A História que se perde...

A maioria dos participantes do VOL é bastante jovem e não se recorda da evolução dos sistemas operacionais. Fragmentos desta História são facilmente encontrados, mas há coisas curiosas que o tempo está se encarregando de apagar.

[ Hits: 39.508 ]

Por: Edwal F. Paiva Filho em 22/01/2008


No princípio



A idéia de escrever este artigo foi inspirada pelas discussões Windows versus Linux aqui no VOL. Li tantas opiniões estranhas que ficou patente que muitos desconhecem os detalhes desta História. Espero que este artigo seja publicado, se não é tão Linux, pelo menos é mais pertinente à informática que às discussões religiosas.

O UNIX é considerado o patriarca dos sistema operacionais, no sentido da interação homem máquina e dos seus fundamentos, que sobrevivem até hoje nos sistemas chamados *nix.

Todavia os computadores pessoais, os chamados PC, não nasceram com o sistema operacional UNIX. A primeira tentativa da fabricar e vender computadores pessoais foi da Apple, e foi bem sucedida. A Apple partiu do princípio de fornecer tudo num pacote fechado, máquina e sistema, pois isto garantia uma compatibilidade total e facilidades para o usuário que podia adquirir o pacote todo pronto.

Apesar do avanço técnico, o produto da Apple apresentava o inconveniente do alto custo, ficando ao alcance apenas das classes mais abastadas do país mais rico do mundo.

Muitas tentativas aconteceram, algumas relevantes com máquinas de 8 bits.

Pouco depois, lá por meados dos anos 80, a IBM, a maior empresa de informática no mundo na época, detentora de 70% do mercado americano de informática, interessou-se pelo assunto de computadores pessoais e passou a fabricar o PC, Personal Computer, com objetivo de popularizar a informática, mantendo preços mais acessíveis.

O IBM PC era uma máquina de 16 bits, que possuía um ou dois drives de disquete de 5 polegadas, que continha o sistema operacional e os dados. Na primeira edição não possuía hard disk.

Em seguida o PC ganhou um hard disk, o precursor dos IDE's

A necessidade de controlar os custos para massificar o produto levou a IBM à primeira grande inovação: A arquitetura do PC foi aberta, permitindo a muitos fabricantes concorrerem com melhores preços. A idéia de abrir o produto não partiu do software, partiu da fabricação de hardware.

Vamos agora aos fatos mais intrigantes da evolução do PC e dos seus OSs.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. No princípio
   2. Colaboradores e competidores
   3. Tentando entender o inexplicável
   4. Conclusão
Outros artigos deste autor

Aonde o Windows é frágil

Slackware descomplicado para iniciantes

Ubuntu Multimídia com Studio

Completando o Ubuntu (para principiantes)

Como acelerar o GNU-Linux

Leitura recomendada

A essência de ser Livre

Será que existe mercado para distribuições Linux não comerciais?

Para quem não conhece, eis o LMDE e umas palavras sobre Refisefuquis

Distros "meia-boca": Por que existem?

Informativo: novos recursos no fórum

  
Comentários
[1] Comentário enviado por karioka_pr em 22/01/2008 - 12:07h

"Trabalhando para a IBM Bill Gates e a Microsoft desenvolveram o DOS"

Peraí... então o filme "Piratas do Vale do Silício" está errado ?
O que é mostrado no filme é que Bill gates foi oferecer à IBM um sistema operacional que ele não tinha. O mais interessante é que o filme é tido como a história real das duas gigantes.

[2] Comentário enviado por jcaj em 22/01/2008 - 14:31h

Realmente, a história verdadeira é que Bill Gates, comprovou o DOS,incremento-o e vendeu a então gigante azul(IBM). Vocês podem ver isso no filme citado no comentário anterior. Vocês podem procurar o filme pelo nome: Piratas da Informática que é mais conhecido aqui no Brasil.

[3] Comentário enviado por nicolo em 22/01/2008 - 16:14h

Bill Gates não vendeu o DOS para a IBM. Os direitos do DOS sempre foram da Microsoft. O contrato sempre foi de Licenciamento direto ao consumidor e nunca de venda para a IBM. A forma inicial do DOS foi, de fato, adquirida de outra empresa, esta sim foi uma venda de direitos. As versões seguintes do DOS foram desenvolvidas pela Microsoft.
O desenvolvimento do DOS foi em harmonia com a IBM pois o sistema e a máquina tinham que ser compatíveis.
Tanto o filme como o artigo estão, pois, corretos.

[4] Comentário enviado por eduardo em 22/01/2008 - 16:23h

"Espero que este artigo seja publicado, se não é tão Linux, pelo menos é mais pertinente à informática que às discussões religiosas"


auhushauhshsa


Bom artigo cara.

[5] Comentário enviado por removido em 22/01/2008 - 16:28h

Sobre as últimas linhas, concordo plenamente!
Agora, tarde, o Windows é um SO sério e trabalha bem.
Muito legal, parabéns!!

[6] Comentário enviado por marcosmiras em 22/01/2008 - 16:35h

Legal Nicolo... Joia mesmo esse artigo...
Abraço!

[7] Comentário enviado por K1LL -9 em 22/01/2008 - 17:24h

Nunca cheguei perto de um OS/2, talvez por fatores citados no artigo. Mas confesso que fiquei curioso, realmente 'travei' no "Tentando entender o inexplicável" e tive que concordar com meu pai que sempre me fala:

"O medo de perder tira a vontade de ganhar."

¬¬
"Não é apropriado, além de deselegante, insultar o Windows. Ele não é obra de uma intenção ardilosa, nem de um jogo sujo, mas da preferência da massa."

Isso é verdade, porque niguém foi obrigado usar o windows, o fizeram
porque em algum lugar leram, viram ou ouvirão sobre ele.

Foi o meu primeiro contato com um sistema operacional como foi de 90% dos que participam aqui no VOL, e não nos impedio de reconhecer e adotar o Linux quando tivemos a chance.

A maior liberdade é o livre-arbítrio - faça as suas escolhas.

Muito bom eu gostei, tomara que seus próximos artigos tenham
esse mesmo teor eloquente e elucidativo.





[8] Comentário enviado por elgio em 22/01/2008 - 18:07h

(post editado. Era IDENTICO ao posterior. Não sei o que houve...)

[9] Comentário enviado por elgio em 22/01/2008 - 18:07h

"Isso é verdade, porque niguém foi obrigado usar o windows"

Não entendo BEM ASSIM desta forma.

Tenta comprar um notebook SEM O WINDOWS. Na Dell por exemplo...

Na verdade na verdade a imensa maioria dos usuários foi sim obrigada a usar por entender que não havia outra escolha.

O "não é obrigado" se aplica a nós que já nos libertamos.

E o que dizer das "artimanhas" da Microsoft para "obrigar" os usuários? O que foi aquilo com a Netscape? (tornaram o IE tão, mas tão ligado ao SO que desistalar o IE para instalar o Netscape significava corromper o Windows. Ninguém lembra?)

E a polêmica do DriveSpace do Dos 6.2? Que virou DOS 6.21 que rapidamente virou DOS 6.22. (porque a empresa Stacker processou a Microsoft por causa do Drive Space, obrigando ela a remover no 6.21. No 6.22 veio o dela mesmo, que nunca chegou aos pés do da Stacker)

Nem tanto o céu e nem o Inferno. Não prego que a Microsoft seja o lado negro da força, mas que ela também não é nenhuma santa, isto não é (e olha que nem falei dos códigos de espionagem inseridos no Windows ou de funções não documentadas desde o Win 3.1 para impedir que a concorrência fizesse ferramentas tão boas quanto as da Microsoft... Veja se o manual do fdisk fala algo sobre o parâmetro /mbr!!!)

[10] Comentário enviado por elgio em 22/01/2008 - 18:14h

Sabia que iria errar os números, NÃO A ESTÓRIA!

Dos 6.2: Com doubleSPace. Era uma cópia do Stacker. Mediante processo, a Microsoft precisou remover.

Dos 6.21: o mesmo que o 6.2, só que SEM O DOUBLE SPACE, atendendo ao processo.

Dos 6.22: DriveSpace, que não era "cópia" do Stacker, mas nunca chegou aos pés da concorrente...

[11] Comentário enviado por mcnd2 em 22/01/2008 - 22:55h

Muito bom comentário.

Meu primeiro PC tinha o Windows 95 muito estranho, depois fui adiante e dei uma topada no Windows 98 até cair no Windows XP. Pra levantar com Windows Vista não dá. Aí veio a força pra se levantar sozinho o Linux, hehehehehe...

Que a liberadade esteja com todos nós!

[12] Comentário enviado por zoby em 23/01/2008 - 03:29h

"A IBM abriu o hardware, fechou o software e acabou perdendo mercado para uma nanica Microsoft, que vendia um produto tão ruim (o Windows 3.1 e o 95)"

O Windows 3.1 não era ruim, ao menos p/ uso pessoal, seu objetivo. Era muito bom, eu só deixei de ter saudades dele quando conheci o Slackware em 2007. O q não se pode é comparar sistemas sem dar o desconto do tempo.

Faltou ressaltar no artigo q a MS foi a criadora da interface gráfica. A coisa só começou a ficar feia quando ela partiu de vez p/ o usuário q não tinha nenhuma noção de informática. Por outro lado, popularizou os PCs e revolucionou a comunicação e transmissão do conhecimento. Se vc tem filhos, compare a facilidade c/ q eles fazem pesquisas escolares c/ as dificuldades q tínhamos em procurar livros em bibliotecas, quase sempre ruins.

Pena q Bill Gates tenha esmagado softwares excelentes, c/o Netscape e Eudora, em nome de uma concorrência puramente econômica e sem escrúpulos maiores do q as ameaças da lei. Minha única e inútil vingança, pois preciso do Win 98 p/ alguns softs protegidos q não rodam em Wine, foi conseguir retirar o IE do sistema (porque eles disseram q não era possível :)))

[13] Comentário enviado por cycne em 23/01/2008 - 04:17h

"Faltou ressaltar no artigo q a MS foi a criadora da interface gráfica"
como assim?? ...Se vc esta falando do sistema de interface grafica em geral nos computadores , está muido enganado , os sistemas *nix ja tinham interface grafica bem antes do ruindows! ....só falta agora dizer que a M$ tb inventou o mouse.. AHAHUHUAUHA

[14] Comentário enviado por fulllinux em 23/01/2008 - 09:05h

Vamos por parte...

O "DOS" (Disk Operating System) teve sua raiz de desenvolvimento pela Seattle Computer Products, não foi Bill Gates quem o desenvolveu o que ele desenvolveu foi um interpretador da linguagem BASIC. Outra coisa é que a primeiro instante Gates não comprou o DOS e sim fazia uso indevido do mesmo tanto que mais tarde num passado não muito distante teve que pagar uma multa de 50.000 dolares (que para ele isso é uma bagatela), ai sim ele adquiriu os direitos em cima do DOS que apartir daí passou a se chamar MS-DOS.

Já com todo o seu poder quando a história veio aos poderes da imprensa e começou a veícular por meios impressos, rádio e televisão, a história não era mais interesante assim, pois ele tapou sua culpa com o lançamento de um ambiete gráfico...

Em meio a tudo isso a IBM se eximia de culpa pois até então o O DOS era de contrato de licenciamento direto ao consumidor e nunca de venda e a Microsoft era quem fazia o bem-bolado.

Agora quanto aos insultos ao Windows tenho que concordar, porque se ele fosse tão ruim como muitos dizem no mundo Linux, mesmo pirata, ele não dominaria o mercado dos desktops onde a liberdade de escolha prevalece... mas tenho certeza que isso continua porque o Povo ainda não conhece Linux.

É muito difícil fazer leituras de tamanha qualidade quanto a desse artigo, salve algumas resalvas, realmente a história se perdeu em algum ponto da própria história e dou meus parabéns por ter me proporcionado essa bela leitura.

Grato.

[15] Comentário enviado por elgio em 23/01/2008 - 09:32h

Complicado esta "liberdade de escolha".

Veja a minha REVOLTA.

Eu escolhi NÃO USAR windows.

Contudo, não tenho como escolher NÃO PAGAR pela licença dele.
Como disse, já adquiri na minha vida DOIS notebooks, ambos com licença para Windows, sendo o que uso agora um HP licenciado para o Windows XP (que até mantenho em uma máquina Virtual Vmware. Uso 0,00001% do tempo o XP)

É TRISTE e revoltante!
Paguei pela licença do Windows XP contra minha vontade. Não se tem a opção de comprar SEM O WINDOWS. Pelo que sei, no Brasil, somente a ACER vende notebooks sem a venda casada com o Windows.

Onde está a "liberdade" de escolha?

As coisas não são pretas ou brancas. Tem vários tons de cinza... :-D

[16] Comentário enviado por juliofsn em 23/01/2008 - 11:34h

Realmente várias lojas não dão essa liberdade ao usuário.

O pior é que é difícil qualificar isso como venda casada, já que o computador não faz nada sem um SO, mas hoje existem muitos modelos de PC's e notebooks que já vêm com Linux.

Quanto ao artigo está muito bom, só esse detalhe da Microsoft ter criado o DOS foi uma bola fora, mas isso é irrelevante no resto do texto já que o foco não era esse.

[17] Comentário enviado por Teixeira em 23/01/2008 - 16:18h

A História permite que se vejam os fatos (ou que se deixe de vê-los) por vários prismas. Senão vejamos:

1- Haviam um PC-DOS (IBM) e um MS-DOS (Micro-Soft, com hifen) perfeitamente compatíveis entre si, com os mesmos comandos e características, convivendo na mesma época;

2- Ambos SOs eram como que uma só "adaptação" do famoso CP/M (Posteriormente CP/M86) da Digital Research, porém jamais alcançando seu imenso poder como sistema operacional, embora sendo bem mais intuitivo, sob o ponto de vista do usuário;

3- Diante do sucesso dos IBM-PCs, a Digital Researh lançou o seu DR-DOs (chamado indevidamente por muitos de "doutor DOS") que não tinha a limitação de 512kb ram (que ainda existe até hoje no projeto do PC, por questões de compatibilidade);

4- A Apple Computer, da qual já se havia desligado o Steven Wozniak ("the Woz"), e nas mãos de Steve Jobs, havia lançado o Lisa, precursor do MacIntosh, máquina de hardware e software proprietários e que apresentava a metáfora das "janelas". Já vinha com um pacote de escritório quase completo. Era porém máquina para poucos, MUITO poucos, pois seu preço era quase proibitivo.

5- "A Justiça não favorece aos que dormem".
Isso é verdade. Dentro de pouquíssimo tempo, A Microsoft (já sem o hífen) registraria para si a marca de comércio que todos conhecemos, apoderando-se igualmente da metáfora que seu concorrente incautamente não registrou.

6- A título de curiosidade, o primeiro PC da IBM era um micro de 64kb de memória, com uma fonte de 63W. Em seguida eles lançaram o "Peanut" (amendoim) que tinha como característica o teclado sem fio (infravermelho).
Jamais tivemos o "IBM-PC" no Brasil, pois somente passamos a conhecer o projeto a partir do modelo XT, e daí em diante, AT, 286, 386, 486, Pentium.

7- O Windows, em especial em suas versões 3.x era tão-somente um gerador/gerenciador de janelas gráficas que rodava debaixo do DOS.
Curiosamente, quando detectava estar rodando debaixo do DR-DOS (e não do MS-DOS) apresentava um popup alegando um determinado "erro" que todavia em nada interferia no funcionamento nem do hardware nem do software, mas que irritava (e muito) o usuário.
Como resultado, a Digital Research acabou fechando, embora seu produto fosse incomparavelmente superior, mais leve, mais estável, e mais rápido.

Percebe-se que. se o usuário final pensasse como pensa um técnico, talvez a informática (ou a TI) pudessem ter seguido por outros rumos.


[18] Comentário enviado por aniltonf em 23/01/2008 - 20:35h

Simplesmente brilhante.

[19] Comentário enviado por danpos em 23/01/2008 - 20:59h

Excelente artigo, parabéns!

[20] Comentário enviado por f_Candido em 23/01/2008 - 22:25h

Muito bom. Diferente mas essencial.

[21] Comentário enviado por fulllinux em 24/01/2008 - 08:34h

Embora já tenha comentado o artigo gosteido debate gerado e voltei pois o DOS foi impreterivelmente desenvolvido por Tim Paterson da Seattle Computer Products, assim como o Teixeira falou era uma "adaptação" do CP/M-80 da Digital Research, o DOS era para testar uma placa com CPU 8086 apenas em interface, não rodava em CPU's 8080 ou com os mesmos aspectos requeridas pelo CP/M-80.

O DR-DOS foi uma adaptação do CP/M-86 cujo seu antecessor, o CP/M para Intel 8080 e Zilog Z80, este sim foi copiado pela Seattle Computer Products como Quick and Dirty Operating System (QDOS) e depois passado para a Microsoft assim como já citei no meu post anterior após uma longa briga na justiça, pois o DOS era de contrato de licenciamento direto ao consumidor e nunca de venda e depois do pagamento de uma multa irrisória passamos a conhecer como MS-DOS.

A IBM entra na história tempos antes de conhecermos como MS-DOS, porque a Microsoft fez algumas modificações no projeto original de Tim Paterson e o licenciou posteriormente a IBM como PC-DOS.

Ah vale ressaltar que o ambiente gráfico "tosco" criado por desenvolvedres da Microsoft até sua versão 3.11 podia ser rodado em qualquer "DOS" seja ele PC-DOS, DR-DOS, QDOS e posso garantir que também roda em FreeDOS, a partir daí com o Windows 95 já em 32 bits ele só pode ser rodado em cima da patente MS-DOS.

História... História... Hístoria... sou fanático nisso!!!

[22] Comentário enviado por nicollasneves em 24/01/2008 - 10:29h

Gostei do artigo !!!!!

Parabens!

[23] Comentário enviado por Teixeira em 24/01/2008 - 17:27h

Este comentãrio vai em adicao ao que disse o colega zobi =
Trabalhei com o Windows 3.11 original, que era muito bom.
Tive a oportunidade de ver um curso de informatica com uma redezinha nesse 'Windows For Workgroups' que rodava muito bem, e tudo em cima da arquitetura 386 !
Tambem tive contato com o 3.1 onde um dos micros travava diariamente (e o outro nao).
Agora, o 3.0 era simplesmente horrivel.
Quanto ao software, muita coisa boa foi deixada de lado e simplesmente parou de funcionar com o advento do windows 95.
O discador 'dial-up' do 3.11 era primoroso e leve,
o Paintbrush 'evoluiu' para o MSPaint mas infelizmente perdeu algumas de suas melhores caracteristicas, como uma grade que permitia melhor visualizacao dos pixels.
Havia screensavers bem interessantes cujo nome nao me lembro - um deles era um aquario,
e quem nao se lembra do Johnny Castaway (o naufrago) distribuido pela Sierra, e que apesar de seu pequeno tamanho (apenas 2 disquetes) tinha o poder de entreter durante anos a fio com acontecimentos randomicos que se estendiam pela manha, tarde e noite...

[24] Comentário enviado por hellspirit em 29/01/2008 - 15:38h

?comentario=ótima leitura

[25] Comentário enviado por brunojbpereira em 30/01/2008 - 19:47h

Gostei muito de ler este artigo. o autor está de parabéns.

[26] Comentário enviado por ruydantas em 28/02/2008 - 02:19h

Esqueceram de mencionar que, mesmo que não fossemos obrigados a usar o Windows, a MS só alcançou o patamar em que se encontra com a artimanha de venda casada.
Os fabricantes de PC`s passaram a vender seus computadores com o rW...$ pré-instalado e para isso tinham que pagar pela licença a MS por PC produzido, ou seja, vendesse ou não a MS ganhava o seu quinhão.
Quem não quer uma molezinha dessas?
Assim é que o tio Bill foi acumulando riqueza.
E se o windows era ruim ou não, o que importa? Em termos de marketing o camarada é bom, porque ninguém consegue vender porcaria por tão longo tempo.
E muitos de nós ainda somos forçados a usá-lo, uma pena.

[27] Comentário enviado por dstter em 18/04/2009 - 20:11h

Eu ja li que o Gates fazia matematica em Havard ou fazia contabilidade agora direito eu nao sabia... Afinal, o que esse cara fazia quando largou no segundo ano? Pelo menos sempre foi em Havard hehe

O Windows sem duvida esta mais estavel hoje e pelo menos comigo nao tenho obtido mais erros. Porem, posso garantir que muitos dos erros do 95 ou do 98 eram programas mal escritos para ele que o SO em si. Agora e mais dificil achar um programa mal feito para o XP tambem. E tudo isso ajudou.

Nao e a toda que o Windows esta instalado em mais de 90% das maquinas. Seu sistema sempre foi facil. E o Gates se nao erro foi o inventor do pacote Office e este tambem sempre chamou atencao de empresas, e obvio, rodava em DOS e Windows. Uma criana de 5 anos aprende a mexer em PC no Windows, mas nao estou certo que faz o mesmo no Linux. O fato mencionado a cima dela ter ficado rica por ser vendido junto dos pcs eu nao concordo, pois as pessoas preferem justamente o Windows, logo, de um jeito ou de outro, ele seria comprado e pelo fabricamente ele sai mais barato. Ta certo que muita gente troca o Linux da maquinas de hoje por instalacoes nesses tecnicos que tem uma loja na esquina e cobram 20 pila, mas ainda sim, estao dizendo que preferem o Windows. Mas concordo que de agora forma o Tio Gates achou um jeito de pelo menos na venda dos pcs ele sair ganhando, ja que o pirata sem duivda acredito eu. pelo menos no brasil, tem mais de 50% dos que usam Windows.

[28] Comentário enviado por nicolo em 18/04/2009 - 21:04h

Prezado dstter

Não há duvida que o windows de hoje está melhor que o velho W95. Não obstante as fragilidades relevantes permanecem. Escrevi um artigo explicando "Porque o Windows é Frágil".
As pessoas não preferem o Windows, elas conhecem apenas o windows, preferir e conhecer são coisas diferentes. è mais ou menos como a lingua que falamos: Falamos português porque ouvimos português desde pequenos. Os americanos falam inglês porque ouvem inglês desde o berço, isso não significa que o português seja mais fácil de usar. Em ambos casos crianças de 5 anos aprendem apenas uma parte da respectiva língua.
Crianças de 5 anos não usam nem windows nem linux, simplesmente apertam botões e nisso os dois sistemas são iguais.

É como comprar um livro e ter opção em inglês e português , preferimos português porque supostamente é mais fácil. O windows entrou para a civilização da informática por pura falta de concorrência. O próprio Linux só se apresentou em campo, digo nas ruas, a partir de 2004 ou 2005, antes disso era um produto de laboratório.

Tem mais: O linux está saindo lentamente do laboratório para as ruas, graças ao Conectiva-Mandrake e atualmente ao Ubuntu e ao Open-Suse. O pessoal do Linux está ciente, agora, que o sistema tem que ser user-friend, e não pesquisa científica.

Todos os naïve guys que entubam um windows sem saber informática, acabam pagando mais para ajeitar o windows quando ele se enche de virus e de spywares, ou simplesmente trava quando instala um programa mal feito baixado de um site qualquer.

Usar o windows é tão difícil quanto usar o Linux ou o BSD, ou o MAC OS.




[29] Comentário enviado por juliofsn em 20/04/2009 - 09:17h

Cara, odeio fazer o papel de advogado do diabo, mas depois dessa eu tenho que falar.

"Todos os naïve guys que entubam um windows sem saber informática, acabam pagando mais para ajeitar o windows quando ele se enche de virus e de spywares, ou simplesmente trava quando instala um programa mal feito baixado de um site qualquer."

Me pergunto se o GNU/Linux não trava quando alguém instala "um programa mal feito baixado de um site qualquer" (algumas distros travam mesmo baixando só dos repos oficiais, mas isso fica pra outra hora). O sistema de permissões do Windows já é bem estável pra o usuário comum pelo menos (não vou falar em servidores porque não tenho conhecimento aprofundado nisso). Mas o "sobrinho" que instalou o Windows deixa lá uma conta de administrador que entra automaticamente sem passar pela tela de Login, e a culpa é do Windows? Se eu fizesse o mesmo com uma distro Linux (sim, é possível: http://www.vivaolinux.com.br/dica/Login-automatico-no-Ubuntu) a culpa seria do Linux? Se eu tenho algo a reclamar do Windows é a instalação padrão deixar um único usuário e esse ser um administrador, mas não é nada complicado criar outro.

O Windows é o maior alvo de infecções pura e simplesmente por que é mais popular, é uma regra básica de ecossistemas, uma população maior é um alvo mais frágil. Todos nós sabemos que é perfeitamente possível criar vírus para Linux, eles só não se espalhar pro dois motivos: 1 - o Sistema é pouco conhecido, assim os vírus que existem são mais provas de conceito, mas não são criados por crackers já com experiência no "ramo", 2 - Os usuários de linux hoje são em sua maioria pessoas que entendem de informática e sabem se defender.

[30] Comentário enviado por nicolo em 20/04/2009 - 15:23h

Caro juliofsn

PRIMEIRO o argumento tinha o intuito de rebater a máxima que o Linux é mais difícil que o windows. Para quem não aprendeu e argumenta que o windows é mais fácil, vai se complicar pela ilusão da facilidade. Para usar minimamente o windows, para algo sério, é preciso conhecer informática tanto ou mais que para usar o Linux. Ocorre que naïve guys, querem usar o windows para coisas sérias, "porque é mais fácil". Já fiquei com pena de muita gente boa que perdeu coisas importantes, por acreditar nesta falácia.
Todas as vezes que me perguntaram qual era o melhor sistema, eu sempre respondi: Quanto vale a sua informação? Para quem quer jogar joguinhos eu recomendo o Windows. Para quem pode se prejudicar devido ao mal funcionamento do sistema eu recomendo o Linux.


SEGUNDO: Mesmo deixando o Login automático no Ubuntu NÃO vai dar boot como root, logo não é a mesma coisa que utilizar a instalação
padrão no windows, e ficar com um único usuário-administrador. Infelizmento o Linux sofre de inflação de distros, mas as boas distros não travam facilmente,
pelo menos não tão facilmente como o windows.

TERCEIRO: A fragilidade do windows não está conectada a existência ou não de virus, mas a sua arquitetura de configuração.
Queira ler o artigo onde expliquei "Porque o Windows é frágil". Podendo ou não existir virus para Linux, o FATO é que são raríssimos.

Os virus apenas complicam a vida do windows, embora hoje haja alguns antivirus bastante razoáveis EX: Comodo. Não é fraco e nem é muito invasivo como
o Norton. Isso não resolve a fragilidade do windows.

QUARTO : a Expressão "O Advogado do diabo", como sempre, está mal utilizada. Do filme do Al Pacino, com o mesmo título, o advogado não defende o diabo. Aliás, no filme o diabo é extremamente poderoso e não precisa de ninguém que o defenda. Ńo filme, para quem entendeu, a coisa é bem pior.



[31] Comentário enviado por xerxeslins em 13/06/2011 - 15:24h

O que posso dizer? Nota 10.

[32] Comentário enviado por mrneves em 25/05/2015 - 19:35h


[12] Comentário enviado por zoby em 23/01/2008 - 03:29h

"A IBM abriu o hardware, fechou o software e acabou perdendo mercado para uma nanica Microsoft, que vendia um produto tão ruim (o Windows 3.1 e o 95)"

O Windows 3.1 não era ruim, ao menos p/ uso pessoal, seu objetivo. Era muito bom, eu só deixei de ter saudades dele quando conheci o Slackware em 2007. O q não se pode é comparar sistemas sem dar o desconto do tempo.

Faltou ressaltar no artigo q a MS foi a criadora da interface gráfica. A coisa só começou a ficar feia quando ela partiu de vez p/ o usuário q não tinha nenhuma noção de informática. Por outro lado, popularizou os PCs e revolucionou a comunicação e transmissão do conhecimento. Se vc tem filhos, compare a facilidade c/ q eles fazem pesquisas escolares c/ as dificuldades q tínhamos em procurar livros em bibliotecas, quase sempre ruins.

Pena q Bill Gates tenha esmagado softwares excelentes, c/o Netscape e Eudora, em nome de uma concorrência puramente econômica e sem escrúpulos maiores do q as ameaças da lei. Minha única e inútil vingança, pois preciso do Win 98 p/ alguns softs protegidos q não rodam em Wine, foi conseguir retirar o IE do sistema (porque eles disseram q não era possível :)))


A microsoft não foi a criadora da interface grafica, a interface grafica já existia a algum tempo, pelo que sei acho que foi criada pela Xerox, depois copiada por Steve Jobs que a implementou no apple lisa e depois Bill gates tambem copiou a ideia de Jobs, inclusive creio que a Apple processou a M$ na época por quebra de patentes, mas não deu em nada.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor HostGator.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Viva o Android

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts