Migração de Software Proprietário para Software Livre em Instituição Pública

Nesse artigo descrevo brevemente como ocorreu a migração na instituição onde trabalho, com o objetivo de ajudar companheiros que futuramente tenham que realizar algo semelhante. Deixo meu relato e espero poder ajudar alguém.

[ Hits: 29.761 ]

Por: Evandro Renato Molski em 18/09/2009


Resumo / Introdução



Migração de Software Proprietário para Software Livre em Instituição Pública

Evandro Renato Molski
UNIVEL - União Educacional de Cascavel
Av. Tito Muffato, 2317. Bairro Santa Cruz.
CEP: 85.806-080 - Cascavel, PR
evandromolski@yahoo.com.br

Resumo

Atualmente os softwares livres estão se tornando uma opção cada vez mais disseminada e aceita por empresas e instituições. Devendo-se ao fato de serem economicamente viáveis, seguros e também por serem considerados por muitos como sistemas estáveis e de fácil customização.

Este artigo faz uma abordagem sobre migração para software livre em uma instituição pública, destacando as principais vantagens na adoção do software livre e explicando, através de uma narrativa, os métodos usados na migração, as dificuldades encontradas e as soluções adotadas.

Palavras chaves: software livre, migração, instituição pública.

Introdução

Atualmente, no plano da administração federal, o governo está efetuando uma ampla migração de seu parque tecnológico para software livre. A redução dos custos com licenças de software já se faz sentir em diversos órgãos federais, como na Previdência Social e no Serpro, assim como o aumento de investimentos em projetos de pesquisa e fomento realizados nos anos de 2004 e 2005 pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e pela FINEP, cujos softwares serão distribuídos com a Licença Pública Geral - GPL.

Segundo Souza (2007), o Programa de Inclusão Digital do Governo Federal vem estimulado largamente o emprego de "software livre" com o objetivo de fazer com que o ensino público e a população de baixa renda tenham acesso a computadores.

O protagonista dessa migração é o Sistema Operacional Linux, que é um software de licença livre criado por Linus Torvalds em 1991, que oferece alternativas nativas do próprio software para substituir a maioria dos programas que são pagos, suprindo assim as necessidades do usuário.

O grande inconveniente da migração, talvez, seja de o usuário ter que sair de um aplicativo que ele conhece para aprender a mexer em um novo com função igual ao anterior, talvez por medo ou por falta de interesse em fazer a migração, acabe desmotivando o usuário a colaborar com a migração.

O que é muito bom perceber é que os desenvolvedores das distribuições Linux estão agora cada vez mais interessados em desenvolver o ambiente desktop, fazendo assim uma integração mais amigável com o usuário.

Um projeto de migração para o Software Livre necessita do envolvimento de todos os interessados em sua implantação, assim como aqueles que se opõem a ela também, para que sejam verificadas, com antecedência, todas as vantagens e desvantagens da implantação e possibilite a superação dos óbices que se apresentarem.

Neste artigo será explicado como foi realizada a migração de uma instituição pública, mostrando as técnicas usadas, prazos estipulados, dificuldades encontradas e soluções adotadas, com o intuito de colaborar com futuros projetos de migração.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Resumo / Introdução
   2. Migração
   3. Delimitação / Metodologia
   4. Desenvolvimento
   5. Conclusão
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

OpenNebula - Gerenciamento de nuvens privadas e públicas

TitansELsetup, configurador automatizado para Red Hat Like

GRUB 2 - Monte você mesmo o menu

Introdução ao APLINUX.com.br Mail Server 2005

Criar animação em flash no Linux? Veja como!

  
Comentários
[1] Comentário enviado por maganhati em 18/09/2009 - 10:03h

Cara,

Muito bom este artigo!

Trabalho em uma prefeitura, e surgiu a idéia de migrar a plataforma para Linux, mas não sabia por onde começar.
Numa tentativa anterior, o outro técnico não teve sucesso, e acabou ficando como está. Mas estou animado pra tocar este projeto para frente!

Seu artigo é de grande utilização para todos da comunidade. Sempre que se fala em migrar para Linux os usuários já ficam com um pé atrás, fazem careta e tal... rsrsrs


Valeu Abraço!

[2] Comentário enviado por fisicorj em 18/09/2009 - 11:20h

Uma migração bem planejada não causa sustos.
O capital Humano deve ser levado em consideração, pois é o principal. O que eu faço antes de uma migração é colocar software livre para rodar no SO proprietário e habituar meu usuário a usar esses programas. Quando parto para mudança do SO muitos problemas de aceitação já estão resolvidos. O treinamento também é muito importante, principalmente da equipe técnica envolvida.

[3] Comentário enviado por pinduvoz em 18/09/2009 - 18:40h

Relato interessante, mas que merece um reparo.

O que o Linus criou foi apenas o kernel, que era o que faltava para completar o sistema operacional livre que vinha sendo desenvolvido pelo Projeto GNU, da Free Software Foundation (FSF/Richard Stallman).

Quando surgiu o Kernel Linux, o Projeto GNU, da FSF, estava, e ainda está, desenvolvendo seu próprio kernel, o Hurd.

Como não se podia usar o restante do Sistema GNU sem um kernel, assim como também não se podia usar apenas o kernel criado pelo Linus, o casamento entre os dois gerou o GNU/Linux.

Em suma, sem o GNU, o Linux era inútil. E sem o Linux, o GNU também era.

[4] Comentário enviado por evandromolski em 18/09/2009 - 19:33h

opa, tem razão pinduvoz, obrigado pela correção

[5] Comentário enviado por brunogarcia69 em 19/09/2009 - 10:06h

Usuário sempre reclama e raramente sabe alguma coisa.
Agora funcionário tem que usar e usa o que tem e não poderia e não podem reclamar!
Um exemplo notório disto são os bancos que tem os soft mais anti usuário possível e todos os milhares de funcionários bancários usam sem reclamar nada!
Digo isto pois sempre é uma queixa de que apesar de ser a mais pura mentira divulgada pela M$, sempre ouço que linux é difícil e ruim, não faz tudo que o concorrente faz, não é bonitinho e engraçadinho e nem tem, imagina você, vírus !!! Como viver sem vírus??? Que absurdo!!!
Tanta gente que não sabe usar nada de nada, nem no windows, muito menos configurar uma simples impressora que vem encher meus ouvidos dizendo que Linux é ruim e nem sabe por que!!! Ouviu isto de outro ainda mais ignorante que só sabe jogar e acha que computador e video game!
Desculpe o desabafo, mas estas pessoas choronas que só usam um navegador, msn com figurinhas ridículas, um editor de texto ( e só sabem usar no máximo 10% dos recursos) e quando muito uma planilha como se fosse um banco de dados ( que logo se perdem e não acham mais nada) vem me disser que Linux não presta que é difícil!!!
Como podem afirmar que não sabem usar o Linux se nem tentaram ou viram um e sequer sabem usar windows ou mesmo a seu celular ou uma simples calculadora ???
Linux difícil? Diga isto para meu filho de 4 anos que usa Linux desde os 2,5 anos!!!

[6] Comentário enviado por Teixeira em 19/09/2009 - 15:52h

Já por duas vezes fiz comentários quanto à feliz e bem sucedida iniciativa de uma prefeitura dos arredores do Rio de Janeiro em implantar o Linux, e em ambas as vezes fui corrigido pelos colegas, no sentido de que não apenas essa, porém MUITAS E MUITAS outras, tiveram sucesso absoluto na implantação de software livre.

Ora, se VÁRIAS tiveram sucesso e outras não, então deve haver alguma falha em algum lugar, não é mesmo?
Do hardware não é, do software também não.
Sobrou aquela peça que fica colocada entre a cadeira e o teclado, e que emperra qualquer sistema, qualquer planejamento, tudo.
O pior virus que possa existir é a má vontade, a ineficiência, o preconceito.

Estranho a afirmação de que a Caixa esteja migrando para software livre, de vez que nem mesmo o que é proprietário (plataforma Windows) funciona direito.
Deve ser problema de "goto performado" (o equivalente informático da "rebimbela da parafuseta").
Aí a coisa não funciona e o culpado será o Linux?

Tenho observado que nós brasileiros sentimos uma inexplicável necessidade de uma "computação recreativa", mesmo que isso crie sérios embaraços à parte funcional.

-Email: Todos sabemos que é muito mais producente enviar e receber email em texto plano.
No entanto, a maioria dos usuários prefere fazer trafegar pacotes enooooormes em html.

-Scraps do Orkut: Mais uma prova de que por aqui adoramos entulhar a web com lixo de toda espécie. Dessa forma não há broadband que dê jeito...
Não é sufuciente mandar uma simples mensagem (do tipo "oi, eu te amo!"): O negócio é enviar aquelas mensagens prontas, animadas, cheias de detalhes gráficos, e que levam um tempão para carregar.
Estamos usando cada vez menos a nossa capacidade de pensar e até mesmo de nos expressarmos.

HTML na construção de sites: "Ora, html está ultrapassado!". Então o negócio é copiar-e-colar os templates e os scripts que andam por aí pela web afora (seja html, css, etc.) ou fazer no Frontpage e outros que tais (sai horrível, mas não dá trabalho, não é)?

Existem muitos outros exemplos, mas esses já são mais que suficientes.

Infelizmente a preguiça mental, associada à picaretagem e à politicagem, vem assolando este país com uma velocidade assombrosa.

Acho que estamos perdendo o incentivo de exercitar nosso dom de raciocínio, em favor de apertar algum botão virtual ou de copiar coisas já mastigadas, por vezes insípidas, por vezes com o sabor amargo da ignorância e do desleixo.

Resumo da ópera:

Dá para migrar SIM, e deve migrar no sentido de conseguir os reais objetivos funcionais (e não apenas os recreativos).
Cada caso será diferente dos demais, pois as empresas sempre têm personalidades próprias. No entanto, tudo aquilo que é de natureza pública deveria por definição ser econômico, funcional e objetivo - e padronizado.
O "dever migrar" pode ter em seu bojo a opção de continuar tudo em plataforma proprietária, e essa opção deve realmente ser considerada.
No entanto, há de se considerar como prioritária a portabilidade dos arquivos produzidos, e nesse quesito é totalmente contraproducente que uma plataforma proprietária não dê suporte a um formato aberto.

Ainda ontem demos entrada em uma vasta documentação oficial onde foram exigidos todos os documentos em formato .doc , .rtf etc.
E eles simplesmente ignoram o que seja .odf

Então não adianta migrar, se o antigo ranço continua.

[7] Comentário enviado por cagesan em 22/09/2009 - 15:45h

Muito bom o artigo!

Mostra que se houver um interesse e apoio das repartições publicas em implementar soluções livres para sistemas pagos, é possível.

Podendo desta maneira fugir dos softwares proprietários, que hoje aumentam cada vez mais as despesas do Poder Publico, com implementações como esta do Evandro, poderemos redirecionar os cifras gastas com softwares proprietários para outras finalidades em prol das instituições publicas.

parabéns pela iniciativa

[8] Comentário enviado por jlmc1 em 17/09/2010 - 19:59h

Sou militar e trabalho na seção de informática do meu Batalhão, e em cumprimento ao plano de migração do Exercito Brasileiro, em 1 (um) ano foi migrada todas as maquinas de Windows para Linux Ubuntu. Esse processo se deu primeiramente com a substituição das ferramentas offices ( msoffice para broffice) e depois a substituição do sistema de Windows XP para primeiramente para a distribuição Kurumin 7 e depois para Ubuntu sendo uma distribuição mais amigável que permite ate a utilização de temas parecidos com o Windows facilitando uma maior aceitação do usuário. Tudo foi planejado para que a migração acorresse de uma forma suave e tranqüila com inicialmente problemas de resistência dos usuários, mas superadas pelas facilidades que a ambiente desktop Linux trás na atualidade nos tornando uma das poucas unidades do Exercito Brasileiro a migra 100% para Linux sendo que a seção de informática já teria migrado a mais de 5 (cinco) anos utilizando a distribuição Debian. Resultado disto:
0 (ZERO) problemas de vírus perda de arquivos formatação de computadores queda se serviços da rede sendo os servidores Linux mais leves e robustos.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts