Área de Trabalho Aristocrática

Comentários em cima de um artigo que faz críticas aos ambientes de trabalho "tradicionais".

[ Hits: 5.575 ]

Por: Xerxes Lins em 03/10/2017 | Blog: https://voidlinux.org/


Conclusão



Eu sempre tive um leve, porém constante interesse em usabilidade... desde que comecei a usar Linux.

Fiz um artigo em 2009:
E outro em 2011:
Claro que nada técnico, e certamente com muitas falhas, pois sou usuário leigo/doméstico de Linux. Alguns podem dizer "mas você usa Linux há tantos anos... como ainda é leigo?", acontece que não importa quanto tempo de uso você tem, se não se aprofunda, continua sendo leigo.

Mas deixando isso de lado, eu sempre apreciei o ambiente Xfce, mas aos poucos fui me acostumando cada vez mais com o GNOME 3. E depois que encontrei esse artigo, resolvi compartilhá-lo.

Noto que usuários mais experientes, e principalmente os mais antigos, não gostam do GNOME 3, como pode ser visto em: Mas mesmo assim, acredito que o GNOME 3 é um dos poucos ambientes que realmente surgiu para ser diferente, para romper com a tradição de fazer tudo do mesmo jeito. Para o bem ou para o mal, alguém teve coragem de repensar a forma de como usar o desktop.

Página anterior    

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Home é Desktop
   3. Não há ícone de bandeja no GNOME
   4. Dê fim ao clique-duplo
   5. Conclusão
Outros artigos deste autor

Como está o meu bebê?

Cube 2 - Sauerbraten: Jogo de tiro em primeira pessoa

Afrescalhando o Slackware

O Guia do Slackware

Ganhe uma camiseta do Viva o Linux ajudando o Viva o Android

Leitura recomendada

Inclusão Digital no Brasil

Tux, o cabo eleitoral

Por que as pessoas geralmente não usam Linux?

OSS & ALSA - A História

A trajetória do Viva o Linux - retrospectiva 2003/2004

  
Comentários
[1] Comentário enviado por albfneto em 03/10/2017 - 17:05h

Tá muito bom seu artigo! Favoritado.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Albfneto,
Ribeirão Preto, S.P., Brasil.
Usuário Linux, Linux Counter: #479903.
Distros Favoritas: [i] Sabayon, Gentoo, OpenSUSE, Mageia e OpenMandriva[/i].

[2] Comentário enviado por madrugada em 03/10/2017 - 18:28h

Belo artigo pra compartilhar! Tem meu joinha!!!

*Mas continuo não gostando do gnome3, kkk.

Aqui vale o pensamento: menos é mais. Realmente não adianta querer encher o Desktop de firulas se isso diminui a usabilidade.

[3] Comentário enviado por xerxeslins em 03/10/2017 - 21:01h


[1] Comentário enviado por albfneto em 03/10/2017 - 17:05h

Tá muito bom seu artigo! Favoritado.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Albfneto,
Ribeirão Preto, S.P., Brasil.
Usuário Linux, Linux Counter: #479903.
Distros Favoritas: [i] Sabayon, Gentoo, OpenSUSE, Mageia e OpenMandriva[/i].


Valeu albfneto!

[4] Comentário enviado por xerxeslins em 03/10/2017 - 21:02h


[2] Comentário enviado por madrugada em 03/10/2017 - 18:28h

Belo artigo pra compartilhar! Tem meu joinha!!!

*Mas continuo não gostando do gnome3, kkk.

Aqui vale o pensamento: menos é mais. Realmente não adianta querer encher o Desktop de firulas se isso diminui a usabilidade.


kkkkk!

O bom é que no Linux tem como escolher a interface gráfica com facilidade, né?

Abraço!

[5] Comentário enviado por GabrielMS86 em 04/10/2017 - 09:42h

Muito bom artigo.
Pessoalmente concordo 100% com a parte sobre os ícones de bandeja - systray.
Aquilo realmente é uma bagunça.
Veja por exemplo, se vc espetar um pendrive ou hd externo na porta USB, no Windows será adicionado um ícone (oculto na maior parte das vezes) para controlar o status do dispositivo e desmontá-lo/retirá-lo de forma segura.
No Nautilus basta clicar com o botão esquerdo sobre o nome do dispositivo na listagem de locais à esquerda e selecionar "remover com segurança". Bem mais racional a meu ver pois é ali - no gerenciador de arquivos - que vc usa de fato o dispositivo, e não na bandeja do sistema.

[6] Comentário enviado por guipsp em 06/10/2017 - 09:42h

Muito interessante, obrigado por compartilhar e traduzir.

[7] Comentário enviado por nicolo em 08/10/2017 - 17:52h

Esse raciocínio é algo similar ao, ou inspirado pelo, sistema de qualidade nipônico, baseado na escassez de recursos. A mantra é: "Fornecer tudo o que é necessário e não mais que o necessário". Fica estabelecido que o necessário tem que estar à mão de quem usa e não em outro planeta atrás da sintaxe do command line. O pensamento nipônico começaria por examinar as reais necessidades do usuário, como ele utiliza o produto e o que ele faz com o produto. A partir dessas informações o produto seria elaborado "sem falhas e a prova de falhas" afim de obter a máxima satisfação do usuário. Este raciocínio se aplica nas relações fornecedor (Especialista em informática) e o cliente (usuário). Como no exemplo do artigo os usuários são gênios em suas especialidades mas não deliram de paixão por computadores. O Linux (Nominalmente Ubuntu a agora o Mint) partiram para atender as necessidades do usuário, ainda que forma abrangente e universal na tentativa de agradar gregos e troianos, mineiros e baianos. Esta parte de elaboração do produto é responsabilidade das distros. Outras distros partiram para a excelência em aplicação para o servidor, e isso é igualmente importante e aplicam-s os mesmos princípios reconhecendo que o usuário de servidor é bem diferente do doutor em cirurgia cardíaca. Esse raciocínio, se aplicado na prática poderia contribuir muito para a popularidade do Linux , pois o Linux tem a vantagem de ter quantas distros forem necessárias para agradar gregos e troianos, mineiros e baianos.

[8] Comentário enviado por clodoaldops em 08/10/2017 - 23:47h

Por isso uso linuxmint
Não preciso ser um mega nerd fodaum em informática para usar
Vc quer instalar e usar sem muitas preocupações

[9] Comentário enviado por xerxeslins em 09/10/2017 - 10:45h


[7] Comentário enviado por nicolo em 08/10/2017 - 17:52h

Esse raciocínio é algo similar ao, ou inspirado pelo, sistema de qualidade nipônico, baseado na escassez de recursos. A mantra é: "Fornecer tudo o que é necessário e não mais que o necessário". Fica estabelecido que o necessário tem que estar à mão de quem usa e não em outro planeta atrás da sintaxe do command line. O pensamento nipônico começaria por examinar as reais necessidades do usuário, como ele utiliza o produto e o que ele faz com o produto. A partir dessas informações o produto seria elaborado "sem falhas e a prova de falhas" afim de obter a máxima satisfação do usuário. Este raciocínio se aplica nas relações fornecedor (Especialista em informática) e o cliente (usuário). Como no exemplo do artigo os usuários são gênios em suas especialidades mas não deliram de paixão por computadores. O Linux (Nominalmente Ubuntu a agora o Mint) partiram para atender as necessidades do usuário, ainda que forma abrangente e universal na tentativa de agradar gregos e troianos, mineiros e baianos. Esta parte de elaboração do produto é responsabilidade das distros. Outras distros partiram para a excelência em aplicação para o servidor, e isso é igualmente importante e aplicam-s os mesmos princípios reconhecendo que o usuário de servidor é bem diferente do doutor em cirurgia cardíaca. Esse raciocínio, se aplicado na prática poderia contribuir muito para a popularidade do Linux , pois o Linux tem a vantagem de ter quantas distros forem necessárias para agradar gregos e troianos, mineiros e baianos.


Interessante! Obg por comentar.

[10] Comentário enviado por jaac em 13/10/2017 - 09:28h

Valeu por compartilhar!
Pensar em incluir todas as pessoas no mundo digital é um grande desafio.
Artigo favoritado ;D

[11] Comentário enviado por xerxeslins em 13/10/2017 - 11:33h


[10] Comentário enviado por jaac em 13/10/2017 - 09:28h

Valeu por compartilhar!
Pensar em incluir todas as pessoas no mundo digital é um grande desafio.
Artigo favoritado ;D


Valeu!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts