Como instalar o Linux (Debian) no Libretto 50CT

Muitas pessoas têm me contactado a fim de pegar dicas de como eu consegui esta façanha e por isto resolvi reinstalar o Debian, e então paralelamente, montando esta pequena receita. Espero que este artigo possa não se restringir somente ao Libretto, pois existem muitos outros modelos no mercado que podem ser beneficiados e melhor aproveitados.

[ Hits: 26.156 ]

Por: Robert Fernandes Francisco em 18/05/2010


Passo 04: Melhorando a configuração (aparência e utilitários)



NOTA (01) - Todos os comandos apt-get efetuados no prompt de comando foram feitos com o usuário root.

NOTA (02) - O acesso ao Blackbox eu fiz com a minha conta pessoal que não possui os privilégios do usuário root.

1) Como primeira providência, devido a alguns erros muito chatos que me fizeram perder várias horas (para não dizer dias) durante o processo de elaboração deste artigo e já sabendo da solução, também editei o arquivo /etc/apt/apt.conf.d/70debconf onde acrescentei as seguintes opções de configuração:

APT::Cache-Limit "2000000000";
APT::Force-LoopBreak "true";

2) Realizando uma primeira atualização (não vou me ater a explicar o uso do APT pois existem excelentes artigos dentro do VOL sobre isto)

2.1) Limpeza do cache:

# apt-get clean

2.2) Atualização das listas:

# apt-get update

2.3) Atualizando pacotes:

# apt-get upgrade

2.3.a) Neste momento, me foram exibidos os 7 pacotes que deram erro no processo anterior, teclei enter para continuar
2.3.b) Os pacotes foram configurados sem problemas. A saber, o cron, o exim, o at, o anacron, o mailx, o logrotate e o mutt.

2.4) Eu repeti os processos 2.1, 2.2 e 2.3 mais uma vez e desta vez não apareceu nada para atualizar.
2.5) Imediatamente após estes passos, executei mais um apt, que não trouxe nada:

# apt-get dist-upgrade

3) Atualizando o 'vi' (instalando o 'vim')

3.1) Instalando o programa:

# apt-get install vim

3.2) Após rodar o programa, 2 pacotes foram instalados: o libgpmg1 e o vim
4) Instalando o Blackbox (ambiente mais leve... tem um artigo legal do Jefferson Estanislau que fala sobre ele e outros mais)

4.1) Instalando o programa:

# apt-get install blackbox

4.2) Após rodar o programa, somente o pacote do Blackbox foi instalado

4.2.a) Tem muitos artigos legais aqui e em outros fóruns a respeito do Blackbox... seria conveniente uma leitura aprofundada para se habituar a ele.

5) Instalando o GDM (na primeira oportunidade que instalei o Debian, o GDM foi gerenciador que melhor se comportou no Libretto)

5.1) Instalando o programa:

# apt-get install gdm

5.2) Após rodar o programa, 29 pacotes foram instalados...
5.3) Depois de baixar alguns pacotes, abriu-se a tela Configuring GDM. Nela eu poderia escolher o gerenciador default (xdm ou o gdm). Escolhi o gdm e teclei em OK. A seguir mais uma série de pacotes foram abertos (unpacked).
5.4) A seguir todos os pacotes foram configurados automaticamente.... muito show! Eu já havia me esquecido como era simples!

6) Instalando o OpenSSH Server (este é imprescindível)

6.1) HEHE... Não precisei fazer mais nada com o SSH... Ele foi instalado junto com os pacotes no Passo 03... Só precisei configurar o PUTTY para acessar o IP do Libretto.
7) Instalando o Hdparm (utilitário de disco)

7.1) Instalando o programa:

# apt-get install hdparm

7.2) Após a instalação, executei o seguinte comando:

# hdparm

7.2.a) O resultado deste comando é uma informação de como está a situação do meu HD, em relação há algumas variáveis bem interessantes que refletem diretamente na performance do HD... Eu ainda não o usei, mas li uns artigos muito interessantes aqui no VOL que me deixaram bem animado com os resultados que poderei obter. Em outra oportunidade escreverei a respeito.

Minha emoção em colocar isto tudo para funcionar neste ponto foi enorme, pois este computador ficou com meu irmão durante mais de um ano, rodando o Windows 98 com um monte de problemas. Depois, quando ele o devolveu para mim, ficou mais quase um ano na estante, como uma peça de decoração, pois imaginei que não tinha mais jeito.

Um belo dia, tentei ligá-lo e bum... em modo de segurança ele funcionava perfeitamente bem!

Daí resolvi instalar o Debian de novo.

Sucesso!

Neste momento eu resolvi dar um boot... Só para não deixar a parte do meu cérebro que funciona com Windows se doendo um pouco menos... afinal... até agora esta parte estava torta de inveja.

Depois de executado o reboot, resolvi dar um trato nas configurações, deixando tudo mais ou menos parecido como estava na situação de 4 anos atrás.

8) Melhorando o ambiente gráfico (X11)

8.1) Eu editei o arquivo XF86Config-4 e o reconfigurei de acordo com uma dica que eu havia colocado aqui no VOL em 23/05/2004... e ficou show!
8.2) Link para a dica: Configuração do X no notebook libretto

9) Melhorando o ambiente gráfico (GDM) - parte 01

9.1) A seguir eu segui alguns, para não dizer vários, tutoriais com um monte de dicas legais. Se bem que o próprio GDM tem uma forma bem simples de ser configurado, conforme eu mesmo escrevi em uma outra dica.
9.2) Link para a dica: Gdm com a sua cara

10) Melhorando o ambiente gráfico (XScreensaver)

10.1) A seguir eu configurei o XScreensaver, conforme eu mesmo escrevi em uma outra dica.
10.2) Link para a dica: Xscreensaver, dicas de configuração

11) Instalando o serviço de ftp (vsftpd)

11.1) A configuração do vsftpd é muito simples no Debian. A princípio, pasta executar apt-get install vsftpd. No meu caso, com a presente configuração, somente um pacote foi instalado, num total de 60.1 kB.

11.2) Depois de instalado, eu NÃO peguei a configuração que eu já havia postado aqui no VOL, /etc/vsftpd.conf, por um motivo simples: quando eu fiz a instalação do vsftpd na primeira vez (alguns anos atrás) foi instalada a versão 2... No source original do Woody utilizado veio a versão 1.0 e por isto eu tive que fazer algumas alterações na mão, como mostro a seguir:

11.2.a) Tive que verificar se o usuário nobody existia no meu passwd:

nobody:x:65534:65534:nobody:/home:/bin/sh

11.2.b) Tive que verificar se a pasta /usr/share/empty/ existia
11.2.c) Tive que criar o usuário ftp:

# adduser ftp

11.2.d) Tive que acertar o proprietário da pasta /home/ftp:

# chown root.root /home/ftp

11.2.c) Tive que acertar as permissões da pasta /home/ftp:

# chmod og-w /home/ftp

11.2.d) Editei o arquivo /etc/inetd.conf e descomentei a a seguinte linha:

ftp stream tcp nowait root /usr/sbin/tcpd /usr/local/sbin/vsftpd

11.2.e) Descomentei as seguintes linhas no arquivo /etc/vsftpd.conf:

local_enable=YES
write_enable=YES
chroot_local_user=YES

11.3) Após todas estas configurações o ftp rodou beleza, tanto no ftp via DOS como no FileZilla, que é o programa de ftp que eu uso.

12) Melhorando o ambiente gráfico (GDM) - parte 02

12.1) Com o FTP funcionando, resolvi melhorar a cara do GDM, conforme falei na dica 8.2 fazendo a transferência de algumas imagens
12.2) Peguei uma imagem interessante com um tema que me agrada e a editei para dois tamanhos: 800x600 e 640x480
12.3) A seguir criei a pasta /home/robertff/imagens
12.4) Copiei para lá via FTP as imagens geradas
12.5) A seguir editei o arquivo /etc/X11/gdm/gdm.conf e alterei as seguintes variáveis:

12.5.a) BackgroundType=1
12.5.b) BackgroundImage=/home/robertff/imagens/matrix_640x480.jpg
12.5.c) BackgroundScaleToFit=true
12.5.d) BackgroundProgram=/usr/lib/xscreensaver/xmatrix -small -trace -root -density 30 -top

12.6) Pronto... Já atingi um visual muito bom. Aparece o meu novo Wallpaper e em seguida já entra a animação do Xscreensaver... Muito show!

13) Melhorando o Blackbox

13.1) Tem certas coisas nesta versão que realmente não dá para entender... Para que eu possa colocar uma imagem de fundo (wallpaper) eu preciso ter uma aplicação de imagens adequada, que não é instalada com o Blackbox... Para resolver este problema, existe um paliativo: instalar o Aterm e o Eterm:

# apt-get install ater eterm

13.1.a) Estou instalando os dois pelos seguintes motivos: o Eterm é acompanhado pelo Esetroot, que resolve o problema do BackGround... e o Aterm é o que eu prefiro pois ele aceita um excelente nível de transparência.

13.2) Após a instalação destes dois terminais, você pode agora testar o comando que irá colocar a imagem em background.

13.2.a) Forneça seu login e senha no GDM, selecionando o Session referente ao Blackbox
13.2.b) Com o botão direito mouse, selecione a opção XShells / Aterm
13.2.c) Execute o seguinte comando: bsetbg /home/SUAPASTA/imagens/IMAGEM.jpg (Lembrando que SUAPASTA é o seu login e IMAGEM.jpg é o nome da imagem que você escolheu e transferiu via ftp anteriormente, conforme descrito no ítem 11.4).
13.2.d) Funcionou beleza, mas é preciso destacar que quando você encerrar a sessão do Blackbox, no próximo logon esta imagem não estará ativa... Mas fique calmo... Existe uma forma de colocar em definitivo.

13.3) Com o mesmo Aterm que foi aberto digite:

# vi /etc/X11/gdm/Sessions/Blackbox (pode ser que este arquivo seja denominado Debian, e não Blackbox)

13.4) Deixe o seu arquivo assim:

#!/bin/sh

bsetbg SUAPASTA/imagens/IMAGEM.jpg &

exec blackbox

13.4.a) Não esqueça do "&" (E comercial) no final, pois é ele é o responsável por executar o comando em back-ground... Este "&" vai ser útil novamente daqui a pouco.

14) Instalando o GKrellm

14.1) O Gkrellm é um utilitário muito legal para monitoramento do Hardware... Na realidade... Acho ele imprescindível.
14.2) Abra um terminal com o usuário root e digite:

# apt-get install gkrellm

14.3) Nem perdi tempo... Editei o arquivo /etc/X11/gdm/Sessions/Blackbox (pode ser que este arquivo seja denominado Debian, e não Blackbox) e já acrescentei o gkrellm e o Xscreensaver lá também:

#!/bin/sh

bsetbg SUAPASTA/imagens/IMAGEM.jpg &
gkrellm &
xscreensaver &

exec blackbox

14.4) A seguir eu fui até o diretório /usr/share/blackbox/styles/ e removi todos os estilos que não me agradavam.
14.5) Depois eu peguei alguns temas que eu tinha e os configurei no Blackbox.

14.5.a) Neste caso, eu não copiei os temas para a pasta oficial do Blackbox... Eu criei uma nova em minha pasta pessoal exclusiva.
14.5.b) Comando:

mk .blackbox


14.5.c) Depois eu criei a pasta para receber os meus novos estilos:

mk .blackbox/styles

14.5.d) Quando você entrar novamente no Blackbox estes novos estilos estarão disponíveis.

15) Configurando a apresentação do Aterm

15.1) Em mais uma etapa de ajuste na aparência do meu ambiente, resolvi configurar meu Aterm para um frontend mais interessante.
15.2) Editei o arquivo do menu do Blackbox:

# vi /etc/X11/blackbox/blackbox-menu

15.3) Alterei a linha referente ao Aterm

15.3.a) De:

[exec] (Aterm) {/usr/bin/aterm}

15.3.b) Para:

[exec] (Aterm) {/usr/bin/aterm +sb -tint red -tr -trsb -fg white -sh 70 -g 65x20}

15.4) Outra opção muito legal que encontrei aqui no VOL foi uma conf muito interessante no link:
Postado pelo slackrlz e posso dizer também funciona muito bem!

16) Instalando o AbiWord

16.1) Eu considero o AbiWord um bom editor de textos... Também nem posso me dar ao luxo de ter algo mais rebuscado no Libretto.
16.2) Em um terminal, executei:

# apt-get install abiword

16.3) Depois que foram baixados os pacotes, surgiu a tela Configuring Psfontmgr...

16.3.a) A pergunta nesta tela se eu uso uma impressora Post Script e por default, informei YES
16.3.b) A seguir apareceu uma tela informativa e teclei em OK

16.4) A tela a seguir foi a Configuring Abiword-Common e teclei em OK

16.4.a) A seguir alguns pacotes passaram a seguir uma pré-configuração...
16.4.b) No fim da instalação, o AbiWord não foi adicionado ao menu do Blackbox (uma pena) e eu tive que acrescentar na mão, ficando assim:

# vi /etc/X11/blackbox/blackbox-menu

[submenu] (Editors) {}
   [exec] (AbiWord) { abiword}
   [exec] (Vim) { x-terminal-emulator -T "Vim" -e /usr/bin/vim}
   [exec] (Nano) { x-terminal-emulator -T "Nano" -e /usr/bin/nano}
   [exec] (Xedit) {xedit}

16.5) A seguir fui executar o AbiWord e recebi duas mensagens de erro:

16.5.a) A primeira foi esta:

AbiWord was not able to add its fonts to the X font path.
This does not mean that there is anything wrong with your system but you will need to modiy your font path manually.
please see "Unix Font Path Problem" in the FAQ section of the Abiword help file for more detailed information, including instructions on how to turn this warning off.

16.5.b) E a segunda foi esta, com mais um monte de mensagens indicando o que fazer para solucionar o problema:

AbiWord could not load the following font or fontset from the X Window System display server:
[-*- Times New Roman-regular-r-*-*-*-0-*-*-*-*-*-*]

16.5.c) Uma das orientações foi acrescentar o comando 'load "type1"' no arquivo /etc/X11/XF86Config-4... Pesquisei mais um pouco na internet e encontrei na FAQ do próprio AbiWord a mesma informação (http://www.abisource.com/support/faq/).

16.5.d) Editei o arquivo /etc/X11/XF86Config-4 e acrescentei a linha conforme indicado, ficando mais ou menos assim a sessão MÓDULOS:

Section "Module"
   Load  "dbe"
   Load  "dri"
   Load  "extmod"
   Load  "glx"
   Load  "pex5"
   Load  "record"
   Load  "xie"
   Load  "type1"
EndSection

16.6) Fazendo isto o AbiWord carregou normalmente.

Bom, até aqui tudo está funcionando muito bem!

Postei um vídeo no Youtube no qual você poderá acompanhar o boot do Libretto ao final desta etapa... Acho que ficou legal.
Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Breve histórico de como escolhi o Debian
   2. Passo 01: Particionamento inicial e cópia do CD
   3. Passo 02: Instalando o Debian
   4. Passo 03: Configuração inicial - o primeiro boot
   5. Passo 04: Melhorando a configuração (aparência e utilitários)
   6. Passo 05: Acrescentando novos sources e atualizando o Debian
Outros artigos deste autor

Qualidade de respostas

Linux, uma experiência de uso

Leitura recomendada

Turbinando o Openbox nativo do Debian 10 LXDE

Debian Squeeze para Desktops

Configurando o X.org

Criando um Ubuntu (6.10/7.04) personalizado

Configuração de Indentação no Vim - Tabs e Espaços

  
Comentários
[1] Comentário enviado por removido em 18/05/2010 - 21:39h

Parabéns amigo, principalmente pela sua perseverança. Cara, eu não sinto nenhum pouco de saudade dessa época (Xfree86, Winmodens, etc), mas não dá pra instalar um Lenny numa preciosidade dessas não é mesmo?.

[2] Comentário enviado por ricardoperera em 18/05/2010 - 23:48h

Kraaaa que legal!! Agora to exportando seu artigo para poder ler no meu smartphone! Faço questão de ler esta matéria!!

[3] Comentário enviado por fellipe em 19/05/2010 - 13:32h

Só o blackbox mesmo pra rodar numa máquina dessas...parabéns pela persistência.

[4] Comentário enviado por Lisandro em 19/05/2010 - 13:40h

Instalei via rede tanto o Redhat quando o Slack no CT50 e no CT70 e funcionaram beleza, rodando Windowmaker.

[5] Comentário enviado por ricardoperera em 20/05/2010 - 03:24h

Olá, já li o seu artigo, ficou mto fera!! Só fiquei com umas duvidas aqui: vc instalou o debian 3.0 ne? ms vc nao atualizou ele pro lenny né? ou atualizou? Se vc ainda está usando a versao mais antiga, a 3.0..queria saber como vc faz pra instalar programas, e atualizar.. Por exemplo, se vc tiver ai com um firefox mto velho e quiser instalar um mais novo, tipo o 2.0, teria como? É mais a título de curiosidade!

Ahh, fala pra gente quais os programas que vc mais usa ai no Libretto, no dia a dia, quais são impossíveis de rodar, quais rodam bem; isso seria bem bacana ;)!!


Abraço,

Até mais,


[6] Comentário enviado por fftrebor em 24/05/2010 - 10:18h

Olá a todos.

Estive algum tempo fora, curtindo umas merecidas férias depois de 5 anos... Por isto, perdão pela demora nas respostas.

1) edps (Edinaldo): É verdade. Eu tentei a Lenny antes e não deu certo... por isto que comecei pelo Woody. Mas faltou eu mencionar que dá para ir acrescentando as sources para ir atualizando alguns pacotes principais e instalando alguns outros pacotes.

2) Cisco Kid: Espero que tenha gostado.

3) Felipe: Eu testei o kde e outros... mas como o bb não tem...

4) Lisandro: Na primeira vez que tentei instalar, a cerca de 8 anos atrás, eu até pensei em instalar via rede... mas como minha opção foi a instalação a partir do hd, continuei por este caminho. Até porque eu gostei muito do Debian antes e como ele já tinha uma opção assim, segui por este caminho mesmo. Outra coisa, eu gostaria muito de saber como você fez a instalação via rede. Você poderia escrever um artigo sobre esta opção, seria muito legal. :-)

5) Cisto Kid: Como respondí ao Edinaldo, eu instalei o Woody e estou atualizando alguns pacotes e instalando outros. Eu até tentei instalar a partir de versões mais novas, porém por um motivo ou por outro, não deram em bons resultados. Mas isto é tudo uma questão de perseverança.

Um abraço a todos

[7] Comentário enviado por ricardoperera em 28/05/2010 - 23:50h

Olá Robert!! Que programas você está conseguindo usar com ele?! Voce já testou o seamonkey nele (email, browser, chat, ed. html)?? fiquei curioso sobre a possibilidade =P!! Muito bom o seu artigo, parabéns por todo o esforço e criatividade!! Curti muito ler a empreitada que foi instalar o debian nele!!

Até

[8] Comentário enviado por fftrebor em 04/06/2010 - 12:04h

Ricardo

Não dá para rodar muitas coisas devido à pouca memória e o baixo recurso do processador.
Porém, já instalei o apache em uma das oportunidades e rodou de forma aceitável.
O ftp não deve nada...
Uma vez instalei o traceroute, um trace gráfico que também funcionou de forma interessante.
Como servidor de e-mail também funcionou direito...
O meu uso nela é em reuniões. Eu gosto de escrever as atas no vim...

:-)

Pronto... contei...


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts