As brigas dos linuxers

Quem já migrou para o mundo de sistemas operacionais baseados em software GNU/Linux e percebeu que fez uma boa mudança, já teve vontade de "converter pagãos". Ou então, quando já no mundo GNU/Linux, tentou convencer um amigo a mudar de distribuição. No final, essas mudanças sempre acabam em brigas. Qual seria a solução?!

[ Hits: 19.477 ]

Por: Edgar Roberto Lemke em 20/10/2009


A briga da conversão para Linux



Muito provavelmente, depois que migramos para o mundo do software livre e dos sistemas baseados em GNU/Linux, independente da distribuição que utilizamos para adentrar ao "recinto dos escolhidos" e ganhamos alguma experiência, mesmo que básica, vemos que a troca foi boa. E sentimos vontade de trazer outros para o mundo do software livre.

Encontramos nossa primeira vítima, um usuário de Windows que está sentado ao computador tomando café e comendo bolachas.

Tirando a lentidão, os travamentos, o navegador integrado ao sistema que muito provavelmente ele usa, e que para variar também é lento, e mais lentidão que tem por ter instalado um antivírus, ele está "bem". Jogando algum jogo com incríveis efeitos em 3D em seu computador, é assim que encontramos ele. Foi para fazer um trabalho da faculdade que fomos à sua casa.

Texto vai, texto vem. Resolvemos procurar uma imagem no Google Images para inserir no trabalho. Então o nosso anfitrião abre o Internet Explorer 6.0 no seu Windows Vista e começa a usar.

Não aguentamos e reclamamos da lentidão. Pedimos para ele instalar outro navegador, como o Firefox. Fazemos algum merchandising e ele acaba concordando em baixar e instalar o Firefox depois que acabarmos o trabalho. E o mundo do software livre ganha um ponto!

Continuamos a procurar imagens, e apesar da lentidão, conseguimos algumas coisas legais.

Digitando o texto no Microsoft Word, do pacotão Office 2007, ele tenta usar um recurso que conhecia do Office 2003 e não encontra. Então novamente levantamos a bandeira, e recomendamos o BrOffice.org, falamos que ele é mais simples de usar, tem alguns recursos a mais como exportação de PDFs.

Ele fica impressionado, mas ao mesmo tempo irritado, afinal, já é o segundo software que mandamos ele trocar. No final, o mundo do software livre acaba ganhando mais um ponto, forçado.

Continuamos o trabalho no Office 2007. Perdemos quinze minutos para aplicar um centímetro de parágrafo, mas tudo bem. O trabalho está pronto, falta colocar nossos nomes. Do nada o "winword.exe" apresenta um erro irreparável e tem de ser fechado. Duas horas para o espaço.

Como já estávamos com raiva mesmo, começamos a falar para ele largar o Windows, pois é só um programa plagiado da Apple, e vive travando. Nosso amigo se sente constrangido.

Acabamos falando a palavra do medo, palavra que todo o usuário teme: "Linux".

Aí é nosso amigo que fica bravo conosco. Perdemos um amigo por causa do software livre. E ele até gostava do Windows dele, quer dizer, ele tinha lá tudo de que precisava e tinha software original e licenciado.

Mas está feito.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. A briga da conversão para Linux
   2. A briga da conversão para outra distribuição
   3. A briga dos quase convertidos
   4. Para quê brigar, quando podemos ficar em paz?
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

O movimento do código aberto

Esquecendo os valores da Computação

Realidade...

A Licença Pública Geral GNU (mais sobre)

Como softwares livres podem gerar lucro

  
Comentários
[1] Comentário enviado por paulorvojr em 20/10/2009 - 08:09h

EAUehauhAEUHeauhEAeauhEAeauh, morri de rir!!! mto boa!! adorei o artigo!!!

PAN!!! WINWORD.EXE eauhaehuhaeuheauhaeuha, ja aconteceu mto comigo, agora so no openoffice e no simphony da ibm.

mas so um detalhe meio pesado, I.E 6.0 no vista?.....credo..pegaram pesado, ele ja sai com i.e 7, que diabos de vista pirata é esse e sem update.


isso ae pra que brigar!! ambos são bons, com execeção do office 2007 que so veio pra atrapalhar.

abraços

[2] Comentário enviado por evefavretto em 20/10/2009 - 08:09h

Só uma correção: o Windows Vista vem com o Internet Explorer 7

[3] Comentário enviado por jborda em 20/10/2009 - 08:42h

Belo artigo Edgar, só a última página ficou um pouco longa, as três primeiras ficaram exelentes(simples e diretas) facílimas de entender.

Já passei por todos esse casos, e como não obtive muito sucesso sendo um "propagador do mundo livre" acabei por deixar esses usuários com os seus "sistemas perfeitos".

Parabéns novamente!

[4] Comentário enviado por eferro em 20/10/2009 - 09:02h

Excelente. Parabéns!

[5] Comentário enviado por Gilmar_GNU/slack em 20/10/2009 - 09:08h

Excelente artigo.
Brigando por distro nunca da em nada.

[6] Comentário enviado por removido em 20/10/2009 - 09:43h

Bom

[7] Comentário enviado por Teixeira em 20/10/2009 - 10:14h

Sempre fui usuário do MS Office, sempre soube reconhecer o que há de bom naquele pacote,
e sempre contornei os "aperfeiçoamentos para pior" que o Word (especificamente) vem apresentanto com o tempo.
Na minha modesta opinião e não por saudosismo, mas por questões práticas, o melhor Word foi o 6.0 que fazia as coisas com maior objetividade, rapidez, compatibilidade, segurança e tinha recursos modestos porém eficazes.
Era realmente muito bom.
A eficácia foi-se perdendo com o tempo, restando apenas aperfeiçoamentos cosméticos.
Por último, tive de conviver entre o 97 e o 2003 e as irritantes incompatibilidades entre ambos.
(Existe uma maneira muito simples de acabar com essas incompatibilidades; É só gravar o arquivo em formato do Word 6.0 - mas as pessoas NUNCA se lembram de fazer isso)

Mas "esse tal de 2007" eu considero simplesmente imprestável: Contraproducente, incompatível, moroso, e merecedor de uma viagem -só de ida- ao poço do fedor eterno.
Para o MEU computador ele não vem. E se não sou radical em outros pontos, nesse sou.

Quem TRABALHA com textos não quer saber de uma praga dessas de jeito nenhum.
E uma praga que custa dinheiro - MUITO dinheiro. E também paciência - MUITA paciência!
(Bem, a versão que vem como o "kit tapa-olho, arara, lenço, gancho e perna-de-pau" requer apenas paciência - not to mention the Solitaire game also known as SOL.EXE, the most important MS feature forever, sometimes paramount...)

Curiosos entretanto, vão se deliciar com a interface azulada que se apodera de 1/3 da altura da tela. Pode atrapalhar e muito, mas é "bonitão", e para os tais isso basta...

Minha irmã, agora passados os seus 50 anos (não se revela jamais a idade de uma dama - pelo menos em parte, hehehe) fez alguns cursos de Linux promovidos pela prefeitura de Duque de Caxias e ficou maravilhada.
Aprendeu muito bem a usar o BR-Office e está ansiosa para migrar definitivamente para o Linux.
Só que como diz o velho ditado "em casa de ferreiro, espeto de pau", eu moro em outra cidade e meu outro irmão que também é técnico mudou-se para uma cidade da região serrana.
E ela também tem um "filho-adolescente-detonador-de-PC", e que é portanto mais um "usuário-formatador-de-HD" inveterado, se é que me entendem...
Se der manchinha de caca de mosca na tela do monitor ele formata o HD...

Exageros à parte, eu tenho por norma não insistir com ninguém para usar software livre ou o Linux especificamente. Dou a primeira dica e deixo a decisão por conta de cada pessoa.
As pessoas que porventura venham à minha casa quando vêem o Linux no computador, geralmente apreciam apenas o visual das telas.
Acho até que pensam que eu fico "mudando de tela" constantemente, porque cada hora é uma distro diferente (e elas não sabem disso).
Para uso corporativo, também apresento um quadro bastante realista, com as inúmeras vantagens e as possíveis desvantágens referentes a uma migração.
Em caso de informatização a partir do zero, com funcionários leigos, aí não tem jeito mesmo: É Linux, e ponto final. Dentro de 5 dias úteis cada um está tirando proveito de sua máquina, feliz da vida.
Tenho para mim que o computador deve trabalharar PARA NÓS, e não o contrário, mas tenho visto muitos casos em que "o computador" dá mais trabalho que soluções.

Um dos problemas que percebo para uma tentativa de migração, é o "vicio do mau uso" (acho que inventei esse termo agora).
Vou explicar, dando um exemplo:
Tenho um amigo que costuma passar uns emails imeeeeeeeeeeensos sem necessidade alguma.
Sabem o que ele faz? Manda email com "papel timbrado", marca d´água, etc. em formato HTML e com as imagens todas anexadas - imagens essas que poderiam ser suprimidas sem fazer falta alguma (ele consegue o mais difícil!...).
Apesar de já havermos sugerido que ele mandasse emails sem imagens (ou melhor ainda, em texto puro) e havermos explicado detalhadamente - por inúmeras vezes - como proceder, ele sempre alega que "não sabe como fazer".
Passam-se os meses e os anos e ele continua mandando seus " 'alô mundo' de 10MB"...
Cada um de nós deve conhecer algum exemplo semelhante.
Então essas pessoas se trancam em um universo de sua maior conveniência e não querem mudar de forma alguma.

Não vejo necessidade de "brigar" pois afinal, o pior cego é aquele que não quer ver.
Não é muito correto pretender ensinar a um cego COMO ser cego...
Linux veio para ficar e já tem a sua fatia definida entre usuários fiéis.
Pode não ser a maior fatia nem a que tem mais glacê, mas certamente é uma boa fatia.
Contudo, há pessoas que apreciam mais o glacê do que o próprio bolo.
Questão de gosto pessoal.

Por outro lado, o fato de ser gratuito pode de alguma forma influenciar as pessoas de forma negativa. As coisas de "baixo custo" ou "gratuitas" tendem a ser associadas á ideia de "qualidade inferior".
Uma igreja católica aqui perto de casa promoveu certa vez um curso de informática ao custo simbólico de R$ 2,00 (dois Reais!). O curso era muito abrangente e sua didática era perfeita, pode-se dizer. No entanto, não repetiram o empreendimento. A maioria das pessoas tinha uma opinião diferente, porque o curso era barato.
Um certo fabricante de calças jeans vendia seus produtos no varejo por R$ 15,00 e suas vendas eram muito fracas. Não se sabe por que motivo, ele recolheu as peças que estavam à venda, retirou as etiquetas e passou a vendê-las em uma loja famosa e caríssima, onde AS MESMAS calças tinham preços acima de R$ 500,00.
Ou seja, há pessoas que GOSTAM de serem enganadas.
E isso é até bom, porque de outra forma certas modalidades de marketing simplesmente não funcionariam.

[8] Comentário enviado por xadouron em 20/10/2009 - 11:01h

@Teixeira. Concordo em diversos pontos.

Mas falar mal do MS Office 2007 é ser muito radical. Não dar para negar que usa o MS Office 2007 não volta para o MS Office 2003. A produtividade no 2007 é muito maior. O MS Office 2007 é um produto muito bom. O que pega foi a Microsot ter empurrado um padrão de documentos incompleto, grande (6000 páginas) e quem nem mesmo existia em seus produtos o OpenXml. O pessoal da ISO com certeza foi comprado, já que aprovaram um padrão incompleto e inexistente em tempo record. O Open office também é um ótimo produto e consegue substituir o MS Office tranqüilamente em 90 % dos casos. Quando o Open Office resolver o problema de alto consumo de memória e desempenho eu migro definitivamente para somente o Open office e me torno mais um evangelizador do OO. Atualmente não tenho coragem de instalar para ninguém o OO em um computador com poucos recursos. Quando o computador é novinho eu sempre recomendo a instalação do OO, mas a maioria dos usuários prefere que seja instalado o piratão. Parece que a nova versão do Open Office 3.2 será focada em desempenho. Tomará que sim.

Abs,

[9] Comentário enviado por pinduvoz em 20/10/2009 - 15:53h

Eu sou usuário do Word desde quando ele era para DOS. Aliás, meu primeiro processador de textos em PC foi o WordStar, e isso no tempo que um HD de 10 MB (mega, não giga) custava os "olhos da cara" e os PCs tinham apenas dois drivers de disquetes de 5 1/4 polegadas -- imagem aqui http://pcworld.uol.com.br/idgimages/galerias/historia_windows/disquetes_330_260.jpg para quem não conheceu.

Concordo com a ideia de mudança, pois leva à evolução. Por conta disso, aprovo a mudança do Office 2007, mas ainda prefiro a interface do 2003. É questão de costume, apenas. E tal costume torna a interface do OpenOffice mais agradável a mim do que a do MSOffice 2007.

O problema de escolha -- MS x OO; pago x livre -- é o maldito padrão em que o doc se converteu. Todo mundo precisa acessar doc e o OO, sabidamente, não é 100% compatível com ele. Interface à parte, gostaria que o pessoal do SL acertasse a mão com o doc (ou docx), pois aí o OO e outros (o Symphony, por exemplo, tem uma interface linda) decolariam.

[10] Comentário enviado por pinduvoz em 20/10/2009 - 16:11h

Falei sobre o Word e esqueci de comentar o artigo.

A questão que o artigo levanta com pertinência é a disputa entre distros.

Outro dia fiz aqui um comentário sobre o Gentoo aqui no VOL e levei pedrada. Com o Slack, que gosto e já usei, é a mesma coisa. Falando mal ou bem dele, leva-se pedrada.

Quando será que a "turma do SL" vai entender que gosto é gosto e não se discute? Ou que a crítica fundamentada é um estímulo que leva ao aperfeiçoamento?

Espero que seu bom artigo contribua para tal "entendimento".

[11] Comentário enviado por removido em 20/10/2009 - 18:33h

{{{
É ensinar como usar, aproveitar o tempo livre para mostrar recursos que muitos Windows por aí nunca terão, muitas facilidades que não dependem de programas. Um exemplo patético é o "sistema" de links que todo Linux tem (comando ln, que vem no coreutils). Que eu saiba, o Windows não tem isso. Tem um esquema de atalhos que são arquivos com extensão .lnk.
}}}

na vdd. ate onde apurei, esse sistema de links do windows é um 'ln -s' quebrado...

No mais, legalzinho seu artigo. A melhor forma de converter é mostrando resultado.

Quer ver? Em casa, minha mãe era quem estava ainda usando XP numa maquina dual com Ubuntu, ate que hj ela me ligou pedindo pra ensinar mexer melhor no Ubuntu, pq nao consegue mais usar Windows. Minha irmã tem um note dual e nao usa Windows tem bem uns 6 meses... Tudo configurado por mim, quando querem fazer algo, vou la e ensino, instalo os programas crio os atalhos, etc.

Quanto a distro, nunca discuto com ninguem, a sua distro é sempre ótima. Afinal, é Linux... sem querer ser xiita, penso que é uma idiotice, mas que o windows não presta não presta. o 3.11 foi o ultimo bom e o xp o unico mais ou menos... mas ainda assim é muito mais limitado que o Linux.

A maioria das pessoas é simplesmente burra demais para usar Linux, só isso... Mas não burra por incompetência mental, mas por indisposição mental, ou seja: PREGUIÇA. Todo ser humano é dotado de muita capacidade mental, mas que fica estagnada e atrofiando em usos esdruxulos, que nem vou mencionar pra não criar mais polemica. tem gente que simplesmente não vai dar conta de usar o Linux e ponto, da mesma forma que ela ja nao consegue usar um PC... com outro SO (vai mentir que voces não conhecem bem meia duzia assim???)

Linux, depois de configurado, é uma paz. Até deixar no grau, reconheço, nem tanto...

[12] Comentário enviado por albfneto em 20/10/2009 - 18:42h

Veja como são as coisas.
para mim, os editores de texto funcionam e pronto... Posso usar word 6, MSOffice 2007,mas também uso Abiword, Symphony, OpenOffice etc...
o melhor pra mim, sem duvida é o Oxygen, mas eu uso todos, todos fazem edição de texto e são usáveis!

o que "não presta" para mim, definitivamente... "Internet exploder" rsrsrsrsrsrrs!!! e o 8 é pior ainda! bugado, lento, moroso, cheio de erros de execução de script, mesmo em windows 7!.... e clean!!! clean demais pro meu gosto!!!!
além disso, "puxa" da rede todos os malware, addware e pop-ups do Mundo.... só serve para tornar a navegação quase impossível!
Nunca gostei! quando não existia Mozilla Firefox, eu usava Netscape, sempre usei Netscape. Também sou suspeito, pq sou testador beta Mozilla e sou um dos tradutores do firefox, e fui tradutor da Netscape.

e outra coisa que não me vai,e todo mundo elogia! Goolgle Chrome e Chromium!!! Outra coisa clean... tão clean que é confuso e não se sabe onde clicar, além de que é um poço de bugs, um poço sem fundo! rsrsrsrsrs

Bom artigo, original e diferente.

[13] Comentário enviado por osmano807 em 20/10/2009 - 19:24h

Uso Windows, Mac, Linux, BSD

E estou feliz com todos, cada um me atende a um gosto específico.

[14] Comentário enviado por Miojo em 20/10/2009 - 20:06h

"é só um programa plagiado da Apple, e vive travando"
Como pode travar se foi copiado do Mac.
E, que eu saiba, os Macs são UNIX.

[15] Comentário enviado por walescko em 20/10/2009 - 20:19h

Artigo excelente.

A minha migração para o GNU/Linux foi radical, conhecia somente o mundo widows e quando entrei na faculdade de física, precisava fazer uns trabalhos e sem pc em casa na época (1999) fiz um cadastro para usar o laboratório de informática da instituição. Login, senha perfeito! entrei no SO Linux Mandraque, um tela preta se mais nada e somente um cursor piscando. Como entrar no X, um veterano me ajudou. Cade a barra de menu? (Padrão lá era gerenciador de janelas Wmaker) perguntando a um e a outro fui aprendendo.

Comprei um note e sem SO e instalei o XP da "piratosoft" rodou legal, nunca tive problema, instalei em dual boot, algumas distro linux (Mint, Mandriva, Fedora), um belo dia, troco a distro deixando a Mandriva 2009 e bum, se foi o xp, sem cd de instalação, testei o Ubuntu, gostei e instalei. Hoje não uso windows mais, só linix no note, DEbian 5 e Ubuntu 9.04, feliz da vida, fazendo tudo o que fazia do windows, e indo mais além.

Quer convencer alguém vir pro Linux, mostre usando, ensine e estimule a mudar, meu vizinho aqui vai comprar um pc novo, já cogitou a idéia de instalar um linux, as filhas deles querem Ubuntu, ele ainda quer o Windows... vamos colocar dual boot então

[16] Comentário enviado por cruzeirense em 20/10/2009 - 20:37h

Eu gosto do office 2007.
O excel é muito show!

[17] Comentário enviado por tiagoscd em 21/10/2009 - 10:30h

O pior é que já conheço essa história. Entreguei um CD do Ubuntu, com a tática de "este é o original, que veio direto da empresa", sob aviso de que sua instalação deve ser feita com cautela, caso não pretenda eliminar o Windows.

Abismado, alegre, feliz e contente por ter ganho o CD tão valioso, vindo direto do Reino Unido, empolga-se, esquecendo do aviso, parte para casa e logo efetua instalação em seu computador. Após terminar a instalação e brincar com o sistema por alguns minutos, atordoado e chateado por não encontrar o Pinball e nem o menu Iniciar, reinicia o computador e... surpresa! Instalou o Linux no disco inteiro. Então, com medo da revolta de sua mãe, que não poderá mais ver as receitas da Ana Maria Braga e nem ver as fotos de família novamente, liga desesperado implorando ajuda e reclamando, culpando-me pelo que aconteceu.

E é assim que se perdeu mais um amigo "por causa do software livre", hehe.

PS: Baseada em fatos reais.

[18] Comentário enviado por ednilton_so em 21/10/2009 - 14:28h

Olá,

Artigo verdadeiro e divertido. Acho que não dá pra ficar discutindo mesmo. O que deve falar mais alto são as experiências. Infelizmente, a principal desculpa que as pessoa dão para não usar o Linux, dizendo que é difícil, tem um fundo de verdade. Se você quiser tudo configurado e bonitinho, tem que aprender algumas coisas e gastar um pouco de tempo, mas vale realmente a pena. Porém o que elas não entendem ainda é que não sabem nada do Windows também. Na maioria das vezes o técnico vem instalar e configurar e o pior, tudo produto da piratolândia. Não percebem também que vivem com medo de vírus e de detonar o sistema e perder dados.

Bem, quanto ao Office, he, pra quê? Faço tudo no Latex mesmo, desde relatórios a apresentações. Só uso o OpenOffice para alguns documentos .doc que tenho que editar, imprimir, ler etc.

Abraços.

[19] Comentário enviado por removido em 21/10/2009 - 16:22h

Ótimo orador, com muito senso de humor e um texto informativo.
Eu gostei muito.

"Olá!

Este é meu primeiro artigo para o Viva O Linux,"

Não pare neste a comunidade precisa de textos assim.

[20] Comentário enviado por removido em 21/10/2009 - 16:25h

15 anos escrevendo deste jeito?
Parabéns edgarlemke.

[21] Comentário enviado por edgarlemke em 21/10/2009 - 19:38h

Nossa, parece que o povo gostou mesmo!

Quanto ao IE 6.0 no Vista, é porque no começo era para ser XP, mas decidi mudar e esqueci do detalhe do navegador padrão... hehehe

Quanto ao Office 2007, acho que a Microsoft queria revolucionar o Office tornando mais intuitivo, só que não deu certo, porque quem está acostumado com o "sistema" antigo de menus pra lá e pra cá estranha bastante, tornando tudo menos produtivo.
Como disse no texto, quinze minutos para aplicar um centímetro de parágrafo. As coisas ficaram muito escondidas no Office 2007. Eu pessoalmente não gosto.

Quanto ao:
"é só um programa plagiado da Apple, e vive travando"
Como pode travar se foi copiado do Mac.
E, que eu saiba, os Macs são UNIX.

Há muito tempo, se eu não me engano para o Win95, eles copiaram o Mac. Tá contado no amado "Piratas do Vale do Silício". Os Macs são passaram a ser unix-like a partir do Mac OS X.

Quanto ao:
Hoje não uso windows mais, só linix no note, DEbian 5 e Ubuntu 9.04, feliz da vida, fazendo tudo o que fazia do windows, e indo mais além.

Cara, é o mesmo para mim. Eu me considero muito mais produtivo no Linux que no Windows. Em raros casos eu ainda uso o Windows, mas não é para ser produtivo. É mais para jogar e estudar stack overflow, tenho feito isso ultimamente...

Quanto ao:
O pior é que já conheço essa história. Entreguei um CD do Ubuntu, com a tática de "este é o original, que veio direto da empresa", sob aviso de que sua instalação deve ser feita com cautela, caso não pretenda eliminar o Windows.

Abismado, alegre, feliz e contente por ter ganho o CD tão valioso, vindo direto do Reino Unido, empolga-se, esquecendo do aviso, parte para casa e logo efetua instalação em seu computador. Após terminar a instalação e brincar com o sistema por alguns minutos, atordoado e chateado por não encontrar o Pinball e nem o menu Iniciar, reinicia o computador e... surpresa! Instalou o Linux no disco inteiro. Então, com medo da revolta de sua mãe, que não poderá mais ver as receitas da Ana Maria Braga e nem ver as fotos de família novamente, liga desesperado implorando ajuda e reclamando, culpando-me pelo que aconteceu.

E é assim que se perdeu mais um amigo "por causa do software livre", hehe.

PS: Baseada em fatos reais.


Isso só acontece se o usuário é do tipo clicador.
Apareceu erro? Clique! Em sair, OK, cancelar, repetir, qualquer lugar, apenas clique até fechar...
Mas a narrativa é boa! :P

Quanto ao:
Por outro lado, o fato de ser gratuito pode de alguma forma influenciar as pessoas de forma negativa. As coisas de "baixo custo" ou "gratuitas" tendem a ser associadas á ideia de "qualidade inferior".

Não existe coisa mais verdadeira que isso! Outro dia estava discutindo e defendendo o GIMP, quando simplesmente me pedem se tem efeitos tão bons quanto o Photoshop, sendo gratuito...


Escrevi esse artigo justamente me inspirando nas minhas experiências de ex-xiita. Se me pedirem qual é o melhor sistema operacional, eu digo que depende do uso. Mas se me pedem qual eu aconselho, eu falo Linux... :D

[22] Comentário enviado por Teixeira em 21/10/2009 - 20:31h

Esse negócio do OpenOffice ser consumidor de memória é algo a ser observado mais detidamente e com mais justiça.
Usei o StarOffice 5.1 na época do Windows 95 e ele era bem rápido. Todos (StarOffice, OpenOffice, BR-Office) provém da Sun Microsystems e sabemos que produtos não-Microsoft são propositadamente "estranhados" pelo sistema operacional.
O exemplo mais atual é o "java" diante do "Java".
No passado era o DR.DOS (não é "doutor DOS": É o "DOS da DIGITAL RESEARCH") que "gerava" uma falsa mensagem de "erro desconhecido" no Windows... As pessoas trocavam de SO simplesmente porque não aguentavam de tanto ver aquelas telinhas de "erro".
DR DOS entretanto era 100% retrocompatível e não tinha o limite de 512kb RAM.

Devemos nos lembrar que o Office da Microsoft é carregado durante a iniciação do Windows e não depois.
O tempo que ele leva para carregar equivale ao do OO, apenas que o segundo é mais notável porque é carregado depois.
Note-se que em ambos é carregado o pacote inteiro (ambiente) e não apenas um aplicativo.
Por isso a impressão de que demora.

Cheguei porém à conclusão de que falta aos nossos editores-formatadores de texto a possibilidade de transformá-los em BONS editores de páginas.
Isso sim eu consideraria uma EVOLUÇÃO.
Por enquanto, estão-me devendo essa...

[23] Comentário enviado por nimopank em 22/10/2009 - 08:19h

kkkkkkk o Teixeira escrever um artigo, no post... auhsuahs

eu não tive problema algum para migrar para o linux, eu achava muito era divertido, o konsole, já penssou fazendo loucuras no konsole, haa aí eu ficava doido, então só fui estudar estudar e estudar, hj sou um usuário de linux, tenho apenas 17 anos e estamos aí vivendo o linux, porquer viver linux é viver a liberdade.

[24] Comentário enviado por zend em 22/10/2009 - 08:31h

otimo Artigo.....que usuario Linux nunca tentou converter seus amigos, pcs da empresa ou qualquer outro computador que ele ve que é Windows já quer logo por Linux e eu sou um desses hehehee......

Slackware + Fluxbox é a liberdade em suas mãos.... [;P]

[25] Comentário enviado por removido em 22/10/2009 - 09:59h

Muito bom o artigo! Parabéns!

[26] Comentário enviado por Credmann em 22/10/2009 - 17:34h

O pior tipo de "candidato a migração" é o "masturbador de Word".

É aquele sujeito que tem botões cobrindo a tela até sobrar espaço para duas linhas de texto na janela. É para esconder que não está fazendo absolutamente nada.

É aquele que sempre usa a desculpa do vírus para os atrasos. Usa desfragmentação e varredura de antivírus para "coçar" meio expediente.

Nunca tem tempo de criar modelos, mesmo que seja um timbrado. Não usa o registro de modificações porque seu DOC já teria 100 MB, já que é o mesmo desde que foi admitido.

Esse, com certeza, nunca vai migrar para Linux. Mas tenho uma boa notícia: masturbadores de Word morrem, eventualmente.

Deve-se investir nas crianças. Salvem as crianças!

[27] Comentário enviado por saitam em 23/10/2009 - 09:48h

Muito bom, o artigo!

Eu também tento convencer os winuser a testarem o Linux, falando das qualidades do sistema em relação da M$.

Sobre o uso da distro Linux segue a frase abaixo:
distribuição Linux, é quem nem time de futebol, cada um tem seu time preferido.

[28] Comentário enviado por grandmaster em 23/10/2009 - 11:04h

Eu uso desde OO, até MS Office 2007.

Cada um tem seus lados positivos e lógico para o cliente, usuário etc tem a questão do gosto/costume com a interface etc.

Não sou radical com essas coisas não, desde que consiga atender ao que preciso fazer.

Como o saitam falou. E igual time de futebol.

---
Renato de Castro Henriques
CobiT Foundation 4.1 Certified ID: 90391725
http://www.renato.henriques.nom.br

[29] Comentário enviado por adrianoturbo em 23/10/2009 - 11:12h

"Encontramos nossa primeira vítima, um usuário de Windows que está sentado ao computador tomando café e comendo bolachas. "
hahahaha me desculpe brother,mas não tem como não rir ,muito hilário o seu artigo .
Windows Vista com IE6 muito legal pra rir.
Agora falando sério converter os pagãos Windows para religião open source é umas das tarefas mais árduas ,seria uma verdadeira cruzada.
Porém não impossível.
Parabéns pelo artigo .


[30] Comentário enviado por nimopank em 24/10/2009 - 10:01h

somos todo um Noé, querendo que salvar as pessoas do diluvio.

[31] Comentário enviado por zer0ne em 24/10/2009 - 23:30h

Também já tentei convencer pessoas a migrar para o linux, principalmente pela questão de segurança, mas... fail
O principal motivo foi: preguiça de aprender

nimopank em 24/10/2009 - 10:01h:

somos todo um Noé, querendo que salvar as pessoas do diluvio.

uhuhauhauhauhauha diluvio azul com letras brancas? xD

[32] Comentário enviado por fhespanhol em 02/11/2009 - 06:44h

O exemplo de que o que o Edgar está falando ser verdade é o fato de o Windows seven ser uma cópia do Ubuntu. E pior uma cópia mal feita. Até o sistema de janelas e os efeitosd de esmaecimento de telas está igual. Sem falar na interface do Windows Explorer que está igual a do Nautilus e o Internet Explorer 8 que é uma cópia descarada do Google Chrome. Então já que temos uma cópia mal acabada do Linux custando os olhos da cara porquê não usar uma cópia gratuita que funciona bem melhor? O dia que as pessoas acordarem para isso Acaba a palhaçada da Microsoft.

[33] Comentário enviado por Teixeira em 02/11/2009 - 23:54h

Tem uma coisa que não dá para entender:

Por muito do que foi dito, as pessoas deveriam continuar usando o MS-Office não apenas por ser um bom produto, mas tembém por questão de tradição, porque já estão acostumadas com a interface.

Na prática essa interface tem-se mostrado extremamente mutante, os formatos de arquivos são parcialmente incompatíveis entre as versões e as funções estão acessíveis em outros lugares, ou através de outras rotinas, que TEM de ser reaprendidas.

Portanto não entendo isso como tradição, hábito, costume ou compatibilidade, nem entendo como essa Babel de diversidades pode tornar um processo mais produtivo, já que o usuário estará sempre ocupado tentando reaprender aquilo que ele já estava quase dominando...

Insisto em que as pessoas não aprendem a usar "editores de texto", mas aprendem o "MS-Office", nem aprendem a usar "planilhas de cálculo" mas o "MS-Excel".
E que, se a cada versão nova as interfaces e os formatos de arquivo forem diferentes, haverá isto sim uma grande perda de tempo e recursos humanos em reaprendizagem.

Então fica a pergunta: Se tem de reaprender, então porque não reaprender direito?
E já que vai ser tudo diferente e incompatível mesmo, porque não buscar uma solução definitiva, compatível e de baixo custo?

Parece que está na hora de decidir pela "pílula vermelha" (alusão ao fime "Enter the Matrix")...

[34] Comentário enviado por dynho em 13/11/2009 - 10:38h

Edgar, fantastico essa sua disertação, li de ponta a ponta e alem das boas risadas achei você completamente feliz nas exposições que fez e até peguei uma frase sua que se encaixou no meu caso :

"_Quer saber como migrei? Migrei do pior jeito possível, instalei Ubuntu com dual boot e simplesmente comecei a usar. E aprendi a usar porque muitos me apoiavam, ou pelo menos, porque me interessava. ( e acrescento que não tive preguiça de pesquisar)

Se ninguém tivesse me apresentado o Ubuntu, e se ninguém tivesse me apoiado, não sei se estaria utilizando-o como utilizo atualmente. "

Parabéns, curti!

[35] Comentário enviado por dynho em 13/11/2009 - 10:41h

Ah, e só para completar, não importa qual distribuição usam, usamos ou iremos usar, o linux é um vício saudavel e que desperta curiosidade e interesse pelo aprendizado.
Valeu edgar.

[36] Comentário enviado por luanyata em 14/01/2010 - 17:52h

A conversão de pessoa do mundo Windows para Linux ṕe muito complicada e hardua... as pessoas ja teem em sua mente o marketing da microsoft na cabeça...
a maioria dos PCs ja vem com o Windows instalado de certa forma foçando o usuario a usa-lo alem do mais ele pagaram pelo produto(quer dizer, alguns deles)...

o questionamento com o grau de dificuldade para mexer no sistema ( conversa fiada) sempre é posto a mesa...
mais eu axo q o povo gosta mesmo é da pirataria... isso q move o povo

[37] Comentário enviado por vinivend em 18/01/2011 - 10:32h

hauhauha, muito bom parabéns


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts