Criando e utilizando uma "biblioteca de funções"

Publicado por Leandro Santiago em 27/12/2006

[ Hits: 12.520 ]

Blog: http://leandrosan.wordpress.com

 


Criando e utilizando uma "biblioteca de funções"



Muitas vezes precisamos usar alguma função em vários scripts ou temos uma função que sempre usamos, mas que sempre temos que copiar para um novo script. Isso às vezes é chato.

Como resolver esse problema? Criar um arquivo já com as funções declaradas, é claro.

Para isso, faça um script, como qualquer outro, mas que só tenha as declarações das funções, sem nada no corpo do programa principal.

Agora um exemplo de um arquivo que servirá como biblioteca:

#!/bin/bash

## Função que recebe dois parâmetros e devolve a soma dos mesmos
function Soma()
{
        echo $1+$2 | bc
}

## Função que recebe dois parâmetros e devolve a diferença entre eles
function Sub()
{
        echo $1-$2 | bc
}

Salvo este arquivo, por exemplo, como /usr/lib/bibroteca e dou permissão de execução à ele. Se eu executar ele, não haverá saída nenhuma, pois não há nada para ser executado, certo?

Bem, agora vamos à segunda parte:

Escrevo agora o script que irá usar as funções que eu escrevi no primeiro script...

#!/bin/bash

## Aqui eu digo que as funções definidas
## em /usr/lib/bibroteca estarão disponíveis para uso neste script

. /usr/lib/bibroteca ## há um espaço entre o ponto (.) e a barra (/)

## Agora usando as funções:
    
     Soma 1 2 ## Função sem retorno

     Subtracao=` Sub 3 1 ` # Neste caso Subtracao recebe o valor de 3-1

     echo $Subtracao

Agora é só (compilar ... oops!, quer dizer) dar permissão para execução no arquivo e executá-lo. E a saída será:

3
2

Esse recurso também é útil no modo interativo do Shell (linha de comando). Basta executar:

$ . /usr/lib/bibroteca

Se você adicionar a linha acima no seu .bashrc, suas funções estarão disponíveis para uso já no login.

E usando as funções:

$ Soma 1 2
3

$ Sub 5 2
3

Lembrando que você pode criar quantas bibliotecas quiser, desde que as declare no script. Pode também usar uma biblioteca dentro de outra biblioteca.

Esse recurso mostra mais uma vez que o Shell Script está a altura de muitas linguagens de programação no mercado, embora esteja num escopo diferente.

Para os amantes do shell script, este é um recurso imprescindível. E ajuda muito os iniciantes nesta arte, como eu.

Muito obrigado e até a próxima contribuição...

Outras dicas deste autor

Obtendo CDs do Ubuntu no Brasil

Ouça o que diz a Vaca

Instalando o Vmware-player no Slackware

Instalando programas no Linux sem ter poderes de root

Editando documentos em formato PDF com o Koffice

Leitura recomendada

Ativando o NUMLOCK na tty1 quando ligar o PC automaticamente

XFCE4 + Gedit + Firefox no Ubuntu Server

Exercício Prático LPIC 06

Pacman colorido no Arch Linux

Alterar a cor que os arquivos são listados no terminal

  

Comentários
[1] Comentário enviado por diegotosco em 29/12/2006 - 00:42h

Caramba cara, muito legal. Estou iniciando meus estudos em Shell e dicas como essa só aumentam a minha vontade de aprender. Foi direto ao assunto e falou coisas novas.

Muito obrigado, é de dicas assim que precisamos.

[2] Comentário enviado por tenchi em 23/01/2007 - 13:50h

Ah, um resultado parecido pode ser obtido com o comando "source", lo lugar daquele ponto (.) no início da linha.

Outra observação interessante é que as variáveis setadas dentro da "biblioteca" estarão disponíveis também para os scripts que a utilizarem.
Exemplo:

#!/bin/bash
# biblioteca.sh
# Arquivo que servirá como biblioteca
pi=3.1415


Agora, o script que usará a biblioteca acima:

#!/bin/bash
source biblioteca.sh
raio=2
altura=5
echo -n "O volume do cilindro é: "
echo "$pi*($raio^2)*$altura" | bc -l

Vejam se o cálculo está mesmo certo.. rsrrsrs






Contribuir com comentário