Implementando um Linux Terminal Service (LTS) no Debian

Neste artigo pretendo mostrar como implementar um servidor de terminais leves no Debian. Um serviço que permite que você tenha vários terminais pendurados numa única máquina, que fica responsável por todos os aplicativos e arquivos.

[ Hits: 118.095 ]

Por: Ivan Lucio da Silva em 12/01/2005


Configuração inicial



Lembre-se que as informações de rede são referentes ao ambiente citado, modifique-as conforme a sua necessidade.

Instalados os pacotes, podemos começar a configurá-los, o LTSP possui scripts próprios que irão facilitar bastante nossas vidas. Para colocá-los em ação, execute:

# cd /opt/ltsp/templates/create-templates
# ./debian-sarge.sh
# cd ..
# cd ./ltsp_initialize


Dentro do diretório você vai encontrar vários scripts para diferentes Debian, bastando executar o referente a sua versão.

Com isso criamos os arquivos com as configurações necessárias, em alguns casos exemplos apenas, em outros editando os originais, bastando agora apará-los com as configurações de nossa rede.

Primeiro vamos dar uma olhada em nosso /etc/exports, ele tem que conter as seguintes linhas:

/opt/ltsp/i386                  192.168.0.0/255.255.255.0(ro,no_root_squash)
/var/opt/ltsp/swapfiles 192.168.0.0/255.255.255.0(rw,no_root_squash)

A primeira linha refere-se ao sistema raíz que será usado pelos terminais e a segunda onde serão criados os arquivos de swap que podem ser usados pelos terminais.

Agora vamos olhar o DHCP, nesse caso foi criado apenas um arquivo /etc/dhcpd.config.example, sendo necessário editar o arquivo /etc/dhcp3/dhcp.conf. Segue sua configuração:

authoritative;
ddns-update-style none;
default-lease-time -1;
option root-path "192.168.0.10:/opt/ltsp/i386";
filename "lts/vmlinuz-2.4.22-ltsp-2";

subnet 192.168.0.0 netmask 255.255.255.0 {
     range  192.168.0.101 192.168.0.120;
     option domain-name "sigma.com";
     option domain-name-servers 192.168.0.3;
     option routers 192.168.0.1;
}

# exemplo da configuração de um host
host teste101 {
    hardware ethernet 00:10:dc:40:da:e2;
    fixed-address 192.168.0.101;
}

Edite o seu arquivo /etc/hosts com nome de todos os clientes.

Finalmente chegou a hora de configurar nosso gdm, bastando apenas na tela de login escolher a opção ações, ir na aba XDMCP e configurá-lo conforme a nossa necessidade, por exemplo, o número de sessões necessárias.

Terminado, cheque se os seguintes serviços estão OK:
  • dhcp - porta 67
  • atftpd - porta 69
  • nfs - com rpcinfo -p (mountd, portmapper, status, nfs)
  • syslogd - escutando na porta 514
  • gdm - escutando na porta 177

O syslogd foi configurado automaticamente para escutar na porta 514, bastando reiniciar o serviço, use "netstat -auntp" para checar as portas, se colocou o atftpd controlado pelo inetd, será ele, inetd, e não o atftpd que estará associado à porta 69.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Instalação
   3. Configuração inicial
   4. Configurando o servidor
   5. Considerações finais
Outros artigos deste autor

Abrindo os logs automaticamte em consoles e monitorando-os pelo browser

file-rc - gerenciando a inicialização de serviços

Systemimager - O sistema de imagens do Linux

Leitura recomendada

Instalando o Ultra Servidor no Debian Lenny

Instalando o RealPlayer 10 no Linux

AnyRemote - o poder em suas mãos!

Aprendendo Python - Uma linguagem simples e moderna

Agora SIM, aMSN com suporte a anti-aliasing

  
Comentários
[1] Comentário enviado por pherseu em 13/01/2005 - 08:13h

amigo, eu já cheguei a implementar LTS uma vez, foi tudo bem tranquilo, eu que não tenho muita experiência no ramo linux consegui :) acho que com seu tutorial fica tudo bem mais fácil, heheh mastigado :) . mas vale lembrar que a documentação em ltsp.org é BEM VASTA e provavelmente as possíveis dúvidas estarão lá.
pra quem vai usar meu parecer é o seguinte: a solução é ÓTIMA, mas pense bem se você tem capacidade de processamento pra pendurar vários terminais no servidor :) e pense no que você vai rodar lá.
outra coisa, não cheguei a configurar o som nos clientes, mas dei uma olhada na documentação, parece ser um procedimento à parte.
gostaria de saber se alguém já gravou uma placa de rede para bootar via no sisteminha =) se sim, POR FAVOR deixar registrado aqui, peço desculpas por não poder fazer uma crítica/comentário legal sobre seu artigo pois há muito tempo não mexo com isso, mas ele está bem legal mesmo :)

[2] Comentário enviado por fernandoamador em 16/01/2005 - 05:31h

Ótimo.

[3] Comentário enviado por caklingel em 17/01/2005 - 17:25h

EU ja instalei ltsp pro linux, eram ao total 20 terminais.
O server era um atlhom mp 2800 biprocessado com 4giga de ram, 2 hd ultra320 scsi de 73gb e dvdrw. os clientes eu usei duron com mobo tha asrock (tudo onbord) para dar boot nos clientes eu usei o boot pxe da propria placa mae, nao foi necessario o disquete!
Os terminais rodavam com 1024x768 e 16bits de cor!
Fiz funcinar para o efeito de teste o som dos terminais, e nao eh que funcionou! Toda a documentacao eu achei no www.ltsp.org
Esta rodando no server o fedora core 1, o processamento nao passa de 20% e a ram 1,5Gb.

[4] Comentário enviado por korosso em 23/11/2005 - 21:08h

Instalei um Linux Terminal Service em Debian Sarge, configurei tudinho, de acordo com seu artigo. Mas o desktop gráfico não quer rodar nas estações, fica com o erro:

failed
sucessced
XDM: too many retransmissions

O que é isso?
O Xf86 abre normalmente até a parte deste erro, fica inicializando o X, o mouse se movimenta e tudo, mas não sai disto e nunca termina.

Obrigado!!

[5] Comentário enviado por famyam em 23/01/2006 - 11:03h

A maior dificuldade que tive com a implementação deste tipo de solução é o mapeamento de dispositivos remotos (montagem, leitura/gravação e desmontagem automática de floppy e cdrom) numa pasta do servidor na área do usuário. Ao usar um terminal, estou na verdade usando o Desktop no servidor. Então, como faço para ler ou gravar um arquivo no floppy-drive do meu terminal (sem usar o shell)? Este problema é agravado quando o servidor fica fora do alcance dos usuários (pois assim eles não podem colocar o disquete no servidor). Alguém conhece uma solução definitiva para este problema?

[6] Comentário enviado por linux.vitor em 22/08/2006 - 10:01h

olá...Ivan Lucio da Silva

fiz tudo que esta falando ai no tutorial e quando dou boot pelo disket no meu terminal ele da esse erro.

ERRO!!
FAILED TO MOUNT THE ROOT DIRECTORY VIA NFS!

KERNEL PANIC - NOT SYNCING ATEMPET KEL INIT!

e não funciona.

o que estou fazendo de errado???

[7] Comentário enviado por joseslei em 01/05/2008 - 23:38h

Ola amigo,

Otimo artigo, mas tenho uma duvida. Como faz pra bootar pela placa rede, sem usar disket ou HD?

[8] Comentário enviado por ezdn em 03/05/2008 - 10:46h

?comentario=olá amigo eu preciso usar uma solução parecida, mas não quero usar "terminais burros" maquinas sem hd, precisaria utilizar algo parecido com o mstsc da microsoft.... o terminal server client deles, mas quero isso em um server linux, a unica solução que eu achei foi
o nxserver, mas a versão free sóh suportou 2 conexões.

[9] Comentário enviado por joseslei em 04/05/2008 - 01:55h

Ola,
Amigo eu uso uma distribuição que usar terminais burros suporta ate 25 conexões, o problema é que ela não é muito estavel, sempre tenho problemas com ela, diskets não funcionan, som. Kero mudar de distribuição que funcione em terminais burros.

Distribuição
Sacix
http://www.sacix.org.br

[10] Comentário enviado por fabiomattes2011 em 09/05/2009 - 17:49h

Tenho uma dúvida, scanner irão funcionar no terminal burro, assim como as impressoras...


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts