente ter de comprar novamente...
Se eles cobrassem uns 100 contos no Windows, compraria original, mas 800?? Nunca.
Para empresas, acho imprescindível que se tenha soft original, daí é sem choro, se eu tivesse uma empresa, pagaria 800 pila ou o que fosse, ia achar um roubo mesmo assim, mas teria que comprar.
Pros caras que criam softwares e vendem, qual o preço dos seus, chega a esses absurdos de preços?

[20] Comentário enviado por tenchi em 15/12/2007 - 10:18h

Não consideraria hipócritas aqueles que já utilizaram Windows - ou outros - pirata, e estão migrando para um sistema livre.
Não posso negar que comecei sim usando Windows. Pirata, aliás. A sociedade cobra isso. É um cursinho de "Uindous e Uordi" aqui, outro lá. Você é então obrigado a usar aquilo que aprendeu nestes cursinhos. Mas nem todo mundo está disposto à gastar uma pequena fortuna para deixar um computador usável (SO+Suíte de escritório+Antivírus+Jogos+etc).
Aí usamos programas piratas.
Mas a mesma sociedade cobra também que tomemos atitudes diferentes das que parecemos obrigados a ter. E no caso de nós nerds - vai falar que não, vocês estão num fórum de informática discutindo algo que a maioria das pessoas ignora ;-) -, isso implica numa simples mudança dos softwares que roda numa ferramenta também menosprezada por muitos: o computador.

Aí isso ganha um aspecto ideológico e vai longe...

Hipocrisia é você usar software pirata e se orgulhar disso. "Eu uso, e daí?". Acredito que muitos estão aqui discutindo neste site numa tentativa de se livrar deste vício, buscar soluções que não tenham este problema.

Mas o que muitos vêem é o caráter econômico que o software livre têm: A possibilidade de um país não depender tecnologicamente de outro.

Isso pode ser visto durante toda a história da América Latina: EUA e Europa produzem tecnologia, e nós usamos. Só isso.

Já com o software livre, podemos ser produtores dessa tecnologia.

"Tá, mas KDE é Alemão, GNOME, mexicano; Linux finlandês, GNU americano". Mas não há instituição alguma, se país algum, que seja dono destas ferramentas ou softwares. Tanto que a natureza do software livre faz com que pessoas de qualquer parte do mundo possam trabalhar num só projeto. Assim, deixa de ser americano ou alemão para ser... terrestre? ;-)

Têm também este lado da falta de valorização do desenvolvedor. Temos então dois modelos: o modelo atual de negócios, focado no produtor - ou comerciante - e o novo, focado no usuário.

No primeiro, o usuário é tratado como um "inimigo". O comerciante tenta ao máximo obter lucro do consumidor e este o máximo de vantagens sobre o primeiro. Há então uma eterna briga entre as partes.

O segundo modelo pode ser ilustrado com o que um professor de cálculo uma vez disse no meio de uma aula chata ;-) :
Se você vai abrir um negócio, não pense primeiramente em ganhar dinheiro. Pense em agradar seu cliente, ganhar sua confiança.
"Mas professor, isso é idiota, eu tenho é que ganhar dinheiro".
- Se você pensar em só ganhar dinheiro, tentará sempre "passar para trás" seu cliente. Venderá um produto ruim, dizendo que está bom, tentará o iludir dizendo que seu produto é algo que não é. Resultado: a pessoa pode até comprar, mas não vira seu cliente.
- Se você pensar em agradar quem está comprando, este irá gostar de seu serviço. Passará a ter confiança no negócio. Se tornará um cliente. E satisfeito, ainda. O dinheiro? Meus caros, o dinheiro surge daí.

Penso que isso também se aplique ao modelo de desenvolvimento de softwares atuais. O desenvolvedor é capaz de barrar o que o usuário faz, dominá-lo, pois o usuário não é dono de algo que comprou, mas só um usuário com uma licença.

Se eu compro uma bola, posso fazer o que quiser com ela: chutar, jogar para o alto, pintar, furar...

Mas, como o software é algo não-mensurável, a limitação de uso foi a forma que o mercado passou a usar para proteger seus interesses sobre o produto.

Aí chego à minha conclusão: quem ira'sobreviver no mercado do software livre: aquee que agradar o seu usuário. Você pode fechar o código, limitar o que o usuário faz, prendendo ele á sua solução. Isso é fácil, "qualquer um pode fazer". Aí fica o seu cliente "Ah, eu uso o produto da empresa X, mas ele é muito ruim, só uso porque não tenho outra alternativa".

Mas, se você faz seu usuário pensar que ele não está preso à você, que o negócio existe porque é bom para ambos, este usuário será sempre um fiel cliente. E uma destas exigências é que o cliente não se sinta preso ou limitado. O código-aberto permite isso.

Só não me perguntem como ganhar dinheiro com software livre, pois acredito que não haja uma solução pronta ;-) Mas tente ao máximo agradar o seu cliente.

Mas enfim, achei ótimo o artigo. São artigos - artigo mesmo - como estes que engrandecem este site. Informativo e com conteúdo.

E para o norasodan: Nunca usei o NeroLinux, mas se for como o do Windows, prefiro 1000X o K3b, do KDE, que é muito mais intuitivo - além de permitir gravar uma imagem ISO num CD, mas ainda sim multi-sessão. Mas isso é só questão de gosto ;-)

E eu já vou indo senão vão me chamar de chato.. hauahuaha

[21] Comentário enviado por tenchi em 15/12/2007 - 10:18h

Ah, e acho que vc já está apto a virar Professor, e não só Aluno.. hauahuahuahau

E antes de mais nada, digo que um software livre não é melhor que um software proprietário. O modelo fechado é o mais difundido, e os softwares produzidos com este método já existem há algumas décadas. Então não esperem que do nada surja um programa livre melhor que o photoshop ou Ilustrator. Para vocês verem, em pouquíssimo tempo o modelo aberto já mostrou que pode criar ótimas ferramentas, em muito menos tempo do que o que foi usado no primeiro modelo.

Clichê da hora: só o tempo irá dizer...

;-)

[22] Comentário enviado por fdavid em 15/12/2007 - 14:27h

Que atire a primeira pedra quem não pega MP3 via P2P ou faz download de filmes e/ou series.

Por mais moralista que seja, não tem como ser 100% legal, eu me incluo nessa.


Uso um OS e linguagens de programação gratuitas, mas a necessidade me faz ter que usar algumas soluções piratas, contra minha vontade (Delphi e XP para testes).

A pirataria é errada (PONTO).
Cabe a cada um adeguar sua vida a isso de acordo com suas possibilidades sociais e financeiras.

--- EDITADO ---
Como pessoa pretendo não usar nada pirata e muito menos pagar por algum tipo de solução.
Como profissional, cobro licença de uso de meu software...


ISSO SIM QUE É HIPOCRISIA
Mas estou estudando mudar meu modelo de negocio.


<b> tenchi </b>,
também não é pior, não se pode generalizar.

[23] Comentário enviado por igormol em 15/12/2007 - 17:13h

Desculpe os amigos que são favoráveis a pirataria, mas vós sois uns ignorantes.
Se você aprendeu a usar o computador por software pirata, não quer dizer que deva ser favor a ele, ora. Acontece que o fato das empresas cobrarem 700 reais, por exemplo, para você usar Windows, é um absurdo; não obstante, usar do erro delas para você roubar e ser a favor do roubo é pior ainda.
Pense você ter ficado semanas e semanas estudando bibliotecas, criando algoritmos e mais, aí fica quase um ano programando e chega lá o cara mete um crack no teu produto e pronto! Vocês são a favor disso?

Esse é o grande problema do mundo. Por um lado, as empresas roubam no preço, e por outro os usuários roubam o produto. Quando esse ciclo de bandidagem vai para?
Quando o software livre reinar, pois com ele, o fato do código-fonte ser aberto pode fazer com que outros podem criar versões gratuitas do mesmo, por exemplo.

[24] Comentário enviado por igormol em 15/12/2007 - 17:15h

Outra coisa: mudar de OPNIÃO, NÃO É HIPOCRISIA, mas continuar com o erro É!

[25] Comentário enviado por maran em 16/12/2007 - 17:54h

Bom... ai ai viu...
Interessante seu artigo...
Só que como todos os outros artigos interessntes sobre o assunto surgem esses comentarios... que pelo amor de deus viuuu já deu o que tinha que dá... desde os primeiros assuntos vocês vem os mesmo comentários um querendo criticar o outro, deixando o artigo "feio" diria assim...
Bom vocês que ficam aii um chamando o outro de hipócrita, arrogantes, vocês não percebem que os dois estão sendo assim... cada um a seu modo...

Parem de discutir no artigo dos outros se você é a favor legal se não é crie alguma coisa interessante que mostre o porque... chega dessas discussões inuteis e idiotas.. não é a favor e nao quer fikar queto vai lá crie um artigo que realmnet mostre que você entende e mostre seu lado....

Bom parabéns Aluno um excelente trabalho...


Te Mais...

[26] Comentário enviado por the question em 16/12/2007 - 20:34h

""A verdade é simples: o único objetivo do pirata é lucrar, usufruir de benefícios financeiros e sociais de forma indevida. Na verdade, o pirata é também um produto do meio, assim como o traficante de drogas: se ele vende, é por que tem quem compre""
Você também deve concordar com punições do tipo essa:
http://torrentfreak.com/another-elitetorrents-uploader-facing-10-years-in-prison-071117/

Ok, foi por causa de um filme, mas creio que a lei possa ser a mesma usada no caso de software, copyright..
O cara pode passar 10 anos em cana e ainda pagar 500 mil. Super justo. Deveria aprender ele que roubar o dvd seria algo bem mais light :)

"Piratear" não tem nada de errado, e raramente realmente "prejudica" alguém.
O resto é lobby da indústria de software, música, filme e etc.. para faturar mais bilhões ;)

[27] Comentário enviado por joaomc em 17/12/2007 - 08:54h

Pirataria tem algo de errado, sim.
Só que eu não concordo com esse terrorismo feito pela RIAA, BSA, ABES, etc. Eles dizem que pirataria é o mesmo que roubo. Pirataria NÃO É ROUBO. Roubo é a extração indevida de propriedade.
Pode-se roubar um carro. Pode-se até roubar um arquivo ultra-secreto de uma empresa, com algum segredo industrial, obviamente para vender. Copiar uma música NÃO É O MESMO que roubo. Copiar um software NÃO É O MESMO que roubo. Veja que não estou defendendo a pirataria. Afinal, eu comprei o Windows Vista, e ando comprando os jogos de que eu gosto (porém, admito que não sou 100% nesse ponto ainda).

Agora, outra coisa que o darkmagus falou é interessante. Você pode pagar 500 mil por piratear software (segundo a lei, não tem essa de uso comercial, pirataria é crime e ponto). Já sei, acho que hoje eu vou matar alguém. Afinal, segundo a lei brasileira, assassinato não é tão grave quanto a pirataria. Quem pirateia é um assassino em série, um psicopata sujo e sem princípios. Imagine você sendo interrogado:
- VOCÊ PIRATEOU SUA CÓPIA DO WINDOWS, DO OFFICE E DO VISUAL STUDIO?
- Hm, sim?
- São 10 anos de prisão! 2 milhões em multas!
- Não, na verdade eu matei 2 pessoas ontem.
- Ok, 1 ano de prisão e nenhuma multa.
- Matei a sangue frio, para fazer churrasco
- Caramba, seu psicopata! 5 anos de prisão!


[28] Comentário enviado por isaque_alves em 17/12/2007 - 13:32h

Ok... ok galera...
Se vocês não observaram o título do artigo, a tendência é encrespar mesmo...
Não estou colocando a pirataria como ato punível, nem evoco o direito de empresas em reinvinidicar o pagamento de suas licenças... O que trato é da consequência da pirataria para o prórpio mercado de produção de software.
Esperem a segunda parte ser publicada, e se não entenderam, talvez entendam.

Mas por favor, prestem atenção ao título e à descição do artigo.

[29] Comentário enviado por nick em 17/12/2007 - 14:01h

Eu adoro a pirataria, levando em consideração de que eu nao desenvolvo nada, só filho mesmo!

[30] Comentário enviado por luizredes em 17/12/2007 - 14:21h

Pirataria?
Bom, para mim o termo já é errado até onde vc aplica ele.
Primeiro vamos partir para o "lado Stallman da coisa", hoje o que move o mundo? Se fosse há 50 anos seria o petróleo, hoje é a Informação, ela é que alimenta e empurra o desenvolvimento humano.
Como se faz para ter acesso à informação? Bom, vc pode comprar revistas, jornais e outros meios de acesso à informação.... mas TODOS esse meios quando chegam às nossas mãos já estão defasados, um dia de atraso pode significar uma decisão errada e toda a consequência que isso pode causar...
Então chegamos à Internet, ou qualquer outra rede de informação espalhada pelo planeta... Aí pergunto, como se acessa a Internet? O que vc precisa?
A resposta, mesmo que a grosso modo, chega a ser estúpidamente óbvia para todos aqui: Sistema operacional, drivers, algum tipo de conexão, browser, protocolos de comunicação, VMs.... e afins....
Agora eu pergunto: O que seria do desenvolvimento humano se tudo isso fosse "impirateável"? Regridiriamos uns 30 ou 40 anos no tempo, certo? Alguém quer isso?
Penso que à partir do momento que eu adquiro um computador, posso usufruir de TODAS as capacidades do mesmo e, claro, uma das principais capacidades dele é a de COPIAR. Se eu quiser copiar o instalador de um SO para um amigo meu e o meu computador consegue fazer isso, então não há por que eu não o fazer, afinal, eu paguei por um equipamento que o faz e eu vou fazer!
Acho que o "grande lance", é que o conceito do mundo está mudando e o conceito de CopyRight é antigo, errôneo e acima de tudo injusto, por isso que há a pirataria. Não sou um socialista utópico, mas acho que o CopyRight é apenas mais uma ferramenta para concentrar a riqueza nas mãos de poucos em detrimento da maioria...
Mas ficou legal o teu artigo..... é a sua visão e vc à expôs bem. Quanto à concordar com ele, aí eu já não posso dizer que concordo.

[31] Comentário enviado por gnomo_dead em 17/12/2007 - 16:02h

"o meu computador consegue fazer isso, então não há por que eu não o fazer, afinal, eu paguei por um equipamento que o faz e eu vou fazer!"

Vc comprou uma faca, com essa faca vc pode esfaquiar a sua mãe, vc faz se vc quiser ou não.... Há coisas "certas", e há coisas "erradas"...

[32] Comentário enviado por luizredes em 17/12/2007 - 16:47h

E vc acha errado atravancar o desenvolvimento humano por causa dos desenvolvedores?
Se custasse 10 bilhões de dólares para saber se tua mãe iria ter câncer de mama, só por causa que para analisar uma parte que foi descoberta e patenteada do Genoma humano (que determina essa característica), vc iria achar justo? Pagar essa quantia ignorante de grana pra um laboratório, só para vc usar o método deles de analisar um segmento de DNA?
Pois é meu nobre amigo, por causa desse pensamento egoísta, hoje, para determinar se uma mulher vai ter ou não câncer de mama, uma quantia enorme de grana tem que ser paga para um laboratório americano que fez a segmentação do Genoma e descobriu qual parte dele corresponde à característica que determina se a pessoa é propensa ou não a ter o câncer....
E aí??? É justo? Eu não acho.....

[33] Comentário enviado por tuxSoares em 17/12/2007 - 17:00h

Pirataria realmente é um caso muito sério, nao adianta se usa linux ou nao.
Sou desenvolvedor de um software de gerenciamento de provedores de internet www.titan.inf.br, trabalhamos duro a anos no projeto, incontaveis noites sem dormir, ai esses dias para tras navegando na internet me deparo com o seguinte topico em um forum. "Crack ou serial para Titan Gateway".
Minha primeira reação foi rir, pois na hora me veio as 3651 estripulias que alguem teria que fazer para quebrar a chave do software.
A segunda reacao foi a preocupacao, que me levou a ler esse artigo.
A terceira foi pensar para onde estamos indo, se as pessoas so pensam em tirar vantagem para si proprios nao pagando pelo trabalho dos outros, essa é uma situação muito triste que acaba que no final da corda eleva o preço final do produto, levando as pessoas que trabalham de forma correta a pagar mais caro por culpa de pessoas sem princípios.
E falando francamete duvido que troca de windows para linux resolva alguma coisa de pirataria, isso ai so resolve quem quer ou nao dar dinheiro para a microsoft, na verdade os softwares proprietarios eh que estao com seus valores comprometidos, onde a maioria das pessoas nao dao valor ao servico dos outros.
Fico por aqui, grande abraço a todos.

[34] Comentário enviado por gnomo_dead em 17/12/2007 - 20:40h

"Se custasse 10 bilhões de dólares para saber se tua mãe iria ter câncer de mama"
Com certeza não eh justo cara, eu não sou a favor de cobrar licenças, prefiro q distribuam livremente e cobrem pelo suporte...
Mas a questão eh q eh contra lei, isso ninguém pode negar, então pronto...
Eu mesmo sou fissurado por games, mas os games q eu realmente gosto eu compro, por sorte não tenho uma máquina q rode os jogos mais novos, então não preciso do windows, pois os meus jogos rodam no wine tranquilamente... W3 TFT, diablo 2, SC BW, e até com um pouco de dificuldade age2... todos esses jogos eu tenho originais....
Eu evito pirataria ao máximo, mas qdo o cara não tem opção não tem jeito...

[35] Comentário enviado por luizredes em 17/12/2007 - 23:12h

Ok Gnomo, entendi seu ponto de vista. Mas veja bem, o que eu critico é a justamente a lei que protege o indivíduo que tem um software e cobra dele um absurdo.
Tudo bem que cada um cobra o que quer pelo que tem e boa... mas e o bem comum? Esse valor anda meio esquecido ultimamente, todo mundo quer é grana e que se exploda o coitado que tem PC velho ou a mulher com câncer nos seios....
Sacou onde eu quero chegar?
O mesmo ao cara acima do programa de Gateway para provedores, ele pensou em abrir o código dele e deixar as pessoas o ajudarem a desenvolver? Claro que se ele fizesse isso, ia surgir uns 200 programas ditos "forks" do sistema dele e ele iria ganhar menos do que ele ganha hoje, mas nada impediria ele de pegar partes desses "forks" e colocar no sistema dele.... ninguém sairia perdendo e muitos poderiam lucrar....
E convenhamos que um sistema de GW para provedores não é qualquer "Zé-Porrinho" que instala e dá manutenção.... já seria um bom ponto onde ele poderia investir mais tempo se aprimorando e atendendo para ganhar mais ainda....
Isso é filosofia GNU, é como roda e é construído o sistema que junta todo o pessoal que entra nesse site.... E ele não é bom???
Eu acho que dizer que é desenvolvedor e só roda Linux é fácil, quero ver nego fazer como Stallman fez ou então aderir para a onda de SL (de verdade) e abrir o código que desenvolve... ninguém tem coragem....
Mas isso é direito de escolha de cada um... é a liberdade, tanto para abrir como para fechar...
Pena que no Brasil todos só kerem coisas abertas mas só fazem coisas fechadas....
Desculpem se alguém não gostou do que eu disse, é apenas minha humilde opinião.
Abraços

[36] Comentário enviado por gnomo_dead em 18/12/2007 - 02:26h

É luizredes, concordo plenamente com vc!
eu tb acho completamente errado esses valores super-faturados q cobram, e q tb não eh nada fácil "abrir mão" de tudo q vc fez pra todos compartilharem, vai da idéia de cada um mesmo...
Mas eu acho q isso tende a mudar, pq um ex. q está em alta agora são os jogos em rede, os MMORPGs, q são praticamente de graça alguns, vc soh tem q pagar uma mensalidade q eh o suporte q a empresta presta para vc, um sucesso desse ramo eh WoW, a blizzard está ganhando rios de dinheiro com esse jogo, e sabe oq vc precisa? Entra no site e baixar o jogo.... depois aih sim vc tem q pagar uma mensalidade, se vc acha q vale a sua diversão no jogo pague...
Enfim, essa questão de abrir código vai da cabeça de cada um, mas como já citaram aki, esse sistema de usuário inimigo está acabando, as coisas estão mudando, e acho q até mesmo software proprietário vai baratear mto...

[37] Comentário enviado por joaomc em 18/12/2007 - 10:26h

Não sei o que vocês esperam de um laboratório. Ele *TORRA* dinheiro em uma pesquisa de sequenciamento de genes, e vocês achariam injusto se eles cobrassem alguma coisa? O "método deles" é deles. Eles gastaram dinheiro desenvolvendo o método. Meus caros, um laboratório é uma empresa, ela precisa de dinheiro. Sem dinheiro, adivinhe o que seria dessas pesquisas? Não vivemos na ilha da fantasia. Não vivemos em um mundo lindinho estragado pelos malvadões dos laboratórios. Não, não é uma simples questão de bonzinhos contra malvados. Lembrem-se: eles nunca poderiam patentear o *DNA*, somente os métodos de sequenciamento, pesquisa, etc. Se cobrarem um preço absurdo, outra empresa certamente entrará na jogada para descobrir um método alternativo e vender mais barato. Ora, se nenhuma empresa quiser, um governo pode decidir investir na pesquisa. Se a empresa tiver criado uma patente "guarda-chuva" que cobre toda e qualquer pesquisa com DNA, a patente precisa ser invalidada, pois a patente certamente não é válida.
Da mesma maneira, uma empresa que produz software tem o direito de cobrar pelo software, e pronto! Empresas precisam de lucro. Normalmente, quando digo isso, alguns imaginam que estou negando a necessidade de que haja um mínimo de ética, de decência, de retidão moral. Não, o que eu estou dizendo é que empresa que não busca o lucro não dura, a não ser que receba dinheiro do governo (nesse caso, pode esquecer a ética, o resultado é sempre o mesmo).
Se você não quer pagar pelo software, procure as alternativas livres. Hoje em dia, não há mais desculpa para continuar praticando a pirataria e se fazer de vítima dos malvadões da indústria do software. Não estou dizendo que sou perfeito, mas admito, e assumo a culpa. Não fico falando que os outros é que são culpados.
Ah, e sobre a analogia da faca: se sua mãe for uma pessoa violenta, desequilibrada, se ela estiver drogada, e estiver prestes a assassiná-lo, você poderia esfaqueá-la e alegar legítima defesa. Ou seja, não é possível antecipar todos os usos possíveis para a faca, mesmo aqueles aparentemente criminosos.
Aliás, iniciativas como o DMCA têm como objetivo justamente criar facas cuja utilidade estejam sob controle do fabricante. Eles podem ditar tudo o que podemos fazer com a faca. Eles podem fazer sua faca cortar só manteiga, não aceitando cortar qualquer outra coisa que seja. É uma idéia cretina, afinal, a faca é minha, eu comprei e eu decido o que fazer com ela. Já existem leis contra o uso ilegal da faca, não preciso que a empresa seja minha babá.

[38] Comentário enviado por edupersoft em 18/12/2007 - 11:01h

Parabéns pela iniciativa do artigo Aluno, discutir sobre pirataria nunca é demais, a discussão acirrada sobre o seu artigo, mostra que este assunto precisa de muita discussão, afinal não trata-se apenas de uma questão moral e filosófica, como muitos insistem em enquadrar, mas de uma questão criminal, pirataria é crime, crime contra a propriedade, geralmente intelectual, crime contra a sociedade, crime contra a economia formal do país, o sujeito que compra um artigo pirata, quando chega em casa, ligar a televisão e ver no noticiário que mais uma criança morreu por bala perdida, tem que ficar sabendo que uma fração do valor daquele artigo que ele comprou, ajudou a financiar a bala que matou a criancinha.

[39] Comentário enviado por nick em 18/12/2007 - 21:37h

Pirataria! Yeah!

[40] Comentário enviado por removido em 19/12/2007 - 10:43h

Bem, aqui vai a visão do meu ex-professor de direito que é totalmente a favor do software livre.

Imagine que vc tenha que desenvolver um software para um hospital. Ótimo, seja contratado, desenvolva o software, e cobre pelo desenvolvimento. Perfeito, vc foi pago e terminou o software. Agora, entregue ao hospital o software que foi pago para desenvolver, com apenas uma questão, sobre uma licença livre. Assim, caso outro hospital necessite, ele pode pegar o mesmo software, mas melhora-lo para as suas necessidades, melhor ainda pense, esta melhora estará disponível a outros também, pois o software é livre e sempre será livre.

Entendeu? Dificilmente vc produzirá software sem cobrar por eles. Sempre tem quem faz isso lógico. Mas a questão é, quando terminar o software, que vc foi pago pelo desenvolvimento, libere ele sobre uma licença livre. Isso ajuda a sociedade, ajuda vc (pois vc pode ver alguém melhorando seu software), ajuda a todos.

t+

[41] Comentário enviado por michelazzo em 21/12/2007 - 13:54h

Colega,
Eu confesso que li todo o artigo e não consegui descobrir onde está nele o fundamento para o título do mesmo. Comentou sobre o "lado bom", fez uma apresentação (fraca) sobre a banalização do produto por causa da ferramenta pirata, falou sobre propriedade intelectual mas... onde está o assunto realmente? Perdi alguma coisa?

Finalmente, gostaria de pedir uma explicação mais profunda sobre o que quis dizer no tocante a banalização do produto final ante a pirataria. Confesso que não consegui traçar o paralelo que fez e o parágrafo não me acrescenta nada para o feitio do mesmo.

Sds

[42] Comentário enviado por removido em 21/12/2007 - 15:20h

kkkkkkkkk
vcs são uns fanfarrões mesmo ehim......rsrsrs
as vezes, quando eu to triste, eu venho aqui no VOL pra dar umas risadas.........rs
aposto que se vcs estivessem uns na frente dos outros agora sairia porrada...hehehe
conversa fiada viu!!
Não se esqueçam que estamos no Brasil. Aqui pode tudo...hahaha


[43] Comentário enviado por isaque_alves em 22/12/2007 - 02:39h

michelazzo,
Calma que isso foi só a primeira parte.. Essa parte contém digamos, um embasamento para tudo o que trato na segunda também...
Aguarda a publicação e depos vc diz se entendeu...
Na verdade, eu não estou criticando os *usuários domésticos*... estou tecendo uma observação em relação às consequências do uso de software pirata por desenvolvedores... O problema é que tem tanta gente que fala sobre pirataria, que quando a gente se aproxima de uma idéia do tipo, já surgem os preconceitos:
"Lá vem o kra querendo ser o tal..." Mas não é isso...
Entendam: pouco importa o uso que você, usuário doméstico faça da sua máquina... você é um leigo... mas os desenvolvedores, se lidam com valores, têm obrigação de tratar a questão com seriedade...

[44] Comentário enviado por Gilmar_GNU/Slack em 25/12/2007 - 15:53h

De certeo forma o desenvolvedor, não perde valor !
mais a depender do prórpio ele pode achar bugs nos softwares alheios e apartir dai divulga-los livremente....
Nesse caso sendo eles tbm softwares Microsoft, que não e apenas um concorrente, mais sim , um empecilio que deixa poucas pessoa migrarem para o sistema linux !

E sobre os desenvolvedores , eles fazem o seu trabalho como sempre que é criar os softwares...
E os mesmo acham os erros no softwares microsoft, para assim as pessoas que tem baixo poder aquisitivo ter acesso aos softwares pagos!

Sou a favor da pirataria nesta questão...

Essa coisa de que a pirataria tem que ser abolida e pq os emrpesários de grande porte estão se incomodando !
O windows XP mesmo e cheio de falham até hj !


Ahhhhhhhhhhhhh me poupe!

Digam sim a pirataria !

[45] Comentário enviado por suarphi em 27/12/2007 - 02:23h

Pirataria é crime!!!!!!
É errado!!!
Mas eu é que não vou pagar trocentos reais pra usar um programa, sou mais uma versão pirata.
Pirataria sim!

[46] Comentário enviado por edupersoft em 27/12/2007 - 07:43h

Quando estamos falando de software, pirataria não é só crime, também é burrice. Garanto que o Bill Gates prefere um milhão de vezes que você use um Vista pirata do que coloque o Linux na sua máquina. Isso vale para qualquer produto de software, office, photoshop, bancos de dados, compiladores.
O simples fato de você utilizar um software já agrega a coisa mais valiosa que um software pode ter, que é sua comunidade. Para o software livre a comunidade é ainda mais valiosa, ao contrário do software comercial que geralmente levanta recursos financeiros para ser produzido na expectativa de um lucro posterior, um software livre geralmente consegue recursos financeiros ou humano quando sua comunidade passa a ser atrativa aos olhos dos patrocinadores. Quando você opta pela pirataria, você é mais um na contabilidade do software pago e menos um na contabilidade do software livre, você esta deixando de contribuir com produtos que você pode utilizar sem pagar nada e fortalecendo a comunidade do software que acha que não vale apena o que cobram por ele. Existem ótimos produtos open source que vem evoluindo a cada dia. Se você acha que o Ms-Office não vale o que te cobram, com certeza o OpenOffice te serve, se você acha o Photoshop muito caro, o Gimp vai resolver o seu problema. Se você acha que estes produtos não tem os mesmos recursos dos seus concorrentes pagos, talvez você tem razão, mas pode ter certeza de que a diferença de funcionalidades já foi muito maior, qualquer um que acompanha estes produtos ao longo dos anos pode observar isso claramente.
Faço um convite a vocês a deixar o software pirata de lado e passar a usar software livre.

[47] Comentário enviado por condector em 27/12/2007 - 16:11h

É realmente complexo este tipo de artigo. Parabéns, muito bem escrito e colocado. Quanto ao nosso amigo 'problema', retirado de um post para ele contido no VOL: "...Este maluco é o cara. Fixo em suas idéias, não dá o braço a torcer, mas adapta o ponto de vista quando sabe que está errado (raramente ele está errado)..." uma pessoa que nunca está errada não pode chamar ninguém de nerd certinho ou de hipócrita, então não consigo discernir quem é o "arrogante" da história.

Pulando essa bobeira de lado, porque isso não leva a nada, pirataria é ruim sim, nocivo a quem trabalha e tira o ganha pão deste tipo de trabalho. A pirataria tem seu valor na história e até a disseminação do conhecimento na área de tecnologia tem a agradecer a M$ pela pirataria do Windows permitindo pessoas sem recursos a alcançarem este conhecimento (quem nunca usou Windows pirata atire a primeira pedra). Mas temos que pensar nas pessoas que trabalham e sustentam suas famílias com isso... vai falar pro filho do desenvolvedor que ele está com fome porque um "bando de piratas" clonou o software que seu pai levou 3 anos para desenvolver junto com mais 10 pessoas e que o que eles iam ganhar não vão mais...

A pirataria tira o leite do filhinho... e acredito que por isso surgiram opções como o Linux em que todos podem usar o Software sem ser pirata... mas tem pessoas que não conseguem se acostumar a sair do lado "ruim" da força.

[48] Comentário enviado por removido em 27/12/2007 - 17:35h

Pelo menos conseguimos citar nomes téte-à-téte não precisamos de "charadinhas"...

Concordo pelo fato de ser bobeira, porque você realmente falou bobeira, e se o camarada passa 3 anos para desenvolver um software, e não sabe aplicar a estratégia comercial adequada, então, ele é o nerd.

E problema é se chamar Brivaldo! =)

[49] Comentário enviado por condector em 27/12/2007 - 17:59h

Não perco tempo com ofensas pessoais, já devia ter aprendido isso a algum tempo (vide netiqueta), isso não leva a nada.

Venha com argumentos meu amigo e não com ofensas pessoais pois discussões são utilizadas para aprendizado mútuo e exposição de valores diferentes.

Acredito que se a carapuça serviu, então beleza.. hehehe, sim, falava de você mesmo Rodrigo, mas o problema é seu a vida é sua e a visão de vida também, boa sorte com isso.

Seja feliz, use SL e pare com a pirataria.

[50] Comentário enviado por removido em 27/12/2007 - 22:33h

É isso mesmo Brivaldo, não leva a nada, então porque você mexeu antes?

"Quanto ao nosso amigo 'problema'"

E eu fui com argumentos, quem desenvolve software, deve analisar o modelo de negócio cabível de acordo com a situação.

Ou você conhece algum software pequeno onde a pirataria seria o ponto principal para a falência de um desenvolvedor?

A pirataria do windows não faliu a M$ até hoje.
A pirataria do photoshop não faliu a adobe até hoje.
A pirataria do SIC não faliu a Sicnet até hoje.

É como eu disse anteriormente, pirataria não é capaz de falir um programador, afinal, um software para ficar famoso à ponto de ser pirateado, já lucrou o suficiente para se manter, e garantir o pé de meia do desenvolvedor ou empresa.

Agora, a minha "revolta" é com hipócritas que querem fazer pose de politicamente correto.

Os desenvolvedores e empresas que conheço ganham dinheiro com softwares sob medida, ou customização, ou suporte, etc etc etc.

AH, e não perca seu tempo mesmo Brivaldo, pois quando um software seu chegar a ponto de ser pirateado, você já estará com uma conta bancária bem gordinha.

Enquanto isso, vou usando softwares livres, e usando cópias piratas de softwares proprietários.

Boa noite e feliz ano novo.

[51] Comentário enviado por condector em 28/12/2007 - 01:51h

Sem problemas, hehee, vamos torcer para que esse dia chegue rapidinho.. quem sabe eu não pague uma rodada de cerveja no próximo FISL hein?? hahuauhuha.

Feliz ano novo a todos.

[52] Comentário enviado por davidsonpaulo em 28/12/2007 - 11:11h

Se existe uma coisa nojenta nesse mundo é a tentivativa das pessoas justificarem seus erros como se fossem corretos.

Por que existe tráfico de drogas? Porque existem drogados que acham que não estão fazendo nada de mais.

Por que existe roubo e assalto de coisas que não são alimentos? Porque existem receptadores que compram produtos roubados e acham que não estão fazendo nada de mais.

Por que o número de acidentes de carro aumenta? Porque existem pessoas que dirigem em alta velocidade, sem cinto de segurança e/ou bêbados e acham que não estão fazendo nada de mais.

E por que existe pirataria de software? Porque existem pessoas que usam softwares piratas e acham que não estão fazendo nada de mais.

Ninguém nesse mundo é perfeito. Já vi muitas reportagens que mostram como traficantes em determinados momentos da vida se viram obrigados a entrar para o mundo do crime (que fique claro que nada, em absoluto, justifica o crime). No entanto, nunca vi nenhum que tivesse orgulho disso e chamasse aqueles que não são bandidos de hipócritas (hipócritas são os usuários de drogas que vão fazer passeatas pela paz). O traficante é bandido, sabe disso, e quanto vai preso, fica de boca quieta enquanto as reportagens são feitas.

Nojento não é alguém fazer algo errado, pois todos são humanos e possuem seus erros. Nojento é ter orgulho de dizer que comete o erro, dizer que é correto cometer o erro, desprezar as pessoas que não o cometem como se fazer a coisa certa fosse idiotice ou, pior do que isso, dizer que todas as outras pessoas do mundo cometem o mesmo, sem exceção.

Homem que é homem não tem orgulho de seus erros, mas os admite para si próprio, tem vergonha deles, os esconde e busca deixá-los. Aceitar os próprios erros como corretos, anunciar ao mundo que os comete e que não está pensando em deixá-los é indecente e vergonhosamente covarde.

[53] Comentário enviado por removido em 28/12/2007 - 11:39h

Nossa, que stress...

Cada um com sua visão, né?

[54] Comentário enviado por isaque_alves em 29/12/2007 - 02:16h

Ok.. ok...
Galera, nem é pra tanto....
Primeiro definindo a figura do desenvolvedor: Classe formada por trabalhador autônomo ou não que pratica atividades de desenvolvimento de softwares, websites, etc.
Entendam: O problema não está no uso em si. é verdade, muitas pessoas usam software pirata... mas nós que trabalhamos com desenvolvimento, repito, nem poderíamos sonhar com isso....
Acho que é tempo de entendermos que os softwares proprietários têm suas qualidades e talvez não venham a valer o quanto é cobrado por eles, e também temos que admitir que o software livre apesar de evoluir claramente mais rápido, ainda levará algum tempo até equiparar-se em matéria de recursos...
Quando escrevo este artigo, penso na figura de centenas de jovens (como nós) que se 'embrenham' e se empenham pra criar programinhas simples ou websites e fazem isso usando software pirata, e sem querer acabam produzindo uma cadeia complexa de desvalorização no mercado.
Por exemplo, uso o dreamweaver para criar de forma rápida um website:
conexão com banco de dados, templates, etc. tudo simples, até demais...
Ofereço o serviço pra um cliente por hipotéticos 300 conto... putz...
Acontece que um cara que fez um curso sério, formou-se e desenvolve a anos, utiliza software livre, e cobra 2.000 pilas vai ficar a ver navios...
Levando em conta que se o carinha que desenvolve a 300 conto pagasse para usar o DW e tivesse um mínimo de bom senso, pois não é apenas a licença que custa caro (Energia elétrica não é fornecida de graça, nem internet, e muito menos nós somos máquinas que existimos só pra isso...) ele estaria sendo injusto não apenas com o outro, mas consigo mesmo...
Leve em conta essas coisas, a não ser que você seja só mais um ráquizin...
A questão é de ser justo consigo mesmo...
OBS.:
Eu trabalho com desenvolvimento, e brevemente pretendo distribuir um software que estou criando sob licença GPL. Vou cobrar apenas pelo suporte oferecido ou implementação de novos recursos. Se eu quiser, crio uma versão comercial... problema meu se alguém vai querer pagar por ela ou não...

[55] Comentário enviado por Daniel_Vieceli em 29/12/2007 - 20:34h

cara sei la mas nunca usei programas legais uso o crossover e o cedega falsos sem ploblemas! mas vlw :)

[56] Comentário enviado por Teixeira em 29/12/2007 - 23:03h

Baseado em consultas pessoais que fiz às principais empresas interessadas e às organizações que fazem campanhas a favor da não-pirataria, afirmo que o discurso dessas é um tanto vazio.
Senão vejamos, considerando que hipoteticamente eu tenha computadores bastante desatualizados na minha pequena empresa ou em uma pequena rede familiar:
- Se eu quiser adquirir LEGALMENTE o vetusto Windows 95?
Não poderei fazê-lo, pois a MS não dá mais suporte para aquele produto.
- Se eu quiser adquirir LEGALMENTE uma cópia antiga do AUTOCAD? Não poderei fazê-lo, pois o fabricante não o disponibiliza mais.
- E quanto ao Clipper, ao Corel Draw!, e outros?
São versões de produtos abandonados - de fato - por seus fabricantes mas se eu os instalar à revelia, serei - de direito - considerado PIRATA.
NINGUÉM dentre os consultados deu uma solução, digamos, amigável.
Fala-se em "licenciamento", "cópia legal", "pirataria", "crime" e citam outros termos de efeito. Preços sempre correspondentes à versão atual.
Mas nenhuma solução (preferencialmente "mais em conta") para o usuário de boa-fé.
(Há os que chamam produtos assim de "abandonware", contudo esse conceito é errôneo, pois os direitos dos proprietários continuam em vigor e, de forma assombrosamente diferente de outros setores da propriedade industrial e/ou intelectual, não caem em domínio público).
No princípio do ano, consultei o preço de um reles Cobol ANSI (segundo um anúnco de revista do ano de 1986) e foi-me informado um preço superior a R$ 1.400,00 !!!
Então, quem é que acha que eu vou programar em um Cobol de R$ 1.400,00 ?... Tá de brincadeira, seu zero-cinco??

[57] Comentário enviado por removido em 30/12/2007 - 10:53h

O software-livre parte da premissa que a informação é livre.
E não-proprietária, ou seja, a informação é de todos.
Isso é software-livre.

Não precisava de textos, por isso é muita falação.
O software-livre não é pirata, pois tem sua licensa e não são poucas. Dizer que piratária é bom não entendeu o que é software-livre.
Quem é desenvolvedor perde mais dinheiro com a piratária do que software-livre.
Pois no caso da piratária for 100%. Bill Gates seria o homem mais pobre do mundo


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts