Falta de ética dos "profissionais" da informática

Esse artigo tem um único e claro objetivo: expor como a nossa sociedade está corrompida por atitudes anti-profissionais, principalmente na área de informática em geral.

[ Hits: 33.667 ]

Por: Perfil removido em 12/06/2007


A realidade do Brasil



Olá caros amigos do VOL vamos aqui colocar alguns pontos reais da nossa profissão.

Já não é de agora que quero montar um artigo sobre essa vergonha que atinge nosso país... a falta de ética na informática. Sei que tudo que acontece no Brasil é por causa de uma falha de vários governos que vem "empurrando com a barriga" a educação, sendo esta uma área que requer investimento pesado e professores capacitados, algo que não é real em nosso país.

Então podemos entender da onde vem tanta falta de ética e desrespeito em relação a software e hardware que são pirateados constantemente. Como faço curso superior na área e por ser cristão (isso crente em JESUS), vejo com clareza pessoas que usam softwares piratas e ainda incentivam essa prática, e sei como é difícil de trabalhar em honestidade em uma sociedade que vive de pirataria. Muitas vezes temos de deixar de usar certa ferramenta por não termos condições de adquirir uma licença original, e por isso temos que buscar novas soluções LIVRES e GRATUITAS.

Quem trabalha com desenvolvimento de sistemas ou até com animações 3D sabe como é complicado ter softwares legais para que possamos usar e comercializar nossos produtos. Em meio a tanta falta de respeito e ética achamos alguns caras com nomes meio estranhos, mas que são muito úteis e que são as soluções para combater essa praga chamada "PIRATARIA"... como por exemplo um cara chamado Linux, ou seja, não tem Windows legal? Vai de Linux, é tão bom quanto... além de ser LIVRE.

Tem também para aqueles que amam o veterano Delphi e não conseguem viver sem ele, mas aí vão N soluções parecidas, como por exemplo o Lazarus e o Turbo Delphi, ambos LIVRES. São várias ferramentas que estão livres para downloads e com desempenho semelhante ou melhor que o original.

Às vezes fico me perguntando o que se passa na cabeça de pessoas que contribuem para que a pirataria cresça no nosso país, usam certos argumentos idiotas e farjutos com "EU PAGO MAIS BARATO E FAÇO A MESMA COISA", ou ainda "PRA QUE COMPRAR ORIGINAL, JÁ PAGO TANTO IMPOSTO..." e por aí vai.

Mas eles nunca pensam no amanhã e no cara que desenvolveu o software, pelo contrário, eles conseguem enxergar apenas o seu umbigo e não se vêem na pele de um desses desenvolvedores que são roubados diariamente. Uma tática que uso para que nunca possa usar qualquer coisa pirata é me colocar na pele da pessoa do outro lado, como me sentiria vendo meu trabalho de meses ou até mesmo anos sendo vendido em ruas pelo preço simbólico de R$ 5,00 ou R$ 10,00!? É inaceitável!!!!! Pensar de uma maneira como esta é perfeito, pois nunca faremos ou nos apoiaremos em escolhas que em vez de ajudar nossa nação acaba destruindo mais a mais a economia.

Uma frase que ouço direto é a seguinte: "TONTO É AQUELE QUE COMPRA ORIGINAL, POIS DÁ DINHEIRO PRO GOVERNO DE GRAÇA...". Que linha de raciocínio mais ridícula e sem vergonha, se eu acho que estou sendo esperto comprando coisas piratas é bom lembrar que tem gente mais esperta que eu que me vende e se dá bem. Comprar qualquer objeto pirata não ajuda nem um pouco o país, pelo contrário, faz com que haja mais desemprego, mais violência e que coisas piores aconteçam. Lembre-se, você é o responsável por isso.

Para finalizar esse artigo entro no meio acadêmico e vejo a maior vergonha nacional... Professores que incentivam o uso de softwares e hardwares piratas, claro que não são todos os professores, mas a maioria tem a "cara de pau" (por isso peroba neles rsrsrs) de incentivar os alunos de curso técnico e superior usarem essas "coisas".

Como posso aceitar certa atitude? Dentro do meio acadêmico onde os tais deveriam serem exemplos de humildade, honestidade e principalmente ética. Às vezes imagino que não tem saída, pois somos manipulados a praticar tais coisas. ISSO É UM ABSURDO!!! Temos de começar a fazer a diferença onde nós vivemos, seja da maneira que for temos de ser melhores que certas pessoas e docentes que acabam caindo no erro da pirataria.

Mas como acabar com isso? É simples... fiscalização pesada nas cidades, diminuição dos impostos e maior conscientização do povo brasileiro que tem por mania estúpida sempre dar um "jeitinho" de sair ganhando em tudo e usando meio ilegais. Por que que a polícia federal não investiga as escolas técnicas e superiores? Por que certos governantes apóiam a compra de objetos piratas? Está na hora de mudar a nossa nação, sem educação o Brasil vai cada vez mais se afundar e cair na desonestidade.

Por isso fica aí um alerta aos responsáveis pela fiscalização... e sem contar que certas empresas apóiam o uso de produtos piratas só para dominar o mercado da informática... que vergonha é essa!

Espero que com esse pequeno artigo possamos tomar um pouco de vergonha na cara e parar com o uso da pirataria.

Deus abençoe a todos.

   

Páginas do artigo
   1. A realidade do Brasil
Outros artigos deste autor

Arquivos de configuração de rede - Parte I - /etc/hosts

Configurando uma pasta compartilhada para os usuários do seu Linux

Porque se aventurar no Linux (parte 2) - Instalei, e agora?

Como instalar sua placa de vídeo ATI no Fedora Core 6

Apache 2.4 - A diretiva Options

Leitura recomendada

Software livre e a liberdade de contribuir

Por que o Linux é uma melhor opção comparado ao Windows?

Mais uma política "suja" de marketing da Microsoft

Linux: For Human Beings?

Cloud Computing, vantagens e dúvidas sobre esta tecnologia!

  
Comentários
[1] Comentário enviado por razgriz em 12/06/2007 - 05:22h

Olá, em verdade eu te digo que não apóio este tipo de conduta, mas resolver o problema não é tão simples assim, desde a colonização fomos "adestrados" para estas coisas, mais do que isso, veja a nossa vasta carga tributária e me diga se uma pessoa de classe média tem condições de comprar tudo oque precisa para que o seu micro funcione sem ir a falencia ou se meter em uma divida tão alta quanto a de um bém menos efêmero como um automóvel por exemplo. Combater a pirataria é preciso, mas mais do que educar é preciso que se faça uso do bom senso, não falo de filantropia, tão pouco de responsabilidade social, falo sim de diálogo para com o consumidor para que este sim tenha o pleno direito de decidir o que ele vai usar dentro do seu computador, seja com softwares livres ou ainda pagando um preço que não o faça vender a alma dos nossos indios num lelão para bater uma monografia ou carta pra titia. Por fim, o artigo está bom, mas no momento acho que estamos longe de uma solução transparente e pacífica para este problema.

[2] Comentário enviado por fdavid em 12/06/2007 - 07:55h

Concordo com os pontos abordados pelo autor e razgriz (Guilherme), uma sociedade tem os politicos que representa a maioria.

Ligue a TV, leia o jornal, qualquer horario, qualquer midia e todo dia tem politico envolvido em roubo (pra que chamar de corrupção), mas por mais triste que seja eles são a imagem do povo brasileiro.

O politico rouba bilhões por que tem acesso a eles, o povo rouba 50,00 500,00 1000,00 por meio da pirataria ou sonegação de impostos.

Realmente o problema não é tão simples de se resolver, não é com filosofia que se muda o mundo, a carga tributária é mostruosa e pior é inificiente.


Agora vamos confessar....
Apesar de rodar no vmplayer meu WinXP é pirata (mas o Win95 é legal)
Apesar de programar em C e Lazarus, tenho que dar suporte e meu Delphi é pirata.

Quem aqui não tem NADA pirata que atire a primeira pedra!
Muito bem, você usa Linux e ferramentas opensource, lindo, e o que você escuta ? onde você compra seus arquivos MP3 ? em que locadora você pega os ultimos lançamentos do cinema ?

Já assistiu a terceira temporada de Lost ? quando passou ? parece que a Globo estava passando esses dias a segunda ?
(tudo bem, esse ultimo não é tão grave a ABC já liberou para consumo proprio)

[3] Comentário enviado por irado em 12/06/2007 - 08:18h

fiscalização, mas pela educação. Respeito às leis.. sei.. é possível que êle próprio exceda o limite de velocidade diáriamente, "atropele" a faixa de pedestres e reclame do radar escondidinho atrás do muro.. IMHO, podem esconder o radar onde fôr, se eu RESPEITAR a lei isso não fará diferença. Mais fiscais? claro, para que hajam MAIS ALGUNS a tomar dinheiro dos camelôs.
Justiça fiscal, eliminação da corrupção.. DEPOIS podemos pensar em outra coisa. Por enquanto meu pensamento é vender scrambler de voz para os políticos, impedindo que a PF grampeie suas conversas. ;) alguém se habilita?

Num país de ladrões, ser apenas mais um não dá status. Mas não ser um é pagar por isso.

[4] Comentário enviado por marcello_cruz em 12/06/2007 - 09:30h

Bom artigo, mas apoio também o que os amigos falam acima. Veja bem, num país onde pagamos impostos sobre TUDO que temos, vc ja pensou o quanto vc gasta de manutenção em seu carro e ainda tem q pagar o IPVA? Vc compra uma peça pro seu carro, paga imposto, um mecânico faz a troca da tal peça, vc paga imposto, coloca gasolina, paga imposto, uma outra pergunta, as ruas q vc anda são perfeitas? Vc paga IPTU, sabia? Num pais onde vemos o nosso dinheiro ser usado em contas dos "nossos" políticos, não temos um bom exemplo para pagar uma licença do SW usado.
Claro q ninguém gostaria de usar SW pirata, mas também não pode deixar de dar o pão para sua família e pagar um valor muito alto. Para fiscalizar se gasta dinheiro, e os governantes não estão nenhum pouco interssado em gastar com isso, se não fazem escolas e pagam bem os professores, pra Q gastar com isso, um exemplo, na cidade q moro, tem várias ruas onde vc pode comprar um DVD de um filme q ainda nem saiu nos cinemas, jogos de PS2 a R$10,00 cada. A PF não faz nada, e acho q também não vai fazer com quem vende SW pirata. Hj não vemos mais os estudantes indo às ruas para reinvidivar seus direitos, movimentos pela intenet, soh vê quem acessa, o no nosso país a porcentagem de quem acessa eh menor que 30% da população.

Sem mais!

[5] Comentário enviado por cefas em 12/06/2007 - 09:56h

Gostei do artigo. É possível sim evitar o uso de software pirata. Temos ferramentas livres para praticamente tudo hoje em dia. Respeitar a lei deve ser uma questão de comportamento. Não adianta querer fazer revolução sem mudança de mentalidade individual. As coisas só podem ser melhores se fazermos o que está ao nosso alcance melhor.

[6] Comentário enviado por hiroyuki em 12/06/2007 - 10:04h

É complexo esse assunto. Sinceramente eu não sinto pena as 'vítimas' da pirataria. Pois eles super faturam os seus produtos. Como vc paga 989 conto em um Ruindows Vista Ultimate onde o produto físico vale menos do que 10 reais. Claro, existe todo o know-how, capital intelectual e tudo mais, ótimo, eu estou comprando certo? Pagando 989 conto, eu estou pagando pela idéia certo? pelo trabalho todo desenvolvido, certo? então por que eu sou barrado de multiplicar esse produto, já q eu paguei por ele? A questão de patentes e de produtos super valorizados pelo capital intelectual é relativo. Depende do ponto de vista, vide os downloads de MP3, você está prejudicando as gravadoras. Mas quem acha justo pagar 34 conto por um cd onde apenas 4 reais é convertido para o artista? Assim como a maquina de escrever saiu do cenário, e sinceramente não vi ninguém fazendo auê por causa disso, agora os mp3 substituir a tecnologia dos cds já vi muitooo quebra pau, é praticamente inevitável que essas gravadoras que se sustenta disso tb irá sumir do cenário. Deve-se mudar o modelo de negócio adotado.
Só que muitos não querem, se prende no sistema ecomico antigo.
Voltando ao assunto, não é atoa que a maioria dos governos estão adotando software livre, pelo custo e pela flexibilidade, desempenho nem é diferencial, pois funciona tão bem quanto, as vezes até melhor. Software livre não é um problema, é uma solução. Mas enquando vivemos em um país de consumidores de tecnologia e não produtores, vamos ficar a mercê desse ruindows.
E viva a formação científica dos nossos governantes.

[7] Comentário enviado por tenchi em 12/06/2007 - 10:14h

Tentarei ser breve.
Gostei do artigo, concordo com boa parte da opinião do autor, mas notei um certo tom de "verdade absoluta" por parte do mesmo. Foram apontados somente os problemas, mas poucas soluções, ou uma solução que ao meu ver não resolveria, como disse o nosso amigo Irado.
Conscientização não resolve, pois é um pensamento totalmente utópico pensar somente nisso como resolução de nossos problemas. Realmente conscientização é a resolução de qualquer problema social, mas ela é só um produto de uma mudança de atitude de toda a população.
Mudar o pensamento das pessoas é impossível, pois isso implica em querer mudar a cabeça do outro para que fique igual a nossa (o inferno são os outros). E isso normalmente implica em perda dos seus ideais.
Como disse o knancys, não ocorre somente pirataria em relação ao SW, mas em relação à muitos outros aspectos, como em relação às músicas.
Eu numca comprei música na internet. Sim, P2P. Pirataria? Sim. Tapetes estendidos em cada calçada, vendendo DVDs à preços "módicos"? Ontem mesmo vi o Shrek III. E Dublado!, como estava estampado no encarte. Aquelas pessoas são "capitães gancho" modernos? São uns sem vergonhas, que não ligam para o trabalhos dos outros, que só querem benefício próprio? Não acredito nisso. Talvez só queiram sobreviver. Que problema há nisso (em querer sobreviver)?.
Mas afinal, o que é pirataria? Não é nada menos que a quebra de alguma cláusula de um contrato. EULA, da Microsoft? Alguém já leu? A Microsoft, usando código GPL em seus produtos (quem duvida, já que ela não mostra os códigos), desrespeitando boa parte das cláusulas da GPL (alguém aqui já parou para ler a GPL? - Ah, mas é em inglês. - Não, há várias traduções em vários idiomas, que embora não tenham valor legal, servem para dar uma noção dos princípios do SL.). Sim, pirataria em nenhum momento é "a cópia indevida", mas a quebra de um acordo.
Quem são os "políticos"? São, nada mais, nada menos, a projeção de nós mesmos com muito poder nas mãos.

Nossa, tô vendo que eu é que devo ser político. Não disse nada com nada ;-)

[8] Comentário enviado por tenchi em 12/06/2007 - 10:22h

Ah, esqueci de falar também.
O título do artigo fala sobre os profissionais da Info (programadores, analistas, etc), mas o texto aborda quase que totalmente o usuário. A ética na área da informática vai muito além disto (eu que o diga, pela nota que tirei na prova de ética ;-)).
Ainda não existe um código de ética (nem a regulamentação) da profissão (informático ;-)), - há vários artigos aqui no VOL abordando o assunto-por isso ainda vamos ter muita discussão sobre, que muitas vezes não levarão a lugar nenhum (ressalto que não foi o caso deste artigo).

[9] Comentário enviado por jãojão em 12/06/2007 - 10:58h

A verdade é que esta questão não é tão simples quanto parece. No país em que vivemos, infelizmente acabamos nos tronando escravos da pirataria. Eu não posso pagar 1/3 do meu computador em um sistema operacional.

Além do problema social que atinge a população, estas conversas de proteção da propriedade intelectual também não é tão simples. Mas uma coisa e certa: a venda poderia ser acabada. Porque não andamos em calçadas e feiras e não nos oferecem drogas? Porque há fiscalização. E porque isso não acontece com os produtos piratas?

Coisas a se pensar, porém um apís a se mudar.

[10] Comentário enviado por evertongodoi em 12/06/2007 - 12:01h

legal o seu artigo mas vejo, que se somos OpenSource, o PRINCIPAL IDEAL, não é pensar em piratas ou venda de software, o mundo livre que bem provavel aqui todos dentro desta comunidade deve viver, é um mundo onde tudo que é criado compatilhado e o correto é VENDEMOS O SUPORTE, que essa é a intensão do conhecido software livre, por isso o Linux é oq é hoje e ferramentas como firefox, gimp, etc.

Acho que não tem o que discutir, pois somos Software Livre que ninguem vende oque desenvolve como o proprio nome ja diz.

Acho que seria mais bem vindo este seu artigo em um comunidade da Microsoft tipo Baboo, etc.


[11] Comentário enviado por removido em 12/06/2007 - 12:22h

E enquanto a "Pirataria Legal"???

Vocês já ouviram falar de "Microsoft Java"??? é isso mesmo, a Microsoft "Reinventou" o Java, como vários outros produtos...

Isso aí não é Pirataria também não?

E eles ainda tem a audácia de entitular a JRE da sun como recurso alternativo, afinal o padrão agora é MSJVM...

AH ME POUPE!!!

[12] Comentário enviado por capitainkurn em 12/06/2007 - 12:26h

Louvável seu artigo, mas vamos a realidade....
A pirataria ao contrário do que pensam muitos não é prejudicial as grandes softwarehouses, muito pelo contrário! Se a M$ tem tanta penetração no mundo corporativo é dado a este fato.
O usuário iniciante "aprende" informática com um windows pirata, este por sua vez ao ir trabalhar em uma empresa acaba pesando na hora de se implantar um sistema, a empresa termina por adquirir não uma ou duas licenças de windows e office, mas dezenas, centenas e até milhares! É mais barato do que treinar o funcionário que já veio "treinado" do mundo pirata.
Nunca uma microsoft, Autodesk, Adobe, Corel etc. irão implementar proteções anti-pirataria realmente eficientes pois é a sua melhor máquina de propaganda. As pequenas softwarehouses por outro lado sofrem com isso pois não tem escala para se dar a esse luxo.
Os camelôs, e profissionais de suporte que mantém sistemas implementados com softwares piratas não são mais do que mulas que trabalham de graça para estas empresas. Imaginem quanto é que as grandes softwarehouses teriam que investir para fazer um trabalho semelhante ao da Canonical, que distrubui o Ubunbu! Não o fazem por que tem os camelôs para fazer o trabalho por elas.

[13] Comentário enviado por capitainkurn em 12/06/2007 - 12:49h

Para nós que implantamos soluções com software livre é uma verdadeira praga, pois ao invés da pequena empresa nos pagar de R$ 500,00 a R$ 1.000 reais para implantar um servidor de arquivos Samba ou um pequeno gateway, pagam a R$ 50,00 ou R$ 100,00 para um "técnico" saído destes cursinhos mambembes de montagem e manutenção... para faze-lo com um xpirata etc.

[14] Comentário enviado por rca em 12/06/2007 - 13:19h

Gostei do artigo. É uma verdadeira luta ser correto neste país.
Mais vejo que a comunidade Linux, em grande parte eh contra a pirataria.
Talvez seja por isso que eh a minoria, mais uma minoria de respeito e que faz barulho.

ps: tbm sou cristão (isso crente em JESUS)

[15] Comentário enviado por y2h4ck em 12/06/2007 - 13:34h

Hack the Planet ! :-)

[16] Comentário enviado por MarcioRM em 12/06/2007 - 14:09h

O povo está desacreditado em pagar impostos, pois não são poucos e o que o governo faz ? ROUBA ! Pagamos impostos sobre impostos, pagamos impostos "provisórios" a mais de 5 anos, pagamos INSS sem ser perguntados se queremos ou não pagar e quando precisamos de atendimento médico e utilizamos o SUS, ou morremos ou ficamos piores, além da humilhação de ter que implorar pra ter o que é de direito.
Para ter estradas em boas condições de uso e segurança, pagamos IPVA, mas para tê-las nessas condições temos que pagar novamente, em forma de pedágio.
Isso é o verdadeiro motivo de revolta e descrença do povo brasileiro, paga-se, paga-se e se quiser algo bom tem que pagar denovo, em soluções privadas, porque o dinheiro de impostos só serve para aumentar o salário de governantes.

Não acho que essa seja a opinião de todos brasileiros, como fiz entender, mas gostaria que fosse, pois só a partir desse momento, de todos, ou pelo menos, da grande maioria, algo poderia mudar neste país que é lindo e maravilhoso.

Quanto a educação, não é interessante educar um povo para que este comece a enchergar o que lhe é de direito, pro povo brasileiro basta Carnaval e Futebol.

As únicas formas de se ter uma revolução no Brasil seria se acabassem com o Carnaval ou se a seleção de Futebol não se classificasse para a Copa do Mundo, e isso é muito triste.

[17] Comentário enviado por sclinux em 12/06/2007 - 14:43h

Este é um problema de difícil solução, pois são diversos os fatores que somados criam este ambiente em nossa sociedade.

Creio que somente um projeto que envolva toda sociedade, priorizando o desenvolvimento intelectual(escolas de qualidade) e moral(valorização da família), poderá nos ajudar a virar esta página de nossa história.

O VOL é um exemplo de que podemos socializar a informação, cultivar a ética e produzir conhecimento.




[18] Comentário enviado por marcrock em 12/06/2007 - 14:53h


O Brasil está em uma situação difícil onde o povo dá o sangue para o estado e não recebe nada em troca. A pirataria de software é só uma parte desse ciclo onde estamos todos, fazem tênis piratas, roupas, eletrônicos, e até remédios falsos, não estou aqui só defendendo os fabricantes, mas também a segurança das pessoas (vcs já pensaram no estrago que pode causar uma peça falsa em um automóvel, pode ser uma tragédia!!!!!)
Com relação ao software livre eu acho que se existem alternativas open source (Linux, BSD's e etc....) porque usar software proprietário pirata, infelizmente a pirataria ajuda realmente essas empresas (Microsoft, Adobe, Symantec e etc..), pois a propaganda é gratuita e intensa nas ruas do nosso país!!!
Mesmo assim nosso software livre cresce em meio a isso, é uma esperança de que a cooperação e a competência sejam mais valorizadas no nosso mundo!!!!!

Até mais !!!!

[19] Comentário enviado por Grobsch em 12/06/2007 - 15:05h

Rouba um milhão ou usa Windows Pirata, nos dois casos é fora-da-lei e passível de punição... Cada qual faz o que quer até ser descoberto... pirata ou político corrupto... os dois estão errados e os dois não podem se cobrar... Simples assim, quem infringe a lei não pode cobrar que um terceiro siga a lei...

[20] Comentário enviado por Grobsch em 12/06/2007 - 15:06h

Ah... os políticos que roubam devem usar a carga de impostos como desculpa também...

[21] Comentário enviado por albertmoreira em 12/06/2007 - 15:16h

Boa tarde pessoal,

A proposta de abordar no VOL assuntos que não sejam necessariamente voltados para tecnologia é algo bastante sadio. A idéia do autor em discutir a pirataria é original, mais ainda da maneira que foi feita. Creio que devo parabenizar.

A temática é interessante, no entanto algumas práticas no desenvolvimento deste tipo de artigo são sugeridas:

Referência dos dados - Políticos despreocupados com a educação? Professores que incitam a pirataria? Considerando as acusações que são feitas dentro do texto, o leitor certamente fica curioso para saber as origens que o autor está apontando.

Imparcialidade - É interessante adotar uma postura menos tendenciosa, principalmente quando se fala de um assunto polêmico como este. Falar de pirataria de uma maneira mais madura atrai atenção dos leitores, vendo estes que não se trata de um artigo que não diz nada, nem levará a lugar algum.

Fundamentação teórica - Tudo bem que discutir economia em um site voltado para tecnologia é complicado, mas é recomendado neste caso obter uma análise mais aprofundada do assunto. A economia da informação é formada por diversos fenômenos, inclusive a questão dos custos operacionais de software e margem de lucro esperada considerando a falsificação. Antes de fazer uma análise inocente e superficial da economia, deve-se avaliar a importância do mercado informal para a população que trabalha neste ramo para sobreviver. Além disso, existem outros aspectos como o interesse das empresas em, de fato, manter a pirataria.

Creio que o objetivo deste espaço de discussão não é tratar de demagogia. A "Conscientização do povo brasileiro" é uma solução pouco eficaz a curto prazo. Se conseguíssemos tal façanha em tão pouco tempo, seria mais cabível acabar primeiramente com a fome. Espero que o autor, que "tem nível superior e é cristão", sugira outra solução mais aplicável.

É possível que eu esteja errado em fazer tal cobrança, todavia meu intuito é simplesmente incitar a geração de conteúdos que façam jus ao reconhecimento que o VOL tem na comunidade voltada para o Software Livre.

[22] Comentário enviado por cibonato em 12/06/2007 - 16:24h

O artigo é muito simplista e propõe receitas para terminar com a pirataria sem avaliar com profundidade esse assunto. Não há sentido em tentar justificar atos pessoais de boa moral e bons costumes baseando-se em escolhas religiosas, menos válida ainda é a auto-referência utilizada.

Além do mais, o texto foge da sua proposta e o título foi escolhido de maneira inadequada. Nota-se tamb ém vários "lugares-comuns" apresentados como argumentos para o problema da pirataria.

Enfim, falta mais conteúdo e talvez capacidade do autor de relacionar melhor determinados "problemas" de massas.

[23] Comentário enviado por juliaojunior em 12/06/2007 - 17:14h

kara, assim não dá :(
novamente, lá vem os artigos fanáticos, rodando o mesmo ponto, chovendo no molhado...
há propostas no artigo? há caminhos alternativos? NÃO!!! por favor, vamos usar o incrível mecanismo disponível aqui com algo realmente produtivo. acusações sem citações, frases feitas... desculpe-me, parece menos um artigo sobre informática e mais um sermão religioso fanático.

[24] Comentário enviado por adrianoturbo em 12/06/2007 - 18:00h

A falta de ética já vem da natureza humano ,não é só no campo da informática que falta ética ,ela campeia livre e solta é em qualquer setor de atividade de nosso país e vou além, a falta de ética não está só na proliferação exagerada de software pirata,está também na falta de profissionalismo de alguns companheiros da nossa área que não possuem um mínimo de humildade ,acham que sabem tudo e chegam a passar por cima da opinião de outro profissionais da mesma área,vejo isso como uma falta de união de alguns profissionais da área de TI é triste mas essa é realidade vivemos numa sociedade onde querer derrubar o próximo para aumentar o ego virou uma questão de honra.

[25] Comentário enviado por narodiniks em 12/06/2007 - 18:10h

O caminho contra a pirataria é simplismente optar pela melhor opção... - -== Linux ==-

Não acho que se combate a pirataria colocanto fiscais a prender camelôs... acredito eu que acaba com o mau é matando o peixe grande este sim a fiscalização deve pegar pesado. que são essas empresas que vendem gato por lebre. Ou seja um produto pirata cobrando pouco menos e nao ofereçem a oportunidade dos consumidores de conhecerem a opção livre, gratúita e segura. Uma campanha nacional de concientização sobre o uso do software livre seria também um caminho contra pirataria. Ou seja. Não há um caminho para o Linux... O linux é o caminho.

[26] Comentário enviado por rommul em 12/06/2007 - 23:32h

Não acho falta de ética usar um software pirata. E não é bem assim ou original ou livre.
como uma pessoa leiga vai mexe com linux ??
venhamos e convenhamos qualquer problema simples no windows é mais facil de resolver do que no linux.
tem muitas coisas mais faceis no linux que no windows mas um problema no linux é um problema.
Eu adoraria ter dinheiro e comprar, uma maquina verdadeiramente potente e ter nota fiscal, adquirir software originais, jogos originais.
mas como um estudante de classe média ira conseguir isso ??
e outra coisa sabe o valor de um SO ms windows fora do brasil ?, muito menor do que o valor aqui.
o dia que os politicos forem sérios o suficiente para cobrar software originais... eu irei agir da seguinte forma: se eu não tiver dinheiro eu nao uso...
mas ate la...
irmao do presidente no meio dos escandalos, o que houve com o roberto geferson, o ex-ministro da casa civil ??

eu apoio a pirataria.

[27] Comentário enviado por ferdi em 13/06/2007 - 08:35h

Só faltou ele dizer que software pirata tem "encosto"..

[28] Comentário enviado por vhprice em 13/06/2007 - 10:08h

Olá a todos, era de se esperar que o artigo do colega gerasse a quantidade de comentários que está gerando, pois este é o calcanhar de Aquiles de muitos. Acima deste, podemos ver muitos comentários inteligentes de pessoas que de fato leram o artigo, interpretaram, entenderam o lado do autor, compararam com a nossa realidade e comentaram de forma educada. Mas tambem é possível ver comentários típicos sem "conteúdo". Não adianta desvestir um santo para vestir outro. O artigo foi fraco ( crítica construtiva colega Gardenalinux ) pois não expôs uma "solução cabível" para o assunto. Pecou na falta de objetividade e pendeu para apenas um lado da balança. Sugiro que o colega elabore então um novo artigo, desta vez falando sobre o monopólio das grandes empresas ( vulgas "vítimas da pirataria" ) desenvolvedoras de software, explique por que desde 1995 não surgiu outro editor de planilhas tão famoso quanto o Excel, outro tipo de slide-show tão famoso quanto o Power Point ( malditos .pps ). Faça um balanceamento do lucro x prejuízo que estas grandes empresas tem com a pirataria e exponha para todos nós de forma simples, objetiva, imparcial e sem ressaltar as suas credenciais. Espero que não leve a mal o comentário ( e que não esteja recebendo este em um Outlook Express ) mas é que o título do seu artigo sugere muito mais do que você mostrou. Apenas mais um comentário, finalizando, com o teste que você deve ter feito de se colocar no lugar do desenvolvedor do Software que tem seu produto sendo vendido por R$:10,00 no camelô, confesse aqui para nós: "Você deve ter percebido que isso não tira o sono dessas grandes empresas ( que exercem competição desleal ) e que o sistema de gestão ali da farmácia da esquina não está a venda no camelô certo?"

:)

[29] Comentário enviado por removido em 13/06/2007 - 10:17h

Acho que algumas pessoas aqui não entenderam a mensagem. Ninguém aqui está falando de religião ou algo parecido, a situação é como resolver e colocar a boca no mundo para acabar com isso. Infelizmente muitos que se dizem simpatizantes do OpenSource acabam usando softwares piratas, isso é inaceitavel.

Temos alternativas de sobra para programar e fazer o que for...só basta ter um pouco de ética e pensar na situação do nosso país.

[30] Comentário enviado por ferdi em 13/06/2007 - 12:42h

Só falta dizerem agora que os comentaristas também têm "encosto"..

[31] Comentário enviado por removido em 13/06/2007 - 12:47h

QUEIMA QUEIMA QUEEEEEEEEEEEIMAAAAAAA!!!

[32] Comentário enviado por chaos-mt em 13/06/2007 - 13:38h

Bem, é verdade que existe falta de ética na sociedade, mas olha esse artigo está totalmente fora de contexto, na verdade os desenvolvedores de softwares poderiam colocar em seus produtos meios de combater a pirataria, mas ELES NÃO QUEREM, pode-se dizer que a Micro$$oft é uma das principais responsáveis pela pirataria dos seus próprios produtos, ELA QUER QUE SEJAM PIRATEDOS, principalmente para uso em casa, porque assim ela meio que "vicia" o usuário com seus produtos, abrindo portas para o produto entrar na empresa, e é aí que muitas empresas compram por exemplo o Rwindows, funcionários só sabem usar Rwindows.

Esse artigo foi infeliz, na parte que diz: "Mas eles nunca pensam no amanhã e no cara que desenvolveu o software, pelo contrário, eles conseguem enxergar apenas o seu umbigo e não se vêem na pele de um desses desenvolvedores que são roubados diariamente".

[33] Comentário enviado por Celso Annes em 13/06/2007 - 15:46h

Infelizmente não á um organização que fiscalize os profissionais na area da informatica... existe mais profissionais informais e sem capacitação que saem por ain instalando e fazendo o "diabo" com um cartão dizendo tecnico quando mal sabem qual lado do cabo de força liga na tomada. Assim como o CREA, OAB, CRM deveria aver algum orgam que credenciasse os PROFEISSIONAIS capacitados na area de informatica, valorizando o seu trabalho e dedicação e principalmente caracterizando esses proficionais como profissionais com "ética", coisa que esses "pseudo-tecnicos", não mostram com nossos clientes. É quase impossivel conseguir manter um usuario por muito tempo com uma plataforma GNU/Linux (raras exceções), a maioria inevitavelmente acaba indo para o Windows pela cutura já formada, e por softwares direcionados apenas para Windos.

[34] Comentário enviado por rca em 13/06/2007 - 17:09h

Esse texto é do Ricardo Bicalho do meiobit ->

Alguns leitores estão em busca de informações sobre versões crackeadas do Windows Vista. Não existem crianças aqui. Pirataria no Brasil é uma realidade, as pessoas vão continuar pirateando por questão cultural e até mesmo por questões filosóficas de não pagar nada por software mesmo. E não querem software livre, querem o Windows pirata mesmo, para frustração e incompreensão de quem apoia o open source.

Existem milhares de fórums, blogs e websites dedicados ao assunto e o MeioBit NÃO é um deles.

Comentários com pedido de informações sobre versões piratas de software serão sumariamente apagados.

O motivo disso é simples: somos os responsáveis legais inclusive pelo que terceiros escrevem nos comentários. Uma empresa que se sinta prejudicada, manda os advogados dela atrás de nós e não do leitor.

Discutir pirataria, os motivos, soluções, propostas, tudo isso é válido. Criticar os preços cobrados e atitudes de empresas também é válido. Entretanto, pedir informações sobre software pirata e meios de adquirí-lo é usar o MeioBit como um canal de comunicação que não desejamos fazer parte.

Contamos com a compreensão de todos.

[35] Comentário enviado por jamur em 14/06/2007 - 01:44h

Cara! Como foi comentado o teu artigo. Sou totalmente contra a pirataria também. Dá-lhe software livre, para o progresso do Brasil. E por que ser honesto é bom. Deus abençoe a nossa pátria.

[36] Comentário enviado por andrack em 14/06/2007 - 02:19h

Bom... como diria a nossa amiga Marta Suplicy :

"RELAXA E GOZA!"

aheuhaeuaheuaheuhaeu!


Abraços. :-)

[37] Comentário enviado por philbox em 14/06/2007 - 21:16h

Ser honesto não é um ato de piedade para com o próximo ou compaixão, é um ato de desintoxicação.
Vivemos em uma sociedade que se desculpa por cometer pequenos delitos porque suas autoridades cometem delitos gigantescos contra ela. Não vamos nos iludir acreditando que pquenos delitos cometidos por nós são menos catastroficos, muito pelo contrario, a realidade diz que o mal se torna cumulativo e pior com o tempo.
Nós devemos nos concentrar em tentar concertar a nós e aos erros do outros se realmente queremos uma sociedade futura, minimamente racional. Não gosto dos impostos, principalmente por que sua receita é mau usada, não gosto de fiscais, por que sempre presumiram prepotencia e estupidez, mas sem os impostos não temos maquina estatal(pessima) nenhuma e sem fiscalização ela jamais será alimentada.
Vivo junto a fronteira e sei o que são governos piores do que o nosso.
Sonho que o povo se torne merecedor de politicos melhores por que se tornou melhor.

[38] Comentário enviado por shadowfox em 14/06/2007 - 21:31h

Pessoal.... Isso aqui dá pano pra manga... hahahaha.... Mas eu tenho que concordar que é dificil trabalhar com software livre. Quase ninguem sabe usar, todos tem resistencia por achar que é dificil... (É.. até já foi....), muito que atrai a nova geração são os games que não tem em abundancia no SW e inumeras outras. É mais fácil ter um windows e um office "alternativo" que qualquer um sabe usar e que quando der problema qualquer sabichão estará pertinho devido ao alto uso do windows.
Na questão de empresas é mais crítico, porque elas preferem comprar as licenças do windows e office do que investir em treinamento dos seus funcionários. Muita das vezes é possível montar desktops linux que tenham até mais eficiencia do que windows, mas como fazer um cara que é limitado a usar o windows alternativo em casa, usar o linux? Ainda temos o problema (será?) da fiscalização que nunca vem na empresa para saber se tudo está licenciado ou não, fazendo um grave incentivo a pirataria...
Acho que a forma de pensar que defende as leis e visa ganhar dinheiro com o software livre está aumentando... mas ainda estamos longe. Se houver uma maior fiscalização, que resulta numa maior iniciativa de uso do software livre (afinal, windows é muito caro!!) e a visão turva dos empresários se clareie com relação ao software livre, poderemos sim ganhar dinheiro com implantação e suporte.
Agora, quanto essa forma falida de se cobrar por conteúdo físico não mudar e essas taxas de impostos não baixarem, ai vou continuar usando meu P2P para ouvir a discografia dos beatles e minhas musicas clássicas.... :)

[39] Comentário enviado por André Cristian em 30/11/2009 - 07:35h

Apesar de concordar que a pirataria é uma forma de "desmerecer" o trabalho do programador, ainda acho que os preços cobrados pela licensa de um software são absurdos para a realidade brasileira. Um computador que tenha 30 programas instalados (o que é muito pouco), sendo que cada software tenha custado R$ 50,00, seu dono terá gastado R$ 1.500,00 apenas com os softwares. Considerando o preço do hardware como aproximadamente R$ 1.200,00, o proprietário terá gastado R$ 2.700,00 apenas com seu computador. E ninguém (nem mesmo os programadores) levam a vida apenas para comprar programas. Isso sem levar em consideração que os softwares são atualizados periodicamente, além de que o usuário obviamente vai querer atualizar o seu hardware de tempos em tempos.

O maior problema dessa história toda, na minha opinião, é o preconceito que os usuários comuns e alguns programadores têm do Linux. É muito mais seguro, eficiente e rápido (além de não travar) do que o Windows. E é gratuito! O Ubuntu é um dos melhores softwares com os quais já trabalhei na minha vida (apesar de mexer com programação há pouco tempo). E isso porque eu só citei o Linux. Outros softwares gratuitos também são muito eficazes e tão bons quanto seus irmãos pagos. Um bom exemplo é o Lazarus, tão maleável quanto o Delphi, porém menos utilizado, seja por ignorância de sua existência, seja por preconceito dos programadores em geral.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts