Conheça o OpenOffice.org e o BrOffice.org

O OpenOffice.org é uma das melhores (senão a melhor das) suítes de escritório abertas existentes. Neste artigo, falo dele e da sua versão brasileira, o BrOffice.org: seus programas, como surgiram, como instalá-los e dicas de uso para aumentar sua produtividade. Leitura ideal para quem ainda não os conhece. Destina-se a usuários de Windows e Linux.

[ Hits: 118.432 ]

Por: Antônio Vinícius Menezes Medeiros em 03/05/2010 | Blog: http://www.vinyanalista.com.br/


Um pouco da história do OpenOffice.org e do BrOffice.org



A origem do OpenOffice.org remonta ao final da década de 90, quando a empresa alemã Star Division, que desenvolvia desde meados dos anos 80 um pacote de escritório chamado StarOffice, foi adquirida pela empresa americana Sun Microsystems.

Em 1998, a Star Division decidiu tornar o StarOffice, que estava na versão 5.0, um programa gratuito. Então ela passou a disponibilizá-lo gratuitamente aos seus usuários. Interessada no programa, a Sun comprou a Star Division no ano seguinte. O lançamento da versão 5.2 do StarOffice, já pela nova proprietária, se deu em junho de 2000. Pouco tempo depois, no mês de outubro do mesmo ano, a Sun Microsystems liberou o código fonte da maioria dos módulos do StarOffice para a comunidade de código aberto, lançando assim o projeto OpenOffice.org.
A Sun então passou a desenvolver dois pacotes de escritório: o OpenOffice.org, que era um software livre, gratuito e de código aberto; e o StarOffice, que a partir da versão 6.0 passou a ser desenvolvido com base no OpenOffice.org e se tornou um software proprietário, sendo comercializado pela Sun.

O projeto OpenOffice.org ganhou o apoio de diversas organizações do mundo tecnológico, como Novell, Intel, Red Hat, Debian, Mandrake, Conectiva, além de importantes contribuições de desenvolvedores independentes, ONGs e agências governamentais. Essa comunidade, formada por milhares de programadores e usuários do mundo inteiro, é quem desenvolve o pacote desde então. O desenvolvimento do OpenOffice.org, no entanto, não é feito apenas pelos colaboradores. A Sun coordena as atividades da comunidade e ainda é a que mais contribui para o desenvolvimento do projeto.

Desde o lançamento da versão 1.0 do OpenOffice.org, em 2002, o pacote de programas de escritório já teve mais de 300 milhões de downloads, sendo que destes 100 milhões ocorreram após o lançamento da versão 3.0, em outubro de 2008. Atualmente, o OpenOffice.org se encontra na versão 3.2, lançada em fevereiro de 2010.

OpenOffice.org no Brasil - o BrOffice.org

Estima-se que foi em 2001 que surgiu a primeira proposta de tradução do OpenOffice.org para o português brasileiro, quando um ex-funcionário da Conectiva Linux se candidatou a coordenar a tradução da suíte, dando seu nome à coordenação da equipe do projeto de internacionalização do OpenOffice.org. Em fevereiro de 2002, Raffaela Braconi, então líder dessa equipe, repassou a função de coordenação da tradução para Claudio Ferreira Filho, que já vinha traduzindo o OpenOffice.org de forma independente e paralela.

Surgiu então o OpenOffice.org Projeto Brasil. Com o reconhecimento do seu trabalho, outras pessoas se juntaram à equipe e desde então o projeto não parou de crescer, passando a desenvolver, além da tradução da interface, funcionalidades específicas para a versão brasileira do pacote. Foram criadas as listas de discussão, o projeto de documentação, o Rau-tu, o projeto Extras e finalizadas as traduções das aplicações e da ajuda do software.
Em 2004, devido a problemas com a marca "Open Office", já registrada em 1996 pela BWS, uma empresa de informática do Rio de Janeiro, foi necessário mudar o nome da comunidade e do programa.

Após coletar diversas sugestões dos membros da comunidade, procurando manter uma relação entre o projeto OpenOffice.org e o público brasileiro e, principalmente, verificando a disponibilidade junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) para evitar problemas futuros de registro, decidiu-se que no Brasil o projeto OpenOffice.org seria referenciado pelo nome de BrOffice.org. Em janeiro de 2006 foi anunciado oficialmente o lançamento da ONG BrOffice.org, que passou a organizar as atividades do antigo OpenOffice.org Projeto Brasil.

Não apenas o Brasil teve problemas legais com a marca OpenOffice.org. Em outros países, como a Holanda, por exemplo, a comunidade OpenOffice.org também enfrentou problemas com o registro da marca. Nesses países, no entanto, os problemas foram contornados, enquanto no Brasil a solução só se deu com a adoção de um novo nome. Assim, o Brasil se tornou o único país no mundo no qual o OpenOffice.org recebeu uma denominação específica, de modo que o pacote OpenOffice.org não é mais distribuído oficialmente no Brasil, sendo em seu lugar disponibilizado o BrOffice.org.

Apesar da mudança de nome, o BrOffice.org continuou representando o OpenOffice.org, apresentando todas as características e recursos deste. As diferenças básicas entre os dois consistem basicamente nas adaptações que foram incluídas no BrOffice.org para tornar o pacote de escritório mais próximo do dia-a-dia do usuário brasileiro. Não obstante, a comunidade BrOffice.org desenvolve diversos outros projetos, entre eles os que serão tratados aqui neste artigo: o verificador ortográfico VERO, o dicionário de sinônimos DicSin e o corretor gramatical CoGrOO.

Dentre estes projetos, merece destaque o VERO, responsável pelo desenvolvimento e atualização dos dicionários de palavras que são usados pelo BrOffice.org para realizar a verificação ortográfica dos documentos. Graças a esse projeto, o BrOffice.org possui hoje a melhor correção ortográfica para a língua portuguesa na vertente brasileira, visto que é a única que já segue o Acordo Ortográfico de 1990 em conformidade com as novas orientações da Academia Brasileira de Letras (ABL).

Além do dicionário para o Português do Brasil, a equipe do VERO também desenvolve dicionários para o Português de Portugal e para o Espanhol do Chile, que podem ser baixados gratuitamente no site do projeto.

A título de curiosidade, gostaria de finalizar informando que o logotipo do BrOffice.org, assim como o nome, foi desenvolvido de forma a manter uma relação entre o OpenOffice.org e o Brasil: perceba que a marca obedece à cor azul do projeto central, presente também na nossa bandeira, mas agrega o verde, que não está presente no logotipo original. Além disso, as aves, gaivotas no desenho original, ganharam linhas mais dinâmicas, transformado-se nas aves brasileiras chamadas "trinta-réis", presentes em todo nosso litoral.
Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Os componentes da suíte
   3. Um pouco da história do OpenOffice.org e do BrOffice.org
   4. Instalação do OpenOffice.org
   5. Instalação do BrOffice.org
   6. Instalando extensões no BrOffice.org
   7. VERO - o verificador ortográfico do BrOffice.org
   8. Autocorreção no BrOffice.org
   9. Hifenização no BrOffice.org
   10. DicSin - O dicionário de sinônimos do BrOffice.org
   11. Dicionários temáticos no BrOffice.org
   12. CoGrOO - Corretor Gramatical acoplável ao OpenOffice.org
   13. Retrato e paisagem no mesmo documento
   14. Fontes
Outros artigos deste autor

Instalação do ClamAV com DazukoFS

Portugol Online - Software livre para facilitar o estudo de algoritmos

Exibindo um splash durante o boot com Splashy

Guia de referência do ISOLINUX (parte 1)

Criando um LiveCD a partir de uma instalação do Debian Lenny

Leitura recomendada

Conhecendo a planilha do OpenOffice

Configurando a operadora Vono no Asterisk

Formatação de células na planilha do OpenOffice

Inserindo ou alternando números de páginas no OpenOffice.org

O Linux e o Star Office

  
Comentários
[1] Comentário enviado por removido em 03/05/2010 - 14:27h

Vinicius, parabéns cara!

Elevo seu artigo a categoria de tutorial. Didático e objetivo. Exemplarmente sem erros!

[2] Comentário enviado por julio_hoffimann em 03/05/2010 - 16:52h

Parabéns pelo artigo Antônio,

Precisamos incentivar o uso de softwares abertos, principalmente softwares de qualidade que contribuem com inclusão social, não pirataria e são fortemente desenvolvidos por brasileiros. Por onde passo, tento disseminar o uso do formato aberto ODF, só assim é que conseguiremos nos desligar da importação de software fechado e pago.

[3] Comentário enviado por morvan em 03/05/2010 - 23:30h

Boa noite, viniciusecia.
Diria, mais do que boa noite, "Bem-vindo ao Clube", já que eu e outros autores temos alguns trabalhos no VOL sobre a suíte livre e gratuita.
Gostei bastante dos enfoques feitos no seu artigo, destaques para a cronologia do [Br|OpenOffice] e para a instalação das Extensões.
Parabéns.

Abraço,

Morvan, Usuário Linux #433640.

[4] Comentário enviado por Lisandro em 05/05/2010 - 14:39h

Exelente artigo.
Parabéns!

[5] Comentário enviado por pinduvoz em 05/05/2010 - 14:55h

Não consegui fazer o DicSin funcionar no OO 3.2, seja no Linux, seja no Windows.

Vi que o Hamacker, do "Ubuntu Perfeito", também não conseguiu.

Alguma dica?

[6] Comentário enviado por vinyanalista em 08/06/2010 - 15:22h

Olá André (pinduvoz), desculpe não ter respondido logo. Em compensação, tenho uma boa notícia para você.

Vou ser bastante sincero com você: durante a elaboração deste artigo eu também não consegui fazer o DicSin funcionar, eu falei sobre ele mais para não deixar o artigo incompleto. Pode perceber que a screenshot de como acessar o DicSin é a única diferente de todas, isto porque essa screenshot na verdade foi retirada de um artigo do Morimoto. Então eu publiquei o artigo e esperava que o lançamento de uma nova versão do DicSin iria resolver o problema e as pessoas poderiam seguir o meu artigo sem problemas.

Felizmente, o que eu esperava aconteceu: agora acabei de verificar no site do DicSin que uma nova versão foi lançada em 28 de maio, baixei, instalei e consegui executar. Confira você mesmo: http://www.dicsin.com.br/

Obrigado a todos pelos comentários. Um abraço e até a próxima.

[7] Comentário enviado por removido em 04/07/2010 - 13:55h

Simplesmente Exelente!

sniper!

[8] Comentário enviado por gibaerebeca em 18/08/2010 - 11:46h

Olá amigo, muito valiosa sua postagem, pois, eu estava quebrando a cabeça e até excomungando o openoffice. Agora, tudo bem. Valeu mesmo. Sou adepto do software livre e me esforço para que os companheiros de trabalho entendam quanto é bom e grátis ( o melhor de tudo ), depois da segurança é claro! Também quero dizer que pode ser considerado mesmo um tutorial, pois, você conseguiu dispor o passo a passo exemplarmente e sem erros. Parabéns amigo!

[9] Comentário enviado por vinyanalista em 05/11/2010 - 23:10h

Olá pessoal, obrigado novamente pelos comentários positivos, que me incentivam a continuar publicando bons artigos aqui no Viva o Linux. Andei um tempo sumido, vou passar mais um tempo praticamente parado, mas já submeti um novo artigo à equipe do VOL, que está na fila de espera.

Essa semana eu recebi um e-mail de um usuário do Viva o Linux me perguntando quais eram as vantagens e as desvantagens do BrOffice.org em relação ao Microsoft Office. Gostei tanto de redigir a resposta que decidi publicá-la no meu blog:

http://avmlinux.blogspot.com/2010/11/comparacao-broffice-msoffice.html

Pensei em colocar aqui como comentário, mas o texto é um tanto grandinho, por isso preferir colocar no blog e o link aqui para referência.

Um abraço a todos e até a próxima

[10] Comentário enviado por WhiteHawk em 12/12/2011 - 09:12h

Olá.

Este é, sem dúvidas, um excelente artigo. Bem escrito e completo, abrangendo diversas funcionalidades dos pacotes de escritório OpenOffice e BrOffice.

Até mais.

[11] Comentário enviado por ychi em 17/10/2012 - 11:36h

Sou novata no uso do Linux(debian) fico sempre perguntando.
Esse artigo me ajudou muito esclareceu muito, fico "fuçando" tudo e numa dessas fiz bobagem no
office e agora vou conseguir ajeitar. ADOREI

[12] Comentário enviado por RoHistoriador em 27/08/2014 - 15:26h

Ola, primeiramente gostaria de parabeniza-lo pelas ótimas dicas.
Bom, estou tentando colocar os dicionários temáticos funcionando no meu linux mint 17 e não sei como faço. pode me ajudar? não acho a referia pasta que menciona. utilizo o libreoffice 4.2
Desde já fico grato pela ajuda.


Contribuir com comentário