Sucata - Evite gargalos de hardware

Gargalos de hardware são muito comuns, sobretudo quando se está aproveitando peças de computadores antigos em computadores modernos. Para melhorar o desempenho de sua máquina, não deixe de observar as peças para garantir a máxima velocidade. Este artigo trata de alguns gargalos de hardware comuns e maneiras de evitá-los.

[ Hits: 27.968 ]

Por: Fernando de Sá Moreira em 18/07/2007 | Blog: http://lattes.cnpq.br/2269235326367932


Mais sobre placas de rede



Como é uma informação duvidosa dizer que placas de rede gigabit são sub-utilizadas, preciso me justificar:



Claro que o valor real da transferência depende de outros fatores, como a correção de erros. Esses são valores aproximados.

Tendo em vista que HDs modernos são capazes de gravar dados à velocidades superiores 33 MB/s, e que uma placa de rede 100 Mb/s transfere até 12,5 MB/s, aparentemente não usar uma placa de rede gigabit é sub-utilizar o HD. Sim, é verdade. Todavia, na prática a situação muda um pouco.

É necessário analisar outro fator importante: de maneira geral, qual é o tráfego na maior parte de pequenas e médias redes LAN? Em se tratando de uma rede doméstica com 2 ou 3 computadores ou mesmo em uma pequena empresa, apenas pacotes relacionados a serviços da internet, transferências de dados entre algum software com interface cliente/servidor (como jogos e outros), transferências de arquivos pequenos (como documentos e músicas - pequenos demais para que a capacidade da placa faça diferença) e esporadicamente uma série de arquivos de tamanho elevado (como vídeos ou várias músicas simultaneamente).

Ou seja, para o usuário médio, a capacidade de rede não se apresenta como um GARGALO, mas é ela mesma limitada por outros fatores, principalmente a velocidade da conexão com a internet. O ganho numa transferência de arquivos de grande porte é muito pequena para o usuário médio. Quando há demanda para uma placa gigabit, o ganho de tempo é insignificante para um uso casual (variam de alguns segundos a dois ou 3 minutos). Principalmente no que se refere ao uso em computadores antigos, onde a velocidade de gravação dos HDs é mais limitada.

Sendo assim, permanece o que eu tinha enunciado anteriormente: na maioria dos casos, placas de rede gigabit não costumam representar GARGALOS e não precisam ser fonte de preocupação. Obviamente, caso haja a possibilidade de comprar uma placa gigabit, sendo os custos toleráveis, vale à pena.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Evite gargalos
   3. Mais sobre placas de rede
   4. Mais sobre USB
Outros artigos deste autor

Usa Firefox? Expanda-o

Facilidade X Possibilidades

Encarando o DGuitar

O que é o OpenDocument Format

A vida em preto e branco II - Orpheus, música no console

Leitura recomendada

Como instalar o modem Intel 536EP no Slackware

Instalando som e rede onboard MB com chipset NVIDIA

Bioloid Control: Robótica virtual em Linux

Placa de rede wireless Encore ENUWI-G2 COM CHIP RTL8187B no Linux

Configurando impressoras no programa do SERPRO / Emulador 3270

  
Comentários
[1] Comentário enviado por fabio em 18/07/2007 - 04:26h

Bela aula de hardware, parabéns!

[2] Comentário enviado por darkjeff em 18/07/2007 - 09:06h

Muito legal esse tuto sobre gargalos blehhh ... gostei mesmo!!
Parabéns..

=)

[3] Comentário enviado por removido em 18/07/2007 - 10:27h

cara, seus artigos de hardware me fascinam... muito bom...
vou comprar uma placa 10/100/1000 pra min... hehehe...

falouw

[4] Comentário enviado por removido em 18/07/2007 - 18:29h

gostei,mais fico devendo explicar um pouco do barramento pci, ja que uma placa de rede gigabit em slot pci não conseguirá tirar proveito, e o barramento acaba sendo um gargalo para a placa, o mesmo para placas de video.

[5] Comentário enviado por fsamoreira em 18/07/2007 - 21:54h

icarooo,
posso estar enganado quanto aos barramentos pci em computadores antigos (pois não tenho nenhum manual disponível agora, nem placas para testes), mas a velocidade teória de um barramento PCI 32bits à 33MHz (o que creio que é a frequência minima em qualquer PCI) é de aproximadamente 132 MB/s, ou seja superior à da placa gigabit que é de aproximadamente 125MB/s. Mas, evidentemente, a velocidade real suportada depende do restante das especificações da placa mãe. Em geral, em computadores um pouco mais novos, não há gargalos em placas gigabit PCI (se houvesse não teria qualquer sentido existir placas gigabit PCI - elas não seriam gigabit então)

[6] Comentário enviado por .frank. em 18/07/2007 - 23:41h

Se me permite fazer uma correção: o correto é "1000 mbps = 125 Mb/s" e nao "1000 mb/s = 125 mb/s" onde o uso da barra (/) faz-se intender que é sobre Bytes.
Um bom exemplo poder ser o de uma internet discada onde aparece 45 kbps esta falado em 45 kilobit por segundo, e nao em 45 kilobyte. Por isso que voce nao consegue fazer downloads a 45 kb/s, pois se dividirmos 45 kbps por 8 para acharmos o valor em Kb/s chegaremos em +ou- 5 kb/s que é a taxa maxima de transferencia que vc vai conseguir fazer de download por uma net discada (conectado na velocidade acima)

[7] Comentário enviado por janio.barros em 19/07/2007 - 11:25h

Parabéns, boa explicação

[8] Comentário enviado por fsamoreira em 19/07/2007 - 15:53h

.frank.,

Realmente não acredito que há uma maneira certa de dispor as velocidades de transferência de dados. Tanto faz usar "/" ou "p", já que tem o mesmo significado. A diferença entre megabytes e megabits é o "B" ou "b". A letra maiúscula sempre se refere à Bytes e a letra miníscula sempre se refere à bits. Assim, "Mbps = Mb/s" e "MBps = MB/s".

Eu gosto de usar a barra, pois referencia melhor a divisão efetuada entre a unidade de tamanho (Mb ou MB) e a unidade de tempo "s" (segundos), é uma notação matemática universalmente aceita. Por outro lado, o uso do "p" é mais comum nos EUA (com a sua mania de fazer diferente) e também para evitar problemas de codificação (já que letras são mais bem compatíveis entre os sistemas de codificação atuais do que os símbolos); essa letra faz referência à "per" (em inglês) ou "por" (em português) - termos usados para significar divisão (como o simbolo "/").

Eu já vi em vários lugares ambas as notações, sem qualquer problema. Mas, posso estar errado, caso haja alguma convenção de notação que diga o contrário. Entretanto, não conheço nenhuma.

[9] Comentário enviado por removido em 19/07/2007 - 23:55h

Gostei do artigo, parabéns. Pelo que percebi, você não mencionou um componente muito importante também nas transferências, ou talvez eu não tenha prestado atenção. O chipset, que é o responsável por coordenar os I/Os da placa mãe.

[10] Comentário enviado por fsamoreira em 20/07/2007 - 02:33h

nao mencionei o chipset porque não sou tão bom assim para ter estudado o seu funcionamento mais a fundo e fazer um comentário proveitoso. sobre os componentes específicos das placas fico devendo para uma próxima ocasião

[11] Comentário enviado por GilsonDeElt em 22/07/2007 - 12:07h

Cara, d+
Muito bem explicado!

[12] Comentário enviado por py9mt em 10/02/2008 - 12:57h

Lembrando que a nomeclatura da AMD é baseada no athlon 1ghz e não no concorrente


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts