É possível substituir o Photoshop pelo Gimp?

Publicado por flavio ferreira hespanhol em 08/10/2009

[ Hits: 13.110 ]

 


É possível substituir o Photoshop pelo Gimp?



Vários especialistas em informática foram unânimes em me dizer que o melhor programa para edição de imagens é o Photoshop. Até aí tudo bem, foi quando perguntei se era possível usar o Gimp como se fosse o Photoshop, substituindo-o. A resposta foi... NÃO... NÃO É POSSÍVEL. O Photoshop tem muitas ferramentas superiores as do Gimp. Mas como sou teimoso, resolvi testar esta afirmação.

O experimento

Primeiramente procurei na Internet trabalhos artísticos feitos em Gimp e para minha surpresa haviam muitos deles, de todos os deste site foram os que mais me impressionaram:
Daí veio a dúvida, será que esses trabalhos foram realmente feitos usando o Gimp? Então resolvi testar. Fiz um desenho, fui finalizá-lo utilizando o Gimp e o resultado foi este:
Linux: É possível substituir o Photoshop pelo Gimp?
Fazer este desenho foi mais simples do que imaginei. Fiz o seguinte:

1 - Primeiro escaneei o esboço;

2 - Abri a imagem no Gimp;

3 - Usando a varinha mágica e selecionei as partes que queria colorir;

4 - Com a área do desenho selecionada, utilizei a ferramenta de preenchimento em degradé para colorir o desenho;

5 - Na opção Degradé utilizei a opção "Acompanha forma esférica" para dar uma noção de profundidade a imagem;

6 - Depois usei a ferramenta aerógrafo para dar o acabamento final ao desenho, utilizando o tamanho de pincel 0.1 e a opção Galaxi Big para dar um efeito de Spray;

7 - Para misturar tudo como se fosse em uma aquarela ou se passássemos o lápis branco por cima das cores usei a ferramenta borrar. A ferramenta borrar inclusive foi a que usei para criar a sombra do sofá;

9 - A textura de veludo do sofá consegui usando a ferramenta preenchimento degradé, preenchimento acompanhando a forma esférica e o filtro ruído degradé;

10 - A textura do chão, das paredes e das pilastras consegui usando as texturas disponíveis no próprio Gimp e mudando suas cores utilizando a opção Cores / matiz saturação e ajustando para a cor adequada.

E o resultado final vocês viram como ficou.

A próxima experiência era otimizar uma foto. Para isso usei uma foto tirada por mim com meu Celular. A câmera do meu celular não é das melhores e as fotos costumam sair escuras e embaçadas como esta:
Linux: É possível substituir o Photoshop pelo Gimp?
1 - Daí veio a dúvida de como melhorar a imagem. No Photoshop temos que retocar brilho, contraste e cores mesmo usando o ajuste automático. Fui procurar o mesmo recurso no Gimp e encontrei o seguinte: Opção cores / automático / equilíbrio de branco e o resultado foi o seguinte:
Linux: É possível substituir o Photoshop pelo Gimp?
Ou seja com uma única ferramenta deixei a imagem perfeita.

Então concluindo: é possível substituir o Photoshop pelo Gimp?

A resposta é: Sim.

Outras dicas deste autor

Como dar efeito 3D em suas fotos sem precisar de óculos especiais

Blog: Informática ao alcance de todos

Alterando ícones no Ubuntu Linux (válido para qualquer versão)

Ubuntu salva "computalixos"

Criando uma biblioteca multimídia no Ubuntu

Leitura recomendada

Área de Troca (swap)

Montando um servidor de remote desktop com NX Server

Particionamento no GNU/Linux

Instalação do modem PCTEL onboard AMR/CNR

Curso básico de Linux [vídeo-aulas]

  

Comentários
[1] Comentário enviado por juliaojunior em 08/10/2009 - 16:10h

Rapaz, desculpa a ousadia... mas esses dois exemplos não são nem de longe suficientes para provar que o Gimp substitui o Photoshop.

O primeiro exemplo é bem simples, e na verdade diversos programas podem fazer o que você indicou. O segundo exemplo é mais simples ainda, e o resultado não foi ultrasupermega-maravilhoso, a ponto de afirmar que um software 'substitui' o outro. Entre diversas opiniões, talvez os que trabalham no dia-a-dia com as ferramentas provavelmente possuem alguma credibilidade, não acha?

Claro, não defendo o Photoshop em troca do Gimp. Para todos os trabalhos que o Gimp for o suficiente, 100% Gimp na cabeça. Mas daí a virar fanático e fechar os olhos, o passo é grande demais.

[2] Comentário enviado por viniciustc em 08/10/2009 - 16:23h

Já vi comparativos entre o Photoshop e o Gimp, o Gimp se saiu bem, mas não batia o Photoshop em questões de recurso e de desempenho na execução das funções. Para trabalhos simples creio que o Gimp é viavel, mas não sei se para trabalhos mais profissionais ele se adeque. Teria que ver com um profissional que use as duas ferramentas para ter uma opinião melhor.

[3] Comentário enviado por fhespanhol em 08/10/2009 - 16:38h

Ué juliaojunior, mas normalmente utilizamos os programas para coisas assim. Simples! E que não requerem o uso de um programa que custa entre R$1.700,00 a R$2.000,00. A questão aquí foi justamente mostrar isso, que é possível usar o Gimp para edição de imagens em casa ou mesmo para trabalhos de Design. É claro que se trabalhamos em um Estúdio de design gráfico ou em um Atelie precisaremos de ferramentas mais robustas. Mas isso é uma coisa totalmente diferente de usar o computador no dia a dia para tarefas simples ou domésticas que é o que a maioria das pessoas fazem. A coleção clique e descomplique que acompanha o Jornal Extra aos domingos ensina a editar fotos digitais usando o...Photoshop?... Não acha um exagero? E pior um incentivo a pirataria? Pois quem lê o fascículo vai querer praticar o que aprendeu e não vai pagar o valor do Software simplesmente vai comprar no camelô por R$10,00 ou baixar da Internet e sair usando. Ao passo que poderia fazer a mesma coisa usando o Gimp que é gratuito, mas não o faz porquê ninguém mostra que é possível fazê-lo.

[4] Comentário enviado por ricardok2 em 08/10/2009 - 16:58h

A adequação a novos softwares esbarra em um problema maior que a questão de equivalência entre os produtos: o Hábito.
As pessoas se acostumam, se acomodam.
O usuário doméstico, não muda porque usa pirata mesmo, não vai pagar de qualquer jeito.
O profissional prefere não arriscar, e a empresa paga a licença mesmo.
E o jornal que publica um tutorial de Photoshop, publica por que é o que vende ...

[5] Comentário enviado por removido em 08/10/2009 - 17:01h

Existem alguns aspectos a analisar:

1) Tipo do trabalho (se digital ou se impresso).
2) Se for impresso se a outra ponta, o birô de impressão consegue compatibilidade (formato de arquivo).
3) Capacidade formativa, ou seja a experiência de uso e familiaridade com os recursos.
4) Disponibilidade de recursos para investimento em software e hardware.

Digo isso porque eu tenho uma MacBook e sofro bastante por não ter recursos para ter o Adobe Fireworks para trabalhar pois usei por muitos anos e então no meu caso o item 3) e 4) pesam bastante, eu tenho conhecimento prévio avançado em uma ferramenta, usar outra significa começar do zero, por mais similares que sejam as interfaces. E é isso que tenho feito, comprei alguns software para Mac que vão me ajudando junto com soluções opensource.

Então é muito complicado análises dessa perspectiva.

[6] Comentário enviado por paulopatto em 08/10/2009 - 17:08h

Bem até onde eu lembro o Gimp não tem paleta de ajustes CMKY que é usado na hora de imprimir trabalhos ( PS 1 x 0 Gimp)

[7] Comentário enviado por andre.vmatos em 08/10/2009 - 17:11h

Bem, esse é um artigo bem complicado. Realmente, não se pode comparar dois softwares do nível do Gimp e do Photoshop apenas com exemplos simples desses. Entretanto, creio que a frase mais acertada é: "O melhor software é aquele em que melhor se sabe trabalhar", em especial nesse caso. O Gimp é maravilhoso. Não sou um expert em design gráfico, só trabalhei dois anos com isso, mas realmente, ao meu ver o Gimp tem todas as ferramentas necessárias para um trabalho excelente. Ainda, como um ponto positivo pra ele, para os mais avançados, é que nele, os efeitos são mais personalizaveis, tendo menos coisas pré-definidas que no PS (sem menospresa-lo, prova de que é um software ótimo é sua popularidade). Então, creio que é isso. Um profissional de alta classe que saiba usar bem o Gimp fará trabalhos tão bem feitos quanto um profissional de mesmo nível em photoshop. Ou seja, o profissional que faz a diferença, não a ferramenta, sendo que esta, nos dois casos, provê tudo que o profissional necessitará para por em prática toda sua maestria.

[8] Comentário enviado por Teixeira em 09/10/2009 - 04:34h

Photoshop é um programa tradicional e tido como excelente por seus usuários.
Gimp é uma novidade para a maioria, mas se não é igual, chega bem perto.

No entanto, gostaria de comentar que é possível obter certos efeitos TÍPICOS do Photoshop (com mais trabalho, é claro) apenas com um programa bem simples como o MS Paint ou o Rendera.
Um exemplo disso é a remoção de olhos vermelhos, ou de acnes, cicatrizes, etc.
Dirão alguns que a paleta de cores do Paint é muito reduzida. Mas ele tem a ferramenta contagotas que permite buscar a cor original.

Eu ainda uso MS Paint e o fiel XnView para retocar fotos. O resultado fica MUITO bom, embora com o Photoshop seria um programa só.
Como eu não trabalho com isso, para mim é satisfatório.
Retoques no Paint (sempre em formato GIF), ajuste de cores, contraste, gama, dimensões, etc. no XnView. Foi! (e pode salvar em GIF, JPG, PNG, BMP, etc. )
Com o XnView tenho conseguido salvar fotografias praticamente impossíveis (muito escuras, sem definição, à contraluz, desfocadas, etc.)

[9] Comentário enviado por Lisandro em 09/10/2009 - 07:54h

Me desculpe mas estes testes são com ferramentas muito simples, tenho certeza que o Gimp é um excelente programa, eu só uso ele, mas sou amador e também só utilizo recursos simples.
Acho que o Gimp tem muito mais flexibilidade que o Photoshop e que é possível substituir em praticamte tudo, o problema é que precisa de conhecimento específico para criação de filtros e de scripts, e os profissionais de foto não estão interessados neste esforço.
Agora neste teu teste a conclusão seria melhor assim: "Para as minhas necessidades SIM é possível o Gimp substituir o Photoshop".
Abraço e divirta-se com o Gimp

[10] Comentário enviado por fhespanhol em 09/10/2009 - 09:29h

"Os exemplos são muito simples"!! E´claro que os exemplos são simples. Afinal é sobre usar o Gimp no dia a dia por pessoas comuns que o artigo trata. No site que sugeri no artigo tem exemplos de utilizações mais pesadas como edição de fotos e montagens é só ir lá econferir.

[11] Comentário enviado por wagnerluis1982 em 09/10/2009 - 14:20h

Eu acho o GIMP muito bom, mas ele falta ferramentas principalmente para criação. Por exemplo, não tem uma ferramenta para criar um quadrado, é preciso usar a ferramenta de selecionar um pedaço da figura, depois usar o balde de tinta para pintar o quadrado, e se for diminuir ou aumentar o quadrado?

Outra coisa é a produtividade, falta as camadas poderem ser separadas em pastas (parece que a próxima versão 2.8 vai ter) e principalmente alguma funcionalidade como o "Live Effect", em que o efeito pode ser habilitado ou desabilitado. A caixa de ferramentas podia ser um pouquinho mais organizada também, mas com isso eu posso conviver.

[12] Comentário enviado por ulisses_c em 12/10/2009 - 22:19h

Bom gente acredito que a intenção do flavio foi boa mas a execução não tão boa quanto o ideal realmente como ja foi falado é separar as categorias entre os usuarios dos dois programas pois o Gimp para mim é ideal (e olha que eu ja recortei imagem humana no paint pixel a pixel rsrs) eu sou um usuario amador gosto de testar varios softwares so para ver onde eu chego e o Gimp me serve muito bem portanto o ideal para mim é aprender o Gimp e esquecer o PS o que provavelmente pode não ser o Ideal de outras pessoas. acredito que um profissional usando o Gimp possa fazer trabalhos muito bons e eu usando o PS talvez nao consiga nem desenhar um quadrado.

aki vai um link http://www.youtube.com/watch?v=vv95HptPgzc logo depois de comçar a usar o Gimp achei que ficou muito bom mas como o que foi apresentado aki é apenas um trabalho simples não é algo a ponto de comparar com um profissional de PS

[13] Comentário enviado por bom jesus em 29/10/2009 - 08:25h

O GIMP PODE SIM SUBSTITUIR OPHOTOSHOPY,POIS NELE CONTÉM MAIS FERRAMENTAS DO QUE OPHOTOSHOPY .......
É CLARO Q N DÁ P/ SUBSTITUIR UM SOFTWARE..............MAS, PODEMOS UTILIZARMOS O Q MELHOR ACHARMOS................

[14] Comentário enviado por brunaminelli em 06/11/2009 - 23:07h

O crescimento do software livre ajudou com que a Microsoft invista mais em segurança e em seu principal ponto forte, a facilidade de uso. Acredito que há espaço para ambos os produtos no mercado e quem tem a ganhar somos nós, os usuários.
Se você navega na internet, baixa e escuta músicas e assiste filmes no computador, o Linux resolve 100% da suas necessidades, além de ficar praticamente livre de virus.
Para quem trabalha com programação ou produção gráfica, melhor opção é o Windows. Infelizmente, não existem muitas opções de programas livres que possam substituir os programas comerciais. A gigante Adobe, por exemplo, não demonstra interesse em lançar versões nativas para Linux de programas consagrados como o Flash, Indesign, Dreamweaver, flex, etc.
Dois exemplos: querer comparar profissionalmente o pré histórico Scribus com o Indesign ou ainda o Gimp com o consagrado photoshop, é até covardia...

[15] Comentário enviado por fhespanhol em 09/11/2009 - 11:38h

Cara brunaminelli concordo com você sobre o fato de que se tratando de um profissional da área de Design é óbvio que ele usará o que há de melhor para desenvolver seus trabalhos. Seja em Windows, MAC ou Linux. Vai depender da condição financeira de sua empresa. Porém meu objetivo aquí é demonstrar que o usuário comum não precisa comprar software pirata ou baixar da Internet um programa capenga (pois normalmente é assim que vem da internet)e que ainda por cima pode danificar seu computador, já que pode contar com uma ferramenta gratuita de qualidade para editar seus trabalhos artísticos e fotos, quanto ao Windows leia o artigo que escreví no seguinte link:

http://www.vivaolinux.com.br/dica/Ubindows-Seven-ou-Winbuntu-9.10

Se é para cobrar o preço que a Microsoft está cobrando pelo Windows Seven deveria se preocupar em colocar no mercado algo de melhor qualidade. Está certo que comparado ao Windows Vista ele é 10 vezes melhor e realmente apresenta algumas facilidades, mas nada que já não tenhamos visto no Linux e o pior de tudo só podemos instalar o DVD em um único computador, para usá-lo em mais de uma máquina devemos comprar uma licensa de uso para as máquinas restantes. Devemos como usuários de Linux desmistificar o uso do sistema e seus programas para que o usuário comum saia desse ciclo vicioso de pirataria de software e para que a comunidade do software livre adiquirindo novos adeptos consiga despertar o interesse de grandes empresas do mercado de software e para que os programas open source melhorem cada vez mais.

[16] Comentário enviado por removido em 14/11/2009 - 00:33h

Senhor dos Aneis diz algo? Se nao esquece que eu postei... ;-)

[17] Comentário enviado por instantware em 16/11/2009 - 23:00h

Acho que o que conta muito é a tal da necessidade, custo x benefício e o hábito comum. Como eu não uso softwares de edição de imagem de maneira profissional o GIMP me atende perfeitamente. Sei que ele não é o software mais organizado que existe, o mais bonitinho ou com o melhor desempenho. Usei outros programas shareware, free, crackeado, pirateado, roubado como a maioria dos usuários de sistemas proprietários fazem.

Mas considerando os recursos que tinham no Paint Shop Pro, considerando que eu acho que é um absurdo rodar um programa que exiga 2 GB de RAM pra retocar um olho vermelho, eu sempre usei programas mais leves. Não preciso trocar de computador para usar um Photoshop, assim como a gente não precisa de um canhão para matar uma formiga. Devemos usar aquilo que nos atende.

Eu usava um Pentium 2 para editar imagens com o Paint Shop Pro, fazia com perfeição e agilidade a tarefa. Photoshop CS2 mal roda no meu Powerbook G4 de 1.67 Ghz com 1.5 GB de RAM. Pra que eu vou usar um software desses? Se não sou profissional.

Então o GIMP e seus "forks" como o SeaShore pra Mac OS X são boas alternativas para desempenhar tarefas de maneira satisfatória considerando que o custo é zero e a qualidade do programa é boa sim. Pode não ser o melhor mas sendo que eu fui "criado" com o Paint. Então acho que não usar um software só porque ele não é igual ao que está acostumado e dizer que por isso ele é ruim é falta de vontade de aprender e de superar seus entraves.

Raramente mexia com CorelDraw, precisei fazer alguma coisa do tipo, usei Inkscape e fui feliz, apesar do programa não ser tão bom quanto o CorelDraw, acredito que a minha tarefa foi feita com sucesso.

[18] Comentário enviado por roney33 em 06/03/2011 - 00:48h

a tendência de qualquer empresa, é com o tempo cortar custos; seja com empregados, ferramentas, ou transporte; o ano que vem o gimp, chegará com novas ferramentas, e se entre elas tiver o recurso de cmyk, tela cheia, e uma boa variação de recursos; a adobe vai precisar ser muito criativa para a ferramenta dela, continuar valendo o mesmo, e ai ela passará a utilizar melhor o resto de sua suíte de aplicativos, para não ser passada pra trás; quando ao gimp, não é apenas ele que é de codigo aberto, mas tbm a grande maioria dos plugins, brushes, paletas, e outros recursos; para usar a pentool, para lineart, o gimp acabou sendo mais facil que o photoshop; o gmic, recupera imagens mto melhor que alguns plugins pagos do concorrente, a diagramação de quadrinhos, eu faço sussegado nele; o que falta mesmo é a divulgação e a boa vontade das pessoas aprenderem ele; afinal por aí temos cursos pagos de photoshop, e os profissionais mais bem pagos, infelismente tbm são o do photoshop



Contribuir com comentário