Slackware, incentivando o uso no Brasil

25. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

Ruan
ru4n

(usa Debian)

Enviado em 08/11/2015 - 11:56h

Querido escreveu:

clodoaldops escreveu:

Se eu fosse profissional TI eu usaria slack e debian.
Mas como sou um mero clicador fico com linux mais amigáveis


Meu Amigo,

Eu, NUNCA, estudei uma (,) de nada na área de programação ou TI! Só larguei as 'Distros de Entrada' e vim pro Slack por brincadeira. Topei uma aposta. O carinha me desafiou e disse:
- Acho que você é inteligente e curioso, deve gostar dela. Mas tome cuidado, O Slack é viciante e o Dono Distro rogou uma praga e uma vez que você a instale viciará! Batata, ó eu aqui, fazendo campanha pra ela.

Caro, clodoaldops, acho que no dia que se dedicar a estudá-la , um pouquinho que seja verá o porque de eu ter me apaixonado tão profundamente.
Abração


Recomendei o Slackware para um colega de trabalho, estudante de SI, programador. Ele usa o Ubuntu no seu note, e tentou o Slackware. Ele se bateu muito, me pediu ajuda pra instalar e configurar, porém no fim ele deixou de lado e continuou com o Ubuntu, rsrs
Estou chegando a conclusão que sou parte de uns 2% (fonte: chutômetro \o) formado na área de TI que usa somente Slackware. rs

Distro não define o seu tipo de formação. Tem advogados, professores de humanas, filósofos (@dino esta ai de prova) e outros profissionais não relacionados a TI que usam Debian, Slackware, e até Gentoo, além das pessoas que não tem formação específica (profissionais autônomos, etc).


  


26. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

Oberaldo Büll Júnior
spylinux

(usa Manjaro Linux)

Enviado em 08/11/2015 - 12:43h

Maclem escreveu:


.
Meu hardware não se adapta bem a ela
.


Como assim?
Tenta um slack só com os pacotes A e X instalados e com TWM; não existe hardware que não roda


Fala Maclem, blz?

Então, sei q o hardware deve rodar sim o slackware, a questão, no meu caso, foi q passei horas tentando resolver os problemas e não consegui, e na época q tentei postei no face pedindo ajuda e tb em um canal de slack, e não tive ajuda (na época não acessava mto o VOL e não lembrei de postar aqui). Tive problemas com o touchpad do note, rede wifi e tb video.
Usei o slack no meu note Asus, funcionava bem, com placa Ati e td mais, mas o note queimou, e o novo num rolou bem.

Como já estava acostumado com o arch, acabei optando por ele.
Engraçado q até o gentoo e o funtoo consegui fazer rodar aqui, mas o slack no meu HP nem no Samsung rolaram de boa.
tenho uma partição livre aqui, farei uma nova tentativa, com a dica q vc deu.

Abraço
[]'s spylinux
Comunidade Manjaro Geek -www.manjaro-geek.org


27. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

Patrick
Freud_Tux

(usa Outra)

Enviado em 09/11/2015 - 19:31h

Querido escreveu:

Então... acho que a ideia era mais ou menos essa. Transformar o Slack em 'frango do mar'.Kkk!

Boa analogia, valeu a contribuição!

Abraços,

E. Querido


Captei o que você quer dizer ;).

Então, o segredo é desmitificar que o Slackware é um bicho de 18 cabeças elevada a décima potência (18¹°).
Ou seja, além da documentação oficial, criar tutorais de instalação e configuração.
A ideia seria mostrar, que, o Slackware é tão mais fácil do que um ubuntu, mas muito mais estável e leve.

Não existe a necessidade de criar um fork para atrair novos usuário, o Slackware já tem muitos filhos rsrs.

T+







28. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

Eduardo Querido
Querido

(usa openSUSE)

Enviado em 10/11/2015 - 07:42h

Freud Tux escreveu:

Querido escreveu:

Então... acho que a ideia era mais ou menos essa. Transformar o Slack em 'frango do mar'.Kkk!

Boa analogia, valeu a contribuição!

Abraços,

E. Querido


Captei o que você quer dizer ;).

Então, o segredo é desmitificar que o Slackware é um bicho de 18 cabeças elevada a décima potência (18¹°).
Ou seja, além da documentação oficial, criar tutorais de instalação e configuração.
A ideia seria mostrar, que, o Slackware é tão mais fácil do que um ubuntu, mas muito mais estável e leve.

Não existe a necessidade de criar um fork para atrair novos usuário, o Slackware já tem muitos filhos rsrs.

T+






Isso, meu amigo.
O lance é mostrar que não precisa ser um Ubuntu, ou qualquer outro Windows-like, pra ser bacana e , ainda mais leve, rápido e estável! Demandando menos manutenção, atualizações e tal.
Se fosse pra ser bicho, acho que teria no máximo umas 4 ou 5 . Quem sabe. Kkk! Sem a tal Potência, lógico!




29. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

Patrick
Freud_Tux

(usa Outra)

Enviado em 12/11/2015 - 22:22h

Querido escreveu:

Freud Tux escreveu:

Querido escreveu:

Então... acho que a ideia era mais ou menos essa. Transformar o Slack em 'frango do mar'.Kkk!

Boa analogia, valeu a contribuição!

Abraços,

E. Querido


Captei o que você quer dizer ;).

Então, o segredo é desmitificar que o Slackware é um bicho de 18 cabeças elevada a décima potência (18¹°).
Ou seja, além da documentação oficial, criar tutorais de instalação e configuração.
A ideia seria mostrar, que, o Slackware é tão mais fácil do que um ubuntu, mas muito mais estável e leve.

Não existe a necessidade de criar um fork para atrair novos usuário, o Slackware já tem muitos filhos rsrs.

T+






Isso, meu amigo.
O lance é mostrar que não precisa ser um Ubuntu, ou qualquer outro Windows-like, pra ser bacana e , ainda mais leve, rápido e estável! Demandando menos manutenção, atualizações e tal.
Se fosse pra ser bicho, acho que teria no máximo umas 4 ou 5 . Quem sabe. Kkk! Sem a tal Potência, lógico!



O segredo do sucesso nesse caso, está na própria comunidade.
Não é todo mundo que gosta de ficar 24hs por dia, 7 dias por semana em fóruns tirando dúvidas que poderiam ser sanadas com uma simples busca no manual da distro, ou, com o uso de sistemas de busca, como duckduckgo.
O pessoal do ubuntu e outras distros tem muita paciência com esse tipo de pessoas.

Já a comunidade Slackware gosta de dar a vara e a isca e o interessado que tem que correr atrás, ou seja, eles mostram o caminho, mas não te pegam pela mão para te guiarem.
E muitos novatos não gostam disso, querem tudo mastigado.
Um exemplo é o número crescente de tópicos sobre o uso do Kali como desktop. O cidadão não lê a documentação e quer sair por ai, varrendo um monte de ips pela rede, e ao mesmo tempo, usar o facebook e afins, isso, com um monte de serviços habilitados que ele nem ao certo sabe pra que servem.
O Slackware busca conteúdos em seus usuários, não números.
O cidadão tem que ter vontade de aprender, não de ganhar tudo de mão beijada ;)

T+





30. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

edps
edps

(usa Slackware)

Enviado em 13/11/2015 - 22:28h


Para a meninada ansiosa por ter o Slackware mais facim, parece que suas preces serão atendidas:

http://alien.slackbook.org/blog/why-the-relative-silence/

...do 4º parágrafo em diante.


31. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

Steve
Steve

(usa Slackware)

Enviado em 13/11/2015 - 23:30h

Querido escreveu:
Já que estamos trabalhando por divulgação...
http://www.slackzine.com.br/index.php


Gostei do conteúdo desse Site. Muito útil!




32. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

edps
edps

(usa Slackware)

Enviado em 20/11/2015 - 23:11h

edps escreveu:

Para a meninada ansiosa por ter o Slackware mais facim, parece que suas preces serão atendidas:

http://alien.slackbook.org/blog/why-the-relative-silence/

...do 4º parágrafo em diante.


Agora é pra valer:

http://alien.slackbook.org/blog/slackware-live-edition/




33. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

Ruan
ru4n

(usa Debian)

Enviado em 21/11/2015 - 00:00h

edps escreveu:

edps escreveu:

Para a meninada ansiosa por ter o Slackware mais facim, parece que suas preces serão atendidas:

http://alien.slackbook.org/blog/why-the-relative-silence/

...do 4º parágrafo em diante.


Agora é pra valer:

http://alien.slackbook.org/blog/slackware-live-edition/



Primeira vez que vejo um Slackware Live semi oficial (é do tio Bob né)! rs

Tô baixando pra testar na VM! :-)




34. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

Patrick
Freud_Tux

(usa Outra)

Enviado em 21/11/2015 - 11:05h

Eu estava pensando aqui com meus "botões" rsrsrsr, e me surgiu uma ideia.

Não sei aqui tem alguém que prática algum esporte. Eu particularmente, curto MTB, mas a linha mais "xtreme" do negócio, ou seja, umas 5 modalidades do negócio.

A alguns anos, a Red Bull começou a patrocinar vários pilotos de MTB xtreme, e tudo que é modalidade de esportes, os caras patrocinam até uma equipe de empinadores de pipa. Todos os patrocinados, usam roupas com a marca, tem seus equipamentos com o logo da marca, cores, e essas coisas.
Os caras colocam os vídeos deles em vários serviços como: Vimeo, youtube e outros... E recebem milhares de visualizações, e a marca fica cada vez mais fortalecida, pois muitas pessoas gostam de ver o que é feito no vídeo e procuram equipamentos para começar a praticar essas modalidades, utilizar os produtos da Red Bull, e essa coisa toda.

Bem, ai cheguei ao ponto que quero explicar.
Por que não fazer algo semelhante com o Slackware (aproveitando o gancho Funtoo, Gentoo, Familia BSD, Gimp, Krita... - Minha lista negra: Tudo que usa systemd e pulseaudio) ?
Digo, transformar o Slackware, Gentoo, Funtoo & os outros citados acima, em uma "marca", uma identidade, algo mais forte que a marca Ubuntu!

Bem , eu pretendo criar algumas artes relacionadas (adesivos) para, colocar na minha magrela, pois a mesma vai passar em breve por uma pintura nova, e quero mudar um pouco o visual dela. Só estou vendo se acho algumas peças que vou ter que importar pra poder fazer isso.

E então, o que acham da ideia?

T+



35. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

Eduardo Querido
Querido

(usa openSUSE)

Enviado em 21/11/2015 - 11:57h

Freud Tux escreveu:

Eu estava pensando aqui com meus "botões" rsrsrsr, e me surgiu uma ideia.

Não sei aqui tem alguém que prática algum esporte. Eu particularmente, curto MTB, mas a linha mais "xtreme" do negócio, ou seja, umas 5 modalidades do negócio.

A alguns anos, a Red Bull começou a patrocinar vários pilotos de MTB xtreme, e tudo que é modalidade de esportes, os caras patrocinam até uma equipe de empinadores de pipa. Todos os patrocinados, usam roupas com a marca, tem seus equipamentos com o logo da marca, cores, e essas coisas.
Os caras colocam os vídeos deles em vários serviços como: Vimeo, youtube e outros... E recebem milhares de visualizações, e a marca fica cada vez mais fortalecida, pois muitas pessoas gostam de ver o que é feito no vídeo e procuram equipamentos para começar a praticar essas modalidades, utilizar os produtos da Red Bull, e essa coisa toda.

Bem, ai cheguei ao ponto que quero explicar.
Por que não fazer algo semelhante com o Slackware (aproveitando o gancho Funtoo, Gentoo, Familia BSD, Gimp, Krita... - Minha lista negra: Tudo que usa systemd e pulseaudio) ?
Digo, transformar o Slackware, Gentoo, Funtoo & os outros citados acima, em uma "marca", uma identidade, algo mais forte que a marca Ubuntu!

Bem , eu pretendo criar algumas artes relacionadas (adesivos) para, colocar na minha magrela, pois a mesma vai passar em breve por uma pintura nova, e quero mudar um pouco o visual dela. Só estou vendo se acho algumas peças que vou ter que importar pra poder fazer isso.

E então, o que acham da ideia?

T+




Eu, pessoalmente, quero encomendar uma camiseta e uma Polo com a Logo do Slack.(Pedi de Natal à minha esposa) A ideia de um Camelo com a logo é ótima!
Acho que assim, ao ver em nosso quotidiano o pessoal, na rua, vai ter curiosidade e interesse também!

Boa ideia Freud Tux!


36. Re: Slackware, incentivando o uso no Brasil

Luís Fernando C. Cavalheiro
lcavalheiro

(usa Slackware)

Enviado em 21/11/2015 - 12:45h

Curiosamente, sempre que se fala de Slackware a sério aqui no VOL as pessoas se lembram de mim. Deve ser porque eu uso a distro há meros dezenove anos... Enfim, vou contar uma historinha pros mais novos, e já de antemão eu peço desculpas se eu encher a paciência dos demais...

Em 1996 existiam algumas distribuições por aí, mas o Slackware era reputada como a mais fácil de todas. Curioso, não? Sabem qual era a facilidade que ela oferecia? Não ter gerenciador de dependências. Em uma época em que internet era algo caro e de difícil acesso (não só por aqui mas em muitos países também), ter um sistema operacional que precisava de conexão com a internet para baixar 1E+20 pacotes para instalar um simples navegador não era viável. Com o Slackware as pessoas baixavam apenas o código-fonte das dependências que realmente pretendessem usar, e compilavam tudo conforme sua disponibilidade. Quem era micreiro na época sabe que para compilar uma coisa simples, tipo um links com suporte a framebuffer habilitado, poderia levar a noite toda, e dificilmente você conseguiria fazer algo no computador enquanto compilasse.

Nessa época o Slackware era a distribuição mais usada. Estima-se que em 1998 cerca de 60% das máquinas GNU/Linux rodavam Slackware - um feito considerado meritoso até mesmo por rms, famoso por criticar o Slackware em alguns pontos. Nessa época escreveu-se muita documentação, ainda que boa parte tenha se perdido em virtude da queda da relevância dos antigos BBS. Mas muito material sobreviveu, e aí é que está a grande graça da distribuição: boa parte dessa documentação ainda é válida.

Outro ponto: a comunidade slacker diminuiu com o boom da internet. O que era uma vantagem nos anos de internet ruim se tornou algo que as massas condenavam em tempos de melhor acesso à rede. Migrou-se em massa para os ajuntados de bits como o Ubuntu e o Fedora Core (hoje apenas Fedora), que prometiam facilidade ao custo (hoje sabemos) da estabilidade. E hoje é esse o cenário.

Qual é o ponto da história? Simples. Um slacker nasce slacker. Não adianta fazer propaganda, não adianta divulgar a distro, ela não tem apelo para os mais jovens, em sua maioria padecendo de cérebros congelados por Facebook, WhatsApp e o algoritmo Redmond adotado pelo Ubuntu e pelo Fedora ($ until [ brain rot ] ; do click NEXT ; done ; click INSTALL). Ela não tem apelo para uma geração que não sabe entender o que lê. Ela não tem apelo para quem gosta de soluções prontas. Ela não tem apelo para quem gosta de videotutoriais. Ela não tem apelo para quem quer soluções prontas.

Então para quem é o Slackware? É para quem pensa de maneira autônoma, é para quem não depende de uma sociedade para lhe dizer quem ser ou o que pensar. É para quem sabe ler e não tem preguiça de pensar ou de por em prática o que entendeu. É para seres humanos autônomos e plenos, não para as sombras pelas quais esbarramos no nosso dia-a-dia, sombras travestidas de carne e osso mas ocas como a mente que as anima.

Precisamos de propaganda, precisamos de relevância? Não sei. A comunidade slacker internacional é muito ativa. Em #slackware no irc.freenode.net estamos muito presentes (por lá eu atendo como luisfcc86, meu nome público no IRC), aqui no VOL somos ativos e resolvemos dúvidas até mesmo de outras distribuições. Nossas contribuições sempre são relevantes. E nosso ego é famoso por ser maior do que o Sistema Solar, mas esse é o privilégio magno dos slackers.

Tergiverso. O VOL é um ótimo canal para as discussões sobre o Slackware, e bem que poderíamos criar um canal no Freenode para os slackers do VOL. Sei lá. Há formas de se comunicar, há formas de contribuir. Divulgar o VOL é uma delas. Contribuir com material sobre o Slackware é outra. E por aí vai.
--
Luís Fernando Carvalho Cavalheiro
Public GPG signature: 0x246A590B
Só Slackware é GNU/Linux e Patrick Volkerding é o seu Profeta






Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts