Seja Legal, não use softwares piratas!

O objetivo desse artigo é mostrar algumas soluções gratuitas disponíveis para não ter mais problemas com a pirataria.

[ Hits: 11.319 ]

Por: Tiago Zaniquelli em 10/07/2009


Resumo



Segundo relatório preparado para a empresa Business Software Alliance (BSA), a pirataria no mundo caiu em quantidade, porém aumentaram os prejuízos das empresas desenvolvedoras de softwares. O objetivo desse artigo é mostrar algumas soluções gratuitas disponíveis para não ter mais problemas com a pirataria.

São apresentadas durante o artigo algumas opções para deixar a pirataria de lado e usar software gratuito ou registrar seu software.

Conclui-se que existem várias opções de software gratuito disponíveis no mercado, só ficando na pirataria quem realmente quer.

Palavras Chaves: pirataria de software, Empresas de Software .

Introdução

Segundo relatório preparado para a empresa Business Software Alliance (BSA), a pirataria de software caiu no mundo, porém os prejuízos aumentarem em 20% em relação a dados de 2006.

A receita perdida pelas empresas desenvolvedoras de software chegou a cerca de US$ 47,8 bilhões. A maior parte dos softwares piratas é utilizada por empresas de pequeno e medido porte.

O relatório aponta o EUA com o maior prejuízo, cerca de US$ 8 bilhões, seguido pela China e Rússia, que tiverem o prejuízo de US$ 6,7 bilhões e US$ 4,1 bilhões, respectivamente.

O curioso é que o índice americano foi o mais baixo de todos os países pesquisados, cerca de 20% de software pirata em operação. Para se ter uma ideia, a Índia, quarta colocada, apresenta um total de 69% (Portal Terra, 2009).

O objetivo desse artigo é mostrar algumas soluções gratuitas disponíveis para não ter mais problemas com a pirataria.

Neura?

Isso é como minha namorada chamou da minha atitude de tirar qualquer software pirata da minha máquina, porém não é neura não, e sim aprendizado.

Estou cursando pós-graduação em Segurança da Informação e estávamos tendo aulas sobre conceitos e padrões de segurança da informação, nessa matéria tivemos aula sobre governança de TI, várias normas, padrões e controles que são aplicados para que as empresas tenham relatórios confiáveis, sem furo ou o que chamam de caixa2.

E aprendemos superficialmente sobre a Lei SOX (Sarbaney Oxley) e nela consta, por exemplo, que em caso de furo em relatório ou conivência com o mesmo, seremos responsabilizados.

Depois disso eu parei para analisar, o que adianta eu impor isso em minha empresa se, por exemplo, eu não fizer a minha parte perante a lei. No caso o uso de softwares piratas e computadores não registrados, no caso, sem nota fiscal.

Já faz mais ou menos um ano que eu troquei de computador e fiz questão que fosse tudo certinho, no caso, quis nota fiscal tudo dentro dos conformes.

Porém quando fui analisar a questão de softwares legais, tive problemas, tinha lá o Office 2007, Project 2007, Visio 2007, Nero, Delphi 7 e Windows XP, tudo pirata.

O começo

A primeira coisa a fazer foi procurar algum software gratuito que substituísse os meus softwares piratas ou licenciar os mesmos.

Comecei pelo Windows XP, fazia tempo que eu queria começar a utilizar o Windows Vista, porém como trabalhava em uma empresa onde todos os softwares eram desenvolvidos em Windows XP, fiquei com medo da incompatibilidade.

Agora como não estou mais lá, resolvi instalar. Quando comprei meu computador ele veio com o Windows Vista Home Basic original, então problema resolvido, e até o momento estou gostando do Windows Vista, caso você não tenha o Windows original e deseja instalar algum gratuito, abaixo vai uma lista de algumas das possibilidades.
  • openSUSE
  • Ubuntu
  • Slackware
  • Mandriva

Aplicativos

Office 2007:

Problema sistema operacional resolvido, agora vamos para o próximo passo, Office 2007, o que fazer? Comprar uma licença achei caro demais, então resolvi instalar o BRoffice.org, até o momento estou surpreso com o desempenho do mesmo, não estou tendo problemas de adaptação, apenas uma configuraçãozinha aqui outra ali, mas do resto tudo normal.

Project 2007:

Esse foi fácil, fui até o Google e pesquisei sobre Project Gratuito e encontrei o software OpenProj , muito bom, para quem utilizava o Project 2007 não terá problema nenhum de migração, porque é igualzinho, você consegue até visualizar os arquivos gerados no Project.

Visio 2007:

Infelizmente para esse eu não achei nada, porém, o que se faz no Visio, é possível fazer no BrOffice.

Delphi7:

Faz 6 anos que desenvolvo com Delphi, porém eu decidi que não irei mais desenvolver utilizando a ferramenta Delphi e linguagem Pascal, claro não nos projetos particulares em caso de empresa sem problema.

Então nem precisei me preocupar foi preciso apenas retirar do computador, porém, depois de alguns dias, descobri que existe Delphi grátis, inclusive já postei sobre o assunto algumas semanas atrás. E também tem outra alternativa chamada FreePascal.

Para os demais projetos utilizo o NetBeans e Eclipse, para desenvolvedores Microsoft é disponibilizado de graça uma versão Express do Visual Studio.

Banco de Dados:

Não tive problemas, sempre utilizei o MySQL, porém existem outras soluções, como por exemplo, o Oracle Express, que tem todas as funcionalidades do Oracle, apenas limitado em 4 GB de informações, o mesmo ocorrendo com o SQL Express 2008, além de outras soluções gratuitas como FireBird, PostGres, entre outros.

Outras aplicações:

Existem muitos outros sistemas gratuitos, existem sites especializados em disponibilizar softwares free, vou citar os dois que conheço, que são o baixaki e SuperDownloads.

Vou citar para finalizar o Gimp, que é um editor de imagens muito bacana e que não deixa nada a desejar para os considerados pagos. Para baixar o Gimp aqui está a página: http://www.gimp.org/

Benefícios

Tendo software original em seu computador, você terá sempre atualização disponível quando encontrado alguma falha no mesmo e com isso deixará o seu sistema mais seguro, dentre outros benefícios.

Conclusão

Existem muitos softwares gratuitos que podem facilmente substituir o seu software pago, como mostrado no artigo, porém, caso queira continuar com o software pago, registre-o, isso fará bem para todo mundo, para você que terá direito a diversas atualizações e para a empresa que será paga pelo produto desenvolvido.

Bibliografia

Pirataria de software cai mas prejuízos crescem 20%. In: Portal Terra. Disponível em:
http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI2887267-EI4805,00-Pirataria+de+software+cai+mas+prejuizos+crescem.html
Acessado em 03/06/2009.

   

Páginas do artigo
   1. Resumo
Outros artigos deste autor

Configurando DOTNET Core e instalando VSCode no Linux

Linux, aí vamos nós!

Criando uma WEBApi utilizando dotnet core e vscode

Convergência entre segurança física e lógica

Porque segurança importa?

Leitura recomendada

Convença outros a usar Linux!

Aprendendo a pesquisar!

Ambiente X-Window, a continuação

Mamãe, quero Slack! (parte 3 - final)

FreeBSD i386 7.0 em DVD

  
Comentários
[1] Comentário enviado por ceth em 10/07/2009 - 16:05h

É isso mesmo Tiago, começou dando o exemplo, e realmente condições para não "apoiar" a pirataria, todos temos, então vale o empenho de cada um.

ps: o título Office 2007 entrou na lista dos OS's, deveria estar abaixo como sub-título.


[]s,
ceth

[2] Comentário enviado por yermandu em 10/07/2009 - 16:23h


Valeu pela iniciativa, ao invés de fazer malabarismos procurando crack, e para falar bem a verdade sendo desonesto usando pirataria, temos muitas escolhes free e legais.

Quanto ao MS Project uso um mais simples, menos recursos, porém de fácil manuseio que é o Planner da gnome, http://live.gnome.org/Planner e acredite se quiser mas tem para Ms Windoews.

Realmente o visio da microsoft é bem melhor que o draw da openoffice.

Um player também muito bom tanto para windows e linux é o vlc (www.videolan.org/vlc/) que suporta muitos formatos tanto de audio como de video.

[3] Comentário enviado por removido em 10/07/2009 - 17:12h

Ótima iniciativa

[4] Comentário enviado por joaomc em 10/07/2009 - 17:17h

Ao invés de sair reclamando da falta de softwares em Linux, vou falar sobre uma vez em que um software no Linux me ajudou muito enquanto o proprietário só me atrapalhou. Eu estava em uma aula de pós-graduação quando o professor nos passou uma tarefa: desenhar a arquitetura de uma solução utilizando Oracle RAC + Oracle Data Guard. Nós deveríamos escolher o número de servidores, storage, RAID, conexões, redundâncias, etc. Para isso, precisávamos de um software para fazer o diagrama. No laboratório, havia o Visio instalado.
Eu achava que o Visio era bom, mas, sinceramente, comecei a ficar muito irritado com ele. Travamentos eram comuns, e a interface não era aquela maravilha que haviam dito para mim. Depois de meia hora não conseguindo fazer quase nada, me lembrei de que havia um tal de "Dia" no meu notebook, que estava com Linux. Aí eu pensei: "Por que não? O máximo que vai acontecer é não funcionar mesmo"...
Para minha surpresa, em poucos minutos eu já havia conseguido gerar uma boa parte do diagrama. As pessoas que estavam em volta mal tinham conseguido começar, pois havia um número grande de conexões e o Visio, bem, não facilitava as coisas nesse sentido. Aí o pessoal da minha equipe que estava se batendo com o Visio decidiu abandoná-lo e pudemos nos concentrar no diagrama. Terminamos o diagrama em um terço do tempo dos outros grupos. Exportei sem problemas o diagrama e mandei para o professor, que gostou bastante.
Só pra deixar claro: certamente havia na turma pessoas que usavam o Visio no dia-a-dia. Não foi um problema de falta de experiência.

[5] Comentário enviado por joaomc em 10/07/2009 - 17:23h

E sobre os bancos de dados: o DB2 Express não tem limitações de tamanho de banco, mas tem limitações de memória (2GB) e CPU (2 CPUs). De qualquer maneira, eu recomendaria a utilização do PostgreSQL mesmo :)

[6] Comentário enviado por stremer em 10/07/2009 - 18:07h

O problema na maior parte das vezes quando se fala de pirataria não é o SO e sim o usuário...
Tenho visto muitos notebooks com windows vista original (comum hoje em dia), mas lotado de software pirata com todo o resto...
Há excelentes alternativas gratuitas e livres... tanto para windows quanto para linux....
O problema é que muitas vezes o usuário ve dificuldades que não existem...
poucos casos que o software livre é inferior ao proprietário e realmente faz diferença para o usuário comum...
a maior parte dos softwares livres podem ser inferior ao concorrente proprietário mas 99% de seus usuários não precisa daqueles determinados recursos... na maior parte dos casos...
Temos que incentivar o uso do software livre... e malhar o uso de software pirata....
No caso de softwares que só existem proprietários e para ambiente windows... quem depende desse software no dia-a-dia deve pagar por ele.... pois o desenvolvedor que optar por este modelo que muitas vezes tem um publico mais restrito tem de ser pago...

[7] Comentário enviado por paulorvojr em 10/07/2009 - 18:21h

A ideia do artigo foi muito boa!! gostei, parabens ao autor.

Mas alguns pontos merecem destaque, pois as soluções apresentadas funcionam muito bem com pequenas empresas e soluções pessoais, mas JAMAIS em projetos grandes, exceto com o OFFICE que software livre já esta excelente, mas em outros.....

Office 2007:

Concordo plenamente com o autor, o broffice já esta muito bom e maduro para até vencer o pacote office, falta agora os usuários usarem.

Visio 2007:

Broffice na veia...


Banco de Dados:

Projetos grandes e empresas grandes tem uma database de no minimo 10 Gb, e querem velocidade e suporte, o melhor de todos e imbatível ORACLE esta atras. O segundo melhor jogo para o POSTGRESQL, SGBD perfeito, mas é aquilo maioria das aplicações é desenvolvida para oracle ou mssql ou DB2.

Mysql(perfeito para web, rapidinho, roda em qualquer lugar, mas empresas não correm riscos)

Firebird(ainda tem muito o que evoluir, é bom, se integra no delphi que é uma beleza, mas tem que melhorar.



Outras aplicações:

Existem muitos outros sistemas gratuitos, existem sites especializados em disponibilizar softwares free, vou citar os dois que conheço, que são o baixaki e SuperDownloads.

"Vou citar para finalizar o Gimp, que é um editor de imagens muito bacana e que não deixa nada a desejar para os considerados pagos. Para baixar o Gimp aqui está a página: http://www.gimp.org/ "

GIMP? pelo amor de deus, Adoradores de GIMP de plantão, o GIMP é muito bom mas não vamos comparar com corel draw , photoimpact, photoshop, paint shop . Quer fazer um belo trabalho, com o GIMP não vai ser, so daqui a 10 anos...

[8] Comentário enviado por pinduvoz em 10/07/2009 - 18:28h

As leis são feitas para serem cumpridas.

E quando optamos por cumprir a legislação, usando SL ou pagando pelas licenças dos SP que usamos, estamos fazendo a nossa parte.

Parabéns ao autor do artigo por "fazer a parte dele" e incentivar os outros a fazerem a deles.

[9] Comentário enviado por vlademiro em 10/07/2009 - 19:00h

Parabens pelo artigo, eu também tomei essa decisão e não me arrependo.

Acho que sempre vai existir espaço para o software não-livre, esse espaço vai diminuindo a cada ano, mas ainda não chegou, pelo menos para mim, no ponto de ser 100% livre.

Com banco de dados recomendo o postgres, ele realmente surpreende. A dobradinha postgres + linux (no meu caso Fedora) é ótimo. Ele possui uma extensão plperl que permite acessar outros banco de dados de dentro do próprio postgres.

O que ainda me prende ao windows é uma ferramenta de desenvolvimento chamada codecharge, ela realmente é ótima para desenvolvedores pois gera para php, perl, java e outras linguagens, com interfaces para vários banco de dados e o resultado final pode ser rodado em linux. Apenas o desenvolvimento é no windows.

Outra coisa que me prende ao windows são os jogos que meus filhos usam, eu quero que eles cresçam com a mentalidade de que copiar softwares pagos livremente é roubo. Por isso vou ter que comprar o tal de sims3.

Parabens tambem as pessoas que decidiram postar sem radicalismos. O linux é meu SO favorito, mas ainda tem coisa que somente funciona no windows.

Quanto ao project vale a pena testar o dotproject e o phpprojekt,.

[10] Comentário enviado por guimfonseca em 10/07/2009 - 21:51h

eu postei uma dica aqui no viva o linux falando de alguns aplicativos que utilizo gratuito claro.


segue o link: http://www.vivaolinux.com.br/dica/Utilitarios-para-Linux/

[11] Comentário enviado por benneh em 11/07/2009 - 18:39h

Parabéns, Tiago, pela iniciativa.

Recentemente (cerca de 1 mês e meio) também abandonei totalmente o Windows e passei a usar unicamente o o Kubuntu. Adeus windows e todos aqueles virus, cavalos de tróia, worms e outras verminoses :) Além de perder tempo procurando cracks para os programas piratas.

Tudo que preciso faço agora no linux e, em muitos casos, muito melhor do que fazia no windows. Aproveitei o ensejo e estou deletando tudo que é mp3 pirata. Descobri que não preciso usar software pirata e nem mesmo baixar música sem autorização. Hoje existem sites especializados em distribuir boa música com licença Creative Commons, inclusive no Brasil. E pra falar a verdade eu jamais teria tempo de ouvir os quase 9 Gb de mp3 que armazenava no HD.

O mesmo fiz com os mlhares de ebooks que eu vinha colecionando. Hoje mantenho só os que estão em domínio público ou autorizado pelos autores.

Abaixo a pirataria e viva o software livre e as licenças que dão liberdade a todos de usarem bons programas, ouvirem boas músicas e lerem bons livros sem precisar necessariamente gastar seu rico dinheirinho duramente ganho...

[12] Comentário enviado por mmoura.angra em 11/07/2009 - 20:49h

Parabéns Tiago!! Eu também abandonei o Windows há um mês. Estou "vivendo" sem problemas com o Fedora 11 em meu notebook. Aproveitei e tirei o Windows Vista do PC de meu filho, e instalei o Ubuntu 9.04. Abraços.

[13] Comentário enviado por Teixeira em 12/07/2009 - 20:12h

Tiago, concordo em gênero, número e grau quando você coloca que devemos fazer a nossa parte.
Realmente não adianta ficar cobrando dos outros, se ~´os mesmos não dermos o exemplo.
Vejam por exemplo o que acontece com a degradação do meio ambiente.
Fala-se em preservar, etc. mas os próprios que adotam o discurso da preservação, volta e meia se distraem e jogam seu papelzinho no chão, suas pilhas e baterias no lixo comum, etc.
Portanto, temos de vigiar a nós mesmos em primeiro lugar, e conscientizar cada vez mais pessoas para fazer o mesmo.
É perfeitamente possível termos em nosso micro - seja pessoal ou corporativo - apenas software "freeware".
Se não for possível TODO o software, pelo menos a grande maioria.
E o que não for realmente "freeware" deverá ser devidamente pago. Afinal a economia até esse ponto já terá valido a pena.
Infelizmente, acontece que boa parte daquilo que é anunciado como "free" é realmente "freeware".
Para quem ainda não alcançou, o termo "free" em Inglês significa "gratis" mas também significa "livre", e esses termos não são sinônimos para nõs.
"Freeware" se diz do software que é efetivamente gratuito, ou seja, que não precisamos pagar por ele.
Junto aos "freeware" encontramos os "public domain" (domínio público) e os "donated" (doados pelos autores), e alguns
"adware" (que contém propaganda).
Fora disso, qualquer software deve ser pago, embora seus preços sejam geralmente bem acessíveis.
Não devemos confundir como freeware aqueles que são "free to try" (livre para testar) ou "free download" (download livre), pois geralmente essas são da modalidade "shareware" onde se distribui o software livremente para que o usuário, após um pequeno período de tempo (geralmente
de 10 a 90 dias) decida-se pela aquisição, pagando o preço requerido e fazendo o registro junto ao fabricante/desenvolvedor.
Se decidirmos que um programa "shareware" atende às nossas necessidades, boa coisa será fazermos o registro legal,
prestigiando assim os seus desenvolvedores.
Exemplos de produtos que são distribuídos na modalidade "shareware" são o Nero, o Norton, o Karsperski, etc.
Nem todos os shareware expiram. Alguns poucos se mantêm plenamente funcionais, mesmo após o prazo de avaliação.

Mas é igualmente importante observarmos que uma certa modalidade a que alguns chamam de "abandonware" (programas aparentemente abandonados por seus desenvolvedores) não são "freeware", portanto estão sujeitos aos direitos legais reservados por seus desenvolvedores.
Aliás, não existe a figura legal do software abandonado.
Já existiram casos em que os desenvolvedores foram tão prejudicados com a pirataria, que resolveram deixar seus produtos para domínio público. Que fique bem claro: somente o legítimo desenvolvedor pode fazer isso.

Os Windows 3.x, 95, 98, etc. e outros produtos que não são mais suportados pela Microsoft, no entanto não foram disponibilizados para domínio público, portanto a sua utilização sem registro é considerada pirataria.

Uma coisa me incomoda particularmente: Grande parte dos software anunciados como "freeware" (fazendo a busca com essa palavra entre aspas) são na realidade "free to try" ou "free download" e muitas vezes somente se descobre isso apenas depois da primeira tela do setup.
Isso é muito ruim para quem não domina o Inglês ou o Alemão (como é o caso do Multi Virus Cleaner). Portanto, Achtung!!!




[14] Comentário enviado por Teixeira em 12/07/2009 - 20:29h

Uma historinha:
Os usuários do Apple II+ costumavam usar software da Beagle Brothers, geralmente joguinhos.
Esses joguinhos eram - na época - muito difíceis de piratear, porque se usavem técnicas muito sofisticadas, inclusive a gravação em meia-trilha.
Os tais Beagle Boys eram dois, um careca e outro barbudo, sendo suas figuras estampadas na primeira tela de cada um dos produtos daquela empresa.
Mas não é que começaram a aparecer programas com a figuras deles usando chapéus de cangaceiro?!!!
Pirata brasileiro é de lascar!...
A propósito, "beagle" é uma raça de cachorros.
Mas "Beagle Brothers" é o nome de personagens de Walt Disney, aqui conhecidos como Irmãos Metralha, .

[15] Comentário enviado por geanceretta em 12/07/2009 - 21:02h

Recentemente instalei em minha máquina um programa chamado Gambas 2, é uma ferramenta de programação muito completa e similar ao Delphi, inclusive no visual e organização dos objetos. Vale a pena conferir.

[16] Comentário enviado por André § em 10/08/2009 - 15:10h

otimo artigo!!!!

Se as pessoas paracem de achar "à e pq é mais barato " ou algo assim parariam de reclamar do linux

[17] Comentário enviado por nihil em 26/08/2009 - 14:14h

Questão complicada !!
realmente é ilegal mesmo usar software pirata, certo !
mas existem casos que você se obriga.
1º quem trabalha com manutenção de computadores, sabe que a maior parte da renda é formatação de pc com windows bichado, e se você se recusar a fazer isso em nome do "politicamente correto " você morre de fome !!!
2º imagina que você trabalha com engenharia e precisa do autocad , você não vai vender seu carro para comprar uma cópia original e não é exagero, custa uns R$10.000 cada cópia.
3º sejamos um pouco racionais
você gasta R$600,00 em uma maquina básica, depois gasta uns R$500,00 para ter o windows + cerca de R$1000,00 na suíte office.
você pagou R$600,00 no pc e R$ 1600,00 em software ?
não desmereço o trabalho dos programadores, sei que é dificil a engeranharia de software, lógico.
Mas a engenharia eletrônica que projeta todos os intens eletrônicos de uma maquina também, não são nada fáceis de serem projetados.
4º moramos no Brasil !!! se o tio Bill pedir R$50,00 no windows origina e um pirateiro pedir R$25,00 em uma cópia pirata qual você acha que será vendida?
5º A GENTE SEMPRE QUER LEVAR VANTAGEM !!! eis a verdade, mas são iniciativas como a sua que podem nos fazer pensar melhor e rever nossos conceitos :D




Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts