História das UI - Interfaces de Usuário (para pensar no futuro)

Continuando com o objetivo de desenvolver um projeto aberto, dessa vez trago as reflexões sobre as relações entre hardware e UI, que foram muito úteis para rascunhar possíveis soluções.

[ Hits: 18.186 ]

Por: celio ishikawa em 13/08/2008


Introdução e notícias



Como é bom compartilhar! Ao escrever as páginas 2, 3 e 4 desse artigo dias atrás, minhas idéias se organizaram melhor e pude avançar mais no meu projeto. Escrever para outros ajuda a clarear idéias para si mesmo!

Trago para vocês as idéias que me levaram a repensar o GUI - Graphical User Interface, abordando desde o modo texto até o gráfico, do teclado ao mouse.

Tomara que vocês também fiquem inquietos, pensando sobre o assunto e em breve poderemos trabalhar juntos num regime de desenvolvimento aberto. Assim que começar a engatar o processo de patenteamento, divulgarei as soluções que desenvolvi.

(Leia meu primeiro artigo em: Dúvidas iniciais para começar Open Hardware de mouse + GUI)

Notícias

Ontem finalmente achei a delegacia regional do INPI (Instituto Nacional da Propriedade Intelectual) da minha cidade (São Paulo). Custou muito achá-la, não consegui achar pela internet (o que se acha é o endereço da sede no Rio!), no Google aparecem os links patrocinados de escritórios de patentes, liguei para 2 deles e eles cobram de R$ 1000 a 5000 pelo processo! Muito desanimador, economia de quanto tempo teria de juntar para um negócio desses?

Achei o site da Agência USP Inovação, mas entrando em contato, me explicaram que eles prestam auxílio aos docentes e seus orientandos da Universidade São Paulo. Mas uma das pessoas foi muito atenciosa e disse que me passaria o endereço da regional de São Paulo, e foi procurar no computador.

Em seguida, saí de casa, peguei o busão e fui ver onde é: fica dentro de um prédio que se não fosse pela porta sempre aberta, parecia prédio residencial de luxo, por fora do prédio não há nenhuma indicação de que funciona o INPI num dos andares. Divulgo o endereço que me custou tanto achar:

Rua Tabapuã, 41, 4° andar, Itaim Bibi. Atendimento das 10h às 16h30. Tel.: 3071-3434.

Isso pode poupá-lo de pagar os R$ 1000 a R$ 5000 para os escritórios de patentes e marcas!

Chegando lá fui muito bem atendido, aproveitei para perguntar sobre o caso do duplo clique ser patenteado pela Microsoft, se eu precisaria pagar para Microsoft se o que estivesse desenvolvendo usasse o duplo clique. A atendente disse que não estava sabendo e na verdade não acreditou, começou a rir dizendo que é ridículo demais isso ser patenteado. Disse para ela que eu ia confirmar, e expliquei que no meu caso também queria dar usos diferentes ao mouse, mas combinadas com uma interface nova.

Ela disse que apesar do mouse já existir, posso tentar entrar como invenção nova, caso o examinador não concorde, passaria de "invenção" para "modelo de utilidade". Me deu uma papelada para preencher em casa (em tempo: ao chegar em casa, procurei na net e a Microsoft registrou mesmo o duplo clique, mas felizmente tem pessoas querendo contestar. Ainda não tenho o projeto 100% pronto, e pode ser que consiga driblar o clique duplo só para prevenir. É incrível, mas interfaces gráficas já renderam até processos, como da Adobe contra Macromedia anos atrás por causa de paletas!).

Me recomendaram discutir as soluções que imaginei após o registro. Pretendo fazer antes, quando pelo menos conseguir provar que eu entrei primeiro com o pedido para registro (embora haja gente contra patentes - podemos discutir- me parece bom prevenir para que não surjam mais casos como da SCO querendo processar linuxistas, reivindicando patente por algo que não era dela).

Bom, por enquanto é só. Agora é começar a dar a forma final ao projeto de GUI + mouse OpenHardware, e enquanto caminha para forma final, mais melhorias serão incorporadas, a partir das reflexões que vocês verão agora nas próximas páginas desse artigo.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução e notícias
   2. Do modo texto para modo gráfico (história)
   3. Cada vez mais botões (história)
   4. Evoluir para onde?
Outros artigos deste autor

Linux no micro antigo: 4 dias de aventura e aprendizado

Uma licença assim é possível? (questões provocantes sobre software livre e direito)

Dúvidas iniciais para começar Open Hardware de mouse + GUI

Licenças: liberdade para quem?

Considerações sobre interfaces gráficas (palestra VOL DAY I)

Leitura recomendada

Tux, o cabo eleitoral

Ubuntu será o aguardado Windows Killer?

HOWTO: Como se tornar moderador do Viva o Linux

Introdução ao Protocolo Internet - IP

Software Livre - Muito mais que somente tecnologia

  
Comentários
[1] Comentário enviado por andreoliveira em 13/08/2008 - 11:22h

Não sou programador, mas tenho uma sugestão de uma utilidade para o uso Desktop em rede, como poderia fazer para mandar a minha sugestão?

[2] Comentário enviado por celioishikawa em 13/08/2008 - 15:17h

Olá André! obrigado por querer colaborar. Se por enquanto não quiser publicar a sua sugestão, pode clicar no meu perfil e mandar um e-mail para mim, se me mandar o seu e-mail, poderemos nos corresponder.

Isso de usar em rede é importante mesmo, é a tendência para o futuro é que o termo "PC- personal computer" - para usdar sozinho- perca o sentido.

[3] Comentário enviado por forkd em 13/08/2008 - 23:13h

Cara,

Muito bom o seu artigo! Já vinha pensando nisso há algum tempo, mas nunca havia organizado tão bem as minhas idéias, sem contar que aprendi muito com o seu texto.

Sou usuário do OS X 10.5 (Leopard) da Apple há quase 6 meses e acho que ali há muita coisa pra ser copiada. Pra começar, o FANTÁSTICO Quicksilver (QS) mata a pau qualquer botão do tipo INICIAR. O funcionamento é simples: CTRL + ESPAÇO abre o QS. Então o usuário começa a digitar o nome do seu programa. Não importa de onde você comece: ele vai exibindo os programas que possuem a sequência digitada, com uma lista de outros que também se encaixam no padrão. Quando o programa desejado aparece selecionado, basta dar ENTER e o mesmo é carregado. Pra melhorar, o programa é inteligente: se você digita sempre itunes pra abrir o iTunes, o programa vai aprendendo, então com algum tempo, quando você tecla i, o iTunes já é selecionado, bastando teclar ENTER. Isso agiliza MUITO a abertura de programas. Lógico que se você não souber o nome do programa, fica difícil, mas ainda existe o Dock, para colocar um ícone das aplicações mais usadas. O desktop 3D do sistema também dá show. Com o Spaces bem configurado, basta rolar o ponteiro do mouse pra um dos cantos da tela para que todas as áreas de trabalho sejam exibidas e então clicar na que você deseja (clique simples). Muitas janelas abertas? O Exposè ajuda: mostra uma miniatura de todas as janelas abertas, bastando clicar sobre a que você deseja (há a possibilidade de se ativar este recurso como no Spaces). Pra melhorar ainda mais, todos estes recursos podem ser usados no Linux (não os mesmos softwares).

Fora isso, no que diz respeito às teclas, o sistema conta com o COMMAND, que faz as vezes do CTRL e do ALT - também chamado de Option no Mac - (as duas ainda estão presentes no teclado). Neste teclado ainda não há as teclas Ins, Del, PgUp, PgDown, Home e End. Quer apagar pra frente? Fn + Backspace, Ir para o início ou final da linha? COMMAND + frente ou trás......

Lógico que não creio que esta seja uma solução definitiva para o problema de acessibilidade, mas creio que a combinação de Desktop 3D (Spaces e Exposè) + Menus rápidos (Dock) + Abertura rápida de programas (Quicksilver) + Teclas de atalho bem definidas e concisas dentro do sistema (todas devem ter os mesmos efeitos dentro de cada programa) seja um solução a curto/médio prazo.

Uma tecnologia que vem se destacando muito é a que aboliria o uso do mouse. É quando os programas suportariam totalmente os recursos de touch screen, como visto no MS Surface e telas sensíveis ao toque, como caixas eletrônicos. Amigos me falaram que o programa Fantástico da rede Globo já tem isso disponível para os seus apresentadores. Isso sem falar no iPhone... Mas vejo isso como uma solução a médio/longo prazo... O tempo dirá.

Acho que era isso.
Parabéns!
Valeu, brother!

zezim
Meu blog: http://versaopropria.blogspot.com

[4] Comentário enviado por Miojo em 09/10/2009 - 19:11h

"CTRL + ESPAÇO abre o QS. Então o usuário começa a digitar o nome do seu programa. Não importa de onde você comece: ele vai exibindo os programas que possuem a sequência digitada, com uma lista de outros que também se encaixam no padrão."

. O Menu K do KDE 4 também faz isso, só que abre com Alt-F1, o KRunner (Executar comando) também o faz, com Alt-F2. E os dois ainda procuram na descrição do programa.
. O Menu K também sugere pesquisa na web e o KRunner abre o Konqueror para pastas ou páginas da web quando você digita o nome de uma.


Contribuir com comentário