TI - Ajuda ou atrapalha?

Artigo baseado em fatos reais, onde mostra que o próprio TI inibe seu crescimento. Você usa internet, rede sociais e rede MSN como Man Page? Então não deixe de ler e deixe sua opinião.

[ Hits: 12.467 ]

Por: Rafael Silva de Santana em 03/04/2009


TI - ajuda ou atrapalha?



Deparei-me com uma guerra na consciência e explico porque.

Sempre fui contra repressão de TI contra bloqueios de rede e mais, sempre briguei muito para alcançar essa minha opinião, meus ideais. Porque fazer de algo tão simples, um privilégio, uma regalia que só é concedida dependendo do nível de hierarquia?

Agora é minha vez de buscar resposta a essa pergunta uma vez que já a fiz muitas vezes, hoje me encontro no outro lado da história!

Porém ao contrário daqueles a quem fiz tal pergunta, eu sim vou atrás da resposta para que eu possa embasar a decisão que tomarei, devido ao questionamento de um sócio com relação ao bloqueio de rede sociais de nosso funcionário.

Como sempre, tento ser bem racional e embasado em todas minhas decisões, porém além de tomar como base o que já pensava e era contra, fui bem a fundo no fato e utilizei meu navegador e minha conexão com a internet como Man Page (Man Page, um dos fatores muito importantes na hora de pensar em bloquear a internet de um funcionário).

TI - ajuda ou atrapalha? Tomei como base de pesquisa o relatório divulgado em uma pesquisa coordenada pela IDC Analyze the Future, onde mostra o quanto se perde por causa de paranóias. Na pesquisa foram relacionados aproximadamente 200 altos executivos e profissionais de segurança em todo os Estados Unidos da América, onde estes foram questionados sobre a inovação e a segurança.

Agora veja como é grande a percentagem de 80% dos entrevistados que reconhecem suas desistências de inovar por causa de preocupações com segurança.

Sim, a turma de TI hoje prova que a frase do Premio Nobel Robert Solow na década de 90 ainda está em grande escala envolvida em nossos dias: "Dá para achar TI em todo lugar, menos nas estatísticas de produtividade".

Com o grande aumento das redes sociais, o mundo do relacionamento toma cada vês mais corpo, e a galera do TI muito mais empenhada em bloquear o acesso a elas dentro das empresas. Orkut, Facebook, Windows Live, Youtube, nada mais disto faz parte do dia de um funcionário. Como se todo mundo fosse se divertir trocando figurinhas o dia todo através desses veículos de relacionamento. O fato é, TI está atirando pela culatra!

Em uma visita ao país, Jimmy Wales, criador da Wikipedia, passou alguns dias na cidade de São Paulo e em um dos eventos que apareceu (Telefonica) foi entrevistado, e ele afirmou de maneira desconcertante que "TI causa grande perda de produtividade no trabalho, por bloquear o acesso à inteligência distribuída pela internet". Neste evento haviam muitos profissionais de TI e dava para se notar claramente o que o veto as redes sociais provocam.

Há muitas desculpas envolvidas na ação do bloqueio da internet de um funcionário. Roubos de informações comprometendo o ciclo da empresa e a saúde de um Sistema Operacional são simplesmente as mais utilizadas, mas ao final de tudo os maiores motivos que a empresa tem para efetuar tal bloqueio é que não alcancem as metas de consumidores (?) e o próprio prazer de dizer eu posso e você não pode.

É, parece que a mentalidade TI tem que mudar, pois a evolução depende muito desse setor que um dia não teve medo de inovar, hoje tropeça seu próprio crescimento em arrogância e preguiça de gerenciar o fluxo de sua rede de forma adequada.

Todas as tecnologias aqui citadas são fruto de inovação, então porque bloqueá-las?

Portanto antes de tirar a tecnologia de alguém, pense assim: "A tecnologia está aí para ser utilizada". Sim, instrua o seu uso com moderação, porque é através dela que você pode ser, é ou será bem sucedido, extraindo o máximo de rendimento que ela pode nos trazer.

Ainda mais, quem é que não desempenha seu trabalho muito melhor quando se tem liberdade no ambiente de seu trabalho? Se há alguém que não se encaixa nesse perfil, ele não corresponde a altura de sua empresa.

Fonte: Computerworld Portugal - Estudos indicam que riscos de segurança impedem a inovação das empresas

Rafael Santana
Codinome: fulllinux
Distribuição: Slackware
[email protected]

   

Páginas do artigo
   1. TI - ajuda ou atrapalha?
Outros artigos deste autor

Tapa-olho, Gancho e Perna-de-pau

RSS - O antes e o depois já nas bancas!

Pirataria - aliada da Microsoft?

Livre arbítrio - exerça!

Valor da Liberdade!

Leitura recomendada

Microsoft anuncia em sites Linux

Onde o Linux peca ao tentar atrair novos usuários

Qualidade de respostas

O software livre na administração pública

As brigas dos linuxers

  
Comentários
[1] Comentário enviado por foguinho.peruca em 03/04/2009 - 11:25h

Olá!

Acredito que em um primeiro momento deve-se confiar nas pessoas que trabalham na empresa. O que acontece, e muito, é que uma minoria abusa da liberdade e no fim todos tem q pg a conta. Não é só com relação ao uso da internet mas em qualuqer outro benefício. Isso sempre leva a tomar medidas paliativas (bloquear determinados sites) ou em alguns lugares (que eu acho de antemão algo não muito legal apesar de reconhecer quie cada caso é diferente) são tomadas atitudes mais contudentes e energicas. Enfim, acredito que deve haver um "bom-senso" e uma moderação à atitudes restritivas.

Jeff

[2] Comentário enviado por removido em 03/04/2009 - 11:27h

Fulllinux, e seu artigos vamos parar pra pensar !!!!!!
Muito bom cara,
tb acho que as proibições dentro das empresas são pesadas demais !!!

[3] Comentário enviado por lourinho em 03/04/2009 - 11:35h

Com certeza a TI se utilizada para bloquear o acesso ao conhecimento vai só comer a própria cauda.

Belo artigo!

Até mais!

[4] Comentário enviado por SlackZ em 03/04/2009 - 12:42h

Concordo em parte!
Acho que site de relacionamentos como orkut, facebook, my space e etc, não tem o que implementar em uma empresa! Pois tais sites são feitos para o publico domestico, para a descontração do funcionario, não para torna-lo um profissional melhor, ja falando de outros sites, como globo.com, UOL, Wikipedia e etc, sim, estes estarão levando mais conhecimento ao funcionario, acho injusto o bloqueio destes

O artigo é muito bom!

Só uma OBS.: Quando a TI diz que tem que garantir a integridade do Sistema, tambem estao garantindo a integridade da empresa, um virus pode "comer" os dados importante da empresa, um trojan pode ter acesso as contas, sem contar a dor de cabeça que a empresa pode passar por conta de um virus! Um belo dia chegamos ao trabalho, tinha infectado as impressoras, em torno de 45 impressoras a Laser imprimiram cada uma duas resmas de papel, o gasto financeiro com resma foi um absurdo, causa da entrada do virus, um usuario levou um Modem 3G, e acessou sites de relacionamento em seu computador da empresa!

Abraço a todos

[5] Comentário enviado por julianjedi em 03/04/2009 - 12:59h

Cara concordo e muito com vc, mas em partes, responda uma pergunta... a alguns anos fui gerente de TI de uma empresa que terceirizava o TI de uma prefeitura, assim como existiam excelentes funcionarios, que faziam seu trabalho muito bem feito, existiam aqueles que não queriam saber de nada, ficavem o dia todo no orkut e no msn e esqueciam que eram pagos para trabalhar, qual seria a solução para isso? estou certo que alguem iria dizer: Manda embora, demite, ou até entao ... fala com eles explique que eles não podem acessar esses sites durante o horario de trabalho ^^ etc, etc, etc ..., mas a questão não era tao simples assim, pois justamente esses funcionários eram " apadrinhados" por algum grandao lá dentro, mas os mesmos ocupavam cargos importantes dentro da prefeitura, portanto nao tinha como mandar os mesmos embora, e eram os computadores desses tais funcionairos que davam mais problemas, ou seja ficavam o dia todo sem fazer nada ... só brincando ... e até sites indevidos muitos acessavam, isso foi resolvido simplesmente fiz um bloqueio de todos esses sites... mas ainda havia o problema do orkut e do msn, pois nao achava justo cortar essas regalias das pessoas sérias , que realmente trabalhavam, entao fiz uma classificação dos grupos que precisavam e os que nao precisavam usar o msn, em seguida foram bloqueados todos os que nao precisavam... ai entao veio achoradeira... mas resolveu o problema, os problemas com sistema operacional, virus, internet lenta, produção foram totalmente resolvidos, ainda tive que ouvir muita reclamação dos preguiçosos de plantao, mas isso entrava por um ouvido e saia pelo outro, resumindo, tudo funcionou como devia, todos os funcionarios da prefeitura, inclusive os tais preguiçosos ^^ entenderam a situação e todos foram felizes para sempre... hehhe ... bom pelo menos ate eu sair da empresa que trabalhava para montar a minha .. ahhua ... ai alguns vao falar, ah mais isso é orgão publico e tal ... mas ja tive experiencias muito parecidas em empresas de medio e grande porte ... ( com mais de 15 computadores ) e foi a mesma historia ... resumindo... Tudo vai do bom censo do pessoal do TI. Pois assim como existem pessoas que sabem dosar o uso dessas tais redes sociais, tem gente que nao quer trabalhar e abusa ... tornando-se assim improdutivo para empresa, e uma questao ... vcs acham que as empresas gostam de demitir funcionarios??? a resposta é simples ... NAAAAAAAAAAAAOOOOOOOO!!!!! pois isso gera uma tremenda dor de cabeça, pois ela investiu tempo e dinheiro para treinar tais funcionarios para determinadas funções, e não é justo que os mesmos gastem seu tempo com coisass que não são impórtantes para a empresa. desculpem pelo longo texto ... hauhhau... mas poderia ficar muito mais tempo escrevendo aqui... e não iriamos chegar uma opiniao em comum. abraço!

[6] Comentário enviado por jimitogni em 03/04/2009 - 13:06h

Tudo bem que nao se deve bloquear conteudos educacionais que podem ajudar o desenvolvimento do trabalho do funcionairo... maaaaaaaaaaasss... Me diz uma coisa, que tipo de cultura ou inteligencia traz o orkut, ou o msn ou mesmo o youtube para o bem da empresa ? Nos da area de TI usamos durante o serviço, por que sabemos usar, agora os usuarios, que vão ficar o dia tudo no orkut mandando scrap e vendo fotos, ou ate mesmo no youtube vendo videos de suas bandinhas !!!
Outras coisa, o património e da empresa, os computadores, a banda da internet, tudo pago pela empresa, a empresa nao é lan house, é um local de trabalho onde o foco e o trabalho, e não redes de relacionamento, que nao acrescentão nada ao serviço... tenho muitas razoes para escrever aqui, mas nao vou pois fica muito chato de ler... Um abraço

[7] Comentário enviado por demoncyber em 03/04/2009 - 13:08h

Olá fulllinux,

Concordo com você na maioria dos pontos, mas uma proposta correta para resolução de seu enigma em minha visão é o estudo psicologico da forma com que os humanos pensam, apesar de sua visão que pode ser enfocada a um nicho de usuários que gostam daquilo onde trabalho que não teriam motivos para se acessar um orkut pois o mesmos ou tem educação, sabem que este ato é errado, deve ser levado também em conta o que é muito convencional para uma empresa, muitas pessoas que trabalham desmotivadas ou que não vêem importância naquilo que fazem e não vem erro de estar usando de entretenimento pessoal em horario de trabalho ( não que diga que no trabalho somente se deve trabalhar e não ter momento de lazer), a questão sim são as poucas pessoas que não tem noção disto. Se tiveres a oportunidade em uma rede em vez de bloquear o acesso logue e faça a ánalise e puna as pessoas que estão fazendo mal uso eu vejo isto como o melhor caminho, so que manter uma pessoa para fazer a ánalise as vezes se torna inviável ou custo oneroso para uma empresa visto que isto esta pessoa não gera lucro diretamente. Se quiseres uma proposta diferente de enfoque para a sua pergunta pesquise sobre a perda de atenção de pessoas, faça estudos psicologicos de motivações para as pessoas fazerem mau uso disto ou fazerem coisas que não são relacionadas com o trabalho delas em horario de trabalho. Sempre vamos ter pessoas de grande renome em muitos casos apontando uma opnião a favor e outras com opnião contra, mas como o mesmo não é um caso de tecnologia onde podemos abordar de forma expressiva, pois somos pessoas formadas em areas de tecnologia que lêem e entende deste nicho, devemos abordar estudos psicologicos ou sociais para resolver sobre este assunto, leituras deste nicho podem resolver, ou mesmo o convite para um psicologo analisar o contexto de forma cientifica não apenas de opnião pessoal ou moral, algo este a opnião pessoal ou moral que interfere em muito na opnião sobre o assunto. Uma grande abstração sobre o problema de um outro ponto de vista, talvez mostre uma visão cinetifica, mas quem sou eu para falar sobre isto não sou psicologo =), isso voce pode me questionar, desta forma lhe respondo que sou a mesma pessoa que somente responde que algo cai no chão somente por motivação da força da gravidade, diferente de um físico que poderia explicar como funciona o tal efeito e acontece mostrando as forças atrativas e tudo que tenha influenciado para ele cair entre outros dados minuciosos do ocorrido.

Fico deixando a sugestão de uma abordagem como "O desejo por fazer tarefas que chamem a atenção", e uma leitura de livros sobre como funciona os pensamentos humanos considerados aceitos pelas escolas de psicologia.

Eu pessoalmente sou a favor de liberação, logada por temos especificos e acessos.

hauhau não poderia deixar de falar esta frase

"Grandes poderes trazem grandes responsabilidades" - Homem aranha

:) parabéns pelo artigo, adoro textos do ponto de vista pessoais sobre o assunto que envolvem tecnoligia e interessante ver como outras pessoas pensam sobre determinados assuntos.

Abraços


[8] Comentário enviado por gismar em 03/04/2009 - 13:41h

No início do artigo voce cita sobre manter bloqueio dependendo do nível hierarquico, isso não exite, seja o presidente seja o boy, todos devem ter direitos iguais de acesso aos mesmos sites, se o presidente questionar ele não merece ter um profissional de TI competente, qualquer zé mané serve, bloqueio tem que ter sim, se o cara quer atualizar orkut vai pra casa e faça de lá, se não tiver micro temos lan house em cada esquia com preços simbólicos...

[9] Comentário enviado por fulllinux em 03/04/2009 - 13:46h

Bom pessoal é o seguinte, minha opinão já foi expressa e não iria mais postar nesse artigo por ser de opinião pessoal e ao qual eu pedi que deixassem suas opiniões, porem surgiram algumas perguntas de colegas.

Vamos colocá-las a mesa!

Colocaremos como fato a indignação de Walter Longo, vive presidente de estratégia e inovação da agência de publicidade Young & Rubicam neste mesmo evento da telef"o"nica ao qual citei no artigo. Ao entrevistar Wales afirmou, entre outras coisas, que TI causa enorme perda de produtividade no trabalho, por bloquear o acesso à inteligência distribuída na internet.

O que particularmente parecia irritar Longo era a proibição do YouTube até para o pessoal de marketing — para quem, evidentemente, o YouTube é uma referência master. As palavras de Longo só chocaram por serem públicas. Nos cafés das empresas se ouve coisa muito pior. Todo dia. Quem tem menos de 25 anos não concebe uma forma de trabalhar sem a generosa e eficientíssima troca de informações pelas redes da web.

Qantas vezes eu já não tirei e não já me tiram dúvidas por aqui?
http://www.orkut.com.br/Main#UniversalSearch.aspx?searchFor=C&q=Inform%C3%A1tica

Outra opinião minha é que se tem TI para gerenciar e não para bloquear. Do que adianta ter TI em uma empresa que simplesmente fica pulindo os servidores de tais, quando se há bons gerenciadores de trafego com certeza a inibição a visitação de tais sites e conteúdos existirá, assim não precisando bloquear.

Outra coisa que não podemos deixar de falar é que a empresa hoje já não investe mais no funcionário e sim o funcionário investe na empresa acordando de madrugada e já pensando em como resolver o problema que vai se deparar dentro da empresa. O treinamento que a empresa da para funcionários s são simplesmente o dia-a-dia no exercício da função...pois a teoria já é pedida através de um diploma de ou um comprovante de curso em andamento.

Do que adianta você pensar tanto pela empresa e resolver seus problemas quando ela pensa que ninguém é insubstituível? E o primeiro a levar o pé na bunda é você!

Bom, mas isso não vem ao caso sim que o mesmo TI que criou essas Tecnologias hoje quer barrá-las? Para mim se ela está aí é para ser usada!

E como falei no final do artigo: "Quem é que não desempenha seu trabalho muito melhor quando se tem liberdade no ambiente de seu trabalho? Se há alguém que não se encaixa nesse perfil, ele não corresponde a altura de sua empresa".

Obrigado a todos pelas opiniões, criticas são sempre muito bem vindas para reflexão...

[10] Comentário enviado por maran em 03/04/2009 - 13:49h

Eu concordo em partes e descordo em partes, isso vai de profissional a profissional e de empresa a empresa, claro que em uma sera mais gostoso trabalhar e na outra não porem, so a favor de alguns bloqueios sim, tem coisa que nao precisa estar liberada, pois so de estar, já gera a cobiça por aqui do usuário, sei bem como é, lido com eles todos os meus dias desde o ano passado, e sei como eles agem e o que pensam, é dificil deixar desbloquado o que quer que seja!

[11] Comentário enviado por predator em 03/04/2009 - 13:52h

Trecho:
"Todas as tecnologias aqui citadas são fruto de inovação, então porque bloqueá-las?"

O Squid tambem é um fruto de inovação então, nós da TI temos que usa-lo!!

[12] Comentário enviado por fulllinux em 03/04/2009 - 14:08h

Squid:
O Squid é um servidor proxy que suporta HTTP, HTTPS, FTP e outros. Ele reduz a utilização da conexão e melhora os tempos de resposta fazendo cache de requisições freqüentes de páginas web numa rede de computadores. Ele pode também ser usado como um proxy reverso é um bom contralador de acesso.

"Controlador de acesso" v
"Boqueador de acesso" f

http://www.squid-cache.org/

[13] Comentário enviado por DropALL em 03/04/2009 - 14:09h

Desculpe-me ser tão direto mas um artigo desses só pode vir de alguém que tem MUITO mais tempo de experiência como usuário do que como como alguém da área de administração/gerência de TI. Você falou muito, quis falar bonito, mas falou muita besteira também. "...próprio prazer de dizer eu posso e você não pode..." Isso prova sua mentalidade ainda de usuário, pois é exatamente isso que o usuário pensa (eu já escutei). "Por favor sr. Gerente de TI, libere nosso Orkut, facebook, youtube... ah, não esqueça dos sites de 'moças desnudas', juramos que vamos trabalhar, e só vamos acessar isso no almoço e algumas poucas vezes ao dia só para descançar"..

[14] Comentário enviado por zenildosilva em 03/04/2009 - 15:14h

Lendo atentamente o texto dá pra ver claramente que esse rapaz não é e nunca foi da área de TI ou pelo menos nunca teve a responsabilidade de administrar a TI de uma empresa. As palavras distração e dispersão e a frase uso indevido, não devem fazer parte do vocabulário desse senhor. Então vamos liberar os downloads (arquivo executável, que beleza!), msn com transferência de arquivos, orkut, etc ...
Quando reclamarem da lentidão da internet, é só colocar a culpa na operadora e solicitar upgrade de link. Para a falta de espaço para armazenamento no servidor, que está cheio de mp3 dos usuários, vamos solicitar outro HD e outro e outro e outro. Lentidão na rede, a culpa é daquele switch meia boca, vamos comprar outro e se não resolver trocaremos o cabeamento metálico por óptico. Pronto, tudo resolvido! Acredito também que na empresa onde ele trabalha todos os ramais fazem ligação e logicamente para celular, DDD, DDI, etc ...
Ah! já ia me esquecendo do trabalho propriamente dito. Se não puder terminar as tarefas, deixa pra amanhã.


[15] Comentário enviado por claudioiron em 03/04/2009 - 15:39h

Por essas e outras que eu quero trabalhar no Google...

[16] Comentário enviado por ANDREFREIRE em 03/04/2009 - 17:11h

Eu adoto a política de bloqueio total inclusive com monitoramento das estações de trabalho no que diz respeito a programas instalados. Não permito papéis de parede, uso de pendrives, acesso a CDRom,controlo quantidade de impressões. Não é admissivel que se va comprometer toda a estrutura de uma empresa pra deixar o funcionário feliz. Isso é coisa de retardado. Quando a empresa te contrata, ela o faz porque precisa de sua mão de obra pelas hora que irá te pagar e não pra você se divertir. Um ambiente saudável de trabalho não se cria só porque a empresa virou um jardim de infância aonde tudo pode. Basta acompanhar os logs e ver que se for possível o individuo passa horas na internet, horas essas que foram pagas a ele para exercer uma função. Adoto o regime de punição para quem desobedece as politicas de utilização de recursos computacionais da empresa. Tudo ali, desde equipamentos até a infraestrutura e a internet são pagos pela empresa e devem ser usados em tarefas que agreguem produtividade para a mesma. Orkut é coisa de retardado e youtube coisa de desocupado.
Como o amigo zenildosilva mencionou vcoê nunca foi da área de TI e nunca será com essa mentalidade piegas de ser bonzinho e amiguinho de todos para que todos fiquem felizes. Ae o mané procura outra coisa pra fazer, quem sabe num circo você consiga deixar todo mundo FELIZ !!!!!!! !!!

[17] Comentário enviado por clubelinux em 03/04/2009 - 17:26h


Gostaria de saber sobre a Experiência do Fulllinux:

Qual empresa ele já administrou?

Quantos funcionarios?

Se não administrou não tem embasamento nehum em falar... se administrou como ele se comportava? liberava tudo pra todo mundo? e os virus e a falta de produtividade?

Se vocÊ tivese administrando uma rede com 2000 usuarios e tivesse tudo liberado, um dia o dono da empresa passa por um setor e pega funcionarios acessnado sites que nao dizem respeito a empresa... o que vc diria ao dono da empresa?

[18] Comentário enviado por eduardo em 03/04/2009 - 17:46h

Já ouviram falar no Google?

[19] Comentário enviado por eduardo em 03/04/2009 - 17:54h

Eu não ia falar, mas agora vou falar. Existem casos e casos. Eu sou da área de quanto mais bloqueado e protegido melhor. Recentemente, estudos mostram que deixar sites liberados aumenta a produtividade. Bem, isso é meio de pessoa pra pessoa.
Mas tem casos que você tem que liberar pro pessoal. Imaginem, no meu caso, se eu tivesse tudo bloqueado para mim. Trabalho com suporte de servidores web. Ai o cliente me liga dizendo que não consegue acessar tal site, e eu não tenho como auxilia-lo fazendo testes pois não tenho acesso. Ou não tenho como testar se um TS está funcionando pois também estou bloqueando. Neste caso, a empresa estaria dando um tiro no pé.

Como eu disse, há casos, e casos.


O artigo em si está muito bom. É a opinião do nosso amigo. Eu não escolho se vamos bloquear nas empresas, quem escolhe é os clientes, mas sempre orientamos que o melhor é bloquear. Por "segurança".


Abraços.

[20] Comentário enviado por xerxeslins em 03/04/2009 - 18:10h

ótimo artigo, nunca tinha refletido sobre isso.

