Conceito de Software Livre

Este artigo fala sobre a filosofia de software livre, abordando os quatro principais aspectos que levam o seu software ao rótulo de software livre. Este será útil para pessoas que estão iniciando no mundo LIVRE.

[ Hits: 39.749 ]

Por: Gustavo Marcon em 10/06/2003


Conceito de Software Livre



A maioria das pessoas que estão iniciando em Linux possui questões a respeito do conceito de software livre e Filosofia GNU.

Eu mesmo já passei por isso e sei que é complicado entender. Para facilitar sua iniciação e contribuir com a comunidade Livre do Planeta, resolvi escrever este artigo (Gostaria de ressaltar que este texto foi retirado de um trecho da apostila "Conectiva Fundamentos de Administração de Sistemas Linux").

Mas deixa de papo e vamos ao que interessa.

O que é Software Livre?


O termo em Inglês para software livre é Free Software, o que pode gerar muita confusão, pois a palavra free tanto pode ter o sentido de gratuidade quanto o sentido de liberdade. Contudo, Software Livre refere-se á liberdade dos usuários em executar, copiar, distribuir, estudar, modificar e melhorar o programa. Mais precisamente, este termo refere-se a 4 tipos de liberdade, para os usuários do programa:
  • A liberdade para executar o programa, com qualquer propósito.
  • A liberdade para estudar como o programa funciona e adaptá-lo às suas necessidades. O acesso ao código-fonte é um pré-requisito para que isto possa acontecer.
  • A liberdade para redistribuir cópias do programa, para que se possa ajudar os amigos, conhecidos, parentes, etc..
  • A liberdade para melhorar o programa e distribuir suas melhorias para o público em geral, de maneira que toda a comunidade possa se beneficiar disto. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para que isto aconteça.
Para que um programa possa ser considerado Software Livre, os usuários devem ter estas quatro liberdades.

Qualquer usuário deverá ser livre para redistribuir cópias do programa, com ou sem modificações, cobrando ou não por este ato. Além disto, não pode ser possível para o autor do programa revogar estas liberdades. Se isto puder acontecer, o programa não é livre.

Não há problema algum em cobrar para distribuir Software Livre, desde que o usuário tenha sempre liberdade para copiá-lo e modificá-lo sem solicitar permissão para qualquer pessoa que seja.

Apesar disso podem existir regras restritivas, desde que estas não entrem em conflito com as quatro liberdades centrais. O copyleft por exemplo, é uma regra restritiva que garante que estas liberdades sempre existam.

Embora o copyleft seja preferido pelo projeto GNU, existem softwares livres que não utilizam o copyleft, como o X Window System.

Espero que tenham gostado desta explicação. Acho que ela serve para por cada vez mais usuários no mundo do software livre.

Até a próxima pessoal, e VIVA O LINUX..... Não deixem de colaborar!!!

Valeu!!!

[email protected]_marcon
Programação PHP e Administração Linux

   

Páginas do artigo
   1. Conceito de Software Livre
Outros artigos deste autor

Windows e Linux no mesmo micro

Organizando usuários e senhas do Proftpd

A Licença Pública Geral GNU (mais sobre)

Leitura recomendada

O grito!

Slackware vs Ubuntu: Seja livre para trocar um por outro

Onde estão os programadores casuais?

Ilegalidade em Editais de Concurso que cobrem Conhecimento em Software Específico e Proprietário

Resistência de usuários Windows na utilização de Linux

  
Comentários
[1] Comentário enviado por Oki em 10/06/2003 - 18:28h

Olá Gustavo, gostei muito do seu artigo, entretanto tenho algumas considerações ou dúvidas sobre este assunto, pois eu ainda não consegui chegar a conclusão do ponto de vista juridico do que podemos cobrar?.

1) Quando utilizamos um código fonte sob licença GPL, é necessário garantir que o produto de nosso desenvolvimento seja livre também, ou seja, o programa que geramos à partir do código livre, seja livre também

2) Podemos cobrar pela mídia que usamos para distribuir o software, mas não pelo software, ou seja, se a mídia e o custo de distribuição for de R$10,00, então o software deve ser vendido por R$10,00, entretanto não podemos cobrar o software, ou seja, podemos cobrar pela instalação, suporte, mas não podemos cobrar pelo software em si.

3) Quando usamos um código GPL, sempre é preciso dar crédito ao autor de forma visível.

Este foi o meu entendimento...,
http://www.gnu.org/licenses/licenses.pt.html

[2] Comentário enviado por gustavo_marcon em 10/06/2003 - 18:45h

Vc pode cobrar sim.
Veja este trecho:
"Não há problema algum em cobrar para distribuir Software Livre, desde que o usuário tenha sempre liberdade para copiá-lo e modificá-lo sem solicitar permissão para qualquer pessoa que seja. "

É essa a confusão que disse que a palavra free cria. Pode ser interpretada como "grátis" ou "livre", e este é o sentido correto....

[3] Comentário enviado por Oki em 10/06/2003 - 19:00h

Gustavo,

Mas, na licensa da GNU, eles fazem uma série de menções sobre custo zero e crédito de autoria, estou questionando este ponto, pois embora eu trabalhe com software livre, eu não cobro pelo software, cobro apenas pelo serviço de customização, instalação e suporte.

Portanto seguindo este raciocínio, eu poderia cobrar pelo software?

[]'s
Celso Goya
moinho.net

[4] Comentário enviado por gustavo_marcon em 10/06/2003 - 19:05h

Seguindo o conceito de software livre vc poderia cobrar sim. afinal, ningém trabalha de graça, né... é um meio de vida.

mas ñ sou um profundo conhecedor disso também.
mas deixe que hoje a noite vou ler sobre a licensa GNU, e dai posto aqui o que eu conseguir de informações, ok?

valeu, por enquanto.

[5] Comentário enviado por Oki em 10/06/2003 - 19:10h

Obrigado Gustavo,

Por favor, isto não é uma crítica ao seu artigo, muito pelo contrário... esta é uma dúvida que já me fez consultar diversas fontes, pois como meu trabalho depende disso preciso ter o entendimento claro, entretanto ainda não consegui encontrar uma explicação bem fundamentada, que me prove ou que estou certo na minha maneira de agir ou que eu esteja errado.

[]'s e muito obrigado :-)
Celso Goya
moinho.net

[6] Comentário enviado por fabio em 10/06/2003 - 23:31h

Pelo pouco que entendo de software livre, a forma que você tem para cobrar é pelas alterações que você faz sobre um GPL. Por exemplo, um provedor XPTO estava precisando de um Webmail e entrou em contato comigo, baixei os sources do IMP (www.horde.org/imp/), alterei todo o seu layout, programei uns módulos extra e o repassei para a empresa cobrando pelos meus honorários.

OS créditos de autoria e o código-fonte do sistema continuam lá e o provedor pode distribuir e instalar o software em quantas máquinas quizer, pois o mesmo continua sendo um software livre.

No caso das distribuições Linux, elas não cobram pelo kernel e interfaces gráficas padrão que são distribuídas, o custo adicional sobre a mídia vem a partir dos softwares personalizados que os mesmos criam e adicionam à distro, como por exemplo: interface de instalação, ferramentas de configuração, tradução de páginas de manual, honorários dos mantenedores da lista de pacotes e por aí vai, mas nunca sobre um software que eles baixaram e só tiveram o trabalho de chapar no CD, certo?

Pelo menos é o que entendi sobre o assunto.

[7] Comentário enviado por gustavo_marcon em 11/06/2003 - 14:45h

concordo. mas o que estamos colocando em questão é o que cobrar (ou se devemos cobrar) por um software novo, programado por nós mesmos, não por alterações...

[8] Comentário enviado por Oki em 11/06/2003 - 20:08h

Dependendo do ponto de vista, podemos tirar conclusões completamente opostas, pois podemos considerar que o free pode simplesmente respeitar a lei de propriedade intelectual de cada país, ou então a lei da internet, onde tudo se copia, ou e ou e ou...

Bom a única coisa que eu gostaria de ter certeza é que não estou agindo de "má fé", isto é, cobrando a mais pelo que eu não deveria.

Então ainda permaneço no meu conceito mais simplista de "não cobrar".

[]'s
Celso Goya
moinho.net

[9] Comentário enviado por Kelekeru em 13/08/2003 - 09:35h

Caro Oki, acho que vc pode sim cobrar. Cobrar pelos serviços e pelo tempo que vc gastou para montar o Software, mesmo sendo livre, vc trabalhou em cima dele.
Assim como as distribuições que são cobradas.

[10] Comentário enviado por -.$Santana$.- em 28/08/2004 - 16:20h

Eu tenho uma dúvida: se eu criei um codigo fonte,desenvolvi meu software e registrei com as licenças referente ao software livre eu posso cobra alem do suporte,instalação e customização o software tb???
É um pouco estranho que da uma impressão de software proprietário.
Se vcs poderem me da uma ajuda agradeço.

[11] Comentário enviado por tmferreira em 06/09/2004 - 15:35h

Gostaria de postar aqui minhas opniões e dúvidas sobre o assunto:

Estou trabalhando no desenvolvimento de aplicações de gerenciamento de empresas. Trabalho com ferramentas com licença BSD, mas acho justo cobrar pelo software que estou fazendo, pois como vou ganhar dinheiro?
Tais programas são, em geral, fáceis de usar e não necessitam de muita mão-de-obra, pois são feitos em 3 camadas e só instalados no servidor. Então como posso cobrar por suporte? Só se eu fizer mal feito e precisar de retoques o tempo todo.
Além disso, nada impede de o empresário repassar todo o programa para outro do mesmo ramo, que precise do mesmo software. Se eu só cobrar pela mídia, ou seja, R$ 10,00, cobrar pela instalação, depois ganho o que?
Sei que o que está aqui em questão são as regras das licenças, mas como trabalho utilizando softwares BSD, me sinto no direito de cobrar.
O que eu queria pedir ajuda é sobre quanto cobrar. Gostaria de saber como e QUANTO a comunidade cobra pelos serviços.
Eu por exemplo cobro pela mão-de-obra da confecção do software e depois faço uma análise do custo-benefício que vai trazer a instituição e costumo cobrar entre 3 a 6 vezes do valor mensal do benefício, ou seja, se com meu software for beneficiar a empresa em R$2000,00 mensais, cobro em torno de R$ 10000,00 depois de 1 mês da instalação.
Gostaria que os amigos compartilhassem aqui sobre o assunto.

Abraços.

Thiago Ferreira
[email protected]

[12] Comentário enviado por anarchaos em 29/04/2005 - 18:38h

Para a FSF e a GNU, a questão central do Software é garantia de que trabalhos subseqüentes não serão proprietarizados. Essa pode ser considerada uma diferença entre licenças Copyleft (exemplo: GPL) e obras em domínio público, que pode ser apropriada por qualquer pessoa ou empresa. Esse fundamento também diferencia o Software Livre do Software de Código Fonte aberto (Open-Source), que em geral não garante a continuidade do Copyleft em obras derivadas da original.

Márcio Muccillo

Porto Alegre - RS

[13] Comentário enviado por rotaran em 03/04/2010 - 23:26h

Olá a todos, assistí a um documentário no qual o próprio Richard Stallman forneceu informações históricas com relação ao projeto GNU e a interação do mesmo com o Linux, prefiro não discutir a respeito pois isso renderia 'flames' desnecessários .... O que ainda me intriga é "como as pessoas conseguem ganhar dinheiro com software livre" ????, não estou falando de trabalhar por 12 meses e no final do ano sair comprando um Ford Fusion no cartão de débito ... estou simplesmente falando em manter as despesas de uma vida em família ...

Concordo que a liberdade para analisar o código fonte de um programa é algo indescritível, você pode aprender e MUITO com o trabalho de outras pessoas e intimamente não acredito que alguém possa fazer algo "sozinho" ...., apenas me pergunto como alguém consegue efetivamente cobrar R$ 30,00 por hora para desenvolver um trabalho qualquer que seja que envolva software livre ! No mínimo seu "possível cliente" irá rir da sua cara dizendo que qualquer profissional realiza tal tarefa utilizando o Google .... é claro que um cliente desses não merece o devido respeito, mas cá entre nós, uma pessoa que possui a oportunidade de baixar um software de qualidade de graça da Internet não irá querer gastar com configuração, customização ou algo do tipo, e se na pior das hipóteses quiser algo assim não estará disposto a pagar o preço que considero "no mínimo" justo por tal trabalho.

Respeito o ponto de vista das pessoas mas creio que a maioria dos defensores do software livre são universitários vivendo na casa dos pais, profissionais do setor público ou professores universitários concursados. Infelizmente a vida não é tão colorida como aparece na TV, as contas fazem parte do dia a dia e você só se dá conta quando tem de arcar com elas .... morando com os pais tudo acontece como um passe de mágica e idéias revolucionárias parecem extremamente paupáveis ... experimente morar sozinho ou casar ... difícil vai ser trazer comida à mesa com software livre ...

Na vida real é bem difícil encontrar empresas "privadas" interessadas em manter uma estrutura de software livre, sabe por quê ?, imagine que você possui um problema sério em um software de missão crítica, a cada minuto a empresa perderá milhares de reais se o problema não for consertado ... agora imagine você no papel de profissional responsável tentando abrir o código fonte deste software "gigantesco" e tentando achar e o pior "tendo de consertar", algo que você nem mesmo escreveu e nem teve tempo de pesquisar como realmente funciona .....?! Claro que você nunca se imaginou nessa situação pois só de pensar já dá calafrios em qualquer um ....

Bem finalizando, o mundo que vivemos é CAPITALISTA se você quer algo diferente disso sugiro que procure outro país e não caia nas garras dos EUA pois eles são capitalistas bem mais fervorosos que o Brasil .... respeito muito a ideologia do Stallman mas infelizmente acho que ele é só apenas mais um selvagem da motocicleta sem causa procurando em que se apoiar .... o mundo é assim .... temos de sobreviver ..... o difícil é arrumar quem NOS PAGUE !

SDS


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts