Resumo LPI 102: Tópico 108 - Serviços Essenciais do Sistema

Neste artigo veremos, de forma detalhada, como gerenciar a data e hora do sistema (tópico 108.1), como configurar e recorrer a arquivos de log (108.2), entender os fundamentos de MTA (108.3) e gerenciar impressoras e impressão (108.4).

[ Hits: 16.052 ]

Por: Pedro Martelotta em 13/03/2013 | Blog: http://pedromartelotta.wordpress.com


108.2 - Configurar e recorrer a arquivos de log



Os arquivos de log guardam informações do funcionamento dos programas que rodam no sistema. Alguns deles geram seu próprio arquivo, outros são controlados pelo syslog. Este fica em execução no sistema através do daemon syslogd.

Configuração do syslog

O diretório padrão para armazenamento dos arquivos de log é o /var/log/.

Seu arquivo de configuração é o /etc/syslog.conf.

Ele é dividido em dois campos, seletor e ação, separados por espaços ou tabulações. Veja um exemplo:

kern.*   /var/log/kernel
kern.crit      @192.168.20.2
kern.crit      /dev/console
kern.info;kern.!err /var/log/kernel-info


O seletor é dividido em duas partes, "facility" e "priority", separados por ponto.

O campo "facility" indica a origem da mensagem, que pode ser de qualquer uma das categorias:
  • auth
  • authpriv
  • cron
  • daemon
  • ftp
  • kern
  • lpr
  • mail
  • news
  • syslog
  • user
  • uucp
  • local0 até local7

O campo "priority" caracteriza a urgência da mensagem, ou seja, seu nível de prioridade. Ordenando por prioridade da menor para a maior, temos:
  • debug
  • info
  • notice
  • warning
  • err
  • crit
  • alert
  • emerg
  • none

* O termo "none" ignora a prioridade.

Tanto o campo "facility", quanto o "priority", podem estar representados por alguns caracteres. Seguem:
  • * (asterisco) :: Indica que a regra vale para qualquer campo, dependendo em qual ele esteja, facility ou priority.
  • , (vírgula) :: Mais de um facility pode ser usado, sendo separado por vírgula.
  • = (igual) :: Confere exclusividade à facility ou priority que o sucede.
  • ! (exclamação) :: Faz ignorar a facility ou priority que o sucede.
  • ; (ponto e vírgula) :: Permite especificar mais de um seletor para cada ação.

Já o campo "ação", determina o caminho dado à mensagem. Este campo pode ser usado para direcionar mensagens para pipes, consoles, máquinas remotas e para usuários.

Registro de log via rede

Além de poder enviar mensagens de log para máquinas remotas, o syslogd também pode receber e registrar mensagens de outras máquinas. Para isso, é preciso executar o daemon syslogd com o parâmetro "-r".

Comando logrotate

Este comando é responsável pela rotatividade dos arquivos de log, renomeando, movendo, comprimindo para que o arquivo principal não fique muito grande e ocupe menor espaço no disco, entre outras opções. Este comando é geralmente colocado no cron e executa ações definidas no seguinte arquivo de configuração: /etc/logrotate.conf.

Comando logger

Com este comando é possível criar mensagens de log manualmente, descrevendo-as como argumento.

Principal parâmetro:
  • -p :: permite determinar o facility e priority, no campo seletor.


Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. 108.1 - Manutenção da data e hora do sistema
   2. 108.2 - Configurar e recorrer a arquivos de log
   3. 108.3 - Fundamentos de MTA - Mail Transfer Agent
   4. 108.4 - Gerenciar impressoras e impressão
Outros artigos deste autor

Zabbix 2.2 no CentOS 6 via repositório EPEL - Instalação e configuração

Resumo LPI 102: Tópico 107 - Tarefas Administrativas

CentOS - Pós-instalação básica

Leitura recomendada

Ubuntu Studio 10.04 conheça e instale

Um pouco sobre transição Windows/Linux

O Sistema Debian Alternatives

Porque se aventurar no Linux (parte 2) - Instalei, e agora?

Guia (nem tanto) Introdutório do Linux

  
Comentários
[1] Comentário enviado por MarceloTheodoro em 14/03/2013 - 09:39h

Muito bom cara :)
Também estou estudando pra LPI102. Mas minhas anotações não são tão claras quanto essas.. haha
Pretende postar todos os tópicos da 102?

[2] Comentário enviado por pmartelotta em 14/03/2013 - 10:35h

Valeu Marcelo :p

Cara, geralmente estudo pelo livro e vou escrevendo num caderno o que interessa, depois passo pro pc mudando algumas coisas, pois o intuito é compartilhar meu resumo, afim de que quem vai ler, possa entenda (para não ser decoreba). Isso demanda um certo tempo, principalmente pra postar no wordpress, hehehe. Eu quero postar, mas vai demorar algumas semanas.

[3] Comentário enviado por premoli em 14/03/2013 - 10:48h

No Linux mint não tem o arquivo /etc/ntp.conf ... :-(

[4] Comentário enviado por pmartelotta em 14/03/2013 - 13:25h


[3] Comentário enviado por premoli em 14/03/2013 - 10:48h:

No Linux mint não tem o arquivo /etc/ntp.conf ... :-(


Cara, algumas distribuições modificam o local e até o nome de alguns arquivos. No caso do Ubuntu fica em /etc/default/, no MInt eu não sei, mas ele é baseado no Ubuntu neh? :p Com uma busca rápida no google vc encontrará.

Abraço :)

[5] Comentário enviado por removido em 23/03/2013 - 16:41h

Parabéns.

Você tem planos para escrever sobre outros tópicos da LPIC?

[6] Comentário enviado por pmartelotta em 07/05/2013 - 15:14h


[5] Comentário enviado por Listeiro 037 em 23/03/2013 - 16:41h:

Parabéns.

Você tem planos para escrever sobre outros tópicos da LPIC?


Opa Listeiro, beleza?

Cara, eu tinha. Mas recentemente cheguei a conclusão que, de modo geral, é melhor que a galera compre um livro, leia, treine e faça seus próprios resumos. Creio que se aprenda melhor assim. Postei meus resumos, na empolgação de contribuir. Mas se é pra contribuir, que seja aprofundando em algum tema.

Valeu o comentário.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts