Um pouco de pintura digital

É isso mesmo, todo mundo "reclama" que não consegue fazer as coisas, mesmo as mais simples, então resolvi mostrar de uma forma mais completa o que já mostrei no meu baú sobre esse assunto simples, mas fascinante.

[ Hits: 31.260 ]

Por: Guilherme RazGriz em 15/06/2007 | Blog: http://razgrizbox.tumblr.com


Ambiente



Muito bem, anteriormente nós vimos a aura desta técnica, você deve ter notado que o ambiente* (paisagem que está ao redor do objeto e coisas não passíveis de pintura - no caso de automóveis temos lanternas, parachoques cromados, rodas cromadas, niquelados, pneus, retrovisores cromados, logomarcas de montadoras - salvo raríssimas exceções, vidros, borrachas e mais uma infinidade de itens) recebe a ação da ferramenta borracha, tendo de volta a sua cor original para que tudo fique harmônico.

OS ERROS MAIS COMUNS sobre automóveis:

DISCOS DE FREIO quando expostos NUNCA devem ser PINTADOS, fazendo isso você vai arruinar o seu tão pretendido "realismo".

BORRACHAS DAS PORTAS, definitivamente nunca pinte isto, faz com que o seu trabalho pareça realmente algo feito nas "coxas' além de ser esteticamente algo muito feio.

Encaixes (o vão que tem entre a lataria e as portas, capô e lataria, mala etc), definitivamente se ficar "tinta" ali, vai parecer aqueles brinquedos ridículos da revell até os anos 80, então se você notar que essas áreas não estão pretas como sempre devem ser, faça a você mesmo o favor de apagar a tinta dali.

Banda de rodagem: isso é bem comum em carros antigos clássicos e nos reformados originais, a cor dela é SEMPRE a mesma: BRANCA . Por tanto não tente trocar essa cor se não vão xingar a sua pessoa.

CALOTAS cromadas: bem comum em carros antigos reformados, nem pense em mexer aí.

FARÓIS e lanternas: o máximo que pode ter é um REFLEXO da cor nova do veículo e mesmo assim dependerá da SITUAÇÃO, ou seja, se na imagem original ele já estiver lá, mantenha-o, caso não, retire todos os traços da cor nova.

Vidros: creio que não preciso dizer nada sobre isso mais.

ERROS MAIS COMUNS quanto a outros objetos:

MOUSES: os mesmos vãos pretos dos carros, Track ball (scroll) também tem quase sempre cor diferente do corpo do produto, então CUIDADO.

Coisas feitas de PORCELANA: geralmente nunca as pintamos, mas se você desejar, aqui vão algumas dicas: NUNCA use tons FOSCOS unicamente por que esse tipo de produto é liso e reflete um tanto de luz.

Voltado aos carros: dependendo do ambiente e dos reflexos nem sempre o efeito de camada "COR" é o ideal para dar o realismo desejado, então sugiro experimentar os demais, principalmente o "Multiplicar' e o "LUZ DURA" para obter o resultado desejado.

Muito bem, vamos falar agora de automóveis pretos e brancos (os chamados "extremos" ).

Reparem que no exemplo nós pintamos um carro que tinha duas cores na carroceria, o "VERDE" (cor que nós demos a ele) e o branco na parte de baixo. Para modificar carros brancos a coisa é um pouco mais trabalhosa, não temos tanta liberdade quanto aos tons mas nada impossível, vejamos o que é necessário:

Abra uma figura que tenha um carro na cor supra citada.

O processo até aqui é o mesmo visto anteriormente, mas quando você for aplicar o efeito de camada, vai ter que ajustar o BRILHO e a SATURAÇÃO a ponto de que a a camada transparente já pintada ganhe um tom bem mais escuro do que o que você escolheu, depois escolha o efeito de camada que melhor se adapte as condições do ambiente e una a camada duplicada do carro com a transparente que você criou, mas deixe a camada do fundo (a primeira que é o background) intacta, depois veja que efeito de camada se aproxima mais do resultado que você quer. É provável que o veículo ainda não assuma a cor que você deseja, mas não se preocupe com isso ainda, para tanto temos um pequeno truque na manga que veremos daqui a pouco.

O que nós temos até aqui:


Agora basta duplicar o background e aplicar o uso da ferramenta mapeamento alien 2 nesta camada (basta lembrar do que vimos no artigo sobre COR E LUZ), mas vamos ajudar os novatos.

Quando abrir a ferramenta, desmarque a opção mostrada abaixo:


Feito isso, trabalhe as cores ao ponto de que a mesma fique bem próxima da que você deseja que o veículo assuma e clique em ok. Agora aplique o efeito de camada condizente com o ambiente para harmonizar a figura, você também pode duplicar essa camada para potencializar o efeito.


Mas... e se você quiser fazer que nem o tio "Razgriz" e mudar o carro e o ambiente? Tudo bem, use o mapeamento alien 2. =]


E para quem lembrar, existem os filtros distorcivos:


Agora vamos falar do PRETO:

Note que quando trocamos a cor de um objeto preto, na grande maioria dos casos a tonalidade escura não poderá ser alterada, seja pelo realismo ou estética, o procedimento não muda com relação a técnica, mas alguns cuidados são necessários, como por exemplo a ação da ferramenta borracha torna-se mais seletiva quando se quer realismo, mas se for por pura estética não precisa se preocupar.

"E EU ERA ASSIM":


e fiquei...


Outra precaução, quando o preto original é FOSCO do objeto, a coisa fica mais simples bastando adotar o procedimento básico visto na primeira página, claro que você ainda pode usar o bom e velho map alien dois para dar mais tempero ao seu trabalho.

Moto preta original:


e agora...


e com map alien 2...


Claro que para os meus alunos, temos outra pegadinha, mas nada complicado. =]

Por hoje é só pessoal!

Muito bem, com um pouquinho de paciência e trabalho duro você poderá transformar estas informações em conhecimento.

Gostaria também de aproveitar para agradecer algumas pessoas pelo apoio e motivação para continuar escrevendo, dentre delas posso dizer que algumas são daqui do site mesmo, a todos vocês o meu muito obrigado de coração.

E mais uma vez, espero que se faça um bom uso deste documento.

Página anterior    

Páginas do artigo
   1. Dá mesmo pra trocar a cor dos objetos?
   2. Ambiente
Outros artigos deste autor

Publicidade e software LIVRE? De novo?

Construindo Somando e Subtraindo

Programação visual (módulo 03)

Pequenas coleções (parte 2)

O MP3 player e o Ogg Vorbis

Leitura recomendada

Instalando Compiz Fusion no Debian/Ubuntu

Introdução aos ambientes gráficos e gerenciadores de janelas menos conhecidos

Ativando XGL no SuSE 10.1

Deixando o Gnome com a cara do Mac OS X

O Organo Abstrato e o GIMP

  
Comentários
[1] Comentário enviado por edupooter em 15/06/2007 - 10:26h

Belo artigo, parabéns!

[2] Comentário enviado por riick em 15/06/2007 - 13:35h

Cara, excelente artigo, parabéns.
Sou doido pra aprender melhor o Gimp, ainda to meio preso no photoshop.
Mas, com esses seus artigos, logo vou esquecer de vez o photoshop.

Abraço.

[3] Comentário enviado por dbahiaz em 15/06/2007 - 15:08h

Muito legal ler os seus artigos...ainda crio coragem e coloco a mão na massa, sou pessimo com imagem digital rs.

Parabéns!

[4] Comentário enviado por andersonjackson em 15/06/2007 - 21:38h

Eu li todos os seus artigos desde a primeira publição (sim, eu sou péssimo em gráficos) e gosto bastante da sua didática e você passa muito bem o queres.

Sempre faço os exemplos que você mostra e depois fico feido bost** n'agua... me perguntando; E agora??? O que faço com isso?
Mas tenha certeza de uma coisa: É que eu realmete nõa levo jeito para gráficos e pra piorar não pratico o sufuciente... ai ja viu...

Meus parabéns continue colaborando com a comunidade, um forte abraço.

[5] Comentário enviado por M25K em 11/01/2009 - 18:08h

oi galera axei bem legal o gimp tou usando ele pra fazer tuning virtual so k tou com uns probolemas aki por ex:
1 CARRO E PRETO E ADICIONEI UM PARA CHOKES LARANJA VIVO JA FIZ OS PASSOS DIREITINHO MAS NAO TOU COSEGUINDO K ELE FIKE COM A COR DESEJADA FICA- SE SEMPRE A NOTAR UMA COR DIFERENTE..
sou novato se alguem puder me ajudar fica aki tb meu msn,[email protected]
abraco a toda a comunidade

[6] Comentário enviado por albfneto em 15/09/2010 - 19:30h

seus artigos são muito bons , e vc tem conhecimento de design gráfico. Legal


Contribuir com comentário