Usando o seu módulo IRDA no Linux

Esse artigo descreve como usar o IRDA no Linux. Descreve a carga do sistema, configuração dos módulos e a personalização dos programas de interfaceamento.

[ Hits: 26.759 ]

Por: morvan bliasby em 14/12/2004


Introdução



Recentemente publiquei um artigo no portal do br-linux.org tratando de como montar um dispositivo de IRDA. O artigo, focado mais na parte eletrônica, ensina desde a corrosão da placa de circuito impresso até alguns pormenores da montagem, como a confecção de um espelho a ser colocado no gabinete, permitindo a inserção do módulo, bem como a sua retirada, conferindo à montagem um toque estético e profissional. O artigo teve ótima repercussão, porém, sinceramente, senti que faltava algo, ou seja, como utilizá-lo, já que no nosso caso, os linuxistas, não é tão direto assim, ainda que não se possa caracterizar o processo como sendo difícil.

Então, mãos à obra. Passaremos a descrever como fazer este monte de peças ser útil!

Carregando o módulo


Sabendo que o módulo que acabamos de montar é um dispositivo serial (na verdade, se conectarmos nesta mesma interface um módulo FIR - Fast InfraRed -, funcionará, o que prova que a limitação não é a interface e sim o próprio módulo), passaremos a simplificar bastante a coisa. Há vários tutoriais na Internet ensinando como iniciar e como finalizar o serviço de IRDA. No linux.org, how-to-irda, chega-se ao requinte de listar a relação de "Dongles" conhecida.

Faremos uma abordagem mais simples: primeiro, criaremos um script para iniciar o sistema e, opcionalmente, para finalizá-lo. Normalmente, a finalização eu deixo a cargo do próprio sistema, pois o comprometimento de memória para o módulo não é tão grande.

Sugiro ao leitor que crie, a exemplo do autor do artigo, uma pasta para colocar os scripts. Isto não tem relação direta com o artigo, apenas visa melhorar a organização e o controle da máquina. Mantenho meus scripts numa pasta chamada /scripts. Sugestivo, não? Coloco nesta pasta os meus scripts em Shell e a eles dou permissão de execução de acordo com o conveniente; o script que "sobe o Dongle", por exemplo, é carregado desta pasta, de modo automático (há vários métodos de invocá-los; chamo-o a partir do rc.local).

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Carregando o módulo
   3. Usando o IRCP
   4. Conclusão / Bibliografia
Outros artigos deste autor

Dominando o BrOffice.org Writer com o uso de estilos

Dominando o BrOffice.org: Pincel de Estilo, Sumários e Objetos OLE no Writer

Introdução ao gEDA - Suíte de eletrônica

Dominando o BrOffice.org: Tabelas no Writer; Uso do Navegador de Objetos

SL no Estado do Ceará: repensando a nossa forma de atuação e engajamento

Leitura recomendada

Instalando o Zabbix

Obtendo maior funcionalidade de um mouse com 5 botões

Utilizando o celular Nokia 5200 Xpressmusic como pendrive no Mandriva Linux 2009.0

Qual é o melhor Sistema Operacional?

Instalando som e rede onboard MB com chipset NVIDIA

  
Comentários

Nenhum comentário foi encontrado.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts