CentOS e LVM

cvs

Nesse breve artigo vamos abordar a configuração de um LVM no CentOS, de forma simples e rápida.

[ Hits: 62.558 ]

Por: Thiago Alves em 26/05/2010 | Blog: http://www.seeufosseopresidente.com.br


Introdução



Como sempre, vamos aqui citar algumas definições.

CentOS é uma distribuição Linux de classe Enterprise derivada de códigos fonte gratuitamente distribuídos pela Red Hat Enterprise Linux e mantida pelo CentOS Project.

A numeração das versões é baseada na numeração do Red Hat Enterprise Linux. Por exemplo, o CentOS 4 é baseado no Red Hat Enterprise Linux 4. A diferença básica entre um e outro é o fornecimento de suporte pago na aquisição de um Red Hat Enterprise Linux. Funcionalmente, pode-se considerar os sistemas clones.

CentOS proporciona um grande acesso aos softwares padrão da indústria, incluindo total compatibilidade com os pacotes de softwares preparados especificamente para os sistemas da Red Hat Enterprise Linux. Isso lhe dá o mesmo nível de segurança e suporte, através de updates, que outras soluções Linux Enterprise, porém sem custo.

Suporta tanto ambientes de servidores para aplicações de missão crítica quanto ambientes de estações de trabalho e ainda possui uma versão Live CD.

CentOS possui numerosas vantagens, incluindo: uma comunidade ativa e crescente, um rápido desenvolvimento e teste de pacotes, uma extensa rede para downloads, desenvolvedores acessíveis, múltiplos canais de suporte incluindo suporte em português e suporte comercial através de parceiros.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Centos

LVM é um acrônimo para a expressão inglesa Logical Volume Management para designar um padrão de gerenciamento de partições em disco IDE/SCSI/FC. Foi desenvolvido inicialmente pela IBM, seguindo-se outras empresa e instituições, como HP e a Open Group.

Ao contrário do método tradicional de particionamento, a implementação LVM cria um grande disco virtual, que pode inclusive ter mais de um dispositivo de armazenamento, e divide em partições virtuais. A grande vantagem é permitir o redimensionamento das áreas de modo dinâmico, ou seja, com o sistema operacional sendo utilizado.

A grande desvantagem é que por ser um único disco virtual, a recuperação de dados em uma eventual pane no sistema de armazenamento é bastante prejudicada.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lvm

Agora vamos ao trabalho!

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Introdução
   2. Instalações
   3. Configurando o LVM
   4. Conclusão
Outros artigos deste autor

OpenBSD IDS - Solução Snort e BASE

Instalação e configuração do Gkrellm

Tornando seu Apache mais seguro com o ModSecurity

Ubuntu + Zoneminder = Solução Livre para CFTV

Kernel 2.6 hacks

Leitura recomendada

Gerenciando quotas de disco

Cotas de Disco

Gerenciando o HD com o fdisk

Sistema de identificação em rede (NIS)

Checando seu sistema de arquivos com fsck

  
Comentários
[1] Comentário enviado por halleybr em 26/05/2010 - 16:04h

fala amigo parabens pelo tutorial.... mas seguinte, tipo se um dos hds queimarem? ai quando reiniciar o centos da problema pq o hd queimou e ai??? da kernel panic pq ele nao acha a particao e tal... sempre tive essa duvida e nunca tive onde perguntar.... abraços amigo

[2] Comentário enviado por cvs em 26/05/2010 - 16:15h

halleybr,

Ao meu ver, no caso do LVM, se der pau em um dos HDs que estão fazendo parte do volume, só lamento, acredito que perde tudo. Pois ele junto os hds como se fosse um só. As vezes, com sorte, você consegue remover esse hd do volume e ainda sobrar algo do sistema nos depois hds que ficaram, mas isso é só especulação.

Pra ter algo seguro, no caso de um hd falhar e vc não perder o sistema, então lhe recomendo usar a tecnologia RAID.

Nesse caso em especifico é interessante usar LVM pra trabalhar com arquivos. Uma forma de storage, vc mantem um "compartilhamento" com os seus arquivos e a medida que vai necessitando de mais espaço você coloca um novo hd e adiciona ele ao volume e dessa forma não tem necessida de ficar formatando hd e trocando os arquivos pro HD maior. O trabalho é menor e fica um pouco mais pratico. Quanto a instalar o sistema operacional nos volumes do LVM, eu não recomendo. Mas isso é opinião minha, cada um faz o que acha melhor né.

[3] Comentário enviado por halleybr em 26/05/2010 - 16:59h

entendi amigo... vou montar um raid5 aqui... compramos uma mobo q faz raid5 por software... da intel... minha duvida q nunca achei tb é q tipo no raid5 ele motado ja... se eu precisar botar mais 1 HD nesse raid ele refaz o rebuild???? consigo acrescentar esse hd?

abraços amigo vc manda bem

[4] Comentário enviado por antonio_claudio em 30/05/2010 - 13:25h

Cara, eu não recomendo usar LVM, usava no Fedora 6, a HD deu pau, tinha 4 anos dados,
fiquei na mão, ainda bem que tinha um backup de 6 meses atraz.
Apesar de LVM estar na certificação LPI 2, so da dor de cabeca quando tem que fazer manutenção.
Hoje ainda uso fedora, mas sem LVM, personalizo minhas partições, se depender de mim e muitos outros, LVM, to fora

[5] Comentário enviado por removido em 30/05/2010 - 15:33h

Aí está um método de instalação que gosto muito (o NetInstall), há muito tempo que não uso uma distro RPM-like (exceto o Fedora Constantine), face ao excelente artigo em breve irei testar esse CentOS, parabéns e obrigado pela contribuição!

[6] Comentário enviado por Carlos Domingues em 21/01/2016 - 11:38h

No meu caso, os discos com a LVM montada veio de um servidor que deu problemas.
Verifico e está tudo montado. Refiz os caminhos que estava no servidor anterior.
Minha pergunta é. Não consigo visualizar o conteúdo mais? Tenho que formatar as LVMs existentes ou excluir a atual se quiser cadastrar uma nova? Embora sem muita relevância, não queria perder os dados.


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor RedeHost.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Artigos

Dicas

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts