Linux - Breve introdução, bom para iniciantes

Para o pessoal que está procurando um breve manual inicial sobre Linux. Esse manual é voltado para os iniciantes que pretendem escolher sua distribuição e iniciar no mundo Linux.

[ Hits: 51.721 ]

Por: Geraldo Gustavo Araújo Resende em 30/10/2007 | Blog: http://www.geraldoresende.net23.net


Instalação do sistema Linux Conetiva 8.0



Antes de fazermos qualquer coisa em um sistema Linux, é necessário que tenhamos um sistema Linux. Por isso, começaremos nosso estudo sobre o Linux com a instalação da distribuição Conectiva 8.0. Essa distribuição foi escolhida por diversos motivos, dentre eles o fato de se apresentar em português e já ter sido utilizada nas máquinas que usaremos.

A instalação de um sistema Linux evoluiu significativamente nos últimos tempos. A necessidade que havia de se configurar seu hardware quase que manualmente foi suprida por um sistema gráfico que faz quase todo o trabalho sozinho. Com isso, a instalação do Linux se tornou bastante cômoda, com exceção apenas para máquinas que possuem hardware muito específico.

Iniciando uma instalação

Para inicializar uma instalação você precisa apenas selecionar a mídia com a qual vai fazer esta inicialização. As duas opções mais comuns são o CD-ROM e o disquete. Para qualquer um dos casos será necessária a configuração da BIOS do computador que será utilizado permitindo o boot por CD ou disquete, conforme a escolha anterior. No nosso caso, utilizaremos o CD Conectiva 8.0 disponibilizado a todos os alunos.

Após a inicialização, o Linux disponibilizará um menu com diversos modos de instalação. Utilizaremos o modo expert, pois ele nos permite acompanhar melhor o que está sendo feito durante todo o processo.

Feita a primeira escolha, será aberto um sistema gráfico de instalação. Para começar o processo de acordo com as opções de cada usuário, este deve selecionar várias outras opções. Dentre elas está a língua que se pretende utilizar durante a instalação; o tipo de mouse e de teclado. Assim chegamos à fase de particionamento do disco.

Fazendo o particionamento do disco

Uma decisão crucial que o usuário deve fazer quando da instalação de um sistema Linux é quanto à alocação de espaço em disco onde o sistema residirá. Aqui é necessário introduzir o conceito de partições de disco.

Para que seja possível instalar um sistema operacional (SO) em um computador, é necessário que este tenha, pelo menos, uma partição em seu disco rígido (HD). Apenas um SO pode ser instalado por partição. Assim, se a pretensão é manter dois sistemas operacionais na máquina (Linux e Windows), serão necessárias no mínimo duas partições.

Mas o que fazer se o SO já instalado na máquina estiver ocupando todo o espaço disponível em disco? Será necessário liberar espaço. Isso pode ser feito por meio de programas como o fips ou o PartitionMagic. Esses softwares são capazes de "quebrar" (redimensionar) uma partição existente sem apagar os dados já existentes nela. Partindo do pressuposto de que há espaço disponível em disco, vamos voltar ao processo de instalação.

Nesta fase utilizaremos o Disk Druid, uma ferramenta disponibilizada para facilitar o trabalho do usuário. Na tela do Disk Druid é possível identificar as partições existentes no HD da máquina (nesse momento deve haver apenas uma partição alocada para o Windows), e a área livre (que ainda não foi alocada a nenhuma partição). Esta área livre que utilizaremos para alocar ao nosso sistema Linux.

Criando novas partições

Nesta fase é necessário muito cuidado pois, com algum erro, pode-se apagar toda uma partição existente na máquina.

Foi dito anteriormente que apenas um SO pode ser instalado em uma partição. Porém, a recíproca não é verdadeira. O Linux precisa (é indispensável) de pelo menos duas partições. Uma partição chamada raiz e uma partição de swap.

A área de swap é utilizada pelo SO como memória virtual, isto é, uma extensão da memória RAM em disco rígido. É aconselhado que essa área seja, no mínimo, igual à área de memória RAM e, se possível, que seja o dobro dessa memória. Criaremos uma partição de swap com 256 MB. Outra dica importante para o swap é que, para um desempenho melhor do sistema, é aconselhado que ela fique no início do disco.

A partição raiz é onde residirá todo o sistema operacional. Ela deverá ter espaço suficiente para todo o SO. No nosso caso, utilizaremos uma partição raiz de aproximadamente 5GB. Ao contrário da área de swap, para essa partição é necessário associar um "ponto de montagem" a ela. Por se tratar da partição raiz, seu ponto de montagem será "/".

Um ponto de montagem indica onde, na estrutura de diretórios do sistema, a partição aparecerá. Veremos isso em mais detalhes quando estivermos falando sobre Sistema de Arquivos.

Selecionando pacotes

Com as partições definidas, estamos prontos para instalar realmente o software. Dependendo do desejo do usuário, este momento pode ser considerado o mais trabalhoso de toda a instalação. Isso porque pode-se optar por escolher cada pacote que será instalado no sistema. Para facilitar esta tarefa o Linux disponibiliza vários conjuntos de pacotes pré-selecionados, de acordo com o tipo de sistema que se deseja instalar. Assim, pode-se optar por instalar um Servidor Web, uma Estação para Trabalho Científico, um Servidor de Arquivos dentre outros.

Nós optaremos pela Instalação Personalizada, onde decidiremos quais pacotes deverão ser instalados. Há ainda as opções extremas de instalação mínima, ou instalação completa. Nossa seleção de pacotes ficará limitada à escolha de conjuntos de pacotes, e não de pacotes individuais, visto que isso tornaria o processo bastante demorado e entediante.

Configurando vídeo e rede

Configurando o ambiente gráfico:

Até aqui utilizamos a instalação em ambiente gráfico. Então podemos supor que as configurações para o ambiente gráfico (placa de vídeo e monitor) estão corretas? Ainda não. Não é tão simples assim. Durante a instalação é utilizada uma configuração bastante básica para o ambiente gráfico. Assim, se a intenção é alcançar melhores configurações como mais resolução e mais cores, é necessário configurar corretamente sua placa de vídeo e seu monitor.

A instalação da placa de vídeo é iniciada pelo sistema por meio de uma tentativa de detecção. Se este processo de detecção funcionou corretamente, então, para a placa de vídeo, nos problemas acabaram. Infelizmente isso não ocorre para todas as máquinas na nossa instalação. Com isso, precisaremos selecionar manualmente o tipo de placa de vídeo que nosso computador possui.

Para o monitor ocorre a mesma coisa, a instalação tenta detectar o monitor atualmente em uso. Mas dessa vez a detecção ocorre sem problemas, facilitando o nosso trabalho.

Com o monitor e placa de vídeo selecionados, precisamos escolher qual modo gráfico pretendemos utilizar. Para um modo gráfico deve ser definida a resolução da tela (800x600), e a qualidade da cor (16, 32 milhões de cores) e fazer um teste dessa configuração. Um problema do processo de instalação do Linux pode fazer a máquina travar durante a execução de um teste desse tipo.

Configurando a rede

A premissa para qualquer configuração de rede é fazer com que a placa de rede da máquina esteja funcionando. Aqui, novamente, o processo de instalação tenta identificar a placa de rede presente na máquina - o que não ocorre sem problemas - e disponibiliza um grande conjunto de placas para selecionarmos a que possuímos.

Uma vez que os ajustes da placa estejam determinados, precisaremos indicar como o sistema obterá sua identidade de rede, incluindo endereço IP, servidor de nomes e roteador padrão. No processo instalação, serão disponibilizadas algumas formas de obtenção da configuração da rede, a saber: IP estático; DHCP; e outras. Como a nossa rede não possui um servidor DHCP, utilizaremos um IP estático, isto é, definiremos manualmente nossas informações de rede.

Nesse ponto precisaremos definir, para nossa máquina, um endereço IP, uma máscara de rede, um gateway (roteador) padrão, e um servidor de nomes principal. Ainda fazem parte das informações de rede o nome da máquina (hostname) e o nome de domínio a que ela pertence (domainname).

Configurando o LILO

O LILO (LInux LOader) é o carregador de inicialização do Linux. Para que nosso sistema seja inicializado corretamente, é necessário configurar e instalar o LILO. Ele também possibilita a inicialização de outros SOs, permitindo ao usuário escolher, durante o boot, qual sistema operacional deseja utilizar.

A primeira definição nesse ponto é onde instalar o LILO - na partição Linux ou no MBR (Master Boot Record). Deve-se escolher MBR porque assim será possível utilizar o LILO durante o boot da máquina. Feito isso, precisamos agora definir as características restantes do LILO. Dentre elas estão os rótulos utilizados para cada partição inicializável. Para uma máquina com Linux e Windows instalados é comum termos os rótulos "Linux" e "Windows". Depois é necessário escolher qual sistema "bootável" será inicializado por padrão.

Esta é outra fase crítica do processo de instalação, principalmente se for feita a opção por instalação no MBR. Se for feito algo de forma errada, nenhum sistema operacional poderá ser inicializado!

Veremos também a configuração do LILO a partir do arquivo lilo.conf, onde poderemos definir os parâmetros com mais precisão.

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Histórico
   2. Instalação do sistema Linux Conetiva 8.0
   3. Processo de login
   4. Shell
   5. Sistema de arquivos
   6. Processos
   7. Rede
   8. Utilitários para arquivamento e compressão
   9. Alguns utilitários gráficos
Outros artigos deste autor

Erro no alsamixer após atualização no Ubuntu 7.04

Leitura recomendada

Pesquisa com slocate, locate e updatedb

Big Linux: A opção ideal para iniciantes

Funcionamento de um cluster Linux: Parte II - A revanche

Dpkg, Gnome, kernel, bin, rpm... maravilhoso Linux!

Netcat - Mini introdução para leigos

  
Comentários
[1] Comentário enviado por InFog em 30/10/2007 - 13:07h

Quando esse artigo foi escrito? Acho que está mais para cópia de um antigo artigo do que para algo atual... Mandrake? Conectiva?

InFog

[2] Comentário enviado por danillofa em 30/10/2007 - 13:31h

ja vi isso em algum livro o.0

fica no ar

[3] Comentário enviado por geraldoresende em 30/10/2007 - 13:35h

E ai galera... blz.... esse artigo eh parte de um trabalho na universidade, eh uma breve apostila para alunos do primeiro de um minicurso que eu no 7 período ministrei... eh um resumo feito por mim mediante varios artigos e livros, e no curso foi usado Conectiva, pois foi o sistema que melhor atendia a situaçao.

Espero que gostem.

Atenciosamente Geraldo Resende

[4] Comentário enviado por maran em 31/10/2007 - 00:01h

Bom tudo bem que foi escrito em um trabalho e tal
mais vc fal oque era bom pra iniciantes e bom pra iniciantes mandrake e td mais????

tem que atualizar né...
Mais ta legal ^^

[5] Comentário enviado por vencedorgo em 31/10/2007 - 09:33h

Muito bom !!!
Principalmente para os iniciantes fundamentar sua ideia da maneira correta sobre o linux.

[6] Comentário enviado por slackrichard em 31/10/2007 - 10:01h

precisa ser atualizado a maioria das afirmações ai já não são validas, e sem falar que voce esqueceu de atualizar as distros. Ta faldano o kurumin, o ubunto. a conectiva não existemais nem a mandrake agora é mandriva. Outra coisa a conectiva deixou de ser baseada no redhat a partir da versão 7, onde toda a sua base foi reformulada.
sem falar no sistema de pacotes do slackware, hoje ja existe uma serie de ferramentas para isto tão boas quanto o apt,rpm e afins.

Então da so uma renovada ai e siga sempre assim.

[7] Comentário enviado por cguerra em 31/10/2007 - 16:00h

o cara só deu mancada quando disse que o Slack está sem gerenciador de pacotes...


além de falar da antiga mandrake e conectiva, que se uniram a algum tempo já!


e a distro que ele instalou é um pouco antiginha, Conectiva 8 surgiu em 2001 ou 2002...

além de existir distros mais fáceis para iniciantes, tipo Ubuntu e derivador, Kubuntu, Edubuntu...e o Kurumin!

[8] Comentário enviado por dbahiaz em 31/10/2007 - 16:54h

Geraldo,
Seria um otimo artigo, se não fosse por algumas informações desatualizadas, como ja foi dito, acho que isso pode confundir um pouco os usuarios novos, mais tem muita informação valida, parabéns, só de curiosidade qual distrito vc ta usando atualmente?

[9] Comentário enviado por albfneto em 10/07/2008 - 11:11h

O artigo é de 2007, mas é curioso, pq slackware, debian estão diferentes, agoram muito mais amigáveis...
e Mandrake, acho, não existe mais, é o Mandriva, agora!
Hoje existem vários Linux brasileiros, muitos!
a distro pux ainda existe?


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts