Alguém, salve os multiterminais do Proinfo. Por favor!

Este artigo é um apelo e um puxão de orelha na comunidade, especificamente nos membros que desperdiçam esforços em projetos inúteis, quando poderiam contribuir com projetos que realmente precisam de ajuda, como por exemplo, os multiterminais do Proinfo.

[ Hits: 15.654 ]

Por: Perfil removido em 21/09/2013


Salvem os multiterminais do Proinfo!



Certa vez, João e Manoel se encontraram na rua, por acaso, depois de muitos anos sem se verem:

- Ô Manoel, quanto tempo!!
- Fala João, que saudade cara!
- Precisamos trocar umas ideias, passa lá em casa qualquer dia.
- Pode deixar, vamos fazer uma carne, tomar uma gelada e trocar umas ideias responsas...

Foi assim que João e Manoel nunca mais se viram...

Imagino que todo mundo que inicia no Software Livre pensa, em algum momento, sobre como poderia contribuir para com a difusão e crescimento do mesmo.

Isso, em minha opinião, é uma atitude muito bonita e totalmente válida. Mas um grande problema que noto na comunidade, é que é muito tênue a linha que separa o desejo de contribuir e o de ter um projeto para chamar de seu.

Não que isso seja um problema, em minha opinião. Nós somos humanos, temos o nosso ego, o orgulho é um sentimento muito forte em nossas vidas.

O problema é quando a possibilidade de massagear o próprio ego passa a ser a causa primária disso tudo, ao invés de realmente contribuir. Poder bater orgulhoso no peito e dizer que fez isso ou aquilo, muitas vezes acaba sendo mais importante do que realmente realizar algo que faça a diferença.

O resultado disso, é que temos uma enormidade de projetos realmente fúteis e inúteis espalhados por aí, enquanto projeto importantes definham e morrem por falta de apoio.

Quem me conhece, sabe que sou mantenedor de um projeto voluntário, que me faz perder os cabelos e me presenteou com uma "linda" gastrite, por isso, vou ser bem direto e esclarecer que não vim aqui pra falar do UbuntUCA.

Quero falar de algo muito importante na área da tecnologia educacional no Brasil que, infelizmente, vem tendo um desenvolvimento péssimo (pra não usar outra palavra) e que justamente por causa disso, tem contribuído, muitas vezes, para denegrir a imagem do GNU/Linux nas escolas públicas.

Para quem não sabe, nos últimos anos, as salas informatizadas das escolas públicas têm recebido os famosos multiterminais, que são máquinas com um gabinete e dois ou três monitores, mouses e teclados. Assim, uma máquina é usada por até três pessoas ao mesmo tempo.

Já falei aqui no VOL do quanto esse "sistema" é horrível, cheio de bugs, que funciona de maneira sofrível e que prejudica o andamento das aulas nas salas informatizadas.

O que acontece, é que o software que gerencia esses multiterminais é péssimo, algo muito mal feito, horrível mesmo. Notem que eu não me refiro à distribuição instalada nestas máquinas, mas ao software que faz especificamente o gerenciamento das multi-sessões.

Não sei se é livre, se é fechado, só sei que aquilo, pra ser ruim, precisa melhorar muito. Além disso, a empresa que o desenvolve o trata com um descaso enorme, de tal modo que a última versão disponível do programa é apenas para o Ubuntu 10.04.

É assustador pensar que todas as escolas públicas do Brasil, que recebem os laboratórios de informática do Proinfo, precisam de um software tão ruim para funcionar.


Pois bem, eu sinceramente espero, o dia em que alguma boa alma resolva descer, mesmo que seja por um só momento, do seu pedestal, deixe um pouco de enviar Wallpapers pro Ubuntu, pare só um pouquinho de configurar os painéis e escolher a coleção de aplicativos e o tema da sua distribuição, e resolva, em um momento de loucura, desenvolver um software decente para estes multiterminais.

Infelizmente, esse projeto não é muito conhecido, 99,9% da comunidade nem sabe que esse software de multi-sessão existe. Se você resolver o problema desses multiterminais, você não vai poder dar carteirada com isso, não vai pegar mais mulher, não vai receber um aperto de mão do prefeito do seu município ou a chave da sua cidade, não vai ficar rico (talvez até fique), mas estará ajudando centenas de milhares de crianças e adolescentes e milhares de professores por todo Brasil.

Não quero citar nomes, mas ao longo dos anos, vi dezenas de pessoas aparecendo aqui, querendo contribuir de alguma forma para com o SL, querendo escrever algumas linhas de código para projetos gigantes que já possuem centenas de desenvolvedores, ou querendo juntar a comunidade para desenvolver mais uma distribuição, ou sem meias palavras, querendo ter um projeto para chamar de seu.

Mas, na hora em que aparece algo ou alguém que realmente precisa de ajuda, o tapinha nas costas sai de graça e todo mundo promete "ir lá em casa tomar um chimarrão" (mas nunca vai).

Enquanto nós somos bombardeados por novas distribuições, praticamente todos os dias, projetos realmente importantes morrem, ou situações que precisam de uma solução (mas que não dão ibope ou não têm poder de marketing), são esquecidas e ignoradas.

Eu não me canso de dizer que o Software Livre é um campo fértil e que precisa de trabalhadores. Mas precisamos de menos caciques e mais índios. Precisamos de gente que queira trabalhar e se comprometer com a causa, que esteja disposto a sacrificar os seus fins de semanas e feriados, ou mesmo de virar noites em claro trabalhando por algo, do qual ele nunca poderá se gabar para os amigos ou com o qual ele nunca poderá impressionar uma gatinha.

Precisamos de pessoas que entendam que mesmo em um projeto livre, ainda existe hierarquia e que ficar "dando palpite" de temas, ícones, disposição de painéis, qual interface usar, qual aplicativo deve entrar pra coleção, não é contribuir e sim encher o saco de quem realmente trabalha.

Conclusão

E sim, isso aqui é um desabafo, mas é também um recado para você que quer contribuir para com o Software Livre, mas não sabe como e onde poderia ajudar.

E também para você "distreiro" de plantão, que ao invés de lançar mais um Ubuntu com papel de parede diferente, pode empregar seu conhecimento em algo realmente importante, como um software decente para esses multiterminais do Proinfo, por exemplo.

   

Páginas do artigo
   1. Salvem os multiterminais do Proinfo!
Outros artigos deste autor

Gerenciamento centralizado de usuários de rede com GOSA

ATI 200M + XGL no Gentoo

Instalando e arredondando o Slackware 13.1

Instalando o Ubuntu no pendrive

Configurando o aMSN para Lan House e/ou Cyber Café

Leitura recomendada

Revista Viva o Linux

Software Livre: Redução de custos para as empresas e mais empregos

Software livre no país não é mais somente incentivo

Abrir o código fonte?

Porque as pessoas não usam Linux?

  
Comentários
[1] Comentário enviado por julio_hoffimann em 21/09/2013 - 18:03h

Parabéns Gedimar! Compartilho a frustração, apesar de não conhecer o caso de perto.

Algum link de referência? O nome da empresa, o código fonte, etc?

Abs.

[2] Comentário enviado por removido em 21/09/2013 - 18:16h

Olá Julio,

Penso que é até chato falar nomes, pois pode ser que alguém se sinta ofendido, acho que inclusive um dos desenvolvedores desse software, tem conta aqui no vol.

Mas enfim, o link é este: http://userful.com/support/all-downloads/ums-download

O software instala normalmente no Ubuntu 10.04, mas você só vai ter uma ideia da real situação, testando-o em um multiterminal do Proinfo mesmo.

[3] Comentário enviado por julio_hoffimann em 21/09/2013 - 20:36h

Gedimar,

Faz parte, temos que apontar o que não está funcionando, como fazem os cidadãos em países de primeiro mundo. ;)

Má notícia, é código fechado, uma porção de pacotes *.deb, veja você mesmo:

./userful-multiseat-blahblahblah.run --noexec --target /tmp

(o comando acima extrai os pacotes no diretório /tmp)

Pensei que esses programas do governo eram desenvolvidos por empresas de software nacionais, nem sequer isso.

[4] Comentário enviado por xslackx em 21/09/2013 - 22:41h

Já trabalhei no suporte para professores e salas de acessos das escolas de SP, atualmente eles usam o Blue Control da MS, mas ainda assim continua sendo lento e ruim, tanto para os alunos quantos os estagiários que utilizam um servidor para liberar as maquinas.

O que falta para realizar um software livre deste nível, somente um passo.

Estudar & Desenvolver.

ótimo post !!!

[5] Comentário enviado por zendrael em 22/09/2013 - 08:55h

Gedimar,

Pode tentar com outras soluções livres, como evdev e Xephyr: http://pt.wikipedia.org/wiki/Multiterminal

Aqui há uma outra solução livre com experiência: http://redmine.c3sl.ufpr.br/boards/1/topics/708

E, claro, há o bom e velho LTSP! Não é possível utilizar uma ou duas máquinas como servidores e as outras como clientes?

[6] Comentário enviado por removido em 22/09/2013 - 10:27h


[4] Comentário enviado por xslackx em 21/09/2013 - 22:41h:

Já trabalhei no suporte para professores e salas de acessos das escolas de SP, atualmente eles usam o Blue Control da MS, mas ainda assim continua sendo lento e ruim, tanto para os alunos quantos os estagiários que utilizam um servidor para liberar as maquinas.

O que falta para realizar um software livre deste nível, somente um passo.

Estudar & Desenvolver.

ótimo post !!!


Olá Ruan,

Eu acho que o que mais falta é apoio e interesse. Tanto por parte do governo e principalmente por parte da comunidade.
A comunidade é omissa em muitos casos, porque o projeto não tem marketing, não vai render dinheiro, não tem visibilidade...
Resultado, no fim das contas o governo acaba cedendo aos interesses de empresas que só querem sugar as tetas do governo, e dão em troca, softwares horríveis e mau desenvolvidos.

É importante salientar que quando eu critico a comunidade, não estou falando do pessoal que já contribui, pois não quero que deixem seus projetos de lado, mas falo de uma grande fatia que fica desperdiçando esforços e conhecimento em coisas fúteis, ou muitas vezes que só querem contribuir se o projeto for grande e importante. Ou pior só querem contribuir se as coisas forem do seu jeito: se o wallpaper não for verde, ele não quer, se não usar o openbox ao invés do Gnome, ele não quer...

O que essa gente tem que entender é que um projeto, mesmo que voluntário, precisa atender as necessidade do outro e não as suas próprias, ou ao seus gostos pessoais.

Também não coloco aqui, aquele pessoal que ainda não tem o conhecimento necessário para contribuir; sei que nem todo mundo é programador.

[7] Comentário enviado por removido em 22/09/2013 - 10:51h


[5] Comentário enviado por zendrael em 22/09/2013 - 08:55h:

Gedimar,

Pode tentar com outras soluções livres, como evdev e Xephyr: http://pt.wikipedia.org/wiki/Multiterminal

Aqui há uma outra solução livre com experiência: http://redmine.c3sl.ufpr.br/boards/1/topics/708

E, claro, há o bom e velho LTSP! Não é possível utilizar uma ou duas máquinas como servidores e as outras como clientes?


Olá Zendrael,

O LTSP, pelo que eu saiba não se encaixa nesse caso, os terminais não são terminais burros que bootam pela rede e sim apenas monitores, mouses e teclados conectados em uma única cpu, como nesta foto:

http://img.vivaolinux.com.br/imagens/artigos/comunidade/thumb_SAM_8168.JPG

Já fiz alguns testes com o Xephyr.

Mas infelizmente, essa situação precisa de uma solução pronta, um pacote deb que ao instalado já configure e deixe tudo funcionando. Isso porque 99,9 % das pessoas encarregadas por essas salas informatizadas não tem o menor conhecimento técnico, eles não teriam condições de ficar editando arquivos de textos e fazendo testes e mais testes, entende?

Eu que tenho um conhecimento razoável em Linux, quebrei a cabeça e não consegui configurar um multiterminal com o Xephyr, imagina esse pessoal?

Não tem jeito mesmo, precisamos de alguém com conhecimento que se disponha a botar a mão na massa e resolver esse problema de uma vez por todas. O Linux e o Software Livre estão sendo expostos ao ridículo nas escolas públicas por causa desse maldito userful, professores muitas vezes deixam de trabalhar nas salas informatizadas por se sentirem desmotivados porque sabem que vão chegar lá e encontrar algo que não funciona direito.

[8] Comentário enviado por lcavalheiro em 22/09/2013 - 12:42h

Gedimar, eu entendo e compartilho sua frustração. Aqui no Rio de Janeiro algumas escolas receberam aquele computador-projetor da Diebold que não funciona com o LE 3. Não funciona porque ninguém fez uma capacitação dos professores para usar a porra do computador-projetor, logo na escola em que eu trabalho em menos de três meses o equipamento foi abandonado e ficou ali entregue ao meu espírito fuçador. Eu estive pensando em formatar e colocar uma distro decente nele, mas nem sei se vai valer o esforço...

[9] Comentário enviado por daigo em 22/09/2013 - 12:53h

O problema desse projeto do Proinfo vai muito além da solução usada para o multiterminal. A capacitação para os professores que é inexistente também ferra com tudo.

Quanto a seu comentário final: os refisefuqueiros ou distreiros como vc usou não são programadores nem nada parecido, então não tem como eles colaborarem com qualquer outra coisa, apenas usando scripts prontos para gerarem suas Remaster de Fim de Semana no Fundo do Quintal.


A parte de contribuição é exatamente como você disse: muitos se oferecem, mas na hora de por a mão na massa, tomam chá de sumiço. Já fiz várias chamadas para consegui colaboradores que revisem o guia Foca enquanto eu comecei a elaborar a parte 'básica', usando o Xfce como interface, mas depois de serem informados que o projeto é sério somem.

Eu estou com um projeto para área educacional, logo irei testar e me aprofundar no uso do Amadeus.

[10] Comentário enviado por removido em 22/09/2013 - 14:45h


[9] Comentário enviado por daigo em 22/09/2013 - 12:53h:

O problema desse projeto do Proinfo vai muito além da solução usada para o multiterminal. A capacitação para os professores que é inexistente também ferra com tudo.

Quanto a seu comentário final: os refisefuqueiros ou distreiros como vc usou não são programadores nem nada parecido, então não tem como eles colaborarem com qualquer outra coisa, apenas usando scripts prontos para gerarem suas Remaster de Fim de Semana no Fundo do Quintal.


A parte de contribuição é exatamente como você disse: muitos se oferecem, mas na hora de por a mão na massa, tomam chá de sumiço. Já fiz várias chamadas para consegui colaboradores que revisem o guia Foca enquanto eu comecei a elaborar a parte 'básica', usando o Xfce como interface, mas depois de serem informados que o projeto é sério somem.

Eu estou com um projeto para área educacional, logo irei testar e me aprofundar no uso do Amadeus.


Olá Daigo,

De fato, eu creio que muitos distreiros até tem um bom conhecimento, mas a maioria, realmente é como você disse, aí nem dá pra contar muito com eles mesmo, não passam de soltadores de fogos de artifício.

Mas ainda assim, temos muitos membros da comunidade que teriam condições de colaborar, mas fecham os olhos e só os abrem na hora de criticar e falar mal. Claro que não generalizo, isso não é uma regra.

Além disso, nem só com código se contribui para com o SL, estou preparando outro artigo um pouco mais extenso, sobre situações específicas em que se pode ajudar, de maneira mais efetiva, sem ser, necessariamente com código.

Mas é claro que no caso específico desses multiterminais do Proinfo, o que mais se precisa, é de alguém com conhecimentos de programação.

Abs

[11] Comentário enviado por daigo em 22/09/2013 - 16:10h

Contribuir com SL vai muuuuito além de produzir código! Quando um centro de inclusão e profissionalização para comunidade carente aqui de Ctba procurou as empresas de software da cidade, fiquei por pelo menos 1 hora e 1/2 explicando que o ideal seria usarem software livre, listando diversos pontos que os alunos poderiam colaborar com projetos. Um deles foi justamente o aprendizado tanto do inglês técnico e mesmo o português através da tradução de documentação. Infelizmente ficaram com o lado proprietário.

A expectativa para o ano que vem aqui em Ctba é de avanço do software livre por parte d prefeitura, ainda mais com o atual problema quanto a uma empresa privada não querer entregar o código-fonte do sistema de bilhetagem eletrônica do sistema de transporte (de uma pesquisada, é de ficar revoltado).

[12] Comentário enviado por laomonteiro em 22/09/2013 - 18:42h

Eu ja uso ha muito tempo essa versao de 2 usuarios, sem custo, para placa de video.
O problema e que eles lancaram uma versao do software para conexoes USB e abondonaram as
atualizacoes para a versao "placa de video" e a versao mais recente e a que usa o ubuntu 10.04.
Ai fica realmente complicado pois essa versao embora funcione bem as vezes da uns bugs estranhos.
Nunca usei a versao via USB pois e necessario um hardware que custa caro, muito mais que uma placa nvidea que por uns R$100,00
voce faz a instalacao.
Outro problema e que antes voce podia instalar em maquina mais simples 32 bits,e para um uso tipo email e consiltar site , a maioria dos usos, fincionava muito bem, mas agora so em maquinas 64bits.
E pena...

[13] Comentário enviado por ajmchaves em 22/09/2013 - 21:23h


[8] Comentário enviado por lcavalheiro em 22/09/2013 - 12:42h:

Gedimar, eu entendo e compartilho sua frustração. Aqui no Rio de Janeiro algumas escolas receberam aquele computador-projetor da Diebold que não funciona com o LE 3. Não funciona porque ninguém fez uma capacitação dos professores para usar a porra do computador-projetor, logo na escola em que eu trabalho em menos de três meses o equipamento foi abandonado e ficou ali entregue ao meu espírito fuçador. Eu estive pensando em formatar e colocar uma distro decente nele, mas nem sei se vai valer o esforço...


Olá
Aqui na escola onde trabalho usamos bastante esse computador-projetor, o "3000" (não sei o por quê é chamado assim pelos professores). Até fui eu quem fez a capacitação durante a semana de formação de julho (durante as férias dos alunos). Existe um incentivo para a escola adquirir, mas não existe o mesmo pra capacitação. Tanto que fui eu que "agarrei a bandeira".
Pra complementar um pouco o assunto, as escolas que receberam a lousa digital receberam também um DVD pra instala-la no 3000. O DVD na verdade rodava o SliTaz que copiava uma imagem do Linux Educacional 4.0 (ao invés de usar o 5.0, que já havia sido lançado) para uma partição do HD. O sistema dele não está instalado, é iniciado tal qual um liveCD. O por quê disso eu adoraria saber.
Eu entendo que vale o esforço de instalar uma outra distro. Só não fiz isso ainda aqui justamente porque o pessoal usa. E também porque parece que tem uns scripts adicionais pra ligar o projetor junto com a inicialização do sistema. Caso tentares, comunique.
Abraço.

[14] Comentário enviado por lcavalheiro em 23/09/2013 - 11:45h


[13] Comentário enviado por ajmchaves em 22/09/2013 - 21:23h:


[8] Comentário enviado por lcavalheiro em 22/09/2013 - 12:42h:

Gedimar, eu entendo e compartilho sua frustração. Aqui no Rio de Janeiro algumas escolas receberam aquele computador-projetor da Diebold que não funciona com o LE 3. Não funciona porque ninguém fez uma capacitação dos professores para usar a porra do computador-projetor, logo na escola em que eu trabalho em menos de três meses o equipamento foi abandonado e ficou ali entregue ao meu espírito fuçador. Eu estive pensando em formatar e colocar uma distro decente nele, mas nem sei se vai valer o esforço...

Olá
Aqui na escola onde trabalho usamos bastante esse computador-projetor, o "3000" (não sei o por quê é chamado assim pelos professores). Até fui eu quem fez a capacitação durante a semana de formação de julho (durante as férias dos alunos). Existe um incentivo para a escola adquirir, mas não existe o mesmo pra capacitação. Tanto que fui eu que "agarrei a bandeira".
Pra complementar um pouco o assunto, as escolas que receberam a lousa digital receberam também um DVD pra instala-la no 3000. O DVD na verdade rodava o SliTaz que copiava uma imagem do Linux Educacional 4.0 (ao invés de usar o 5.0, que já havia sido lançado) para uma partição do HD. O sistema dele não está instalado, é iniciado tal qual um liveCD. O por quê disso eu adoraria saber.
Eu entendo que vale o esforço de instalar uma outra distro. Só não fiz isso ainda aqui justamente porque o pessoal usa. E também porque parece que tem uns scripts adicionais pra ligar o projetor junto com a inicialização do sistema. Caso tentares, comunique.
Abraço.


Na verdade, pelo o que eu já verifiquei (na verdade não verifiquei muito, mas enfim) o que parece é que o tal projetor foi instalado como um monitor. Eu teria que sentar um dia com calma pra mexer nele e tirar as deduções de como isso foi feito de verdade. Vou aproveitar que amanhã é a prova do SAERJ e aí eu vejo isso.

[15] Comentário enviado por malacker em 23/09/2013 - 14:28h

Entendi perfeitamente sua frustração e sua queixa em relação ao compromisso com o desenvolvimento e manutenção de um sistema muito útil, porém, queria falar aqui de outro problema que, no final das contas, também incide no seu caso. O problema do descaso político.
No Brasil não há praticamente nenhum incentivo governamental para projetos e pesquisas que visam desenvolver soluções que melhorem a qualidade de vida da população. Os governos tomam decisões paliativas, mas não se dispõe a resolver os problemas.
O primeiro problema é porque as medidas tomadas para adoção e incentivo de software livre só são feitas com fins eleitoreiros. O argumento de que diminui as despesas e de que é uma plataforma aberta, na qual outras pessoas podem dar continuidade soa muito bem na hora de barganhar votos, mas é só discurso. Não há o mínimo interesse.
O segundo e mais grave problema é o total desconhecimento dos "responsáveis" pelos projetos de desenvolvimento/manutenção e incentivo ao software livre no governo O hábito de negociar cargos em troca de apoio político tem por consequência grandes órgão e empresas chefiadas por pessoas que não têm a menor ideia do que fazer, ou seja, incompetentes.
Um exemplo claro disso e que agora está em evidência na mídia é a falta de planejamento do governo brasileiro em relação a políticas públicas de acesso à informação. O governo usa amplamente softwares americanos, usa redes americanas, roteadores americanos, sistemas operacionais americanos e agora que temos provas de que eles espionam o mundo inteiro usando esses meios, paramos junto à nossa inércia e ignorância no assunto e não temos nenhuma alternativa imediata para combater a espionagem. Não temos tecnologia própria nem incentivos para que empresas desenvolvam grandes projetos nessa área e quando fazem, fecham as aplicações para lucrarem com Copyright, como a Microsoft.
As boas alternativas OpenSource que temos hoje, são limitadas. Os serviços da internet como e-mail e redes sociais, são insignificantes perto do potencial americano de Google, Facebook, Twitter, etc.
Acredito que boas políticas públicas para pesquisa, desenvolvimento e manutenção de sistemas brasileiros, nos dariam bons frutos. Porém, infelizmente, depende da boa vontade dos nossos "representantes".

[16] Comentário enviado por daigo em 24/09/2013 - 08:58h

Durante o Software Freedom Day em Ctba (21/9), conversei com mais 4 profissionais Linux e decidimos que vamos atuar na prestação de serviços em algumas áreas. A primeira delas será a área de educação, não só presencial, como também EAD, usando o software Amadeus, que pode ser baixado do Portal do Software Público. Provavelmente em Fevereiro iremos reavaliar a área de saúde e decidir se vale ou não criar um fork de alguma solução já existente para podermos adapta-la a nossa realidade.

Já temos um responsável (de fora do grupo) que fará a importação e manutenção dos tablets
Definimos que usaremos Debian Wheezy como base não só para o servidor, como também para Desktop
Precisamos de alguém que forneça os servidores e roteadores
Provavelmente usaremos a interface Cinnamon

A principio será para colégios particulares, uma vez que trabalhar com prefeitura e demais esferas públicas é mais complicado.


Quem for de Curitiba, ou mesmo Paraná (por enquanto) e quiser fazer parte do projeto, pode me localizar no Facebola e add, informando sobre o q é.

[17] Comentário enviado por bilufe em 24/09/2013 - 11:04h

O grande problema do Proinfo é o software usado para o multiterminal, um software proprietário cuja empresa que o desenvolve não tem se esforçado para criar novas versões que funcionem no Ubuntu 12.04 LTS por exemplo.

Se o software funcionasse no Ubuntu 12.04 (ou em sistemas baseados nele), ou ainda na versão estável do Debian ou outra distribuição Linux, tenho convicção de que os computadores do Proinfo teriam melhor uso. Bastaria o governo disponibilizar o Linux Educacional baseado no Ubuntu 12.04 LTS ou outra distribuição Linux que irá receber atualizações a longo prazo, e o software de multiterminal atualizado para que os equipamentos tivessem uma utilidade maior.

Infelizmente, o Linux Educacional está desatualizado e é baseado em distribuições antigas do Linux, impedindo até mesmo a instalação de novos softwares através dos repositórios. Além disto, os professores não tem liberdade para instalar novos softwares e muitas escolas sequer tem alguém que saiba a senha do administrador, sendo que qualquer problema nunca será resolvido porque ninguém administra o Linux Educacional, e ninguém sabe a senha de root ou algo similar.

Eu já tentei até resetar senha de root no Linux Educacional, mas infelizmente os equipamentos já vem bloqueados para estas alterações por acesso físico não serem possíveis.

[18] Comentário enviado por lcavalheiro em 24/09/2013 - 11:09h


[17] Comentário enviado por bilufe em 24/09/2013 - 11:04h:

O grande problema do Proinfo é o software usado para o multiterminal, um software proprietário cuja empresa que o desenvolve não tem se esforçado para criar novas versões que funcionem no Ubuntu 12.04 LTS por exemplo.

Se o software funcionasse no Ubuntu 12.04 (ou em sistemas baseados nele), ou ainda na versão estável do Debian ou outra distribuição Linux, tenho convicção de que os computadores do Proinfo teriam melhor uso. Bastaria o governo disponibilizar o Linux Educacional baseado no Ubuntu 12.04 LTS ou outra distribuição Linux que irá receber atualizações a longo prazo, e o software de multiterminal atualizado para que os equipamentos tivessem uma utilidade maior.

Infelizmente, o Linux Educacional está desatualizado e é baseado em distribuições antigas do Linux, impedindo até mesmo a instalação de novos softwares através dos repositórios. Além disto, os professores não tem liberdade para instalar novos softwares e muitas escolas sequer tem alguém que saiba a senha do administrador, sendo que qualquer problema nunca será resolvido porque ninguém administra o Linux Educacional, e ninguém sabe a senha de root ou algo similar.

Eu já tentei até resetar senha de root no Linux Educacional, mas infelizmente os equipamentos já vem bloqueados para estas alterações por acesso físico não serem possíveis.


Pega um live-usb do Slackware, boota o sistema por ele, monte o / do LE em algum diretório e apague o segundo campo do /etc/shadow referente ao root (http://www.cyberciti.biz/faq/understanding-etcshadow-file/ pra maiores orientações). Depois disso, logue no LE normalmente e use um "sudo su -". A seguir desabilite o freeze removendo todos os usuários do grupo freeze.

[19] Comentário enviado por bilufe em 24/09/2013 - 11:11h

Estava vendo o site do LE 5 e me surpreendi: parece que agora eles tem um Gnome-shell totalmente adaptado as necessidades do projeto. Aí sim eu digo que o LE pode ir para frente.

[20] Comentário enviado por removido em 24/09/2013 - 11:17h

Olá Bilufe,

Como eu disse no artigo, minha crítica não é à distro instalada nesses multiterminais. O LE parece que finalmente está virando um remaster decente (as versões anteriores, principalmente até a 3.0 realmente eram uma *****).

Minha crítica é ao software que gerencia esses multiterminais, mais especificamente ao userful multiplier que é um verdadeiro ranho. Nem a distro mais perfeita funciona corretamente com esse software.

[21] Comentário enviado por removido em 24/09/2013 - 11:30h

A propósito,

Eu já recebi várias mensagens perguntando da possibilidade de formatar o LE e instalar o UbuntUCA no seu lugar. Recebi também pedidos para desenvolver uma versão do UbuntUCA para desktop, com o propósito específico de rodá-la nesses multiterminais.

Mas eu não sou doido de comprar essa briga, pois sei que o UbuntUCA também não vai funcionar corretamente nesses multiterminais por causa do userful multiplier e os professores e alunos não vão saber diferenciar as coisas, desse modo, o meu trabalho seria prejudicado e receberia críticas erradas por causa do trabalho porco dos outros.

[22] Comentário enviado por daigo em 24/09/2013 - 17:38h

Me disseram que é relativamente fácil incluir um patch no Kernel para trabalhar com multiterminal, só me falta tempo para testar. Se seu trabalho não usasse *buntu eu até cogitaria ajudar.

[23] Comentário enviado por bilufe em 25/09/2013 - 08:04h


[18] Comentário enviado por lcavalheiro em 24/09/2013 - 11:09h:
Pega um live-usb do Slackware, boota o sistema por ele, monte o / do LE em algum diretório e apague o segundo campo do /etc/shadow referente ao root (http://www.cyberciti.biz/faq/understanding-etcshadow-file/ pra maiores orientações). Depois disso, logue no LE normalmente e use um "sudo su -". A seguir desabilite o freeze removendo todos os usuários do grupo freeze.


Não dá para fazer sua sugestão no Linux Educacional, o equipamento vem com senha na BIOS e não permite alterar a ordem de boot.

[24] Comentário enviado por bilufe em 25/09/2013 - 08:10h


[22] Comentário enviado por daigo em 24/09/2013 - 17:38h:

Me disseram que é relativamente fácil incluir um patch no Kernel para trabalhar com multiterminal, só me falta tempo para testar. Se seu trabalho não usasse *buntu eu até cogitaria ajudar.


Qual o problema? Sua picuinha com a popularidade do Ubuntu?

O grande problema do Proinfo é o software proprietário Userful Multiplier, pois este não funciona direito. Além, é claro, da falta de alguém para ser o administrador dos laboratórios de informática, mesmo onde há alguém responsável pelo laboratório não tem acesso a administração do software (leia-se senha do root).

Já estudei ajudar uma escola trocando o LE por outra distribuição do Linux ou mesmo substituindo o Userful Multiplier por outro software, desisti pois entendi que não existe outra solução até o momento. Pensei até no Windows, mas após algumas pesquisas descobri que é ainda mais complicado.

[25] Comentário enviado por daigo em 25/09/2013 - 09:33h



Tenho os MEUS princípios e não uso ou mesmo coloco a mão em máquinas com Ubuntu (pra remover sim).

Ontem, 24/9, fiquei sabendo que um conhecido meu instalou Tela Azul pirata nos computadores do Paraná Digital, mas pelo que eu saiba, é diferente dos usados no ProInfo.


SE alguém puder oferecer uma distro de qualidade junto a capacitação para os responsáveis, fica bem mais fácil tentar negociar a oferta de serviços. Afinal, do que adianta reclamar que o projeto atual se não tem nada melhor para oferecer?

Eu mesmo poderia oferecer a prefeitura de Curitiba uma remaster do Debian usando a interface Xfce, mas como estou tendo que trabalhar no material sozinho, tudo demora mais.

[26] Comentário enviado por removido em 25/09/2013 - 09:40h

O problema não é migrar os multiterminais para o Ubuntu, pois mesmo no Ubuntu 10.04.4 (um dos sistemas mais estáveis e redondos que usei), o userful não funciona direito.

Todos os problemas que eu relatei neste artigo, são em máquinas rodando Ubuntu:

http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Multiterminais-e-Userful-Multiplier-nas-escolas-publicas-Uma-sol...

Claro que o problema não é com o Ubuntu mas sim com o userful.

Um remaster para esses multiterminais, apesar de não ser tão fácil de manter (como pensam), não é o problema. Se alguém se dispusesse a desenvolver um software decente para esses multiterminais, eu me comprometeria a desenvolver o remaster.

A propósito, não é difícil acessar a bios desses multiterminais, o pregão dos terminais da escola que eu trabalhava era o de 2008 e a senha da bios era pro8308. Eu descobri ela no chute, pois a senha do roteador wireless era ProinfoUrbano832008, aí por associação eu acabei descobrindo. Mas acho que deve ter as senhas na Internet e se não tiver, creio que se pedir no fórum do LE, eles devem dizer.

[27] Comentário enviado por daigo em 25/09/2013 - 10:43h

Use o Xephyr!

o 4head eu não tenho certeza, mas deve funcionar do mesmo jeito

[28] Comentário enviado por luisrcs em 26/09/2013 - 20:40h

É mesmo, o userful é uma mer**. Mas pelo que sei, pelo menos tinha como configurar o Xorg no Debian para multiterminais. Mas com o novo Xorg não sei.

Já li algo sobre o Xephyr e o Xnest também, mas eu nunca consegui fazer funcionar.

[29] Comentário enviado por p4ulodi4s em 27/09/2013 - 00:15h

encontrei esses projetos: automseat e openuserful

não testei pois não tenho o hardware necessário. eles parecem meio parados, mas pode ser que seja util... os 2 estão no sourceforge


http://automseat.sourceforge.net/

http://sourceforge.net/projects/openuserful/

[30] Comentário enviado por fernandoguedes em 27/09/2013 - 03:44h

Caro Gedimar, parabéns por levantar essa discussão, confesso que no início achei um pouco egoísta da sua parte, mas no decorrer acabei tomando da sua frustração, e digo isso porquê estou há mais ou menos 8h na frente desse computador escrevendo um tutorial sobre alien arena (game) pro ubuntu (história, instalação, resolução de bugs e game play [incluindo gravação e edição de vídeo], o que totalizou um texto de aproximadamente 950 palavras), pois não há um mínimo conteúdo decente em português, e olha que eu não tô falando de commits, não estou falando de documentação de software e sim de um tutorial avançado.

Parabéns e obrigado pela introspeção. Sempre em busca do conhecimento e desenvolvimento da comunidade.

"Competir atrai inimigos, compartilhar atrai amigos.", Cabelo.

[31] Comentário enviado por removido em 27/09/2013 - 09:00h

Fernando, sei que pode parecer egoísmo, querer que outros resolvam o problema.

Mas eu trabalhei dois anos com esses multiterminais (hoje já nem estou mais trabalhando em escolas), quebrei a cabeça e não encontrei um solução pra isso.

Vocês podem vir aqui e me encher de links e de sugestões, que isso não vai mudar a situação das escolas. Eu NÃO TENHO capacidade pra resolver esse problema!!! Por isso vim aqui pedir ajuda, as escolas não precisam de sugestões e de links e mais links, mas sim de alguém com conhecimento que se disponha a ajudar de verdade.

Não estou culpando ou encarregando vocês, membros do Vol, de assumir essa bronca, só estou denunciando esse problema, com a esperança de que alguém com conhecimento leia esse artigo e se sensibilize com a causa.

Abs

[32] Comentário enviado por pinduvoz em 27/09/2013 - 14:02h

Vai ser difícil resolver esse problema, pois quem tem contato com ele não tem o conhecimento ou a formação necessários à almejada solução.

Como uma pessoa de fora do meio educacional poderia acessar um laboratório desses fora de uma escola pública?

Supondo que alguém se apresente a uma dessas escolas para tentar ajudar, será recebido e terá o acesso necessário?

Cabe a alguém que tenha o acesso facilitar as coisas, ou não?

[33] Comentário enviado por removido em 27/09/2013 - 14:25h

Olá Pinduvoz,

Se ir diretamente em uma escola, imagino que fique difícil.

Mas aqui na minha cidade por exemplo (Brusque, SC), se a pessoa falar comigo, mesmo eu não estando mais na educação, eu posso providenciar o acesso pra ela.

Sei que é complicado mesmo, mas se fosse fácil, eu não estaria aqui pedindo ajuda, concorda?

[34] Comentário enviado por tiagottec em 27/09/2013 - 20:43h

Não sabia desse problema com a qualidade do software de gerenciamento, quando estagiei numa escola pública, como Professor, percebi que as máquinas eram lentas, mas achei que fosse por causa do seu hardware, que no caso da referida escola, eram máquinas com o famigerado Intel Celeron e 1GB de RAM, acredito que esta configuração não seja a mais adequada para máquinas com este tipo de uso com dois ou três usuários simultâneos. Creio que isso seja mais um problema.

[35] Comentário enviado por pinduvoz em 27/09/2013 - 22:08h


[33] Comentário enviado por Gedimar em 27/09/2013 - 14:25h:

Olá Pinduvoz,

Se ir diretamente em uma escola, imagino que fique difícil.

Mas aqui na minha cidade por exemplo (Brusque, SC), se a pessoa falar comigo, mesmo eu não estando mais na educação, eu posso providenciar o acesso pra ela.

Sei que é complicado mesmo, mas se fosse fácil, eu não estaria aqui pedindo ajuda, concorda?


É exatamente a minha conclusão: alguém tem que facilitar o acesso para quem se dispuser a ajudar.

Vc já se dispôs na sua cidade. Resta alguém mais que seja da área fazer a mesma coisa, pois não se pode exigir que quem queira ajudar conte exclusivamente com o Gedimar em Brusque/SC.


[36] Comentário enviado por removido em 27/09/2013 - 22:12h


[35] Comentário enviado por pinduvoz em 27/09/2013 - 22:08h:


[33] Comentário enviado por Gedimar em 27/09/2013 - 14:25h:

Olá Pinduvoz,

Se ir diretamente em uma escola, imagino que fique difícil.

Mas aqui na minha cidade por exemplo (Brusque, SC), se a pessoa falar comigo, mesmo eu não estando mais na educação, eu posso providenciar o acesso pra ela.

Sei que é complicado mesmo, mas se fosse fácil, eu não estaria aqui pedindo ajuda, concorda?

É exatamente a minha conclusão: alguém tem que facilitar o acesso para quem se dispuser a ajudar.

Vc já se dispôs na sua cidade. Resta alguém mais que seja da área fazer a mesma coisa, pois não se pode exigir que quem queira ajudar conte exclusivamente com o Gedimar em Brusque/SC.



Não garanto, mas posso conseguir o acesso em outras cidades também, depende de onde a pessoa é.

[37] Comentário enviado por mestresao em 30/09/2013 - 15:40h

Concordo plenamente com esse artigo muitos querem contribuir apenas com o que lhes dara visibilidade no mundo linux e esquecem que uma verdadeira contribuição passa pelo fortalecimento do linux e nao apenas em seu crescimento acho até nocivo a criação em massa de distros que nao serão continuadas pois alem de fazer com que novatos penssem que o linux nao tem estabilidade no seu desenvolvimento ainda joga o trabalho no lixo dos seus propios desenvolvedores se todos se unirem em torno de projetos que podem consolidar o linux faram realmente diferença e deixaram o mundo linux mais forte e competitivo

[38] Comentário enviado por daigo em 03/10/2013 - 17:21h

http://www.hardware.com.br/tutoriais/multihead/

[39] Comentário enviado por tomzinhodolinux em 10/10/2013 - 10:12h

Entendi o desabafo do Gedimar, quanto a fazer algo que possa ajudar em muito todas as escolas públicas do Brasil. No entanto, o grande problema acredito é que ao se tratar de GNU/Linux, tudo é possível no olhar dos nossos governantes, com investimentos pífios.

São vários pontos que devemos abordar nesse desabafo do Gedimar.
Eu tenho experiências com os tais multi-terminais Pregão 83/2008, tentando resumir os empecilhos desse projeto.
1 – Hardware de péssima qualidade e um tanto quanto obsoleto. (Celeron, 1GB de RAM, HD 160. Não irei me referiar a empresa que vendeu tais hardware, sem comentários.
2 – Software Proprietário, o Userful Multistation, é a empresa que desenvolveu essa solução para algums distribuições Linux, sem comentários.
3 - Os poucos softwares livres que tentam usufruir dessa solução estão engatinhando.

A empresa de Brasília que é a distribuidora em nosso território as soluções multiterminais dessa empresa, forneceu o software Windows Multiterminal para teste. E como toda certeza que o sistema operacional Windows foi total desastre nesse tipo de solução.
No meu ponto de vista o que o MEC fez ao distribuir esse tipo de Solução foi o total descaso com as escolas quando falado de Proinfo.
Resumindo “Gambiarra digital”, ai é mais fácil culpar o softwares, os desenvolvedores, o hardware do que resolver o problema.
A distribuição que uso para esse projeto é o Linux Educacional 4.0 que é baseado no Ubuntu 10.04 32bits. E não tem mais. Usar isso e acabou, atualizar para novas versões é total dor de cabeça. Devido ao Hardware.

[40] Comentário enviado por removido em 16/10/2013 - 11:55h

Que tal você testar o virtualbox com o vboweb pode ser que de certo.

[41] Comentário enviado por softlopes em 22/05/2014 - 09:54h

Bom dia meio atrasado mais achei o post bem interessante, pois bem aqui no Paraná temos um programa semelhante em : servidores>ltsp>ilhas>terminais (3 cada ilha) desenvolvido pela CELEPAR (instituição do governo do Paraná) este programa e conhecido como Paraná digital e funciona muito bem desde de 2004 implantado nas escolas os únicos problemas que tem são os advindos de substituição de hardware por questão de tempos de uso ou quebra acidental, de resto é ótimo o servidor tem um distribuição Debian masterizada pela própria Celepar, para maiores informações veja http://www.prdsuporte.seed.pr.gov.br/modules/qas/ ou baixe a ISO em http://www.prdsuporte.seed.pr.gov.br/modules/mydownloads/ ; Espero ter ajudado em algo.

[42] Comentário enviado por Donizetti em 25/04/2015 - 10:56h

Gedimar, vejo que é um homem nobre. Parabéns pela ótima matéria. De fato, Gedimar, este é um assunto de suma importância para a comunidade livre. Faz alguns anos que conheço alguns "sistemas" de gerenciamento de terminais. Não me lembro exatamente em que ano, mas uma empresa de campinas, a insigne, lançou o SIX SYSTEM com o mesmo objetivo. Já presenciei professores atirando milhares de pedras em redes linux dentro da escolas. Já ouvi os mesmos dizendo sobre colocar o windows em dual boot e quando chegar a inspeção, é só ... Não sou programador Gedimar, mas sou profundo conhecedor das reais necessidades de setores públicos, como a escola. Sou técnico e sei muito bem o que são técnicos desqualificados. De qualquer forma, persista nesse caminho de contribuição à sociedade e ao mundo livre. De fato não se atrai gatinhas e nem medalhas sendo parte de um "conjunto que foi importante". Mas, faça isso sim. Continue tentando encontrar pessoas qualificadas que desejem peitar projetos como este, que de fato faria toda diferença, pois, não adianta ter um programa se este não tiver qualidade, como é o que acontece no momento, só gera propaganda ruim.



Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts