Programação (II) - Modularização

Continuando a série sobre programação, vamos falar sobre modularização. Como dividir adequadamente um sistema? Qual a unidade ideal? Como quebrar funções? Como saber se um módulo está realmente bom? Esse artigo vai tentar responder algumas dessas questões e dar argumentos para pensarmos em muitas outras.

[ Hits: 42.055 ]

Por: Edvaldo Silva de Almeida Júnior em 05/05/2008 | Blog: http://emeraldframework.net


Critério nº 01: Reusabilidade / FAN-IN



Uma procedure (usarei esse termo indistintamente, seguindo a tendência atual) deve, idealmente, ser aproveitada em muitos lugares do programa. Isso significará uma melhor aproveitamento do código, evitando que repetição de trechos de código, o que costuma dificultar a manutenção.

Tomemos um exemplo:

Imagine que em diversos momentos da operação de um sistema, quero validar os dígitos verificadores de um número de CPF qualquer que é fornecido. Se eu escrever o código de verificação repetidamente em todos os lugares em que ele for necessário, terei vários problemas:

a) O esforço de escrever tudo novamente, diversas vezes;

b) A possibilidade de, ao escrever tudo novamente, introduzir acidentalmente erros (claro que não estou levando em conta aqui o velho Ctrl-C/Ctrl-V, que diminui essa possibilidade);

c) Um pesadelo de manutenção, pois se um dia a Receita Federal resolver mudar a fórmula de cálculo dos dígitos verificadores do CPF, eu terei de sair como um maluco procurando em cada trecho do meu código os lugares em que aquele cálculo aparece e reescrevendo tudo. E se eu esquecer em um único lugar, certamente terei clientes furiosos correndo atrás de mim muito em breve...

Por isso é boa prática escrever essa rotina de verificação na forma de uma procedure e invocar essa procedure sempre que necessário, fornecendo a ela o CPF que se que verificar e recebendo dela um informe sobre a validade ou não daquele CPF.

Quando uma função é utilizada por muitos pontos do sistema, diz-se que ela tem um bom FAN-IN.

Assim, quando planejamos nossos módulos, devemos buscar para cada um deles um fan-in elevado.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. PE ou POO?
   3. Unidades básicas
   4. O princípio da caixa-preta
   5. Critério nº 01: Reusabilidade / FAN-IN
   6. Critério nº 02: Baixa complexidade / FAN-OUT
   7. Critério nº 03: Acoplamento
   8. Critério nº 04: Coesão
   9. Conclusão
Outros artigos deste autor

O "Linux Tinha Chapéu"

Instalando Slackware "na marra"

Programação (I) - Planejamento e Otimização

Sobre a aceitação do Software Livre no mercado

Afinal, qual a melhor distribuição?

Leitura recomendada

Instalando o Slackware sem sofrimento (parte 2)

Automação e Sensoreamento Remoto utilizando Software Livre "SCADA"

SLiM: Simple Login Manager - Mini review

Uma excelente ferramenta de monitoramento de rede

Grip, the GNOME Ripper

  
Comentários
[1] Comentário enviado por bjaraujo em 05/05/2008 - 14:04h

parabéns, cara; acho que ainda tenho sequelas pela exposição ao BASIC. ahuahuaha

[2] Comentário enviado por stremer em 05/05/2008 - 19:03h

excelente. O dificil é mesmo conhecendo tudo isto conseguir implementar nos prazos malucos que os gerentes de TI e pessoal do marketing impõe (rs)

[3] Comentário enviado por rafastv em 05/05/2008 - 19:17h

De leitura agradável e rápida, parabéns!

[4] Comentário enviado por kabalido em 05/05/2008 - 21:53h

Parabéns cara! Continue assim, os seus artigos são muito bons.
Valeu!!

[5] Comentário enviado por EdDeAlmeida em 06/05/2008 - 08:51h

stremer,

Tem de fazer ouvido de mercador para os caras que ficam pressionando para acelerar o trabalho. Se você foge dos esquemas bem definidos, acaba perdendo mais tempo no final.

Abraço e oobrigado a todos!

[6] Comentário enviado por douglascrp em 06/05/2008 - 09:04h

excelente artigo... assim como o primeiro artigo, depois que se começa a ler, é impossível parar até terminar...

parabéns

[7] Comentário enviado por leowalker em 06/05/2008 - 15:18h

muito bom, estou esperando o proximo para dar continuidade...

Abraço e parabens.

[8] Comentário enviado por vodooo em 07/05/2008 - 09:57h

Cara, parabéns, realmente de leitura muito agradável!

Abraços

[9] Comentário enviado por EdDeAlmeida em 07/05/2008 - 19:12h

O próximo artigo já está no forno... deve estar pronto para ser postado no início da semana que vem. Aí é só esperar a fila andar. Mais uma vez obrigado pelos comentários e pelo apoio de todos.

[10] Comentário enviado por rl27 em 09/05/2008 - 11:14h

Parabéns pela série de artigos. Muito boa mesmo!

Estou ansioso pela continuação. Com certeza ainda darei minhas contribuições à comunidade.

Valeu!

[11] Comentário enviado por joaomc em 09/05/2008 - 13:53h

O princípio da caixa preta é bonito na teoria, mas na prática a coisa não é bem assim. Muitas vezes você *precisa* saber o que há por trás daquele método que está chamando, para, por exemplo, saber os efeitos colaterais, se o método é thread-safe, etc.

Mas estou só sendo chato, o artigo ficou bom, parabéns :)

[12] Comentário enviado por EdDeAlmeida em 09/05/2008 - 19:43h

joaomc,

Concordo em parte. Mas saber se um método é thread-safe não viola necessariamente o princípio da caixa-preta. O que viola é escrever código que dependa do algoritmo usado por essa ou aquela função. Isso é uma violação grave, que cria dependência. A questão de ser ou não thread-safe é mais relacionada com o conhecimento dos requisitos do módulo. Vamos discutir isso quando formos falar em análise de requisitos.


rl27,

Obrigado pelo comentário. E tenho certeza que em breve estarei também lendo seus artigos aqui. Basta estudar e estar com a mente aberta para aprender.


Ed

[13] Comentário enviado por marcio_paim em 14/02/2012 - 22:14h

Excelente série de artigos.


Contribuir com comentário