ERPs Open Source (parte 2) - Mercado e diferenciais

Artigo que traz algumas idéias de negócios e os diferenciais dessas aplicações com relação ao modelo de desenvolvimento proprietário. Conta também com um panorama de mercado.

[ Hits: 25.616 ]

Por: Vinícius Evandro Gregório em 23/08/2008


O modelo de desenvolvimento Open Source



Continuando o material do artigo anterior, o conteúdo deste contém idéias de implantação de sistemas open source nas empresas.

Grande parte dessas idéias são baseadas em algumas vantagens notáveis dos softwares open em relação aos softwares proprietários e, também, relativo ao momento de investimento em sistemas das empresas de pequeno e médio porte.

Diferenciais dos ERPs Open Source

Assim como a maioria dos softwares open source, os ERPs também mantém alguns diferenciais com relação aos desenvolvidos segundo o modelo proprietário. Abaixo seguem apenas algumas dessas diferenças:
  • O mais notável é a grande quantidade de versões sobre o mesmo sistema, utilizando idiomas e regras locais diferenciadas. O Compiere e Adempiere, por exemplo, contam com versões para outros países que incluem: idioma, formatação de datas, valores etc, uma vez que essa característica advém de comunidades de desenvolvedores e pessoas ligadas ao projeto naquela localidade, o ERP não conta apenas com um pacote estático de conversão regional, conta com toda uma estrutura e suporte que pode ser encontrado facilmente na internet.

    Normalmente os sistemas de ERP proprietários, por terem seu código fechado à empresa que o desenvolveu, tem suporte somente às localidades onde essa empresa atua, tornando a abrangência do sistema dependente diretamente da atuação dela no mercado.

    Exemplos claros de como essa metodologia pode dar certo são os sistemas Adempiere e OpenBravo, que surgiram como ramificações do código do Compiere ou o AdempiereLBR, que é uma versão tropicalizada do sistema. Algumas vezes, essas versões podem ser incorporadas ao sistema original, como forma de reconhecimento de sua aplicabilidade e utilização contínua pela comunidade. Exemplos dessa prática ocorreram com JazzERP, Kompiere Libero e ComXE que já foram incorporados pelo Adempiere.

    Existem alguns outros exemplos de ramificações em 2Pack e Compilo.

  • O tempo de atualizações de versões é extremamente menor. Como regra geral, o intervalo para correção de bugs ou desenvolvimento de novas versões em programas open source é bem menor se comparado aos softwares proprietários. Isso se deve à grande quantidade de usuários desenvolvedores e a facilidade de alterar e corrigir o código-fonte.

    Com os ERPs, uma vez que a maioria dos projetos envolve adaptações para a regra de negócio da empresa, esse tempo também é reduzido. Ainda que uma versão oficial desse sistema não seja lançada, sempre é possível atualizar o sistema segundo alguma versão alternativa disponível na internet.

  • Os ERPs open source geralmente são desenvolvidos utilizando tecnologias multiplataforma (como JAVA e PHP, por exemplo), que facilitam a integração em diversos ambientes empresariais. Ao contrário do que ocorre com os maiores ERPs proprietários do mercado, a linguagem ou a tecnologia utilizada nesses sistemas não é utilizada exclusivamente pela empresa que desenvolveu o sistema, facilitando a contratação de pessoal para a manutenção posterior. Destaque também para o fato de trabalharem com diversos bancos de dados, tornando a migração do sistema legado mais fácil.

  • Com o código-fonte aberto se torna mais fácil adaptar o sistema às regras de negócio da empresa e torna o projeto, se bem conduzido e documentado, independente da equipe que iniciou sua implantação. Se necessário, várias empresas podem prestar serviço de suporte durante o ciclo de vida do sistema.

  • Outra característica forte desse tipo de ERP é a divulgação de módulos e sistemas implantados (desde que a empresa não faça questão de manter os códigos-fonte gerados no projeto em sigilo), diminuindo drasticamente o tempo das alterações e divulgando idéias de implementação de regras de negócio similares.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. O modelo de desenvolvimento Open Source
   2. Parcerias (Partner)
   3. Perspectiva de mercado
Outros artigos deste autor

Como softwares livres podem gerar lucro

ERPs Open Source (parte 1) - Principais soluções

Como ajudar o Software Livre

Leitura recomendada

Slackware x Debian

Todos estão surdos? Um grito de alerta à comunidade Software Livre!

Tecnologia a seu favor: 3 motivos para ter um sistema financeiro e ganhar tempo no trabalho

Como não assustar o novo usuário e ajudar o Linux engrenar

A miséria social do Brasil e o software proprietário

  
Comentários
[1] Comentário enviado por removido em 23/08/2008 - 21:45h

Olá Vinicius,

Gostei muito do artigo. Parabéns.

No entanto, me surgiram algumas dúvidas a respeito das adaptações desses sistemas aos diversos países e legislações. Por exemplo: no ano passado, o mercado de ERP estava agitado por causa das notícias sobre a adoção dos sistemas de NFe's pelo fisco. O motivo é que ninguém tinha especialistas em legislação tributária brasileira. Na época houve até uma boataria sobre a Datasul adquirir a maior empresa de consultoria tributária do país (que agora me fugiu o nome). Se os grandes fornecedores de ERP, com seus contingentes de desenvolvedores pagos, já tem dificuldades de adaptação a pequenas mudanças na intrincada legislação tributária brasileira, como esses softwares open-source reagem a essas mudanças, ainda mais sabendo que há diferenças regionais e setoriais dentro do próprio país?

Abraço.

[2] Comentário enviado por gsi.vinicius em 24/08/2008 - 13:05h

Olá Paulo,

Obrigado.

Quanto a forma como os ERPs Open Source lidam com isso, a vantagem desse tipo de software é que, alguém (alguma equipe de implantação) vai passar por esse problema e para encontrar ajuda eles utilizam de ferramentas de acesso público na internet (como fóruns) em que qlqr outra equipe poderá encontrar a solução posteriormente.

Em casos em que não há especialistas disponíveis no assunto, a dificuldade acaba sendo a mesma que de um software proprietário, mas a disseminação posterior da informação é extremamente mais rápida, uma vez que não fica restrita a uma empresa.

Não há dúvidas que há muita dificuldade em lidar com esse tipo de problema de regionalidade (vários páises no mundo tem legislações diferentes para cada região). Mas esse problema tbm é enfrentado pelos softwares proprietários do genêro, a diferença fica pelo método de correção do problema que também é uma forma de divulgação da solução.

Abraços

[3] Comentário enviado por grandmaster em 25/08/2008 - 20:39h

Esse é o grande problema dos ERPs. Lidar com essas diferenças

Renato de Castro Henriques
CobiT Foundation 4.1 Certified ID: 90391725
http://www.renato.henriques.nom.br

[4] Comentário enviado por nicolo em 26/08/2008 - 07:50h

Muito bom. Esses nichos da informática pagam maravilhosamente bem; infelizmente despertam
pouco interesse. Há profissões que estão com demanda e salários
altos, sem terno e sem gravata.O ERP, ou como é mais conhecido, Planejamento, está bombando
high pressure.
Há poucos muito poucos profissionais completos na área. Profissional completo é o que entende de
planejamento e de informática. A paga é alta, mesmo com carteira assinada.

[5] Comentário enviado por mateushprado em 26/08/2008 - 17:42h

Um projeto openSource ERP conhecido é OpenBravo. Muito bom. Escrito em Java.
Participo do projeto NF-e onde trabalho. Sem duvida é um projeto sensacional.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts