Distros para quem ama a liberdade

Neste artigo apresentarei as únicas distribuições Linux que até o momento estão de acordo com o ideal do projeto GNU. Ao todo são nove apenas. Também apresento os requisitos para essa seleção e o porque de algumas distros famosas não estarem na lista.

[ Hits: 34.286 ]

Por: Xerxes Lins em 16/01/2010 | Blog: https://voidlinux.org/


Conclusão e referências



Muitos usuários Linux proclamam orgulhosamente as maravilhas do software livre e o seu amor por ele. Citam suas vantagens, sua filosofia e sua história. Personalidades como Richard Stallman e Linus Torvalds são discutidas e rediscutidas.

Dá-se ênfase a importância da comunidade, do projeto GNU etc. Isso é muito louvável. Parabéns. Mas na prática o software não-livre ainda é utilizado pelos usuários Linux todos os dias (em suas distros), o que chega a ser uma contradição se você for um verdadeiro adepto da filosofia do software livre como descrita pelo projeto GNU.

A verdade é que o grande atrativo para certos usuários Linux é que muitas distribuições podem ser baixadas e copiadas livremente, sem custos. Pouco importa se vão ou não usar software proprietário, desde que seja gratuito.

Cabe ao usuário refletir um pouco sobre sua posição diante da ideia de liberdade, pois há uma diferença entre ser um amante da liberdade e um usuário que apenas flerta com a proposta de software livre.

O autor deste artigo não é nenhum paladino do software livre, no entanto, o leitor está convidado a pensar no assunto. Devemos ter cuidado para não exalar o odor da hipocrisia quando falarmos sobre o tema.

Referências:
Obs.: Algumas partes dos textos deste artigo são traduções de textos encontrados nas referências.

Página anterior    

Páginas do artigo
   1. Introdução e requisitos de um sistema livre
   2. Lista de distros livres (parte 1)
   3. Lista de distros livres (parte 2)
   4. Cadê os outros sistemas?
   5. Conclusão e referências
Outros artigos deste autor

Com vocês, Larry, a vaca

Instalação do Funtoo GNU/Linux em VirtualBox

Curiosidades e mitos sobre Slackware

A Maldição de Patrick Volkerding

Samba no Arch Linux (para principiantes)

Leitura recomendada

Como softwares livres podem gerar lucro

Por que empresas ainda optam por Windows?

Mozilla Firefox é coisa do tinhoso?! Mito, verdade ou apenas um easter egg proposital?

Software Livre no Brasil dá mais um passo

O software livre na administração pública

  
Comentários
[1] Comentário enviado por douglas.giorgio em 16/01/2010 - 15:13h

bom artigo

oq vc diria a respeido do Slackware?? uma distribuição conhecida por todos, muitas pessoas que nao conhecem linux ja me perguntaram oq eu sei do ubuntu e do slackware

eu gosto muito do BSD, algumas vezes eu prefiro ateh mais que o linux, ateh ja teve discução entre o richard stallman com o criador do FreeBSD, disem que parte do codigo do FreeBSD tem licença GLP, e que o FreeBSD estava violando algumas regras

nao sei muito bem sobre isso, so sei que o BSD estava com a razao e eles nao violaram nada, dessa vez o richard perdeu a razao

[2] Comentário enviado por f_Candido em 16/01/2010 - 16:21h

Vivendo e aprendendo. Na verdade, ouvi falar esporadicamente das distribuições puritanas.

Abraços e Parabéns pelo Artigo.

[3] Comentário enviado por dlanger em 17/01/2010 - 14:44h

Ótimo artigo.
Mas são apenas estas distros que seguem as regras do GNU? Ou existem outras?
Até hoje havia ouvido falar apenas no Ututo.

Parabéns.

[4] Comentário enviado por dbahiaz em 17/01/2010 - 15:55h

Difícil seguir esses 11 mandamentos da lei do "Stallman".

Aqui no VOL está cheio de traidor do movimento kkkkk, incluindo "EU", porque continuarei usando OpenSUSE, mesmo sabendo disso agora.

Infelizmente temos necessidades, enquanto essas necessidades não são satisfeita totalmente continuamos utilizando non-free, é o que penso!

[5] Comentário enviado por removido em 17/01/2010 - 16:28h

Parabéns! Ótimo artigo.
Concordo quando você diz ser uma contradição os defensores do GNU/Linux usarem distribuições não reconhecidas como livres pelo Sistema GNU, porém, se refletirmos um pouco, veremos que essas distribuições não são apoiadas, têm conteúdo um tanto escasso na internet e nem todo software é empacotado para os gerenciadores dessas distros. Portanto, às vezes, só nos resta usar distribuições que tem mais "força" no mercado de Software Livre.
Mas com certeza, não depende APENAS de nós, eu, você e participantes do VOL, mas sim de todos os entusiastas do Software Livre.
Numa hora como estas, não aparece voluntários para ser Webmaster de alguma dessas distros, empacotadores, tradutores, etc.
Um abraço!

[6] Comentário enviado por yuricastilho em 17/01/2010 - 18:30h

Bom Artigo!

Mas, vamos ser francos mesmo que distribuidoras de softwares como Ubuntu, Debian, Slackware e outros não sejam o maior e perfeito exemplo de software livre, e mesmo que não sigam a risca os 11 mandamentos do projeto GNU. Já é bem mais livre, e bem menos mercenária do que Microsoft, Apple, Ahead e etc

[7] Comentário enviado por xerxeslins em 17/01/2010 - 22:01h

Pessoal, valeu pelos elogios.

Como podem ver, eu não uso essas distros "puras", pois elas não são muito divertidas para mim... deixam algo a desejar por serem bem restritas em algumas características. A intenção foi apenas fazer algumas pessoas refletirem antes de defenderem ou falarem de software livre e do GNU, pois muitos não sabem que não estão seguindo os "mandamentos" do GNU à risca.

@douglasfim: sobre o Slackware eu acho que é um excelente distribuição, só acho uma pena que tenha poucos pacotes pré-compilados em comparação com outras distros famosas. Sobre não estar na lista de distros de distros livres, isso não me incomoda.

@dlanger: no momento apenas essas são conhecidas. Apenas essas 9 seguem os requisitos.

@dbahiaz: verdade. Eu tbm não abandono as outras distros para seguir as regras do GNU. Eu sou mais do tipo que usufrui das vantagens conseguidas até agora, e embora não seja um fanático seguidor do GNU admiro todo o projeto.

@orlandoxavier: concordo com você. Essas distros reconhecidas são muito "exóticas"... servem mais para quem realmente faz questão de seguir os princípios GNU (que não é o meu caso).

@yuricastilho: tem toda razão =)

[8] Comentário enviado por dbahiaz em 18/01/2010 - 01:25h

Eu entendo que no que diz respeito do ponto de vista da Free Software Foundation, isso não poderia ser diferente, até concordo com tudo que esta discriminado, porém, existe o outro lado (do simples usuário) e é nesse lado que eu , talvez você e muitos outros estão incluso, parabéns pelo artigo, muito esclarecedor mesmo. Abraço!

[9] Comentário enviado por annakamilla em 18/01/2010 - 01:41h

até que concordo xerxelins, bom texto até.

mas pense só, se não houvessem drivers proprietários como o da nvidia, como iriamos rodar o compiz ou até mesmo fazer o nosso pc funcionar??.

quero ter conhecimentos sobre linux e tenho o debian e ubuntu.

estou com um scanner que não roda de jeito nenhum no linux, seria bom a aoc fizer driver para ele msm sendo proprietário.


[10] Comentário enviado por annakamilla em 18/01/2010 - 01:42h

só quero que a minha máquina funcione no linux 100%.


[11] Comentário enviado por fhespanhol em 18/01/2010 - 08:56h

Aí xerxeslins em que mundo você vive? É óbvio que precisamos de driveres proprietários. Como ouviremos música, assistiremos vídeo, instalaremos hardware sem eles? O proprio conceito de Software livre é ambiguo, ja que precisamos pagar pelo suporte tecnico. O Linux só se tornou viável quando passou a adotar codecs, plugins e driveres proprietários. Não vá pela onda do Stallman que isto colocará todo o esfoço de desenvolvimento do Software livre a perder.

[12] Comentário enviado por xerxeslins em 18/01/2010 - 09:48h

olá fhespanhol,

eu não defendo o uso das distros 100% livres. EU não uso distros 100% livres.
apenas mostrei que muitos fazem propaganda do software livre, mas na prática não usam apenas software livre, o que para mim é uma contradição.

devemos assumir que gostamos dos benefícios que o software livre trouxe, mas que ainda assim usamos também o proprietário. Sem hipocrisia.

e o conceito de software livre não é ambiguo, pois ele é livre em termos de permitir cópia e alteração, mas o preço pode ser cobrado sim e sem restrições, tanto para serviço como pelo programa.

[13] Comentário enviado por gokernel em 18/01/2010 - 10:04h


+1, também meus parabéns pelo artigo.

Gostei mesmo, apesar de usar praticamente "tudo" seja livre ou proprietário, e o mais legal foi saber que existem essas distros e aparecendo +...

gokernel
gokernel@hotmail.com



[14] Comentário enviado por sumaya.emanuelle em 18/01/2010 - 10:20h

Artigo lindo, perfeito e maravilhoso!

Só que alguns não entenderam e se sentiram um pouco ofendidos... mas tudo bem =)

Parabéns, amor!

[15] Comentário enviado por cruzeirense em 18/01/2010 - 11:25h

É até engraçado!!!
Muitas pessoas param de usar o Windows porque querem um SOFTWARE LIVRE.
E depois descobre que o software não é tão livre assim...

Abraços,

Renato

[16] Comentário enviado por gokernel em 18/01/2010 - 11:44h

cruzeirense disse:
-------------------------------------------------
É até engraçado!!!
...
-------------------------------------------------

... Então vamos rachar o bico. =).

Perdoe-me pelo OFF-TOPIC... foi só para descontrair.

Abraços.

gokernel
gokernel@hotmail.com

[17] Comentário enviado por victorwpbastos em 19/01/2010 - 09:25h

Admiro esse cara. Comecei a olhar com outros olhos pro xfce através de screenshots e artigos dele sobre o zenwalk.
Ótimo artigo! Sempre pensei que algumas pessoas são hipócritas mesmo ao dizer que defendem software livre, quando na verdade usam drive proprietário e codecs. Só discordando um pouco do nosso amigo cruzeirense, nem sempre as pessoas deixam o windows para usar um sistema livre. Eu por exemplo e alguns amigos usamos Linux porque queremos fugir dos bugs mesmo, rsrsrs.

Abraços!

[18] Comentário enviado por douglas.giorgio em 20/01/2010 - 00:10h

... Então vamos rachar o bico. =).

sahsahsahsahsahhsahsahsahsa

=========================

aparece cada um aki kkkkkkkkkkkkkkkkkk

[19] Comentário enviado por ednilton_so em 20/01/2010 - 12:42h

Artigo legal. É bom saber essas coisas, ao mesmo tempo que nos sentimos não tão livres assim. Porém, infelizmente, a culpa não é do usuário. O Mundo é capitalista e, pensando bem, já uma vitória que haja software livre e sistemas operacionais grátis que sejam superiores aos não grátis. Há muito tempo estamos acostumados com a propriedade intelectual privada, principalmente quando se refere ao mundo do software. O projeto GNU vem ganhando forças e em muito, acredito, isso é graças às distribuições mais famosas que o próprio projeto desconsiderou.

Abraços.

[20] Comentário enviado por geowany em 02/04/2011 - 20:15h

Pelo que eu sei, o Mandriva não é "filho" do Fedora.

[21] Comentário enviado por cytron em 28/04/2011 - 11:06h

É um grande dilema, pois liberdade não é só para software, eu, como ser humano, quero liberdade "de escolha", detestaria viver 100% só de coisas livres, grátis e opensource.

Não consigo comer somente o que plantar, mal consigo plantar;
Prefiro pagar pelo alimento e ter tempo disponível para outras coisas;
Prefiro comprar a mobilha do que dar uma de marceneiro;

Utilizo Linux a vários anos e alguns programas que utilizo para trabalho foram comprados (software proprietário mesmo).

Acho que dá pra estender o conceito "livre", onde tenho "liberdade" para inserir software proprietário no meu Linux porque estou "livre" para isso desde que seja dentro da lei (não piratear).

Se o Linux estiver restrito e for proibido uso de software proprietário... qual é a definição dessa liberdade?

Sei exatamente a ideia proposta pelo artigo, entendo perfeitamente, mas apenas estou apresentando de outra maneira para que pensemos se realmente estamos utilizando o conceito "livre" da melhor forma.

Tem gente que gosta de Ubuntu, outros gostam do Debian puro mesmo, alguns gostam do Arch, ...., Satux, ..., Slackware ... Mas a final ... qual é a correta?

TODAS ELAS !!!

Existem várias apenas para atender a gostos variados.

E dessa mesma forma, existem pessoas que preferem utilizar Adobre Premiere do que Cinelerra, ou até mesmo o contrário.
Eu prefiro XPDF / Okular do que utilizar Acrobat Reader. Mas conheço várias pessoas que preferem Acrobat e detestam XPDF.

A vida é assim, isso é liberdade, deixar que escolham grátis ou pago.

Comercialmente falando, uma distro que deseja permanecer, ganhar destaque, ser aceita e estar dentro dos padrões de compatibilidade, precisa aceitar software proprietário.

Imaginem se fosse totalmente proibido uso de software proprietário no Linux, agora imaginem que o windows desapareça do mercado... o que vai acontecer? As empresas desenvolvedoras terão que fechar, pois não poderão vender programas para rodar em Linux. Se tornar free? Nem todas as empresas pensam assim e não são obrigadas a isso.

Também sou defensor do free e opensource. Mas SEMPRE vou defender o direito de optarmos por vender / liberar o fonte, pois isso é a verdadeira liberdade.

É o tal da coisa, não gosto de satanistas, mas não vou sair matando ou pedindo pena de morte para eles. Apenas não vou me tornar um.

O ponto de vista GNU precisa mudar, ser mais livre. Deve apenas proibir que "livre" apóie ou incentive o uso de "proprietário". Deve também proibir o "bloqueio" do direito de escolha entre livre ou proprietário. Impedir também a distribuição de proprietários seja nas instalações ou repositóros. Se o "cliente" deseja usar software livre, então terá que procurar por ele ou utilizar-se de recursos para busca. Não quer dizer que deve estar disponível no próprio sistema. Mas também deve deixar "livre" a escolha de INSERIR repositórios proprietários a fim de facilitar instalações e atualizações.

Mais uma vez torno a dizer, não estou contra o autor ou seu artigo, apenas estou dizendo que GNU deve redefinir a liberdade, pois segundo o artigo, GNU está "isolando" a liberdade.

[22] Comentário enviado por iz@bel em 10/05/2011 - 22:58h

Gostei D+ do artigo, muito esclarecedor...
Se você é alguém que ama a tecnologia e quer um notebook com wireless, bluetooth, câmera, além de usar java, flash, adobe, entre outros... Não tem como ser um usuário livre... Então, infelizmente, vou " apenas flerta com a proposta de software livre"...

[23] Comentário enviado por marinho lana em 13/06/2012 - 11:44h

Olá, sou um leitor tardio deste post e provavelmente um dos que menos entende de software livre, a não ser como usuário final, conheci o linux como opção à pirataria com que convive quem normalmente usa windows, que me perdoem aqueles que não estão envolvidos nesta categoria. Após usar o Ubuntu com todas as suas qualidades e ofertas comecei a me interessar pela história do SL e descobri sobre o GNU e Stalman.
Vibro com toda essa discussão sobre a filosofia e as possibilidades do GNU/Linux e aos poucos tiro minhas conclusões que dirão respeito, obviamente, apenas as minhas opniões pessoais. Por hora percebo que às vezes se confunde muito o livre com o gratuito e que se procura o SL em busca do segundo, como eu fiz no início, já que tudo que eu utilizava no software proprietário era pirateado, exatamente por ser inviável a compra dos mesmos. A partir do momento que conheci o SL descobrir que havia uma nova forma de criar, distribuir e usufruir de software sem essa loucura capitalista de lucros absurdos.
Aí entra a filosofia e a importância, pra mim e acredito que para muitos outros, da luta do pessoal da FSL, manter o espírito de SL original. Não sou contra ninguém e como disse, sou usuário final, hoje busco minha maneira de contribuir com essa idéia e o que me pareceu mais óbvio foi experimentar Uma distribuição 100% livre. Atualmente uso Trisquel e "limpei" o "meu" Debian Squeeze (já que o Kernel do mesmo vem sem os blobs, segundo o próprio Debian) no que foi possível com meu parco conhecimento, busco converter vídeos e músicas e criar em formatos livres e ver o que isso pode trazer de bom e meu próximo pc será montado com base no meu software. 100% livre é utopia? Não tenho resposta mas estou a procura.
Quanto ao texto, meu caro xerxeslins, parabéns!

[24] Comentário enviado por asdf2 em 21/03/2013 - 18:36h

muito bom o artigo, bem explicado demais, nota 10,

foi pros favoritos, valeu

[25] Comentário enviado por xerxeslins em 21/03/2013 - 19:54h


[24] Comentário enviado por asdf2 em 21/03/2013 - 18:36h:

muito bom o artigo, bem explicado demais, nota 10,

foi pros favoritos, valeu


Valeu!

[26] Comentário enviado por richard626 em 02/02/2014 - 21:23h

Caro Xerxeslins,

Muito bacana o artigo. Ajuda a pensar sobre o assunto.
A discussão de Stallman em Madri rolou na direção deste artigo (segue o endereço para quem ainda não assistiu).

Richard Stallman Free Software
Universidad de Jaume I
http://www.youtube.com/watch?v=5t_EcPTEzh4

Para além das paradas de eficiência, utilidade ou tendências pessoais, a questão do software livre na real acaba apresentando-se enquanto uma perspectiva, uma maneira de ver a utilização dos softwares.
Acho que agora é tentar multiplicar artigos a respeito de cada distro facilitando a sua utilização e ampliando as comunidades e a troca de ideias.

Nota 10!

Valeu e até mais...




Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts