Área de Trabalho Aristocrática

Comentários em cima de um artigo que faz críticas aos ambientes de trabalho "tradicionais".

[ Hits: 5.591 ]

Por: Xerxes Lins em 03/10/2017 | Blog: https://voidlinux.org/


Não há ícone de bandeja no GNOME



Repita comigo mais uma vez: não existe um "ícone de bandeja" (systray) no GNOME. O GNOME tem uma área de notificação que não tem nada a ver com a obscenidade do Windows chamado "systray", este pequeno espaço onde qualquer aplicativo pode colocar um pequeno ícone.

Quero dizer, sério, você já pensou em quão completamente estúpido é a ideia de um "ícone de bandeja"? Você pode imaginar como a "magia negra" do systray pode parecer para um usuário novato?

A origem do Systray

O Windows 95 veio com um novo conceito chamado "barra de tarefas" quando você poderia ter uma lista de janelas abertas, um botão de início e uma área de notificação. Devido a um mal-entendido histórico , algumas pessoas começaram a chamar a área de notificação pelo nome "systray". Isso estava errado, mas esse equívoco pode ter ajudado a esquecer o objetivo original da área de notificação.
Linux: Área de Trabalho Aristocrática
À medida que as performances dos computadores aumentavam, as pessoas tinham mais e mais aplicativos abertos ao mesmo tempo. Infelizmente, a lista da barra de tarefas de janelas abertas foi limitada pela largura da tela. No mundo Unix, a solução encontrada foi usar desktops virtuais [mais áreas de trabalho]. Mas não havia desktops virtuais no Windows.

Os desenvolvedores encontraram uma solução alternativa: abusando da área de notificação e colocando sua aplicação lá em vez da lista de janelas abertas porque os ícones de notificação eram menores. Era claramente um abuso, mas tinha muitos benefícios para os desenvolvedores. Um desses era que o usuário teria menos chances de fechar o aplicativo, sem saber que ele está sendo executado. Ele permite que o aplicativo tenha mais controle sobre o que o usuário está fazendo, pode começar mais rápido, pode continuar fazendo algum processamento em segundo plano. Lembre-se: estamos em um mundo comercial onde cada aplicativo quer ser visto o máximo possível pelo usuário, usando skins não padrão, splashscreens. Estamos em um mundo onde não queremos ajudar o usuário, queremos ser familiar para o usuário e ser olhado de forma especial e por isso vale o preço a gastar.
Linux: Área de Trabalho Aristocrática
Com o Windows XP, a Microsoft reconheceu o abuso da área de notificação e ofereceu uma função para "ocultar" alguns ícones da área de notificação. Acho isso realmente engraçado. Quero dizer, imagine que você compra um carro novo e que alguns indicadores misteriosos começaram a piscar em todo o seu painel, ofuscando sua vista. O que você pensaria se o fabricante de automóveis, conhecendo o problema, lhe oferecesse um par de óculos de sol com o próximo modelo do carro?
Linux: Área de Trabalho Aristocrática
De qualquer forma, essa "característica" reforçou a ideia de que era uma "systray", algo não bem definido, mas onde você poderia colocar ícones se quisesse que fossem menores do que na lista de tarefas.

A área de notificação da maioria dos sistemas Windows agora está fodida além de qualquer reparo. Eu recomendo a eutanásia de tudo.

Eu vi com meus próprios olhos, uma nova instalação OEM do Windows XP em um laptop Toshiba ligando pela primeira vez com 43 (quarenta e três!) ícones na "bandeja" ... por padrão! A área de notificação estava começando antes do meio da tela.

Torture seus usuários, usabilidade básica, o bom senso é para maricas

Neste ponto você pode pensar: "ok, mas o que há de errado em colocar o ícone no systray?". A resposta está em três palavras: consistência, lógica e usabilidade.

Você pode não perceber porque você está usando ícones de bandeja por anos, mas não há lógica por trás do Systray. Uma vez que uma janela está aberta, NÃO HÁ NENHUMA maneira de saber qual será o resultado do botão fechar. Isso encerrará o aplicativo, interrompendo seu trabalho atual ou simplesmente se esconderá na bandeja?
Linux: Área de Trabalho Aristocrática
Tradição - só porque você sempre fez assim, não quer dizer que não seja idiota
Ou pior: a systray às vezes fecha, às vezes minimiza. E quando fecha, nem sempre significa realmente que encerrou o aplicativo.

Usar a área de notificação como um systray quebra a ideia do gerenciador de janelas!

Então, só porque você, programador de aplicativos, deseja que seu aplicativo se comporte de maneira não padrão, você quebra a usabilidade de um componente-chave de todos os seus usuários! Sim, é ruim: se o seu aplicativo usar um ícone de bandeja por padrão, você está rompendo completamente a usabilidade da área de trabalho do usuário. Mesmo que seja apenas sua aplicação. Está provado que, quando o usuário iniciante encontra uma exceção à regra, ele não confia mais na regra, vendo mais uma vez o computador como um material assustador sem qualquer tipo de lógica.

Para iniciantes, é um pesadelo. Não há como saber o que uma aplicação fará quando você pressionar "fechar". Não há intuição. Maria foi rápida em entender o conceito da barra de tarefas, mas ela ainda não entende que algumas aplicações não estão na lista de janelas. Apontei para a área de notificação, mas ela me disse que era tão pequena que não queria entender. João, por sua vez, ainda está lutando com o conceito da barra de tarefas. Ele não entende a diferença entre fechar e minimizar, então eu não acredito que seja capaz de explicar-lhe a chamada "systray".

Por outro lado, o aplicativo que se comporta normalmente permite ao usuário escolher colocá-los na barra de tarefas ou em outra área de trabalho. O usuário é colocado de volta no controle! Delícia!

Como transformar muito espaço na tela em uma pilha assustadora de lixo inútil

Acha que falei muito sobre usabilidade? Aguarde, há mais. Usar a área de notificação como uma bandeja torna-a inútil. Quando há mais de 4 ou 5 ícones, os olhos simplesmente não pegam mais nenhum ícone novo. Encontrar o ícone desejado é mais lento a cada ícone que você adiciona. Claro, se seu aplicativo fosse o único a usar a área de notificação como uma bandeja, seria bom. Infelizmente, não é o caso.
Linux: Área de Trabalho Aristocrática
Apenas um exemplo de vida real no GNOME:
  • você está conectado em um wifi: um ícone (pode ser visto como uma notificação)
  • você está na bateria: um ícone (é uma notificação importante)
  • você iniciou o jobcoach em outra área de trabalho: um ícone (ou tente o gtg )
  • você inicia o tomboy no menu para ver uma nota e não a tem no seu painel: mais um ícone
  • você tem muita ram e quer OpenOffice para começar mais rápido: um f *** ícone completamente inútil
  • você escuta música com rhythmbox que está em sua própria área de trabalho e controlada através de um applet de música: no entanto, um ícone mais
  • você quer fazer pausas regulares e usar workrave com o applet. Você ainda tem esse ícone fofo, mas inútil.
  • você está conectado com Empathy on Jabber. Você não possui novas mensagens, mas ainda há um ícone , redundante com o applet User Change.

[Eu não conheço todos esses aplicativos, mas a ideia é que: alguns aplicativos são importantes como notificação de fato, como no caso do status da bateria e da rede, mas costumam se misturar com aplicativos rodando. Criando uma bagunça. Claro que, no GNOME hoje isso não existe. As notificações são balanceadas entre ícones essenciais (topo superior direito) como rede, bateria e volume... Mas avisos do sistema são destacados no centro, no painel de notificações (junto com o relógio), e ícones que seriam "systray" permanecem ocultos de forma discreta no canto inferior esquerdo..]

Esta é uma sessão básica que pode ser tratada muito bem com alguns desktops virtuais. Você pode ver que não há nada extravagante (não está longe da minha própria sessão padrão) e que eu só peguei ícones que não podem ser desabilitados (desativado o rastreador por exemplo). Isso significa que, por padrão, a área de notificação já possui 8 ícones de largura e apenas 2 deles são notificações reais!
Linux: Área de Trabalho Aristocrática
Com 8 ícones, você já tem muito espaço em resoluções menores, como em notebooks. Isso também significa que há poucas chances de que o usuário veja um 9º ícone de notificação, a menos que esteja piscando. E agora começa a guerra para obter a atenção do usuário: o Ubuntu já abandonou a área de notificações muito lotada para iniciar o gerenciador de atualizações automaticamente. De acordo com as queixas dos usuários ... *AHEM* ou, quero dizer..., feedbacks, esta é uma ideia que é tão ruim que você pode colocá-la com a ideia de usar a área de notificação como uma segunda barra de tarefas. Ideias ruins atraem ideias ruins e, eventualmente, você acaba com algo tão inutilizável quanto o Windows XP.

Lembre-se: não é porque você é o desenvolvedor de um aplicativo que pode escolher como os desktops de seus usuários se parecerão. Você deve respeitar seus usuários e a primeira coisa é, por padrão, fazer seu aplicativo se comportar como qualquer outro aplicativo. Seu aplicativo NÃO é especial.

Os bons aplicativos são aplicativos que nem sequer percebemos.

Sim, mas é tão fácil para o desenvolvimento em vários desktop diferentes

Um argumento que costumo ouvir é que "systray funciona também no KDE e XFCE, é mais fácil do que um applet. O applet é antigo e complicado".

Concordo com a afirmação acima, mas eu tenho duas perguntas:

1) Você realmente precisa desse ícone? Não é porque é fácil fazer, que você tem que fazê-lo. Parece que todas as novas aplicações rapidamente ganham um ícone de bandeja apenas porque é legal.

2) Você realmente acredita que, porque nossa implementação subjacente é uma merda, temos que diminuir a usabilidade, a experiência do usuário e a qualidade percebida da nossa área de trabalho?

Você realmente acredita que o usuário deve pagar o preço difícil por nossa preguiça?

Papai, onde você estava quando mataram completamente a área de notificação?

Se não fizermos nada, terminaremos em alguns anos/meses com uma área de notificação padrão de 43 ícones. Felizmente, há esperança, você também pode corrigir seu próprio aplicativo ou denunciar erros contra mau comportamento em suas aplicações favoritas.

Eu sei que você está tão acostumado a esse comportamento que não dá para simplesmente nos livrar disso. Também temos que respeitar o histórico dos usuários avançados. Então o que deveríamos fazer?

1) Por padrão, nenhum aplicativo deve ter um lugar permanente na área de notificação. Se você ainda quer ter esse comportamento, faça um plugin ou uma opção.

2) Por padrão, seu aplicativo deve fechar ao fechar e minimizar em minimizar. Faz sentido, não é? Ocultar na bandeja não pode ser um comportamento padrão em nenhuma circunstância. Naturalmente, não há nada de errado em ter como opção, pois é então a escolha do usuário, e não o do desenvolvedor.

3) Pense duas vezes antes de ter um ícone na área de notificação. Mate o ícone inútil (como o iniciador da openoffice). E repensar duas vezes antes de adicionar esse ícone.

[O LibreOffice hoje ainda tem esse ícone? Eu não o percebo! Devem ter tirado.]

4) O ícone deve indicar um evento ou algo novo no seu sistema. Pidgin e Specto já permitem que você tenha esse comportamento. Eles não mostram na sua área de notificação, a menos que haja algo que você deva verificar. Você não pode acreditar o quão bom é ver o ícone Pidgin somente quando há uma mensagem. Eu também raramente perco uma mensagem, o que não era o caso anteriormente e, porque não está piscando, posso optar por ignorá-la por algum tempo, se eu quiser. Mais liberdade e poder para o usuário = vitória.

5) Se eu tiver o applet, não é óbvio que não quero o ícone na área de notificação?

Não é muito difícil também, não é? Então, vamos tornar a área de trabalho mais útil, um ícone por vez. Sim, eu gosto do cheiro de systray queimado pela manhã!

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Home é Desktop
   3. Não há ícone de bandeja no GNOME
   4. Dê fim ao clique-duplo
   5. Conclusão
Outros artigos deste autor

Onde o GNU/Linux ganha de lavada do Windows

Configure o Linux para sua avó!

Conhecendo o Slpkg (gerenciador de pacotes para Slackware)

Gravando área de trabalho em MP4 e depois transformando o vídeo em GIF

Porque o XFCE é tão bom

Leitura recomendada

Desenvolvimento de aplicações web

Onde estão os programadores da era DOS?

MS-X, DOS, Windows e finalmente Linux: História da evolução da informática e pessoal

Porque troquei do Ubuntu LTS para o openSUSE

Alexa e o ranking dos principais sites Linux da comunidade brasileira

  
Comentários
[1] Comentário enviado por albfneto em 03/10/2017 - 17:05h

Tá muito bom seu artigo! Favoritado.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Albfneto,
Ribeirão Preto, S.P., Brasil.
Usuário Linux, Linux Counter: #479903.
Distros Favoritas: [i] Sabayon, Gentoo, OpenSUSE, Mageia e OpenMandriva[/i].

[2] Comentário enviado por madrugada em 03/10/2017 - 18:28h

Belo artigo pra compartilhar! Tem meu joinha!!!

*Mas continuo não gostando do gnome3, kkk.

Aqui vale o pensamento: menos é mais. Realmente não adianta querer encher o Desktop de firulas se isso diminui a usabilidade.

[3] Comentário enviado por xerxeslins em 03/10/2017 - 21:01h


[1] Comentário enviado por albfneto em 03/10/2017 - 17:05h

Tá muito bom seu artigo! Favoritado.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Albfneto,
Ribeirão Preto, S.P., Brasil.
Usuário Linux, Linux Counter: #479903.
Distros Favoritas: [i] Sabayon, Gentoo, OpenSUSE, Mageia e OpenMandriva[/i].


Valeu albfneto!

[4] Comentário enviado por xerxeslins em 03/10/2017 - 21:02h


[2] Comentário enviado por madrugada em 03/10/2017 - 18:28h

Belo artigo pra compartilhar! Tem meu joinha!!!

*Mas continuo não gostando do gnome3, kkk.

Aqui vale o pensamento: menos é mais. Realmente não adianta querer encher o Desktop de firulas se isso diminui a usabilidade.


kkkkk!

O bom é que no Linux tem como escolher a interface gráfica com facilidade, né?

Abraço!

[5] Comentário enviado por GabrielMS86 em 04/10/2017 - 09:42h

Muito bom artigo.
Pessoalmente concordo 100% com a parte sobre os ícones de bandeja - systray.
Aquilo realmente é uma bagunça.
Veja por exemplo, se vc espetar um pendrive ou hd externo na porta USB, no Windows será adicionado um ícone (oculto na maior parte das vezes) para controlar o status do dispositivo e desmontá-lo/retirá-lo de forma segura.
No Nautilus basta clicar com o botão esquerdo sobre o nome do dispositivo na listagem de locais à esquerda e selecionar "remover com segurança". Bem mais racional a meu ver pois é ali - no gerenciador de arquivos - que vc usa de fato o dispositivo, e não na bandeja do sistema.

[6] Comentário enviado por guipsp em 06/10/2017 - 09:42h

Muito interessante, obrigado por compartilhar e traduzir.

[7] Comentário enviado por nicolo em 08/10/2017 - 17:52h

Esse raciocínio é algo similar ao, ou inspirado pelo, sistema de qualidade nipônico, baseado na escassez de recursos. A mantra é: "Fornecer tudo o que é necessário e não mais que o necessário". Fica estabelecido que o necessário tem que estar à mão de quem usa e não em outro planeta atrás da sintaxe do command line. O pensamento nipônico começaria por examinar as reais necessidades do usuário, como ele utiliza o produto e o que ele faz com o produto. A partir dessas informações o produto seria elaborado "sem falhas e a prova de falhas" afim de obter a máxima satisfação do usuário. Este raciocínio se aplica nas relações fornecedor (Especialista em informática) e o cliente (usuário). Como no exemplo do artigo os usuários são gênios em suas especialidades mas não deliram de paixão por computadores. O Linux (Nominalmente Ubuntu a agora o Mint) partiram para atender as necessidades do usuário, ainda que forma abrangente e universal na tentativa de agradar gregos e troianos, mineiros e baianos. Esta parte de elaboração do produto é responsabilidade das distros. Outras distros partiram para a excelência em aplicação para o servidor, e isso é igualmente importante e aplicam-s os mesmos princípios reconhecendo que o usuário de servidor é bem diferente do doutor em cirurgia cardíaca. Esse raciocínio, se aplicado na prática poderia contribuir muito para a popularidade do Linux , pois o Linux tem a vantagem de ter quantas distros forem necessárias para agradar gregos e troianos, mineiros e baianos.

[8] Comentário enviado por clodoaldops em 08/10/2017 - 23:47h

Por isso uso linuxmint
Não preciso ser um mega nerd fodaum em informática para usar
Vc quer instalar e usar sem muitas preocupações

[9] Comentário enviado por xerxeslins em 09/10/2017 - 10:45h


[7] Comentário enviado por nicolo em 08/10/2017 - 17:52h

Esse raciocínio é algo similar ao, ou inspirado pelo, sistema de qualidade nipônico, baseado na escassez de recursos. A mantra é: "Fornecer tudo o que é necessário e não mais que o necessário". Fica estabelecido que o necessário tem que estar à mão de quem usa e não em outro planeta atrás da sintaxe do command line. O pensamento nipônico começaria por examinar as reais necessidades do usuário, como ele utiliza o produto e o que ele faz com o produto. A partir dessas informações o produto seria elaborado "sem falhas e a prova de falhas" afim de obter a máxima satisfação do usuário. Este raciocínio se aplica nas relações fornecedor (Especialista em informática) e o cliente (usuário). Como no exemplo do artigo os usuários são gênios em suas especialidades mas não deliram de paixão por computadores. O Linux (Nominalmente Ubuntu a agora o Mint) partiram para atender as necessidades do usuário, ainda que forma abrangente e universal na tentativa de agradar gregos e troianos, mineiros e baianos. Esta parte de elaboração do produto é responsabilidade das distros. Outras distros partiram para a excelência em aplicação para o servidor, e isso é igualmente importante e aplicam-s os mesmos princípios reconhecendo que o usuário de servidor é bem diferente do doutor em cirurgia cardíaca. Esse raciocínio, se aplicado na prática poderia contribuir muito para a popularidade do Linux , pois o Linux tem a vantagem de ter quantas distros forem necessárias para agradar gregos e troianos, mineiros e baianos.


Interessante! Obg por comentar.

[10] Comentário enviado por jaac em 13/10/2017 - 09:28h

Valeu por compartilhar!
Pensar em incluir todas as pessoas no mundo digital é um grande desafio.
Artigo favoritado ;D

[11] Comentário enviado por xerxeslins em 13/10/2017 - 11:33h


[10] Comentário enviado por jaac em 13/10/2017 - 09:28h

Valeu por compartilhar!
Pensar em incluir todas as pessoas no mundo digital é um grande desafio.
Artigo favoritado ;D


Valeu!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts