Com software livre você tem e você pode!

Venho falar sobre o poder que é possível ter com o software livre e sobre a segurança advinda desse modelo de desenvolvimento.

[ Hits: 7.599 ]

Por: jhonatam da mata de jesus em 26/10/2010


Com o software livre você tem, com o software livre você pode



Saudações caros companheiros, estou eu aqui mais uma vez para falar sobre Linux, código aberto e software livre.

Neste exato momento escrevo através de um sistema operacional livre e de código aberto e que pode ser adquirido gratuitamente na internet. Estou falando do Linux e da distribuição Mandriva Linux, a versão que estou utilizando é a 2010.1 em um notebook hp pavilionDV-6910us, o qual tem seu hardware completamente reconhecido pelo sistema sem a necessidade de recorrer a sites ou a CDs de fabricantes de dispositivos, isso no mínimo é muito bom, pois nem sempre se tem CDs ou mesmo habilidades para resolver esses problemas de reconhecimento de hardware.

Estou escrevendo esse texto de um editor de textos de código aberto e que trabalha no padrão aberto de formatos de documentos (ODF), se trata do Writer do pacote de aplicativos de produtividade OpenOffice.org na sua encarnação BrOffice.org editor, esse que suporta inclusive a visualização e edição de arquivos de outros editores.

Mas qual a importância disso tudo? É simples, podemos ter uma vida digital normal somente com softwares livre e que respeitam o seus usuários, entenda que quando digo software livre não digo software de graça, não, não estamos falando de gratuidade e sim de liberdade, conhecimento, aprendizado, tecnologia, é disso que falo quando falo que ter o código fonte de um aplicativo é importante. Mesmo que o usuário final não vá usar esse código para modificar ou estudar, pessoas capacitadas para isso o farão como estudantes, empresas, hackers, pesquisadores.

A qualidade de um software está intimamente ligada com o número de pessoas que revisam seu código, isso porque o erro que um programador comente raramente passará desapercebido por outro programador, sendo assim quando outro programador descobre o erro ele o corrigirá e assim o software obtém mais qualidade.

Imagine a seguinte situação, estamos envolvidos em uma guerra contra um país no qual reside uma empresa que fornece softwares para computadores, e nossas forças armadas são usuárias desses software fornecidos por essa empresa. Pense no que poderia acontecer se nossos especialistas em T.I das forças armadas não soubessem exatamente o que teria rodando nos softwares usados por eles? É por isso que dizemos que é importante ter o código fonte dos softwares que usamos, pois nos trás segurança, independência, flexibilidade e mais uma gama de vantagens no sentido de poder melhorar a tecnologia a seu favor.

Como se sentiria se soubesse resolver um problema em um software utilizado pela sua empresa e não pudesse pois não tem acesso ao código fonte do software? Foi uma situação semelhante a essa que deu início a coisas como GNU, FSF, GPL, que hoje possibilitam que eu e você não precisemos esperar por meses ou até anos por uma correção de segurança em um sistema operacional ou que nos proporciona uma gama incrível de opções em softwares de aspectos gerais e em sua maioria não precisamos pagar por eles (não que pagar software seja ruim).

Como seria se você não pudesse saber o que seu software faz de verdade? Os softwares de código aberto possibilitam que o seu usuário veja de forma transparente o que acontece no decorrer de sua execução em seu computador e ter certeza que esse software só faz o que se propõe. Isso de maneira nenhuma acontece com softwares que somente uma empresa ou pessoa detém o controle total sobre ele e o protege com patentes restritivas e que oprimem seus usuários os deixando com poucas alternativas e assim surge a pirataria, que é um comportamento cada vez mais comum e tido como normal por muitas pessoas em nosso país.

Estudantes por exemplo não deveriam sequer utilizar softwares proprietários, pois os estudantes devem ser pessoas curiosas, pesquisadores, questionadores que deviam aprender de todas as formas possíveis e isso quando falamos em estudantes de informática ainda é mais crítico, pois teríamos profissionais melhores no mercado se os mesmos fossem pessoas de mentes mais curiosas durante sua graduação.

Pense em um software que você gostava e que hoje em dia desapareceu por um motivo ou outro. E como seria se você pudesse de alguma forma aproveitar funcionalidades ou mesmo mantê-lo em funcionamento? Com o software livre você pode fazer isso, pois se tiver conhecimento poderá manter esse software durante o tempo que ele for necessário para você.

Sempre que falo em software livre e de código aberto me lembro de que temos muitos serviços sendo distribuídos gratuitamente e alguns com preços mínimos devido a existência do código aberto e do software livre, sabe como isso acontece? Imagine aquele site de relacionamentos, normalmente os adolescentes apreciam muito, agora pense na estrutura de T.I que essa empresa precisa ter para manter esse serviço e agregado a isso imagine a quantidade de licenças de softwares que precisariam ser pagas se não fossem os softwares livres.

Lembre-se que em um sistema computacional não temos somente sistema operacional e hardware, mas sim muitos softwares que fazem disso uma realidade. Como exemplo posso tomar um servidor de páginas da internet muito famoso, o Apache, esse software é responsável por pelo menos 70% dos sites que estão disponíveis na internet nos dias atuais.

Ainda podemos citar dois fenômenos de software na forma de navegadores de internet, sim estou falando do Firefox e do Google Chrome, são ótimos softwares de código aberto com uma base de usuários crescente a cada dia e que são líderes em tecnologia de interpretação de páginas e conteúdos servidos na internet.

Por esse e por outros motivos você tem e você pode com o software livre!

   

Páginas do artigo
   1. Com o software livre você tem, com o software livre você pode
Outros artigos deste autor

Aventuras, desventuras e Software Livre

Relato do 7° FGSL - Fórum Goiano de Software Livre

Leitura recomendada

GNU/Linux, um projeto de sucesso (parte 1)

Fish - Um shell fácil de usar

Novas fontes para o seu X

SNMP em Linux e Windows para monitoramento no Cacti

Computação Distribuída com TORQUE Resource Manager

  
Comentários
[1] Comentário enviado por kobushi em 28/10/2010 - 11:18h

Eu percebi isso tudo em 1997.

[2] Comentário enviado por xerxeslins em 28/10/2010 - 17:59h

Legal! Mais um artigo incentivando o uso do software livre, do Linux.

Todos os anos mais pessoas passam a experimentar o Linux e muitos ficam inseguros se podem ter uma vida digital normal com o Linux.

Esse artigo ajuda a acabar com essa insegurança dos novos usuários.

Valeu!

[3] Comentário enviado por paulomoraes em 28/10/2010 - 22:42h

Um artigo legal e de grande reflexão no caso de uma guerra. A guerra só começará na quarta-feira, pois os "patches" saem toda terça.... ;)

Abs.

[4] Comentário enviado por jhonatam em 29/10/2010 - 01:02h

RSRSRSRSRS boa essa das atualizaçoes na terça. mas pensem seriamente no assunto !

[5] Comentário enviado por Teixeira em 30/10/2010 - 09:06h

Estive ontem entrevistando pessoas de uma determinada organização nacional, onde foi implantado o Linux e renovado todo o hardware através de máquinas de última geração fabricadas por uma das empresas mais famosas e conceituadas internacionalmente.
Nessas máquinas o Ubuntu veio preinstalado e afinado de fábrica para um melhor desempenho.

Essa organização tem feito a renovação de hardware há muitos anos, porém usando anteriormente o único sistema operacional disponível no mercado, que todos sabemos muito bem qual é.

Observou-se que grande número de pessoas apenas por ouvir a menção ao nome "linux" - e antes mesmo de sequer ligar os PCs - já manifestaram revolta e má vontade.

Muitos naturalmente sentem falta do "jeitão" do outro sistema operacional.
Já teve até gente que (devido a posições hierárquicas levemente superiores) mandaram desinstalar e colocar o piratão (o que é terminantemente proibido naquela organização. pois devido à sua própria natureza e definição não pode ser conivente com crimes de qualquer espécie).
Particularmente acho que quem assim procede está sujeito a ser demitido por justa causa (questão de opinião face a legislação trabalhista, e não que eu ache que as pessoas DEVAM perder seus empregos).

Mas o detalhe é que se observa que as pessoas alegam as coisas mais inconsistentes possíveis para manifestar seu desagrado diante da mudança. Acontece que elas não percebem ou não querem perceber que a organização não tem mais quedas do sistema, que se acabou o problema de virus, etc.

E as desculpas são as mais esfarrapadas.
Um diz que "é difícil de aprender o Write", embora todas as vezes que o "editor consagrado" mude de versão tenha-se de fazer algum aprendizado, pelo menos para saber onde foram parar as coisas que estavam aqui e ali e já não se sabe onde foram parar.
Outro diz que não dá para abrir os arquivos em casa. Ora, claro que dá.
Ou que os clientes não conseguem abrir os arquivos. Conseguiriam, sim. Mas fica aqui a pergunta: POR QUE mandar arquivos para clientes? São raríssimas as ocasiões em que uma empresa realmente precisa fazer troca de arquivos com seus clientes.
É uma desculpa daqui, outra desculpa dali.
Outro diz que "é muito difícil", outro que "dá problema" e outros afirmam ainda que "é uma porcaria" - isso ainda sem ter ligado o PC.
Está certo que não se goste de um sistema, ou que se tenha até paixão pelo outro. Mas nossas preferências devem ser baseadas em razões sólidas, não é mesmo? Até para torcer pelo Corinthians ou pelo Flamengo alguém partiu de algum ponto sólido. Ninguém diz que não gosta do Phillips Exeter sem ter visto nenhum jogo dele. "Detesto esse Phillips Exeter. É um monte de pernas de pau..."
Contudo, nossos arquitetos e engenheiros estão acostumados ao AutoCAD, um software proprietário ainda insuperável, e que não roda em nossa plataforma. Então sua escolha pelo outro sistema é mais que justa.
Dessa forma, é um total contrassenso a aversão ao software livre.

O engraçado é que meu compadre que está com mais de 70 anos, nunca viu um computador na vida, tem um filho de 15 anos que somente teve contato com computadores através de lan houses, comprou um micro com um "linux" totalmente estranho há pouquíssimo tempo, e está editando o seu JORNAL - um tablóide - no micro.
Já é a terceira edição feita no micro com Linux, segundo ele sem dificuldade alguma.
O detalhe é que muitos dos que combatem o Linux ou o software livre são totalmente incapazes de formatar um texto simples, quanto mais de editar um jornal!

O software livre tem de vencer o preconceito de certas pessoas. Felizmente mesmo os preconceituosos, depois de efetivamente experimentarem o universo do software livre, e salvo algumas excessões, geralmente se convertem a ele.

[6] Comentário enviado por jhonatam em 30/10/2010 - 23:23h

Grande depoimento amigo, concordo com o que voce diz !

[7] Comentário enviado por HER GNU/Linux em 01/11/2010 - 13:08h

Salve, Jhonatam!

Parabéns pelos comentários sobre GNU/Linux, pois é importantíssimo pessoAs que não conhecem o sistema operacional ter a possibilidade de Reflexão.
Uso o Ubuntu 10.04 atualmente e aos poucos estou conhecendo melhor os sftwares livres. Tenho um notebook, mas não tenho coragem de passar para o Ubuntu,
pois talvez tenha que fazer ajustes e eu não sei. Bem! Abraços e sucesso.

HERMES

[8] Comentário enviado por nicolo em 01/11/2010 - 14:25h

Companheiro de GNU-Linux; não estamos em guerra; estamos apenas competindo, e conforme a teoria capitalista a competição fortalece, ARRGHH!
Conforme a teoria maquiavélica quem gosta de competição fica pobre, e quanto mais compete mais empobrece- Os ricos compõe ARRGGHH

(Respirando fundo, essas são brabas)

2-Outro assunto. O autocad é famoso mas tem concorrentes que funcionam em W.I.N.E. Nunca textei o AutoCAD em W.I.N.E.

3-Outro assunto: Ontem eu estava tentando configurar máquina virtual no Ubuntu. Zorra total. O vellho vmware-player que funciona tão bem no 8.04 não instala no 10.10. Já coloquei um post na esperança de uma dica. Nenhuma resposta. Tentei o KVM com o Aqemu gentileza de um russo que não sei quem é. É bem enrolado. O virtualbox-ose pelo menos funciona, mas não espicha a resolução de tela- meia bomba.
Comportamento estranho para descompactar fora do /home. Outra briga para permissões que se comportam de maneira aleatória.
O W.I.N.E parece que finalmente atingiu a maturidade, roda programas WIN32 bastante bem.
O Linux parece que atinge um grau de excelência como o Ubuntu 8.04 e, sem mais nem menos, dá um passo de caranguejo pra trás.
Já rolei umas distros sem entusiasmo, knopix, fedora, slackware... .. nada feito; o Ubuntu é avant-première de facilidade.

O software aberto evolui a jato, mas as distros não são estáveis (no tempo) porque elas mudam as características intensamente e precisa um grande conhecimento para lidar com isso. Se o usuário para na página 3- (Office, mais internet mais uns reteratos e multimedia), vai bem, se quer espichar o uso a coisa complica exponencialmente.
Nem todo o usuário tem 20 e poucos anos, tempo e energia para isso, a maioria não tem nem interesse e nem paciência

Verifiquei programas abertos e freeware para windows. A quantidade impressiona. O open-source está produzindo para Windows.

O open-source evolui, mas o Linux carece de maior constância na formatação do sistema, id. est. precisa de cacoetes mais constantes.
O multimedia do Ubuntu que estava um brinco no 8.04 virou dragão e só foi consertado no 10.10, cinco edições depois.
Assim vai ser difícil ser feliz.


[9] Comentário enviado por jhonatam em 01/11/2010 - 17:53h

Amigo Nicolo, acredito que você esteja equivocado quanto a algumas coisas.

1 Não falei em momento algum que estamos em guerra com alguém ou com alguma tecnologia em especifico. Somente ressaltei a importância de se dominar o código da aplicação em uso por um país em tal situação., convenhamos que não é interessante back dors em seu software e a única forma de garantir a segurança é tendo o código a disposição.

2 Sobre o AutoCad, não utilizo essa tecnologia e conheço pouca gente que como usuário comum utilizaria, um inkscape está de bom tamanho para quem não é arquiteto, não nego que isso é uma mancha na nossa bandeira mas não podemos fazer nada se a empresa que desenvolve tal software não tem interesse em desenvolver para nossa plataforma, digo ainda que nós usuários de software livre temos mais consciência e provavelmente iriamos pagar mais que os usuários Windows (pirataria forte).

3 Sobre seus problemas com virtualização, só tenho a falar bem do VirtualBox a única solução de virtualização que já usei e ainda uso não me traz problemas e é muito intuitiva e fácil de usar acredito que mais uma infinidade de pessoas também usam e não tem problemas pois ao contrario teríamos uma má fama do software.

4 Não recomendo o uso do Wine, salvo situações irremediáveis pois uma boa migração começa com uma mente aberta e disposta a entender as mudanças, mudanças tais que acontecem sempre que é lançado uma nova versão dos consagrados produtos proprietários e ninguém reclama pois sofrem da Síndrome de Estocolmo e amam e defendem seu opressor. (assim diria RMS).

5 Quanto ao Ubuntu, não sou usuário e nem tenho interesse nessa distro os problemas que voce enfrenta nela nao posso responder a respeito, somente citei a mesma em meu artigo pois ela se mostra muito popular na atualidade e alguem que ver o artigo e quiser testar pode gostar.
Sou usuário do Slackware e do Mandriva Linux, não tenho problemas com essas distros, mas já usei Kurumim,Insigne,Fedora sou um usuário feliz pois decidi migrar de vez para o Ambiente Linux e o que tenho notado com usuários frustrados é que normalmente eles querem um Windows no mundo GNU/Linux e isso geralmente causa alguns transtornos e saudades da velha janela colorida.

6 Quanto a minha idade, realmente tenho 22 e ainda sou paciente, não tenho muito tempo pois estudo em período integral e mantenho uma vida social relativamente agitada (igreja/amigos/M.M.A) mas eu durmo pouco então sobra tempo para aprender coisas novas e resolver problemas, mas se eu pensar bem não tenho tido problemas nos últimos 3 anos (com minhas maquinas).

volto a afirmar o titulo do artigo "Com o software livre você tem, com o software livre você pode".

Mude sua mente e se liberte, se liberte e seja feliz assim como eu sou com o Software Livre !!!

[10] Comentário enviado por cruzeirense em 03/11/2010 - 08:36h

A teoria do open source é excelente, mas na prática a vantagem de tudo é o preço do software que na maioria dos casos é gratis.
Vale lembrar que a possibilidade de mudança de alguma coisa no software só é possível para poucos (poquissimos) usuários.
Lembrando também que opensource não é exclusivo do linux visto que programas opensource são muito mais utilizados no Windows.

Em relação ao autocad já consegui instalar até a versão 2000 (que ainda é muito utilizada por grande parte de empresas, visto o alto custo das atualizações), mas isso foi em uma versão antiga do wine (tem alguns screeshots aí), e interessante é que nas novas versões não consegui fazer funcionar.

Realmente o que o nicolo falou em realação a "bagunça" faz sentido.
Tem coisas que estão funcionando bem hoje mas amanhã param de funcionar, da mesma forma que acontece em outros sistemas.
O grande problema (será que é problema mesmo?) é que as distribuições linux mudam muito rápido (o ubuntu que é a distribuição mais utilizada muda 2 vezes ao ano).

Abraço,

Renato

[11] Comentário enviado por pink em 03/11/2010 - 22:50h

Amei seu artigo, a forma como você colocou suas idéias foi perfeita....
Sou suspeita pra falar sobre Linux....
GNU/Linux mudou minha vida por completo, seu espírito comunitário me fez uma pessoa melhor, mas paciente, bondosa, enfim uma pessoa que enxerga o próximo de um modo diferente, tudo isso me tornou uma pessoa feliz, descobri há 6 anos a felicidade... E de quebra me descobri profissionalmente, adoro programação, inteligência artificial e robótica.
Sou estudante e na faculdade todos os computadores ofereciam Windows, mas há 2 anos atrás dei um cd do Ubuntu de presente para cada um da turma, hoje todos usam Linux, atualmente a faculdade se viu obrigada a instalar o Linux em dual boot.
Eu ainda uso Windows por questões da Adobe, como por exemplo o CS5, mas Linux está em primeiro lugar.
Acredito num mundo melhor, mais humano, mais incluído digitalmente.

[]'s

[12] Comentário enviado por jhonatam em 04/11/2010 - 14:30h

Oi Pink, obrigado pelo comentário, olhei suas fotos e tenho que dizer, "É bom ter mulheres bonitas desse lado do muro ".
sou também feliz por estar envolvido com a melhor pratica de producão de software conhecida.

Grande Renato, não perde uma chance de ficar quieto e não difamar o software livre, em outra ocasião me lembro de rebater alguns desses velhos e repetitivos seus argumentos sobre a aparente bagunça em algumas distribuicões Linux. No mínimo voce está muito errado ao falar que na pratica a adocao de software livre em algum ambiente é somente de preco, lembre-se que normalmente as pessoas não pagam os softwares que usam, isso aqui no Brasil inclusive é cultura usar software pirata, logo o quesito preco cai por terra.
Eu nao disse em momento algum que Open Source é exclusivo de Linux e também não disse que não existe possibilidade de rodar software livre em outras plataformas, só não me parece coerente usar software livre sobre uma base proprietária.
Fora preco temos o fator segurança, flexibilidade, e todas as possibilidades que a liberdade de software proporciona.
Realmente não entendo onde voces querem chegar com comentários como esses, isso não adciona nada ao paradigma de desenvolvimento de software de código aberto, muito pelo contrario pois um leitor novo no assunto pode estranhar e nao querer adentrar para esse maravilhoso mundo tecnológico e evolutivo.

Quanto ao Ubuntu e a Algumas distros que sempre mudam, a minha recomendação é que quem não gosta disso não use essas distros, tem distros que se orgulham de não mudarem as coisas, sou usuário slackware e posso afirmar que esse nao gosta de muitas mudanças, ou mesmo o afamado Debian, que tem um ciclo de suporte bem grande, ainda pode tentar RedHat ou CentOS.

No mundo Livre opções é o que não falta, tente abrir sua mente e se libertar dessa prisão.

[13] Comentário enviado por cruzeirense em 05/11/2010 - 11:40h

Prezado jhonatam,

Não perco a oportunidade de expor minhas idéias.
Eu sempre coloco a questão preço como grande vantagem do software livre sim. Imagina eu falar com o usuário que a vantagem é que ele pode alterar o programa ao gosto dele (que na verdade é o ponto central do software livre). A questão segurança já está caindo por terra, sempre o elo mais fraco da corrente em relação a segurança é o usuário. E também a quantidade de usuários de software livre que é muito menor causa a falsa impressão que ele é inviolável. Vejam aí a questão do firefox. Assim que gerou uma grande massa de usuários os problemas de segurança começaram a aparecer.

Agora essa eu vou discordar plenamente:

"só não me parece coerente usar software livre sobre uma base proprietária."

Primeiro porque o usuário é livre para utilizar o software onde quiser desde que respeite a respectiva licença.
Segundo porque se todo mundo parasse de utilizar software livre em sistemas proprietários (basicamente o windows) o uso dos programas livres ia cair uns 70%.

Em relação a bagunça eu sempre defendí uma padronização do Linux, veja abaixo:

http://www.vivaolinux.com.br/contribuir/artigo/formEditarArtigo.php?codartigo=10047

Agora esta outra questão:

"muito pelo contrario pois um leitor novo no assunto pode estranhar e nao querer adentrar para esse maravilhoso mundo tecnológico e evolutivo"

Os novos usuários tem que entrar já sabendo das vantagens e desvantagens do software livre também.

Temos muitos casos de sucesso com o software livre, o linux é o maior deles.
Temos também casos que deixam os usuários preocupados. Vejam aí o Open Office e o MySql. Lembram do Kurumin? Tenho certeza que muitos usuários do forum iniciaram o uso do linux através desta EXCELENTE distro.

Teve uma frase que lí uma vez aqui no fórum (não lembro o autor) mas achei muito correta:

"Eu torço para o meu time, não para um software".


[14] Comentário enviado por jhonatam em 05/11/2010 - 12:46h

Bom dia Renato

Vamos nós novamente em nossa boa e velha discussão, quando voce diz que as falhas de segurança sao mais pela parte do usuário, eu concordo plenamente, mas algumas coisas devem ser observadas coisas como, mesmo o firefox tendo aparecido com mais falhas de segurança, a velocidade de correção de erros, e a qualidade desse navegador em relação ao seu concorrente direto ainda é gritante ou voce discorda disso?

Outra coisa voce se esquece que o Linux só nao faz grande presença entre os descktops, o que podemos dizer por exemplo nos supercomputadores, servidores web, clusters, e agora estamos evoluindo inrreversivelmente nos smartphones também nao é mesmo?

Eu disse que para mim nao parece coerente usar software livre numa base proprietária e principalmente pirata, que é o que mais acontece; Falando nisso, quantas pessoas comuns voce conhece que tem seus softwares de maneira legal? (softwares nao livres).

Seu link está errado, mas eu conheco o artigo e já inclusive debatemos sobre o tema.

Infelizmente um usuário novo não ficaria sabendo das vantagens de software livre, não por voce que sempre que pode fala de forma negativa e a unica coisa de positiva é o preco, e mais uma coisa, quando ele entra no mundo proprietário ele sabe pelo menos que tem que pagar pelos softwares que ele utiliza? ou que ele precisa ler o contrato antes de clicar em "next"?

Sim me preocupa a situação do OpenOffice, mas isso se deve a fatores isolados e uma de nossas muitas vantagens é ter opções, quer um exemplo? Não gosta mais ou não pode mais usar OpenOffice? vai de libre-Office, mysql?, vai de mariaDB,postgreSQL.
são somente alguns exemplos das possibilidades que temos.
Kurumin ? nunca foi excelente, popular sim mas excelente não.

Se eu não tivesse sido treinado a gostar de time de futebol, provavelmente nem torceria pois os mesmos não dão a mínima para o que eu penso ou quero, e não importa o quanto eu sofra na frente da tv não vai mudar nada meu time vai se comportar como a situação financeira se desenvolver para ele.
E voce nao imagina como eu fico feliz e comemoro a cada versao do Slackware, pQui-Linux, KDE, Firefox eu apoio esses projetos e sigo torcendo por eles.

O que vejo é que existe um padrão entre reclamões como voce, são usuários que querem trazer o Windows para dentro do Linux e não importa quanto tempo que são usuário de linux ainda continuam a querer ter o Windows e suas "Comodidades" dentro do Linux, nessa busca voces encontram o Ubuntu, que a primeira vista parece ser a terra prometida dos usuários desse tipo, mas logo eles não encontram o Windows dentro do Linux e saem reclamando de tudo e de todos e ainda por cima falam assim "LINUX e Software Livre são uma bagunça".

[15] Comentário enviado por cruzeirense em 05/11/2010 - 13:40h

Prezado jhonatam,


Acho que vamos virar grandes amigos!
Concordo que as falhas de segurança são corrigidas mais rápidamente. Isso que você disse foi excelente! Sabe porque? Porque pelo menos agora concordamos que o software livre tem falhas de segurança sim, da mesma forma que o proprietário. A algum tempo atrás se alguém falasse que o firefox tinha falha de segurança era apedrejado! Dá pra ver que os conceitos estão mudando.

Outra coisa em relação a segurança, observe que, na quase totalidade dos casos, quando alguém consegue, por exemplo, roubar dinheiro da conta de alguém através do computador, esse alguém não invadiu o servidor, ele simplesmente mandou um e-mail falso para o usuário de forma que recebeu a devida senha de acesso. (Pra ser sincero eu nunca ouví falar que alguém invadiu o sistema de um banco e roubou dinheiro)

O meu sonho é que o linux um dia seja comum nos desktops, principalmente de empresas. Os pontos positivos do linux são inquestionáveis, inclusive em termos de facilidade de manutenção. Mas observe, o linux está aí a mais de 10 anos e ela ainda não pegou nos desktops. Pense no motivo? Será que o linux é uma bosta e o windows é o perfeito? Ou será que a forma que ele está sendo implantado está errada? Voltando ao assunto da padronização, lembre-se que em qualquer empresa, mesmo as pequenas, padronização é de suma importância. Imagine a situação, o computador do gerente de vendas da um problema, por exemplo, queima o processador na hora em que ele precisava enviar um e-mail muito importante. O que fazer? Normalmente seria utilizar o computador mais próximo para enviar esse e-mail e posteriormente colocar um novo computador para subistituir (ou consertar o que está estragado). Mas o problema é que ele não vai conseguir mandar o bendito email porque no linux que tinha no computador dele o ambiente gráfico era o kde e no outro computador é o gnome. Até ele se acostumar com o novo sistema... ixi... Lembrando que um gerente de vendas não tem a mínima obrigação de ser fera em computador, ele tem que ser bom em vendas...

Existem diversas empresas em que o sistema operacional é o windows e o pacote office é o BrOffice. O que há de incoerente nisso?

Vamos combinar o seguinte, vamos colocar aqui as vantagens do software livre, começando pela que eu acho mais importante:

1-O software livre normalmente é gratis, e mesmo quando pago o preço normalmente é menor.
2-As falhas de segurança, apesar de existirem, normalmente são corrigidas muito rapidamente (essa aí agente acabou de concordar).
3-Existem diversas opções de softwares livres para os mais diferentes campos de atuação. (Essa nós vamos cortar, acho que concordamos que não é uma vantagem em relação ao proprietário porque ele tem mais opções)
4-Personalização - Você tem a capacidade de configurar os sistema ao seu gosto. Existem diversas interfaces gráficas que podem ser utilizadas. (Essa eu vou cortar e vou escrever porque, caso discorde coloque aí seus argumentos - A fragmentação é um dos maiores problemas no linux NA MINHA OPINIÃO. Existem programas que rodam apenas em uma determinada distro e não em outras. Usuários iniciantes que são acostumados com determinada interface gráfica quando utilizam outra acabam se perdendo. Tente utilizar essa visão de um ponto de vista empresarial. O cara acostumado com o ubuntu em casa, chega na empresa tem lá um fedora...)

Para finalizar eu não sou reclamão. Pra mim computador é uma ferramenta de trabalho onde ganho o meu dinheiro, não fico me entusiasmando com uma coisa a ponto de ficar cego e não ver os lados negativos. Sempre utilizo o ubuntu quando vou instalar linux em alguma empresa porque dos linux que eu conheço é o que sempre me atendeu. Fica bem fácil dar manutenção em uma única distro que você conhece, porque você já sabe de cor e salteado onde estão as opçoes de configurações, onde o sistema monta as mídias, etc...

Só mais uma coisinha. No time de futebol sua única opção é torcer. No software livre você pode participar. Quando uma coisa não está bem você pode mudar. Não sabe como mudar? Fale com quem sabe (reclame!!!).

Abraço,

Renato

[16] Comentário enviado por elinhotec em 13/09/2011 - 10:53h

Além de me identificar com toda a filosofia do software livre, ainda me surpreendo com a forma com que as pessoas expõem os fatos, gostei muito!, parabéns pelo artigo!!!!.

[17] Comentário enviado por jhonatam em 13/09/2011 - 14:29h

Obrigado amigo, tenho sido faltoso em escrever mais artigos, é que meu novo projeto tem me consumido algum tempo, juntamente com a faculdade e tudo mais, mas quero voltar a escrever o mais rapido possivel.,
enquanto isso vai acessando o meu blog http://pessoasprimeiro.wordpress.com


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts