Slackware 13.37 - Compreendendo o processo de inicialização

Esse artigo é básico a quem queira entender melhor o processo de inicialização dos sistemas GNU/Linux. Conhecendo a sequência na qual o sistema inicia seus processos é possível, por exemplo, iniciar e interromper serviços.

[ Hits: 11.157 ]

Por: FLAVIO MOURA em 30/01/2013 | Blog: https://programnt-enm.weebly.com


O aquivo /etc/inittab



O nível de execução, juntamente com o conteúdo do arquivo /etc/inittab, controla quais serão os processos iniciados pelo init.

De acordo com a nossa tabela, o nível de execução padrão no Debian e Xandros, por exemplo, é o de número 2. No Fedora e no SUSE, o nível 3 é usado para login em modo texto, enquanto que o nível 5 será responsável pelo login em modo gráfico.

É claro que esses níveis de execução padrão podem ser alterados no arquivo /etc/inittab, mas como já fora dito, foge um pouco ao propósito deste artigo aprofundar esse tipo de prática, trata-se apenas de uma pequena exposição acerca dos processos que envolvem a inicialização do sistema.

Verifique o nível de execução atual em seu sistema GNU/Linux, com o comando:

# /sbin/runlevel

A grande sacada para que possamos entender melhor os processos iniciados pelo comando init é um arquivo com pouco mais de 70 linhas, o /etc/inittab.

Você pode ver o conteúdo desse arquivo como o comando more:

# more /etc/inittab

Ou ainda, se preferir, utilizando um editor de texto de sua escolha:

# nano /etc/inittab

Utilize o comando nano com a variável "-c" para visualizar o número de linhas e vá exatamente à linha 15, lembrando que a distribuição que estou utilizando é o Slackware 13.37. Observe a tabela de níveis de execução semelhante às demonstradas anteriormente:

# nano -c /etc/inittab

Ainda dentro do arquivo, procure pela linha que contém a expressão "initdefault" (linha 25 no Slackware), essa linha mostra o nível de execução padrão no exemplo do Slackware 13.37, o nível padrão é o de número 3:

id:3initdefault:

Verifique as demais linhas de execução. As distribuições baseadas em Debian, no geral, executam o arquivo /etc/init.d/rc tendo como argumento o nível de execução 2:

12:2:wait:/etc/init.d/rc 2

Ao observarmos o arquivo /etc/init.d/rc, veremos que trata-se de um shell script, e que o mesmo inicia uma série de diversos processos para os demais níveis de execução. Cada entrada do arquivo diz ao init qual o próximo passo em um ou mais níveis de execução.

Cada entrada inittab tem quatro campos, que vêm sempre separados por dois pontos como o exemplo a seguir:

id:runlevels:action:process

A tabela logo abaixo, mostra o significado de cada um desses campos:

CAMPO Significado na entrada inittab
id Identificador exclusivo de um ou mais caracteres, usado internamente pelo processo init.
runlevels Sequência de zero ou mais caracteres representando os vários níveis de execução; um exemplo claro: se esse campo for identificado como 12345, a entrada se aplica a cada um dos níveis de execução listados de 1 a 5.
action Encarrega-se de informar o processo init de como proceder com uma determinada entrada. Se o campo for identificado como initdefaut, por exemplo, o runlevels será interpretado como nível de execução padrão.
process Este nada mais é do que o nome de um script qualquer, ou programa, iniciado por init.


Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. O aquivo /etc/inittab
   3. Testando os níveis de execução
Outros artigos deste autor

Exemplos práticos de tabelas de partições

Leitura recomendada

FreeBSD Release 10.0 - Introdução ao sistema

Apresentando o Linux Mint LXDE Edition

Nmap - 30 Exemplos para Análises de Redes e Portas

Metro, um breve tutorial

Instalando Free Pascal Compiler no Ubuntu

  
Comentários
[1] Comentário enviado por lcavalheiro em 30/01/2013 - 18:43h

Boa! Pra galera nova essas são sempre informações importantes. Parabéns!

[2] Comentário enviado por Jvek em 30/01/2013 - 21:32h

Valeu Icavalheiro, a ideia é bem essa mesmo; tem muito gente que se assusta com esse monte de números e letras achando que é um lance de outro mundo; ou algo do gênero, e acaba "desistimulado" a usar a linha de comando nas distros mais tradicionais.., .., mas aqueles que persistem aos poucos vão percebendo que a coisa não é tão complicada assim,.. a rapadura é dura mais é doce fala àê!

Abrç.

[3] Comentário enviado por lcavalheiro em 30/01/2013 - 22:15h

É o que eu falo sempre, só o terminal é GNU / Linux e o Slackware é seu profeta ;-)

[4] Comentário enviado por obernan em 01/02/2013 - 11:01h

Bom artigo, parabéns.

[5] Comentário enviado por Jvek em 01/02/2013 - 18:58h

Valeu obernan!

Abrç.

[6] Comentário enviado por thiagocoelho em 04/02/2013 - 19:08h

Excelente artigo, parabéns!

[7] Comentário enviado por Jvek em 05/02/2013 - 09:26h

Valeu thiagocl! Abrçs. Que bom que a galera, no geral, tem gostado.,,
mais uma vez obrigado.

[8] Comentário enviado por azk em 16/06/2013 - 09:00h

Belo artigo, cara!
Irá ajudar muitos iniciantes em Slackware.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts