ROI em TI

Este artigo é composto pelas anotações para o seminário de Administração em Informática proposto durante o meu curso de Processamento de Dados da FATEC - Sorocaba. Ele trata de uma ferramenta de análise da viabilidade de um projeto em TI, desde o seu conceito até sua aplicabilidade. Espero que este artigo seja útil para ampliar o nosso horizonte um pouco além da tecnologia.

[ Hits: 18.128 ]

Por: Jeffeson Luiz Oliveira de Campos em 28/04/2009 | Blog: http://jeffersoncampos.eti.br


Fórmula de cálculo



Devido a sua simplicidade e ao mesmo tempo flexibilidade, existem diversas forma de cálculos:

Simples: na sua forma mais simples, o ROI é calculado através da divisão dos seus benefícios pelo custo do investimento. É expressado em porcentagem. Ou seja:

{(Benefícios Esperados - Custos do Investimentos)} over {Custos do Investimentos} <-- fórmula open office

Lucratividade vs. Giro do ativo:

Esta forma representa a relação entre a lucratividade e o giro do ativo. Retorna valor percentual.

{{Lucro Líquido} over {Vendas}} times {{Vendas} over {Total de Ativos}} <-- fórmula open office

Retorno do ativo total empregado:

Representa o retorno que o Ativo Total empregado oferece. Utilizado geralmente para determinar o retorno que uma empresa dá. Retorna valor percentual.

{Lucro Líquido} over {Total de Ativos} <-- fórmula open office

Retorno específico de determinado investimento:

Representa o retorno que determinado investimento oferece. Geralmente utilizado para determinar o retorno de investimentos isolados. Retorna o valor percentual desse investimento. Invertendo-se a relação (ROI=Investimento÷Lucro Líquido), obtém-se o tempo necessário para se reaver o capital investido.

{Lucro Líquido} over {Investimento} <-- fórmula open office

Quanto custa:

O custo realmente é variável. Segundo a Price Waterhouse Coopers, de 1% a 3% do custo do projeto de TI é consumido no estudo e montagem do ROI. Normalmente são empregados 3 meses nestes estudos.

Entretanto, de acordo com outra pesquisa da ISS, empresa de serviços de segurança adquirida pela IBM, são investidos cerca de 8% da verba do projeto em ROI. Ainda no setor financeiro, devido suas características intrínsecas, o percentual é mais elevado, sendo em torno de 10%.

"Já tivemos pico de 15% do orçamento aplicado em segurança, com foco num grande plano de continuidade de negócios", diz José Waldir de Carvalho, gerente de segurança de TI da Nossa Caixa, o terceiro maior banco público brasileiro.

Riscos:

No tocante ao ROI, quanto maior for o prazo de retorno de uma aplicação, maior será o risco aliado a esse projeto. Basicamente são dois tipos de riscos:
  • Tecnológicos: Simplificadamente, é o risco inerente a evolução tecnológica tornar obsoleta a solução existente. Neste contexto, por exemplo, soluções baseadas em arquiteturas clientes-servidor perderam espaço para soluções baseadas na internet. Organizações que optaram por projetos com prazo de retorno mais curto provavelmente puderam aproveitar melhor os benefícios do projeto antes de descartá-lo.
  • Financeiros: Risco a fatores tecnológicos que podem influenciar o projeto: mudança dos gestores, vendas, fusões e aquisições, entre outros.

Conclusão

Vale lembrar aqui que o ROI por si só, como qualquer indicador, não pode ser considerado de forma isolada, mas sim relativo ao seu ambiente para que ele possa ser válido como ferramenta.

Outro ponto a ser reforçado é a questão da sua aplicabilidade: o esforço para mensurar o ROI nem sempre é trivial e muitas vezes consome em demasia recursos e mesmo assim a sua acuracidade nem sempre é satisfatória. Deve-se atentar à sua utilização, optando por projetos mais simples e principalmente com um tempo de retorno mais curto, evitando uma grande parcela do risco do projeto (em especial de o projeto não dar o retorno esperado). Sabe-se que o motor dessas mudanças e consequentemente os riscos são a tecnologia e a fatores externos (normalmente financeiros).

O alcance e a utilização de uma aplicação tem um grande impacto no ROI, pois maximizam as chances do retorno assim como minimizam os riscos inerentes.

No que tange a estimativa da proporção dos benefícios indiretos sobre alguma implementação proposta, deve-se considerar três fatores-chave: o tipo de tecnologia em questão, a forma sob a qual se pretende implementar esta tecnologia e o seu ambiente atual da tecnologia da informação.

Concluindo, ROI é uma ferramenta muito útil que leva em conta aspectos tangíveis e intangíveis e através de uma mensuração financeira (embora nem sempre essa mensuração seja suficiente precisa) ajuda CIO's e CFO's a tomar uma decisão consistente na implementação de um projeto de TI.

Referências bibliográficas


Jeff...

Página anterior    

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Fórmula de cálculo
Outros artigos deste autor

SIGERAR - Sistema de Gerenciamento de Requisitos

Compartilhando a internet do seu celular (3G Claro) com o seu PC através do Blueman (Bluetooth)

Driver SiS 771/671 no Ubuntu - Configuração

E se o Linux finalmente depuser o Windows?

Leitura recomendada

Mais uma política "suja" de marketing da Microsoft

Uma crítica à critica & Sugestões aos ativistas do SL

Brasil apimenta a guerra do software livre

Karl Marx e a concorrência individual no Viva o Linux

Introdução ao Protocolo Internet - IP

  
Comentários
[1] Comentário enviado por acollucci em 19/08/2009 - 13:50h

Gostei acabei de usar isso agora mesmo em uma proposta que enviei para um cliente.
Favoritos....

flw


Contribuir com comentário