O porquê de um Linux brasileiro

Valendo-se da minha experiência, iniciante diga-se de passagem, com o Linux (comecei usando o Kurumin em 2006, passando para o Ubuntu a partir da versão 7.04, e, paralelamente, "testando" outras distros) e do que tenho visto e experimentado na comunidade de software livre, resolvi escrever este artigo, a fim de melhor refletir sobre a importância de uma distro nacional.

[ Hits: 27.735 ]

Por: Guilherme Demarchi em 24/03/2009


A arma do negócio



Uma frase que está presente em nossa sociedade é "a propaganda é a alma do negócio". Vou além, dizendo que, na verdade, é a "arma".

É aqui que temos pecado, penso, para a promoção do software livre, sobretudo do Linux. Não por falta de vontade, uma vez que há até mesmo sobrecarga de trabalho sobre membros da comunidade de software livre, mas pecamos em planejamento estratégico.

Falta planejar de forma permanente a publicidade a respeito do software livre, das distros nacionais, por exemplo. É extremamente negativo competir para angariar usuários de outras distribuições. Devemos trazer para dentro usuários de software proprietário, ao invés de fazermos uma guerra fratricida.

Uma sugestão é que as distros tenham, ao lado dos tradicionais grupos de tradução, desenvolvimento e documentação, um outro, de divulgação e propaganda. Pessoas que divulguem o Linux em sites, que assinem seus emails com algo que os identifique como usuários de tal sistema, que façam distribuição de CDs e DVDs com o Linux etc.

Empresas nacionais vêm produzindo e vendendo computadores com distribuições Linux que mais atrapalham do que ajudam: sistemas feios visualmente, bugados, mal traduzidos etc. Não seria melhor colocarem distros já estabelecidas e chamativas? Tenho a impressão que, por exemplo, as comunidades brasileiras do Fedora, Mandriva, openSuSE e Ubuntu possuem representatividade e legitimidade suficiente para convencerem tais empresas a usarem sus distribuições. Motivos de convencimento não faltam. É preciso apresentá-los.

Faz parte, também da propaganda, o suporte: usuários de sistemas proprietários estão acostumados a contatarem suporte e obterem a solução para o problema. Não recebem como resposta um "já procurou no Google?", nem termos técnicos e ininteligíveis. É necessário entender que há pessoas que simplesmente não têm sequer um minuto, pelo trabalho que fazem, pela realidade que vivem, a perderem com uma busca no Google. Não se trata, portanto, de acomodação, mas de necessidade.

Mesmo os "acomodados" em buscar informação precisam ter respondidas de imediato suas dúvidas. Eles aprenderam a mexer com o Windows, por exemplo, tendo respostas fáceis de outros usuários. E saberão, como o passar do tempo, o mesmo quanto ao Linux.

Desta forma, critico com veemência alguns membros da comunidade que, por egocentrismo e orgulho, passam a espantar recém-chegados, uma vez que não entendem a realidade destes reles mortais (nos quais me incluo) que difere da deles, semideuses da computação. Já diz o velho ditado: muito ajuda quem não atrapalha.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Apoio governamental
   3. Em tempos de Ubuntu
   4. A diversidade de distribuições
   5. Alguns casos de sucesso
   6. Uma questão de soberania, principalmente
   7. A arma do negócio
   8. Sim, nós temos Linux
Outros artigos deste autor
Nenhum artigo encontrado.
Leitura recomendada

Como anda o mundo Linux hoje

O que a lagosta cearense tem a ver com Linux?

Linux para sua empresa

Migrar de Windows XP para Ubuntu

Marketing, o mal necessário

  
Comentários
[1] Comentário enviado por Rm Informática em 24/03/2009 - 15:18h

Somente um Correção

"O governo do Estado do Paraná, através de sua empresa de tecnologia, a CELEPAR, desenvolveu uma distribuição própria, o BrDesktop".

A Celepar não desenvolveu o BrDesktop e sim o Debian Desktop Paraná -> "O Debian Desktop Paraná é uma distribuição em código aberto, adaptado às necessidades do Governo do Paraná pela Companhia de Informática do Paraná – CELEPAR.
A distribuição atual é customizada utilizando o Debian na versão estável (atualmente Etch) e interface gráfica GNOME.
Além do sistema operacional, a distribuição contém inúmeros programas, como o pacote para escritório BrOffice.org (editor de textos, planilha eletrônica e apresentações), navegador de internet Mozilla Firefox, Emulador de Terminal para acesso ao Mainframe, entre outros produtos.
O Linux é um conjunto de programas básicos e utilitários em código fonte aberto que fazem o computador funcionar. O Debian, por sua vez, é uma das versões mais aprimoradas do Linux e vem com mais de 18.733 pacotes, softwares pré-compilados e empacotados em um formato amigável, que permitem fácil instalação no computador.
A interface gráfica GNOME, que a exemplo do Debian faz parte do projeto GNU, foi projetada para oferecer aos usuários e desenvolvedores o máximo de controle sobre sua área de trabalho, aplicações e dados. O objetivo é a criação de programas de fácil utilização. A comunidade GNOME de profissionais e voluntários especialistas em usabilidade criou o primeiro, e único, Guia de Diretrizes para Interface Humana em software livre (GNOME Human Interface Guideline, ou HIG). A interface GNOME é utilizada, desenvolvida e documentada em dezenas de idiomas, num permanente esforço de tradução para o maior número possível de línguas.
O framework – ferramentas para desenvolvimento de sistemas - de acessibilidade do GNOME é o resultado de vários anos de esforços de profissionais e colaboradores de todo o mundo, um componente essencial de seu desenvolvimento e não apenas um complemento do sistema.
Ao fazer a opção pela versão Debian e pela GNOME, a distribuição Debian Desktop Paraná procurou oferecer aos usuários o resultado do desenvolvimento de inúmeras comunidades que disponibilizam seus conhecimentos para usufruto de todos quantos queiram contribuir para o aperfeiçoamento e a expansão das ferramentas que possibilitem o acesso à informação e aos modernos meios de comunicação."

Fonte: http://www.repositorios.pr.gov.br/
link para download http://www.repositorios.pr.gov.br/imagens/Desktop-Parana/2.0/desktop-parana_2.0r0_i386.iso (baseado no Debian Lenny)

Já o BrDesktop é a Antiga Debian Br-CDD -> O BrDesktop ¶

O BrDesktop é um projeto mantido por uma comunidade de usuários e desenvolvedores Debian do Brasil com o objetivo de oferecer uma Debian Pure Blend voltada para usuários brasileiros. Isso quer dizer que ele é software livre e possui todas as qualidades do Debian GNU/Linux, pois ele É Debian. A motivação de se manter uma distribuição paralela ao Debian para usuários do Brasil pode ser conferida nos tópicos a seguir.

É importante lembrar que o BrDesktop é uma continuação do Debian-BR-CDD, que foi desenvolvido a partir do Debian Sarge e atingiu sua versão 1.0 com mais de 1 milhão de downloads realizados. A proposta do BrDesktop é basicamente a mesma do Debian-BR-CDD, com o objetivo maior de simplificar ainda mais o sistema para usuários iniciantes, a começar pelo nome :)
Para maiores informações acesse: http://brdesktop.org/cdd/wiki/BrDesktop
link para download: http://brdesktop.org/images/current.iso

[2] Comentário enviado por julianjedi em 24/03/2009 - 15:40h

Porem a BrDessktop apesar de ser mto boa, ainda não é simples o bastante para o uso em desktops, tem muitas falhas a serem corrigidas, muita coisa a ser implantada, o fato de vir com o iceweasel é outra coisa que tira pontos da mesma, atém de muitos outros fatores, mas seria algo interessante para a d-VOL, inclusive para aproveitar oque ja esta pronto na BrDesktop, com isso nao começar do zero.

[3] Comentário enviado por nick em 24/03/2009 - 20:05h

Em primeiro lugar, quero dizer que nao li seu artigo.

Trabalho com Linux desde 98 e sei como são essas coisas de distro. Será apenas mais uma distribuição esquecida no meio de outros zilhoes. Vide o Kurumin, uma distro baseada em uma distro que era basada em outra (Kurumin>Knoppix>Debian). Apesar de ser uma distribuição que facilitou bastante o interesse/aprendizado de muitas pessoas para com o sistema, nunca foi uma boa distro, sempre bugada, acabou em esquecimento. Tanto que tentaram até criar uma NG, mas foi somente mais do mesmo novamente: Kurumin>Kubuntu>Debian. Ai nao dá né.
A comunidade tem acordar pra vida e aceitar as coisas como elas estao. Distros-Bases como Fedora, Slack, Debian, Gentoo e Arch sao o que realmente deve se levar em consideração e uso. IMO.

[4] Comentário enviado por julianjedi em 24/03/2009 - 22:30h

Pois eu discordo de você, pega um cd do debian ou do dedora entre outras e de para uma pessoa leiga instalar ou instale normalmene ( a instalação padrao ) e coloque um usuario final para usar, sabe o que ele vai fazer? voltar para o windows ! ou não? se nao porque ele nao voltaria?, distros como o kurumin( mesmo bugadas como vc disse) abrem as portas do mundo linux para usuarios comuns, pessoas normais ( que são a maior parte dos usuarios) uma coisa que me encomoda muito é o fato de muitos acharem que o linux é só para os geeks. e se continuarem pensando assim o mesmo nao vai para frente ( pelo menos nos desktops). é apenas minha humilde opiniao! sintam-se livres para discordar e concordar =] um abralo!

[5] Comentário enviado por removido em 25/03/2009 - 00:08h

Distros-Bases como Fedora, Slack, Debian, Gentoo e Arch sao o que realmente deve se levar em consideração e uso. IMO.
Só uma correção, Fedora não distro base e sim o Red Hat, e o Gentoo nem uma distribuição é !!!

[6] Comentário enviado por guilhermedemarch em 25/03/2009 - 01:29h

RM Informática, obrigado pela correção. Realmente me confundi com os nomes destas duas distros, embora eu as conheça e já as tenha testado.

nick, assim como você não leu o artigo, o que, no mínimo considero uma tremenda falta de educação e postura (comentar algo que não leu), não vou tecer debate com você, apenas desconsiderar o seu comentário e pedir, para uma próxima vez, uma postura mais ética, adulta e menos egocêntrica.

[7] Comentário enviado por albfneto em 25/03/2009 - 02:55h

Gostei, concordo com quase tudo....

[8] Comentário enviado por pinduvoz em 25/03/2009 - 06:00h

Sempre vai haver uma distro brasileira que se possa utilizar, pois há inúmeros brasileiros competentes no universo do SL.

O problema é que um "Linux brasileiro" é algo que nunca vai existir, até porque o Linux não tem pátria e muito menos dono.

Mesmo que "fechem" (no sentido de parar ou encerrar o desenvolvimento) o Kernel, alguém vai pegar o código e continuar. E o mesmo vale para o resto que se agrega ao Kernel e forma o GNU-Linux.

Em suma, o Linux, ou GNU-Linux, é hoje muito maior do que os seus criadores e está à disposição daqueles que têm competência para levá-lo para frente (brasileiros incluídos).

Esta é a minha modesta opinião.

[9] Comentário enviado por Bigode70 em 25/03/2009 - 10:50h

Cara gostei de seus argumentos, porém acho que nos já perdemos a janela para entrar nessa de distro. O Ubuntu é o que é hoje graças a muito dinheiro jogado lá pelo seu idealizador ( aquele milionário Sulafricano ) que viu uma oportunidade de negócio e foi em frente. Se não me engano, hoje ele já está começando a tirar o investimento que fez no Ubuntu.
Pois é ... por que nos (comunidade linux brasileira) não pegamos a vaga da Connectiva e demos continuidade a uma distro brasileira??? Faltou a mola mestre para esse projeto ir para frente ... $$$ ...
Num ponto concordo com você, em gênero, número e grau, falta mesmo é publicidade do linux. Alguma maneira de divulgar os benefícios das distribuições e divulgar o que a comunidade brasileira tem feitos por elas. Como tradução, documentação, desenvolvimento de soluções, participações em projetos de aplicativos, etc.
Será que falta incentivo do governo nessa área???

[10] Comentário enviado por fmpfmp em 25/03/2009 - 11:38h

Eu discordo de que precisamos ter uma distro nacional. É melhor que aja uma distro universal de qualidade em que todos possam contribuir do que versões localizadas. O Kurumim teve seu mérito na época em que o usuário comum acessava via modem a Internet e banda era algo escasso. Hoje em dia o Ubuntu e suas variantes já suprem muito bem este tipo de usuário.

[11] Comentário enviado por guilhermedemarch em 25/03/2009 - 19:42h

Pinduvoz, concordo com você. Quando fala de um "Linux brasileiro", falo de distro, sabendo que o projeto é maior que as fronteiras impostas por qualquer nacionalidade.

Bigode70, realmente o Ubuntu teve um grande investimento para ser o que é hoje. Mas veja uma coisa, o que eu digo quanto uma distro nacional é o fato de darmos atenção ao seu desenvolvimento, principalmente, hoje, na publicidade, ponto que, concordamos ao extremo, está um tanto defasado.

Fmpfmp, em momento algum eu disse que precisamos, em condição irrestrita, ter uma distro nacional. O fato é que elas existem e são um campo ótimo de desenvolvimento de tecnologia nacional. Desde o treinamento que têm os programadores, ao status que o país alcança na área. E o assunto de uma distro universal é algo hoje, acredito, cuja discussão não está encerrada e não é tranquila.

[12] Comentário enviado por nicolo em 26/03/2009 - 12:31h

O Mandrake surgiu de um dos frequentes rompantes do nacionalismo francês, nem tanto porque gostavam do Linux,
mas porque era uma oportunidade (imperdível do ponto de vista francês) de chutar o traseiro dos americanos.
A vantagem da "distro nacional" é a padronização. Se os diversos órgãos públicos e privados conseguissem dialogar seria possível
uma distro nacional, que orientaria soluções e compras de hardware compatível. A falta de padronização é uma ameaça ao Linux.

Os fatores de sucesso estão corretos, mas há algumas sutilezas: O Ubuntu partiu do Debian para seguir o dógma gerencial
do Linus Torvald: Precisa ter algum ponto de partida. Segundo: A opção Debian, como ponto de partida, não parece ter sido
passional:
O Debian é a maior distro independente de empresas comerciais, estruturada bem suportada e mais user-friend que
as demais opões.

Outro dógma do Ubuntu de ser uma distro desktop, poderia ser colocada de outra forma menos tecnica:
O segundo lugar não é suficientemente bom: Não há intenção de concorrer com as outras distros, mas de
desbancar o windows world-wide. Trata-se de uma meta ambiciosa de quem não ve sentido na vida sem
um desafio condígno, ou megalomano, como queiram.

Em outras palavras, quem quer ser maior não pode pensar igual.


2-Há duas vertentes possíveis nas distros que não querem ser mais uma diversão de laboratório:
Ou a meta é a excelência, algo como desafiar o BSD (Gentoo, Sabayon, etc), ou a meta é a massa de usuários (Ubuntu, Fedora,
OpenSuse, Kurumin, etc). Cito o Kurumin porque o susuário nacional não é "versado na técnica" e uma distro nacional teria que ser
didática para conquistar os desktops.


[13] Comentário enviado por removido em 26/03/2009 - 16:05h

Ótimo artigo

[14] Comentário enviado por arabar em 26/03/2009 - 20:27h

Sou um iniciante e leigo no assunto, porem tenho minha experiência de vida. O que a comunidade precisa é unir-se mais, cobrar firme das autoridades govs. e mãos no arado. Uso o UBUNTU (no momento o 7.10) estou satisfeito, aprendendo muito, conhecendo pessôas maravilhosas e não vejo
MUITA dificuldade para o ususário comum (meu caso). O que falta para muitos é paciência, temos muita literatura de apoio e na net então!!! As dificuldades que encontrei foi devido a pressa, o costume do "fácil, prontinho, mastigado", "temos" muita luta pela frente para alcançar-mos o objetivo. Avante e Avante. votos de muita paz. arabar

[15] Comentário enviado por tsr em 27/03/2009 - 22:19h

Charles Darwin...

Parabéns Guilherme pelo belo artigo apresentado.
Esse debate me faz lembrar das aulas de biologia...
explico-me:
Em uma delas estudamos a Teoria de Darwin e a sobrevivência das espécies. E agora a sobrevivência das distribuições nacionais.
Não posso deixar de ressaltar a similaridade dos dois assuntos (ao meu ver). Numa época tínhamos o Conectiva, DebianBR-CDD (e ainda tenho os CDs dos dois até hoje!) e Kurumin, e de repente... tudo muda! E para sobrevivermos, eis que a "natureza" (desenvolvedores e usuários) encontra alternativas.
Atualmente uso umas dessas alternativas criada pela comunidade brasileira: o BigLinux. Derivada do Ubuntu e direcionada para o público verde/amarelo. Também sou iniciante e acredito que somente pelo trabalho "formiguinha" conseguiremos mudar esse panorama.
Abraço a todos!

[16] Comentário enviado por albfneto em 30/06/2009 - 03:07h

olha, de uma certa forma, existem muitas distros, mas nós podemos considerar que temos distros brasileiras de sucesso, o DreamLinux é usado internacionalmente, e o Big cresce no Brasil. são boas distros.

[17] Comentário enviado por SuporteTecnicoID em 09/04/2010 - 19:30h

Pois é......o mais difícil de tudo é sentar e gastar varias HBs em prol de dar algo gratuito ao próximo para que ele expanda sua visão e não fique mais preso a uma mera "janela" , e mesmo assim só receber broncas,,,hehe, coisa de nós brasileiros mesmo, nunca damos valor ao que outros brasileiros fazem, na verdade não me importo, assim como o Morimoto tenho certeza de que também nem se importa, sabem porque, porque o que fazemos fazemos por nossa satisfação e boa vontade, obviamente tiramos algo de retorno até por consequência do sucesso, mas não por esperar gratidão, e sim por pura satisfação própria em ver que algo feito com carinho também esta sendo aceito ,,,,por poucos,,,,mas aceito....e ai cria-se o ponto da Historia, que muda o conceito futuro e todos os que aproveitam,,,, bom que fique aqui a clara disponibilidade do mundo Linux, seja para ser criticado, e ou a ter o sucesso que tem,,,,,mas sempre fazendo a Historia,,,,,que não pode ser mudada, Linux veio para ficar,,,de um modo ou outro , para poucos ou num futuro próximo, para muitos....então compartilhem sempre, façam sua parte.....

atenciosamente....

SuporteTecnicoID
www.linuxkduxp.com


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts