Deixando o Fluxbox com a sua cara

Neste artigo uso um apanhando de informações que peguei na web referentes à edição do Fluxbox, um gerenciador de janelas muito leve e que a primeira vista parece ser um gerenciador extremamente limitado, mas que com calma, pode ser personalizado como poucos. Deixa sua memória RAM disponível para as suas aplicações usando o Fluxbox.

[ Hits: 81.932 ]

Por: Julio Cesar Campos em 29/01/2005


Editando os arquivos de configuração



Como medida de segurança, sugiro que uma cópia dos arquivos originais seja feita antes de começarmos as modificações.

Vamos começar pelo menu do Fluxbox, que é o que realmente "assusta" alguns novos usuários.

Abra para edição o arquivo menu e repare que o funcionamento geral dele procede da seguinte forma:

[ação] (rótulo) {comando}

por exemplo:

[exec] (xterm personalizado) {xterm -ls -bg black -fg white}

Onde:
  • "exec" quer dizer literalmente "execução";
  • "xterm personalizado" é o que vai aparecer no menu para o usuário;
  • e "xterm -ls -bg black -fg white" será a linha de comando executada quando o usuário clicar na opção do menu.

Repare que dentro das {} você poder incluir diversos parâmetros para o comando, podendo executar praticamente qualquer linha de comando.

Além da opção exec, usaremos também a opção "submenu", como no exemplo abaixo:

[submenu] (Rede)
[exec] (Mozilla) {mozilla}
[exec] (xchat) {xchat}
[exec] (gaim) {gaim}
[end]

Repare que neste caso a opção "submenu" cria um submenu chamado "Rede" que contém as opções: Mozilla, xchat e gaim para execução.

Detalhe, toda vez que um "submenu" for aberto, ele precisa ser fechado com a opção "end" como mostrado no exemplo acima, senão tudo o que houver abaixo da opção submenu ficará dentro do menu "Rede" neste nosso caso.

Agora vamos para a configuração das bordas, do relógio, da barra de tarefas e de mais alguns detalhe do Fluxbox.

Abra para a edição do arquivo init e vamos ver a seguir como ele funciona.

session;screen0.função: parâmetro

por exemplo:

session.screen0.toolbar.placement: BottomCenter

Ou seja:
  • "toolbar.placement" refere-se ao posicionamento da barra de tarefas;
  • "BottomCenter" indica que ela deve ficar "abaixo e centralizada".

Para deixar a sua barra de tarefas do tamanho total da tela, basta você modificar a linha:

session.screen0.toolbar.widhtPercent: 66

Onde 66 quer dizer "66%" da tela, para 100 ou seja "100%" da tela.

Existem diversos outros atributos para você ir dando uma modificada e testando o resultado, as opções que eu modifiquei foram:
  • slit - barra onde ficam os "dockapps" que são os aplicativos que executam diversas funções, como monitoramento de disco, conexão e diversas outras coisas;
  • tab - refere-se a "aba" que fica em cima da janela do aplicativo (eu particularmente desligo as abas incluindo o parâmetro "false" na linha session.tabs: true);
  • workspace - refere-se as áreas de trabalho, em "session.screen0.workspaces: 4" você pode modificar o 4 para a quantidade de áreas de trabalho que quer utilizar, no meu caso deixei apenas duas e alterei seus nomes para "Principal e Secundário" na linha "session.screen0.worspaceNames: 1,2,3,4," mudando os números 1 e 2 por Principal e Secundário respectivamente.

Existem mais algumas porções de opções que eu não consegui "notar" diferenças ao alterar os valores.

Agora a parte mais chata e detalhista da brincadeira toda, a modificação das cores, dos degradês e das fontes do nosso tema personalizado.

Nos arquivos que ficarão dentro da pasta .fluxbox/styles/ você encontrará as linhas que estarão no geral neste padrão abaixo.

toolbar.button:                 Flat Gradient Vertical

Objeto a ser modificado com os atributos "Flat Gradient Vertical", que faz um efeito degradê no sentido vertical.
toolbar.button.color:           rgb:77/88/99

Aqui é mencionada a primeira cor que dará origem ao início do degradê.
toolbar.button.colorTo:         rgb:33/44/55

Aqui é mencionada a segunda cor que dará o final do degradê.
toolbar.button.picColor:        rgb:FF/FF/FF

Neste caso a opção aparece como "picColor", de picture color, repare que aqui estamos falado dos "triângulos" que ficam nos botões da barra de tarefas.

O esquema de cores está sendo tratado da seguinte forma: a quantidade de "vermelho", "amarelo" e "azul", mas também pode ser usado como em código HTML (valor hexadecimal), #ffffff para branco, #000000 para preto e por aí vai.

Reparem no decorrer do arquivo que não haverá mudanças nesta "lógica", veja a seguir:

! --- Menu ---
menu.title:             Flat
menu.title.justify:     Left
menu.title.font:        snap-14
menu.frame:             Sunken Gradient Elliptic
menu.frame.color:       #d1d4e1

Aqui já notamos duas novas opções de personalização:
  • Na linha "menu.title.justify" temos a opção "Left", ou seja, alinhar o título do menu à esquerda e por aí vai com as opções "Left, Right, Center, BottomLeft, BottomRight, BottomCenter, TopLeft, TopRight e TopCenter". Estes padrões de alinhamento servem para toda a configuração do Fluxbox e não só para o "styles".
  • Na linha "menu.title.font" notamos a chamada de uma "fonte" chamada "snap" seguida de "-" e o tamanho da fonte "14".

No local de Snap você pode colocar a fonte que você tiver instalada, por exemplo, Lucida, Helvetica, Arial, Tahoma, etc, e o tamanho da fonte aceita a numeração de 8 à 16.

Com isso já dá pra experimentar diferentes colorações, degradês, tamanhos de fontes e fontes.

Agora o que eu acho que é fundamental para dar a "nossa cara" ao desktop, o papel de parede...

Basta adicionar esta linha ao final do arquivo de style que você estiver editando:

rootCommand:    bsetbg -full /home/julio/papeis/WhiteMagic_1024.jpg

Onde o comando "bsetbg -full" vai setar o plano de fundo com o arquivo "/home/julio/WhiteMagic_1024.jpg".

Esta é a parte mais fácil do artigo... HaHaHa

Uma grande sacada é você baixar temas já prontos e fazer apenas modificações nas cores e nas fontes, para deixar do jeito que você quer. ;)

Página anterior     Próxima página

Páginas do artigo
   1. Com o Gnome e/ou KDE rodando, porque usar o Fluxbox?
   2. Baixando os arquivos
   3. Conhecendo os arquivos e sua localização
   4. Editando os arquivos de configuração
   5. Colocando mais uns brinquedinhos e concluindo o artigo
Outros artigos deste autor

Uma breve descrição do termo "Hacker"

Servidor VoIP com Slackware e Asterisk

Elastix - Identificação de chamadas pelo nome do chamador

Linux com cara de Windows para atrair novos usuários

Leitura recomendada

Slackware com HD SCSI

Moodle no Debian

Ubuntu Lucid Lynx - Instalação mínima (mini-iso) de 13MB

Incrementando o visual do KDE 4

Configuração de Serviços

  
Comentários
[1] Comentário enviado por adelsouza em 30/01/2005 - 17:22h

Adelsouza usa KURUMIN 4.0

Pra ficar perfeito, só faltou lembrar que os chamados WindowManagers leves, como o Fluxbox, IceWM, Blanes, entre outros, são instrumentos de sobrevida para aqueles PCs antigos que todo mundo acha que não servem para mais nada. Todos nós sabemos que a dupla KDE e Gnome são extremamente exigentes com a memória, e os micros "vovôs" acabam ficando de fora. Já com o Fluxbox e os outros WM leves, o linux pode mostrar seu potencial reutilizando os velhos combatentes. Belíssimo artigo, com certeza vou visitar o velho flux e tirar a poeira dele.
Abraços

Adelsouza

[2] Comentário enviado por removido em 30/01/2005 - 20:05h

Não concordo com o adelsouza...
Tenho um duron 1.8, 384MB ram e uso o fluxbox para poder ter o RAM utilizada para outros fins "mais nobres"...
Vc pode querer um micro atualcom uma interface nota 10 como o fluxbox sem a gordurada toda do gnome ou kde, por exemplo! ;-))

Excelente artigo!!!!!!!!!

[3] Comentário enviado por removido em 30/01/2005 - 20:59h

Resumindo, um mundo livre é feito de possibilidade de escolha!
Eu uso Flux devido ao fato de poder configurá-lo de uma forma totalmente "futurística" e impressionante para aqueles colegas que vêm te visitar em casa ahahahah e principalmente pelo fato da leveza. A nível de observação, conheci um "administrador de redes" que usava um servidor conectiva segurando 200 estações remotamente num tráfego e consumo de recursos extremamente pesado e rodava kde no bichinho, enfim um grande desperdício de hardware caro por uma simples falta de flexibilidade!!! Sei lá, hj eu tow sem palavras pra embromar ahahah! O artigo ficou muito bom brother!!! Abram a cabeça para coisas novas e viva os WMs!!

[4] Comentário enviado por mmaximo em 30/01/2005 - 21:25h

Muito bom seu texto! Uso o fluxbox e posso dizer o qto ele alivia a vida de um micro, so mais duas dicas:

pra quem nao larga dos icones no desktop, tem o fbDesk, que pode ser baixado da propria pagina do Fluxbox.
http://www.fluxbox.org/fbdesk/

e o MenuMaker, que é um script em Python que vasculha o HD em busca de programas graficos e gera menus pra varios WMs, inclusive o Fluxbox
http://menumaker.sourceforge.net/

de novo, parabéns pelo artigo!

[5] Comentário enviado por juliomortandela em 31/01/2005 - 10:12h

Adelsouza, na verdade eu ja escrevi sobre a "ressurreição" de máquinas "boas", mas que são consideradas "ultrapassadas" por causa do consumo excessivo de recurso de hardware atual.

Dá uma olhada neste artigo

http://www.vivaolinux.com.br/artigos/verArtigo.php?codigo=1563

E neste Screenshots

http://www.vivaolinux.com.br/screenshots/userview.php?login=juliomortandela

;)

Um abraço,

Julio Cesar Campos

[6] Comentário enviado por Grobsch em 31/01/2005 - 13:30h

Legal o artigo Júlio... Tenho traalhado na próxima edição do GoblinX e irei incluir o Fluxbox, claro, trabalhado para ter aquele jeito diferente da distro...
Gostaria de mencionar o Idesk, bem legal para incluir ícones no Fluxbox...
Também deixo uma dica quente para o menu:

Vc pode incluir diversos comandos em uma mesma linha, veja o exemplo abaixo:

[exec] (Floppy Disk) {mount /mnt/floppy 2|xffm /mnt/floppy}...

Veja na linha acima... ele irá montar o disquete e abrir o xffm já no diretório montado... Para incluir os comandos e só colocar 2| e assim em diante, 3|, 4| como uma ordem de execução...

Abs

[7] Comentário enviado por streetlinux em 31/01/2005 - 16:35h

Realmente, o Fluxbox é um excelente gerenciador de janelas. Uso ele aqu no meu Debian sem problemas.

Falo!

[8] Comentário enviado por removido em 31/01/2005 - 19:53h

só esqueceu de um detalhe : o fluxbox 0.1.xx é obsoleto ....
o atual fluxbox 0.9.12 , chamado de flubox-devel é superior ... e
já é considerado substituto da versão 0.1.xx ...
vejam o meu texto sobre o fluxbox-devel :
http://www.vivaolinux.com.br/artigos/verArtigo.php?codigo=1696

:0)

[9] Comentário enviado por juliomortandela em 01/02/2005 - 11:23h

Megatron? tu não morreu num episódio dos transformers? ahehehea

Entaum cara, eu escrevi este artigo baseado na versão do Fluxbox current do Slackware 10.0 que é a distro que eu uso, e acho que é que vem na maioria das distros...

De qualquer forma, darei uma olhada no teu artigo ;)

Um abraço,

Julio Cesar Campos

[10] Comentário enviado por removido em 01/02/2005 - 11:44h

morri nada ... tô mais vivo que nunca ....
:0)

[11] Comentário enviado por Tyan em 01/02/2005 - 19:43h

Utilizar outros gerenciadores de janelas mais leves é ótimo para diminuir o consumo de memória RAM, mas seria quase perfeito se os gerenciadores mais pesados tivessem recursos de otimização para torna-los um pouco mais leves. OPA! Mais um progeto pode estar nascendo...

[12] Comentário enviado por macguyver em 01/02/2005 - 19:56h

e o que o batman faz quando sai do bat-móvel?

bat-a-porta

[13] Comentário enviado por removido em 06/02/2005 - 23:03h

poxa.......muito legal o artigo. eu tenho um p4, 512DDR, sempre utilizei o modo texto e QUANDO eu iaa pro X, usava oICEWM, pois jurava de pes juntos que era a interface grafica MENOS cheia de frecurada. tirei o fluxbox do bau e descobri que nao sabia nada de interface grafica, xP.
muito legal esse WM que nao conhecia.

[14] Comentário enviado por peparocha em 24/12/2006 - 14:10h

O artigo está perfeito, mas, só tem uma coisinha que me assusta, uma vez que usamos Linux, o Tux é um pinguim e o Bat-man é inimigo do pinguim..... rs.....
Só pra descontrair......

Parabéns Júlio, seu artigo tá + que 10.......

[15] Comentário enviado por asdfool em 26/03/2007 - 00:58h

seguinte, gostei muito do artigo, valeu kra!

mas tenho uma dúvida: tem alguma forma de eu poder escolher qual wm quero que incie? tipo, comecei no linux com o kurumin 2.1 e nele tinha a opcao de escolher qual gerenciador logo após o login... tu tem alguma alternativa?

[16] Comentário enviado por cicero2007 em 28/09/2007 - 01:38h

boa noite amigo,gostaria de saber como faço para colocar aqueles icones grandes no meu desktop,a distribuição que eu uso é o suse 10.2,qual o nome do programa que faz isso é o fluxbox ????? agradeço a ajuda !!!!!

muito obrigado !!!

[17] Comentário enviado por MrFox em 26/11/2007 - 18:44h

Eu estava precisando de apenas mais um motivo (depois da translucência) para usar mais o Fluxbox e esse artigo e comentários foram mais que o suficiente.
Valeu galera!

[18] Comentário enviado por guilhermenetto em 15/03/2008 - 18:23h

curti muito o fluxbox, mais ainda pela leveza... instalei o debian com o gnome, mas o gnome pega uma memória lascada, de fato fluxbox deixa mais leve, mais rápido, pra pcs mais antigos é mais do q recomendável. mas enfim...quero mesmo saber como coloco papel de parede e ícone na área de trabalho do fluxbox. grande abraço a todos.

[19] Comentário enviado por femars em 27/06/2008 - 18:20h

mto bom o artigo... mas, ainda naum consigo retirar aquela abinha maledeta das janelas... tentei a sua dica
"tab - refere-se a "aba" que fica em cima da janela do aplicativo (eu particularmente desligo as abas incluindo o parâmetro "false" na linha session.tabs: true); "

mas no meu slack (12.0) naum tem essa linha, e tentei cria-la mas tb naum dei certo... alguma outra dica?

vlw...

guilermenetto,
para add um fundo eh soh procura a linha:
session.screen0.rootCommand:
e add no final dela, Esetroot - ~/.fluxbox/background/nomedaimagem.jpg

[20] Comentário enviado por Lisandro em 15/07/2009 - 08:03h

Agora a versão do Fluxbox é a 1.0 está melhor ainda.

[21] Comentário enviado por martin_riggs em 28/10/2010 - 13:03h

Primeiro parabéns pelo artigo.

Gostaria de aproveitar e perguntar se, tendo o Ubuntu 10.10 já com o GNOME e instalando o FluxBox, iniciando o Ubuntu com o FluxBox o consumo de memória e processador seria o mesmo se só tivesse o FluxBox, ou pelo menos muito menos do que com o uso do GNOME?

E outra coisa, com o FluxBox posso utilizar normalmente aplicações como o Chrome, Firefox, Xmms, Vmware, entre outros? Ou teria que realizar configurações adicionais, ou até mesmo deixar o Gnome instalado por segurança.

Obrigado!!!


Contribuir com comentário