Acho que dependendo da função , alguns devem ter acesso restringido. Outros funcionários que supostamente são conhecedores da área, poderiam ter mais liberdade, afinal, internet, msn, youtube e orkut são ferramentas úteis quando são bem utilizadas.

esses estudos que dizem que sites de relacionamentos aumentam a produtividade, como este:

http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2009/04/02/youtube-facebook-no-trabalho-melhoram-produtividad...

são interessantes, mas isso depende da cultura da empresa. deve ter muito funcionário querendo se respaldar nesse estudo para brigar por mais liberdade, mas com segundas intenções.

[21] Comentário enviado por dbahiaz em 03/04/2009 - 18:57h

O que o zenildosilva disse é a mais pura verdade, trabalho no suporte adsl de uma operadora X, e uma reclamação frequente é a de lentidão, pego meu note coloco na saida do modem, fora da rede interna, e digo, 90% dos teste acusa rede interna com problema, dai voçê pede o cliente para mostrar a lentidão na estação de trabalho dele, ele entra no rjnet, beltronica etc...e diz que ta lento, que a taxa tá baixa e tals, e fico só reparando no cantinho da tela: msn, skype,orkut... até aires e emule eu já vi ligado, o que fazer nesses caso, mando cobrar a vista como improdutiva e eles chamarem suporte deles, mais dá uma raiva o cara ligar pra reclamar, ta lento, ta uma merda, ta isso, ta aquilo, e o tempo que se perde para convencer o cliente do problema, e ele ainda fica com desconfiança, dá vontade de falar que o cara do TI dele é incompetente, mais vá la saber se a culpa é do cara, ou da empresa.

[22] Comentário enviado por juninhosilva em 03/04/2009 - 19:43h

Bom galera tenho que concordar hoje em dia não é mais possível deixar uma empresa sem bloqueios, os usuários estão folgados nada de trabalho e muita bobagem para fazer com a internet na hora de serviço, hoje as empresas tem que ter um bom servidor de serviços e auditoria.

Abraços

[23] Comentário enviado por cold_feelings em 03/04/2009 - 19:54h

Concordo com o zenildosilva e com o dbahiaz.
Em primeiro lugar você está na empresa para TRABALHAR, não enviar mensagens para seus "miguxos" através de redes sociais (Você vai encontrar quem lá? Seu chefe ?).
Segundo, algumas coisa facilitam sim a vida das pessoas, como por exemplo o uso do skype ou mesmo msn, desde que seja usado com moderação e você conheça muito bem os funcionários que tem. Por exemplo em uma empresa que trabalhe com pessoas espalhadas por várias cidades, pelo skype ou msn da pra se resolver muita coisa ao invés de usar telefone (custo benefício). Outro exemplo, Google, meu querido google, quando preciso saber alguma coisa eu corro ao google e muito gente faz isto, seja para dicionário, tradutores ou mesmo notícias relacionadas aos negócios (não para os tarados verem quem saiu na paparazzo ou na playboy).
Terceiro, o que você vê de produtivo em redes socias para poder agregar algum valor ao seu trabalho (com certeza NADA) ???
Quarto, youtube ??? isto é o cúmulo você liberar isto em uma empresa (ou qualquer ou site de vídeo) por mais que você utilize balanceamento de carga em uma rede isto gera um gargalo imenso. Agora se coloque no lugar de encarregado, o que você acharia de ver seu funcionário com uma montanha de documentos para entregar e de repente você vê ele assistindo um video no youtube ?
Quinto, não querendo ser radical, mas por isso que existe termo de responsabilidade e confidencialidade (alinhada as políticas de segurança da empresa), se o funcionário abusar, é justa causa e ponto final!

Achei hilário a sua frase: "Há muitas desculpas envolvidas na ação do bloqueio da internet de um funcionário. Roubos de informações comprometendo o ciclo da empresa e a saúde de um Sistema Operacional são simplesmente as mais utilizadas, mas ao final de tudo os maiores motivos que a empresa tem para efetuar tal bloqueio é que não alcancem as metas de consumidores (?) e o próprio prazer de dizer eu posso e você não pode. ".
Você já trabalhou em alguma companhia (S/A) ? ou mesmo em uma empresa de grande porte ? Você está na era da informação e INFORMAÇÃO hoje em dia vale muito dinheiro...

Isaca, Cobit, Itil entre outros não existem por acaso.

Até...

[24] Comentário enviado por Teixeira em 03/04/2009 - 22:09h

O fulllinux expôs a sua opinião, e com bastante propriedade.
Vejo na sua ótica um quê de usuário, mais que de funcionário.
E o que ele defende não deixa de ter suas razões.
Senão vejamos:

Uma empresa é um local de TRABALHO.
Sempre foi totalmente errado ficar o funcionário jogando Paciência (Solitaire) no horário de expediente.
Em primeiro lugar, porque isso poderia criar um hábito através do qual esse funcionário, sem o notar, se torna um tanto dispersivo. Isso com relação a um joguinho simples, onde a única "novidade" tecnológica é a movimentação "bit-bit".
Agora passemos para os sites de relacionamentos.
São SEMPRE relacionamentos PESSOAIS que não interessam de forma alguma aos interesses da empresa e, da mesma forma como o telefone não é - nem deve ser - liberado para altos papos simplemente para "botar a conversa em dia", devem ser sumariamente abolidos.
Apenas por uma questão de bom senso, nada mais.
Não é producente baixar arquivos, fotos, videos como se o computador (na verdade o terminal, que faz parte de um grande conjunto) fosse de propriedade do funcionário.

A verdade é que, se a empresa não tomar cuidado, muitos estarão abusando descaradamente do terminal que têm à sua frente - e até mesmo sem o perceber, pelo menos no tocante à dimensão da coisa.

Agora vamos para o outro lado da moeda:

Um funcionário que é alvo de restrições "desnecessárias" (lembremo-nos de que este será o SEU ponto de vista) não tem condições de ser produtivo, pelo menos da maneira como seria esperado.
E na vida de uma empresa dinâmica, sempre haverá a NECESSIDADE ou a PREMÊNCIA de se quebrar momentaneamente alguma regra.
Por menor que seja o nível hierárquico do trabalhador em uma empresa, ele trabalhará melhor se puder ser ouvido, se tiver certeza de que é considerado útil e competente, e se puder tomar pequenas decisões estratégicas dentro de seu próprio nível.

Vemos por outro lado que existem - em especial nas empresas um pouco maiores - grupos que pretendem elitizar-se e implantar hierarquias paralelas, colocando-se o mais próximo possível do topo.
E nisso o pessoal de TI tem-se mostrado realmente imbatível, pretendendo até mesmo tomar o lugar dos verdadeiros administradores...
Não existe em nenhuma empresa algum grupo de trabalho tão pretensamente usurpador quanto o pessoal de TI. E isso já é um fato histórico.
Leiam na série "Operador Bastardo do Inferno" uma abordagem humorística desse fenômeno.
O humor tem sido usado há tempos para delatar certas verdades deletérias...

Na minha opinião pessoal, considero que o tempo da administração verticalizada (de cima para baixo) já era.
Quem quiser permanecer no mercado terá que praticar uma administração participativa, horizontal, onde todos concorrrem para o bem-estar comum e principalmente pela boa saúde do empreendimento. Grandes empresas já despertaram para isso, e conseguiram manter-se no mercado, enquanto outras fracassaram.

Nesse contexto, é importante fazer campanhas de conscientização dos colaboradores assalariados (vulgarmente chamados "empregados") . Essas campanhas SEMPRE funcionaram, desde que o público-alvo seja sensibilizado com a natureza da situação que se apresenta. Com uma exposição honesta, a grande maioria efetivamente se sensibiliza.

Cito como exemplo, nos anos 60 o Banco da Lavoura de Minas Gerais fez uma campanha para economia de clipes de papel.
Uma campanha dessas poderia ser tida como antipática (a empresa seria considerada "unha de fome", etc.)
No entanto, eles demonstraram com bastante simplicidade e firmeza que, se cada um dos 11.631 funcionários do banco deixassem que se perdesse um único clipe por dia, que ao final do mês isso equivaleria a tantas caixas, e ao final do ano a outras muito mais.
Pediram a colaboração de todos, e o que se viu é que todos passaram a catar clipes no chão, evitando que fossem para o lixo.
E não foi preciso voltar a falar no assunto, pois essa postura passou de boca a ouvido dos novos funcionários.
( Se algum dos colegas pensar que isso é uma bobagem, pegue uma caixa de clipes comum e refaça os cálculos - E não digam "ora, a firma é rica", pois é ESSE tipo de pensamente que leva um empreendimento à bancarrota )

Na fábrica de televisores Emerson (USA) havia uma seção com meia dúzia de homens que passavam o expediente inteiro brincando com módulos pendentes do teto.
Um belo dia, qualquer um daqueles teria alguma idéia simples, mas que traria milhares de dólares de economia para a empresa. E isso poderia ser feito apenas suprimindo-se algum dos parafusos utilizados para prender as peças no chassis. Essa "pequena" economia pagava os seus salários.

Sou a favor de que as frivolidades sejam DEFINITIVAMENTE bloqueadas a nivel de terminal (MSN, Orkut, YouTube, multimidia e coisas que tais) MAS que haja pelo menos um local estratégico, visível e conhecido, onde tudo esteja liberado e onde qualquer funcionário em caso de necessidade (e sob seu único arbítrio) possa ter acesso a tudo que exista no mundo lá de fora.
Pode ser um quiosque, por exemplo, onde será muito fácil examinar quem está cometendo algum abuso, enquanto se sabe também quem estará usando as tecnologias disponíveis para o bem-estar da empresa.

Mesmo sabendo que tem liberdade TOTAL, ninguém pretenderá ser visto por todos como um funcionário inútil que fica pendurado nos sites de relacionamentos o dia inteiro.

Ao mesmo tempo, ele terá meios à sua disposição para fazer pesquisas ou o que seja necessário para realmente acrescetar algo de valor à empresa. Mesmo que isso implique em assistir a algum video (existem TAMBÉM tutoriais sobre diversos assuntos - O mundo lá fora não é construído apenas de pornografia ou inutilidades).



[25] Comentário enviado por monsores em 03/04/2009 - 22:15h

Grande idéia!
Vou imprimir o artigo e entregar para o administrador da rede da empresa onde trabalho. Quem sabe ele não se comove com a minha tristeza em não poder parar de trabalhar para dar uma 'descansadinha' e acessar Orkut, notícias do BBB (como posso ficar feliz sem saber quem está no paredão?) e (claro!) sites de pornografia? Com um pouco mais de sorte ele até libera downloads e P2P para eu poder baixar umas mp3 e pequenos ISOs de programas piratas, porque meu link de casa é meio lento para isso.

Usuário acha justificativa para tudo...

[26] Comentário enviado por Lethall+ em 03/04/2009 - 22:15h

Caros,

Vale salientar também que não estamos falando somente de acessos a sites não produtivos, nem tão pouco de usuários que não têm o mínimo de compromisso com a empresa... mas também existem os recursos computacionais que estão sendo mal utilizados, por exemplo, no caso de usuários que passam o dia baixando filmes ou videoclips, ouvindo radio on-line,baixando músicas....Tudo isso aí em conjunto faz um grande peso na banda do link, dependendo de quantos usuários estamos falando podendo até comprometer o desempenho de quem realmente está querendo fazer algo produtivo e ainda queimar a infra da empresa e trabalho do setor de TI.

Pra falar a verdade, quem está envolvido realmente com Tecnologia da Informação e leva a sério a coisa, não existe tempo pra esses tipos de acessos ou coisa parecida... Dar acesso dentro de uma empresa de pequeno médio grande porte para Orkut, You Tube, sites de relacionamento é coisa sem total sentido. O foco da empresa é outro.... e tem mais, todos sabemos que estes sites hoje em dia estão abarrotados de malwares de todos os tipos... e o usuário comum mais leigo não está nem aí se aquela mensagem vai abrir está infectada, as vezes não por má fé, mas por puro desconhecimento sobre a engenharia social que é utilizada hoje em dia para que as pessoas de uma forma ou de outra caiam em truques e acabem infectando seus sistemas ou da empresa onde trabalham....e aí adivinha onde quebra tudo isso??? Na galera da TI neh?! ;)

Também concordo com os que apoiam e incentivam sites educacionais e de estudo, esses também concordo que devem ser liberados dependendo da finalidade para as pessoas especificas que necessitam e com consentimento da diretoria, pois o que adianta o empresário que contrata o cara como analista de projetos...e na verdade o cara passa o dia estudando filosofia na internet??? meio sem lógica não acham?? Acredito que não é esse o resultado que esperam para tal.

Achei muito interessando o assunto do artigo porque gerou opiniões bastante divergentes... mas estou com a galera da TI para fazer com que o uso racional dos recursos computacionais seja realmente colocado em prática... que bom seria se todas as pessoas pudessem realmente utilizassem de forma sensata a internet e os demais recursos, porem sabemos que existe um pouco de utopia nesse pensamento.... entre acreditar e fazer acontecer.... prefiro fazer acontecer. Negar tudo e liberar o que se necessita.... essa é a idéia!

Valeu pessoal.

Um abraço!!!!!!!

[27] Comentário enviado por sharingan em 04/04/2009 - 00:08h

Fatos reais é pleonasmo... ;-)

[28] Comentário enviado por dastyler em 04/04/2009 - 11:10h

Muito bom o artigo, mas a questão de bloqueios é uma "faca de dois legumes".

O problema é que alguns usuarios viciam em certos tipo de sites (orkut por exemplo).
Na empresa aonde trabalho administro a TI, e como o core business da empresa é suporte a usuarios de sistemas diversos tivemos de colocar bloqueios a sites pois o pessoal estava abusando da liberdade de diversos acessos, inclusive o MSN é liberado, mas monitorado com prévia autorização dos funcionários.
O bloqueio veio justamente por causa de abusos da parte de colaboradores e que a empresa estava começando a perder qualidade no atendimento aos clientes por causa destes abusos, ou seja, a empresa começa a perder a qualidade no atendimento, perdendo clientes, perdendo receitas e consequentemente demitindo colaboradores por perda de receita.
A empresa certa vez despediu um atendente por abusar de orkut, MSN e afins (mais como uma lição para que não abusassem do uso da internet). Mesmo assim a equipe continuou a acessar sem limites fazendo com que os gestores da empresa implantassem um sistema de bloqueios.
Após a inclusão dos bloqueios, a qualidade do atendimento aumentou exponencialmente, e a empresa não precisou demitir mais ninguém.
Fora a empresa que trabalho, presto consultoria a diversas empresas, e um exemplo de uma situação que é um pouco diferente.
O cliente precisava disponibilizar internet em seu balção de atendimento (uma loja de auto peças), pois precisava que seus atendetes pudesse acessar emails, sites de financeiras para calculo de financiamento, entre outros, e o restante bloqueado. Agora imagine se não houvesse sistema nenhum de bloqueios na empresa e voce chega para comprar uma peça para seu carro, e o atendente responde para voce: "aguarde um minuto..." sem maiores explicações. No mínimo ele poderia estar com a mulher no MSN com crise de ciumes e repondendo scraps da amante no Orkut, enquanto voce espera pacientemente do outro lado do balção para ser atendido. Para onde vai a venda da empresa nesta situação?
Tecnologia esta aí para usar sim, mas o problema é que a grande maioria abusa do uso e não sabe diferenciar o trabalho do lazer no proprio ambiente de trabalho, querendo substituir o trabalho pelo lazer e tentando enganar o próximo, que no caso é o empregador e o seu própprio colega que não toma a mesma atitude.


[]´s


[29] Comentário enviado por dastyler em 04/04/2009 - 11:18h

APENAS UM ADENDO:

Na empresa aonde trabalho, a diretoria ainda foi flexivel pedindo-me que liberasse navegação dentro de determinados horarios: meia hora no periodo da manha, hora do almoço completa, meia hora no periodo da tarde e aos sabados.
alias, a conf do squid esta aqui no VOL para liberação...espero que eles aprovem...huahuahuaa:D:D:D:-P

[]´s


[30] Comentário enviado por cassimirinho em 04/04/2009 - 13:16h

Acho que deve bloquear sim, a curiosidade dos funcionários em fazer algo "fora do serviço" é inevitável.
Se quer que o serviço renda, bloqueie inutilidades.
Se faz parte do serviço não tem o que fazer né!

[31] Comentário enviado por herloncamargo em 05/04/2009 - 17:01h

Gostaria de saber, caso o senhor fulllinux fosse dono de uma empresa, se ele liberaria a internet para que todos acessassem o que bem entender? E se isso consumisse a banda toda, se ele contrataria mais banda ainda? E se trouxesse vírus e ociosidade, se ele como patrão continuaria a permitir isto?

Já que é para usar (e abusar da tecnologia), por que não liberar o telefone fixo e o celular corporativo para que todos os funcionários façam a sua rede de amizades através destes? Será que o senhor fulllinux seria a favor de liberar os interurbanos, ligações para celulares, etc, sempre que um funcionário quiser se desestressar?

Por que então não liberar os carros das empresas para os funcionários poderem utilizá-los para seus desejos particulares? Será que o senhor fulllinux pensa que uma empresa que não libera os carros para os funcionários fazerem amizades por aí, estariam contra a constituição impedindo o direito de ir e vir do empregado?

Será que o senhor fulllinux, em casa, libera seu roteador wireless para os vizinhos fazerem a sua inclusão digital?

Ora, fazer graça com o dinheiro alheio é muito bom.

Como diz o meu pai: "Quem paga a conta escolhe o cardápio."

[32] Comentário enviado por nilodanx52 em 05/04/2009 - 23:43h

Penso que a liberdade é algo fundamental!!!! se queres ter uma empresa bem sucedida crie regras inovadoras!!!, se queres por internet para melhor desempenho ponha!!! por que não? a questão é sempre ter um meio de saber o que estão fazendo na net? cara!! usa um firewall, cria um server massa e depois diponibiliza a maquinas virtuais ja programadas pow!!! sempre a alternativas!!! pow basta termos consiência tbm que estamos ali é pra trabalhar e não pra diversão!!!

[33] Comentário enviado por y2h4ck em 06/04/2009 - 01:10h

A questão nào se o acesso a estas redes sociais, msn e etc é algo inovador ou nào. Dentro do ambiente de uma empresa não se pode simplesmente confiar no funcionário. A empresa tem que se guarnecer e se precaver contra

- Roubo de Informações,
- Vazamento de Dados,
- Funcionários acessando material inadequado,

Posso citar mais 400 motivos, e o mais obvio de todos é que, quando se dà a mão o cara quer o pé. Se vc deixa ele usar o msn ... o cara vai ficar o dia inteirinho no MSN. Não adianta vir falar que não pq isso é fato.

[]s

[34] Comentário enviado por Ed_slacker em 06/04/2009 - 10:34h

http://hypescience.com/orkut-e-youtube-tornam-funcionarios-mais-eficientes/

Sem mais!

Edwi Oliveira Santos Feitoza.

[35] Comentário enviado por thiagopriest em 06/04/2009 - 11:21h

Tá ai...
Bom questionamento...me fez pensar..
Eu sempre pensei bem antes de colocar o Squid pra funcionar, só em últimos casos mesmo, senão gerenciar com Recursos Humanos é sempre melhor.

[36] Comentário enviado por felipebastosweb em 06/04/2009 - 12:21h

TI nunca atrapalha, são os usuarios que não sabem utilizá-la ..
sou contra o bloqueio .. afinal, como um dos bloqueados .. tenho o trabalho muito prejudicado .. perco muito mais tempo fazendo buscas, que se tivesse desbloqueadas .. resolveriam rapidamente o meu problema.
mas se o cara não sabe usar, a solução é bloquear ???
nnnnnnnãããooooo.
pq ??, pq o projuizo vai ser muito grande .. e qual a solução ??
utilize ferramentas que salvem em um banco de dados todas as páginas que o funcionário acessou, não precisa centralizar em um servidor.. existem ferramentas que funcionam como farejadores de rede e detectam o acesso .. e automatize o processo de avaliação das paginas .. de forma que gerem relatorios detalhados ..
sim, sei o que ele andou acessando .. e daí ??
se o cara anda acessando o que não deve, chama ele pra conversar .. se ele insistir ..
bota o nome dele no mural da empresa .. às vezes é melhor chamar a atenção em público do que demitir um bom profissional ..
não surtindo efeito, demite o cara por justa causa .. aí ele vai ter bastante tempo pra ficar acessando a playboy,private,brasileirinhas,etc

[37] Comentário enviado por felipebastosweb em 06/04/2009 - 12:30h

além disso tem outra coisa,
procure detectar por que seu funcionário está tendo tanto tempo ocioso, falta serviço ? ele produz mais rápido e com qualidade ? o trabalho não o tem motivado ??
punir o funcionário é facil, mas ninguém se preocupa com o motivo dele se comportar assim.

[38] Comentário enviado por dastyler em 06/04/2009 - 13:23h

@felipebastosweb:

O problme aé que quase sempre quem abusa do uso são colaboradores que não produzem muito justamente por causa do abuso.

[]´s

[39] Comentário enviado por edupersoft em 06/04/2009 - 14:38h

Direto no exemplo, se o uso de um messager instâneo é importante para que o usuário seja mais produtivo, ótimo, se não é, com certeza ele será menos produtivo tendo acesso este recuros.

Se o uusário X deve ter a informação Y, que é confidêncial é mais fácil ter uma relação de confiança com este usuário do que ficar cercando para ver o que ele irá fazer com a informação Y.

Quanto a acesso indevido de recuros, prefiro termos de responsabilidade, monitoramente e aplicações de penas duras em relação a uso indevido de tecnologia, por exemplo é melhor monitorar o que se acessa e quando via http e responsabilizar as pessoas em relação ao uso indevido, do que ficar fazendo listas gigantes de sites proibidos nos proxys. Claro que isso vale para um ambiente corporativo, em uma institiução de ensino, isso já não vale.

Só para completar, você aborda este tema porque deve ter sentido na pele, como eu senti, ou visto de perto, como eu vi, discriminação clara de pessoas na distribuição de tecnologias, como você "você pode", "você não pode", mas isso no fundo e mesquinhez. Mas eu também presenciei uma situção muito mais complicada, quando informações de minha responsabilidade, altamente sigilosas, vazaram.

[40] Comentário enviado por y2h4ck em 06/04/2009 - 19:53h

Lembre-se que o estudo acima que nosso amigo colocou foi feito na Universidade de Melborne, ou seja ... uma cultura totalmente diferente da cultura Brasileira. Infelizmente o brasileiro adora dar uma de malandrâo e acha que ta se dando bem sempre que pode cabular o trabalho para ficar de prosa no msn ou vendo fotos no orkut.

Eu desafio o nosso amiguinho ali a fazer o seguinte. Coloque o SARGE por 1 semana na rede do trabalho dele e deixe liberado, sites de pornografia, orkut, msn, redes sociais em geral e depois gere uma estatistica de quantas horas as pessoas gastaram por dia de seu tempo livre nesses sites.

Se vc acha que isso ainda faz deles funcionarios melhores, entao parabens pq vc é um pessimo empreendedor e vai falir em breve eheheh

[]sss



[41] Comentário enviado por pinduvoz em 07/04/2009 - 02:24h

Acho que de todos os comentários que eu li aqui o que mais se aproveita é aquele sobre liberação da internet em alguns horários: meia hora pela manhã, horário de almoço e meia hora durante a tarde.

Um pouco de lazer realmente aumenta a produtividade (pesquisas já comprovaram isso), mas com tudo liberado o tempo todo não acredito que o trabalho vá andar bem em empresas brasileiras.


[42] Comentário enviado por Teixeira em 07/04/2009 - 07:18h

Apenas para ilustrar, em Melbourne se usa acreditar primariamente no ser humano.
Portanto não se presume que ele possa ser um criminoso em potencial, da forma como aqui se presume.
Se você disser que se chama "Odete", todos acreditarão sem pestanejar.
Cronologicamente, poderíamos dizer que a Austrália é um país de "quarto mundo", pois é um país jovem, porém conserva características de primeiro mundo.

Um funcionário bem motivado jamais sabotará a empresa onde trabalha, em hipotese alguma.
Porisso afirmo com base em minha "pequena" experiência que não existem funcionários-problema, mas sim chefes-problema, gerentes-problema, gestores-problema, patrões-problema.
São esses que moldam o ambiente de trabalho.

Um de nossos colegas criticou a postagem do outro, incitando-o a liberar sua internet para os vizinhos...
Nada mais fora de questão.
Não estamos falando de empresas diferentes, mas da mesma empresa, do mesmo ambiente de trabalho.

Acontece que realmente "a ocasião faz o ladrão".
No banco onde trabalhei, a Tesouraria ficava dentro do cofre, e a turma saía para tomar café deixando volumes imensos de dinheiro sobra uma enorme mesa onde o acesso não era totalmente vedado (claro que não havia facilidade TOTAL para que funcionários transitassem por ali, mas também não havia cÇameras, etc.)
Talvez em outro lugar ou em outra situação essa prática fosse perigosa (eu mesmo sempre tive "uma pulga atrás da orelha" quanto a isso)
mas ali havia uma certa confiança no ser humano.
Afinal o banco tinha mais de 11.000 funcionários, dos quais 3.000 com acesso ao prédio e cerca de 800 poderiam justificadamente estar naquele local.
Pois nunca sumiu nada, nem foram constatadas diferenças da contagem, essas coisas assim, pois o pessoal levava seu trabalho muito a sério.
O que tornava isso possível chama-se LEALDADE, e isso somente é conseguido através de MOTIVAÇÃO.

Não é difícil motivar uma pessoa.
É exatamente por isso que as empresas de marketing de rede obtém tanto sucesso.
E note-se que as restrições por ali são totais, mas ninguém se apercebe do fato.

É muito comum entre grandes empresas a prática de "frescuras administrativas":
Vejam com que já me deparei:

1- Gaveta da máquina xerox guardada no cofre (para inibir os funcionários de tirar cópias);
Tratava-se de uma empresa de transportes. É interessante ressaltar que ali o desvio de cargas era (e ainda é) uma coisa terrível, portanto a execução de cópias não-autorizadas não gerava impacto algum, se formos comparar.

2- Terminante proibição da contratação de parentes ou vizinhos de funcionários;
Pasmem: Trata-se de uma conhecidíssima multinacional norteamericana que tem filial aqui.
No entanto as empresas japonesas incentivam o trabalho de famílias inteiras, para as quais a "kaisha" (empresa) é motivo de seu maior orgulho.
Existe também um conglomerado francês muito conhecido que incentiva o trabalho de casais, havendo comprovado que a produtividade e o convívio melhoram substancialmente.

3- Em uma firma de BH havia um funcionário que trabalhava sentado de forma não-ergonômica, ou seja, longe da mesa e com um pé sobre ela.
Sendo indagado por que ele fazia assim, ele alegou profuzir melhor dessa forma. Então foi determinado que seu trabalho fosse cronometrado - ora com o pé na mesa, ora sentado corrretamente. Evidentemente sua produção foi maior com o pé em cima da mesa, e foi consentido que ele trabalhasse assim, recebendo até mesmo parabéns pela iniciativa. Funcionou a contento.
Atenção: Não façam isso em casa...

Certos problemas são facilmente contornáveis, usando-se de criatividade, diplomacia e sobretudo de objetividade.

Em um certo estúdio de gravação, ainda no tempo que se usava discos de acetato (altamente inflamáveis), obviamente era proibido fumar.
No entando havia caixinhas de areia disposicionadas em todos os cantos das dependências.
Isso era na verdade um incentivo ao fumo, pois entrava-se com o cigarro aceso, tendo-se a certeza de poder jogá-lo - com sorte e boa pontaria - em uma das tais caixinhas.
A simples retirada das mesmas foi o suficiente para acabar de vez com o problema, já que os avisos de "É PROIBIDO FUMAR" se multiplicavam pelas paredes, sem solucionar o problema.

Há lugares onde um determinado problema sequer existe e nem sequer existirá dentro de 2000 ou 3000 anos e já existem administradores ou seus "paralelos" impondo regras e atitudes supostamente benéficas mas que apenas complicam.

Nesse exato momento, em uma determinada instituição, uma equipe de TI a "tomou de assalto" e já foi instituindo uma série de normas e prestando uma série de desserviços, limitando todas as ações e oportunidades em que se usa um computador para debaixo de suas próprias asas e dessa forma simplesmente piorando ou deixando de prestar os serviços mínimos necessários àquela mesma instituição. A equipe não faz o serviços, e ninguém tem permissão de fazê-los. Bem bizarro.

Deixo bem claro que não sou contrário ao pessoal do TI.
Pelo contrário, tenho grande simpatia pela área e pelos seres humanos que a compõem.
Mas sou totalmente contra os abusos administrativos, contra as ações irracionais, contra a burrice profissional (burrice amadora ainda é um pouco tolerável).
Meus colaboradores entravam pela noite adentro, muitas vezes sem recursos (pois a empresa emperrava muito na liberação dos me$mo$) , realmente "cortando grama com tesoura de unha".
Enfrentavam faltas de energia elétrica que chegavam a superar a autonomia do imenso no-break.
Mas apesar das intempéries - e de ganhar pouco - era uma turma alegre, dedicada e produtiva.
Não que eu fosse "AQUELE" gerente. É que eu simplesmente NÃO ATRAPALHAVA aqueles que desejavam e que afinal de contas PRECISAVAM trabalhar.

[43] Comentário enviado por juliocm em 08/04/2009 - 08:06h

Bom artigo!!!!!!!!
Uma pequena obs....
O lugar de ficar lendo conteúdo educacionais não é na EMPRESA!
EMPRESA É LUGAR DE TRABALHO e no mais somos pagos para isso. Quem quer acessar orkut, msn do caralho, vai acessar em casa ou na escola.
EMPRESA = TRABALHOOOOOOO

[44] Comentário enviado por rogerio_gentil em 08/04/2009 - 16:16h

POLÊMICA!!!!

Respeito a opinião do nosso colaborador fulllinux, mas vejo que muita gente discorda (vide comentários). Sou um bloqueador também, uma vez que os colaboradores fazem mal uso da rede da organização. Quem sabe quando os paradigmas da colaboradores mudarem a organização não libere estes sites e serviços.

Pense: será que na Google os colaboradores tem a mentalidade de um peão da produção?

Não se pode confundir o fator "dar liberdade" com "permitir abusos (Violação das boas normas de comportamento, da boa educação, dos costumes estabelecidos)".

[45] Comentário enviado por Teixeira em 09/04/2009 - 07:23h

O colega juliocm à sua maneira, tocou no cerne da questão:

Empresa é lugar de trabalho. Certo.
Somos pagos para trabalhar. Certo.
Quem quiser acessar (...) vai acessar em casa ou na escola. Certo.

Quanto ao lugar para ficar acessando conteúdos educacionais, sendo de interesse da própria empresa, deve ser na própria empresa, sim.
Aí é que está o ponto onde o TI pode ajudar ou atrapalhar.
Simplesmente não lhe compete tomar essa decisão A SECO, sem critérios ADMINISTRATIVOS.
Tem de haver campanhas de sensibilização em busca da solidariedade dos colaboradores no sentido de buscar o que é melhor PARA A EMPRESA, e isso tem de dispensar frivolidades tais como joguinhos e acesso não edificante.
Mas essa consciência tem de ser despertada am cada colaborador, e não instituída verticalmente, de cima para baixo, em flagrante paralelismo administrativo.
O verdadeiro socialismo acontece de dentro para fora, detro das famílias, dentro das pequenas comunidades, se expande e pode alcançar toda uma nação.
O mau socialismo é imposto por um pequeno grupo que se apodera do poder. Historicamente isso sempre foi assim, e somente poderá ser mudado se rompermos o primeiro elo da corrente.

Outra coisa, e agora me digam se estou enganado ou mentindo:
Por que é que o pessoal de TI quase nunca corta na própria carne?
Por que gerlamente têm acesso TOTAL (oficial ou oficioso)?
Observem a resposta: "É porque é necessário".
Muito conveniente - e até convincente - porém pouco verdadeiro.

Outros responderão cinicamente que "na minha empresa a regra é para todos, para nós também". Ora, todos sabemos que é mentira.
Quem tem domínio sobre privilégios certamente os usará em proveito próprio, mesmo que isso cause prejuízo para a empresa.
"Azar, os outros que se danem. Sou da área e vou continuar baixando meus arquivinhos, e tal".



[46] Comentário enviado por capitainkurn em 09/04/2009 - 12:05h

Eu não costumo usar redes corporativas para fins pessoais, até por que quando estou atendendo alguma empresa não tenho tempo para isso, mas o fato é que o cachorro entra na igreja por que deixam a porta aberta. Eu atendo algumas empresas que optaram alguma vez por deixar suas redes abertas, e os resultados foram SEMPRE desastrosos, com contaminação por vírus, worms, perda de dados importantes, perda de produtividade e prejuízos de toda ordem. Resumindo... Empregado é foda!

[47] Comentário enviado por clubelinux em 09/04/2009 - 18:51h

Na realidade é o cliente quem manda, até porque a TI por ela só vai sair bloqueando nada por acaso, ela sofre ordens expressas de origem superior na hierarquia.

[48] Comentário enviado por adrianoturbo em 10/04/2009 - 23:34h

Tenho que discordar do artigo ,afinal todo mundo tem a sua opinião.
Primeiro que tipo de conhecimento produtivo um cidadão num ambiente de trabalho consegue absorver através de redes sociais e mensageiros instantâneos ?
Está provado que quanto mais liberdade um usuário possui com os ativos de uma determinada empresa,maiores são os riscos enfretados na empresa.
Mesmo porque o usuário não tem responsabilidade alguma com as informações que trafegam pela empresa.São alvos facéis de engenharia social constante de concorrentes.
Segundo a rotina empresarial transcende qualquer tipo analogia a redes sociais.
Infelizmente os usuários pensam ser mais espertos que o cara de TI.

[49] Comentário enviado por Teixeira em 11/04/2009 - 17:43h

Surgiu-me uma indagação simples:

Considerando o ponto de vista da maioria dos colegas, como então administrar esse bloqueio - afinal tão necessário - em uma softwarehouse de grande porte, ou na Bolsa de Valores, por exemplo?
Neses casos em especial, um bloqueio como defendido pelos colegas seria de uma inutilidade crassa.

Fico com a minoria que afirma que cada caso é um caso, pois em ambos os casos que estou citando não sobra tempo algum para frivolidades, e portanto o acesso "indevido" ou "prejudicial" simplesmente inexiste.

Claro que meu ponto de vista não pretende desmerecer as opiniões dos colegas, de forma alguma.

Simplesmente sou defensor ferrenho da simples conscientização dos colaboradores como forma principal de derrubar por terra os principais problemas de uma organização empresarial.
Claro está que quanto maior for o quadro funcional da empresa, e quanto mais antigos forem os problemas, e quanto mais pessoas privililegiadas houverem, mais difícil será obter algum sucesso nesse mister.

Em uma conceituada empresa do Rio de Janeiro havia vários avisos no quadro, advertindo que era proibido isso, proibido aquilo, que a partir de tal data não seriam tolerados tais e tais procedimentos.
Os muitos avisos eram em si mesmos a maior evidência de uma total desorganização em uma empresa com apenas 190 funcionários (sendo 13 no escritório).

Um dia houve a necessidade de mudar alguns chefes que haviam entrado em gozo de férias simultaneamente (!!!) e por incrível que possa parecer, houve funcionários que em decorrência de muitas mudanças de atitudes administrativas, chegaram até mesmo a se reconciliar com as esposas, outros pararam de fumar, e todos ajudaram de bom grado a reformar os móveis de madeira do escritório.

Agora, tente alguém verticalizar esse processo para ver no que vai dar...


[50] Comentário enviado por joaomc em 13/04/2009 - 00:17h

Quem escreveu o artigo realmente parece não ter trabalhado com TI, mas ao mesmo tempo eu leio aqui muitas besteiras de pessoas que se dizem muito experientes nessa área.
Não há motivos para liberar acesso ao Youtube e sites de relacionamento, exceto, é claro, se o trabalho envolver algo relacionado ao Youtube (ex: você trabalha na área de marketing e a empresa disponibiliza vídeos no Youtube).
Entretanto, "Bloqueio total" é uma idéia imbecil. Não melhora EM NADA a produtividade. Já trabalhei em ambientes assim, já tive que lidar com ambientes de TI assim, e não via NENHUMA melhora. A explicação é simples: ninguém trabalha 4 horas sem parar, almoça, volta e trabalha mais 4 horas sem parar. Primeiro porque, por lei, o funcionário tem direito a períodos de descanso. Segundo porque todo mundo para de trabalhar em alguns momentos para poder descansar. Sem esses períodos de descanso, ninguém produz, não por muito tempo. Qualquer pessoa que ache que os funcionários devem ficar 8 horas por dia só trabalhando não sabe o que está dizendo, não sabe medir produtividade, não entende ninguém é robô. Toda vez que ouço um imbecil de TI falar que "funcionário tem que ficar só trabalhando, nada de fazer outras coisas", tenho vontade de socar, pois esse é um daqueles que mancham a reputação dos profissionais com seu papo pseudo-técnico, sua total falta de consideração, sua incapacidade de se relacionar com as pessoas, etc.
Resumindo: se você acha que é um herói de TI que precisa controlar os funcionários folgados, que não fazem nada da vida além de matar trabalho, parabéns, você é um imbecil e não sabe o que está fazendo. Agora, se você é um profissional de TI que procura o equilíbrio entre o bloqueio e a liberação, está sempre verificando se os bloqueios não estão impedindo ou dificultando o trabalho, aí você é alguém que sabe o que está fazendo. Basta bloquear aquilo que não tem nada a ver com trabalho (Youtube, MSN e afins) e estar sempre de olho nos métodos que utilizam para burlar os bloqueios. Enfim, faça um serviço decente.
(Caso meu: já fiquei OITO HORAS sem trabalhar dentro de uma empresa cliente, para quem estava desenvolvendo um sistema, porque, magicamente, eu não podia mais ligar o servidor de teste que utilizávamos em nenhuma rede, por ordem de algum babaca de TI. O que eu fiz? Ora, eles estavam me pagando mesmo, fiquei tomando cafezinho o dia inteiro e conversando com um colega. Fui embora sem fazer nada. E o babaca de TI deve ter ouvido um monte depois, afinal, precisavam de algumas coisas prontas e eu não fiz nada)

[51] Comentário enviado por joaomc em 13/04/2009 - 00:22h

Ah, sim, e eu ainda preciso ouvir o famoso "empregado é foda". Não, profissional de TI é que é foda, e eu me incluo nisso. Nós ficamos nos achando os maiorais, sendo que muitas vezes é NOSSA responsabilidade criar políticas de segurança eficientes, que devem existir mesmo em redes mais abertas.
Não somos os heróis que precisam resgatar a produtividade da empresa, pois, sem nós, os melhores, aqueles empregados malvadões não farão nada além de matar o tempo o dia inteiro.

[52] Comentário enviado por orionnunes em 17/04/2009 - 14:56h

Liberdade se conquista com confiança, creio que muitas impresas brasileiras ainda não estão maduras o suficiente para se verem livros de filtros.


Contribuir com comentário