Análise de projetos de instituições públicas que adotaram o uso do Software Livre e suas vantagens

Neste artigo serão analisados os projetos de implantação do Software Livre em Instituições Públicas através de estudos em diversos segmentos do cenário mundial, como países, órgãos públicos e privados, mostrando exemplos e explicações sobre o por quê, quando e como se pode utilizar o Software Livre.

[ Hits: 64.220 ]

Por: Fabricio Paulo dos Santos em 14/01/2007


Software livre, uma realidade nacional



Com a migração para Software Livre, o Serpro converteu dinheiro que seria gastos com licenças de uso e atualização de softwares proprietários com reestruturação de suas plataformas e treinamentos de seus funcionários.

Com a migração, o Serpro conseguiu economizar R$ 10,5 milhões na compra de licenças proprietárias. Parte deste valor foi reinvestida em treinamentos, renovação de infra-estrutura, consultoria e suporte. De acordo com o gestor, o sistema operacional usado é a distribuição Fedora Core 2.0, que sofrerá um upgrade para a versão 4.0 até o final do ano, o pacote OpenOffice e o navegador Firefox. "No início, enfrentamos uma certa resistência dos funcionários, mas já foi superada", (Paulo Arruda, chefe da área de tecnologia da informação da regional Recife do Serpro, 2005).

No cenário empresarial privado, temos empresas como Casas Bahia, Petrobras, já mencionadas no capítulo anterior, Bancos como Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil que adota e financia inúmeros projetos em Software Livre, mostrando que não é apenas uma questão ideológica mas sim uma questão estratégica e econômica para maximização de seus lucros e aprimoramento tecnológico constantes em seus processos.

Empresas Estatais como EMBRAPA é um exemplo de como se pode utilizar Software Livre para atender melhor as necessidades de seu público meta.

Com a Criação Rede Agrolivre, a EMBRAPA deixou de ser apenas usuária e sim desenvolvedora de sua própria tecnologia.

(...) "para o desenvolvimento sustentável do agronegócio brasileiro, por meio da geração, adaptação e transferência de conhecimentos e tecnologias de informação e de bioinformática" (...) (EMBRAPA INFORMÁTICA AGROPECUÁRIA, 2005).

Um exemplo claro é a Árvore Hiperbólica- ferramenta computacional multi-plataforma para criação e edição de uma árvore hiperbólica a partir de uma interface amigável e intuitiva, desenvolvida em 2003, o custo de uma licença de uso de um software proprietário com a mesma função hiperbólica, na ocasião, era de US$ 25 mil por licença. Além da ferramenta livre da EMBRAPA oferecer vantagens técnicas, possibilitou a economia de US$ 375 mil.

No setor governamental, deste Ministérios, Governos, e até municípios estão utilizando Software Livre afim de reduzir gastos com licenças enxugando assim sua receitas e possibilitando o desenvolvimento de outros projetos de caracter social e educacional.

Se fizermos uma consulta no Google ou em outro site de busca por ONGs que utilizam Software Livre, encontraremos inúmeras, dos mais diversos segmentos e ideologia, não por gosto pessoal mais sim pelo desempenho no qual é obtido e pela vantagem de ser uma ferramenta que possibilita uma grande economia, que para muitas ONGs isso é um fator importantíssimo pelo fato de que praticamente a captação dos recursos dessas ONGs é dada por doações e patrocínios.

Muitas dessas ONGs fazem trabalhos junto a sociedade carente de diversas localidades em todo o Brasil. Muitas ONGs trabalham com Software Livre para acelerar a inclusão digital nas favelas e zonas carentes, oferecendo a oportunidade a centenas de pessoas (na sua grande maioria, crianças e adolescentes), a obterem uma profissão, pois, muitas dessas pessoas acabam tendo o primeiro contato com um computador só através destes projetos, e pelo fato de não se precisar investir com licenças de utilização de software, acaba sendo menos custoso e mais fácil a obtenção de recursos junto a iniciativa privada para realização desses projetos.

O exército brasileiro desde 2005 adota a implantação e utilização de Software Livre em todas as OM (Organizações Militares) estrategicamente, buscando um aprimoramento tecnológico.

O Departamento de Ciência e Tecnologia recomenda que todos leiam com atenção a Cartilha distribuída e unam esforços, de forma que o Exército possa atingir esse objetivo de modo harmônico e pro-ativo, visando a preservar a segurança indispensável nos serviços executados, o eficaz aproveitamento dos equipamentos de informática distribuídos, o aprimoramento da formação de seu corpo técnico, e possa assegurar a desejável independência tecnológica na utilização de aplicativos de software. (Departamento de Ciência e Tecnologia do exército brasileiro, 2005).

Desta forma, percebe que o Software Livre vem sido adotado nas mais diversas esferas do cenário nacional.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Resumo
   2. Introdução
   3. Software livre
   4. Software livre no mundo
   5. Software livre no mundo
   6. Software livre nos meios corporativos
   7. Software livre nos meios corporativos
   8. Software livre, uma realidade nacional
   9. Software livre, uma realidade nacional
   10. Software livre em governos brasileiros
   11. Software livre, uma realidade nacional
   12. O software livre viabilizando prefeituras de Santa Catarina
   13. Considerações finais
   14. Referências
Outros artigos deste autor

Comunidade, Código e Colaboração - O Projeto OpenOffice.org

Leitura recomendada

Sociedade, Software Livre e Linux

Software Livre: Avanço tecnológico e ético

Ubuntu 6.10 vs Kurumin 6.0

O comércio eletrônico e o Linux

MS-X, DOS, Windows e finalmente Linux: História da evolução da informática e pessoal

  
Comentários
[1] Comentário enviado por lord_roxton em 15/01/2007 - 10:26h

Muito boa análise sobre a utilização de software livre em órgãos públicos!
São os que deveriam dar o exemplo, pois é dinheiro público dos impostos que está sendo gasto com software proprietário onde muitas vezes existem alternativas de softwares livres!

[2] Comentário enviado por jr_vasc em 15/01/2007 - 12:02h

Muito interessante, trabalho na Bahia com um programa que é o maior da América Latina em inclusão digital todo baseado em software livre.
Faço parte da equipe de Suporte, me sinto feliz por ver que o governo investe, mesmo que muito pouco ainda, nessa nova realidade, muito dinheiro que seria gasto com a implementação de softwares proprietarios pode ser alocado para outras camadas carentes da sociedade em geral, muito interessante mesmo.
Parabéns.

[3] Comentário enviado por jr_vasc em 15/01/2007 - 12:04h

Ah...
o site que fala sobre este programa de inclusão digital é:

http://www.identidadedigital.ba.gov.br/

Obrigado

[4] Comentário enviado por removido em 15/01/2007 - 13:20h

Muito bom mesmo!

[5] Comentário enviado por komodo em 16/01/2007 - 10:49h

Estão vendo! é possível!

[]'s

Silésio Gabriel

[6] Comentário enviado por lennon.jesus em 16/01/2007 - 13:04h

Não só é possível como é o futuro!

[7] Comentário enviado por fralda em 17/01/2007 - 16:58h

mt bom mesmo o artigo, tb acredito que o software livre vai ser o dominante daqui alguns anos..

[8] Comentário enviado por fhespanhol em 26/01/2007 - 07:27h

Eu acho que para o software livre ser implementado com seriedade os pensamentos radicais e excludentes devem ser deixados de lado. Substituir um S.O como o Windows que tem grande carisma entre usuários comuns devido a sua facilidade de operação leva tempo, ainda mais em um pais onde encontramos programas a R$5,00 em cada esquina e a fiscalização é praticamente inexistente.
Porém várias empresas já estão acordando para o fato de que é bem mais prático ter um S.O gratuito que executa as mesmas funções do Windows, bastando para isto dar treinamento a seus funcionários e ir substituindo os S.Os gradativamente.
Contudo no ambiente doméstico só os Linux baseados no Knopix e em Debian garatem um ambiente amigável o suficiente para garantir a migração, para o processo ser completo desenvolvedores deviam criar um modo de jogos para Windows rodarem também em Linux com facilidade e criar um modo de periféricos se comunicarem com o micro automaticamente, afinal não era esta a proposta inicial do Java? Fazer com que todos os equipamentos domésticos conversassem entre sí?


[9] Comentário enviado por fernandoamador em 04/10/2007 - 17:30h

Ótimo artigo!!!
Parabésn...

[10] Comentário enviado por jlmc1 em 17/09/2010 - 19:55h

Sou militar e trabalho na seção de informática do meu Batalhão, e em cumprimento ao plano de migração do Exercito Brasileiro, em 1 (um) ano foi migrada todas as maquinas de Windows para Linux Ubuntu. Esse processo se deu primeiramente com a substituição das ferramentas offices ( msoffice para broffice) e depois a substituição do sistema de Windows XP para primeiramente para a distribuição Kurumin 7 e depois para Ubuntu sendo uma distribuição mais amigável que permite ate a utilização de temas parecidos com o Windows facilitando uma maior aceitação do usuário. Tudo foi planejado para que a migração acorresse de uma forma suave e tranqüila com inicialmente problemas de resistência dos usuários, mas superadas pelas facilidades que a ambiente desktop Linux trás na atualidade nos tornando uma das poucas unidades do Exercito Brasileiro a migra 100% para Linux sendo que a seção de informática já teria migrado a mais de 5 (cinco) anos utilizando a distribuição Debian. Resultado disto:
0 (ZERO) problemas de vírus perda de arquivos formatação de computadores queda se serviços da rede sendo os servidores Linux mais leves e robustos.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts