O Guia do Slackware

Instalação e configuração básica do Slackware 14.1, ao som de Lost Sailors da banda Greatful Dead.

[ Hits: 170.466 ]

Por: Xerxes Lins em 13/11/2013 | Blog: https://goo.gl/uu8OUX


Introdução



Fui avisado pelo meu amigo Slacker sobre o lançamento da versão 14.1 do Slackware. Ele ficou sabendo devido a uma postagem de Patrick Volkerding no Facebook.
Fazia tempo que eu não usava Slackware. Mas, por algum motivo, comecei a sentir vontade de usar novamente.

Adicionei Patrick como amigo no Facebook, e me senti muito feliz (e besta) ao enviar uma mensagem para ele e receber uma resposta. Afinal, ele é "O Cara!". =P

Comprei o DVD do Slackware e o abridor de garrafa em store.slackware.com e depois comecei a baixar a distro. Fui dormir empolgado com a ideia de formatar o Notebook para instalar Slackware no dia seguinte - algo que não aconteceu devido à minha rotina.

Mesmo assim, aproveitei minha renovada vontade de voltar a usar Slackware como incentivo para criação de um novo artigo sobre instalação e configuração do mesmo.

Sendo assim, este artigo é apenas mais um tutorial sobre como instalar e configurar o Slackware GNU/Linux. Usei o DVD do Slackware 14.1 64-bit e ambiente KDE.

Antes colocar a mão na massa, recomendo uma leitura calma deste artigo, para que você saiba realmente o que quer aproveitar dele. E, para quem curte, recomendo que faça isso ao som de Lost Sailors da banda Greatful Dead, uma versão por Patrick Volkerding, disponível em:

O Conservadorismo do Slackware

Slackware é um sistema conservador. O que isso significa? Bem, significa que o sistema não receberá mudanças ou inovações desnecessárias, apenas para estar na moda ou para parecer legal.

Se o sistema de inicialização de scripts está funcionando, não é necessário alterá-lo. Se o servidor gráfico está funcionando, também não há motivos para trocá-lo por outro. Se o instalador do sistema (embora, bem elementar) funciona, não precisa ser modificado! De fato, um dos lemas do Slackware é: "if it ain’t broken, don’t fix it!".

Sendo assim, em um sistema conservador, apenas mudanças realmente necessárias são realizadas. O foco não é a novidade, e sim o bom funcionamento.

Dentre as consequências de ter um sistema conservador, uma delas é que, mesmo após várias versões, as diferenças entre as versões são bem pequenas, fazendo o usuário se sentir sempre em casa.

Outra vantagem de um sistema conservador é o impacto que esse modelo tem sobre a estabilidade do mesmo. Quanto mais conservador, teoricamente, mais seguro e confiável o sistema será. Isso se dá devido ao uso daquilo que comprovadamente funciona, o invés de testar novas soluções para o mesmo problema, como se o sistema fosse um laboratório ou uma eterna versão Beta, aumentando o risco de problemas para o usuário.

Usuários de sistemas modernos, como Arch Linux, sabem bem disso. Muitas mudanças no sistema podem criar problemas, gerando assim um sistema menos estável.

Mas atenção, sistema conservador não é um sistema que deixa de usar softwares atualizados! Isso seria uma falha de segurança, pois atualizações, normalmente corrigem falhas. O sistema Slackware acompanha bem as atualizações dos softwares, apenas não recebe modificações desnecessárias em sua estrutura, nem realiza modificações para seguir uma determinada tendência (moda) ou para parecer legal.

Patrick Volkerding e seu time, esforçam-se para garantir a inclusão apenas de softwares estáveis, bem testados e comprovadamente eficazes, ao Slackware, com o mínimo de modificações possíveis. Isso faz do Slackware um sistema conservador, sólido e apreciado. Esse é o trunfo do Slackware, e é por isso que muitos usuários o adoram.

Por que "O Guia"?

Este artigo é voltado para usuários iniciantes no Slackware, não para iniciantes e leigos em informática. Pode servir também como material de consulta para usuários que já instalaram Slackware antes. Sendo, portanto, uma espécie de guia introdutório.

Teoricamente, o artigo aborda tanto a instalação passo a passo, como a configuração posterior à instalação, usando ambiente KDE. Sendo que, ao longo do artigo, o usuário irá aprender a instalar plugins Flashplayer e Java (para acessar Banco do Brasil), Openoffice Apache, Google Chrome, o player VLC, e outros.
Pensei em artigos separados (instalação, configuração), mas já fiz isso uma vez com o Mamãe, quero Slack! (parte 1, 2 e 3) e vi que não é bom. Fica difícil consultar. Por isso, dessa vez, optei por um artigo mais direto ao ponto, resumido, sem muitas informações extras, mas ao mesmo tempo, contemplando instalação e configuração básica.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Instalação do zero
   3. Configuração de pré-instalação
   4. Finalizando a instalação
   5. Configurações após o primeiro boot
   6. Configurações após logar no KDE
   7. Slackpkg e Slackbuilds (Flashplayer)
   8. Slapt-get (heresia!) e explorando o DVD (instalação do Java)
   9. Placas de vídeo (drivers NVidia e ATI)
   10. Pkgtool, VLC, Openoffice, Chrome, sudo
   11. Conclusão
   12. Apêndice A
   13. Apêndice B
Outros artigos deste autor

Mini-manual do Fluxbox no Zenwalk

Brutal DOOM no Linux Mint (Ubuntu)

Shadow Era: Jogo de cartas colecionáveis para Android

Tema com cores vivas para Xfce no Xubuntu 12.04

Com vocês, Larry, a vaca

Leitura recomendada

Servidor NTP - Configuração e ajuste de data e hora

Instalando o modem Onda MSA110UP em distribuições Linux que utilizam o NetworkManager

Entendendo o boot-update

VPN com PPTP + DDCLIENT em Debian 5.0 Lenny com IP dinâmico

Funcionalidades do Eclipse no Vim - Usando o Eclim

  
Comentários
[1] Comentário enviado por izaias em 13/11/2013 - 00:06h

Ótimo guia, Xerxes.

E já apliquei algumas configs. :)
-----------------

E você pode até ter tio Pat em seu facebook...

Pois eu nasci no mesmo dia e ano que ele (somente um mês depois). rsrs

[2] Comentário enviado por danniel-lara em 13/11/2013 - 00:10h

Parabéns pelo Artigo

[3] Comentário enviado por giofilth em 13/11/2013 - 00:31h

Velho eu aprendi a instalar o Slackware na época graças aos seus tutoriais, "Mamãe, quero Slack!" simplesmente fantástico!

Meus parabéns por esse material excelente que você acaba de oferecer/presentear a toda a comunidade do Viva o Linux e meu muito obrigado também!

Completo, simples, de fácil entendimento e objetivo, assim como tem que ser.

Excelente!

[4] Comentário enviado por lcavalheiro em 13/11/2013 - 01:23h

Excelente artigo, Xerxes! Bem introdutório, bem compreensível, muito bom mesmo.

Tenho duas contribuições:
1) O Oracle Java 7u45 tem quase 50 falhas de segurança, prefira o OpenJDK. Acabei de enviar uma dica sobre como instalá-lo no Slack;
2) Não acrescente apenas o LANG no lang.sh. O melhor resultado é atingido com:
export LANG=pt_BR.UTF-8
export LANGUAGE=pt_BR.UTF-8
export LINGUAS=pt_BR.UTF-8
export LC_ALL=pt_BR.UTF-8

Tem gente que ainda coloca um LESSCHARSET=latin1, mas não vejo isso como necessário. Adicione ao lang.csh (no mesmo diretório do lang.csh)
setenv LANG pt_BR.UTF-8
setenv LANGUAGE pt_BR.UTF-8
setenv LINGUAS pt_BR.UTF-8
setenv LC_ALL pt_BR.UTF-8

3) Tem como traduzir o Firefox. Acabei de enviar uma dica sobre isso.
EDIT: apaguei a dica, pois o procedimento parou de funcionar do nada. Assim que eu entender o que aconteceu eu retorno a dica.

[5] Comentário enviado por izaias em 13/11/2013 - 01:31h

E o Gio referenciou este artigo em seu (excelente) blog:
-> http://giofilth.wordpress.com/2013/11/13/slackware-14-1/

[6] Comentário enviado por Buckminster em 13/11/2013 - 01:45h

Muito bom, bem completo. Parabéns.

[7] Comentário enviado por enricolo4 em 13/11/2013 - 03:51h

No slackbuilds.org possui o sbotools, ele funciona como o sbopkg porém resolve dependências. Ele eh "parecido" com o ports e o portage.

[8] Comentário enviado por xerxeslins em 13/11/2013 - 11:18h

Obrigado amigos!

@Izaias, massa!

@giofilth, valeu! hehehe

@lcavalheiro, incluí essas informações no artigo (idiomas) e um link para o openjdk do Alienbob. O Firefox eu sempre traduzi usando o pacote de tradução + a extenção switch locale. Só que na lista de idiomas não aparece pra eu instalar português do brasil para a versão 14.0.1 do Firefox. Veja: https://addons.mozilla.org/pt-br/firefox/addon/firefox-br/versions/

@Buckminster, valeu cara!

@enricolo4, opa! essa dica eu não sabia! Muito bom! Adicionei ao artigo!



[9] Comentário enviado por lcavalheiro em 13/11/2013 - 12:45h


[8] Comentário enviado por xerxeslins em 13/11/2013 - 11:18h:
(...)@lcavalheiro, incluí essas informações no artigo (idiomas) e um link para o openjdk do Alienbob. O Firefox eu sempre traduzi usando o pacote de tradução + a extenção switch locale. Só que na lista de idiomas não aparece pra eu instalar português do brasil para a versão 14.0.1 do Firefox. Veja: https://addons.mozilla.org/pt-br/firefox/addon/firefox-br/versions/
(...)


Então... minha solução pro Firefox foi baixar o source do mirror e recompilar a bagaça usando a opção MOZLOCALIZE=pt-BR. Porém, a compilação dá pau em um diretório aqui. Eu já fiz contato com AlienBOB e com o Cara, bem como estou fuçando no #slackware@irc.freenode.net alguém que já tenha passado por isso.

[10] Comentário enviado por izaias em 13/11/2013 - 12:48h

Também recomendo o pacote "icedtea", sem este não dá pra acessar o Itaú/Caixa/Santander (link p/ 64 bits):

-> http://www.slackware.com/~alien/slackbuilds/icedtea-web/pkg64/

[11] Comentário enviado por lcavalheiro em 13/11/2013 - 12:52h


[10] Comentário enviado por izaias em 13/11/2013 - 12:48h:

Também recomendo o pacote "icedtea", sem este não dá pra acessar o Itaú/Caixa/Santander (link p/ 64 bits):

-> http://www.slackware.com/~alien/slackbuilds/icedtea-web/pkg64/


Bem lembrado! Bem, na dica que eu postei ontem aqui tem as instruções para compilação também, caso vocês se interessem pelo modo "'Bob' Dobbs certified" de fazer as coisas ;-)

[12] Comentário enviado por xerxeslins em 13/11/2013 - 13:02h


[10] Comentário enviado por izaias em 13/11/2013 - 12:48h:

Também recomendo o pacote "icedtea", sem este não dá pra acessar o Itaú/Caixa/Santander (link p/ 64 bits):

-> http://www.slackware.com/~alien/slackbuilds/icedtea-web/pkg64/


Valeu. Adicionei ao artigo!!!

[13] Comentário enviado por lcavalheiro em 13/11/2013 - 13:23h

Ah, outra coisa (essa meio nada a ver): coloque o polegar em cima do abridor de garrafas (na parte que ele encaixa na tampa), do contrário ele pode quebrar ;-)

Outra coisa (também nada a ver): pode ser legal instalar o bash_completions do /extra do DVD. Inclua uma linha qualquer no .bashrc para usá-lo:
if [ -f /etc/bash_completion ] && ! shopt -oq posix; then
. /etc/bash_completion
fi

[14] Comentário enviado por leandro em 13/11/2013 - 13:52h

Ótimo artigo!

Neste fim de semana eu migrei pro current. É muito mais estável do que eu imaginava (pra se ter uma ideia, eu achava que seria o mesmo que o Debian Sid, rsrs).

Para complementar, e para aqueles que já possuem uma certa experiência: aqui vão duas dicas de como otimizar o boot do Slack:

http://gnutwoall.wordpress.com/2013/03/24/tunando-a-inicializacao-do-slackware/
http://rra.etc.br/MyWorks/2011/10/28/iniciando-o-slackware-em-12s-ou-menos/

*Só de não ficar atualizando as libs, fonts, icon cache, icon theme, pixbuf, pango, glib e por aí vai, em todo boot, já dá uma boa melhorada.

+10!

[15] Comentário enviado por xerxeslins em 13/11/2013 - 14:01h


[16] Comentário enviado por xerxeslins em 13/11/2013 - 14:01h:


[15] Comentário enviado por xerxeslins em 13/11/2013 - 14:00h:


[13] Comentário enviado por lcavalheiro em 13/11/2013 - 13:23h:

Ah, outra coisa (essa meio nada a ver): coloque o polegar em cima do abridor de garrafas (na parte que ele encaixa na tampa), do contrário ele pode quebrar ;-)

Outra coisa (também nada a ver): pode ser legal instalar o bash_completions do /extra do DVD. Inclua uma linha qualquer no .bashrc para usá-lo:
if [ -f /etc/bash_completion ] && ! shopt -oq posix; then
. /etc/bash_completion
fi


O abridor ainda vai chegar! Obrigado pela dica!

Sobre o bash completion, eu instalei, mas olhando o arquivo eu alterei suas instruções para:

if [ -f /etc/bash_completion.d/mercurial.sh ] ! shopt -oq posix; then
. /etc/bash_completion.d/mercurial.sh
fi

Mas o bash padrão já não completa automaticamente?




[16] Comentário enviado por xerxeslins em 13/11/2013 - 14:03h


[14] Comentário enviado por leandro em 13/11/2013 - 13:52h:

Ótimo artigo!

Neste fim de semana eu migrei pro current. É muito mais estável do que eu imaginava (pra se ter uma ideia, eu achava que seria o mesmo que o Debian Sid, rsrs).

Para complementar, e para aqueles que já possuem uma certa experiência: aqui vão duas dicas de como otimizar o boot do Slack:

http://gnutwoall.wordpress.com/2013/03/24/tunando-a-inicializacao-do-slackware/
http://rra.etc.br/MyWorks/2011/10/28/iniciando-o-slackware-em-12s-ou-menos/

*Só de não ficar atualizando as libs, fonts, icon cache, icon theme, pixbuf, pango, glib e por aí vai, em todo boot, já dá uma boa melhorada.

+10!


Opa! Belas dicas, hein!!!

Abs!

Edit: só não vou adicionar essas dicas ao artigo, porque acho que já foge um pouco do tema para iniciantes. Mas ficará registrada aqui para os mais curiosos!

[17] Comentário enviado por madrugada em 13/11/2013 - 14:18h

Parabéns!
Excelente artigo. Eu diria que você ficou um mês preparando-o, se o lançamento do 14.1 não fosse recente.

Se quiser, pode adicionar mais uma dica. Para ativar o lançamento rápido do Apache OpenOffice, rode como root:
cp -rf /opt/openoffice4/share/xdg/qstart.desktop /etc/xdg/autostart/qstart.desktop

Com isso, o ícone aparece no systray independente do ambiente.

[18] Comentário enviado por xerxeslins em 13/11/2013 - 17:00h


[17] Comentário enviado por madrugada em 13/11/2013 - 14:18h:

Parabéns!
Excelente artigo. Eu diria que você ficou um mês preparando-o, se o lançamento do 14.1 não fosse recente.

Se quiser, pode adicionar mais uma dica. Para ativar o lançamento rápido do Apache OpenOffice, rode como root:
cp -rf /opt/openoffice4/share/xdg/qstart.desktop /etc/xdg/autostart/qstart.desktop

Com isso, o ícone aparece no systray independente do ambiente.


Beleza, adicionei ao artigo! Obrigado!

[19] Comentário enviado por mark-09 em 13/11/2013 - 17:44h

Excelente Guia, Parabéns!!!

[20] Comentário enviado por madrugada em 13/11/2013 - 18:07h


[17] Comentário enviado por madrugada em 13/11/2013 - 14:18h:

Parabéns!
Excelente artigo. Eu diria que você ficou um mês preparando-o, se o lançamento do 14.1 não fosse recente.

Se quiser, pode adicionar mais uma dica. Para ativar o lançamento rápido do Apache OpenOffice, rode como root:
cp -rf /opt/openoffice4/share/xdg/qstart.desktop /etc/xdg/autostart/qstart.desktop

Com isso, o ícone aparece no systray independente do ambiente.


De nada! Foi um prazer colaborar.

[21] Comentário enviado por xerxeslins em 13/11/2013 - 18:44h

Página de apêndice adicionada!

Se alguém sugerir mais coisas, dependendo qo que for, eu adicionarei nessa página de apêndice.

Sendo que já comecei adicionando um resumo de uma parte de um artigo do lcavalheiro, claro! :D

[22] Comentário enviado por izaias em 14/11/2013 - 01:15h

Com a colaboração dos slackers, o "Guia" está ficando muito bom, mesmo!

E o Slack 14 está muito bom, gente.
E nem precisa de muitas configs extras, está rápido e robusto.

[23] Comentário enviado por lcavalheiro em 14/11/2013 - 11:11h


[22] Comentário enviado por izaias em 14/11/2013 - 01:15h:

Com a colaboração dos slackers, o "Guia" está ficando muito bom, mesmo!

E o Slack 14 está muito bom, gente.
E nem precisa de muitas configs extras, está rápido e robusto.


Tirando o basicão (pra se ter uma idéia, o xorgsetup não é mais necessário, e ele roda o netconfig durante a instalação), realmente. Eu instalei o Slack no meu note (aquele que já quebrou meu pé, que Gatanás já usou como banheiro, etc...), e fiquei surpreso. Tão fácil de instalar quanto o Ubuntu!

[24] Comentário enviado por andersonjackson em 14/11/2013 - 12:36h

Muito bom.
Parabéns pela iniciativa, o pessoal que está chegando no mundo do Slack agradece.

Abraço.

[25] Comentário enviado por removido em 14/11/2013 - 14:38h

Caramba, que vontade de instalar a última versão do Slackware ao ler esse artigo!

Xerxes, me tira uma dúvida, esse slackbuild do vlc te todas as dependências?

Ao instalar o VLC no slackware com xfce, era necessário mais de 50 deps, algo impossível de se fazer na unha :(

abs e parabéns pelo artigo man!

[26] Comentário enviado por lcavalheiro em 14/11/2013 - 14:45h


[25] Comentário enviado por Gedimar em 14/11/2013 - 14:38h:

Caramba, que vontade de instalar a última versão do Slackware ao ler esse artigo!

Xerxes, me tira uma dúvida, esse slackbuild do vlc te todas as dependências?

Ao instalar o VLC no slackware com xfce, era necessário mais de 50 deps, algo impossível de se fazer na unha :(

abs e parabéns pelo artigo man!


Não, o SlackBuild do vlc ainda tem aquele mar de dependências. É melhor usar o sbopkg se você não quiser compilá-las na unha. Porém, compilar na unha tem uma vantagem: SlackBuilds têm opções extras de compilação, e eu não sei se dá pra passá-las pro sbopkg.

[27] Comentário enviado por xerxeslins em 14/11/2013 - 15:17h


[25] Comentário enviado por Gedimar em 14/11/2013 - 14:38h:

Caramba, que vontade de instalar a última versão do Slackware ao ler esse artigo!

Xerxes, me tira uma dúvida, esse slackbuild do vlc te todas as dependências?

Ao instalar o VLC no slackware com xfce, era necessário mais de 50 deps, algo impossível de se fazer na unha :(

abs e parabéns pelo artigo man!


Olá!

Grande Gedimar, é o seguinte. Esse link do VLC, teoricamente, tem os codecs proprietários, sim (fica no diretório do Alien, restricted_slackbuids). Aqui toca mp3 nele normal. Só não testei tocar DVD ainda. Assim assim que testar eu digo o resultado. Vou testar outros formatos também como mkv etc. Se precisarincluir alguma informação no artigo eu vou incluir depois.

Para mais informações veja:

http://www.videolan.org/vlc/download-slackware.html

Adianto que há um pacote chamado "salix-codec-installer" nos repositórios do Salix, que é 100% compatível com Slackware e automatiza a instalação de codecs.

Como ainda não saiu o Salix 14.1, mas apenas o 14.0... não vai achar pelo slapt-get (ainda). Mas tem como baixar na net mesmo. Para isso recomendo a leitura de: http://www.vivaolinux.com.br/dica/Repositorios-do-Salix-OS-e-GSlapt-no-Slackware-14

Obrigado, Gedimar. Graças a mais informações através de comentários, como esse, o artigo está ficando cada vez melhor.

:D

Edit: sim, vc perguntou sobre dependencias do VLC! Mas após eu instalar o VLC pelo slackbuild, abriu normal e instalou sem erros de dependências.

[28] Comentário enviado por willian.firmino em 14/11/2013 - 16:09h

Ótimo artigo, como plus eu indicaria a utilização do slackpkg+ http://alien.slackbook.org/blog/introducing-slackpkg-an-extension-to-slackpkg-for-3rd-party-reposito... com ele podemos usar mais de um repositório no slackpkg como por exemplo os repositórios do alien bob, ai da para instalar por exemplo o vlc assim: slackpkg install vlc, ou também ter o KDE atualizado para a ultima versão como a que estou usando agora 4.11.3 atualizada pelo slackpkg, outra coisa que prefiro é criar um pacote do Apache OpenOffice com slackbuilds, eu alterei o slackbuild disponível no slackpkg.org e criei meu próprio pacote, vale lembrar que muitos pacotes disponíveis lá, basta você alterar o numero da versão, "não é o caso do OpenOffice" assim eu sempre tenho a ultima versão do mongodb, nodejs, postgresql e pgadmin, python3 entre outros.

[29] Comentário enviado por izaias em 14/11/2013 - 17:06h


[28] Comentário enviado por willian.firmino em 14/11/2013 - 16:09h:

Ótimo artigo, como plus eu indicaria a utilização do slackpkg+ http://alien.slackbook.org/blog/introducing-slackpkg-an-extension-to-slackpkg-for-3rd-party-reposito.... com ele podemos usar mais de um repositório no slackpkg como por exemplo os repositórios do alien bob, ai da para instalar por exemplo o vlc assim: slackpkg install vlc, ou também ter o KDE atualizado para a ultima versão como a que estou usando agora 4.11.3 atualizada pelo slackpkg, outra coisa que prefiro é criar um pacote do Apache OpenOffice com slackbuilds, eu alterei o slackbuild disponível no slackpkg.org e criei meu próprio pacote, vale lembrar que muitos pacotes disponíveis lá, basta você alterar o numero da versão, "não é o caso do OpenOffice" assim eu sempre tenho a ultima versão do mongodb, nodejs, postgresql e pgadmin, python3 entre outros.


Não tem jeito, a melhor documentação do Slack está em inglês.
------------

Não entendi uma coisa, estou vendo por aí links para versão 14 e 14.1 !!
O que é essa versão 14.1 ?

[30] Comentário enviado por xerxeslins em 14/11/2013 - 18:01h


[28] Comentário enviado por willian.firmino em 14/11/2013 - 16:09h:

Ótimo artigo, como plus eu indicaria a utilização do slackpkg+ http://alien.slackbook.org/blog/introducing-slackpkg-an-extension-to-slackpkg-for-3rd-party-reposito.... com ele podemos usar mais de um repositório no slackpkg como por exemplo os repositórios do alien bob, ai da para instalar por exemplo o vlc assim: slackpkg install vlc, ou também ter o KDE atualizado para a ultima versão como a que estou usando agora 4.11.3 atualizada pelo slackpkg, outra coisa que prefiro é criar um pacote do Apache OpenOffice com slackbuilds, eu alterei o slackbuild disponível no slackpkg.org e criei meu próprio pacote, vale lembrar que muitos pacotes disponíveis lá, basta você alterar o numero da versão, "não é o caso do OpenOffice" assim eu sempre tenho a ultima versão do mongodb, nodejs, postgresql e pgadmin, python3 entre outros.


SUpimpa!

Assim que possível vou adicionar essa dica ao Apêndice. Desconhecia essa ferramenta. Obrigado!

[31] Comentário enviado por lcavalheiro em 14/11/2013 - 18:05h


[29] Comentário enviado por izaias em 14/11/2013 - 17:06h:


[28] Comentário enviado por willian.firmino em 14/11/2013 - 16:09h:

Ótimo artigo, como plus eu indicaria a utilização do slackpkg+ http://alien.slackbook.org/blog/introducing-slackpkg-an-extension-to-slackpkg-for-3rd-party-reposito.... com ele podemos usar mais de um repositório no slackpkg como por exemplo os repositórios do alien bob, ai da para instalar por exemplo o vlc assim: slackpkg install vlc, ou também ter o KDE atualizado para a ultima versão como a que estou usando agora 4.11.3 atualizada pelo slackpkg, outra coisa que prefiro é criar um pacote do Apache OpenOffice com slackbuilds, eu alterei o slackbuild disponível no slackpkg.org e criei meu próprio pacote, vale lembrar que muitos pacotes disponíveis lá, basta você alterar o numero da versão, "não é o caso do OpenOffice" assim eu sempre tenho a ultima versão do mongodb, nodejs, postgresql e pgadmin, python3 entre outros.

Não tem jeito, a melhor documentação do Slack está em inglês.
------------

Não entendi uma coisa, estou vendo por aí links para versão 14 e 14.1 !!
O que é essa versão 14.1 ?

A segunda razão pela qual o Slack current não pode ser considerado rolling release: o current sempre vai ter o número de versão da próxima versão. Logo, o Slack current é o equivalente do Debian testing.

[32] Comentário enviado por izaias em 14/11/2013 - 18:13h

Mistérios do mundo Open Source!

[33] Comentário enviado por xerxeslins em 14/11/2013 - 18:15h



...

Não tem jeito, a melhor documentação do Slack está em inglês.
------------

Não entendi uma coisa, estou vendo por aí links para versão 14 e 14.1 !!
O que é essa versão 14.1 ?


Verdade Izaias, e costuma ser assim com quase toda documentação das distros em geral. Por isso é importante trazer conteúdos em português para a galera novata, eliminando (ou atenuando, pelo menos) mais um obstáculo ao uso do GNU/Linux.

Izaias não entendi bem a pergunta sobre as versões 14 e 14.1, mas creio que sejam as versões do Slackware.

[34] Comentário enviado por mcnd2 em 14/11/2013 - 20:19h

10!

Simples, didático e prático, sem leva e trás...

Ótimo artigo @xerxes...
Parabéns pelo GUIA...

Keep it up man.

[35] Comentário enviado por izaias em 14/11/2013 - 21:14h


[33] Comentário enviado por xerxeslins em 14/11/2013 - 18:15h:

...
Izaias não entendi bem a pergunta sobre as versões 14 e 14.1, mas creio que sejam as versões do Slackware.


Devo ter endoidecido. Na verdade a versão se chama 14.1:
> http://www.slackware.com/getslack/torrents.php


[36] Comentário enviado por px em 14/11/2013 - 23:39h

Nossa! me afastei um pouco do VOL é volto com essa super pérola logo no inicio! parabéns ficou super fácil para quem nunca usou o sistema, agora não há mais desculpas para o pessoal usar só Debians HEHEHE

PS: To em um sério dilema aqui em casa, que é voltar para o Slackware ou partir para o Gentoo

e ai pessoal Slackware x Gentoo ??

[37] Comentário enviado por xerxeslins em 15/11/2013 - 10:11h


[36] Comentário enviado por px em 14/11/2013 - 23:39h:

Nossa! me afastei um pouco do VOL é volto com essa super pérola logo no inicio! parabéns ficou super fácil para quem nunca usou o sistema, agora não há mais desculpas para o pessoal usar só Debians HEHEHE

PS: To em um sério dilema aqui em casa, que é voltar para o Slackware ou partir para o Gentoo

e ai pessoal Slackware x Gentoo ??


Olá!

Minha opinião sobre slack e gentoo.

Se quer um sistema mais rápido de configurar e com menos risco de quebrar, vai de slack.
Se quiser um gerenciador de pacotes completo e ter acesso a milhares de software direto da fonte, e não se importa com a demora de horas e horas de compilação e configuração e não teme quebrar o sistema, vai de gentoo.

Edit: claro, se otimizar o sistema para o seu hardware for prioridade, gentoo é a melhor escolha.

[38] Comentário enviado por danielcrvg em 15/11/2013 - 19:44h

boa noite...

a minha placa de nvidia é optimus:

eu devo instalar o driver da nvidia proprietario ou instalar instala o drive proprietario+bumblebee ?







[39] Comentário enviado por xerxeslins em 16/11/2013 - 13:41h


[38] Comentário enviado por danielcrvg em 15/11/2013 - 19:44h:

boa noite...

a minha placa de nvidia é optimus:

eu devo instalar o driver da nvidia proprietario ou instalar instala o drive proprietario+bumblebee ?








Olá, amigo.

Eu não sei. Como disse no artigo, não testei instalação de driver de vídeo, apenas me baseei no tutorial do slack doc.
Comece testando o mais simples.

[40] Comentário enviado por danielcrvg em 16/11/2013 - 14:01h

opa blz??

entao, eu lembro que quando eu instalo o driver proprietario da nvidia, ate instala tudo certo.... porem quando eu logo no KDE que tem aquele software proprietario referente ao driver da NVIDIA, ele da um "warning", afirmando que o kde nao ta rodando o driver da nvidia, e que se eu quero que ele configure o xorg.conf para rodar a interface grafica usando o driver correto... se eu digo "sim" ele na hora de reconfigurar o xorg.conf acaba destruindo tudo e o kde nao roda mais...

mas de boa valeu ai, vo ve depois o que eu faco, de qualqeur forma muito obrigado pelo material!!

[41] Comentário enviado por enricolo4 em 16/11/2013 - 15:18h


[25] Comentário enviado por Gedimar em 14/11/2013 - 14:38h:

Caramba, que vontade de instalar a última versão do Slackware ao ler esse artigo!

Xerxes, me tira uma dúvida, esse slackbuild do vlc te todas as dependências?

Ao instalar o VLC no slackware com xfce, era necessário mais de 50 deps, algo impossível de se fazer na unha :(

abs e parabéns pelo artigo man!


Cara vc até consegue se vc já estiver instalado o texi2html no seu Salckware, que por sinal eu nunca consegui compilar pelo slackbuilds, eu tinha sempre que instalar pelo .tgz no slacky.eu usando a versão 32bits. Mas se vc usar o sbotools e já tiver instalado o texi2html na sua máquina ele já procura as dependências compila na boa. Bom pelo menos esse foi o meu problema em compilar o VLC pelo slackbuild

[42] Comentário enviado por lcavalheiro em 18/11/2013 - 13:29h

Ok, finalmente conseguimos (AlienBOB e eu) achar uma solução para a tradução do Firefox no Slackware. A solução envolveu compilar a versão 25.0.1 do navegador usando o SlackBuild do diretório /source do DVD e então usar o SlackBuild mozilla-firefox-l10n do Eric.

Agora eu posso dormir...

EDIT: tio Eric acabou de dar um jeito no script para que não seja mais necessário atualizar a versão 24.1.0esr (o Firefox padrão do Slack-current) para o 25.0.1. Vou testar em casa e já posto uma dica sobre o tema

[43] Comentário enviado por lcavalheiro em 18/11/2013 - 14:08h


[4] Comentário enviado por lcavalheiro em 13/11/2013 - 01:23h:

Excelente artigo, Xerxes! Bem introdutório, bem compreensível, muito bom mesmo.

Tenho duas contribuições:
1) O Oracle Java 7u45 tem quase 50 falhas de segurança, prefira o OpenJDK. Acabei de enviar uma dica sobre como instalá-lo no Slack;
2) Não acrescente apenas o LANG no lang.sh. O melhor resultado é atingido com:
export LANG=pt_BR.UTF-8
export LANGUAGE=pt_BR.UTF-8
export LINGUAS=pt_BR.UTF-8
export LC_ALL=pt_BR.UTF-8
Tem gente que ainda coloca um LESSCHARSET=latin1, mas não vejo isso como necessário. Adicione ao lang.csh (no mesmo diretório do lang.csh)
setenv LANG pt_BR.UTF-8
setenv LANGUAGE pt_BR.UTF-8
setenv LINGUAS pt_BR.UTF-8
setenv LC_ALL pt_BR.UTF-8
3) Tem como traduzir o Firefox. Acabei de enviar uma dica sobre isso.
EDIT: apaguei a dica, pois o procedimento parou de funcionar do nada. Assim que eu entender o que aconteceu eu retorno a dica.


Ainda sobre UTF-8:
O Slackware não se dá muito bem com o UTF-8 nativamente, é preciso executar o comando unicode_start para que os caracteres em ISO sejam exibidos corretamente em UTF. Acrescente ao final do /etc/rc.d/rc.local a linha
unicode_start

E então rode # chmod +x /etc/rc.d/rc.local. Assim, sempre que o sistema inicializar o unicode_start será inicializado

[44] Comentário enviado por xerxeslins em 18/11/2013 - 17:08h


[42] Comentário enviado por lcavalheiro em 18/11/2013 - 13:29h:

Ok, finalmente conseguimos (AlienBOB e eu) achar uma solução para a tradução do Firefox no Slackware. A solução envolveu compilar a versão 25.0.1 do navegador usando o SlackBuild do diretório /source do DVD e então usar o SlackBuild mozilla-firefox-l10n do Eric.

Agora eu posso dormir...

EDIT: tio Eric acabou de dar um jeito no script para que não seja mais necessário atualizar a versão 24.1.0esr (o Firefox padrão do Slack-current) para o 25.0.1. Vou testar em casa e já posto uma dica sobre o tema


Esse dino é mesmo f*da.

Adicionei ao artigo sua nova dica sobre UTF-8.

para galera:

aviso que no momento estou testando umas outras distros, por curiosidade, já que viajei esse final de semana para casa dos meus pais e fiquei bem a vontade. Por isso pode ser que demore um pouco para eu adicionar algumas coisas ao artigo, com base nos comentários, enquanto não volto ao Slackware - calma é temporário, rsrs

\o/

[45] Comentário enviado por lcavalheiro em 18/11/2013 - 17:32h


[44] Comentário enviado por xerxeslins em 18/11/2013 - 17:08h:


[42] Comentário enviado por lcavalheiro em 18/11/2013 - 13:29h:

Ok, finalmente conseguimos (AlienBOB e eu) achar uma solução para a tradução do Firefox no Slackware. A solução envolveu compilar a versão 25.0.1 do navegador usando o SlackBuild do diretório /source do DVD e então usar o SlackBuild mozilla-firefox-l10n do Eric.

Agora eu posso dormir...

EDIT: tio Eric acabou de dar um jeito no script para que não seja mais necessário atualizar a versão 24.1.0esr (o Firefox padrão do Slack-current) para o 25.0.1. Vou testar em casa e já posto uma dica sobre o tema

Esse dino é mesmo f*da.

Adicionei ao artigo sua nova dica sobre UTF-8.

para galera:

aviso que no momento estou testando umas outras distros, por curiosidade, já que viajei esse final de semana para casa dos meus pais e fiquei bem a vontade. Por isso pode ser que demore um pouco para eu adicionar algumas coisas ao artigo, com base nos comentários, enquanto não volto ao Slackware - calma é temporário, rsrs

\o/


Show. Para quem for tentar compilar o mozilla-firefox-l10n para a versão 24.1.0esr (a versão padrão do Firefox) vai descobrir que o script do tio Eric não funcionará. Será preciso usar um SlackBuild modificado por este fulano aqui (disponível em https://www.dropbox.com/s/t4k26rb8o2ruxtk/mozilla-firefox-l10n.SlackBuild) no lugar do SlackBuild disponibilizado por ele.

EDIT: o link para esse SlackBuild agora é https://www.dropbox.com/s/on1wc2edv15xwtc/mozilla-firefox-l10n.SlackBuild?dl=0

[46] Comentário enviado por levi linux em 18/11/2013 - 20:45h

Eu tava um pouco afastado do Linux, quando soube da nova versão do excelente e velho Slackware voltei correndo.
Essa versão está bem interessante. Estável como sempre foi, é e será, além do bom desempenho que todos já conhecem.
Uma das coisas que mais me agradou foi que o KDE está cada vez mais modular.
Eu por exemplo não gosto nem do Dragon Player nem do Juk, nas versões anteriores eles vinham no pacote multimídia do Slack o qual eu não podia remover em função de algumas libs para o K3b, também disponíveis nesse pacote.
Nessa versão foi possível removê-los, nunca instalei o KDE de forma tão enxuta.

Agora gostaria de aproveitar o embalo para perguntar algo. Eu sempre usei o Slackware sem ativar o suporte ao UTF-8, pois durante a instalação o instalador menciona algo sobre 'possíveis problemas'. Até hoje tudo tem funcionado adequadamente aqui, porém o que eu estaria perdendo por não habilitar o UTF-8?
Quais as desvantagens de deixá-lo desativado.

Grato.

[47] Comentário enviado por xerxeslins em 18/11/2013 - 21:55h

Unicode-support (UTF-8) extends the normal ASCII table and helps to display characters which are not contained in the English language.

[46] Comentário enviado por levi linux em 18/11/2013 - 20:45h:

Eu tava um pouco afastado do Linux, quando soube da nova versão do excelente e velho Slackware voltei correndo.
Essa versão está bem interessante. Estável como sempre foi, é e será, além do bom desempenho que todos já conhecem.
Uma das coisas que mais me agradou foi que o KDE está cada vez mais modular.
Eu por exemplo não gosto nem do Dragon Player nem do Juk, nas versões anteriores eles vinham no pacote multimídia do Slack o qual eu não podia remover em função de algumas libs para o K3b, também disponíveis nesse pacote.
Nessa versão foi possível removê-los, nunca instalei o KDE de forma tão enxuta.

Agora gostaria de aproveitar o embalo para perguntar algo. Eu sempre usei o Slackware sem ativar o suporte ao UTF-8, pois durante a instalação o instalador menciona algo sobre 'possíveis problemas'. Até hoje tudo tem funcionado adequadamente aqui, porém o que eu estaria perdendo por não habilitar o UTF-8?
Quais as desvantagens de deixá-lo desativado.

Grato.


Utf-8 aumenta a tabela ASCII e ajuda a mostrar caracteres que não estão disponíveis no idioma inglês.

Fonte: http://docs.slackware.com/slackware:localization#localizationadapt_slackware_to_your_own_language

[48] Comentário enviado por leandro em 19/11/2013 - 19:16h


[46] Comentário enviado por levi linux em 18/11/2013 - 20:45h:

Eu tava um pouco afastado do Linux, quando soube da nova versão do excelente e velho Slackware voltei correndo.
Essa versão está bem interessante. Estável como sempre foi, é e será, além do bom desempenho que todos já conhecem.
Uma das coisas que mais me agradou foi que o KDE está cada vez mais modular.
Eu por exemplo não gosto nem do Dragon Player nem do Juk, nas versões anteriores eles vinham no pacote multimídia do Slack o qual eu não podia remover em função de algumas libs para o K3b, também disponíveis nesse pacote.
Nessa versão foi possível removê-los, nunca instalei o KDE de forma tão enxuta.



Taí uma coisa que eu não tinha reparado! Sempre que instalava o K3b acabava vindo estes dois "extras" junto (Dragon Player + Juk), que eu nunca acabava usando. Agora melhorou!

[49] Comentário enviado por levi linux em 19/11/2013 - 19:58h

@ xerxeslins
Muito obrigado! Tinha uma pequena noção sobre o UTF-8.
Habilitei o UTF-8 pela primeira vez nessa instalação do Slack 14.1. Ainda não notei muitas diferenças.

@ leandro

O KDE tem ficado cada vez mais modular, eu particularmente gostei muito dessa 'nova' abordagem.

[50] Comentário enviado por xerxeslins em 19/11/2013 - 20:25h

Como as coisas são engraçadas. Instalei Slackware 14.1 e ele esquentou o meu monitor só por uma semana. Depois fui testar outras distros, dentre elas Frugalware (um tipo de Slackware com um fork do gerenciador de pacotes Pacman). Agora estou seriamente pensando em instalar freeBSD. E eu achando que a crise de distro tinha acabado =/

Abs amigos.

[51] Comentário enviado por izaias em 19/11/2013 - 20:37h

Estava tentado a instalar o Open ou o FreeBSD, mas depois que instalei o Slack Current, minha vida mudou!
O Slack me satisfaz sekissuaumente! :)

[52] Comentário enviado por xerxeslins em 19/11/2013 - 20:56h


[51] Comentário enviado por izaias em 19/11/2013 - 20:37h:

Estava tentado a instalar o Open ou o FreeBSD, mas depois que instalei o Slack Current, minha vida mudou!
O Slack me satisfaz sekissuaumente! :)


Me too!

oh, well.. maybe.

imagino que freebsd não tenha tantas facilidades como tem o GNU/Linux, só isso me desencoraja, como por exemplo Steam nativo.
Aí penso em usar slackware mesmo, mas eu queria que o repositório fosse grande como o do freebsd. Aí penso em usar gentoo que tem repositório grande e gerenciador de pacotes baseado no freebsd. Mas aí eu não tenho conhecimento, nem habilidade nem paciência pra configurar tudo baseado nos mínimos detalhes do meu hardware e ter que consultar wiki sempre que for instalar algo... aí eu penso em testar outra distro, e depois outra e depois outra, depois penso em voltar para o slackware... aí penso em deixar pra lá essas frescuras e instalar uma ubuntu based mesmo, depois mudo de ideia e fico nesse loop =(

[53] Comentário enviado por levi linux em 19/11/2013 - 21:32h

@ xerxeslins
O FreeBSD é uma boa pedida, um pouco mais manual, mas muito legal. Claro que essa manualidade não é problema para quem já está acostumado com distribuições linux mais manuais.
Tem desempenho excelente e é bem estável. Não uso o FreeBSD no notebook, pois minha placa wireless não funcionou nem com o Ndiswrapper, e praticamente só uso Wi-fi, principalmente na Universidade.
Os pacotes são um pouco mais velhos em comparação com a maioria das distros linux, os repositórios são muito amplos.
Gosto muito da flexibilidade, se você quiser compilar tudo, você pode compilar, mas também há a opção de pegar alguns binários.
Será que o Steam não rodaria no modo de compatibilidade binária com o Linux?

[54] Comentário enviado por izaias em 19/11/2013 - 21:33h

Quem encara o Slack, encara qualquer coisa.

A questão é que estes Open ou o FreeBSD, não são Unix-like, estou certo?
Tem que aprender tudo do zero. O que é um desafio!

O Daniel (moderador) está usando ele e parece estar gostando.

[55] Comentário enviado por xerxeslins em 19/11/2013 - 22:04h


[54] Comentário enviado por izaias em 19/11/2013 - 21:33h:

Quem encara o Slack, encara qualquer coisa.

A questão é que estes Open ou o FreeBSD, não são Unix-like, estou certo?
Tem que aprender tudo do zero. O que é um desafio!

O Daniel (moderador) está usando ele e parece estar gostando.


Izaias, acho minha solução é esperar um pouco até surgir repositório do salix 14.1 pra adicionar ao slackware 14.1 (sim, sou herege! kkkk) e adquirir outro pc só para servir de laboratório e ficar testando distros, sem ser no meu notebook de uso diário. :)

E sobre freebsd é unix-like sim.

Abs

[56] Comentário enviado por izaias em 21/11/2013 - 01:51h

Firefox 25 disponível no Slack 14 Current. ( http://va.mu/deud )

Finalmente!

[57] Comentário enviado por lcavalheiro em 21/11/2013 - 03:29h


[56] Comentário enviado por izaias em 21/11/2013 - 01:51h:

Firefox 25 disponível no Slack 14 Current. ( http://va.mu/deud )

Finalmente!


Tá atrasado, já estou no Nightly (28.alguma coisa)
rsrsrsrs

[58] Comentário enviado por lcavalheiro em 21/11/2013 - 14:14h

Sobre as placas Nvidia: a versão do SlackBuild é a 319.32, incompatível com o kernel 3.10. Então, para instalar o driver da Nvidia no Slackware (o que precisa tanto do nvidia-driver quanto do nvidia-kernel) é preciso seguir os procedimentos
1) nvidia-kernel
No diretório onde estão o nvidia-kernel.info e o nvidia-kernel.Slackbuild rode os comandos:
# for i in nvidia-kernel.info nvidia-kernel.Slackbuild ; do sed -e "s/319.32/331.20/g" "$i" ; done
# . nvidia-kernel.info
# wget ${DOWNLOAD} - para 32bits
ou
# wget ${DOWNLOAD_x86_64} - para 64bits
#./nvidia-kernel.SlackBuild
2) nvidia-driver
No diretório onde estão o nvidia-driver.info e o nvidia-driver.Slackbuild rode os comandos:
# for i in nvidia-driver.info nvidia-driver.Slackbuild ; do sed -e "s/319.32/331.20/g" "$i" ; done
# . nvidia-driver.info
# wget ${DOWNLOAD} - para 32bits
ou
# wget ${DOWNLOAD_x86_64} - para 64bits
# OPTAPPS=yes CPROXY=yes ./nvidia-driver.SlackBuild - para 32bits ou 64bits sem multilib ativado
ou
# COMPAT32=yes OPTAPPS=yes CPROXY=yes ./nvidia-driver.SlackBuild - para 64bits com multilib ativado
As demais dependências não precisam de atenção especial.

[59] Comentário enviado por leandro em 21/11/2013 - 18:32h

Eu tenho uma dúvida: desde que notei que o Firefox do Slackware costuma vir em inglês (e eu não conhecia a dica do lcavalheiro, :) , sempre instalo o Firefox "oficial", disponibilizado em um pack tar.bz2. É só mover a pasta, criar um atalho .desktop, e linkar o ícone+binário que o Firefox funciona perfeitamente.

Eu prefiro este modo pois além do Firefox vir em Português do Brasil, eu não preciso me preocupar com atualizações, já que o próprio Firefox "se atualiza sozinho". E o melhor: no modo de atualização via distro, o pacote do novo Firefox é baixado novamente, inteiro, sobrescrevendo o obsoleto ao ser instalado. Já na atualização automática, parece que só são baixadas as mudanças, sendo apenas aplicado um patch contendo as atualizações (eu acho, pois o tamanho do arquivo que é baixado durante as atualizações é ligeiramente menor do que o empacotado pela distro).

Pergunto: há alguma vantagem em optar pela versão da distro? Há alguma alteração (maior integração, segurança, ou algo do tipo) feita pela distro que valha a pena?

[60] Comentário enviado por lcavalheiro em 21/11/2013 - 23:37h


[59] Comentário enviado por leandro em 21/11/2013 - 18:32h:

Eu tenho uma dúvida: desde que notei que o Firefox do Slackware costuma vir em inglês (e eu não conhecia a dica do lcavalheiro, :) , sempre instalo o Firefox "oficial", disponibilizado em um pack tar.bz2. É só mover a pasta, criar um atalho .desktop, e linkar o ícone+binário que o Firefox funciona perfeitamente.

Eu prefiro este modo pois além do Firefox vir em Português do Brasil, eu não preciso me preocupar com atualizações, já que o próprio Firefox "se atualiza sozinho". E o melhor: no modo de atualização via distro, o pacote do novo Firefox é baixado novamente, inteiro, sobrescrevendo o obsoleto ao ser instalado. Já na atualização automática, parece que só são baixadas as mudanças, sendo apenas aplicado um patch contendo as atualizações (eu acho, pois o tamanho do arquivo que é baixado durante as atualizações é ligeiramente menor do que o empacotado pela distro).

Pergunto: há alguma vantagem em optar pela versão da distro? Há alguma alteração (maior integração, segurança, ou algo do tipo) feita pela distro que valha a pena?


Não há vantagem nenhuma em usar a versão oficial da distro porque não existem modificações significativas que tio Pat e companhia inserem no código. Se você pegar o diretório mozilla-firefox no /sources/xap do DVD, substituir o tar.bz2 e o tar.bz2.asc com o source do que você baixar em ftp://ftp.mozilla.org/pub/firefox/releases/[versão]/source (o nome do arquivo sempre vai ser firefox-versão.source.tar.bz2 e firefox-versão.source.tar.bz2.asc) e rodar o SlackBuild você vai compilar a versão do Firefox que você baixou com os patches que tio Pat insere (basicamente, uns tweaks para compilar a partir de uma instalação full do Slackware, sem nenhuma personalização). Da mesma forma, se você pegar minha dica sobre como traduzir o Firefox no Slack, aplicar as modificações que eu sugeri ao código de AlienBOB e rodar o script você vai acabar com um pacote de tradução funcional pronto pra instalar.

Pouca gente se liga que os sources do Slackware são na verdade o código fonte e o script SlackBuild de compilação. Então atualizar os pacotes distribuídos com a distro por suas versões mais recentes nada mais é do que o esforço maçante de rodar todos os scripts SlackBuild com os sources mais atuais.

PS.: o que eu disse aqui vale para todos os pacotes do Slackware, sem exceção.

[61] Comentário enviado por leandro em 22/11/2013 - 14:56h


[60] Comentário enviado por lcavalheiro em 21/11/2013 - 23:37h:

Não há vantagem nenhuma em usar a versão oficial da distro porque não existem modificações significativas que tio Pat e companhia inserem no código. Se você pegar o diretório mozilla-firefox no /sources/xap do DVD, substituir o tar.bz2 e o tar.bz2.asc com o source do que você baixar em ftp://ftp.mozilla.org/pub/firefox/releases/[versão]/source (o nome do arquivo sempre vai ser firefox-versão.source.tar.bz2 e firefox-versão.source.tar.bz2.asc) e rodar o SlackBuild você vai compilar a versão do Firefox que você baixou com os patches que tio Pat insere (basicamente, uns tweaks para compilar a partir de uma instalação full do Slackware, sem nenhuma personalização). Da mesma forma, se você pegar minha dica sobre como traduzir o Firefox no Slack, aplicar as modificações que eu sugeri ao código de AlienBOB e rodar o script você vai acabar com um pacote de tradução funcional pronto pra instalar.

Pouca gente se liga que os sources do Slackware são na verdade o código fonte e o script SlackBuild de compilação. Então atualizar os pacotes distribuídos com a distro por suas versões mais recentes nada mais é do que o esforço maçante de rodar todos os scripts SlackBuild com os sources mais atuais.

PS.: o que eu disse aqui vale para todos os pacotes do Slackware, sem exceção.


Bom saber.

Obrigado!

[62] Comentário enviado por xerxeslins em 22/11/2013 - 19:55h

Olá, vou reinstalar Slackware hoje quando voltar para casa... a noite vai ser um tédio já que minha esposa estará de plantão.

Alguém aí já instalou o sbotools, citado pelo amigo enricolo4? Se sim, como faz?

Abs.

[63] Comentário enviado por enricolo4 em 24/11/2013 - 14:47h

Meuuu com tanto cara assim manjando de Slack, dava até para criar um site só de slackware... Ia ser bem maneiro!!! Estou pensando em voltar a usar o Slack, no fim eu sempre volto para ele HAUauAHUAHua

[64] Comentário enviado por izaias em 24/11/2013 - 14:52h

É uma distribuição (no verdadeiro sentido da palavra) mitológica.

Pessoas que começam no Linux com Ubuntu ou outro friendly-user, cedo ou tarde vai encarar o Slack e... gostar!
É o meu caso.

[65] Comentário enviado por enricolo4 em 24/11/2013 - 15:23h


[64] Comentário enviado por izaias em 24/11/2013 - 14:52h:

É uma distribuição (no verdadeiro sentido da palavra) mitológica.

Pessoas que começam no Linux com Ubuntu ou outro friendly-user, cedo ou tarde vai encarar o Slack e... gostar!
É o meu caso.


Eu concordo com você em tudo, eu comecei usando Slack quando fui para faculdade de ciências da computação lá um professor me deu os CDs do slack para eu aprender a usar. Digo que hoje em dia eu posso me aventurar em qualquer distribuição sem ter medo algum.
Aliás eu sempre testo distribuições mas no fim é sempre ele q eu uso, por mais trabalhoso que seja na maioria das vezes, parece que as coisas nele funcionam exatamente como deveriam hehehehe

[66] Comentário enviado por lcavalheiro em 24/11/2013 - 22:21h


[65] Comentário enviado por enricolo4 em 24/11/2013 - 15:23h:


[64] Comentário enviado por izaias em 24/11/2013 - 14:52h:

É uma distribuição (no verdadeiro sentido da palavra) mitológica.

Pessoas que começam no Linux com Ubuntu ou outro friendly-user, cedo ou tarde vai encarar o Slack e... gostar!
É o meu caso.

Eu concordo com você em tudo, eu comecei usando Slack quando fui para faculdade de ciências da computação lá um professor me deu os CDs do slack para eu aprender a usar. Digo que hoje em dia eu posso me aventurar em qualquer distribuição sem ter medo algum.
Aliás eu sempre testo distribuições mas no fim é sempre ele q eu uso, por mais trabalhoso que seja na maioria das vezes, parece que as coisas nele funcionam exatamente como deveriam hehehehe


Bem, no Slack as coisas funcionam como deveriam porque tio Pat e companhia não inserem nenhuma personalização no código-fonte dos programas. Não é que nem nas outras distros, que o código, por mais insignificante que seja, recebe toneladas de modificações apenas para ficar mais fácil de usar ou com a cara da distro. Aí os bugs entram em camadas?

[67] Comentário enviado por fulllinux em 25/11/2013 - 21:00h

+ Favorito

[68] Comentário enviado por azk4n em 19/12/2013 - 05:53h

Excelente artigo, Xerxes!
Um dos melhores sobre Slackware q já vi por aqui....


Parabéns e obrigado pela contribuição!
;-))

[69] Comentário enviado por removido em 23/12/2013 - 16:11h

SUPER Guia! Combinando com aquele do Icavalheiro meu sistema tá ficando show!!! Obrigadão!
Como ficaria a configuração o kernel generic pra o ELILO (com boot UEFI)? Eu tentei fuçar aqui nas configurações mas acabei fazendo besteira e por sorte consegui consertar hahahahahhaha...


####ATUALIZAÇÃO
Depois de muito fuçar e pesquisar, tendo diversas vezes que desfazer a besteira que tinha feito bootando pelo pen drive (risos) encontrei algo que me ajudou a resolver o problema:

Seguindo uma dica de alguém chamado metaschima numa página de documentação do Slackware (http://docs.slackware.com/howtos:slackware_admin:linux_kernel_options_for_uefi_and_elilo obs: não é exatamente o mesmo problema), o que eu fiz foi seguir o script do seu guia e ao invés de configurar o LILO, substituir a imagem do kernel "vmlinuz" pelo kernel-generic no diretório /boot, ou seja:
# cd /boot
# cp vmlinuz-generic-3.10.17 vmlinuz
Bem, o computador iniciou normalmente, e parece que deu certo. Fica a dica pra quem usa UEFI! :)

[70] Comentário enviado por ru4n em 05/01/2014 - 00:32h

Muito bom artigo, Xerxelins!

Eu também retornei a minha "distro mãe" depois de passar meses usando Arch! Agora fico com o Slack até Patrick morrer (rs)!

Mas então, quanto ao acesso ao site de bancos, pelo menos o Itaú não precisa utilizar esse navegador citado no artigo, basta fazer aquele esquema de linkar uma biblioteca do Java na pasta de plugins do Google Chrome e tudo funciona. Faço compras e transferências onlines tranquilamente com o slack. :-)
Quanto aos outros bancos eu não sei, alguém teria que testar...

Abraços!

[71] Comentário enviado por cytron em 09/01/2014 - 13:05h

Uso slack desde a versão 3.1..... (como era terrível kkkkk), A partir do slack 9 ABANDONEI POR COMPLETO o windows. Na verdade mantinha o infeliz no dual boot só pelos seguintes motivos: flight simulator (coitado do fgrun perto deste), smoke, avid, e alguns games.

Isso foi só até os "últimos tempos de agora", pois com o avanço do Wine já consegui rodar muita coisa, e já não trabalho com edição de vídeo, mas ainda mantenho o Shake for Linux (melhor que after) e alguns outros. Tenho também o win rodando em virtualbox só pro caso de algum teste, mas usar sistema mesmo é só slack. Pra ser franco, não uso windows a tanto tempo de algumas operações básicas nele já estou apanhando kkkk.

Já utilizei conectiva (minha primeira distro), redhat, turbolinux, ubuntu (a melhor para usuários) e algumas outras, mas sempre voltei para slack por se adequar "perfeitamente" ao meu "tipo".

Ótimo artigo!

[72] Comentário enviado por JSantosBR em 02/02/2014 - 22:36h

Tentei instalar o flash como descrito no tutorial e ele me retorna com esse erro depois que tentei extrair o arquivo

flashplayer-plugin.tar.gz: Não é possível open: Arquivo ou diretório não encontrado
tar (child): Error is not recoverable: exiting now
tar: Child returned status 2
tar: Error is not recoverable: exiting now

Alguma dica?

[73] Comentário enviado por JSantosBR em 02/02/2014 - 22:48h

Usei o tutorial do http://slackfind.net/

Agora ver se funciona tudo certinho.

[74] Comentário enviado por lcavalheiro em 03/02/2014 - 12:12h


[72] Comentário enviado por JSantosBR em 02/02/2014 - 22:36h:

Tentei instalar o flash como descrito no tutorial e ele me retorna com esse erro depois que tentei extrair o arquivo

flashplayer-plugin.tar.gz: Não é possível open: Arquivo ou diretório não encontrado
tar (child): Error is not recoverable: exiting now
tar: Child returned status 2
tar: Error is not recoverable: exiting now

Alguma dica?


Dica simplíssima: use o SlackBuilds http://slackbuilds.org/repository/14.1/multimedia/flashplayer-plugin/

[75] Comentário enviado por removido em 17/02/2014 - 17:26h

Muito bom,tava com ploblemas para instalar o java,consegui com esse belo tutorial
Parabens,muito bem explicado.

[76] Comentário enviado por maruiopoa em 05/04/2014 - 11:25h

Me servi deste Guia, excelente.
Sobre instalar e usar o Sbotools
http://dawnrazor.net/sbotools/
ou slackbuilds
ou sbopkg -i sbotools
Após - # sbosnap fetch
Depois é correr para o abraço.

[77] Comentário enviado por marbreu em 19/08/2014 - 06:33h

Parabéns pelo artigo, vç desmiuçou o slackware, tive que acompanhar para aprender a trabalhar com salixOS, instalei recentemente em meu desktop, pois testei algumas distros como:DEBIAN 7,BODHI,MINT,OPENSUSE,UBUNTU,MAGEIA,METAMORPHOSE e mais algumas estavam travando após iniciar e outras nem iniciavam.O salixOS kde tá funfando beleza.

Agradecimentos

P.S. configuração de meu desktop: MB PCCHIPS-A15G, PROCESSADOR AMD ATHLON 64 X2 DUAL CORE 3800+ ,MÉMORIA 2GB, HD IDE 150 GB.

[78] Comentário enviado por levoldufeu em 08/10/2014 - 08:23h

Parabéns pelo artigo!
Para quem tem Windows 8/8.1/10/Server e quer testar/instalar o Slackware no Hyper-V e após a instalação está recebendo a mensagem de “Kernel panic – not syncing: VFS: Unable to mout root fs on unkown-block”, disponibilizei no meu blog um passo a passo: http://egoncalves.com.br/slackware/instalando-slackware-linux-14-1no-hyper-v-6-4-rodando-em-windows-...

[79] Comentário enviado por Creto em 26/03/2015 - 11:05h


Olá Xerxes,

Na página 6 desse excelente guia há uma dica sobre o terminal em ~/.bashrc que aocopiar o código daqui, deixa o terminal todo desconfigurado e em uma outra instalação eu consegui ao menos com o ./etc/profile mas aqui na minha máquina não consegui com nenhum dos procedimentos

Abraço,
Creto

[80] Comentário enviado por xerxeslins em 26/03/2015 - 19:24h


[79] Comentário enviado por Creto em 26/03/2015 - 11:05h


Olá Xerxes,

Na página 6 desse excelente guia há uma dica sobre o terminal em ~/.bashrc que aocopiar o código daqui, deixa o terminal todo desconfigurado e em uma outra instalação eu consegui ao menos com o ./etc/profile mas aqui na minha máquina não consegui com nenhum dos procedimentos

Abraço,
Creto


Olá! Obrigado por avisar. Parece que era erro de edição. Aparecia uns "{TEXTO}" onde não deveria aparecer. Modifiquei agora. Não testei, mas deve dar certo agora.

Abraço.

[81] Comentário enviado por Creto em 27/03/2015 - 06:16h


[80] Comentário enviado por xerxeslins em 26/03/2015 - 19:24h


[79] Comentário enviado por Creto em 26/03/2015 - 11:05h


Olá Xerxes,

Na página 6 desse excelente guia há uma dica sobre o terminal em ~/.bashrc que aocopiar o código daqui, deixa o terminal todo desconfigurado e em uma outra instalação eu consegui ao menos com o ./etc/profile mas aqui na minha máquina não consegui com nenhum dos procedimentos

Abraço,
Creto

Olá! Obrigado por avisar. Parece que era erro de edição. Aparecia uns "{TEXTO}" onde não deveria aparecer. Modifiquei agora. Não testei, mas deve dar certo agora.

Abraço.


Por nada xerxerlins! Eu é quem agradeço por você ser tão solicito e como disse anteriormente, nos agraciar com seu conhecimento, feito, testado e tudo ok!

Muito obrigado,
Paulo Corrêa Creto

T+

[82] Comentário enviado por skedar em 17/09/2015 - 14:36h


Bem bacana mesmo seu artigo! parabens...acho que foi um dos mais completos e mais bem explicados que ja lí sobre o slack.

só queria entender uma coisa...na parte de configuração da multilib, o que exatamente é para fazer aqui:

# mount -o loop /caminho/para/imagem32bit.iso ~/slackiso

Como assim caminho da imagem 32? seria necessário utilizar uma .iso do slack 32x e largar ai? oO nunca vi sobre isso para usar a multilib...bastava instalar os pacotes do Alien e usar os comandos para ativação e nada mais...(que eu saiba)

Entao apartir deste comando, o que exatamente está sendo definido ali?

[83] Comentário enviado por lcavalheiro em 17/09/2015 - 14:41h


[82] Comentário enviado por skedar em 17/09/2015 - 14:36h


Bem bacana mesmo seu artigo! parabens...acho que foi um dos mais completos e mais bem explicados que ja lí sobre o slack.

só queria entender uma coisa...na parte de configuração da multilib, o que exatamente é para fazer aqui:

# mount -o loop /caminho/para/imagem32bit.iso ~/slackiso

Como assim caminho da imagem 32? seria necessário utilizar uma .iso do slack 32x e largar ai? oO nunca vi sobre isso para usar a multilib...bastava instalar os pacotes do Alien e usar os comandos para ativação e nada mais...(que eu saiba)

Entao apartir deste comando, o que exatamente está sendo definido ali?


Para usar o multilib não é só isso que você descreveu não. É preciso instalar os compiladores multilib e os pacotes compat32. Na série de comandos apresentados, você converterá diretamente os pacotes 32bits para seus equivalentes compat32. Por isso você usa a .iso do Slack 32bits. Sacou?

[84] Comentário enviado por skedar em 17/09/2015 - 15:05h


[83] Comentário enviado por lcavalheiro em 17/09/2015 - 14:41h


[82] Comentário enviado por skedar em 17/09/2015 - 14:36h


Bem bacana mesmo seu artigo! parabens...acho que foi um dos mais completos e mais bem explicados que ja lí sobre o slack.

só queria entender uma coisa...na parte de configuração da multilib, o que exatamente é para fazer aqui:

# mount -o loop /caminho/para/imagem32bit.iso ~/slackiso

Como assim caminho da imagem 32? seria necessário utilizar uma .iso do slack 32x e largar ai? oO nunca vi sobre isso para usar a multilib...bastava instalar os pacotes do Alien e usar os comandos para ativação e nada mais...(que eu saiba)

Entao apartir deste comando, o que exatamente está sendo definido ali?

Para usar o multilib não é só isso que você descreveu não. É preciso instalar os compiladores multilib e os pacotes compat32. Na série de comandos apresentados, você converterá diretamente os pacotes 32bits para seus equivalentes compat32. Por isso você usa a .iso do Slack 32bits. Sacou?


Mas o Alien ja da os pacotes equivalentes no diretorio man...tanto que tem ate um README la, que basta usar eles para quem nao quer converter as paradas...por isso to perguntando, pq nesse caso ai eu teria que baixar uma ISO 32x e fazer essa extracao da pasta como dito no tutorial certo?

EDIT: http://taper.alienbase.nl/mirrors/people/alien/multilib/14.1/slackware64-compat32/

Veja esta pasta, e olhe o README.

[85] Comentário enviado por manel_ em 07/10/2015 - 20:20h


Muito bom.

[86] Comentário enviado por aldooliveira em 28/01/2016 - 17:09h

Grande artigo Xerxes.

------
www.aldo.ws: Notícias, dicas e tutoriais sobre Gnu/Linux, especialmente sobre a distro Fedora.

[87] Comentário enviado por xerxeslins em 29/01/2016 - 12:58h


[86] Comentário enviado por aldooliveira em 28/01/2016 - 17:09h

Grande artigo Xerxes.

------
www.aldo.ws: Notícias, dicas e tutoriais sobre Gnu/Linux, especialmente sobre a distro Fedora.


Obrigado! Deve ter coisas desatualizadas e meio bagunçadas, mas mesmo assim ainda pode servir. Abraço!

[88] Comentário enviado por Jbaf em 26/03/2016 - 13:00h

Boa tarde,

Ótimo artigo Xerxes!! Me ajudou na instalação do Apache 4.1.2 na data de hoje 26/03/16. Uma única observação que acho que vale observar é que na linha de comando para descompressão do aplicativo, criou-se a pasta pt-BR e não pt_BR. Só isso, mas, nada que a gente não adivinhe (rsrsrsrs).

Abraço!!
Att,
Jbaf 2016
Slackware 14.1 (KDE), Debian 8.3 (MATE)
Computer Associates - " CA-Clipper 5 - A melhor e eterna ferramenta de programação já existente !!"

[89] Comentário enviado por Creto em 11/11/2016 - 22:16h

Olá a todos e olá novamente xerxeslins,

Novamente volto a tocar no script feito em $ nano ~/.bashrc, sim fica tudo ok, com um porém, que o cursor fica abaixo do nome.
Ex:
paulocreto ~ $
|| <<aqui fica o cursor e é de onde começa a aparecer o que é digitado

Eu sou ruim mesmo com scripts que tenham expressões regulares (burro mesmo sem problema) então posto o link da imagem aqui: http://s14.postimg.org/ty8pfzisx/imagem1.png

Grato pelo tutorial Xerxes e Cavalheiro pelo ícone que vocês são aqui para este "burro" usuário


T+
============ Editado =============
Não te disse que sou burraldo, é que no copiar e colar o script a primeira linha dele ficou dividida em duas linhas no .bashrc, consertei e novamente agradeço!

T+ de novo

Uso GNU/Linux sou livre, papa-chibé e açai (mas é açai mesmo aqui do Pará)

[90] Comentário enviado por removido em 01/03/2017 - 15:59h

Eu gosto da filosofia do Slackware.

if it ain’t broken, don’t fix it!

[91] Comentário enviado por kowalskii em 07/06/2017 - 16:10h

Olha, sei que o artigo é meio antigo, mas é segunda vez que leio esse artigo todo, acho que finalmente vou ter coragem de instalar o Slack no meu desktop.
Obrigado por compartilhar essas informações valiosas e bem explicadas.

[92] Comentário enviado por izaias em 07/06/2017 - 17:37h


[91] Comentário enviado por kowalskii em 07/06/2017 - 16:10h

Olha, sei que o artigo é meio antigo, mas é segunda vez que leio esse artigo todo, acho que finalmente vou ter coragem de instalar o Slack no meu desktop.
Obrigado por compartilhar essas informações valiosas e bem explicadas.


Mas nada muda muito, quando se trata da instalação do Slackware.
O Slack é muito tradicional. Pode instalar com as dicas do Xerxes.

Um mais atual e em vídeo: https://www.vivaolinux.com.br/artigo/Vamos-usar-Slack
Vai notar que nada mudou. :)


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor HostGator.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Viva o Android

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts