Linux rebate Microsoft

Veja como grandes empresas (mais especificamente a Microsoft) "moldam" os números para aumentar seu aparente domínio de mercado.

[ Hits: 8.816 ]

Por: Cicero Juliao da Silva Junior em 15/01/2010


Moldando os números

Navegando a internet encontrei um ótimo artigo de Robin Harris intitulado "Linux kicks Microsoft back". Como uma boa parte dos internautas não domina o inglês, resolvi traduzir e disponibilizar aqui no VOL. Leia e veja como grandes empresas usam os dados de forma a beneficiar a si mesmas. Quase que enganando os usuários, mascaram o crescimento de outros produtos ou sistemas como o Linux.

Para os que dominam o inglês, veja o artigo original em:

Linux rebate a Microsoft

Desafiando a sabedoria convencional e os comunicados de imprensa da Microsoft, a ABI Research afirma que o Linux tem uma participação de 32% do mercado de netbooks - e prevê que o Linux ultrapassará o Windows em 2013. A Microsoft diz que "... mais de 93% dos notebooks de pequeno porte do mundo executam o Windows hoje." Ambos não podem estar certos.

Credibilidade?

A Microsoft é, obviamente, a maior empresa de software do mundo. A não ser por alguns processos antitruste, eles estão limpos.

A ABI Research tem estado no ramo por 19 anos. O analista sênior Jeff Orr se juntou a eles no ano passado. ABI é uma empresa estabelecida.

Dell

Além disso, este ano a Dell disse que um terço dos Mini 9 vendidos rodam o Linux. E a Dell disse mais tarde que a taxa de retorno foi maior do que qualquer XP.

Jeff Orr salienta que grande parte da atividade Linux está fora dos Estados Unidos, onde as pessoas são menos presas ao Windows. E ele também conscientemente não inclui sistemas dual-boot - apenas em sistemas Linux, por favor.

Então, quem está dizendo a verdade?

A Microsoft tem um problema especial: o seu CEO, Steve Ballmer. O "ha-ha, bata em seu iPhone".

O único que alegou uma quota de mercado de 60% dos celulares, quando analistas independentes disseram que era 14%. Steve Ballmer pode ser um bom sujeito - ele poderia ser um homem caloroso com a má imprensa - mas ele simplesmente não quer ouvir más notícias.

Por que más notícias são boas notícias

"Gestão por exceção" (MBE, em inglês) é um modelo de gestão popular que diz para olhar para as coisas que não estão funcionando como o esperado. Mas para a MBE funcionar, alguém tem de dizer ao presidente as más notícias.

Em seguida, o CEO pode descobrir qual é o problema - talvez o CEO estava errado sobre alguma coisa - e depois corrigi-lo. A Microsoft teve problemas suficientes nos últimos 10 anos para praticar.

Mas, na Microsoft, parece que poucas pessoas dizem ao CEO a má notícia. Evidentemente, fatos são fatos, e torná-los em um arranjo bom e útil é uma estratégia de sobrevivência das empresas.

Os bits para tomar

Eu não acho que a Microsoft está deliberadamente mentindo. Eles só vêem o mundo de forma diferente do que você e os analistas fazem.

Aqui está o que está acontecendo. Pessoas nas trincheiras sabiam, por exemplo, que o Linux deteve um terço do negócios dos Mini 9. E o marketing do Windows? É, pois elas sabiam que a Dell é um grande cliente. Então, você pode dizer ao chefe uma asneira do tipo "Linux está ganhando participação em um dos maiores fornecedores de PCs do mundo? Ah, não, isso é para perdedores!"

Em vez disso, por meio da magia da segmentação do mercado, você puxa os números da Dell com Linux para fora do mercado dos PCs "pequenos" e coloca-os em outro mercado - dispositivos de Internet móvel, por exemplo - até chegar à ação preferencial de 93%. Aí você diz que tem "ouvido" falar que o retorno com Linux tem sido mais alto, ou seja, não é competitivo.

Missão cumprida. Agora, você está na direção do vento, na categoria de dispositivos móveis de Internet, mas isso não é problema seu - Windows Mobile 7 vai corrigi-lo - ou não. Enquanto você viver para lutar outro dia.

Comentários são bem-vindos, claro. Passei mais de 20 anos em grandes empresas e, sim, esse tipo de coisa realmente acontece. Update: um ano atrás eu acreditava nos números da Microsoft. Hoje, a atualização não é tão grande.

Conclusão

Este foi um artigo pequeno, mas que acredito ter grande significado. Primeiro, o medo da Microsoft começa a ficar mais forte, pois esse tipo de ação no marketing caracteriza praticamente o desespero. Desespero dos funcionários do marketing, claro. E, sim, essa prática realmente existe. Também trabalhei vários anos na área e vi isso acontecer bastante.

Segundo, uma grande companhia anunciar que um terço de uma de suas linhas sai "de fábrica" com Linux? Certamente é algo relevante. Não apenas há um terço do mercado com o Linux, mas há a disposição de anunciar tal fatia, algo antes temido por retaliações ou coisas do tipo.

Admirável mundo novo. Viva o Linux!

   

Páginas do artigo
   1. Moldando os números
Outros artigos deste autor

Convertendo formatos de vídeo/áudio

Grace - Usando a função "Regression"

Instalação ou Recuperação do GRUB

Guia introdutório do Linux IV

Programando em Octave (parte 1)

Leitura recomendada

Como softwares livres podem gerar lucro

"HELP" - Como solicitar auxílio em comunidades (como o VOL) e fóruns

Onde o GNU/Linux ganha de lavada do Windows

Facilidade X Possibilidades

Software Livre e a sociedade da colaboração

  
Comentários
[1] Comentário enviado por luanyata em 15/01/2010 - 16:57h

O Marketing é a chave para qualquer negocio... agora inventar resultado já é pouca vergonha... como uma empresa quer crescer iludindo seus clientes dando-lhe um ar de grandeza????

q feiu kkkkkkk


viva o linux !!!!

[2] Comentário enviado por monsores em 15/01/2010 - 21:51h

O grande problema ainda é que boa parte deste 1/3 "sai de fábrica" com Linux só porque é mais barato e logo em seguida vai ser substituída por um Windows pirata.
Infelizmente ambos resultados podem não estar assim tão longe da realidade: a grosso modo basta que 32 de cada 100 netbooks sejam vendidos com Linux e 25 destes sejam substituídos por Windows pirata. Neste caso apenas 7 em cada 100 utilizariam Linux, resultando nos 93% da Microsoft.
Talvez este "25" da Microsoft esteja meio exagerado, mas infelizmente eu não apostaria que é muito menos que isso não...

Abraços.

[3] Comentário enviado por baza em 15/01/2010 - 22:32h

É realmente muito difícil estimar o número de máquinas que usam o LINUX mas, os indícios apontados por diversos setores certamente desmascaram o número oficial de 1 a 2% - abrangendo desktops, notbooks e netbooks. Sabemos que os netbooks são realmente o ponto forte, mas a tendência de um aumento é notável em todos os modelos e tendem a intensificar com os sistemas operacionais da GOOGLE. Esta última também aponta a incrível presença do termo LINUX nas pesquisas em todo o mundo, tendência não tanto expressiva nos EUA conforme já acentua o presente artigo.

[4] Comentário enviado por juliofsn em 15/01/2010 - 23:19h

Bom lembrar que no mercado de netbooks a MS correu atrás do prejuízo, já que de início, o Linux dominava com muuuuuita folga. E depois a briga ficou equilibrada, nunca ouvi nenhuma pesquisa apontando uma participação pequena do Linux em netbooks.

[5] Comentário enviado por Teixeira em 16/01/2010 - 02:34h

Não é boa prática aceitarmos com total credibilidade qualquer informação de natureza estatística que não provenha de fontes neutras, independentes, não envolvidas no mérito da questão.
Infelizmente porém temos uma forte tendência a acreditar prontamente quando a mídia nos diz que o detergente X é melhor que o Y, ou mesmo na sugestão de que se fumarmos o cigarro Tal ou usarmos o desodorante XPTO viveremos eternamente cercados de belas mulheres, ou que comprando a Churrasqueira Ajax faremos deliciosos churrascos...
Cada um puxa a brasa para a própria sardinha.
Modernamente, e antes mesmo que o Windows Seven tivesse sido lançado oficialmente, já constava em matéria paga da Microsoft que "milhares de usuários estão se beneficiando...(etc., etc.)".
Muitos dados estatísticos vêm sendo distorcidos o tempo todo. Por exemplo, diz-se que 80% dos fumantes são portadores de câncer. Os números verdadeiros revelam, isto sim, que 80% dos portadores de câncer de pulmão são fumantes. Pequena diferença na maneira de afirmar, grande diferença nos resultados.
Aliás, estatisticamente falando, Caim teria assassinado exatos 25% de toda a população da terra...
Ou ainda 33,33% se ele mesmo se excluísse; Ou 50% de todos os irmãos do mundo.
Todos esses números estariam corretos, cada qual mediante um ponto de vista diferente, embora a realidade "real" (não a "realidade fantástica", forçada) fosse outra, um tanto diferente.
Muitas narrativas escondem afirmações enganosas.
Exemplo? Na Bíblia, a famosa Parábola dos 10 Talentos. Embora prevaleça o sentido mais importante que é o ensinamento do Mestre, jamais existiram 10 talentos. É que ninguém parou para contar direito: Um dos servos granjeou 5 talentos, o outro 2 talentos; o terceiro pegou o seu talento (1) e enterrou. Portanto, salvo engano, seriam 8 talentos e não 10.
Será que a Bíblia está errada?
Não. Ela não foi escrita originalmente com Capítulos e Versículos, nem com subtítulos e comentários. Esses foram adicionados posteriormente, com o intuito de facilitar a vida dos estudiosos dos textos sagrados.
Existe uma ciência humana chamada Angelologia (que alguns insistem em chamar impropriamente de Angeologia) e que afirma serem os anjos classificados em 9 grupos sendo 3 pertencentes ao primeiro céu, 3 ao segundo e 3 ao terceiro céus respectivamente; Dessa forma, cada grupo seria composto de 8 anjos guardiães, de forma que seriam em número total de 72, cada um responsável pela regência de 5 dias no ano.
Nosso ano solar tem 365,25 dias de 24 horas, portanto 72x5=360 (hmm, está faltando anjo aqui!).
Aí essa mesma ciência nos diz que essa diferença é suprida pelos Gênios de Humanidade, sobre os quais não há nenhum comentário nos textos bíblicos.
Porém se "esqueceram" de que ao final das contas, cada grupo de anjos teria (como eles afirmam) o seu próprio regente, e portanto cada grupo teria 8+1=9 anjos.
Ora, 9x9=81. Nesse caso a coisa se complica muito mais, porque 365,25/81=4,5092592
Alguém pode me explicar como é que cada anjo vai reger 4,5092592 dias?
Enfim, se nas coisas que deveriam ser mais sérias, mais exatas - e até mesmo impecáveis - existem discrepâncias dessa espécie, será absolutamente "normal" que as empresas procurem em nossa falta de vigilância a ocasião necessária e propícia para afirmar aquilo que lhes convém.
Que a Microsoft ainda domina o mercado de sistemas operacionais, isso é um fato.
Que está perdendo mercado, também é um fato. O que ela não quer é que isso seja de conhecimento público, apesar de não estar sendo realmente ameaçada pela concorrência.
Sabemos que a maior parte (quanto?) dos sistemas operacionais proprietários é instalada ilegalmente e que o montante desse prejuízo já está devidamente contabilizado.
E não é somente o Linux que ameaça o Windows, mas uma infinidade de outros sistemas operacionais largamente usados, e até mesmo conceitos mais modernos como Cloud Computing, etc.

[6] Comentário enviado por fsschmidt em 18/01/2010 - 09:11h

Parabéns pela iniciativa de traduzir o documento. Percebe-se que o autor preferiu ser politicamente correto e destacar o fato da "mágica dos numeros"...

"A não ser por alguns processos antitruste, eles estão limpos."

A MICROSOFT limpa???? Limpo está o comando vermelho....os processos vao muito além do antitruste...a microsoft doa parte dos seu faturamento para o orçamento bélico americano,
obviamente tem um grande lucro com isso.....Seus softwares nos tiram completamente a privacidade. Quem nunca ouviu o caso COMPROVADO na Europa que instalações do Windows tinham
backdoors e contas secretas para o governo americano espionar??

Agora, concordo com o amigo que comentou que os netbooks com Linux geralmente instalam o windows "pirata"...eu trabalho com linux há 10 anos, mas não perco tempo tentando
convencer usuários a utilizarem...o ser humano prefere a facilidade dos "dois cliques", e viva a tela azul !!!



[7] Comentário enviado por JD em 23/01/2010 - 15:50h

Parabéns... excelente iniciativa

[8] Comentário enviado por nrj em 01/02/2010 - 20:17h

Não é de hoje que a Microsoft teme o crescimento do Linux, dai utilizam meios para mostrar uma imagem irreal.
Na verdade encontramos esse tipo de manipulação não só em informática mas em outros setores também.
O Linux ganha espaço principalmente nas grandes corporações pois além de ser um sistema muito confiável
gera redução dos custos de suporte. Hoje o fator econômico pode ser um diferencial na hora de escolher
um software ou sistema operacional.

[9] Comentário enviado por Gilmar_GNU/slack em 26/03/2010 - 14:16h

isso ai é 171

[10] Comentário enviado por vinivend em 18/01/2011 - 10:31h

com todo esses incentivos do governo em breve o linux vai dominar.

viva o linux

[11] Comentário enviado por sacioz em 11/05/2011 - 21:51h

Complementando fsschmidt ,eu li o artigo no zed net etc, e a Dell declarou que o retorno(dos Linuxes) não era maior que o retorno dos XPs, no quesito "Microsoft limpa" sim,limpa fora a rusguinha que foi a batalha da Nestcape e fora os US$ 100.000.000(cem bilhões de dolares americanos) em arreglos fora dos tribunais europeus. Fora isso limpissimos ,claro.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
{BANNER_MODEL1}
{BANNER_MODEL2}
{BANNER_MODEL3}

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts