Basic Linux: Como instalar no HD

Tutorial sobre a instalação do Basic Linux em máquinas antigas e/ou modestas, do tipo "486 DX-alguma-coisa" com um monitor colorido, resolução de 800x600, entrelaçado, e que tenha apenas 16MB de memória. Ah, e um HD Seagate de apenas 131MB. Teclado-padrão, mouse serial e um drive de disquetes, ou qualquer arranjo semelhante. Quer mais modesto que isso?

[ Hits: 23.129 ]

Por: Sergio Teixeira - Linux User # 499126 em 07/01/2009


Primeiras considerações



É muito fácil instalar o Basic Linux no HD, embora isso não seja lá muito intuitivo. Não existe a comodidade de um instalador em modo gráfico, e portanto a maior parte de nossos procedimentos será via console.

A GNU/Linux requer um certo tipo de conhecimento que geralmente inexiste ou é falho nos usuários Windows "leves", e mesmo entre alguns que até chegam a se intitular "técnicos de informática".

Por outro lado, usuários já habituados ao Linux deverão deixar de lado algum eventual preconceito e "atirar-se de cabeça" em uma aventura um pouco diferente do que é usual.

Já enfatizamos em outros artigos que a Basic Linux 3.50 é derivada da Slackware 4.0, porém com modificações que lhe permitem mais rapidez, economia de recursos, e sobretudo ser extremamente pequena, a ponto de caber em dois disquetes de 1.44MB.

Contudo eu não recomendaria BL3 para quem deseja apenas um S.O. auxiliar no particionamento e formatação de HDs para a instalação de outros sistemas pois, devido às suas grandes diferenças, não daria os resultados esperados.

Portanto, vamos ter em mente que o que teremos em nossa máquina será sempre uma personalização extrema de uma distro, e que nada vem pronto ou mastigado.

Contudo, com um pouco de paciência e perseverança, nosso trabalho será facilitado em muito.

Assim como nós mesmos, vocês estarão capacitados a finalmente instalar o BL3.50 em apenas 10 minutos.

Quero deixar meus agradecimentos ao Steven (o desenvolvedor do projeto), a Sindi (grande colaboradora do projeto, e uma grande guerreira) e também ao Fabio Maran, nosso colega aqui do VOL, que me auxiliou bastante desde o início dessa empreitada.

E também a todos vocês da comunidade, tanto pelo interesse quanto pela paciência.

Preparando o ambiente de instalação

Vamos considerar neste artigo a instalação feita a partir da "Floppy Version".

A outra (DOS version) será abordada futuramente em uma dica e contempla a sua instalação até mesmo em 386SX com apenas 3MB de RAM. Porém o grau de personalização naquela versão será bem menor que nesta.

Seguindo as instruções de nossos artigos anteriores, já teremos em mãos os "floppy1" e "floppy2", que são os nomes de nossos disquetes que contém a BL3.50.

Vamos examinar nosso hardware, se está tudo bem, se está executando o "post" com UM SÓ BIP FELIZ, se está tudo encaixado corretamente etc, no intuito de eliminar possíveis falhas da parte de nosso PC antes que venham a se manifestar em hora inoportuna.

A bem da verdade, não conheço falhas que se manifestem em horas oportunas. Falhas são acontecimentos incômodos, e nunca são bem vindas.

Nenhum utilitário de diagnóstico acompanha a BL3. Como o memtest por exemplo, que seria ótimo nesse momento.

Antes de mais nada, vamos programar a BIOS para dar o boot a partir do drive de disquetes.

    Próxima página

Páginas do artigo
   1. Primeiras considerações
   2. Considerações sobre a instalação do Basic Linux
   3. Instalação passo-a-passo do Basic Linux
   4. Testando!... Testando!...
Outros artigos deste autor

Internet Explorer: Esse fenômeno

XnView - Visualizador, conversor e organizador de fotos e gráficos

Meu primeiro contato com Basic Linux

Apresentação visual do Basic Linux

O desafio continua...

Leitura recomendada

Clonando HDs pela rede com UDP-CAST (parte 2)

Integrando o Mercury e o XMMS

Usando G4U, ProFTP e DHCP para clonar partições pela rede

Criar CD de instalação a partir do HD

Nagios Falante

  
Comentários
[1] Comentário enviado por removido em 07/01/2009 - 17:23h

este é o homem do "basic linux"...
;-)

[2] Comentário enviado por cvv em 08/01/2009 - 04:11h

Impressionante o amor e a dedicação ao Basic Linux que esse cara tem!!!

Vou testá-lo numa máquina virtual, :D

abraços

[3] Comentário enviado por maran em 08/01/2009 - 07:48h

Grande Teixeira,
Outro excelente trabalho, poxa lembro daqueles disquetes ;D
Belo trabalho, agora sim entendemos perfeitamnete este seu processo de instalação!
Realmente muito bom!
Grande abraço meu velho!

[4] Comentário enviado por jansen.kurumin em 08/01/2009 - 10:18h

Bom para iniciantes heuheuehuheu blza......

[5] Comentário enviado por Teixeira em 08/01/2009 - 21:30h

Na verdade esse artigo deveria ter sido enviado há muito tempo.
Estava meio perdido por aqui, pois tive dois crashes de HD em intervalos muito curtos
(problema de bios - "Botaram um Idiota Operando o Sistema") e não cheguei a enviá-lo na época certa.
Agradeço aos colegas pelos comentários favoráveis, e me alegro também por ter
conseguido "tirar o Fábio Maran da toca" (rsrsrs)...

[6] Comentário enviado por pinduvoz em 09/01/2009 - 01:24h

Esse sabor de Linux, pelo que eu entendi, precisa do DOS.

Serviria o FreeDOS?

[7] Comentário enviado por xxis em 09/01/2009 - 10:34h

Cara gostei muito
tava procurando uma distro dessa
to com um projeto de colocar linux em uma escola
mas os pcs de la sao tudo 386
nao achava nenhum linux bom pra essa situação

valeu

[8] Comentário enviado por Teixeira em 09/01/2009 - 21:08h

pinduvoz,
BL3 não precisa do DOS. É GNU/Linux puro.
O que acontece é que existe uma versão paralela (DOS version)
que roda dentro de um "loop" no DOS.
(Tenho um 486 dx4/100 da IBM com 16MB RAM, rodando BL3
de dentro do DOS).
Os disquetes onde se irá gravar qualquer das versões de BL3 são
formatados no formato DOS (1.44MB), apenas para facilitar as coisas.
O primeiro disco (floppy 1) ocupa cada um desses 1.44MB e portanto
não pode ter nem sombra de "bad blocks".

xxis,
os 386 não são uma boa pedida, a não ser que você abra mão da
interface gráfica e trabalhe exclusivamente em modo texto.
Aï eles são bem rápidos e robustos, exigindo pouquíssima manutenção,
visto que não têm os atuais problemas de aquecimento e nem exigem
fontes de alimentação muito poderosas.
Qualquer fonte de mais de 100W será mais que suficiente para um 386.

O problema da interface gráfica é que exige um mínimo de 12MB RAM
para poder dar algum resultado, sendo que seria mais honesto
falarmos em 16MB.

Conforme já comentei em alguns outros artigos, é difícil - e até
impossível - instalar mais de 4MB em um 386, além do que a
melhor performance desses micros é rodando DOS/Windows 3.11
com os aplicativos da época, que se estendem ate mesmo aos programas
de gerenciamento comercial escritos em Clipper Summer 87.
Ou em Paradox 3.x (Um excelente banco de dados da Borland, que
veio ceder espaço para o Delphi).
Tudo muito antigo, porém perfeitamente funcional, limpo e rápido.

Prefiro o Linux ao Windows por inúmeras razões, mas neste caso específico
tenho de reconhecer que o Linux naquela época não estava preparado
para competir em iguais condições no quesito "desktop".

Estou situando BL3 na faixa que atende BEM a usuários de 486 até Pentium mmx,
incluindo os "instáveis e problemáticos" K6 (*).

Acima disso, eu recomendaria uma outra distro com um kernel mais moderno,
tipo DSL ou Puppy Linux (kernel 2.4.x)
E se o micro tem USB, o mais acertado será utilizar uma distro que utilize
um kernel a partir do 2.6.x

O problema dos micros antigos é saber conciliar "recursos de hardware"
com o "kernel" e a "memória RAM".

(*) Na verdade, não são "os K6" que são problemáticos e/ou instáveis,
mas sim "as motherboards de terceira linha" que chegavam ao Brasil via bote
pelo Rio Iguaçu. Essas motherboards eram facilmente reconhecidas,
pois tinham anotações feitas com marcador de tinta prateada ou preta.
Muitas placas "vindas de Miami" já passaram também pelo Rio Iguaçu e
tinham o mesmo tipo de anotações...



[9] Comentário enviado por Teixeira em 10/01/2009 - 11:36h

E se desejar ter disquetes formatados na capacidade de 1,722MB é muito fácil:

mknod /dev/fd0u1722 b 2 60

Insira um disquete comum de 1,44MB que seja 100% à prova de erros (zero bad blocks) e prossiga:

fdformat /dev/fd0u1722

ai então você terá um belo disquete formatado com 1,722MB, porém ainda sem um sistema de arquivos.

Para ter o EXT2 (padrão do BL3), é só fazer

mke2fs /dev/fd0u1722

Agora, se o disquete tiver algum defeito que seja, nada disso será possível pois BL3, a exemplo das demais distribuições Linux, é extremamente exigente.

[10] Comentário enviado por ice2642 em 12/01/2009 - 07:01h

Muito bom o Artigo, parabéns.

quanto aos diskets, se nao me falha a memoria, vc precisa tambem tampar um dos furos dele, aqueles laterais onde um se usa para proteger contra gravaçao, o outro, com fita adesiva, ou ele da erro e nao formata em single side. mas nao é certesa, ja faz ceculos q nao vejo um discket na minha frente.

[]'s

[11] Comentário enviado por ice2642 em 12/01/2009 - 07:03h

opa, esquece o lance do discket, é sono, entendi que vc queria gravar 720kb o de 1,4 :)

foi mals.

[12] Comentário enviado por Teixeira em 12/01/2009 - 11:02h

Já que tocamos no assunto, um disquete de 3,5" tem duas janelinhas retangulares nos extremos inferiores.
Olhando de frente (do lado onde está estampada a marca de fábrica) somente deveremos ver a janelinha
da direita desprotegida (ela na verdade não tem proteção alguma).
A janela da esquerda deverá estar fechada. Este é o "default" de um disquete quando sai de fábrica.
Se as duas janelinhas estiverem desprotegidas, o disquete se torna "read only", isto é,
protegido (por hardware) contra gravação.
Então não adianta nem a "oração-do-sapo-seco" porque se a janela esquerda estiver aberta,
será IMPOSSÍVEL gravar qualquer coisa no disquete - inclusive usar utilitários como o scandisk ou o
defrag do Windows.
Não precisa fita adesiva, a janelinha esquerda já vem com uma tampinha do tipo "slide".
A direita não deve ser obstruída em hipótese alguma. Ela serve apenas para o sensor de presença
de disquete no drive.

[13] Comentário enviado por ashmsx em 22/08/2009 - 16:33h

eu tenho umas placa mãe 386sx, assim que eu conseguir uma controladora ide eu as ponho para funcionar e testo esse BL... ainda tem na internet um tutorial do piter punk colocando o slack numa máquina assim, uma 'googlada' é o suficiente para ter acesso a estas valiosas informações. acredito que implementado alguma das dicas do piter punk no bl3 a coisa toda rode muito bem, se alguém tiver alguma ideia, é muito bem-vindo


Contribuir com comentário




Patrocínio

Site hospedado pelo provedor HostGator.
Linux banner
Linux banner
Linux banner

Destaques

Artigos

Dicas

Viva o Android

Tópicos

Top 10 do mês

Scripts