O emocional e a imagem

Vou ser breve: aqui trataremos da estreita relação do emocional para com a imagem (mensagem e resposta).

[ Hits: 15.754 ]

Por: Guilherme RazGriz em 30/11/2006 | Blog: http://razgrizbox.tumblr.com


A aplicação



Alguém se lembra das "mulheres e famílias de manteiga e margarina"?

Não, não é uma pergunta sem nexo e SIM, vocês se lembram, mas mesmo assim vou explicar quem eram essas "pessoas":

Perfil 1: A dona de casa que aparece nos comerciais desses dois produtos, ela normalmente é retratada como uma mulher "assexuada", que só sabe servir o café da manhã (e geralmente é um colossal café da manha) para a "família" (marido e filhos, todos sorrindo também). De acordo com o comercial, a "felicidade da família" será eterna enquanto se comprar o produto da marca que é oferecida na propaganda.

Temos também uma outra situação, a da "Mulher maravilha da casa".

Neste caso a mulher é retratada como uma pessoa extremamente limitada, que só pensa em deixar a casa mais brilhante do que diamante polido. Ah sim, o "sorriso no rosto é sempre mantido".

Por fim temos a mulher da cervejaria, onde elas são retratadas como "brinde" que vem com a cerveja, claro, elas não pensam e "nós somos reis".

Temos outros exemplos de mídia dos homens também, mas alguns são relativamente parecidos com os citados aqui e geralmente não são vistos na mídia, exceto o público "aborrecente" que tem recebido uma atenção maior atualmente.

Os adolescentes guaraná e os "naturebas".

Este é bem recente, esses indivíduos são retratados como pessoas extremamente limitadas, que só pensam em se beijar bebendo refrigerante, ou ainda são retratados como sonhadores (ao estilo Júlio Verne), que ao comprarem determinada pasta de dente são literalmente transformados em SNOWBOARDERS ou vão parar numa ilha paradisíaca para se beijarem de baixo dágua SALGADA ou pior, ABRIREM A BOCA embaixo dela =] .

Mas apesar de serem coisas BIZARRAS, elas tem um propósito sóbrio e 'eficaz".
  • A margarina faz a família feliz;
  • A pasta de dente refresca seu hálito de uma maneira prazerosa;
  • O produto x faz da limpeza uma atividade alegre e não mais estressante".

Não parece, mas sim, eles estão jogando com o EMOCIONAL destas pessoas! Reparem que isto não acontece apenas em comerciais, mas com peças estáticas (tanto para a internet quanto para impressos) também!

Não é preciso mencionar que a "musiquinha" (Jingle) tem o mesmo papel, mas no rádio ela está sozinha e pode ser fator DETERMINANTE, assim como o impresso ou a peça estática para internet* (não estou ignorando as peças animadas, estou apenas generalizando, já que a função é a mesma).

De posse dos nossos novos conhecimentos, vamos agora criar um exemplo de peça publicitária visando mudar a mentalidade dos funcionários de uma empresa fictícia que contratou os nossos serviços (migração de plataforma paga para livre) com relação ao nosso "produto".

Mas antes faltou explicar uma coisa MUITO IMPORTANTE: Afinal...O que é um PRODUTO?

Produto é tudo aquilo que desperta desejo ou necessidade no consumidor final, seja palpável ou serviço. SIM, SERVIÇO TAMBÉM É PRODUTO.

Muito bem, não vou pedir pra que seja criada uma peça em tamanho "natural" (A3, bussdoor, outdoor ou o que for), mas sim apenas um EXEMPLO do que você FARIA para atrair o público alvo na situação já mencionada.

Os nossos slogans exemplo: "Pare de sofrer" e respectivamente: "Não existe nada melhor do que ser LIVRE".

O nosso exemplo ilustrado é:


Antes de mais nada: é ÓBVIO que o nosso exemplo não teve "tratamento" cinco estrelas, isto por 3 razões:
  • Primeiro, assim eu evito que ele seja usado para fins que não seja educativos, a vantagem é que assim ninguém tira proveito de quem quer mesmo aprender alguma coisa.
  • Segundo, se a firma fictícia pagasse pelo serviço... quem sabe né?
  • Terceiro, tem outros artigos em andamento e não quero perder tempo enfeitando.

Quem quiser mandar o exemplo que foi feito, por favor, sinta-se a vontade. =]

Ahh sim, quase me esqueço: Como chegamos ao resultado do nosso exemplo?

Primeiro criamos uma nova camada com nada dentro, depois aplicamos o degradê de tonalidades x e y na mesma, daí usamos o efeito de camada "multiplicar", daí com mapeamento alien 2, salientamos o tom de azul e demos mais luz a imagem. Quanto as letras foi básico, pegamos uma textura "bem conhecida" por alguns aqui hoje presentes e a aplicamos sobre as letras com o efeito "LUZ DURA".

Pronto, vamos andando.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Emocio o que?
   2. A aplicação
   3. Por hoje já esta bom!
Outros artigos deste autor

Blender - Criando personagem 3D em menos de 10 minutos

Criando Banners animados com o Gimp

Blender para todos! - Parte II

Inkscape descomplicado - Parte II

Programação visual (módulo 03)

Leitura recomendada

GIMP - Colocando um desenho de traços sobre outra superfície

Introdução aos ambientes gráficos e gerenciadores de janelas menos conhecidos

Um pouco de luz, cor e o Gimp

Autoração de DVD - Usando somente Software Livre

Aplicabilidade do Software Livre Blender na Engenharia Mecânica

  
Comentários
[1] Comentário enviado por flipe em 30/11/2006 - 09:23h

muito bom

[2] Comentário enviado por kaleo1986 em 30/11/2006 - 09:57h

interessante

[3] Comentário enviado por slackware2006 em 30/11/2006 - 10:10h

Cara, vc é muito ruim. Não sei se faz pouco que saiu da faculdade, ou se ainda está nela,mas devia voltar e fazer todas as cadeiras de novo. Eu li os seus outros artigos e pelo material que vc produz, vai morrer de fome como diretor de arte.
Outra coisa, o que tem a ver este site com o conteúdo que vc publica. Quem aqui se importa com seus artigos ?? Vc devia procurra um portal da sua área.
Sem contar que vc parece ser bem convencido para alguém que não tem talento artístico. E posso afirmar isto pois trabalho ha 10 anos com computação gráfica...

[4] Comentário enviado por davidsonpaulo em 30/11/2006 - 11:09h

-- Comentário excluído --

[5] Comentário enviado por razgriz em 30/11/2006 - 12:35h

vamos ver, se eu sou ruim, então eu não deveria ter chegado onde eu cheguei hoje....não lamento se você não teve o minimo de competencia para entender um assunto tão mastigado quanto esse, ainda digo mais, pare com esse saudosismo tardio, a direção de arte mudou muito, mister super star=] , ainda não acredito que você não tenha entendido o que foi proposto no artigo, mas tudo bem, vamos adiante : "SE ninguém liga para o que eu escrevo..." então como é que já ministrei palestras em vários cantos do pais graças aos documentos expostos no site?" seria muito estanho... dado as suas "maravilhosas" contribuições para com este site, eu sugiro ficar de boca fechada para que nenhuma mosca acabe entrando ai. Até mais.


[6] Comentário enviado por EdDeAlmeida em 30/11/2006 - 16:11h

Senhores, mantenhamos a calma!

Apreceie o seu artigo, razgriz, e só discrodo quando você diz que os Frankfurtianos acham a Cultura de Massa um engodo. Creio, ao contrátio, que nenhum outro grupo de pensadores percebeu, como eles, a força da Cutura de Massa sobre a sociedada. Ao ponto de questionarem até mesmo a chamada "isenção científica" dos intelectuais ao estudarem a Cultura de Massa. Como ser isento, perguntam eles, se estamos imersos na cultura de massa todos os momentos de nossa vida.

O questionamento frankfurtiano é, sim, sobre os aspectos qualitativos da Cultura de Massa e sobre seus propósitos.

E pensando bem sobre o seu recado na última página do artigo, ele só é necessário porque vivemos, segundo Theodor Adorno, na Era da Reprodutibilidade Técnica.

Abraços e até logo!

[7] Comentário enviado por razgriz em 30/11/2006 - 19:19h

Sim Edvaldo o recado da ultima página infelizmente foi necessário por esse motivo, mas algum dia eu francamente admito que gostaria de não ter que colocar mais recados, acho que eu me expressei de forma incorreta, mas quando percebi não tinha como alterar o texto, o unico problema da escola de frankfurt é não apresentar uma solução completa para o "problema", mas com relação ao texto, eu pretendia falar do que a industria cultural faz isso, mas de qualquer maneira acho que o resultado final não acabou prejudicado, posso dizer também que aqui eu vejo uma grande variedade de documentos, sejam eles voltados para servidores ou para "brinquedos" que nós mesmos podemos fabricar (como por exemplo o controle remoto para pc, que vi num artigo do "Cabelo"). Bem, agora eu me despeço por aqui, boa noite a todos! .

[8] Comentário enviado por removido em 01/12/2006 - 00:14h

Guilherme Continue Assim...
Tenho aprendido muito com seus artigos
Nem Cristo agradou a todos
nao seria diferente no Software Livre

cada um tem um ponnto de vista e ainda bem que existe isto


Quem cre ter todas as respostas certamente nao fez todas as perguntas =
Confucio:

[9] Comentário enviado por Edy em 01/12/2006 - 14:19h

Gostei do artigo, mesmo fugindo ao tema do site, é muito interessante. Faz a gente pensar nas formas de manipulação a que a mídia nos submete.

Parabéns.

[10] Comentário enviado por drdoom em 01/12/2006 - 17:54h

Esse senhor merece uma nova categoria... artigo sobre design... :D

[11] Comentário enviado por crodrigo22 em 02/12/2006 - 00:58h

Falou falou e eu nada entendi daria para ser mais claro em seus artigos e não só ficar postando pra ganhar pontos

[12] Comentário enviado por razgriz em 02/12/2006 - 01:13h

"crodrigo22 " isto se quer merece um comentário mas tudo bem : você não entendeu o propósito desse artigo então vou imaginar que você não tenha lido o mesmo por inteiro e ou ao menos se interessado : O objetivo do artigo era nada mais do que mostrar aos que ACOMPANHAM TODOS OS MEUS ARTIGOS o poder da imagem no ambito EMOCIONAL, obviamente que não é um documento para pessoas sem preparo, outra coisa... você acha que eu estou ligando para pontos, rankings e coisas do tipo ? Considerando o fato de que não é isso que gera empregos e propostas de trabalho e muito menos visibilidade, isso seria um terrivel erro estratégico =], pense melhor e bons estudos.

[13] Comentário enviado por cycne em 03/12/2006 - 20:44h

Confesso que nao li o artigo todo , mas de inicio já tirei minha conclusão: O que isso tem haver com linux???? huehuauhauh se fosse uma demonstração de um software de design gráfico tudo bem... mas no seu caso , acho que está no site errado!! ... Pelo que li do artigo está muito bom, interessante!! ...mas acho que nao tem nada haver com os propósitos desta página: software livre!!

[14] Comentário enviado por razgriz em 04/12/2006 - 00:46h

É muito simples, se nós desejamos que as nossas ferramentas sejam vistas e utilizadas pelas massas, primeiro nós precisamos nos preparar para isso, entender como utilizar a comunicação ao nosso favor, felizmente existem pessoas que se preocupam com isso, na "comunidade" existem poucas, então o objetivo é amenizar esse grave problema. =]

[15] Comentário enviado por Century_Child em 05/12/2006 - 01:06h

Na boa, sem querer desmerecer o trabalho, mas o artigo não tem nada a ver com o propósito do site. Esse artigo ficaria melhor colocado num site sobre design.


Contribuir com comentário