X Window, Controladores de Janelas e Ambientes Desktop

Tenho percebido uma certa confusão com relação ao Xorg. O que é normal, considerando a diferença de paradigma entre a exibição gráfica usada no Linux e o Windows. Venho neste artigo tentar explicar o funcionamento do X e sua relação com os Controladores de Janelas e ambientes Desktop, como o GNOME e o KDE.

[ Hits: 33.942 ]

Por: Geraldo José Ferreira Chagas Júnior em 28/05/2008 | Blog: http://prginfo.blogspot.com


O que é o X ?



O X window é um conjunto de protocolos e funções de comunicação utilizados para construir as primitivas gráficas, em sistema de janelas; como pontos, linhas e retângulos, e interface com hardware gráfico e entrada de dados (mouse, teclado). Praticamente tudo que você vê em um ambiente gráfico do GNU/Linux, FreeBSD, OpenBSD, NetBSD, Solaris e outros - Irei generalizar tudo como Linux - partiu de uma solicitação de uma aplicação ou biblioteca para o X.

O X foi criado desde sua base para suportar gráficos em rede. Os programas ou aplicações são conhecidos como clientes. Os clientes não desenham ou manipulam os gráficos direto em seu exibidor, mas se comunicam com seu servidor X para que esses manipulem o seu exibidor.

A confusão se dá basicamente por dois motivos:
  • Normalmente os usuários caseiros executam o servidor e o cliente X na mesma máquina, passando a falsa sensação de que o exibidor é controlado pela aplicação que está sendo executada. Porém é possível executar vários servidores X em um único computador e os clientes de computadores remotos. Isso significa que ele pode ser acessado por vários tipos de rede ou através de uma linha dial-up.
  • Outro motivo é que a idéia de quem é o cliente e quem é o servidor aparenta estar invertida neste caso. Se interajo com uma aplicação rodando remotamente, vou supor que sou o cliente e a outra máquina o servidor. Mas no caso do X, minha máquina será o servidor para a aplicação remota, pois esta enviará os pedidos (desenhe uma janela, um ícone, etc) para o servidor X rodando na minha máquina, que por sua vez exibirá na minha tela as solicitações da aplicação cliente X, e enviará para mesma a movimentação do mouse e entradas do teclado relevantes.

Você não deve se referir ao X Window como X Windows, os termos apropriados são X, X11, X versão 11 ou sistema X Window versão 11.

O X Foi desenvolvido de início no Instituto de Tecnologia de Massachussets no início dos anos 80. O primeiro lançamento oficial foi o X 10 no meado da década de 80 com lançamento do X11R1 em 1987. Com o fim de sua associação criadora o X passou a ser de propriedade da organização não-comercial X.org, cujos membros executivos incluem a Compaq, HP, IBM, Sun, SGI etc - que mantiveram o modelo original inalterado.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. O que é o X ?
   2. A evolução do X
   3. Entendendo o X
   4. Controladores de janelas x Ambiente desktop
   5. Brincado com as camadas
Outros artigos deste autor

Inicialização e interrupção do sistema (Debian)

Vírus de computador e criação de um vírus em C/C++ (parte 1 - básico)

Montando um ambiente utilizando Tomcat + Java + MySQL (Debian)

Instalando e configurando o aMule (Debian)

Linvox - Sistema Linux voltado para deficientes visuais

Leitura recomendada

10 dicas para aprender a programar por conta própria

Virtualização com CentOS e VMware Server

Linux Mint 7 Gloria

Finalmente consegui tirar o Windows do meu computador!

CentOS + RAID1 via software

  
Comentários
[1] Comentário enviado por tekmania em 28/05/2008 - 18:42h

Eu tava fazendo um artigo sobre isso, mas seu ta muito bom. ^^
Nota 10

[2] Comentário enviado por iamunhoz em 28/05/2008 - 19:18h

Realmente, nota 10 este artigo. Muito bom mesmo, agora consegui entender onde entra compiz, beryl e openbox nesta história toda :D

Alías, teria sido legal se você tivesse mencionado estes Gerenciadores de Janelas no teu artigo. Mas isto é detalhe, teu artigo tá realmente 10!

[3] Comentário enviado por fulllinux em 28/05/2008 - 22:21h

Ultimamente só vem aparecendo artigos de grande categoria aki no VOL... para seguir a regra mais um 10 para vc =}

[4] Comentário enviado por gjr_rj em 28/05/2008 - 23:17h

Respondendo ao comentário. Pensei em trabalhar a parte 3D, porém, falei sobre usuários Hardcore no artigo. Eu sou +-. Minha máquina é modesta. É engraçado, pois, o da minha mulher é moderníssima. A minha não tem aceleração 3D, e como tudo que escrevo é testado, não poderia escrever sobre isso.

[5] Comentário enviado por removido em 29/05/2008 - 01:16h

sinceramente está muito legal ..........

[6] Comentário enviado por albfneto em 29/05/2008 - 03:13h

Que artigo legal! Vou cita-lo num artigo de História do Linux que estou preparando

[7] Comentário enviado por anoob em 29/05/2008 - 09:13h

Cara, parabéns! Pela primeira vez entendi o que cada um deles faz. Obrigado pelo artigo. Abraços.

Uso Debian Lenny e quando mato o Metacity ele automáticamente inicia novamente, acredito que é alguma configuração do Gnome. Ou seja. Não consigo rodar apenas o Gnome, sem o Metacity.

[8] Comentário enviado por leandroseverino em 29/05/2008 - 09:58h

?comentario= Muito bom, muito bom mesmo, meus sinceros parabéns.

[9] Comentário enviado por brenogalvao em 29/05/2008 - 11:45h

Porra! Muito bom mesmo!
Era algo que eu precisava saber.
Parabéns mesmo.

[10] Comentário enviado por nicolo em 29/05/2008 - 12:30h

Digamos..... Maravilhoso... eu descobri que não sei nada mesmo.
Que tal um roteiro para dummy guys?

[11] Comentário enviado por hebaja em 29/05/2008 - 13:23h

Já adicionei aos meus favoritos para futuras consultas.
Meus parabéns, este artigo foi bastante esclarecedor. Eu já tinha uma vaga idéia de como essas coisas funcionavam mas nunca tinha procurado saber mais.... muito bom mesmo!

[12] Comentário enviado por f_Candido em 30/05/2008 - 12:48h

Muito bom. Bem explicativo. Parabéns.


Abraços

[13] Comentário enviado por GilsonDeElt em 30/05/2008 - 16:26h

Cara, d+ seu artigo!

Aprendi nele o que são os conceitos de ambiente desktop, gerenciador de janela e servidor X (destes últimos eu já tinha uma idéia melhor, que o artigo complementou), e de quebra finalmente entendi a diferença entre o XOrg e o XFree86.


[14] Comentário enviado por mslinux em 30/05/2008 - 21:15h

Gostaria de ver a criatividade e não apenas o copiar e colar.

[15] Comentário enviado por gjr_rj em 31/05/2008 - 00:13h

copiar e colar !?
rsrsrsrs

Meu micro levou mais de uma semana fazendo essa simples operação.

Levei muito mais tempo procurando material para entender o funcionamento dessa combinação X, GJ, AD, pois se encontra muito como configurá-los (por isso nem toquei no assunto, não falta material sobre isso na net). Quando achei o material (sites e livro), testei e aprendi. A primeira coisa que fiz foi por em meus links. Como sei que é muito difícil alguém visitar os links, resolvi escrever o artigo. aproveitando a parte boa, melhorando o que achei não estar bom e incluindo informações que achei faltar.

Abraço !

[16] Comentário enviado por M4iir1c10 em 31/05/2008 - 10:08h

Muito legal... agora uma duvida...
e possivel eu me conectar com uma maquina remotamente e executar o X com as aplicacoes da maquina remota no meu computador?

Se sim, como eu faco isso?

[17] Comentário enviado por paulo.neto em 31/05/2008 - 13:34h

mauriciomlmph

veja este artigo pode te ajudar.

http://imasters.uol.com.br/artigo/4211/linux/configurando_o_servidor_x_para_ser_acessado_remotamente...

[18] Comentário enviado por thelinux em 31/05/2008 - 20:16h

Artigo bem interessante.

Parabéns pela didática e o compromisso em compartilhar seus conhecimentos. Muitas pessoas aqui no VOL gostam muito de criticar os outros que escrevem.

Está no meus favoritos.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts