Usando Linux - Vida nova para um velho Itautec Infoway

Este artigo descreve métodos para usar GNU/Linux para ressuscitar e dar vida nova a um velho Notebook Philco-Itautec Infoway de 32 Bits. Tudo isso, sem remover o Windows original dele.

[ Hits: 11.613 ]

Por: Alberto Federman Neto. em 09/08/2016 | Blog: https://ciencialivre.blog/


Pós-instalação do openSUSE



Acertando a resolução gráfica

O openSUSE Tumbleweed instalou, mas por default, a resolução era baixa, só 800x600.

Para a versão 13.2 (veja Página 2), bastou instalar o driver "xf86-video-openchrome". Mas para o Tumbleweed, o driver não funcionava (só tinha boot sem tela gráfica).

Necessitei adicionar o repositório não oficial:

http://download.opensuse.org/repositories/home:/

Balta3:

http://download.opensuse.org/repositories/home:/balta3/

Onde achei o driver "xorg-x11-driver-video-openchrome" :
Versão de 32 Bits para o openSUSE Factory, que funcionou.

Para adicionar o repositório e instalar o pacote, usei estes comandos:

sudo zypper ar -f -n http://download.opensuse.org/repositories/home:balta3/openSUSE_Factory/i586/home:balta3.repo
sudo zypper refresh
sudo zypper rm xf86-video-openchrome (tira o pacote que não funciona)
sudo zypper in xorg-x11-driver-video-openchrome

Aqui também, se preferir, use o YaST.

Instalado o driver, após fechar a sessão e abrir, eis que eu tinha de volta a tela gráfica, mas com resolução baixa ainda. Demorei para descobrir o que era.

Foi preciso ir no YaST, "Gerenciador de Inicialização", "Kernel Parameters" e trocar em "Resolução do Console Gráfico" de "800x600" para "1280x800", o máximo que o monitor do Notebook Itautec Infoway aceita.
E funcionou! Resolução boa (1280x800) e até os efeitos do Compositor (Composite, Transparências), tudo funcionou.

Veja que as VIA Chrome não tem OpenGL ou a tem com muita má qualidade (não dá para usar Compiz-Fusion, Cubo etc.). Então, com as transparências, já está de bom tamanho!

Não sou profissional de TI, especialista. Por isso não sei até agora porque mexer na resolução do Grub e do Plymouth altera a da tela, porque não deveria.

Especulo que se trata do famoso Systemd e sua "mania" de controlar tudo. Porque o Systemd controla o UDEV, e no openSUSE não há "xorg.conf". Nessas sistros, o UDEV controla a tela gráfica.

Uma evidência adicional disso, é que todas as minha tentativas anteriores de criar um "xorg.conf" foram infrutiferas. Sempre eu tinha uma mensagem de "ABI Module Version (10) not Match with the Kernel Version (20)". Eu tentei inclusive trocar o kernel e nada. Importante, que agora funcionou.

Fica a dica. Se seu openSUSE está sem resolução gráfica. Cheque no YaST, "Gerenciador de Inicialização", "Parâmetros do Kernel", "Resolução do Console Gráfico".

Acertado o vídeo, agora, personalizar os pacotes.

Instalando pacotes, modificando etc

Para ver como se procuram pacotes, no geral, em Linux, leia este meu artigo:
Vocês poderão estranhar as maneiras diferentes que usei para instalar os pacotes. Lembro a vocês que em openSUSE, há vários jeitos de instalar pacotes: Com comando Zypper, com YaST, com 1-Click-Install, baixando os YMP e dando duplo clique, usando direto os RPM etc.

Para ver os detalhes de como atualizar e todos os métodos para instalar pacotes em openSUSE, veja este meu artigo:
E esta dica:
Começando a mexer com os pacotes, removi o Firefox do sistema (Firefox 40, estava travando e é pesado com 1 Giga de RAM).

Instalei o SeaMonkey (Versão 45 em português europeu). SeaMonkey é um Navegador Mozilla, mais leve. Instalei na pasta "/home", standalone e pré-compilado.

Detalhes de como instalar SeaMonkey dessa maneira (pode ser feito em qualquer distro e com Firefox, também):
Usando YaST, instalei XFburn (que "casa" melhor com o Xfce do que o Brasero). Instalei outro navegador que gosto (o Opera). Deixei o Chromium (é tipo o "Google Chrome", os alunos gostam). Instalei outro ambiente gráfico, o Enlightenment (gosto de ter mais de um).

O Opera, eu baixei e expandi o RPM do site oficial:
Instalei também, no SeaMonkey, a extensão aceleradora de downloadfs chamada FlashGot.

Outros pacotes que instalei porque gosto, o QMMP, o Mplayer, Gnome-Mplayer, VLC.
Por exemplo, achei o acelerador de downloads Axel para openSUSE2 Bits, no RPM PBone Net:
Deluge, MuCommander, Hardinfo, BleachBit e alguns outros pacotes.

Gerenciador de Rede WICD (mais fácil para configurar as redes Wifi e de IP fixo). Este instalei fácil com 1-Click-Install:
Não usei ele (a rede funciona), mas numa eventualidade, já está instalado. O fiz porque no Sabayon (outra Distro) precisei usar. Você pode instalar o que quiser.

Apenas recomendo que, após instalar tudo o que quiser, desative ou remova os repositórios não oficiais e de terceiros (exceto o Packman). Porque se atualizar todo o openSUSE, sem os remover, poderá ter problemas semelhantes aos que ocorrem com as PPAs de Ubuntu.

O Notebook Itautec Infoway ficou bem usável (veja Página 6) e até que rápido.

Na imagem, veja o openSUSE Tumbleweed funcionando. Com o navegador SeaMonkey e a extensão FlashGot (esta, usando Curl), ele está baixando uma ISO de 32 Bits do Sabayon 14.08 (que está na minha área do DropBox), que foi usada para fazer um pendrive persistente (Página 5).
Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Método principal: openSUSE no disco rígido / Testes Iniciais - Versão 13.2
   3. Método principal: openSUSE Tumbleweed no disco rígido
   4. Pós-instalação do openSUSE
   5. Outros métodos
   6. Testes / Conclusão
Outros artigos deste autor

Comparando desempenho de distros, arquiteturas ou ambientes gráficos - Método universal

Linux pode ser usado por todo mundo! Escolhendo o seu primeiro Linux. Duas Filosofias fundamentais

Introdução aos ambientes gráficos e gerenciadores de janelas menos conhecidos

Como usar o Bugzilla do Sabayon

Linux no Pendrive: Definitivamente configurável e persistente

Leitura recomendada

Autologin no Linux sem o uso do KDM

5 coisas que todo aluno de Sistemas de Informação deveria saber (e fazer)...

LPIC-1 - Guia de Estudos

Fazendo uma conexão bridge no VirtualBox

Instalando Redmine 2.x no Debian Wheezy com Apache Passenger

  
Comentários
[1] Comentário enviado por wadilson em 09/08/2016 - 06:46h

Parabéns
Que aventura, grande tour de force.

[2] Comentário enviado por izaias em 10/08/2016 - 16:46h

Alberto, poder instalar o bootloader de qualquer sistema Linux na raiz, não é novidade meu caro. :)

Quando usava o Ubuntu eu só queria ele para gerenciar o Grub, fazia isso sempre, é muito mais fácil. Iniciava o Ubuntu e atualizava o Grub, inserindo na inicialização o bootloader de qualquer Linux que eu instalava numa partição separada. E somente com um "update-grub".

Fiz isso com todas as distros que já experimentei, e não são poucas! :)
Fico feliz pelo sucesso do experimento. Parabéns!

Como sempre, ótimos artigos e recheados de referências.

[3] Comentário enviado por clodoaldops em 12/08/2016 - 09:42h

Tinha um netBook Acer 32bits que travava com w7 e foi ressuscitado com xubuntu-32bits. Pena que meu brinquedinho queimou e ficava inviável recuperar.

[4] Comentário enviado por bilufe em 24/08/2016 - 12:47h

OpenSuse não é muito recomendável para computadores antigos ou modestos.
Quanto de RAM está consumindo?

[5] Comentário enviado por mcnd2 em 26/08/2016 - 18:59h

Muito bom o Artigo.

Esses procedimentos lembra o meu velhinho desktop que no momento roda Debian que já faz uns 5 a 6 anos desde a instalação mais o Xubuntu desde a versão 14.04 (lançamento) e FreeBSD 10.3. Até uns 2 meses atrás tinha ainda o Windos Server 2008, logo como o sistema era inviável o uso por ficar muito lento, exterminei com ele.

Parabéns pelo Artigo.
__________________
mcnd2 - SG - RJ - BR
Linux User #606334

[i]User of systems:
Debian (Xfce)
Xubuntu
Fedora (Gnome)
Mageia (KDE)
FreeBSD (Xfce).[/i]

[b]Open your mind![/b]


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts