Porque eu uso Linux Mint

Após "rodar" por várias distribuições, neste artigo eu tento explicar porque, ultimamente, eu acabo voltando para o Linux Mint.

[ Hits: 12.783 ]

Por: Xerxes Lins em 25/02/2015 | Blog: https://goo.gl/uu8OUX


Artigo



Recebi um e-mail de um usuário do VOL que, dentre outras coisas, em resumo, dizia:

"Me aventuro no Linux há alguns anos, mas nada de muito avançado. Para falar a verdade, sou bem iniciante. Sempre tentei utilizar várias distribuições para ver qual mais me agradava [...]. Vi que você é um usuário que conhece bem este mundo e por muito tempo utilizou o Arch e agora está utilizando o Linux Mint. Por que esta preferência hoje pelo Linux Mint?"
É verdade que durante algum tempo eu procurei "a distro perfeita", por assim dizer. Comecei com Ubuntu, depois Slackware, depois Arch Linux... e por aí fui, sempre testando e testando.

Hoje, eu admiro muito as seguintes distribuições: Slackware, Arch Linux, Debian, Fedora, Ubuntu e Funtoo. Mas, para meu uso diário, atualmente, eu estou usando Linux Mint. Sou usuário doméstico de Linux e quero facilidade. De preferência, ligar o computador e usar, sem ter que configurar nada.

Nem todas as distribuições mais famosas oferecem essa facilidade "out of the box". Sei que não é isso que faz uma distribuição melhor. Por exemplo: como sistema, considero Slackware melhor que Linux Mint devido à sua organização ("slackpkg clean-system" é ótimo), simplicidade e estabilidade. Mas, para quem procura uma distribuição que se resume a instalar e usar, Linux Mint é uma melhor candidata que Slackware ou Funtoo.

A compatibilidade com meu hardware (notebook Dell Inspiron N4030) é perfeita no Linux Mint, não necessitando seguir tutoriais ou passos extras para que o hardware funcione, como acontece no Debian e openSUSE.

Sim, por padrão essas distribuições não reconhecem minha placa de rede (Broadcom 4313). Não que seja impossível instalar. Claro que é possível. Mas nestas distribuições citadas, é necessário conectar-se por cabo primeiro e depois seguir alguns passos de algum tutorial para ter conexão wireless.

Sobre o ambiente. Apesar de me dar bem com os ambientes mais famosos como GNOME, KDE, Xfce e com alguns gerenciadores de janelas simples como Fluxbox e i3WM, o que eu espero de um sistema é que ele funcione sem bagunça.

Por isso, eu admiro o visual clássico do Linux Mint. O que eu quero dizer com visual clássico? Quero dizer que é um visual que não força um novo conceito de usabilidade (como os ambientes GNOME Shell ou Unity).

Obs.: apenas para esclarecer, eu elogio o ambiente GNOME Shell, sim. Da mesma forma o gerenciador i3. Mas eles não são clássicos.

Normalmente, um ambiente clássico e familiar, se resume ao estilo "Windows XP/7" que tem uma barra inferior e um botão de menu. Além disso, para usuários em fase de transição para Linux, talvez essa seja a melhor opção, a mais intuitiva. Familiares e amigos não saberiam por onde começar se, ao pegarem meu notebook, se deparassem com um ambiente diferente do clássico.

Eu não tenho absolutamente nada contra ambientes novos. Eu gosto muito deles! Mas também, prezo muito pela harmonia, uniformidade e consistência. Os ambientes que mais fornecem essas características são: Xfce, MATE, Cinnamon e KDE. Justamente os "sabores" do Linux Mint.

O ambiente GNOME tem inconsistências causadas pela mistura de bibliotecas GTK3 e GTK2. É por isso que alguns botões de janelas ficam diferentes em alguns aplicativos e as cores também, mesmo quando ativamos o tema escuro para tudo. O ambiente Unity (padrão do Ubuntu) também não me agradou por outras razões estéticas e funcionais.

Mas será que, ao invés de usar Linux Mint, não seria melhor usar Ubuntu com Xfce (Xubuntu) ou Ubuntu com KDE (Kubuntu)? Por que usar Linux Mint, derivada de Ubuntu ao invés de usar Ubuntu?

A resposta mais simples seria: pelo mesmo motivo que alguém escolhe usar o Ubuntu ao invés de Debian.

Claro que a distância entre Debian e Ubuntu é maior do que entre Ubuntu e Linux Mint, em termos de facilidade. Mas mesmo assim, ela existe.

Atualmente, estou usando Linux Mint 17.1 com ambiente MATE. Para quem prefere um ambiente clássico, Linux Mint com MATE é uma boa opção. Melhor que Ubuntu com MATE, pois o Ubuntu vem com o ambiente simples, com duas barras e sem menu de busca.

Além disso, o Linux Mint com ambiente MATE tem algumas características atraentes, como:
  • A opção de usar Compiz como gerenciador de janelas é padrão, vem de fábrica. Não precisa instalar nada.
  • Tem um simples e eficiente gerenciador de atualizações que divide os pacotes por nível de segurança.
  • Um configurador de idiomas mais simples que o do Ubuntu.
  • Tela de login diferenciada e configurável, com vários temas.
  • Tem um gerenciador exclusivo para kerneis.
  • Possui um centro de controle, estilo YaST do openSUSE, onde se concentra toda configuração do sistema.
  • Possui um formatador e gravador de USB nativo.
  • Tem uma grande quantidade de pacotes instalados por padrão, incluindo Flash, plugin Java, codecs multimídia, etc.

Suponha que você quer ou precise instalar um Linux imediatamente para uso pessoal. Você quer USAR o sistema e não CONFIGURAR o sistema. Você quer usufruir dos aplicativos para suas atividades e não ficar lendo wikis e tutoriais atrás de respostas sobre porque algo não está funcionando. Nesse caso, Linux Mint é uma boa indicação. Instalou, fim. Já pode usar.

Eu já curti mais mexer no sistema, como um hobby. Mas agora eu valorizo mais o meu tempo. Ao invés de esperar horas ou dias para ter um sistema mais ou menos funcional, prefiro ter um sistema funcional o mais rápido possível.

É por isso que hoje, eu uso Linux Mint. Já para quem prefere fuçar o sistema e usá-lo como um hobby, tem tempo de sobra, e não tem medo de encrencas, recomendo muito a distribuição Funtoo. Para quem quer estabilidade e simplicidade, recomendo Slackware. Essas são as distros de que mais gosto.

Abraço!

Links:
   

Páginas do artigo
   1. Artigo
Outros artigos deste autor

Dando uma nova cara ao Ubuntu

Como está o meu bebê?

Do Ubuntu ao Arch

Criando um servidor FTP acessível fora da LAN com o Proftpd

Entrevista com Knurt, o pires voador

Leitura recomendada

Software livre, interoperabilidade, padronização e usuários leigos

A Evolução do Software Livre

Brasil apimenta a guerra do software livre

O comércio eletrônico e o Linux

O lado negro da Força, segundo a Microsoft o software livre quebra patentes

  
Comentários
[1] Comentário enviado por clodoaldops em 25/02/2015 - 14:38h

"Sou usuário doméstico de Linux e quero facilidade. De preferência, ligar o computador e usar, sem ter que configurar nada. "
Esse cara, sou eu! rsrsrsrsrs...
Uso LM desde 2009, comecei com LM7-Gloria. E instalei todas as versões lançadas. E a tual versão 17/17.1 é a melhor que já usei!
Até minha esposa se rendeu ao LM-17-MATE deixou o W7 há mais de 6 meses!
Gostei do artigo!



[2] Comentário enviado por millemiglia em 25/02/2015 - 16:38h

Durante muito tempo fui usuário do Ubuntu. Isso desde que decidi deixar o Linux como sistema operacional único no meu notebook. Comecei com o 8.10 e fui atualizando até o 14.04. Mas eis que aconteceu algo ao fazer uma atualização de programas e o sistema ficou instável. Resolvi então tentar outras distros base Debian/Ubuntu e instalei o PinguyOS. Achei legal e fácil de usar pois já vem com Flash e Java instalados (como o Mint), várias extensões do Firefox também já vem instaladas (algumas eu acabei desinstalando) mas não gostei do ambiente gráfico padrão (Pantheon). Ok, eu sei que dá para mudar e instalei o XFCE, o Enlightenment e o OpenBox. Me dei melhor com o XFCE e até tentei instalar o Gnome-Shell mas não consegui pois sempre dava erro na instalação. Outra coisa irritante é que cada vez que entrava no Pinguy eu tinha que configurar meu teclado. Depois de um mês usando o PinguyOS resolvi testar outra distro e a escolhida foi o ElementaryOS Freya que logo foi atualizado para o ElementaryOS Luna. Mesmo caso do PinguyOS. Vem com muita coisa instalada, Flash e Java já disponíveis mas novamente o problema do teclado que tinha que ser reconfigurado a cada inicialização. Fiquei umas duas semanas usando o Elementary e resolvi instalar o Linux Mint. Não sou muito fã do ambiente MATE mas foi essa versão que eu instalei e estava usando tranquilamente quando deu pau no chipset de vídeo do notebook. Gostei do Mint, sua facilidade de uso e de atualização, o ambiente gráfico enxuto. Como não consegui consertar o notebook (muito velho, já tem uns 4 anos de uso) eu estou usando o meu notebook estepe (mais velho ainda pois é um Sony Vaio VGN-FJ270, Pentium Centrino de 1,73GHz, 1,5GHz RAM e 160GB HDD) que está rodando Slackware 14.1 com XFCE. Posso dizer que voltei às origens pois a primeira distro que experimentei - há 15 anos atrás - foi a WinLinux 2000 que rodava em partição FAT32 e era baseada no Slackware 7.0. Sempre gostei do Slackware por sua simplicidade e seu jeito mais Unix que as demais distros e acho que dificilmente vou voltar ao Ubuntu e/ou MInt. Meu Slack está funcionando redondinho e reconheceu todo o meu hardware sem qualquer problema. Já faz uns três meses que estou usando o Slack e já me adaptei ao seu esquema de pacotes e instalação de programas/atualizações.

[3] Comentário enviado por smkbarbosa em 25/02/2015 - 20:17h

Eu estava em busca de uma distro mais estável que o Ubuntu. Nem mexo muito com customização, mais o ubuntu tava dando umas engasgadas feias comigo, então tava de notebook novo, pesquisei uma distro pra ficar um bom tempo nele, escolhi o Mint e não me arrependo.
Já tenho 2 pcs com mint e 1 com elementary Os.
E assim vamos vivendo :)

[4] Comentário enviado por hags em 25/02/2015 - 20:41h

Usei diversas disitribuições em um bocado de computadores. Eu uso linux como profissional e uso doméstico. Como profissional prefiro o Cent OS para servidores. Mas como usuário doméstico, o Mint é imbativel. Uso Mint com Mate em todos os computadores e notebooks que tenho em casa. Até meus filhos, com o advento da Steam Linux, estão migrando para o Mint e deixando o Windows de lado. A praticidade, a enorme gama de ajustes automáticos do Mint me conquistaram. Instalei o mint 17.1 nos computadores e não tive que fazer nenhuma alteração, apesar de usar uma placa de rede Wireless que é dificil de ser encontrada, Uso linux desde 1995, com o Slackware 0.96.Também trabalho profissionalmente com hp-ux e solaris.
Atenciosamente,

Hélio.



[5] Comentário enviado por luizcarlos18rj em 26/02/2015 - 08:01h

Conheci o Linux em 2010 quando começei a trabalhar com T.I num lugar onde os servidores eram Linux e as estações de trabalho eram XP / Win 7, na época fiquei perdido com aqueles nomes difíceis como "samba", "apache", "Mysql", etc e aquela tela preta então de terminal, tô fora! Pra mim era como usar o Win7-Ultimate pelo MS-DOS ( kkkk, santa ignorância... )

Aí então em casa eu comecei com ubuntu, achei a transição light, pois era muito intuitiva, no início achei difícil acostumar com o "menu lá em cima", e não tinha "Crtl+alt+del" e pra instalar programas então? Tinha a central de aplicativos, mas e quando achava algo que tava num tal de "pacote.tar.gz", que inferno! Também quando copiava arquivos de outro dispositivo, dava erro que eu não era dono do arquivo ( claro que era, o arquivo era meu! kkkk )

Com o tempo correndo atrás de google ( sem saber inglês, foi difícil... ) e fazendo um curso formal de linux ( pago pelo trabalho) foi que as coisas se esclareceram um pouco mais.

Nisso uso ubuntu até hj, a cada lançamento, vejo a correção de erros e outros novos ( mas poucos ), só que tb entrei em contato com outras distros como Suse Linux ( SLES e SLED ), kurumin, Biglinux, Debian, Kalango Linux, e finalmente o Linux Mint.

Achei incrível o mint, só instalar e usar ( quase um "pulg and play", rss ), e não sei se foi impressão minha, mas a navegação na internt com ele ( resposta do navegador as solicitações ), foi a mais rápida que conheci, nãos ei pq, e tem tb a compatibilidade com hardware, eu ficava de saco cheio como o amigo disse fazer milhares de gambiarras com tutoriais pra botar uma webcam, modem, scanner ou impressora pra funcionar.

Gosto do ubuntu, mas quando instalo S.O para amigos parentes, uso o mint, pq sei que ele vai me dar a menor faxina possível, antes quando "formatava" e reinstalava o XP / 7 não dava 2 semanas já me ligavam ( 0800 ) para eu ter todo aquele trabalho de novo pq o pc tava com baidu, yahoo toolbar, fast pc starter, mcafee internet scanner etc, aí mudei de "atitude" ( todo "carinha de computador" sabe com amigos e família exploram" ) e disse que só ia mexer se eu trocasse o S.O para Linux, os que não concordaram, ficaram sem ajuda, os que aceitaram instalava o mint e o resto vcs já sabem: 0 de problemas, ainda mais que usuários leigos quase não instalam aplicatios, é mais pra ficar em facebook ( a a algum tempo atrás orkut ) mesmo.



[6] Comentário enviado por bilufe em 26/02/2015 - 08:43h

Sinceramente, não vejo muita diferença entre o Ubuntu e o Linux Mint, a não ser o tema, ambiente gráfico e alguns pacotes diferenciados.

Prefiro Ubuntu, pois com ele tenho um sistema operacional completo. Dizem que a vantagem do Linux Mint é já vir com Flash e codecs, mas para ter isso no Ubuntu é tão fácil (na instalação basta clicar em um checkbox e pronto, mesmo depois é muito fácil instalar).

Além disto, o gerenciador de aplicativos do Linux Mint não permite visualizar aplicações da loja do Ubuntu. Só isso já é o suficiente para não usar o Linux Mint.

[7] Comentário enviado por kennerc em 26/02/2015 - 09:58h


Confesso que até o momento ainda não testei o Linux Mint, mas se está em primeiro lugar no distrowatch certamente não é à toa.

Comecei com linux em 2009, usava Ubuntu em um computador sem acesso à internet e uma placa de vídeo SIS (imaginem rs) mas apesar de todas as dificuldades e lutas com o sistema soube reconhecer os seus méritos. Pouco temo depois testei o windows 7 e acabei ficando com ele. Em 2012 resolvi ver como as coisas estava acontecendo no mundo do pinguim, e com um conhecimento de informática maior, e acesso à internet, fiquei muito contente com o que vi.

Usei Ubuntu 12.04 em seu lançamento e fiquei com ele um bom tempo, na época do lançamento do 13.04 já tinha me informado melhor sobre a filosofia do open source, e confesso que já me encontrava um pouco desconfiado com o rumo que a Canonical estava dando para o sistema. Na época até pensei em ir para o LM, porém resolvi ir pra "cima" e fui de Debian.

O tempo com o sistema me ajudou a entender bem melhor como o sistema funcionava e ai começou a crise de distro, queria ver como funcionavam os tipos diferentes de empacotamento e a filosofia das outras distros.

A cerca de duas semanas acredito que minha crise de distro tenha chegado ao fim, testei um tal de "Manjaro" distro independente (assim como o LM) e baseada no Arch Linux (distribuição que queria testar mas não tenho tempo/coragem para fazer a instalação) e acredito muito no potencial dessa distro, diria que ela é tão "plug and play" como acredito que o linux mint seja, só precisei recorrer ao terminal para alterar o fstab, e confesso que a distro está me impressionando pela vastidão de seu repositório (sem contar o AUR) e sua estabilidade, mesmo sendo rolling release.

Ela com pouco tempo no mercado ocupa a 15ª posição do distro watch e acredito que com o lançamento "oficial" da distro ela venha a entrar facilmente no top 10.

[8] Comentário enviado por jprrezende em 26/02/2015 - 10:16h

Desde que comecei a usar Linux a quatro anos uso Debian, tive poucos problemas com ele, sinceramente acho ele muito fácil de usar. Minha esposa usa Linux Mint pois realmente acho que ele é mais fácil de usar que Debian. Mas pra mim, Debian é até hoje o mais sólido Linux que já usei. Uso o RedHat na empresa, também muito sólido entretanto muito "formal". Acho que o importante é ser Linux... sempre!!! Viva o Linux!

[9] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 11:05h


[1] Comentário enviado por clodoaldops em 25/02/2015 - 14:38h

"Sou usuário doméstico de Linux e quero facilidade. De preferência, ligar o computador e usar, sem ter que configurar nada. "
Esse cara, sou eu! rsrsrsrsrs...
Uso LM desde 2009, comecei com LM7-Gloria. E instalei todas as versões lançadas. E a tual versão 17/17.1 é a melhor que já usei!
Até minha esposa se rendeu ao LM-17-MATE deixou o W7 há mais de 6 meses!
Gostei do artigo!




Valeu! Acho que pensamos parecido! :D

[10] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 11:05h


[2] Comentário enviado por millemiglia em 25/02/2015 - 16:38h

Durante muito tempo fui usuário do Ubuntu. Isso desde que decidi deixar o Linux como sistema operacional único no meu notebook. Comecei com o 8.10 e fui atualizando até o 14.04. Mas eis que aconteceu algo ao fazer uma atualização de programas e o sistema ficou instável. Resolvi então tentar outras distros base Debian/Ubuntu e instalei o PinguyOS. Achei legal e fácil de usar pois já vem com Flash e Java instalados (como o Mint), várias extensões do Firefox também já vem instaladas (algumas eu acabei desinstalando) mas não gostei do ambiente gráfico padrão (Pantheon). Ok, eu sei que dá para mudar e instalei o XFCE, o Enlightenment e o OpenBox. Me dei melhor com o XFCE e até tentei instalar o Gnome-Shell mas não consegui pois sempre dava erro na instalação. Outra coisa irritante é que cada vez que entrava no Pinguy eu tinha que configurar meu teclado. Depois de um mês usando o PinguyOS resolvi testar outra distro e a escolhida foi o ElementaryOS Freya que logo foi atualizado para o ElementaryOS Luna. Mesmo caso do PinguyOS. Vem com muita coisa instalada, Flash e Java já disponíveis mas novamente o problema do teclado que tinha que ser reconfigurado a cada inicialização. Fiquei umas duas semanas usando o Elementary e resolvi instalar o Linux Mint. Não sou muito fã do ambiente MATE mas foi essa versão que eu instalei e estava usando tranquilamente quando deu pau no chipset de vídeo do notebook. Gostei do Mint, sua facilidade de uso e de atualização, o ambiente gráfico enxuto. Como não consegui consertar o notebook (muito velho, já tem uns 4 anos de uso) eu estou usando o meu notebook estepe (mais velho ainda pois é um Sony Vaio VGN-FJ270, Pentium Centrino de 1,73GHz, 1,5GHz RAM e 160GB HDD) que está rodando Slackware 14.1 com XFCE. Posso dizer que voltei às origens pois a primeira distro que experimentei - há 15 anos atrás - foi a WinLinux 2000 que rodava em partição FAT32 e era baseada no Slackware 7.0. Sempre gostei do Slackware por sua simplicidade e seu jeito mais Unix que as demais distros e acho que dificilmente vou voltar ao Ubuntu e/ou MInt. Meu Slack está funcionando redondinho e reconheceu todo o meu hardware sem qualquer problema. Já faz uns três meses que estou usando o Slack e já me adaptei ao seu esquema de pacotes e instalação de programas/atualizações.


Slackware é mesmo muito boa! Abraço!

[11] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 11:10h


[3] Comentário enviado por smkbarbosa em 25/02/2015 - 20:17h

Eu estava em busca de uma distro mais estável que o Ubuntu. Nem mexo muito com customização, mais o ubuntu tava dando umas engasgadas feias comigo, então tava de notebook novo, pesquisei uma distro pra ficar um bom tempo nele, escolhi o Mint e não me arrependo.
Já tenho 2 pcs com mint e 1 com elementary Os.
E assim vamos vivendo :)


Tbm acho o Elementary muito bom! O ambiente gráfico é o melhor! Abraç

[12] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 11:11h


[4] Comentário enviado por hags em 25/02/2015 - 20:41h

Usei diversas disitribuições em um bocado de computadores. Eu uso linux como profissional e uso doméstico. Como profissional prefiro o Cent OS para servidores. Mas como usuário doméstico, o Mint é imbativel. Uso Mint com Mate em todos os computadores e notebooks que tenho em casa. Até meus filhos, com o advento da Steam Linux, estão migrando para o Mint e deixando o Windows de lado. A praticidade, a enorme gama de ajustes automáticos do Mint me conquistaram. Instalei o mint 17.1 nos computadores e não tive que fazer nenhuma alteração, apesar de usar uma placa de rede Wireless que é dificil de ser encontrada, Uso linux desde 1995, com o Slackware 0.96.Também trabalho profissionalmente com hp-ux e solaris.
Atenciosamente,

Hélio.




Verdade! para usuário doméstico, o Linux Mint se destaca! para uso profissional, creio que essas que vc citou sejam as ideais.

[13] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 11:13h


[5] Comentário enviado por luizcarlos18rj em 26/02/2015 - 08:01h

Conheci o Linux em 2010 quando começei a trabalhar com T.I num lugar onde os servidores eram Linux e as estações de trabalho eram XP / Win 7, na época fiquei perdido com aqueles nomes difíceis como "samba", "apache", "Mysql", etc e aquela tela preta então de terminal, tô fora! Pra mim era como usar o Win7-Ultimate pelo MS-DOS ( kkkk, santa ignorância... )

Aí então em casa eu comecei com ubuntu, achei a transição light, pois era muito intuitiva, no início achei difícil acostumar com o "menu lá em cima", e não tinha "Crtl+alt+del" e pra instalar programas então? Tinha a central de aplicativos, mas e quando achava algo que tava num tal de "pacote.tar.gz", que inferno! Também quando copiava arquivos de outro dispositivo, dava erro que eu não era dono do arquivo ( claro que era, o arquivo era meu! kkkk )

Com o tempo correndo atrás de google ( sem saber inglês, foi difícil... ) e fazendo um curso formal de linux ( pago pelo trabalho) foi que as coisas se esclareceram um pouco mais.

Nisso uso ubuntu até hj, a cada lançamento, vejo a correção de erros e outros novos ( mas poucos ), só que tb entrei em contato com outras distros como Suse Linux ( SLES e SLED ), kurumin, Biglinux, Debian, Kalango Linux, e finalmente o Linux Mint.

Achei incrível o mint, só instalar e usar ( quase um "pulg and play", rss ), e não sei se foi impressão minha, mas a navegação na internt com ele ( resposta do navegador as solicitações ), foi a mais rápida que conheci, nãos ei pq, e tem tb a compatibilidade com hardware, eu ficava de saco cheio como o amigo disse fazer milhares de gambiarras com tutoriais pra botar uma webcam, modem, scanner ou impressora pra funcionar.

Gosto do ubuntu, mas quando instalo S.O para amigos parentes, uso o mint, pq sei que ele vai me dar a menor faxina possível, antes quando "formatava" e reinstalava o XP / 7 não dava 2 semanas já me ligavam ( 0800 ) para eu ter todo aquele trabalho de novo pq o pc tava com baidu, yahoo toolbar, fast pc starter, mcafee internet scanner etc, aí mudei de "atitude" ( todo "carinha de computador" sabe com amigos e família exploram" ) e disse que só ia mexer se eu trocasse o S.O para Linux, os que não concordaram, ficaram sem ajuda, os que aceitaram instalava o mint e o resto vcs já sabem: 0 de problemas, ainda mais que usuários leigos quase não instalam aplicatios, é mais pra ficar em facebook ( a a algum tempo atrás orkut ) mesmo.




para usuários em fase de transição, nada melhor que Linux Mint, né? Hehehe. Abraço!

[14] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 11:15h


[6] Comentário enviado por bilufe em 26/02/2015 - 08:43h

Sinceramente, não vejo muita diferença entre o Ubuntu e o Linux Mint, a não ser o tema, ambiente gráfico e alguns pacotes diferenciados.

Prefiro Ubuntu, pois com ele tenho um sistema operacional completo. Dizem que a vantagem do Linux Mint é já vir com Flash e codecs, mas para ter isso no Ubuntu é tão fácil (na instalação basta clicar em um checkbox e pronto, mesmo depois é muito fácil instalar).

Além disto, o gerenciador de aplicativos do Linux Mint não permite visualizar aplicações da loja do Ubuntu. Só isso já é o suficiente para não usar o Linux Mint.


Bilufe! Grande usuário adepto do Ubuntu! :)

Não são tão diferentes, é verdade! Mesmo assim eu prefiro o Mint, mesmo que as diferenças sejam poucas. Abraço!

[15] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 11:23h


[7] Comentário enviado por kennerc em 26/02/2015 - 09:58h


Confesso que até o momento ainda não testei o Linux Mint, mas se está em primeiro lugar no distrowatch certamente não é à toa.

Comecei com linux em 2009, usava Ubuntu em um computador sem acesso à internet e uma placa de vídeo SIS (imaginem rs) mas apesar de todas as dificuldades e lutas com o sistema soube reconhecer os seus méritos. Pouco temo depois testei o windows 7 e acabei ficando com ele. Em 2012 resolvi ver como as coisas estava acontecendo no mundo do pinguim, e com um conhecimento de informática maior, e acesso à internet, fiquei muito contente com o que vi.

Usei Ubuntu 12.04 em seu lançamento e fiquei com ele um bom tempo, na época do lançamento do 13.04 já tinha me informado melhor sobre a filosofia do open source, e confesso que já me encontrava um pouco desconfiado com o rumo que a Canonical estava dando para o sistema. Na época até pensei em ir para o LM, porém resolvi ir pra "cima" e fui de Debian.

O tempo com o sistema me ajudou a entender bem melhor como o sistema funcionava e ai começou a crise de distro, queria ver como funcionavam os tipos diferentes de empacotamento e a filosofia das outras distros.

A cerca de duas semanas acredito que minha crise de distro tenha chegado ao fim, testei um tal de "Manjaro" distro independente (assim como o LM) e baseada no Arch Linux (distribuição que queria testar mas não tenho tempo/coragem para fazer a instalação) e acredito muito no potencial dessa distro, diria que ela é tão "plug and play" como acredito que o linux mint seja, só precisei recorrer ao terminal para alterar o fstab, e confesso que a distro está me impressionando pela vastidão de seu repositório (sem contar o AUR) e sua estabilidade, mesmo sendo rolling release.

Ela com pouco tempo no mercado ocupa a 15ª posição do distro watch e acredito que com o lançamento "oficial" da distro ela venha a entrar facilmente no top 10.


Legal! Ainda não usei Manjaro (se cheguei a instalar alguma vez, não lembro), mas como é baseada em Arch Linux, deve ser muito boa mesmo! Abraço!

[16] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 11:24h


[8] Comentário enviado por jprrezende em 26/02/2015 - 10:16h

Desde que comecei a usar Linux a quatro anos uso Debian, tive poucos problemas com ele, sinceramente acho ele muito fácil de usar. Minha esposa usa Linux Mint pois realmente acho que ele é mais fácil de usar que Debian. Mas pra mim, Debian é até hoje o mais sólido Linux que já usei. Uso o RedHat na empresa, também muito sólido entretanto muito "formal". Acho que o importante é ser Linux... sempre!!! Viva o Linux!


Tem razão, o importante é ser Linux! E se não existisse Debian, também não existiria Ubuntu nem Linux Mint! Abraço!

[17] Comentário enviado por Lisandro em 26/02/2015 - 14:31h


É exatamente o que eu penso Xerxes. Acrescentaria ainda que para tudo que o Mint tem ele é muito leve.

[18] Comentário enviado por SpoooK em 26/02/2015 - 15:20h


Me identifiquei nesse email ai xerxes :P


[19] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 21:27h


[17] Comentário enviado por LisandroGuerra em 26/02/2015 - 14:31h


É exatamente o que eu penso Xerxes. Acrescentaria ainda que para tudo que o Mint tem ele é muito leve.


Tbm acho muito leve, principalmente com o ambiente MATE. :)

[20] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 21:27h


[18] Comentário enviado por SpoooK em 26/02/2015 - 15:20h


Me identifiquei nesse email ai xerxes :P



Hueahueahuea! Vc me rendeu um artigo, man! Abraço!

[21] Comentário enviado por lucioz em 27/02/2015 - 06:19h

xerxeslins achei ótima sua explicação o porque usar linux mint concordo plenamente, para mim uma distro atual tem que instalar e já sei com o básico para usar nada de fica procurando drivers e scripts, eu uso linux desde o finado kurumim e conectiva linux, em 2004 baixei o live cd, nunca tinha ouvido falar disso um so pronto para usar em um cd, e dei boot num pc rodando windows xp AMD semprom de 500 MHZ, incrível reconheceu tudo, até o fax-modem(é em 2004 eu ainda não tinha banda larga pois era muito cara) mas resolvi não instalar ele como sistema já que meus conhecimentos em informática na época eram bem limitados. Então chegou windows 7 eu fiquei satisfeito com estabilidade do sistema e maior segurança, claro que já estava com um pc mais moderno e com banda larga, mas algo ainda me encomoda no mundo do software convencional o preço abusivo cobrado para as licenças ai tinha que recorrer a pirataria, e com isso pode vir de tudo que é código malicioso embutido no executável do windows. ai em 2009 entrei no site guia do hardware para saber das novidades do pinguim infelizmente vi que o kurumim tinha parado na versão 7, busquei e achei ubuntu instalei a versão 12 a primeira com unity, achei bastante instavel, não se o pq ele não reconheceu minha placa de vídeo, ai eu decide manter um dual-boot com windows 7, tentei outras distros, elementary os luna, opensusse, open solares, zorin os 9, e conheci o mint no começo achei muito simples a interface cinnamon mas bastente competente, diferente da gnome que não me adpto a que modelo que me lembra o wondows 8 eca, o kde é bonito mas tem algumas features que não curto e acho que complica um pouco, então baixei a versão 17.1 com mate. achei muito rápida e estavél sem aqueles efeitos exagerados do kde 4 e não tão simples como cinammon, aprendi instala minha placa de video pelo terminal pronto agora posso até jogar nele com wine alguns jogos. a unica coisa que acho que ele herdou de chato do unbutu é a instalação somente conectado a internet em todo o resto ele superou!

[22] Comentário enviado por xerxeslins em 27/02/2015 - 09:00h


[21] Comentário enviado por lucioz em 27/02/2015 - 06:19h

xerxeslins achei ótima sua explicação o porque usar linux mint concordo plenamente, para mim uma distro atual tem que instalar e já sei com o básico para usar nada de fica procurando drivers e scripts, eu uso linux desde o finado kurumim e conectiva linux, em 2004 baixei o live cd, nunca tinha ouvido falar disso um so pronto para usar em um cd, e dei boot num pc rodando windows xp AMD semprom de 500 MHZ, incrível reconheceu tudo, até o fax-modem(é em 2004 eu ainda não tinha banda larga pois era muito cara) mas resolvi não instalar ele como sistema já que meus conhecimentos em informática na época eram bem limitados. Então chegou windows 7 eu fiquei satisfeito com estabilidade do sistema e maior segurança, claro que já estava com um pc mais moderno e com banda larga, mas algo ainda me encomoda no mundo do software convencional o preço abusivo cobrado para as licenças ai tinha que recorrer a pirataria, e com isso pode vir de tudo que é código malicioso embutido no executável do windows. ai em 2009 entrei no site guia do hardware para saber das novidades do pinguim infelizmente vi que o kurumim tinha parado na versão 7, busquei e achei ubuntu instalei a versão 12 a primeira com unity, achei bastante instavel, não se o pq ele não reconheceu minha placa de vídeo, ai eu decide manter um dual-boot com windows 7, tentei outras distros, elementary os luna, opensusse, open solares, zorin os 9, e conheci o mint no começo achei muito simples a interface cinnamon mas bastente competente, diferente da gnome que não me adpto a que modelo que me lembra o wondows 8 eca, o kde é bonito mas tem algumas features que não curto e acho que complica um pouco, então baixei a versão 17.1 com mate. achei muito rápida e estavél sem aqueles efeitos exagerados do kde 4 e não tão simples como cinammon, aprendi instala minha placa de video pelo terminal pronto agora posso até jogar nele com wine alguns jogos. a unica coisa que acho que ele herdou de chato do unbutu é a instalação somente conectado a internet em todo o resto ele superou!


Legal! Mas eu acho que dá para instalar o Linux Mint sem Internet, hein? Se não me engano tem uma opção para não conectar agora.

Abraço!

[23] Comentário enviado por raulgrangeiro em 27/02/2015 - 09:53h

Xerxes, entendo o que você quis dizer neste artigo. Muitas pessoas acham que com o passar do tempo usando Linux temos que usar distros mais "complicadas", mas isso é um engano total. Eu parei de usar Ubuntu pelo fato dele estar pesado demais e eu não acostumar com Unity. A melhor versão em minha opinião foi 10.04 LTS. Depois fui para Linux Mint e saí devido ao Cinnamon estar no início e mudar muito de uma versão para outra.

Mas você pode dizer: mas você está usando uma mais complicada, o Fedora, o que vc entende de facilidade? Pra mim é simples a resposta: o Fedora 21, minha atual distro, possui os mesmos softwares do Ubuntu 10.04 LTS que usei por 2 anos, mas em suas versões mais novas. É incrível isto, 95% dos softwares pré-instalados no Fedora são os antigo Ubuntu, e isso economiza meu tempo: instalo o sistema, atualizo, uso easyLife e pronto: pode usar. O gerenciador de pacotes, YUM, pra mim é facílimo de usar, até se der problemas nos repositórios eu acho tranquilo arrumar, pois é muito organizado. Resumindo, eu uso hoje esta distro pelo mesmo motivo de você usar Linux Mint: facilidade e praticidade. Não quero mais ficar configurando o sistema, quero usá-lo.

Parabéns pelo artigo. Deus o abençoe! Um abraço!

Creia no Senhor Jesus Cristo e serás salvo!

[24] Comentário enviado por clodoaldops em 27/02/2015 - 09:58h


Já instalei LM.mate sem internet. Único problema que notei foi não fixar 100% em pt.br .

[25] Comentário enviado por bilufe em 27/02/2015 - 11:09h


[14] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 11:15h


[6] Comentário enviado por bilufe em 26/02/2015 - 08:43h

Sinceramente, não vejo muita diferença entre o Ubuntu e o Linux Mint, a não ser o tema, ambiente gráfico e alguns pacotes diferenciados.

Prefiro Ubuntu, pois com ele tenho um sistema operacional completo. Dizem que a vantagem do Linux Mint é já vir com Flash e codecs, mas para ter isso no Ubuntu é tão fácil (na instalação basta clicar em um checkbox e pronto, mesmo depois é muito fácil instalar).

Além disto, o gerenciador de aplicativos do Linux Mint não permite visualizar aplicações da loja do Ubuntu. Só isso já é o suficiente para não usar o Linux Mint.

Bilufe! Grande usuário adepto do Ubuntu! :)

Não são tão diferentes, é verdade! Mesmo assim eu prefiro o Mint, mesmo que as diferenças sejam poucas. Abraço!


Confesso que já usei o Linux Mint e gostava de utilizá-lo, se um dia eu quiser uma distribuição com Mate Desktop eu vou de Linux Mint. Faço alguns ajustes para instalar o Ubuntu Software Center e pronto.

O Ubuntu, quando o conheci, odiei-o. Tanto é que parti para seus derivados que acabam por me oferecer algo mais completo e mais fácil de usar, o Biglinux foi um desses filhos do (K)ubuntu que utilizei.

Ainda acho o Ubuntu muito falho, acho que deveria surgir alguma empresa para lançar uma distribuição para o usuário mesmo... e não para os gostos do seu criador!

[26] Comentário enviado por xerxeslins em 27/02/2015 - 12:50h


[23] Comentário enviado por raulgrangeiro em 27/02/2015 - 09:53h

Xerxes, entendo o que você quis dizer neste artigo. Muitas pessoas acham que com o passar do tempo usando Linux temos que usar distros mais "complicadas", mas isso é um engano total. Eu parei de usar Ubuntu pelo fato dele estar pesado demais e eu não acostumar com Unity. A melhor versão em minha opinião foi 10.04 LTS. Depois fui para Linux Mint e saí devido ao Cinnamon estar no início e mudar muito de uma versão para outra.

Mas você pode dizer: mas você está usando uma mais complicada, o Fedora, o que vc entende de facilidade? Pra mim é simples a resposta: o Fedora 21, minha atual distro, possui os mesmos softwares do Ubuntu 10.04 LTS que usei por 2 anos, mas em suas versões mais novas. É incrível isto, 95% dos softwares pré-instalados no Fedora são os antigo Ubuntu, e isso economiza meu tempo: instalo o sistema, atualizo, uso easyLife e pronto: pode usar. O gerenciador de pacotes, YUM, pra mim é facílimo de usar, até se der problemas nos repositórios eu acho tranquilo arrumar, pois é muito organizado. Resumindo, eu uso hoje esta distro pelo mesmo motivo de você usar Linux Mint: facilidade e praticidade. Não quero mais ficar configurando o sistema, quero usá-lo.

Parabéns pelo artigo. Deus o abençoe! Um abraço!

Creia no Senhor Jesus Cristo e serás salvo!


Fedora é muito boa! Principalmente para quem gosta de ter os programas mais novos e atualizados! Além do EasyLife tem também o Fedy:

https://satya164.github.io/fedy/

Abraço!

[27] Comentário enviado por xerxeslins em 27/02/2015 - 12:51h


[24] Comentário enviado por clodoaldops em 27/02/2015 - 09:58h


Já instalei LM.mate sem internet. Único problema que notei foi não fixar 100% em pt.br .


Sim... aí precisa da internet para baixar o idioma completo. É isso mesmo.

[28] Comentário enviado por xerxeslins em 27/02/2015 - 12:52h


[25] Comentário enviado por bilufe em 27/02/2015 - 11:09h


[14] Comentário enviado por xerxeslins em 26/02/2015 - 11:15h


[6] Comentário enviado por bilufe em 26/02/2015 - 08:43h

Sinceramente, não vejo muita diferença entre o Ubuntu e o Linux Mint, a não ser o tema, ambiente gráfico e alguns pacotes diferenciados.

Prefiro Ubuntu, pois com ele tenho um sistema operacional completo. Dizem que a vantagem do Linux Mint é já vir com Flash e codecs, mas para ter isso no Ubuntu é tão fácil (na instalação basta clicar em um checkbox e pronto, mesmo depois é muito fácil instalar).

Além disto, o gerenciador de aplicativos do Linux Mint não permite visualizar aplicações da loja do Ubuntu. Só isso já é o suficiente para não usar o Linux Mint.

Bilufe! Grande usuário adepto do Ubuntu! :)

Não são tão diferentes, é verdade! Mesmo assim eu prefiro o Mint, mesmo que as diferenças sejam poucas. Abraço!

Confesso que já usei o Linux Mint e gostava de utilizá-lo, se um dia eu quiser uma distribuição com Mate Desktop eu vou de Linux Mint. Faço alguns ajustes para instalar o Ubuntu Software Center e pronto.

O Ubuntu, quando o conheci, odiei-o. Tanto é que parti para seus derivados que acabam por me oferecer algo mais completo e mais fácil de usar, o Biglinux foi um desses filhos do (K)ubuntu que utilizei.

Ainda acho o Ubuntu muito falho, acho que deveria surgir alguma empresa para lançar uma distribuição para o usuário mesmo... e não para os gostos do seu criador!


Interessante!

Eu mandei para espera uma dica sobre como instalar o Software Center no Linux Mint. Uma gambiarra... hahaha mas é o jeito. Se não, vai de Ubuntu mesmo.

Abraço.

[29] Comentário enviado por izaias em 27/02/2015 - 13:58h

O Mint é minha indicação pro usuário iniciante.
Hoje o Mint é porta de entrada pro Linux. E um tempo atrás era o Ubuntu.

O usuário quer instalar e usar, e chato pra aprender/pesquisar, quer o mínimo de trabalho possível.
Antes começava-se com Ubuntu. Hoje, com Mint. A equipe apostou na tradicionalidade e se deu bem!

Confesse, Xerxes! Quanto você está ganhando da equipe do Linux Mint pra divulga-lo assim?

[30] Comentário enviado por Felipeigor em 27/02/2015 - 14:14h

Comecei com Satux em 2008 ai conheci o Ubuntu , depois de um tempo instalei o Kurumin e o Slackware com Kde e mudei pro Gnome 2 não sabia nem o que fazer kkkkk ai voltei pro Ubuntu. Depois de umas gambiarras consegui fazer aquela maldita placa SIS funcionar, fiquei com ubuntu até 2012 quando conheci o Linux Mint , usei ele por um tempo e comecei a testar outras distros como Manjaro , Slack, Suse, Arch ,PcBSD , FreeBSD, Debian só instalei e nem cheguei a usar , Sabayon deu erro na instalação rs, tive umas recaídas e instalei o Rwindows pra testar alguns jogos, depois de umas tentativas sem sucesso de instalar o Gentoo vc me apresentou o Funtoo e um ótimo Artigo, já fiz umas 2 reinstalações mas não o troco por nenhuma distro,instalei tudo o que eu precisava e configurei agora a unica coisa que preciso fazer é um emerge --sync e um emerge -auND @world diário e pronto :) .
Muito bom Artigo xerxes.
Abraço.

Igor Felipe
Cadastrado desde: 25/09/2009

[b]If it moves , compile it.[/b]

[31] Comentário enviado por xerxeslins em 27/02/2015 - 15:38h


[29] Comentário enviado por izaias em 27/02/2015 - 13:58h

O Mint é minha indicação pro usuário iniciante.
Hoje o Mint é porta de entrada pro Linux. E um tempo atrás era o Ubuntu.

O usuário quer instalar e usar, e chato pra aprender/pesquisar, quer o mínimo de trabalho possível.
Antes começava-se com Ubuntu. Hoje, com Mint. A equipe apostou na tradicionalidade e se deu bem!

Confesse, Xerxes! Quanto você está ganhando da equipe do Linux Mint pra divulga-lo assim?




concordo com vc, eu recomendo o Mint como porta de entrada.

Quanto estou ganhando? Izaias! Huehauhea!

[32] Comentário enviado por xerxeslins em 27/02/2015 - 15:40h


[30] Comentário enviado por Felipeigor em 27/02/2015 - 14:14h

Comecei com Satux em 2008 ai conheci o Ubuntu , depois de um tempo instalei o Kurumin e o Slackware com Kde e mudei pro Gnome 2 não sabia nem o que fazer kkkkk ai voltei pro Ubuntu. Depois de umas gambiarras consegui fazer aquela maldita placa SIS funcionar, fiquei com ubuntu até 2012 quando conheci o Linux Mint , usei ele por um tempo e comecei a testar outras distros como Manjaro , Slack, Suse, Arch ,PcBSD , FreeBSD, Debian só instalei e nem cheguei a usar , Sabayon deu erro na instalação rs, tive umas recaídas e instalei o Rwindows pra testar alguns jogos, depois de umas tentativas sem sucesso de instalar o Gentoo vc me apresentou o Funtoo e um ótimo Artigo, já fiz umas 2 reinstalações mas não o troco por nenhuma distro,instalei tudo o que eu precisava e configurei agora a unica coisa que preciso fazer é um emerge --sync e um emerge -auND @world diário e pronto :) .
Muito bom Artigo xerxes.
Abraço.

Igor Felipe
Cadastrado desde: 25/09/2009

[b]If it moves , compile it.[/b]


Funtoo tem o melhor desempenho!!! Muito boa mesmo. Mas estou sem paciência para fazer todo processo -__-
quem sabe um dia!

Abraço!

[33] Comentário enviado por sansimon em 27/02/2015 - 16:35h


O Linux Mint é uma Distro não apenas para iniciantes , mais principalmente para usuários pragmáticos.

saudações a todos.

[34] Comentário enviado por clodoaldops em 27/02/2015 - 19:54h

Gostei do pragmático!
Esse cara sou eu !

[35] Comentário enviado por xerxeslins em 27/02/2015 - 20:11h


[33] Comentário enviado por sansimon em 27/02/2015 - 16:35h


O Linux Mint é uma Distro não apenas para iniciantes , mais principalmente para usuários pragmáticos.

saudações a todos.


Concordo e assino em baixo.

[36] Comentário enviado por ru4n em 27/02/2015 - 23:44h

Nunca usei o Mint e suas ferramentas facilitadoras; talvez por falta de interesse. Mas não descarto o seu papel importante que ele exerce para os usuários recém chegados do Windows. Uma distro que vem pronta, sem precisar instalar plugins para mais nada, é um prato cheio para qualquer um! Sem falar no ambiente Cinnamon (que nunca usei :^P); simples, fácil de mexer pois é parecido com o ambiente do (R)Windows, enfim, assim o usuário iniciante não tem nenhuma dificuldade em se adaptar.
-----------------------------------------------------------------------------
[i]Uma vida não questionada não merece ser vivida - Platão[/i]

[37] Comentário enviado por malvescardoso em 28/02/2015 - 11:27h


Olá, Xerxes! Meu nome é Marcelo Alves e sou um dos administradores do Fórum Linux Mint Brasil. Gostei bastante de seu depoimento (posso considerar como depoimento, né?). De fato, na atualidade, difícil é encontrar uma distro mais adequada ao iniciante em Linux. Por isso mesmo, o Linux Mint vem se destacando tanto e ganhando a cada dia mais usuários. Reflexo disso é a quantidade de usuários registrados em nossa página e o número diário de novos cadastros.

Não encontrei seu registro (pelo menos não como "xerxeslins") em nossa lista de usuários. Então, fica o convite: venha fazer parte de nossa comunidade! Alguém com sua experiência ajudaria bastante! De antemão, seja muito bem-vindo!

Parabéns pelo artigo!

[38] Comentário enviado por xerxeslins em 28/02/2015 - 14:01h


[36] Comentário enviado por ru4n em 27/02/2015 - 23:44h

Nunca usei o Mint e suas ferramentas facilitadoras; talvez por falta de interesse. Mas não descarto o seu papel importante que ele exerce para os usuários recém chegados do Windows. Uma distro que vem pronta, sem precisar instalar plugins para mais nada, é um prato cheio para qualquer um! Sem falar no ambiente Cinnamon (que nunca usei :^P); simples, fácil de mexer pois é parecido com o ambiente do (R)Windows, enfim, assim o usuário iniciante não tem nenhuma dificuldade em se adaptar.
-----------------------------------------------------------------------------
[i]Uma vida não questionada não merece ser vivida - Platão[/i]


Boa para usuários iniciantes, mas há usuários antigos que tbm gostam de facilidade! Mint é boa para quem quer praticidade independente do grau de experiência do usuário. É o que eu penso.

Abraço!

[39] Comentário enviado por xerxeslins em 28/02/2015 - 14:02h


[37] Comentário enviado por malvescardoso em 28/02/2015 - 11:27h


Olá, Xerxes! Meu nome é Marcelo Alves e sou um dos administradores do Fórum Linux Mint Brasil. Gostei bastante de seu depoimento (posso considerar como depoimento, né?). De fato, na atualidade, difícil é encontrar uma distro mais adequada ao iniciante em Linux. Por isso mesmo, o Linux Mint vem se destacando tanto e ganhando a cada dia mais usuários. Reflexo disso é a quantidade de usuários registrados em nossa página e o número diário de novos cadastros.

Não encontrei seu registro (pelo menos não como "xerxeslins") em nossa lista de usuários. Então, fica o convite: venha fazer parte de nossa comunidade! Alguém com sua experiência ajudaria bastante! De antemão, seja muito bem-vindo!

Parabéns pelo artigo!


Obrigado!

[40] Comentário enviado por sacioz em 28/02/2015 - 16:54h

Parabéns pelo artigo , e obrigado por aparecer e dar um pitaco ...-))

[41] Comentário enviado por xerxeslins em 28/02/2015 - 17:59h


[40] Comentário enviado por sacioz em 28/02/2015 - 16:54h

Parabéns pelo artigo , e obrigado por aparecer e dar um pitaco ...-))


Obrigado! :D

[42] Comentário enviado por ru4n em 28/02/2015 - 18:58h

Boa para usuários iniciantes, mas há usuários antigos que tbm gostam de facilidade! Mint é boa para quem quer praticidade independente do grau de experiência do usuário. É o que eu penso.


Sim, realmente é uma distro boa para qualquer tipo de usuário, independente do "grau" de experiência. Eu gosto de praticidade e é por isso que não largo o meu Slack, rs!

Acredito que praticidade advém da experiência e pelo costume do usuário à determinada ferramenta. É por isso que quem vem do Photoshop não consegue se adaptar ao GIMP, ou vice versa (logicamente esta regra não se aplica a todos os usuários).
-----------------------------------------------------------------------------
[i]Uma vida não questionada não merece ser vivida - Platão[/i]

[43] Comentário enviado por removido em 28/02/2015 - 21:07h


Boa noite,

Apesar de sugerir o Mint a turma "iniciante", não gosto desta distro. Acho feia, cansativa de se ver e mexer. Vou com bilufe, Ubuntu muito melhor, apesar de algumas gafes das versões não LTS.

Bom artigo!!

[44] Comentário enviado por spylinux em 01/03/2015 - 15:31h

Bom o artigo!
E como dito por alguns membros em outros comentários, hoje, o Manjaro Linux é tão fácil e prático quanto o LM, e na minha opinião, ainda acho o Manjaro mais rápido e estável que o Mint.
Ele reconhece mto bem o hardware, usa o excelente gerenciador de pacotes Octopi, então de forma fácil vc pode adicionar e remover programas sem digitar uma linha de código sequer, ou usar o completo "pacman" pra fazer o serviço.
Vale a pena, pra quem quer se aventurar com uma distro diferente, dar uma chance ao Manjaro, a comunidade tem crescido muito, o wiki do arch serve como base, é completíssimo, e tb tem a comunidade nacional em: http://www.manjaro-linux.com.br

Comunidade RPM-Linux: www.rpm-linux.com.br

[45] Comentário enviado por xerxeslins em 01/03/2015 - 20:25h


[44] Comentário enviado por spylinux em 01/03/2015 - 15:31h

Bom o artigo!
E como dito por alguns membros em outros comentários, hoje, o Manjaro Linux é tão fácil e prático quanto o LM, e na minha opinião, ainda acho o Manjaro mais rápido e estável que o Mint.
Ele reconhece mto bem o hardware, usa o excelente gerenciador de pacotes Octopi, então de forma fácil vc pode adicionar e remover programas sem digitar uma linha de código sequer, ou usar o completo "pacman" pra fazer o serviço.
Vale a pena, pra quem quer se aventurar com uma distro diferente, dar uma chance ao Manjaro, a comunidade tem crescido muito, o wiki do arch serve como base, é completíssimo, e tb tem a comunidade nacional em: http://www.manjaro-linux.com.br

Comunidade RPM-Linux: www.rpm-linux.com.br


Legal o manjaro ser uma forma de Arch Linux fácil! Mas realmente não sei se é mais estável que o Linux Mint... já que o Manjaro é rolling release. Normalmente isso significa que é mais atualizada, mas ao mesmo tempo menos estável. Mas nada que atrapalhe. Sobre velocidade, as duas são binárias, então acho que não deve ter diferença de velocidade significativa.

Abraço!

[46] Comentário enviado por visterine em 02/03/2015 - 00:51h

Tbm me encontrei com o Mint. Usabilidade e estabilidade.
Ótimo artigo.

[47] Comentário enviado por wpreztez em 03/03/2015 - 09:27h


Muito bom e esclarecedor os comentarios, sou usuario de win7 migrando para o linux, tentando enserir pra familia toda, mas to com dificuldades de achar uma distrubuição, pelos comentarios vou instalar o mint, gostaria de aprender back track.

[48] Comentário enviado por xerxeslins em 03/03/2015 - 09:50h


[46] Comentário enviado por visterine em 02/03/2015 - 00:51h

Tbm me encontrei com o Mint. Usabilidade e estabilidade.
Ótimo artigo.


Obrigado. Concordo! Está muito estável.

[49] Comentário enviado por xerxeslins em 03/03/2015 - 09:51h


[47] Comentário enviado por wpreztez em 03/03/2015 - 09:27h


Muito bom e esclarecedor os comentarios, sou usuario de win7 migrando para o linux, tentando inserir pra familia toda, mas to com dificuldades de achar uma distribuição, pelos comentarios vou instalar o mint, gostaria de aprender back track.


Legal, hein! Mas mudar a família inteira eu acho complicado! DIfícil! Abraço!!

[50] Comentário enviado por TechBeg em 04/03/2015 - 19:45h

Estou a usar o Backtrack, bem ainda estou me famializando com ele, gosto dele pois posso ter diversas ferramentas do meu lado.

Um abraço

[51] Comentário enviado por ru4n em 06/03/2015 - 09:14h

@xerxeslins,

Me equivoquei em meus últimos comentários, quis dizer que tanto o usuário iniciante quanto o usuário experiente vai se dar bem com o Mint! Não seria exclusividade para usuários recém chegados do Windows, porém não deixa de ser a melhor opção para estes.

Estou usando o Mint 17 Cinnamon no Notebook (resolvi testar após ler o seu artigo), e achei muito bonito, atraente, e vem mais completo que o Ubuntu.

Admiro - bem como você disse no Artigo - as mesmas distribuições que você citou, tenho um grande respeito ao Slackware pois foi nesta distribuição onde aprendi realmente Linux. Hoje, assim como você, também anseio pelas facilidades e pela praticidade em instalar/configurar apps sem se importar com compilações e dependências de pacote. Até hoje ainda acho um erro o Patrick Volkerding ser o único mantedor da distribuição, isso não é nada prático e como infelizmente ocorreu em 2004, Patrick teve um problema sério com a sua saúde e o Slackware quase que fechou as portas! Em minha humilde opinião - não quero causar atrito com os usuários slackers - acho que o Slackware não vai durar muito tempo SE continuar nesta situação, pois sabemos que o corpo humano não é eterno e o principal mantedor da distro já tem lá seus 60 anos de idade. Realmente não sei o que vai ser do Slackware quando Patrick - "O Cara" - deixar a Terra. :^P

Outro ponto negativo em se ter apenas 1 mantedor são as suas decisões. Não sou muito fã do GNOME, mas não me convenci a atitude do Patrick em removê-lo da distribuição em 2005. Querendo ou não, o GNOME é adorado por muitos usuários, e o Slack é a única distro onde não oferece pacotes úteis para instalar este D.E.

Enfim, estes são os pontos negativos que eu vejo no Slackware, por isso fiquei alguns meses no Arch e depois resolvi estacionar no Ubuntu. Até então nunca tinha testado o Mint, mas agora ele é a minha segunda opção graças ao seu Artigo! :^D
-----------------------------------------------------------------------------
[i]Uma vida não questionada não merece ser vivida - Platão[/i]

[52] Comentário enviado por xerxeslins em 06/03/2015 - 11:43h


[51] Comentário enviado por ru4n em 06/03/2015 - 09:14h

@xerxeslins,

Me equivoquei em meus últimos comentários, quis dizer que tanto o usuário iniciante quanto o usuário experiente vai se dar bem com o Mint! Não seria exclusividade para usuários recém chegados do Windows, porém não deixa de ser a melhor opção para estes.

Estou usando o Mint 17 Cinnamon no Notebook (resolvi testar após ler o seu artigo), e achei muito bonito, atraente, e vem mais completo que o Ubuntu.

Admiro - bem como você disse no Artigo - as mesmas distribuições que você citou, tenho um grande respeito ao Slackware pois foi nesta distribuição onde aprendi realmente Linux. Hoje, assim como você, também anseio pelas facilidades e pela praticidade em instalar/configurar apps sem se importar com compilações e dependências de pacote. Até hoje ainda acho um erro o Patrick Volkerding ser o único mantedor da distribuição, isso não é nada prático e como infelizmente ocorreu em 2004, Patrick teve um problema sério com a sua saúde e o Slackware quase que fechou as portas! Em minha humilde opinião - não quero causar atrito com os usuários slackers - acho que o Slackware não vai durar muito tempo SE continuar nesta situação, pois sabemos que o corpo humano não é eterno e o principal mantedor da distro já tem lá seus 60 anos de idade. Realmente não sei o que vai ser do Slackware quando Patrick - "O Cara" - deixar a Terra. :^P

Outro ponto negativo em se ter apenas 1 mantedor são as suas decisões. Não sou muito fã do GNOME, mas não me convenci a atitude do Patrick em removê-lo da distribuição em 2005. Querendo ou não, o GNOME é adorado por muitos usuários, e o Slack é a única distro onde não oferece pacotes úteis para instalar este D.E.

Enfim, estes são os pontos negativos que eu vejo no Slackware, por isso fiquei alguns meses no Arch e depois resolvi estacionar no Ubuntu. Até então nunca tinha testado o Mint, mas agora ele é a minha segunda opção graças ao seu Artigo! :^D
-----------------------------------------------------------------------------
[i]Uma vida não questionada não merece ser vivida - Platão[/i]


Slackware! Concordo com vc! Assim que possível irei particionar o HD e instalar ele ao lado do Linux Mint! :D

Abraço!!!

[53] Comentário enviado por lele_rio em 24/03/2015 - 20:59h

Olá xerxeslins,

Tenho que concordar contigo sobre a questão de usabilidade e prontidão da distro, onde o Mint tem a preferência total pelo fato de ser um dos sistemas mais compatível com diversos hardware do mercado, porém afirmo que é possível ter uma ótima compatibilidade de hardware com o Ubuntu, pois o Mint é uma derivação do mesmo, e se difere por ter uma projeção melhor no quesito multimídia. O gerenciador de janelas é somente um software, podendo ser instalado em qualquer plataforma, mas vejo que para um usuário iniciante com pouca experiência e paciência "rsrs", o Mint seria a opção completa e clássica já oferecida no nosso mundo Linux.

[54] Comentário enviado por xerxeslins em 24/03/2015 - 21:33h


[53] Comentário enviado por lele_rio em 24/03/2015 - 20:59h

Olá xerxeslins,

Tenho que concordar contigo sobre a questão de usabilidade e prontidão da distro, onde o Mint tem a preferência total pelo fato de ser um dos sistemas mais compatível com diversos hardware do mercado, porém afirmo que é possível ter uma ótima compatibilidade de hardware com o Ubuntu, pois o Mint é uma derivação do mesmo, e se difere por ter uma projeção melhor no quesito multimídia. O gerenciador de janelas é somente um software, podendo ser instalado em qualquer plataforma, mas vejo que para um usuário iniciante com pouca experiência e paciência "rsrs", o Mint seria a opção completa e clássica já oferecida no nosso mundo Linux.


É isso mesmo! Obrigado!

[55] Comentário enviado por SuperMax em 08/04/2015 - 10:27h

Olá xerxeslins,
Eu estou começando com linux agora, uns dois meses, mas sou extremamente meticuloso e nesse período acho que já passei a instalação de umas 100 distros !!!! lol
Meu foco são dois: desempenho e produtividade. Praticamente em todas essas instalações eu instalei o phoronix-test-suite. A diferença no geral não é tão grande, algum ponto especifico pode ter uma diferença percentual grande de desempenho mas na média a grande maioria das distros não diferencia mais do 10% nos testes de desempenho, os outro basicamente não passam de 20% talvez por exesso de serviços ou escolha de kernel e componentes mais antigos com foco na estabilidade. Particularmente acho que essa diferença não é tão grande, no inicio dos teste eu achei que haveria diferenças maiores, evidentemente o desempenho pode ter uma diferença maior fazendo algumas configurações especificas, mas isso pode ser feito em qualquer distro então não conta como diferença entre elas. De qualquer forma as distros com melhor desempenho foram Arch linux, Debian Testing e Antergos e LMDE (.iso 2014-03, a atual 2015-03 está em beta e teve um desempenho um pouco inferior). Não por acaso Antergos e Linux Mint Debian, são baseadas justamente em Arch e Debian respectivamente... (ps. o Linux mint base Ubuntu é cerca de 12% mais lento que a versão debian, isso inclusive é relatado no próprio
Eu li o seu maravilhoso artigo: Mamãe quero Arch!. Como assíduo pesquisador que fui esses dias posso dizer que entendo perfeitamente esse artigo, bem como este outro maravilhoso artigo seu sobre o Linux Mint.

Agora eu gostaria de lhe perguntar se vc ja experimentou o Antergos, q basicamente é o Linux Mint da base Arch Linux?

Talvez vc nesse momento esteja se perguntando qual distro eu escolhi depois de testar isso td. Eu acho q foi uma experiencia bem bacana pra conhecer melhor o linux, afinal eu usei Windows desde a primeira versão 3.11, antes ainda usai DOS :) lol. tem varias distros que tem algo que interessante, nem q seja um tema, uma pacote ou uma simples configuração diferenciada, e que eventualmente pode ser aproveitada. Mas basicamente o que escolhi para mim foi, Arch Linux com dois DE instalados, um apenas para pesquisa e navegar na internet Openbox+plank+navegador, pronto extremamente leve e rápido com configurações especificas como colocar a pasta /tmp na memoria dentre outros ajustes. E o outro DE cinnamon com quase todas as configurações e temas importadas do repositório Antergos, utilizada para trabalho em geral.
Pra mim este foi o melhor caminho, mas para um iniciante vejo Antergos como uma boa escolha tanto como o Mint.
Se alguem estiver escolhendo uma dsitro tiver paciência de ler tudo que escrevi rssss :) espero que ajude na escolha.

abç e mais uma vez parabéns pelos excelentes artigos.

[56] Comentário enviado por xerxeslins em 08/04/2015 - 13:37h


[55] Comentário enviado por SuperMax em 08/04/2015 - 10:27h

Olá xerxeslins,
Eu estou começando com linux agora, uns dois meses, mas sou extremamente meticuloso e nesse período acho que já passei a instalação de umas 100 distros !!!! lol
Meu foco são dois: desempenho e produtividade. Praticamente em todas essas instalações eu instalei o phoronix-test-suite. A diferença no geral não é tão grande, algum ponto especifico pode ter uma diferença percentual grande de desempenho mas na média a grande maioria das distros não diferencia mais do 10% nos testes de desempenho, os outro basicamente não passam de 20% talvez por exesso de serviços ou escolha de kernel e componentes mais antigos com foco na estabilidade. Particularmente acho que essa diferença não é tão grande, no inicio dos teste eu achei que haveria diferenças maiores, evidentemente o desempenho pode ter uma diferença maior fazendo algumas configurações especificas, mas isso pode ser feito em qualquer distro então não conta como diferença entre elas. De qualquer forma as distros com melhor desempenho foram Arch linux, Debian Testing e Antergos e LMDE (.iso 2014-03, a atual 2015-03 está em beta e teve um desempenho um pouco inferior). Não por acaso Antergos e Linux Mint Debian, são baseadas justamente em Arch e Debian respectivamente... (ps. o Linux mint base Ubuntu é cerca de 12% mais lento que a versão debian, isso inclusive é relatado no próprio
Eu li o seu maravilhoso artigo: Mamãe quero Arch!. Como assíduo pesquisador que fui esses dias posso dizer que entendo perfeitamente esse artigo, bem como este outro maravilhoso artigo seu sobre o Linux Mint.

Agora eu gostaria de lhe perguntar se vc ja experimentou o Antergos, q basicamente é o Linux Mint da base Arch Linux?

Talvez vc nesse momento esteja se perguntando qual distro eu escolhi depois de testar isso td. Eu acho q foi uma experiencia bem bacana pra conhecer melhor o linux, afinal eu usei Windows desde a primeira versão 3.11, antes ainda usai DOS :) lol. tem varias distros que tem algo que interessante, nem q seja um tema, uma pacote ou uma simples configuração diferenciada, e que eventualmente pode ser aproveitada. Mas basicamente o que escolhi para mim foi, Arch Linux com dois DE instalados, um apenas para pesquisa e navegar na internet Openbox+plank+navegador, pronto extremamente leve e rápido com configurações especificas como colocar a pasta /tmp na memoria dentre outros ajustes. E o outro DE cinnamon com quase todas as configurações e temas importadas do repositório Antergos, utilizada para trabalho em geral.
Pra mim este foi o melhor caminho, mas para um iniciante vejo Antergos como uma boa escolha tanto como o Mint.
Se alguem estiver escolhendo uma dsitro tiver paciência de ler tudo que escrevi rssss :) espero que ajude na escolha.

abç e mais uma vez parabéns pelos excelentes artigos.


Valeu!

Já instalei o Antergos, mas faz um bom tempo. Nem lembrava dele. Atualmente testando o Elementary Freya.

[57] Comentário enviado por lcom23 em 08/08/2015 - 14:49h


Olá Xerxeslins. Parabéns pelo artigo.
Eu antes usava o Ubuntu e mudei para o Mint pela sua praticidade, tenho também instalado o OpenMandriva Lx que gosto muito por ser bem completo e minha distro preferida.
E agora estou testando o Manjaro, e fiquei surpreso e contente com a facilidade de uso.
Para usuários iniciantes eu indicaria o Linux Mint.
Abraços.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor HostGator.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Viva o Android

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts