A Licença Pública Geral GNU (mais sobre)

Ao lançar o artigo sobre Conceito de software livre muitas pessoas do mundo livre entraram em contato comigo para expor suas opiniôes e dúvidas. Confesso que ao ler documentos oficiais encontrei contradições em alguns termos. Por este motivo, lanço agora a licença GNU, espero que isso possa ajudar os desenvolvedores de software livre.

[ Hits: 20.233 ]

Por: Gustavo Marcon em 11/06/2003


A Licença Pública Geral GNU



Ao publicar meu artigo sobre o Conceito do Software Livre, alguns usuários comentaram algumas dúvidas à respeito. Para tentar dar uma solução aos programadores, resolvi pesquisar sobre e licença Pública GNU (GNU GPL - GNU General Public Licence).

Para isso abri na mesma página do Manual da Conectiva e li sobre o assunto. Confesso para vocês que os termos entraram um pouco em contradição e já não sei exatamente o que pode ou não ser considerado um software livre, então leiam e por favor comentem a respeito para que possamos chegar á uma conclusão definitiva juntos.

A Licença Pública Geral GNU


A GPL regulamenta as liberdades centrais, definindo as condições para cópia, distribuição e modificação dos programas. Embora qualquer pessoa possa modificar uma cópia do programa é obrigatório que:
  • Exista um aviso, em destaque, em cada arquivo modificado, de que os dados originais foram alterados.
  • Exista um aviso de que o trabalho distribuído ou publicado deriva totalmente ou em parte do programa original.
  • Caso o programa seja executado de forma interativa, no inicio de sua execução deve ser apresentada informação de copyright e de ausência de garantias (ou de que a garantia corre por conta de terceiros).

Em qualquer caso, a licença não poderá ser modificada e o usuário sempre deverá ter acesso á mesma, na integra. É importante salientar que não garantias para software livre, pois caso o programa seja modificado por alguém e redistribuído, não mais refletirá o trabalho original do autor.

Na distribuição de um software livre no formato de código objeto ou executável, é necessário que sempre esteja disponível o código fonte do programa. Se não forem disponibilizados em conjunto, o distribuidor deve informar ao usuário que ele poderá adquirir, num período máximo de 3 anos, o código fonte do programa, por um custo não superior ao do meio físico de armazenamento. (é aqui que entra o dilema.. no conceito de software livre, diz que o programador pode optar por cobrar ou não pelo software, desde que ele tenha seu código aberto).

Não é permitida a utilização de partes de código de programa licenciado pela GLP em um programa proprietário. Para que isto seja possível, o programa todo deverá passar a ser software livre. Além disso, é necessária uma autorização formal do Autor. Para saber sobre a GPL, leia o texto da licença na integra (http://www.gnu.org/copyleft/gpl.html)), no site do projeto GNU, ou então, uma tradução para Português (http://lie-br.conectiva.com.br/licenca_gnu.html)) da mesma no site do Projeto lie-br.

Outras Licenças


Além da licença GPL, existem outras licenças com filosofia de software livre, como o BSD Copyright e o X Copyright. A diferença básica entre estas licenças e a GPL é que um programador poderá modificar e redistribuir um programa, sem a necessidade de disponibilizar as alterações feitas no código-fonte. com isto é possível tornar um software livre em software proprietário.

Enquanto as quatro liberdades centrais existirem, o programa poderá ser considerado de livre distribuição. Se for lançada uma versão do programa com modificações no código-fonte, que não estejam disponibilizadas como descrito na definição de software livre, então esta versão deixara de ser considerada livre. A versão original ainda será software livre.

Pois bem. Faço um convite á comunidade Linux, comentarem suas experiências e darem opiniões sobre este assunto para que possamos refletir a respeito do que é certo ou não fazer em se tratando de SOFTWARE LIVRE, principalmente do ponto de vista econômico.

Para quem não está por dentro do assunto convido vocês á lerem o outro artigo publicado por mim, chamado Conceitos de Software Livre.

Mas sempre e de qualquer forma "VIVA O LINUX"

   

Páginas do artigo
   1. A Licença Pública Geral GNU
Outros artigos deste autor

Conceito de Software Livre

Organizando usuários e senhas do Proftpd

Windows e Linux no mesmo micro

Leitura recomendada

Bill Gates e Linux

UEFI e Boot Seguro - Conceitos básicos

Software livre, capitalismo, socialismo e um possível caminho novo

Qualidade de respostas

Onde estão os programadores casuais?

  
Comentários
[1] Comentário enviado por Oki em 11/06/2003 - 22:03h

Grande Gustavo, :-)

Já vesti a carapuçaa no "algunss usuário" = Oki, HeHeHe

Bom, eu acho muito legal falar sobre esse assunto, pois falta explicação à respeito e se a gente parar prá lembrar da história, a licença do software livre foi criada principalmente com o objetivo de incentivar a inclusão digital em locais desfavorecidos, entretanto, tem o lado capitalista da coisa, ou seja, todo mundo precisa ganhar dinheiro prá sobreviver.

Eu acho que este assunto é um tema prá vc abordar em mais uma centena de artigos e ainda assim restarão dúvidas, ou interpretações pretenciosas. Mas, desta vez gostaria de deixar em meu comentário, meu apoio à sua iniciativa de discutir este assunto e também meu voto incentivo para que outras pessoas que encontrem novos pontos de vista também falem sobre isso, pois o GPL pode ser a solução para a democratização da informática no Brasil. :-)

[]'s
Celso Goya
moinho.net


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts