Diferentes distribuições GNU/Linux e diferentes usuários

O principal objetivo para escrever sobre este tema, é discutir e apresentar uma exposição de ideias sobre as diferentes distribuições GNU/Linux presentes no mercado e a preferência de cada usuário. A diversidade de distribuições atrai usuários que, ou se tornam cativos, verdadeiros apaixonados por determinada distro, ou então, por outro grupo que pertencem a uma outra classe, na qual estou incluído, que vivem experimentando diferentes distribuições.

[ Hits: 5.941 ]

Por: Rogério Sousa de Jesus em 24/09/2012


Introdução



O principal objetivo para escrever sobre este tema, é discutir e apresentar uma exposição de ideias sobre as diferentes distribuições GNU/Linux presentes no mercado e a preferência de cada usuário. A diversidade de distribuições atrai usuários que, ou tornam-se cativos, verdadeiros apaixonados por determinada distro, ou então, por outro grupo que pertencem a uma outra classe, na qual estou incluído, que vivem experimentando as diferentes distribuições.

Como estudante da área tecnológica, e mero aprendiz em programação, estou sempre testando coisas, fazendo experimentos, e admito que desinstalo e reinstalo muitas vezes, um velho PC que tenho e que é destinado a experiências.

Não podemos também desprezar o fato da existência de hardware antigo. Para estes casos, penso que o melhor é utilizar uma distro bem leve.

Posso citar o exemplo de um velho notebook de parentes, que já está meio ultrapassado para rodar Windows, ou algumas distros mais parrudas, e a solução foi optar entre um Windows XP defasado e sem suporte, ou um Slackware 13.37, e a escolha foi a segunda opção.

Considerando que a máquina, por suas limitações naturais, não funcionaria para jogos, mesmo na plataforma Windows XP, então o Slackware foi a escolha mais acertada. Leve, de inicialização rápida e já com um bom pacote de aplicativos, que atendeu plenamente a seu proprietário.

E é justamente este o ponto de vista que pretendo debater, e tenho certeza que haverá uma legião de defensores das ideias expostas, como também, uma enormidade de outros usuários de GNU/Linux que vão discordar e fundamentar suas ideias.

Tenho a visão de que uma máquina é uma ferramenta à disposição, e que sua utilização pode ser definida a partir do perfil do usuário que vai operar no dia a dia.

Partindo desta premissa, discordo daqueles que se vangloriam de usar simplesmente uma distribuição, por considerar que é "mais difícil" ou "mais complexa"...

Cada utilizador tem um perfil diferente. Existe quem queira uma máquina para enviar e receber e-mails, acessar redes sociais, e leitura diversa na Internet; para esta classe de usuários, pouco importa qual a distro ou qual a versão do Windows presente.

Admito que a grande maioria daqueles que se enquadram neste perfil, utilizam ou utilizaram o MS Windows, porque era o sistema operacional que conheceram e o único que tiveram acesso. Chega a ser engraçado, mas 9 de cada 10 usuários, para os quais eu preste qualquer serviço, fica satisfeito com o GNU/Linux.

Aí nessa hora, aparece o preconceito por parte de alguns usuários com maior vivência e utilização em GNU/Linux. Quando um usuário novato precisa instalar ou descobrir algo, naturalmente como todas as pessoas, recorrem primeiro ao sistema de buscas na Internet e acabam chegando a um dos muitos fóruns e sites que tratam do universo GNU/Linux.

Definindo o usuário

A recepção é boa, os usuários são bastante prestativos e raramente recebo um telefonema pedindo orientação, o pessoal depois de apresentado ao mundo GNU/Linux, fica feliz... Este é um ponto positivo.

Quando o grupo de usuários muda de perfil, ou tem incluído nos utilizadores da máquina alguém jovem e que gosta de Games, o GNU/Linux, infelizmente, perde terreno porque os grandes desenvolvedores de games ainda constroem a maioria de suas plataformas para o sistema da Microsoft.

Quando me deparo com tal situação, não insisto, porque ainda o GNU/Linux está evoluindo e ganhando alguns títulos, porém poucos, frente aos disponibilizados para o MS Windows.

Estes são exemplos do universo de pessoas que podem utilizar o GNU/Linux.

A ponto, como principais fatores de desmotivação destes usuários:
  • Desconhecimento → Existe um mito de que GNU/Linux é voltado para programadores, usuários avançados e desenvolvedores.
  • Medo da shell → Engraçado, verifiquei que usuários idosos que sabem programar em Basic, COBOL e do tempo do DOS, saem-se muito bem, e depois de ler o guia Linux, se familiarizam facilmente.
  • Medo → Não saber instalar novos pacotes, ou não poder contar com alguma facilidade presente no S.O. da Microsoft. Dentre outras.

Neste momento, quando analisamos por este ponto de vista, é preciso admitir que, principalmente o Ubuntu, tem servido para disseminar a cultura do GNU/Linux e abarcar novos utilizadores.

As facilidades e comodidades do sistema da Canonical, que raramente requer uso de Shell, salvo para usuários mais maduros que preferem a agilidade que se consegue com comandos, tanto para organizar arquivos, compilar, baixar atualizações, etc. Mas, o ambiente gráfico, para realizar tais tarefas, facilita a vida de quem ficou tanto tempo utilizando MS Windows.

Outro ponto favorável do GNU/Linux, é a ausência de vírus que tanto assombra usuários comuns.

Agora, algo que chega a irritar, é a visão, um pouco xiita, de usuários que alegam que sua distribuição é para poucos, caso de uma meia dúzia que utiliza Gentoo ou Slackware.

Conclusão

Particularmente, nunca achei nenhuma destas distros, ou qualquer outra similar, tão complicadas assim, inclusive o Slackware, é na minha opinião, uma distribuição muito boa, e hoje praticamente já traz praticamente todos os drivers na instalação.

Depois do Slackware 11, verifiquei que acabou essa coisa que o povo tanto fala de "instalar na unha", aliás, nunca entendi muito bem o que significa isso, simplesmente porque é uma distro leve e que serve muito bem para ser utilizada em servidores, desprezando, para esta finalidade, a parte gráfica.

Pelo menos, não lembro de ter visto algum servidor com a parte gráfica instalada. E isso não é fazer coisas na unha, é simples resultado de conhecer GNU/Linux e a boa vontade de pesquisar na Internet.

Arrisco dizer, que um usuário leigo em GNU/Linux, porém, que seja atento, voltado para leitura, paciente e que saiba pesquisar na Internet, consegue sozinho configurar e ajustar um sistema GNU/Linux, mesmo sem ambiente gráfico... Basta ler, entender e executar.

Minha opinião pessoal: "não existe GNU/Linux difícil".

Existem diferentes metodologias, ou maneiras de se lidar com as coisas e para cada forma, existem diferentes apreciadores, ou pessoas, que conseguem racionalizar de uma forma e pronto, ficam felizes e não buscam aprender outros caminhos.

Também existem aqueles que conhecem todas as formas e utilizam uma de sua maior preferência...

Numa comparação de bebedor, diria que GNU/Linux é comparável a cerveja, e como diz o velho bordão popular: "gelada bebemos todas", daí as particularidades ficam por conta da preferência, do item de hardware em questão e até da aplicação destino do equipamento, tudo isso serve para definir qual distribuição será responsável por qual tarefa.

E não podemos também desprezar o S.O. Windows, este tem seu papel na história, tem suas facilidades e sua importância.

E para finalizar o assunto, todo e qualquer sistema operacional está sujeito a falhas, a apresentar defeitos de rotina ou inesperados, qualquer sistema pode simplesmente deixar de funcionar, seja por falha humana ou por qualquer coisa corrompida, mesmo sem contribuição do utilizador

O importante é valorizar o Software Livre, contribuir para sua disseminação, participar de fóruns, ajudar sem menosprezar os novos usuários e manter este ambiente amigável e sempre com respeito.

Um abraço a todos. :)

   

Páginas do artigo
   1. Introdução
Outros artigos deste autor

Teste de distribuições GNU/Linux em pendrive

Leitura recomendada

Karl Marx e a concorrência individual no Viva o Linux

Ansible, Puppet e Chef

Resumo do VOL DAY I

Direitos do autor - e como a MS finge tê-los

Conhecimento x Soberba

  
Comentários
[1] Comentário enviado por manuchelo em 24/09/2012 - 15:33h

"discordo daqueles que se vangloriam de usar simplesmente uma distribuição, por considerar que é "mais difícil" ou "mais complexa"... "
Nunca vi isso.

O que sinto é que os verdadeiros slackers usam o Slackware exatamente pelo contrário, por considerar "mais fácil" e "menos complexa"

[2] Comentário enviado por wes300 em 24/09/2012 - 17:56h

E mesmo que existisse distribuição difícil o leque de escolhas é gigantesco, podendo o usuário buscar uma distro mais fácil um ponto curioso é que a maioria que passa a usar o linux cedo ou tarde tentará fazer uma atualização via linha de comando, depois instalar algo pelo terminal e quando se dar conta estará usando o click apenas para não perder totalmente o costume

[3] Comentário enviado por g9r3 em 25/09/2012 - 11:09h

Pra mim não existe distribuição difícil ou fácil e sim distribuições diferentes
que requerem um prévio conhecimento para sua instalação/utilização.

E cada usuário escolhe a que mais lhe atende ou escolhe qualquer outra e faz-lhe atender.

Na maioria das vezes as pessoas esquecem que para adquirir aquele conhecimento
foi preciso de que ALGUÉM LHE ENSINASSE, seja por meio de manuais, artigos, videos
ou qualquer outro meio.

Leu a documentação? Pois é, ALGUÉM ESCREVEU.

Fuçou até entender? Aprendeu a fuçar com quem?!

Conhecimento é algo para se buscar e não se gabar.



[4] Comentário enviado por removido em 25/09/2012 - 11:31h


[1] Comentário enviado por manuchelo em 24/09/2012 - 15:33h:
O que sinto é que os verdadeiros slackers usam o Slackware exatamente pelo contrário, por considerar "mais fácil" e "menos complexa"


Disse muito!!!

[5] Comentário enviado por albfneto em 25/09/2012 - 13:52h

Onde eu discordo um pouco de você. Nâo acho que nos dias atuais existam muitos linuxers que se gabem de que sua distro é para poucos, exceto Gentoístas.
Na realidade, "para poucos", era Debian antigo, Arch, Slackware agora quase nenhum Linux é para poucos.

Slackware já não é preciso compilar tudo e nem ser um genio nerd para instalar. Arch tb não.

Na realidade existem alguns "dinos", que estão até tristes um pouco com isso, já veem muita gente usando slackware. Já não é para meia duzia de gatos pingados!

quando a mais de 13 anos ví linux pela primeira vez, nada montava automático, nem um drive cd-ROM.Isso Debian, pq Slackware? Nem instalar conseguí!

Naquela época longinqua, era para poucos sim... era para quem podia, não para quem queria" srsrrsrs

Somente o Gentoo e distros relacionadas: Funtoo, Exherbo, é que são um pouco mais complicadas pq são totalmente manuais, totalmente no Braço. Mas o mais trabalhosas e demoradas do que difíceis.

[6] Comentário enviado por pharaohgt em 03/10/2012 - 17:18h

Realmente GNU É coisa de BOSS

[7] Comentário enviado por meinhardt_jgbr em 22/11/2012 - 00:07h

Acho que iria um pouco mais longe. Acredito que seja uma questão de necessidade. Quem tem tempo, não só pode como deve seguir experimentando e trocando de distro. Sempre vai estar disponível alguma nova que merece uma experiencia. Quem tem o tempo limitado, fatalmente vai ter que fazer algumas escolhas.
Em função de carga extra de trabalho, não tenho conseguido nem visitar o VOL com a frequencia e regularidade que gostaria, nem tampouco os fóruns do aptosid, Debian e Mint.
As mesmas 3 distros que havia instalado ha um ano atras neste Notebook, ainda estão no mesmo lugar e não tive a oportunidade de testar outras.
Além da distro ancora (Debian), com a qual realizo todo o meu trabalho, uso de vez em quando as outras duas (Mint LMDE e aptosid), principalmente para manter atualizadas e para desenferrujar. Mesmo concentrando os arquivos de trabalho em partição /home separada, a quantidade de trabalho não permite ficar usando uma das três distros de vez em quando, sob pena de esquecer a localização de algum arquivo importante. Com isto fico direto no Debian.
Quando tinha mais tempo livre disponível, conseguia perfeitamente usar de forma regular as três distros, o que definitivamente é uma grande satisfação. Bem, se não instalo ou re-instalo nenhuma distro nova nos últimos 12 meses, muito menos ainda usei o XP que tenho também instalado neste NoBo.
Definitivamente já não se fazem mais distros difíceis como antigamente. Para precisar fazer "na unha" mesmo, apenas existem alguns itens de hardware que insistem em causar problemas obrigando alguma pesquisa. As distros atuais estão definitivamente incríveis, acessíveis a qualquer usuário que saiba e queira ler e principalmente não seja preconceituoso.

Gostei do seu artigo. Siga em frente.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts