Slackware 13.37 - Compreendendo o processo de inicialização

Esse artigo é básico a quem queira entender melhor o processo de inicialização dos sistemas GNU/Linux. Conhecendo a sequência na qual o sistema inicia seus processos é possível, por exemplo, iniciar e interromper serviços.

[ Hits: 10.834 ]

Por: FLAVIO MOURA em 30/01/2013 | Blog: https://programnt-enm.weebly.com


Testando os níveis de execução



Não é necessário alterar o arquivo /etc/inittab para testar um determinado nível de execução. Como poderemos verificar isso? É fácil, façamos uso do comando init.

Primeiramente, vamos colocar o sistema em modo de usuário único, lembrando novamente que a distribuição utilizada é a citada no título do artigo, o que não impede, logicamente, a aplicações nas demais distribuições.

Basta verificar a função exata ao nível correspondente. Continuando, digite o comando:

# init 1

Agora repita o mesmo procedimento, só que no nível de execução 3:

# init 3

O sistema encerra todos os processos atuais em uso e acessa o nível de execução 3. Na maioria das distribuições, por padrão, o comando init aguarda até 20 segundos antes de encerrar todos os processos e iniciá-los novamente no nível determinado.

Para que a passagem seja feita imediatamente, de um nível a outro, digite o comando novamente com uma variável, conforme o próximo exemplo:

# init -t0 3

É claro que essa variável "-t0" já é sabida da grande maioria dos usuários.

Quer ver algo realmente interessante? Não que o restante não o seja, enfim... vá a nossa tabela, a do Slackware ou do sistema correspondente, e procure pelo nível de execução responsável pelo gerenciador de sessão (modo gráfico).

Pronto? Execute o comando init juntamente com o nível correspondente à tua pesquisa:

# init 4

Opa! É isso mesmo que todos puderam perceber, basta uma pequena alteração em nosso arquivo /etc/inittab para que o sistema passe a iniciar em modo gráfico sem a necessidade do uso de qualquer outro comando para este fim.

É claro que muitos já sabiam disso tudo na prática, porém, poucos usuários, acreditem, saberiam explicar o por quê. Acredito que não será preciso dizer o que ocorreria se ao invés do nível de execução 4. junto ao comando init, utilizássemos o nível 0. Faça o teste.

Conclusão

Na verdade o processo init executa diversos scripts na inicialização do sistema. Ao observarmos, por exemplo, o arquivo /etc/inittab no Debian, veremos logo ao início do arquivo (no Slack 13.34 essa informação encontra-se exatamente nas linhas 27 e 28 do arquivo), a seguinte instrução:

#Boot-time system configuratinon/initilization script.
si::sysinit:/etc/init.d/rcS

A primeira linha é um comentário, e não será lida pelo sistema.

A segunda executa o script /etc/init.d/rcS através do processo init. Esse tipo de script (rcS) executa inúmeras tarefas de inicialização como, por exemplo, a configuração do layout do teclado, configuração do relógio, montagem do sistema de arquivos etc.

O script rcS executa essas tarefas de inicialização chamando outros scripts e lendo arquivos de configuração localizados no diretório /etc/rcS.d.

Parece um pouco complicado, mas nem tanto assim. O script /etc/init.f/rc, quando acionado, executa scripts em um diretório correspondente ao nível de execução.

Por exemplo: Para o nível de execução 2, o script executa os scripts do diretório /etc/rc2.c.

Abraços a todos. Espero que o exposto ajude a entender um pouco mais sobre os elementos que envolvem o processo de inicialização do sistema GNU/Linux.

Referências

  • LINUX - REFERÊNCIA COMPLETA (Livro 05) Introdução a administração básica de sistemas, 3ªEdição editora ALTA BOOKS - Rio de Janeiro 2010
  • Techno Edition Editora Ltda; Linux LPI 101 - Fundamentos. 1ªEdição - São Paulo 2009

Página anterior    

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. O aquivo /etc/inittab
   3. Testando os níveis de execução
Outros artigos deste autor

Exemplos práticos de tabelas de partições

Leitura recomendada

Resumo LPI 102: Tópico 108 - Serviços Essenciais do Sistema

Bash - O interpretador de comandos

O Sistema Debian Alternatives

Use Linux!

Introdução ao Linux: Instalação do OpenSuSE

  
Comentários
[1] Comentário enviado por lcavalheiro em 30/01/2013 - 18:43h

Boa! Pra galera nova essas são sempre informações importantes. Parabéns!

[2] Comentário enviado por Jvek em 30/01/2013 - 21:32h

Valeu Icavalheiro, a ideia é bem essa mesmo; tem muito gente que se assusta com esse monte de números e letras achando que é um lance de outro mundo; ou algo do gênero, e acaba "desistimulado" a usar a linha de comando nas distros mais tradicionais.., .., mas aqueles que persistem aos poucos vão percebendo que a coisa não é tão complicada assim,.. a rapadura é dura mais é doce fala àê!

Abrç.

[3] Comentário enviado por lcavalheiro em 30/01/2013 - 22:15h

É o que eu falo sempre, só o terminal é GNU / Linux e o Slackware é seu profeta ;-)

[4] Comentário enviado por obernan em 01/02/2013 - 11:01h

Bom artigo, parabéns.

[5] Comentário enviado por Jvek em 01/02/2013 - 18:58h

Valeu obernan!

Abrç.

[6] Comentário enviado por thiagocoelho em 04/02/2013 - 19:08h

Excelente artigo, parabéns!

[7] Comentário enviado por Jvek em 05/02/2013 - 09:26h

Valeu thiagocl! Abrçs. Que bom que a galera, no geral, tem gostado.,,
mais uma vez obrigado.

[8] Comentário enviado por azk4n em 16/06/2013 - 09:00h

Belo artigo, cara!
Irá ajudar muitos iniciantes em Slackware.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts