Gerenciadores de pacotes GNU/Linux

Um gerenciador de pacotes é uma ferramenta utilizada para instalação, remoção e atualização de programas. Normalmente são encontrados em sistemas GNU/Linux, tendo em vista que tais sistemas consistem de milhares de pacotes distintos. Este artigo disserta sobre os principais gerenciadores de pacotes existentes no mundo GNU/Linux.

[ Hits: 28.312 ]

Por: Gilmar Sampaio em 17/09/2015 | Blog: https://br.linkedin.com/in/gilmarsampaio


Introdução



Um gerenciador de pacotes é uma ferramenta utilizada para instalação, remoção e atualização de programas. Normalmente são encontrados em sistemas GNU/Linux, tendo em vista que tais sistemas consistem de milhares de pacotes distintos.

Os programas são distribuídos através de pacotes, que estão ligados a metadados, estes metadados contém informações adicionais, tais como uma descrição do aplicativo e uma lista de dependências, que são programas necessárias para que o programa execute corretamente.

Os programas e metadados podem ser encontrados em repositórios, que podem ser locais (CD, DVD ou disco rígido) ou online (servidores FTP). Após a instalação, os metadados são armazenados em um banco de dados local de pacotes que é usado para recuperar os pacotes do software.

Pacotes

Um pacote de software é um arquivo, normalmente compactado de acordo com a distribuição, que contém todos os arquivos (binários, shell scripts, configuração, dados, bibliotecas, documentação, papeis de parede, ícones e outros) necessários para a instalação de um software (aplicativo), além de todas as informações necessárias para a sua instalação, remoção, configuração e manutenção será usado pelo gerenciador de pacotes.

Como um quebra cabeça, os sistemas GNU/Linux são formados por diversos pacotes. Um programa pode ser divido em vários pacotes, na qual você poderá instalar apenas as partes que lhe for conveniente, deixando o sistema mais enxuto. Basicamente em sistemas GNU/Linux temos dois tipos de pacotes:
  • Código-fonte: conjunto de arquivos, código-fonte, documentação e arquivos de configuração, que deverão ser compilados para serem instalados no sistema;
  • Binários: pacote de código-fonte pré-compilados para uma distribuição ou arquitetura específica, juntamente com outros arquivos necessário para a utilização/instalação.

Nosso foco de estudo será os arquivos binários, comumente chamados apenas de pacotes, e sua instalação através da linha de comando, tendo em vista que alguns pacotes binários podem ser instalados baixando o pacote (compatível com seu sistema) e dando alguns cliques como no Windows, ou através de gerenciadores de pacote em modo gráfico.

As distribuições GNU/Linux utilizam softwares empacotados para facilitar a manipulação pelo gerenciador de pacotes. É muito mais fácil e rápido instalar o pacote de um software que já foi compilado e empacotado do que baixar o seu código-fonte, compilá-lo e instalá-lo manualmente. Da mesma forma, é muito fácil e rápido desinstalar o pacote desse software do que removê-lo manualmente.

Quando o pacote é executado, seus dados são descompactados e copiados para o sistema de arquivos do sistema operacional, criando links simbólicos onde for necessário, atalhos no menu e no desktop e, às vezes, oferecendo opções de configuração ao usuário.

Alguns pacotes podem depender de outros, ou seja, um certo pacote X precisa de uma biblioteca do pacote Y, isso é conhecido como dependência, e será tratada mais adiante.

Os pacotes são criados para uma versão específica de uma determinada distribuição, pois as dependências podem variar entre distribuições e versões de uma distribuição.

Há muitos formatos de pacotes. Os mais conhecidos são .tgz, .deb e .rpm. Uns menos comuns .pup, .pisi, .tazpkg e .mo.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Metadados e dependências do pacote
   3. Repositórios de pacotes
   4. Instalando programas a partir do código fonte
   5. Gerenciadores de pacotes
   6. PKGTool
   7. DPKG
   8. Advanced Packaging Tool (APT)
   9. RPM
   10. Yellow Dog Updater Modified (YUM)
   11. PACMAN
   12. SMART
   13. ALIEN
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Lógica para computação - parte IV

Vida nova para o Kurumin 7

Instalando o Kurumin 7 e outros em um pendrive

GoboLinux? Que distribuição é essa? (Parte 1- Primeiros contatos)

Arch Linux - Passo a passo pós-instalação

  
Comentários
[1] Comentário enviado por fabio em 17/09/2015 - 14:03h

Meus parabéns! Sem dúvida o artigo mais completo sobre o assunto publicado no VOL.

[2] Comentário enviado por removido em 17/09/2015 - 14:49h

Ótimo artigo! Parabéns mesmo!! :D

Posso listar mais um?? Portage!

+-+-+-+-+-+-+
|G|e|n|t|o|o|
+-+-+-+-+-+-+

[3] Comentário enviado por jrltdo em 18/09/2015 - 21:36h


[2] Comentário enviado por luiztux em 17/09/2015 - 14:49h

Ótimo artigo! Parabéns mesmo!! :D

Posso listar mais um?? Portage!

+-+-+-+-+-+-+
|G|e|n|t|o|o|
+-+-+-+-+-+-+


Muito obrigado, esta ainda é minha primeira contribuição aqui, vou pesquisar mais e futuramente expandir o artigo.

[4] Comentário enviado por jrltdo em 18/09/2015 - 21:36h


[1] Comentário enviado por fabio em 17/09/2015 - 14:03h

Meus parabéns! Sem dúvida o artigo mais completo sobre o assunto publicado no VOL.


Muito obrigado.

[5] Comentário enviado por thiagocantero em 18/09/2015 - 22:21h

Grande Gilmar!
Parabéns por seu artigo, concordo com os colegas acima!Um dos mais completos artigos sobre Gerenciamento de Pacotes no VOL!
Meus parabéns amigo!Obrigado pelo conhecimento compartilhado!
Fique com Deus, forte abraço!
Thiago Cantero.

[6] Comentário enviado por doradu em 18/09/2015 - 23:23h


Parabéns!
Bem didático, mas, vc poderia acrescentar q Kurumin, Mandrake, e Conectiva (por exemplo) são distros descontinuadas.

Mas, esse foi apenas seu primeiro artigo, os próximos serão bem mais depurados.

Falo isso com uma ponta de inveja pois ainda não fiz nenhum, rsrsrs

Abraço

Já foi pros favoritos

[7] Comentário enviado por mvforce em 21/09/2015 - 07:22h


Muito bom artigo. Parabéns.

[8] Comentário enviado por albfneto em 21/09/2015 - 16:13h

Favoritado.
De fato Portage e Entropy são de uso mais restrito.
apenas algumas poucas distros os usam.
o artigo é excelente! Parabéns!
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Albfneto,
Ribeirão Preto, S.P., Brasil.
Usuário Linux, Linux Counter: #479903.
Distros Favoritas: [i] Sabayon, Gentoo, OpenSUSE, Mageia e OpenMandriva[/i].

[9] Comentário enviado por sergeimartao em 29/09/2015 - 08:55h

Overview obrigatório para quem quer conhecer sobre gerenciadores de pacotes linux, favoritado!

[10] Comentário enviado por _STONY_ em 02/10/2015 - 15:15h

Excelente artigo.

Da uma boa noção de como é nas outras distribuições.

Parabéns!

[11] Comentário enviado por DanielDutra em 16/07/2016 - 18:05h

Parabéns companheiro jrltdo pelo excelente artigo é um grande material de estudos para um iniciante como eu.

Eu pensava que o RPM era apenas um formato de empacotamento de arquivos assim como o .DEB

Mas vendo este artigo: https://www.vivaolinux.com.br/artigo/Trabalhando-com-RPM ele se comporta também como um gerenciador de pacotes assim como o APT e o Zypper?

[12] Comentário enviado por MarlonX19 em 30/07/2016 - 21:03h

Obrigado pelo artigo, muito bom.

Deu-me uma boa noção sobre os diferentes tipos de pacotes e gerenciadores de pacotes.

[13] Comentário enviado por fredsonchaves07 em 13/04/2017 - 11:59h

Um gerenciador pode gerenciar qualquer pacote seja .Deb .RPM?

[14] Comentário enviado por jrltdo em 13/04/2017 - 14:27h


[13] Comentário enviado por fredsonchaves07 em 13/04/2017 - 11:59h

Um gerenciador pode gerenciar qualquer pacote seja .Deb .RPM?


Isso vai depender do gerenciador, normalmente na documentação ele traz uma relação dos pacotes que tem suporte.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor HostGator.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts