Blu-Ray no GNU/Linux - Gravando e ripando mídias via terminal

Gravando mídias de Blu-Ray no GNU/Linux via terminal.

[ Hits: 10.685 ]

Por: Fernando T. Da Silva em 01/05/2013 | Blog: http://meumundotux.blogspot.com.br/


Mídias / Gravação em UDF / Ripagem



Mídias Blu-ray regraváveis

As mídias Blu-ray regraváveis permitem apagar todo o seu conteúdo usando o comando dvd+rw-format. Toda mídia regravável tem as siglas BD-RE identificadas na mídia, ou pelo comando dvd+rw-mediainfo, na linha Mounted Media da saída deste comando em uma janela de terminal.

Exibindo informações da mídia Blu-ray

Em uma janela de terminal, execute o comando dvd+rw-mediainfo seguido pelo device do gravador.

Exemplo:

dvd+rw-mediainfo /dev/sr0

Onde /dev/sr0 é o device do gravador. Substitua de acordo com o usado pelo seu sistema, como /dev/sr1, /dev/hdc, etc.

O comando pode ser executado com mídias virgens, já gravadas, montadas ou não.

Apagando todo o conteúdo de uma mídia Blu-ray regravável (BD-RE), use o comando:

dvd+rw-format -force=full /dev/sr0

Obs.: troque o device /dev/sr0 pelo usado em seu sistema.

A saída deve ser:
$ dvd+rw-format -force=full  /dev/sr0
* BD/DVD±RW/-RAM format utility by <[email protected]>, version 7.1.
* 24.8GB BD  media detected.

Notas:
  • A mídia deverá estar desmontada para formatar a mesma.
  • Sem usar a opção "-force=full", não se consegue formatar a mídia Blu-ray.
  • O tempo para formatar uma mídia Blu-ray de velocidade 2 X, foi de 1 hora e 20 minutos.
  • A mídia normal de Blu-ray possui a sigla BD-R, ou seja, Recordable que não permite apagar os dados dela.

Gravação com o growisofs especificando o filesystem UDF

growisofs -Z /dev/sr0 -V myblue -udf --graft-points docs=docs/

Onde:
  • O filesystem UDF é necessário ser especificado caso você tenha arquivos únicos maiores do que 2 GB no diretório especificado, pois se você não especificar "-udf", a mídia não será gravada.
  • Onde "myblue" é o nome de label da mídia a ser gravada.
  • "-udf" é o filesystem que conterá a mídia.
  • "--graft-points" para especificar um nome de diretório na mídia e depois do sinal de igual, o nome do diretório a ser gravado que está no disco rígido.
  • O diretório "docs" contém outros diretórios dentro dele e arquivos de nomes longos com até 103 caracteres. Tendo também acentos nos nomes de arquivos e mais um arquivo de tamanho único de 2.9 GB.

Sendo que, todos foram gravados na mídia sem problemas e sem redução do nome do arquivo de 103 caracteres, apenas os arquivos que tiverem caracteres acentuados poderão ser com vistos com caracteres estranhos na parte do caractere acentuado quando a mídia é montada (caso não seja especificado um charset em uma montagem feita manualmente), mas isto depende também da codificação utilizada pelo seu sistema ou configuração personalizada do charset diferente do padrão do sistema que é utilizada pelos programas.

Outro exemplo de gravação com file system UDF:

growisofs -Z /dev/sr0 -speed=4 -V myblue2 -udf --graft-points fotos=fotos/ videos-2012=videos-2012/ imagens.tgz

Neste exemplo está sendo especificado para gravar os diretórios "fotos" e "videos" e o arquivo "imagens.tgz".

Levou 45 minutos para gravar 19 GB, sendo que o arquivo "imagens.tgz" tem 3.1 GB de tamanho.

Exemplos de montagem manual

Sem especificar um charset:

# mount /dev/sr0 /mnt/cdrom/ -t udf

Especificado o charset UTF-8:

# mount /dev/sr0 /mnt/cdrom/ -t udf -o iocharset=utf8

Especificando o charset ISO8859-1 (codificação em desuso, obsoleta):

# mount /dev/sr0 /mnt/cdrom -t udf -o iocharset=iso8859-1

Ripando um filme em Blu-ray

Foi utilizado o programa "DVDFab8126Qt.exe" para Windows, que funciona perfeitamente via Wine e reconhece a unidade do drive de Blu-ray, já que com o MakeMKV não consegui compilar o mesmo corretamente, sempre dando erro em duas distribuições testadas.

Levou 2 horas para ripar para o formato MKV ficando com 1.4 GB num filme de 2 horas de duração, sendo todo o filme completo e funcional com o áudio escolhido.

Se você quiser assistir o filme no aparelho de DVD player da sala, o tempo de conversão para o formato XviD, usando o Mencoder, foi de 1 hora e 20 minutos.

Durante a ripagem, o uso da CPU é de 100% e a memória em uso é de 1 GB, mas você pode executar outros programas, navegar na internet, tudo isto sem lentidão do sistema, caso você tem 3 GB ou mais de RAM instalada.

Notas

O teste foi feito usando uma CPU Intel Celeron Dual Core 2.6 Ghz, tendo 3 GB de RAM e memória cache L1 de 64 K e L2 de 1024 K que deu conta perfeitamente do recado.

Artigo também publicado em meu blog:
Página anterior    

Páginas do artigo
   1. Início / Gravando mídia
   2. Mídias / Gravação em UDF / Ripagem
Outros artigos deste autor

Recuperando o seu sistema Salix

Instalando o MEO Cloud em qualquer distro GNU/Linux

Aprendendo a utilizar o Window Maker

Multifuncional HP Deskjet Ink Advantage 2546 no GNU/Linux

Acesso remoto entre GNU/Linux e Windows

Leitura recomendada

Asterisk Central IPBX - Debian

Atualize rapidamente os PC's da sua LAN com Debian

NagiosVision: Tem humanos perto do seu servidor

SIGERAR - Sistema de Gerenciamento de Requisitos

Quebrando os mitos do software de código aberto

  
Comentários
[1] Comentário enviado por tiagolagef em 11/03/2014 - 16:57h

Gostei do artigo, parabéns.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts