Sistema de arquivos EXT4 no OpenSuSE 11.1

Tendo em vista que a atual versão estável do OpenSuSE (a 11.1) ainda não suporta oficialmente o EXT4 (o novo sistema de arquivos do Linux), resolvi publicar um tutorial de compilação do kernel para ativação do mesmo.

[ Hits: 22.697 ]

Por: Fábio Farias em 22/05/2009


Introdução



Lembro que este tipo de teste deve ser feito com cautela, pois apesar de estar definido como estável, não é recomendado utilizar ainda este sistema de arquivos em partições com arquivos importantes, pois se algo falhar poderá comprometer os dados. O ext4 só será oficialmente suportado na próxima versão estável do openSUSE Linux (11.2), atualmente em desenvolvimento e com previsão de lançamento em novembro de 2009. É, portanto, de inteira responsabilidade do usuário qualquer eventual problema. Recomendo um backup dos seus arquivos pessoais antes de iniciar o processo.

Compilando o kernel

Aos que decidiram entrar nessa empreitada, vamos aos passos.
  • Versão do kernel anterior a compilação: 2.6.27.21-0.1
  • Versão do kernel após a compilação: 2.6.29.3-0.1

Acesse o site kernel.org e baixe a última versão estável marcada com a letra "F" (full).

Ao terminar o download, proceda da seguinte maneira:

Abra um terminal e logue-se como root. É com ele aberto e maximizado que executaremos todas as etapas para a compilação do kernel. Para descompactar o kernel baixado, acesse o diretório onde foi feito o download e execute:

# tar -xjvf linux-2.6.29.3-0.1.tar.bz2 -C /usr/src

Em seguida acesse a pasta /usr/src/:

# cd /usr/src

Vamos refazer o link "linux" dessa pasta. Execute os comandos a seguir, um de cada vez:

# rm -rf linux
# ln -sf /usr/src/linux- 2.6.29.3-0.1 linux
# cd linux


Agora vamos configurar o novo kernel. As instruções são para uma instalação genérica do kernel. Na pasta /boot costuma haver um arquivo de configuração do kernel atual, que geralmente é nomeado como config-versão do kernel. Copie esse arquivo para a pasta de seu kernel atual com o nome de .config. Esse é um arquivo de configuração lido pelo kernel que evita que configuremos cada item. Esse tipo de tarefa, apesar de gerar um resultado eficiente, toma horas do nosso tempo. Para isso, execute o comando:

# cp -a /boot/config-2.6.27.21-0.1 /usr/src/linux/.config

Para iniciarmos a compilação do kernel executamos o comando:

# make menuconfig

Uma tela "gráfica" será aberta e você terá acesso as configurações do seu kernel. Para navegar por ela utilize a tecla TAB e as setas do teclado. Antes porém, leve em consideração as seguintes informações:
  • Para selecionar um módulo, utilize a barra de espaço;
  • No momento da seleção poderá aparecer as seguintes imagens:

    - > O módulo não está habilitado;
    * > O módulo será configurado com built-in;
    M > O módulo será configurado como módulo.

Módulo compilado como built-in significa que ele será compilado dentro do kernel, não havendo assim a necessidade de usar comandos para levantar os módulos configurados desta maneira. Porém não é uma prática muito boa, já que pode deixar a imagem do kernel pesada.

Com a tela de configuração do kernel aberta, vá em "File System" e marque a opção "The Extended 4 (ext4) filesystem". Pode marcar também as opções de suporte ao ext4 que surgem logo abaixo. Eu selecionei item ext4 como "M" e todos os sub-itens como "*".

Além do fato de estarmos compilando o kernel para podermos usar o ext4, você poderá utilizar esse mesmo roteiro para, nesse momento da compilação, ativar ou desativar outros módulos do kernel. Basta fazer as alterações desejadas. Recomendo, porém, nessa primeira compilação apenas ativar esse suporte ao ext4. Se tudo correr bem poderá se sentir mais seguro para mexer em outras configurações para futuras compilações de kernel que vier fazer.

Depois de fazer as escolhas, saia e salve as alterações efetuadas. Após sair, execute o comando:

# make rpm

Dependendo da configuração do computador isso demora de 30 minutos a mais de 1 hora.

Terminado esse processo é criado um pacote do novo kernel em /usr/src/packages/RPMS/i386/. Para instalar o novo kernel acessamos esse diretório e instalamos com o comando a seguir:

# rpm -ivh kernel-2.6.29.4.i386.rpm

Feito isso executamos o comando a seguir para criar um novo ramdisk para o nosso novo kernel:

# mkinitrd

Pronto! A configuração está finalizada e nosso novo Kernel está instalado e com o suporte ao ext4 ativado.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Configurações pós-compilação do kernel
Outros artigos deste autor

Convertendo Sistemas de Arquivos

Introdução ao Linux: Instalação do Xubuntu

Atualizando versões do openSUSE pela internet

Particionamento de disco com o openSUSE

openSUSE 11.3 (parte 2)

Leitura recomendada

Recompilando o Kernel

Kernel atualizado no Debian - Parte II

Compilando Kernel do Linux no Debian

openSUSE Linux no Windows 10 sem virtualização

kernel-ck para Arch Linux

  
Comentários
[1] Comentário enviado por yetlinux em 23/05/2009 - 17:35h

Bom saber que além do Reiser4 temos o Ext4.

[2] Comentário enviado por Fabio_Farias em 23/05/2009 - 18:26h

É verdade amigo. E este sistema de arquivos traz muitas novidades e recursos que farão a diferença nas distribuições linux daqui para frente.
Obrigado pelo comentário

[3] Comentário enviado por dtux em 24/05/2009 - 11:53h

No slackware já está disponivél o Ext4....

[4] Comentário enviado por Fabio_Farias em 24/05/2009 - 19:06h

Pois é amigo. No Ubuntu 9.04 também e o Fedora 11 a ser lançado em junho também já terá o ext4. Mas como a próxima versão do openSUSE só sairá em novembro, resolvi disponibilizar um meio dos usuários deste poder utlizar o ext4 desde agora. Obrigado pelo comentário.

[5] Comentário enviado por albfneto em 26/05/2009 - 14:47h

Ext4, está no sabayon, no gentoo etc... em muitas distros...
já Reiser4 não é tão comum...
Reiserfs é.
Olha, eu testei ext4, mas eu geralmente prefiro reiserfs, pq no meu Bairro, falta muita Luz, reiserfs dizem é mais lenta de leitura, mas é muito mais resistente e tem um sistema de Journalling muito bom.
as vezes, eu uso jfs e xfs.
tenho acesso a 4 comps, mas o meu de casa é multiplo boot.

[6] Comentário enviado por Fabio_Farias em 26/05/2009 - 20:45h

Pois é. E essa variedade de sistemas de arquivos no linux é muito interessante. Dá mais liberdade de escolha. Eu prefiro o Ext. Desde que conheci o linux uso esse sistema. Mas o bom é que para cada caso existe uma solução. Obrigado pelo comentário.

[7] Comentário enviado por MichelPires em 12/06/2009 - 11:47h

Olá amigo, na tentativa de realizar os passos desse tuto me deparei com o erro abaixo:

mm:/usr/src # rm -rf linux
mm:/usr/src # ln -sf /usr/src/linux-2.6.30 linux
mm:/usr/src # cd linux
mm:/usr/src/linux # cp -a /boot/config-2.6.27.7-9-pae /usr/src/linux/.config
mm:/usr/src/linux # make menuconfig
HOSTCC scripts/basic/fixdep
/bin/sh: gcc: command not found
make[1]: ** [scripts/basic/fixdep] Erro 127
make: ** [scripts_basic] Erro 2

Vc teria alguma informação ou orientação para resolver isso?

Obrigado

[8] Comentário enviado por Fabio_Farias em 14/06/2009 - 20:30h

Verifique se o terminal está maximizado. Esse erro aconteceu comigo também e resolvi fazendo isso. Só não me pergunte o porque disso. Abraços!

[9] Comentário enviado por fabioarnoni em 11/08/2009 - 09:04h

MichelPires: Acho que o gcc não está instalado na sua maquina, tente insalá-lo pelo yast ! Abraços !!


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor HostGator.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Viva o Android

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts