Inicialização e interrupção do sistema (Debian)

Tenho visto muitas dúvidas e perguntas sobre como colocar um script ou um aplicativo para iniciar no boot. Tenho visto algumas respostas que apesar de funcionarem, não creio que sejam a melhor alternativa para alguns casos. Por isso resolvi escrever esse artigo, tentando explicar o processo de inicialização e interrupção do Linux.

[ Hits: 41.219 ]

Por: Geraldo José Ferreira Chagas Júnior em 02/04/2008 | Blog: http://prginfo.blogspot.com


Níveis de execução



Como já mencionado, o X dos diretórios rcX.d indicam o nível de execução que os links que ele os contém devem ser executados.

Nível de execução 0: /etc/rc0.d

Esse nível de execução inicia a seqüência de interrupção do sistema. Cada script é executado na ordem listada. Algumas das tarefas são:
  • Fechar todos os processos;
  • Desligar a troca de arquivo com a memória virtual;
  • Desmontar o sistema de arquivos.

São feitas todas as tarefas importantes e necessárias na interrupção do sistema para que não danifique a integridade dos discos, volumes de partições etc.

Nível de execução 1: /etc/rc1.d

O nível de execução 1 é o modo monousuário ou estado administrativo. Nele apenas um usuário pode se logar, nenhum outro ao mesmo tempo. Ele é utilizado por administradores para fazer manutenção no sistema. A conexão de rede e desmontada e embora o sistema de arquivos seja montado, outros só serão montados manualmente através de linha de comando, este terão que ser desmontados manualmente antes da interrupção do sistema.

Nível de execução 2: /etc/rc2.d

O nível de execução 2 é o estado multiusuário, a conexão de rede é permitida, mas o NFS é inválido. Essa é uma boa opção para usar o Linux como estação de trabalho independente.

Nível de execução 3: /etc/rc3.d

O nível de execução 3 é o modo multiusuário em modo texto. Nele a maioria dos serviços são carregados e normalmente é a opção default do sistema. Porém se você usar o modo X (gráfico) o modo default deve ser o 5.

Nível de execução 4: /etc/rc4.d

O diretório que define o nível 4 é utilizado para que um modo de execução próprio possa ser ajustado (o usuário define seu próprio nível de execução).

Nível de execução 5: /etc/rc5.d

Esse é o nível de execução do modo gráfico. Ele segue as mesmas especificações do nível 3, porém para ambiente X.

Nível de execução 6: /etc/rc6.d

Esse é o nível que representa a reinicialização do sistema, logo ele deve ter o conteúdo parecido com o nível 0 (halt), mas a lógica no script de interrupção define se o sistema está sendo interrompido ou reinicializado.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Processo de inicialização
   3. Diretórios rcX.d
   4. Níveis de execução
   5. Como interromper o sistema
   6. Notas finais
Outros artigos deste autor

Configurando Servidor de Nomes - DNS (Debian)

Vírus de computador e criação de um vírus em C/C++ (parte 1 - básico)

Instalando e configurando o aMule (Debian)

Linvox - Sistema Linux voltado para deficientes visuais

Montando um ambiente utilizando Tomcat + Java + MySQL (Debian)

Leitura recomendada

Introdução ao gEDA - Suíte de eletrônica

Guia Introdutório do Linux II

Software Livre: primeiras impressões

Do Ubuntu ao Arch

SuSE Linux 9.1 - O poderoso e versátil Linux da Novell

  
Comentários
[1] Comentário enviado por exercitobr em 03/04/2008 - 08:55h

Muito interessante e bem explicado, parabéns!

[2] Comentário enviado por Andre_A_Ferreira em 03/04/2008 - 09:18h

?comentario=Excelente contribuição, as vezes precisamos entender simples funcionamento para desenvolver complexos sistemas.
Parabéns.

[3] Comentário enviado por brnlino em 04/04/2008 - 12:53h

Show de bola esse seu Artigo,
ainda irei criar uma artigo nesse nivel.


Parabens mesmo.

[4] Comentário enviado por .pedrao em 23/07/2008 - 09:07h

Muito bom mesmo cara...aliás, muito bom é pouco, eu tava precisando muito destas informações e tava difícil de encontrar...
Brigadão ae.. de verdade!!! XD


Contribuir com comentário